A propina paga pela Alstom, multinacional franco-suíça acusada de conquistar licitações mundo afora – inclusive de tucanos e autoridades do governo paulista desde o governo Mário Covas – por meio de pagamento de subornos, pode ultrapassar US$ 430 milhões de acordo com a Justiça suíça, em reportagem publicada hoje pela Folha de S.Paulo.

O Tribunal Federal Penal em Bellinzona estima o pagamento de US$ 60 mi anuais, entre 1998 e 2003, com suborno disfarçado como “pagamento de consultorias” – forma pela qual pagou o suborno aos tucanos e autoridades paulistas –  mas muitas empresas nunca prestaram serviço a multi e, na verdade, eram fachada para lavagem de dinheiro.

Uma das três investigações em curso no Ministério Público suíço é sobre o uso de bancos daquele país para a transferência de propinas ao Brasil. Aqui, a Alstom é investigada pelos Ministérios Públicos Estadual e Federal paulista e pela Polícia Federal, respondendo por nada menos do que 12 inquéritos por contratos irregulares, a maioria no Metrô paulistano e na Companhia Paulsita de Trens Metropolitanos (CPTM), com o tucanato paulista envolvido até o pescoço nesses subornos.

Políticos e autoridades do PSDB teriam recebido US$13,5 milhões em troca de favorecimento em contrato com estatais durante os governos de Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra. Como noticiou o jornal norte-americano The Wall Street Journal, aqui no Brasil esses pagamentos teriam ocorrido até junho deste ano!!! Mas aqui, no âmbito do governo tucano, não se apura nada porque a dupla de governadores Geraldo Alckmin e José Serra jamais permitiu.

O principal acusado de coordenar as propinas dos tucanos é o executivo Bruno Kaelim, preso em agosto durante uma operação na Suíça e libertado no último dia 10, depois de afastado o risco de destruição de provas. Lá fora, a Alstom continua negando as acusações e um de seus executivos declarou à agência France Press, na maior cara de pau, que “a decisão do Tribunal Penal Federal, que nos é favorável, considera injustificado associar pagamentos feitos pela Alstom a consultores a corrupção ou tentativa corrupção.”

Fonte: http://www.zedirceu.com.br/

Anúncios