Maior beneficiado da postura do presidente Lula na eleição em Salvador, o ministro Geddel Vieira Lima (Integração Nacional) “ofereceu” a vitória ao petista, em telefonema logo após a divulgação dos resultados.

“Ele é o grande vencedor”, afirmou o ministro, que tenta capitalizar politicamente a aproximação com Lula, presidente com popularidade recorde na Bahia.

O segundo turno entre PMDB e PT na Bahia fez Lula ficar fisicamente distante da disputa –ele não gravou para nenhum dos dois candidatos nem subiu em palanque.

Mas nos bastidores até petistas reconhecem que a preferência do Planalto era pela vitória do PMDB, partido com o qual Lula pretende compor a aliança para fazer o seu sucessor em 2010. Pelo apoio do PMDB, Lula fez uma série de concessões nestas eleições, em detrimento do próprio partido, o PT.

Ontem, João Henrique afirmou que, por intermédio de Geddel, pretende reforçar a parceria com o governo federal, principalmente no que diz respeito aos investimentos na capital.

Mal avaliado no início de sua gestão, o peemedebista reverteu os índices de rejeição usando um instrumento que sempre acompanhou a sua carreira. Em pouco mais de três anos, gastou R$ 61,5 milhões em publicidade, praticamente o mesmo desembolsado pelo seu antecessor, Antonio Imbassahy (PSDB), em oito anos de administração (R$ 62,2 milhões).

Fonte: Folha On Line

Anúncios