Projeto, aprovado em abril pelo Senado, está em comissão da Câmara dos Deputados

São Paulo – O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse em entrevista à TV Brasil, no dia 17, que não vetaria o projeto de lei que acaba com o fator previdênciário. “Se for aprovado no Congresso o acordo entre os líderes, certamente que eu não vetarei”, disse.

Lula, no entanto, manifestou preocupação com o caixa da Previdência, caso a extinção realmente aconteça.

O fator previdenciário é um redutor do valor do benefício dos segurados que se aposentam mais jovens. O índice acabaria graças ao projeto de lei 3.299/08, do senador Paulo Paim, aprovado em abril no Senado. Atualmente o PL está na Câmara dos Deputados, na Comissão de Seguridade Social e Família. De acordo com a assessoria da comissão, há consenso entre os deputados pela aprovação. A próxima votação está marcada para 8 de outubro.

Segurança – Para o presidente do SEEB/SP, Luiz Cláudio Marcolino, o fim do fator previdenciário seria uma grande conquista para os trabalhadores, principalmente para os que ingressam no mercado de trabalho mais cedo e para as mulheres. Como a regra prevê um achatamento do valor pago de aposentadoria relativo à idade do segurado, quanto mais jovem o contribuinte, maior a perda. E como as mulheres aposentam-se mais cedo, são as que mais perdem com o mecanismo: a redução para elas chega a 40% no valor devido.

Marcolino destaca que os trabalhadores têm de ter segurança na ativa – com oportunidade de emprego – e no período de aposentadoria. “A criação do fator previdenciário e o fim da aposentadoria proporcional prejudicaram os bancários. O movimento sindical não concorda com nenhuma proposta que retira direitos dos trabalhadores. Defendemos uma previdência pública digna e que todos tenham direito também a uma aposentadoria complementar, que garanta que os aposentados mantenham o mesmo patamar dos salários da ativa.”

Fonte: http://www.spbancarios.com.br/

Postado por Erismar Carvalho, às 09h34.