Arquivo da tag: política

Frei Beto: ‘PT sabe dialogar, PSDB manda polícia pra conversar’

NO FÓRUM SOCIAL TEMÁTICO, ELE DEMONSTROU SOLIDARIEDADE COM A COMUNIDADE DE PINHEIRINHO E ALERTOU PARA A NECESSIDADE DE ACOMPANHAR COM INTENSIDADE O PROCESSO POLÍTICO DE 2012

Por Jornal Sul 21

26 de Janeiro de 2012 Jornal Sul 21

Redação Sul 21 – Frei Betto começou a sua fala no Fórum Social Temático, na Mesa Rumo à Rio+20 dos povos, demonstrando solidariedade à comunidade de Pinheirinho que foi desocupada no último domingo (22) em São José dos Campos. “A diferença do PT e do PSDB é que o PT sabe dialogar e o PSDB manda a polícia pra conversar”, comparou. O auditório lotado da Faculdade de Direito da UFRGS aplaudiu fortemente a atitude de Frei Betto.

Ele também alertou para a necessidade de acompanhar com intensidade o processo político de 2012. “A falácia de que devemos torcer o nariz para os políticos e a política é um risco. Infelizmente isso está ganhando campo na juventude. Quem tem nojo de política é governado por que não tem. Tudo que eles querem é que a gente tenha bastante nojo para que eles fiquem com a rapadura na mão”, falou Frei Betto.

Ministra Luiza Bairros participa da abertura do Quilombo Oliveira Silveira

A ministra Luiza Bairros, da Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (Seppir), participará nesta quarta-feira (25) da abertura do Quilombo Oliveira Silveira, às 17h30min, no Largo Zumbi dos Palmares, localizado no centro de Porto Alegre.O Quilombo é organizado pelo grupo de trabalho do Movimento Negro do Fórum Social Temático.

Marina Silva defende que Dilma vete Código Florestal

A ex-ministra do meio Ambiente Marina Silva também animou a plateia do auditório da Faculdade de Direito da UFRGS ao conclamar os presentes a pressionar e apoiar o veto ao Código Florestal pela presidenta Dilma Rousseff. “Tenho muitas esperança que a presidente Dilma Rousseff vete o Código Florestal. Ela se comprometeu, no segundo turno, assinando de próprio punho que vetaria qualquer projeto de lei que anistiasse desmatadores ou aumentasse o desmatamento. Se nao der para rever isso no Congresso, peço à Deus e ao povo brasileiro que se mobilize para dar sustentação política para que Dilma possa honrar sua palavra”, falou Marina, em evento sobre Cidades Sustentáveis.

“O Código Florestal tem tudo a ver com a idéia de cidades sustentáveis. O péssimo resultado alcançado no Congresso faz com que eu mantenha a esperança, embora alguns digam que é uma coisa meio quixotesca”, disse Marina.

Primavera Árabe inicia nova fase do movimento altermundista

No Evento Rumo à Rio+20 dos povos, o francês Gustave Massiah falou na manhã desta quarta-feira (25) que as lutas altermundistas já viveram muitas fases e que a última foi iniciada com os levantes populares da Primavera Árabe. “Os fatos ocorridos na Tunísia renovam completamente o movimento, renovam também a cultura política, e demonstra a necessidade de uma mobilização especifica, a questão da representação e da democracia”, analisou.

Ele também ressaltou que se observa neste momento o nascimento de uma nova classe, a dos desempregados com diploma que poderá trazer transformações para a sociedade. “Um nova fase do movimento altermundialista está só começando e uma das grandes questões é como fazer o vínculo do novo movimento e os movimentos que existiram até agora. A grande pergunta é: como vamos inventar novas formas contra a ditadura do capitalismo financeiro?”, perguntou Massiah.

Qual é a proposta?

Nesse fim de semana, o ex-governador José Serra e a ex-ministra Dilma Rousseff oficializaram suas candidaturas à Presidência da República, cada qual pela coligação de partidos que os apoia. Ele, pela oposição; ela, pelo governo Lula.

Do ponto de vista da política econômica, Dilma se apresenta agora como a candidata da continuidade, como aquela que vai manter as grandes linhas que, argumenta ela, garantem a estabilidade que é precondição para o prosseguimento dos programas de desenvolvimento e aumento de densidade do Brasil na economia global. E é assim que os emissários de Dilma vêm se apresentando aos empresários e grandes administradores.

Assim, às vezes com mais sutileza e às vezes com menos, tentam explorar o que entendem como campo de indefinição ou, mais do que isso, como as incertezas que cercam o programa de política econômica do candidato adversário.

O argumento dos defensores da candidata governista é o de que, se Serra vier a ser presidente da República, a economia brasileira correrá forte risco de passar por uma ampla desarrumação, com as consequências que daí deverão provir.

Desde os tempos em que participava como ministro das duas administrações Fernando Henrique, José Serra vem fazendo críticas duras não só à política cambial e à política monetária. Ele também se pronuncia especialmente contra a concessão do atual grau de autonomia do Banco Central na condução da política monetária (política de juros): “o Banco Central não é a Santa Sé”, disse em abril na TV, em ríspida entrevista concedida à jornalista Míriam Leitão.

Mas essas posições estão longe de dar uma visão clara de como seria a geometria da política econômica num possível governo Serra. Não se sabe até que ponto seria alterado o atual tripé: responsabilidade fiscal (com formação de forte superávit primário); câmbio sujeito a “alguma flutuação suja”, na medida em que prevê intervenções do Banco Central no mercado; e sistema de metas de inflação.

Serra é conhecido como aquele que sempre exigiu muito rigor na execução da política fiscal. No mais, às vezes, indica que fará mudanças, mas não a ponto de mexer radicalmente no tripé. Outras, é crítico ou vago o suficiente para deixar empresários e analistas na dúvida ou então que tome corpo a tese do “risco Serra”.

Quando pretendia arrebatar a candidatura a vice de Dilma, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, denunciou com certa insistência a existência desse risco. Depois, no entanto, passou a defender a posição de que a economia brasileira já havia ultrapassado o estágio da puberdade e já é madura o suficiente, vem dizendo ele, para não se sujeitar a mudanças radicais no atual modelo. Isto é, independentemente de quem seja o novo presidente, as atuais vigas mestras serão fundamentalmente mantidas.

Seja como for, Serra está devendo uma definição do que pretende, se for eleito. As sabatinas se sucederão agora em todos os meios de comunicação e serão excelente oportunidade para deixar tudo isso mais claro. E é bom que fique claro. Se está erguendo a bandeira da confiança e da garantia de que “o que é bom deve continuar”, é porque Dilma está identificando fragilidades nas propostas do seu adversário que lhe convém explorar eleitoralmente.

A França usa a tesoura
A França está disposta a seguir o projeto alemão. O primeiro-ministro francês, François Fillon, anunciou ontem que o governo se prepara para um corte de €45 bilhões no orçamento até 2013. Na semana passada, foi a vez da chanceler Angela Merkel avisar que seu governo estava fazendo uma economia de €80 bilhões no mesmo período.

Dívida e soberania
Fillon justificou os novos cortes como uma decisão destinada a garantir a soberania do Estado francês: “Um país perde parte de sua independência nacional quando se endivida demais e quando acaba amarrado às decisões dos credores.”

Na contramão
As decisões da Alemanha e da França contrariam os apelos formais do secretário do Tesouro americano, Tim Geithner, reiterados na última reunião do G-20, de que os governos europeus incrementem o dispêndio público para incentivar o consumo, em vez de aumentar os cortes de despesa que produzem recessão.

(Blog do favre)

Tin se reúne com Tasso e articula aliança eleitoral

Na reunião entre tucanos e outros aliados com o senador Tasso Jereissati (PSDB), realizada na tarde de ontem, uma presença chamou atenção: a do vice-prefeito de Fortaleza Tin Gomes (PHS). Na pauta do encontro inusitado, a possibilidade do seu partido marchar junto com o PSDB nas próximas eleições proporcionais. O principal incentivo para a união seria o fraco potencial eleitoral do PHS.

“Hoje, infelizmente, o PHS esvaziou bastante no que diz respeito a deputado estadual, e nós também temos um quadro pequeno para deputado federal. Então, analisando o quadro do PHS, a gente tende a se coligar com vários partidos, no mínimo de quatro a cinco“, explicou Tin Gomes.

Questionado se o encontro com Tasso Jereissati, arquirrival da prefeita Luizianne Lins (PT), não poderia irritar a petista, o vice-prefeito demonstrou indiferença.

“Como é? (risos). Eu não sei nem o que responder, rapaz. A minha mãe já morreu“, ironizou Tin, dando a entender que o possível incômodo de Luizianne não o preocupa. Logo em seguida, o vice-prefeito foi representar a petista, na Câmara Municipal, no lançamento do “Pacto por Fortaleza“.

Também presente ao encontro & que contou ainda com a participação do presidente da União de Vereadores e Câmaras do Ceará (UVC), vereador Deuzinho Filho (PMN), o presidente estadual do DEM, Chiquinho Feitosa, confirmou a possibilidade de o PSDB e seu partido se unirem a outros de menor expressão.

A estratégia seria ganhar musculatura para as eleições que irão escolher os novos representantes do Estado na Assembleia Legislativa e na Câmara dos Deputados. “Evidentemente que (o DEM) avalia essa situação do ponto de vista proporcional, e o que conversávamos com o Tin e com o Deuzinho é exatamente sobre isso, sobre essa análise da coligação proporcional“, afirmou.

(o povo)

ELEIÇÕES EM FORTALEZA

Justiça Eleitoral apreende material irregular
e autua manifestantes contra Luizianne

Uma forte ação da Justiça Eleitoral culminou, na noite desta segunda-feira, 11, com a apreensão de vasto material de propaganda irregular e a autuação de cerca de 30 pessoas que faziam ações consideradas criminosas pela Justiça, tentando denegrir a imagem da prefeita e candidata à reeleição em Fortaleza, Luizianne Lins. A ação, que envolveu fiscais do Tribunal Regional Eleitoral (TRE) e o próprio coordenador da propaganda, juiz eleitoral Emanuel Leite, ocorreu no cruzamento das avenidas Senador Virgílio Távora e Dom Luís. Junto ao material irregular, foram apreendidos também muitos adesivos e panfletos de outros candidatos que disputam vaga para a Prefeitura de Fortaleza e a Câmara de Vereadores em 2008.Os fiscais do TRE identificaram e autuaram todos os manifestantes, um a um, os intimaram a prestar esclarecimentos à Justiça Eleitoral, nesta terça-feira, 12. De acordo com o chefe de fiscalização do TRE, Eduardo Noberto Feitosa, o material recolhido foi levado para o cartório da 117ª Zona Eleitoral. Bandeiras, adesivos, bottons e panfletos serão submetidos à conferência e certificação em um processo que já existe contra esse movimento.Ao ser informada, através de militantes apoiadores de Luizianne Lins, a assessora jurídica da Coligação Fortaleza Mais Forte e Cada Vez Melhor, Isabel Mota, formalizou denúncia à Justiça Eleitoral. “A gente evidenciou que existe propaganda de outros candidatos”. Ela destaca que já havia uma decisão judicial anterior, de junho último, proibindo as ações desse movimento, “que são consideradas criminosas e se destinam só a denegrir a candidata Luizianne”. A advogada enfatiza que a Justiça “vem sendo vigilante”.
Fonte: Luizianne13.
Postado por Erismar Carvalho, às 14h49.

Comando Nacional entregará pauta de reivindicações à Fenaban no dia 13

Rede de Comunicação dos Bancários – José Luiz Frare/Contraf-CUT


O Comando Nacional dos Bancários entregará à Fenaban no próximo dia 13 de agosto, às 12h30, a pauta de reivindicações da campanha salarial 2008, aprovada pela 10ª Conferência.

No próprio dia 13, às 10h, haverá reunião do Comando Nacional na sede da Contraf/CUT.

A conferência também aprovou que a Campanha Nacional dos Bancários 2008 será lançada no dia 12. Veja aqui matérias sobre as resoluções aprovadas na 10ª Conferência Nacional dos Bancários e nos encontros específicos de bancos.

Por Dentro do Sistema – Nicolau Soares

Veja + em contrafcut.org.br/noticias

Acesse também bancariosce.org.br/noticas

É PRECISO DEMOCRATIZAR OS MEIOS DE COMUNICAÇÃO NO BRASIL!

Foto: Henrque Kardozo (24/06)

Foi com essa conclamação que o Secretário de Formação do SEEB/Ce, Leirton Leite, instigou o Debate Mídia e Poder Político na Atualidade, promovido na última quinta-feira, ao ler o Manifesto da Mídia Livre (disponível no sítio www.cartamaior.com.br). A reflexão ficou por conta dos Professores e Jornalistas Plínio Bortolotti (Jornal O Povo) e Nonato Lima (Diretor da Rádio FM Universitária). Entre os principais temas abordados estão a necessidade de criação de um meio de comunicação de massa por parte do movimento dos trabalhadores e o desafio que se constitui em operacionalizar essa ação (como construir a unidade na diversidade?).

Plínio Bortolotti, que é ex-assessor de imprensa do SEEB/CE apontou alguns questionamentos no sentido da concentração dos meios de comunicação nas mãos de grandes grupos empresariais, além da forma como são feitas as concessões (favorecimentos) e a carência de políticas governamentais de incentivo ao desenvolvimento de mídias alternativas. Por isso, é preciso democratizar o acesso aos recursos públicos.Nonato Lima, jornalista e também responsável pela Rádio Bancários há 15 anos, ressaltou que é importante refletir sobre o papel da cidadania na comunicação. “É preciso que o movimento sindical tenha consciência disso e dê mais importância aos seus meios de comunicação, que devem ter o papel de formar e conscientizar. A mídia sempre trouxe uma avalanche de notícias contra os movimentos sociais, o MST, o Lula, mas a população não engoliu. Isso quer dizer que a mídia não pode tudo e que os sindicatos podem e devem atuar conscientizando os trabalhadores”, conclui.


video Ilustrativo sobre rádios comunitárias – por Ricardo Nelson.

Veja + em bancariosce.org.br/noticas