Cresceu em todo o país nesta sexta-feira (10) a greve nacional dos bancários deflagrada na última quarta-feira (8). Segundo a Contraf (Confederação dos Trabalhadores do Ramo Financeiro, ligada à CUT), mais de 4.300 agências de todos os bancos estão paradas nos 27 Estados brasileiros.

Os bancários rejeitaram na semana passada proposta de reajuste de 7,5% apresentada pela Fenaban (Federação Nacional dos Bancos), por considerá-la insuficiente e não condizente com a alta rentabilidade do setor. Pela proposta, a PLR (participação nos lucros e resultados) seria inferior à paga no ano passado.

As principais reivindicações dos bancários são: 5% de aumento real (a proposta da Fenaban é de 0,35%); valorização dos pisos salariais; aumento do valor e simplificação da distribuição da PLR (Participação nos Lucros e Resultados); vale-refeição de R$ 17,50; cesta-alimentação equivalente a um salário mínimo (R$ 415); fim das metas abusivas e do assédio moral; mais segurança nas agências; mais contratações.

Aderiram à greve os bancários dos Estados do Acre, Rondônia, Ceará, Alagoas, Piauí, Mato Grosso, Espírito Santo, Paraíba, sul do Rio de Janeiro, além das capitais São Paulo (SP), Curitiba (PR), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Florianópolis (SC) e Porto Alegre (RS)(nesta última, exceto Banco do Brasil e Banrisul). Seguem em greve desde a semana passada: Pernambuco, Pará, Amapá, Maranhão, Rio Grande do Norte, Sergipe, Brasília (DF) e Salvador (BA).

Protestos
Na falta de negociações com os setores patronais, a programação da greve dos bancários para essa sexta-feira, terceiro dia de paralisações, inclui atos e passeatas em várias cidades do país.

Os bancários estão em um impasse com a Fenaban, cuja última proposta salarial foi feita no dia 24 de setembro, antes mesmo da paralisação de 24h dos bancários, no último dia 30. Por esse motivo, as agendas dos grevistas não prevêem assembléias deliberativas antes de segunda-feira da semana que vem.

Hoje estão previstas manifestações em homenagem ao aniversário de 200 anos do Banco do Brasil (comemorado no domingo, dia 12 de outubro). “Os funcionários estão excluídos das celebrações oficiais, então, vamos comemorar do nosso jeito”, afirmou Marcel Barros, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil em São Paulo.

Em Brasília (DF), as “comemorações” (que incluem a partilha de um bolo, em alusão ao aniversário do banco) vão ter início às 14h, no setor bancário sul. Segundo o sindicato local, há mais de 14 mil funcionários parados no Distrito Federal, o que representa cerca de 70% da categoria.

Em Salvador (BA), os grevistas organizaram uma passeata, com saída da sede do sindicato às 16h, em direção ao Banco do Brasil. Segundo o sindicato da Bahia, a greve conta com adesão de 600 a 700 pessoas na capital, e é mais forte no Banco do Brasil e na Caixa Econômica Federal.

Manifestações em homenagem ao aniversário do Banco do Brasil também devem acontecer em Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ) e Niterói (RJ). Em São Paulo, o ato pode ser ofuscado por outro: uma manifestação, programada para às 15h, em frente à Bolsa de Valores, na rua 15 de Novembro. Depois os bancários sairão em passeata pela região.

Fonte: Uol Noticias