Arquivo da tag: PT

Frei Beto: ‘PT sabe dialogar, PSDB manda polícia pra conversar’

NO FÓRUM SOCIAL TEMÁTICO, ELE DEMONSTROU SOLIDARIEDADE COM A COMUNIDADE DE PINHEIRINHO E ALERTOU PARA A NECESSIDADE DE ACOMPANHAR COM INTENSIDADE O PROCESSO POLÍTICO DE 2012

Por Jornal Sul 21

26 de Janeiro de 2012 Jornal Sul 21

Redação Sul 21 – Frei Betto começou a sua fala no Fórum Social Temático, na Mesa Rumo à Rio+20 dos povos, demonstrando solidariedade à comunidade de Pinheirinho que foi desocupada no último domingo (22) em São José dos Campos. “A diferença do PT e do PSDB é que o PT sabe dialogar e o PSDB manda a polícia pra conversar”, comparou. O auditório lotado da Faculdade de Direito da UFRGS aplaudiu fortemente a atitude de Frei Betto.

Ele também alertou para a necessidade de acompanhar com intensidade o processo político de 2012. “A falácia de que devemos torcer o nariz para os políticos e a política é um risco. Infelizmente isso está ganhando campo na juventude. Quem tem nojo de política é governado por que não tem. Tudo que eles querem é que a gente tenha bastante nojo para que eles fiquem com a rapadura na mão”, falou Frei Betto.

Ministra Luiza Bairros participa da abertura do Quilombo Oliveira Silveira

A ministra Luiza Bairros, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), participará nesta quarta-feira (25) da abertura do Quilombo Oliveira Silveira, às 17h30min, no Largo Zumbi dos Palmares, localizado no centro de Porto Alegre.O Quilombo é organizado pelo grupo de trabalho do Movimento Negro do Fórum Social Temático.

Marina Silva defende que Dilma vete Código Florestal

A ex-ministra do meio Ambiente Marina Silva também animou a plateia do auditório da Faculdade de Direito da UFRGS ao conclamar os presentes a pressionar e apoiar o veto ao Código Florestal pela presidenta Dilma Rousseff. “Tenho muitas esperança que a presidente Dilma Rousseff vete o Código Florestal. Ela se comprometeu, no segundo turno, assinando de próprio punho que vetaria qualquer projeto de lei que anistiasse desmatadores ou aumentasse o desmatamento. Se nao der para rever isso no Congresso, peço à Deus e ao povo brasileiro que se mobilize para dar sustentação política para que Dilma possa honrar sua palavra”, falou Marina, em evento sobre Cidades Sustentáveis.

“O Código Florestal tem tudo a ver com a idéia de cidades sustentáveis. O péssimo resultado alcançado no Congresso faz com que eu mantenha a esperança, embora alguns digam que é uma coisa meio quixotesca”, disse Marina.

Primavera Árabe inicia nova fase do movimento altermundista

No Evento Rumo à Rio+20 dos povos, o francês Gustave Massiah falou na manhã desta quarta-feira (25) que as lutas altermundistas já viveram muitas fases e que a última foi iniciada com os levantes populares da Primavera Árabe. “Os fatos ocorridos na Tunísia renovam completamente o movimento, renovam também a cultura política, e demonstra a necessidade de uma mobilização especifica, a questão da representação e da democracia”, analisou.

Ele também ressaltou que se observa neste momento o nascimento de uma nova classe, a dos desempregados com diploma que poderá trazer transformações para a sociedade. “Um nova fase do movimento altermundialista está só começando e uma das grandes questões é como fazer o vínculo do novo movimento e os movimentos que existiram até agora. A grande pergunta é: como vamos inventar novas formas contra a ditadura do capitalismo financeiro?”, perguntou Massiah.

José Pimentel pode ser a “bola da vez” do PT

O nome do senador José Pimentel será incluido na lista dos “prefeituráveis” do PT de Fortaleza. Essa foi uma das decisões tomadas pelas executivas estadual e municipal, durante reunião nessa noite de segunda-feira, no Hotel Amuarama. A informação foi dada nesta terça-feira pelo deputado federal e também prefeiturável Artur Bruno.

A inclusão de José Pimentel chega como novidade num rol de pré-candidatos que inclui ainda o secretário municipal da Educação, Elmano Freitas, os vereadores Acrísio Sena (presidente da Câmara Municipal) e Guilherme Sampaio, e a volta do secretário das Cidades, Camilo Santana, este sob as bênçãos do deputado federal José Nobre Guimarães.

Sobre José Pimentel, o deputado federal Artur Bruno considerou um nome forte e de peso na legenda, mas, mesmo assim, ele reiterou o desejo de ser o escolhido do PT para o embate das urnas deste ano. Bruno voltou a afirmar que tem densidade eleitoral, bom trânsito entre correntes do partido e boa relaçao com o PSB do governador Cid Gomes.

Já o senador José Pimentel ainda será consultado se aceita integrar a lista dos “prefeituráveis”. O desejo é da prefeita e presidente estadual do PT, Luizianne Lins, que avaliaria agora dificuldades de emplacar Elmano Freitas.

Luizianne bem que tentou lançar seu assessor para assuntos governamentais Waldemir Catanho que, na semana passada, jogou a toalha e saiu do cenário da disputa. Alegou não ter vaidades, mas setores petistas dizem que ele afastou o desejo por não congregar nem atrair o apoio do governador. Adicione-se a isso uma herança de grandes investimentos que exigirá do futuro prefeito jogo de cintura em todos os sentidos.

(BLOG DO ELIOMAR)

PT de Fortaleza lança nova lista de pré-candidatos a prefeito

O Partido dos Trabalhadores (PT) divulgou na noite desta segunda-feira (23) uma nova lista de pré-candidatos à prefeitura de Fortaleza, atualmente ocupada por Luizianne Lins (PT), que também preside o PT no Ceará. Com isso, ficam cinco nomes na disputa interna pela indicação do partido: o secretário de educação de Fortaleza, Elmano Freitas, o deputado federal Artur Bruno, o secretário das cidades, Camilo Santana, o presidente da Câmara Municipal de Fortaleza, Acrísio Sena, e o vereador Guilherme Sampaio.

A decisão foi tomada após reunião entre as executivas do PT estadual e de Fortaleza, na noite desta segunda-feira (23), em um hotel no Bairro de Fátima. O senador José Pimentel foi o único que não participou da reunião nem mandou representante, segundo a assessoria do PTCeará. A prefeita prometeu, então, que vai conversar com o senador até o fim de semana, para saber seu posicionamento.

Prévia partidária

Segundo a assessoria do PT, a reunião era para “enxugar” a lista de 13 nomes que haviam sido divulgados por Luizianne. Caso não haja consenso até o dia 30 de março, o PT de Fortaleza vai realizar prévia partidária para a escolha do candidato e quais nomes vão participar dessa disputa. Luizianne Lins disse estar abrindo espaço para que os nomes da lista inicial retirem ou mantenham suas candidaturas.

A prévia partidária é um processo eleitoral interno em que os filiados escolhem quem deve ser o candidato do partido homologado na convenção partidária. Caso seja necessária, está programada pelo partido para ser realizada até o dia 20 de maio.

Com isso, já retiraram os nomes da disputa interna, Deodato Ramalho, Antonio Carlos, Roberto Gomes, Íris Tavares, Joaquim Cartaxo, Luiza Perdigão e Waldemir Catanho. Após a desistência, Deodato Ramalho disse que apóia Elmano Freitas, que é também próximo à prefeita Luizianne Lins.

Antes, o partido já havia decidido que teria até o dia 15 de janeiro para saber se apoiaria o candidato de um partido aliado ou se teria candidatura própria. Agora, ficou acertado que o partido vai ter candidato próprio.

Lista dos 13
No final de julho do ano passado, o PT de Fortaleza divulgou uma lista de 13 pré-candidatos. Foram eles:
Acrísio Sena – presidente da Câmara Municipal de Fortaleza;
Antônio Carlos – líder do governo do estado na Assembleia Legislativa;
Artur Bruno – deputado federal;
Camilo Santana – titular da Secretaria das Cidades do Ceará;
Deodato Ramalho –  secretário de Meio Ambiente de Fortaleza;
Elmano Freitas – secretário de educação;
Guilherme Sampaio – vereador;
Íris Tavares – presidente do Instituto Municipal de Pesquisa Administração e Recursos Humanos (Imparh);
Joaquim Cartaxo – ex-secretário das Cidades do estado;
José Pimentel- senador;
Luíza Perdigão – titular da secretaria executiva regional do Centro, da prefeitura;
Roberto Gomes – o presidente da Fundação de Desenvolvimento Habitacional de Fortaleza (Habitafor);
Waldemir Catanho – secretário da Ação Governamental da Prefeitura de Fortaleza, e que era considerado o preferido de Luizianne para disputar sua sucessão.

(G1 CEARÁ)

Catanho está fora da disputa; aposta de Luizianne agora é Elmano Freitas

Waldemir Catanho não aceitou a indicação para concorrer à Prefeitura de Fortaleza. A decisão já foi comunicada a Luizianne Lins. O responsável pelas articulações políticas do Palácio do Bispo era o preferido da prefeita para sucedê-la.

Elmano e Catanho

Salvo focos localizados – o deputado federal Artur Bruno em particular – a candidatura já era aceita pela maior parte das tendências do PT. Com ele fora do páreo, o cenário dentro do partido é de indefinição, a menos de nove meses do pleito.

A opção preferencial do grupo de Luizianne passa a ser o secretário da Educação do Município, Elmano de Freitas. Desde que deixou a coordenação do orçamento participativo e assumiu a educação municipal, em setembro do ano passado, ele gradualmente começou a despontar dentro da lista original de 13 pré-candidatos lançados pelo partido.

Na época do anúncio das opções petistas, em julho de 2011, Elmano era apontado, em levantamento feito pelo O POVO, na parte de baixo da relação. Estava entre os seis nomes considerados com poucas chances de sair candidato. A ida para a Educação alterou seu status.

Os mimos aos professores da rede municipal no fim do ano, com o pagamento de 40% adicionais do 13º salário – e justo em momento de desgaste do Governo do Estado com a categoria – sinalizavam que ele começava a ser preparado como opção real para a disputa.

Contudo, a desistência do pré-candidato que despontava como “plano A” representa retrocesso nas articulações dentro do PT. Enquanto a opção por Catanho já vinha sendo dada como certa e já era digerida pelas diversas forças internas, a indicação de Elmano – ou qualquer outro que venha a ser indicado – terá de ser rediscutida.

O problema não é só interno. O acordo com Catanho já era considerado certo pela maioria dos partidos que apoiam a Prefeitura na Câmara Municipal. Era ele quem dialogava diretamente com os vereadores e tinha apoio garantido de boa parte dos parlamentares. No PSB – o parceiro mais cobiçado – havia resistências ao coordenador político, em função da proximidade com Luizianne. Com Elmano, contudo, a rejeição é ainda maior: ele é igualmente próximo da prefeita, mas tem menor expressão e trânsito políticos.

Resistência

Luizianne começou a se movimentar para fazer de Catanho seu sucessor desde 2010, quando tentou emplacá-lo como candidato a vice-governador. Mas sobrou para ele apenas a vaga de suplente de Eunício Oliveira (PMDB) no Senado. Contudo, o próprio Catanho sempre se mostrou hesitante e sempre resistiu à articulação para tentar lançá-lo à Prefeitura.

(O POVO ONLINE)

Paulinho da Força Sindical entra na disputa pelo PDT em SP

Outro partido desgarrado da base aliada lança o deputado como candidato e complica ainda mais a situação de Fernando Haddad, do PT, na corrida à prefeitura de São Paulo

17 de Janeiro de 2012

247 – Mais um partido desgarrado da base aliada lançou seu candidato à prefeitura de São Paulo, para complicar ainda mais a situação de Fernando Haddad, do PT. Na eleição de Dilma, todos os partidos estavam na disputa do mesmo lado. Agora, o PMDB tem Chalita na corrida eleitoral, o PCdoB concorre com Netinho de Paula e o PDT confirmou o presidente da Força Sindical, deputado Paulinho da Força, como seu candidato.

Lula, que já estava receoso sobre o desempenho de seu candidato, ainda ministro da Educação, pela publicidade negativa do Enem, agora tem um motivo a mais para se preocupar. A saída de Haddad do ministério teria sido adiada até que o PT tivesse provas mais concretas do nível de popularidade do seu candidato.

Segundo o presidente do partido, Carlos Lupi, o PDT já conta candidatos a prefeito em quinze capitais: Gustavo Fruet em Curitiba, Carlos Eduardo em Natal, Haroldo Góis em Macapá, Mário Miranda em Boa Vista, Dagoberto Nogueira em Campo Grande, Manato em Vitória, Marcos Medrado em Salvador, Ronaldo Lessa em Maceió, Paulo Rubem Santiago em Recife, Edna Agnolim em Palmas e Amazonino Mendes em Manaus.

(Via site Brasil 247)

Governo “com alma e coração de mulher”

O compromisso do título acima com todas as mulheres e homens do país foi assumido pela candidata Dilma Rousseff (governo-PT-partidos aliados) na convenção que oficializou sua candidatura no fim de semana (domingo), em Brasília.

A candidata assegurou o prosseguimento da administração e das políticas atuais e antecipou como isso se dará: “O nosso presidente Lula mudou o Brasil e a nação, por causa dessa mudança, quer seguir mudando. A continuidade que o Brasil deseja é a da mudança que nós conseguimos consolidar no governo do presidente Lula. É seguir mudando para melhor”. Fazendo um governo, completou “com alma e coração de mulher”.

Dilma sai candidata com a maior coligação partidária da história do país em apoio a um postulante numa eleição presidencial; uma aliança coesa que lhe garante palanque forte em todos os Estados; com um vice-presidente, deputado Michel Temer (PMDB-SP); em situação de empate com o principal adversário nas pesquisas de intenção de voto – ganhando, inclusive, em várias delas; e com programa de governo de metas e rumo definidos para o país.

Ela rebateu as críticas dos adversários de que sua campanha divide o país, ao defender uma eleição plebiscitária em que a população vai avaliar os governos dos presidentes Lula e FHC. “Nesta campanha nós vamos debater em alto nível. Vamos mostrar ao povo que somos diferentes dos outros candidatos, mas depois de eleitos vamos governar para todos os brasileiros”, tranquilizou Dilma, numa contestação de resto desnecessária, já que os brasileiros não só não acreditam nessa história da oposição como entendem a acusação, feita para fugir da comparação tão temida pelo candidato conservador.

Governavam só para um terço da população

“O tabu mais importante que derrubamos foi o de que era impossível governar para todos os brasileiros. Historicamente, quase todos os governantes brasileiros governaram para 1/3 da população. Para muitos deles, o resto era peso, estorvo e carga”, destacou Dilma, em outro trecho de seu pronunciamento em que retratou com fidelidade a prática de governos anteriores aos do presidente Lula.

Dilma também relacionou as prioridades de seu futuro governo: investimentos em saúde, educação e em infra-estrutura. Na educação, a criação de creches e maiores aplicações nos ensinos técnico e superior, além de tratar os professores com a dignidade que estes merecem e não com polícia, cassetete e repressão como ocorreu na recente greve de professores paulistas quando o candidato a presidente pela oposição, José Serra, era governador.

Já na saúde, detalhou, “nossas prioridades estarão baseadas em três pilares: financiamento adequado e estável para o Sistema; valorização das práticas preventivas; e organização dos vários níveis de atendimento, garantindo a assistência básica, ambulatorial e hospitalar de alta solução em todos os Estados.”

(Zé Dirceu)

PT é o partido preferido da população brasileira, aponta Ibope

Quase um terço da população brasileira tem preferência ou simpatia pelo Partido dos Trabalhadores. Esta é a constatação da pesquisa Ibope divulgada no último fim de semana.

De acordo com o levantamento, que também revelou um crescimento significativo da pré-candidata petista à presidência, Dilma Rousseff, 29% dos brasileiros manifestaram preferência partidária pelo PT. Por outro lado, partidos como o DEM (ex-PFL) e o PSDB contaram apenas com 1% e 6% da preferência do eleitorado, respectivamente.

Os dados, na avaliação do deputado Ricardo Berzoini (PT-SP), ex-presidente do PT, demonstram que apesar do ataque constante de setores da grande mídia brasileira, o partido continua contando com a confiança dos brasileiros. “O PT é um partido muito presente na vida institucional e social do país. Esse índice de 29% poderia ser ainda maior, se não fosse a parcialidade negativa da grande mídia brasileira que, constantemente, tenta denegrir a imagem do PT”, disse Berzoini.

De acordo com o parlamentar, a pesquisa desmistifica ainda uma tese equivocada de que o partido estaria envelhecendo, já que a sigla completou 30 anos de sua fundação. De acordo com a pesquisa, 28% dos brasileiros que preferem o partido são jovens, na faixa etária entre 16 e 24 anos. “Temos presença em todas as faixas estarias e um especial apreço pela juventude.

É bom lembrar que o Brasil é um país sem tradição partidária. A preferência absoluta pelo PT mostra que o partido está enraizado nas lutas históricas dos brasileiros”, destacou.


O líder da bancada petista na Câmara, deputado Fernando Ferro (PT-PE), chamou atenção para o grau de escolaridade elevado dos eleitores que preferem o PT. Segundo o levantamento, 28% do eleitorado que tem simpatia pelo partido possui ensino superior, 30% tem o ensino médio, 27% o ensino fundamental e outros 29% até a 4º série.www.ptnacamara.org.br)

“Somos um partido com a maior expressão política do país. Isso demonstra que o PT é uma sigla reconhecida em todos os graus de conhecimento, escolaridade e faixas etárias”, explicou Ferro.

O líder do PT acredita que a popularidade do partido deverá pesar bastante nas eleições que se aproximam. “Isto indica que temos condições de ampliar bastante a nossa bancada no Congresso Nacional e, ao mesmo tempo, eleger mais governadores, prefeitos e vereadores, além da sucessora do presidente Lula, Dilma Rousseff”, avaliou. Uma pesquisa feita pelo PT há cerca de dois anos mostrou que, na época, o partido já contava com 23% da preferência da população.

Liderança do PT/Câmara (

Reunião do PT cearense discute estratégias eleitorais

Militantes do PT de 16 municípios cearenses se reuniram, mais uma vez, em Fortaleza para discutir as estratégias do partido para as eleições de 2010.

O momento foi para discutir as últimas estratégias eleitorais de 2010. Uma das grandes apostas do partido dos trabalhadores continua sendo José Pimentel, que deve competir por uma vaga no senado.

> José Pimentel irá conseguir uma vaga no senado caso seja candidato? Opine

O encontro regional também serviu para debater o apoio à reeleição do governador Cid Gomes. A militância não está totalmente satisfeita, porque segundo eles, o atual governador não respeitou a lei do magistério, entre outros comprometimentos. Além disso, os militantes não admitem uma coligação do candidato com o PMDB.

> Outros candidatos, como Eunício, tem apoio do PT garantido

Mesmo em clima de insatisfação, os integrantes do PT já lançaram três nomes para vice de Cid Gomes. Dois deles são familiares ao governador: Joaquim Cartaxo, secretário de governo e Francisco Pinheiro, atual vice. Outro nome cotado é o de Valdemir Catanha, secretário municipal.

(Portal Verdes Mares)

Exclusivo: Dilma passa à frente de Serra, confirma CNT/Sensus

Pesquisa CNT/Sensus divulgada nesta segunda-feira (17) mostra a pré-candidata do PT, Dilma Rousseff, em situação de empate técnico com o pré-candidato do PSDB, José Serra, na disputa eleitoral pelo Palácio do Planalto.

A cinco meses da eleição presidencial de outubro, Dilma aparece com 35,7% contra 33,2% de Serra, no cenário em que o entrevistado é confrontado com uma lista com 11 candidatos. A margem de erro da pesquisa é de 2,2 pontos percentuais para mais ou para menos, o que justifica o empate técnico. No levantamento, a pré-candidata do PV, Marina Silva,  tem 7,3%.

A pesquisa foi encomendada ao Institudo Sensus pela Confederação Nacional do Transporte. Foram entrevistadas 2 mil pessoas, em 136 municípios de 24 estados.

Apesar de Dilma superar Serra pela primeira vez na pesquisa CNT/Sensus, a margem de erro leva o resultado a um empate técnico. “Há uma intersecção na margem de erro”, afirmou Ricardo Guedes, do Instituto Sensus.

No cenário em que apenas Serra, Dilma e Marina são apresentados aos entrevistados, o candidato do PSDB tem 37,8% e leva ligeira vantagem sobre Dilma que aparece com 37%. Nessa situação, Marina tem 8%.

Todos os cenários estão relacionados ao primeiro turno da disputa. Já no segundo turno simulado entre Dilma e Serra, a candidata petista soma 41,8% dos votos contra 40,5% do candidato da oposição.

Em 1º de fevereiro, na última rodada divulgada pela CNT/Sensus, Dilma já aparecia empatada com Serra. O candidato tucano tinha 33,2% contra 27,8% da petista. A diferença de 5,4% caracterizou empate porque a margem de erro do levantamento foi de três pontos percentuais.

A ex-ministra-chefe da Casa Civil ficou em igualdade com o ex-governador de São Paulo no cenário simulado com o deputado federal Ciro Gomes (PSB), obrigado a se retirar da disputa por uma decisão do seu partido, que declarou apoio à petista.

Cenário espontâneo
Realizada entre 10 e 14 de maio, a pesquisa não chega a medir a influência do programa partidário do PT, exibido em rede nacional de rádio e televisão no dia 13 de maio. Pelo critério de manifestação espontânea (quando os próprios entrevistados dizem em quem pretendem votar, sem apresentação de uma lista de nomes pelo pesquisador), Dilma tem 19,8% contra 14,4% de Serra. Marina Silva aparece com 2,7%.quando os próprios entrevistados dizem em quem pretendem votar, sem apresentação de uma lista de nomes

Candidata do governo
Segundo Guedes, o bom desempenho de Dilma é justificado pela popularidade do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (83,7%) e de seu governo (76,1%). A CNT/Sensus também mediu a capacidade de transferência de votos de Lula para Dilma e do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso para Serra.

O grupo dos que votariam ou poderiam votar em um candidato de Lula somou 60,8%. Já os que votariam ou poderiam votar em um candidato de FHC representaram 23,5%. “Dilma é a candidata do governo e o governo tem uma aprovação positiva. As condições socioeconômicas são favoráveis à população. A medida que ela é identificada com lula, o desempenho vai subindo”, analisou Guedes. “A queda de Serra também está associada ao fato de Serra ser associado à oposição”, complementou.

Candidatos
Além de Dilma, Serra e Marina, a pesquisa CNT/Sensus incluiu outros oito pré-candiatos. José Maria Eymael (PSDC) teve 1,1% e Américo de Souza (PSL) somou 1%. Mario de Oliveira (PTdoB), Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) e Zé Maria (PSTU) aparecem com 0,4% das intenções de voto. Rui Costa Pimenta (PCO) tem 0,2% e Levy Fidelix (PRTB) e Oscar Silva (PHS), 0,1%. Nulos, indecisos ou que não responderam ao levantamento somam 20,6%.

Metodologia
Por questões técnicas, a CNT/Sensus modificou a forma de apresentação do questionário aos entrevistados. Nas outras edições, a avaliação do governo e de Lula era consultada primeiro e depois o entrevistado respondia sobre a disputa eleitoral. Agora, os entrevistadores do Instituto Sensus fizeram as perguntas eleitorais primeiro e só depois questionaram a avaliação do governo e de Lula.

Para Guedes, a inversão só evitou possíveis contestações jurídicas: “Essa modificação não influencia no resultado da pesquisa.” Outra modificação realizada foi a apresentação dos nomes dos candidatos em um formato de “pizza” e não no modelo tradicional de lista.

(Portal G1)

Maioria dos eleitores votaria “com certeza” em um candidato apoiado por Lula

A maioria dos eleitores votaria, com certeza, em um candidato à Presidência apoiado pelo presidente Lula. O dado é da pesquisa Vox Populi/Band divulgada neste sábado. Outros 30% dos entrevistados disseram que poderiam votar, 10% disseram que não votariam e 24% afirmaram que não levam isso em conta.

Quando questionados sobre se sabem ou não quem Lula está apoiando, 74% dos entrevistados responderam que é Dilma Rousseff (PT), 4% acharam que é José Serra (PSDB) e 1% acredita que é Marina Silva (PV).

No caso do governo do Estado, o instituto Vox Populi perguntou sobre a influência do apoio de um governador a um presidenciável. Entre os entrevistados, 15% responderam que votariam com certeza em um candidato à Presidência apoiado pelo governador de seu Estado. Outros 36% disseram que poderiam votar, 15% afirmaram não votar e 30% acham que isso não faz diferença.

Para 47% dos entrevistados, o próximo presidente deve dar continuidade à maioria das políticas de Lula e mudar apenas algumas. Outros 34% disseram que todas as políticas públicas atuais devem ser mantidas, 13% acham que se deve manter algumas e mudar a maioria e 5% gostariam que tudo fosse mudado.

A pesquisa Vox Populi/Bandeirantes foi realizada entre os dias 8 e 13 de maio em 117 municípios. A margem de erro é de 2.2. pontos percentuais. Foram entrevistadas 2 mil pessoas e a pesquisa foi registrada junto ao Tribunal Eleitoral (TSE) no dia 7 de maio, com o protocolo de número 11.266/2010.

(band.com.br)

PSDB: Estado mínimo e privatizante

A queda do governador José Serra (PSDB-SP) na última pesquisa Datafolha sobre a sucessão presidencial e, conseqüentemente, o crescimento da candidata do PT Dilma Rousself vem causando alvoroço por todo o ninho tucano. Alguns líderes do PSDB admitem que a demora do partido em definir o seu pré-candidato contribuiu para o crescimento da ministra Dilma, mas o fato é que quanto mais Dilma se apresenta à sociedade brasileira como candidata do PT, apoiada pelo próprio presidente Lula, mais ela sobe nas pesquisas de intenção de votos, numa demonstração clara de que a população aprova o atual governo.

No caminho inverso, ter a imagem atrelada à do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso faz Serra despencar, e não é por menos, sua gestão foi marcada pelo desmonte dos serviços públicos, por conta da famigerada série de privatizações. A polarização da disputa entre estes dois partidos tem dado a corrida eleitoral aspectos de “plebiscito”, portanto, as comparações serão inevitáveis.

Desqualificar o debate como faz o deputado Pedro Tobias nesta coluna Opinião (em 2 de março) é confessar o desespero ante a real e absoluta possibilidade de um terceiro mandato do Partido dos Trabalhadores. Poderíamos pautar aqui os debates no campo das idéias e em programas de governo, mas o deputado prefere dar a eles um tom mais policialesco, quando afirma que um dos coordenadores da campanha de Dilma é o chefe da quadrilha do mensalão, referindo-se a José Dirceu.

Se o desespero se justifica, tal vocabulário também, pois o termo quadrilha vem fazendo parte da vida orgânica do PSDB e seu eterno braço aliado DEM. Poderíamos falar de algumas: quadrilha da Associação Hospitalar de Bauru. Quadrilha do Arruda, governador do Distrito Federal. Quadrilha que superfaturou o Rodoanel (a pressa em inaugurar a obra provocou desabamento). O escândalo do Sivan, o caso Marka/ FonteCindam, a farra do Proer, etc.

Mas prefiro falar do apego do seu partido ao receituário neoliberal: redução do papel do Estado, privatizações, técnicas da iniciativa privada aplicadas mecanicamente na gestão pública. Ressalto também as sucessivas investidas para criminalizar movimentos sociais, como o recente Caso Cutrale, assim como a impiedosa perseguição à população em situação de rua (higienização) e os despejos em massa na região metropolitana de São Paulo.

Vitimado por estas políticas de inspiração neoliberal, o nosso Estado, comandado ao longo destes vinte anos por seu partido, perdeu participação no PIB nacional. Também no período, o Estado foi palco do maior processo de transferência de patrimônio público para grupos privados de que se tem notícia no País.

As mazelas do modo tucano de governar, com ênfase na gestão José Serra, e os resultados das conquistas do governo Lula serão submetidas a um necessário julgamento político neste ano em que o povo volta às urnas para escolher novos governantes. É esse o debate que devemos fazer e o faremos sempre.

O autor, Fabrício Carlos Genaro, é membro do Diretório Municipal do PT – Bauru

(Jornal da Cidade de Bauru)