Um exemplo de superação. É assim que os companheiros de trabalho da agência Praça do Carmo vêem o funcionário do Banco do Brasil, Celso Farias – o único deficiente auditivo da instituição em todo o País. Bancário há mais de 10 anos e no BB, há cinco meses, Celso foi o principal responsável pela aplicação de um curso de Libras (Língua Brasileira de Sinais) na unidade, durante três semanas, como forma de integrá-lo junto aos colegas e também de capacitar os demais funcionários a atender pessoas com a mesma deficiência dele.

“Após o curso podemos ver o quanto ele estava isolado e a necessidade que tínhamos de aprender a nos comunicarmos com ele e de despertarmos para a importância de atender bem esse segmento da sociedade”, afirmou a funcionária Evalda Coutinho.
Celso informou, através da intérprete Cristiane Menezes, que foi muito bem recebido na agência, mas sentia dificuldades em se comunicar com os colegas. De acordo com ele, era necessário utilizar papel e caneta para poder transmitir aos outros aquilo que ele queria dizer.

Celso já trabalhou 12 anos no Banerj (Rio de Janeiro) e no Real (oito meses).
Após o treinamento interno, Celso vai trabalhar como caixa executivo e pretende abrir uma porta que veio se abrir para todos os deficientes auditivos, como exemplo e referência para que eles sejam incluídos no mercado de trabalho. “Meu sonho é crescer no banco e um dia chegar a ser gerente. Além disso, quero poder atender os surdos do Ceará, porque muitos sentem falta de chegar ao banco e ter uma pessoa capacitada para atendê-los. Os bancos têm políticas de atendimentos personalizados para deficientes visuais, acesso especial para cadeiristas, mas os deficientes auditivos acabam esquecidos”, cobra ele. Segundo Celso, em Fortaleza existem cerca de 10 mil surdos. “Quero mostrar com isso que nós, surdos, também somos capazes”, concluiu.

Passeata – No próximo dia 26/9, Dia Nacional dos Surdos, acontece uma passeata saindo da FIC Aldeota até a Praça da Imprensa. A concentração será às 16h e o objetivo é conscientizar a população a respeito dos direitos e capacidades dos deficientes auditivos.

Pauta 2008 – Na Pauta de reivindicações 2008 dos bancários existe uma cláusula sobre a contratação de trabalhadores com deficiência como forma de inclusão de deficientes no mercado de trabalho, através do cumprimento da Lei Federal de Quotas nº 8.213/91. Caso a cláusula seja aceita pela Fenaban, as empresas se comprometerão a garantir cursos de formação profissional para os trabalhadores com deficiência, além de promover curso de Libras obrigatório nas unidades que possuam empregados com deficiência auditiva. Além disso, uma outra cláusula prevê a inclusão e capacitação de pessoas com deficiência no setor bancário.

Fonte: http://www.bancariosce.org.br/

Postado por Erismar Carvalho, às 14h06.