O êxito da greve de 2008 mostra mais uma vez o acerto da estratégia da unificação da campanha salarial nacional nos bancos públicos e privados, uma bandeira histórica que vem sendo construída pela categoria bancária há mais de três décadas.

Antes da campanha nacional unificada, nunca os bancários haviam conseguido aumento real de salário, nem na Fenaban nem nos bancos públicos, que tinham campanhas separadas. Aliás, durante o governo FHC, de 1995 a 2002, nas últimas sete campanhas salariais seguidas os bancários do Banco do Brasil e da Caixa Federal tiveram reajuste zero (em troca de abonos), sofrendo um brutal achatamento salarial.

Desde que a unificação começou a ser implementada na prática, em 2004, articulada com as negociações das questões específicas de cada banco, os bancários conquistaram 11,5% de aumento real no piso, 7,3% nos salários até R$ 2.500 e 5,5% de aumento acima da inflação para as demais faixas salariais (veja no quadro).

Os ganhos reais de 2004 a 2008

  Inflação pelo INPC/IBGE de 2004 a 2008 Reajuste no piso Fenaban, BB e Caixa (2004/2008) Reajuste até R$ 2.500 Fenaban, BB e Caixa (2004/2008) Reajuste demais faixas Fenaban, BB e Caixa (2004/2008)
  29,36% 44,26% 38,8% 36,46%
Aumento real   11,5% 7,3% 5,5%

Também houve avanços significativos na PLR, principalmente nos bancos e outros benefícios. Durante o governo FHC, o BB e a Caixa se recusavam a discutir a PLR com os sindicatos e com os funcionários. Impuseram unilateralmente um modelo de PLR, que garantia somas vultosas aos altos executivos e nada ou quase nada aos demais.

A Caixa, na verdade, nem tinha PLR. O que havia era a PRX, um plano de metas que deixava muitos empregados sem receber nada se as metas não fossem atingidas. E no BB, só como exemplo, no primeiro semestre de 2001 os postos efetivos receberam R$ 275 reais de PLR, enquanto os NR1 levaram mais de R$ 17 mil.

Além do grande salto da PLR no Banco do Brasil e na Caixa nestes últimos anos, os bancários conquistaram em 2007 uma participação adicional na variação do lucro líquido de cada banco. E este ano, graças à greve, os bancários conseguiram um avanço importante na regra básica da PLR, aumentando de 80% para 90% do salário e o teto de distribuição, 2 para 2,2 salários.

Em 2007, a campanha nacional dos bancários conquistou ainda a 13ª cesta-alimentação, que este ano será de R$ 272,93.

A longa e difícil construção da unidade – A busca da unidade nacional dos bancários é uma luta que vem sendo travada pela categoria desde que ela existe. Até o início dos anos 1980, os bancários não tinham data-base única no país inteiro, como é hoje (1º de setembro). Nem os salários e direitos eram os mesmos em todo o território nacional. Os acordos salariais da categoria eram assinados pelos sindicatos e federações Estado por Estado.

A primeira grande vitória na luta pela unidade da categoria ocorreu em 1982, quando os bancários conseguiram unificar a data-base nacional em 1º de setembro.

Em 1986 foi criado o Departamento Nacional dos Bancários da CUT (DNB/CUT), para organizar a ação dos sindicatos filiados à central sindical e buscar a unidade nacional com os sindicatos e entidades de outras correntes. O DNB foi transformado em Confederação Nacional dos Bancários (CNB) em 1992. Neste mesmo ano, pela primeira vez a CNB/CUT assina a Convenção Nacional dos Bancários com a Fenaban.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf/CUT) foi criada em 2006 em substituição à CNB, com o objetivo de organizar e representar, além dos bancários, os cerca de 1 milhão de trabalhadores que atuam em financeiras, promotoras de venda, mercado de capitais, cooperativas de crédito etc..

Outro passo importante para a unidade nacional da categoria ocorreu em 2003, quando o Banco do Brasil e a Caixa Federal, que antes faziam negociações e acordos separados, participaram pela primeira vez da mesa da Fenaban – dando início a um período de conquista de aumentos reais. O que transforma os bancários na única categoria profissional com a mesma convenção coletiva e os mesmos direitos em todo o território nacional.

Fonte: Contraf/CUT