Fortaleza – As principais autoridades da fiscalização ambiental no Ceará foram presas ontem pela Polícia Federal: o superintendente do Ibama no Estado, Raimundo Bonfim, o superintendente da Semace (Superintendência Estadual do Meio Ambiente), Herbert Vasconcelos, a secretária municipal de Meio Ambiente, Daniela Valente, e o chefe de fiscalização do Ibama em Aracati, Antônio Rebouças.

Além das prisões, a Operação Marambaia realizou ainda 14 mandados de busca e apreensão nos três órgãos públicos, nas residências dos envolvidos e em empresas, por determinação da Justiça Federal.

Os quatro tiveram a prisão temporária (de cinco dias) decretada sob a suspeita de prevaricação, tráfico de influência, corrupção ativa e passiva e quebra do sigilo funcional.

Segundo o superintendente da PF no Estado, Aldair da Rocha, há provas de que o grupo formava um “conluio” envolvendo as três esferas de licenciamento ambiental no Ceará para conceder liberações irregulares e até para mentir quando argüidos pelos Ministérios Públicos Federal e Estadual, em casos sob investigação.

As licenças se referiam a empreendimentos imobiliários no litoral (na Praia do Futuro, no Cumbuco, no Pecém e em Aracati) e no interior (em Guaramiranga e em Crateús).

Rocha não quis informar quais são esses empreendimentos –afirmou apenas que se trata tanto de empresas nacionais como estrangeiras. Os nomes não foram informados porque o processo está sob segredo de Justiça, segundo o superintendente da PF.

As investigações começaram em maio do ano passado, por indícios de irregularidades no escritório do Ibama em Aracati, área onde existem vários empreendimentos turísticos. Nas demais praias e em Guaramiranga, que é uma região de serra, também há resorts e outros empreendimentos residenciais em construção.

Por meio de interceptações telefônicas autorizadas pela Justiça, foi possível comprovar, segundo Rocha, que pelo menos dois dos envolvidos, Vasconcelos e Valente, mantém ligações com escritórios de consultoria arquitetônica, que intermediavam as negociações de irregularidades para a concessão de licenças.

Todos os envolvidos presos tiveram indicações políticas: o superintendente do Ibama e o chefe do escritório do órgão em Aracati são ligados ao PT, assim como a secretária de Meio Ambiente de Fortaleza. Já o superintendente da Semace é antigo aliado do governador do Ceará, Cid Gomes (PSB).

Segundo Rocha, as licenças irregulares geraram danos ambientais, como degradação de dunas e assoreamento de rios, e os responsáveis também deverão responder por esses crimes.

Matéria completa: http://www1.folha.uol.com.br/folha/brasil/ult96u461944.shtml

Anúncios