Arquivo da categoria: Saúde e Comportamento

Regino Pinho assume Superintendência Regional da Funasa

Regino Pinho, funcionário de carreira da Caixa Econômica Federal, assumirá nesta quinta-feira, durante ato marcado para as 19 horas, o cargo de superintendente regional da Fundação Nacional da Saúde (Funasa).

A solenidade, que promete ser das mais concorridas e contando com a presença de petistas, lideranças de movimentos populares e parlamentares, ocorrerá no auditório da sede da Funasa, que fica na avenida Santos Dumont, 1890 – Aldeota.

(Blog do Eliomar de Lima)

SEEB-CE lança Campanha Salarial 2014 nesta sexta, 15/08, no Clube da Caixa

O Sindicato dos Bancários do Ceará realiza o lançamento oficial da Campanha Nacional dos Bancários 2014 na próxima sexta-feira, 15/8 (feriado municipal de Nossa Senhora da Assunção), a partir das 10h, no Clube da Caixa (Av. Frei Cirilo, 4700 – Messejana).

O lançamento da campanha, cujo mote deste ano é #QueremosMais (mais emprego, salário, saúde, segurança, igualdade), terá roda de samba, feijoada grátis e clone de cerveja, refrigerante ou água (você compra uma ficha por R$ 4,00 e recebe outra).  Além disso, haverá o sorteio de uma TV de 40 polegadas e um tablet.

Será disponibilizado ainda espaço para a criançada com acesso à piscina, parque aquático e brinquedoteca, além de distribuição de algodão doce e pipoca.

Participe! Traga a sua família para juntos conquistarmos mais direitos e construirmos uma Campanha vitoriosa!

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Melissa Gurgel é eleita Miss Ceará 2014

Foto: Facebook/Melissa Gurgel

A representante da beleza cearense já tem rosto e nome definidos. Melissa Gurgel foi eleita Miss Ceará 2014 na noite desta quarta-feira (13), no teatro do Shopping Via Sul. A jovem já havia conquistado a torcida e no final da cerimônia ficou com o título de mulher mais bonita do Estado.

A coroa e a faixa de Miss Ceará foram entregues pela Miss Brasil Jakeline Oliveira. Em segunda colocação ficou a Miss Cambeba, seguida por Miss Horizonte, Miss Conjunto Ceará e Miss Granja.

Melissa representou a cidade de Maracanaú na disputa e agradeceu, após a conquista, a presença massiva de conterrâneos no teatro. “Quero agradecer aos meus amigos, à minha terra. Muitíssimo obrigada. Cada aplauso, cada grito, cada sorriso foi muito especial para mim”, disse ainda emocionada.

O próximo passo da recém-empossada Miss Ceará é o Miss Brasil, que será sediado em Fortaleza no dia 27 de setembro. “Vou continuar me preparando, porque, na verdade, já tenho um ano de preparação. Vai ser intenso, mas tenho uma responsabilidade muito grande”, declarou Melissa.

“Ela é uma menina lindíssima, com classe, postura na passarela, que me encantou desde o momento que ela entrou. Tem todo o potencial para trazer o título para o Ceará”, elogiou a Miss Brasil Jakeline Oliveira.

Conhecedora do caminho das pedras até o concurso nacional, Jakeline deu dicas para que Melissa consiga ocupar o posto de mulher mais bela do País. “Ela tem que fazer exatamente a mesma coisa, com a elegância e a graça que ela fez e não se abalar com a pressão psicológica que as outras candidatas fazem”.

Há 25 anos uma representante cearense não é eleita Miss Brasil. A última vez que o Ceará chegou mais perto de conquistar o título foi em 2008, quando Vanessa Vidal ficou em segundo lugar na competição. “Nós temos bastante chances. Elegemos hoje uma miss que além de bonita tem carisma, tem atitude. Ela cresce na passarela. Nós vamos forte”, declarou confiante a coordenadora do Miss Ceará, Gláucia Tavares.

A festa

Além da beleza, a noite das misses apresentou o talento artístico do Estado. A Edisca levou ao palco trechos do balé Mobilis. Durante o desfile de biquíni, o palco foi tomado por regionalismo com a apresentação do grupo Raízes Nordestinas. “Alguns clássicos, como Aquarela do Brasil e Mulher Rendeira,  foram repaginados especialmente para hoje”, disse o DJ da festa, Romulo Bravo.

O título de Miss Simpatia, premiação na qual as próprias misses escolhem entre si, foi destinado à representante de Mauriti. O posto de Miss Turismo foi dado para a Miss Capistrano.

A TV Jangadeiro transmite a cerimônia do Miss Ceará 2014 no próximo sábado (16), às 22h15.

Confira o TOP 10

Miss Cambeba
Miss Crato
Miss Conjunto Ceará
Miss Fortaleza
Miss Granja
Miss Horizonte
Miss Sobral
Miss Maracanaú
Miss Redenção
Miss Pacajús

(Tribuna do Ceará)

Portal Terra demite pelo menos 100 funcionários; redação é a área mais afetada

O portal de notícias Terra confirmou nesta quarta-feira (13/8) o processo de demissão em seu quadro de funcionários. IMPRENSA apurou que a parte mais afetada foi a redação, podendo chegar a 100 cortes. Em São Paulo, mais de 50 funcionários foram desligados, incluindo toda a equipe de fotografia e o diretor-executivo. Já em Porto Alegre (RS), 16 profissionais foram desligados, sobrando apenas quatro repórteres.
Crédito:Reprodução
Terra demite cerca de 100 funcionários em nova reestruturação

Um dos funcionários demitidos, informou à IMPRENSA que 50% do editorial será desligado da empresa. O Terra alegou aos trabalhadores que o portal passará por uma reformulação. Há indícios de que o site deixará de ser atualizado 24 horas.

Os cortes atingem números próximos aos da última onda de demissões, ocorrida em dezembro de 2012, quando cerca de 150 pessoas foram cortadas em diversas áreas, como administração, TI, redação e marketing. Até o momento, ocorreram 16 desligamentos em Porto Alegre (RS) e no Rio de Janeiro (RJ) somente dois funcionários serão mantidos.
O portal confirmou os desligamentos, mas não forneceu mais detalhes sobre a medida. Em comunicado, a empresa alega que visa adequar sua estrutura e recursos, alinhando suas unidades, além de promover uma reestruturação em todas as áreas. “O Terra agradece os seus colaboradores por toda sua dedicação e trabalho”, finaliza o texto.
Áreas afetadas

Outras áreas afetadas pelo passaralho foram “Esporte” – quatro da redação e seis da TV, “Diversão”, DOOH (Digital Out of Home), RH, Compras e Publicidade. Alguns nomes também já foram confirmados como o de Fábio Condutta, Gerente de Arte, e Renato Moikano, chefe de “Diversão”.

Medidas contra os cortes

Segundo José Augusto Camargo, presidente do Sindicato dos Jornalistas de São Paulo, as demissões no Terra estão sendo avaliadas pelo departamento jurídico da entidade, na tentativa de uma representação coletiva contra o portal. “Estamos vendo qual é a situação juridicamente mais adequada, porque na base da negociação não temos conseguido nos entender com eles”.

Camargo diz que o grande problema neste caso é que muitas empresas de internet, como o Terra, não se reconhecem como veículos jornalísticos e, por isso, não respeitam as convenções trabalhistas do Sindicato. 

Celso Schröeder, presidente da Fenaj, repudiou a demissão em massa de funcionários do portal Terra. O dirigente afirma que “há uma crise econômica infundada na qual os grandes empresários usam o cenário desfavorável internacional para justificar uma má gestão ou um posicionamento editorial, que escolhe o jornalismo de entretenimento para rebater a concorrência da informação na internet”.

Para o dirigente da Fenaj, os empresários alegam uma necessidade de reorganizar seu pessoal por conta de uma eventual crise econômica, no entanto, “no Brasil não houve uma crise econômica, muito pelo contrário. Tanto é que o setor vem ganhando incentivos do governo que não são revertidos para os trabalhadores”.

“Estamos preocupados com o que vem ocorrendo, não é de agora. Em Minas Gerais e em São Paulo já vinha acontecendo isso de maneira paulatina. A própria RBS já havia demitido 40 desde o inicio do ano e agora mais de 130 funcionários”, ressalta Schröeder.

 
O presidente diz que a Fenaj tenta juntamente com os sindicatos regionais reverter as demissões e garantir que tudo ocorra no limite da lei trabalhista. “Há uma limitação prevista na CLT que impede demissões em massa”, garante.
 
Milton Simas, presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul, lamentou a nova leva de demissões atingindo a redação do Terra em Porto Alegre (RS). “Muitos falam que a crise está no jornalismo impresso, mas parece estar generalizada. O Terra já estava desde o ano passado concentrando alguns serviços em São Paulo e, com isso, realizou cortes nessa época aqui no Rio Grande do Sul”.
 
“Algo também lamentável é a empresa contratar jornalistas pelo Sindicato dos Trabalhadores de Processamento de Dados, o que acaba precarizando o trabalho jornalístico. É uma forma de não pagar os direitos a esses jornalistas. É uma situação muito preocupante”, afirma Simas.

Ele conclui informando que a entidade pretende conversar com o departamento jurídico para avaliar a situação. “Mas, como esses trabalhadores não estão regidos pelo acordo coletivo do Sindicato dos Jornalistas, a questão é saber se nossa ação terá validade na Justiça”.

 
* (Vanessa Gonçalves, Danúbia Paraízo, Rodrigo Álvarez, Jéssica Oliveira, Lucas Carvalho, Alana Rodrigues e Christh Lopes)

(Portal Imprensa)

PSB pode substituir candidatura de Eduardo Campos pela de Marina Silva

Foto: divulgação/facebook Eduardo Campos

De acordo com a Justiça Eleitoral, o Partido Socialista Brasileiro (PSB) pode manter o pleito eleitoral em 2014, substituindo a candidatura de Eduardo Campos em virtude de seu falecimento.

Pelas regras eleitorais, não é obrigatório que o novo candidato seja a vice Marina Silva. O partido pode escolher qualquer pessoa filiada ao partido, de acordo com os requisitos de elegibilidade. A escolha do substituto, segundo o TSE, será feita de acordo com as normas estabelecidas no estatuto do partido político a qual pertence o substituído. O requerimento deve ser feito até 20 dias antes do pleito.

 

Segundo o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), art. 61. “é facultado ao partido político ou à coligação substituir candidato que tiver seu registro indeferido, inclusive por inelegibilidade, cancelado ou cassado, ou, ainda, que renunciar ou falecer após o termo final do prazo do registro (Lei nº 9.504/97, art. 13, caput; LC nº 64/90, art. 17; Código Eleitoral, art. 101, § 1º)”.
Morte de Eduardo Campos
O candidato do PSB à presidência da República, Eduardo Campos, estava à bordo do avião que caiu em São Paulo na manhã desta quarta-feira, 13. Campos não sobreviveu ao acidente.

Confira o que estabelece a Justiça Eleitoral:
CAPÍTULO VII

DA SUBSTITUIÇÃO DE CANDIDATOS E DO CANCELAMENTO DE REGISTRO

Art. 60. O partido político poderá requerer, até a data da eleição, o cancelamento do registro do candidato que dele for expulso, em processo no qual seja assegurada a ampla defesa, com observância das normas estatutárias (Lei nº 9.504/97, art. 14).

Art. 61. É facultado ao partido político ou à coligação substituir candidato que tiver seu registro indeferido, inclusive por inelegibilidade, cancelado ou cassado, ou, ainda, que renunciar ou falecer após o termo final do prazo do registro (Lei nº 9.504/97, art. 13, caput; LC nº 64/90, art. 17; Código Eleitoral, art. 101, § 1º).

§ 1º A escolha do substituto será feita na forma estabelecida no estatuto do partido político a que pertencer o substituído, devendo o pedido de registro ser requerido até 10 dias contados do fato ou da notificação do partido da decisão judicial que deu origem à substituição (Lei nº 9.504/97, art. 13, § 1º).

§ 2º A substituição poderá ser requerida até 20 dias antes do pleito, exceto no caso de falecimento, quando poderá ser solicitada mesmo após esse prazo, observado em qualquer hipótese o prazo previsto no parágrafo anterior.

§ 3º Nas eleições majoritárias, se o candidato for de coligação, a substituição deverá ser feita por decisão da maioria absoluta dos órgãos executivos de direção dos partidos políticos coligados, podendo o substituto ser filiado a qualquer partido dela integrante, desde que o partido político ao qual pertencia o substituído renuncie ao direito de preferência (Lei nº 9.504/97, art. 13, § 2º).

§ 4º Se ocorrer a substituição de candidatos a cargo majoritário após a geração das tabelas para elaboração da lista de candidatos e preparação das urnas, o substituto concorrerá com o nome, o número e, na urna eletrônica, com a fotografia do substituído, computando-se àquele os votos a este atribuídos.

§ 5º Na hipótese de substituição, caberá ao partido político e/ou coligação do substituto dar ampla divulgação ao fato para esclarecimento do eleitorado, sem prejuízo da divulgação também por outros candidatos, partidos políticos e/ou coligações e, ainda, pela Justiça Eleitoral, inclusive nas próprias Seções Eleitorais, quando determinado ou autorizado pela autoridade eleitoral competente.

§ 6º Nas eleições proporcionais, a substituição só se efetivará se o novo pedido for apresentado até o dia 6 de agosto de 2014, observado o prazo previsto no § 1º deste artigo (Lei nº 9.504/97, art. 13, § 3º; Código Eleitoral, art. 101, § 1º).

§ 7º Não será admitido o pedido de substituição de candidatos às eleições proporcionais quando não forem respeitados os limites mínimo e máximo das candidaturas de cada sexo previstos no § 5º do art. 19 desta resolução.

§ 8º O ato de renúncia, datado e assinado, deverá ser expresso em documento com firma reconhecida por tabelião ou por duas testemunhas, e o prazo para substituição será contado da publicação da decisão que a homologar.

§ 9° A renúncia ao registro de candidatura, homologada por decisão judicial, impede que o candidato renunciante volte a concorrer para o mesmo cargo na mesma eleição.

Art. 62. O pedido de registro de substituto, assim como o de novos candidatos, deverá ser apresentado por meio do Requerimento de Registro de Candidatura (RRC), contendo as informações e documentos previstos nos arts. 26 e 27 desta resolução, dispensada a apresentação daqueles já existentes nas respectivas Secretarias, certificando-se a sua existência em cada um dos pedidos.

Art. 63. Os Tribunais Eleitorais deverão, de ofício, cancelar automaticamente o registro de candidato que venha a falecer, quando tiverem conhecimento do fato, cuja veracidade deverá ser comprovada.

Redação O POVO Online

Veja a repercussão da morte de Eduardo Campos

O ex-governador de Pernambuco e candidato à Presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, morreu nesta quarta-feira (13) após o jato em que estava cair em cima de uma casa em Santos, no litoral de São Paulo.

Campos, de 49 anos, participava de uma das agendas de campanha na cidade.

Veja o que disseram sobre a morte do político:

Aécio Neves (PSDB), candidato a presidente
“É com imensa tristeza que recebi a notícia do acidente que vitimou o ex-governador e meu amigo Eduardo Campos. O Brasil perde um dos seus mais talentosos políticos, que sempre lutou com idealismo por aquilo em que acreditava. A perda é irreparável e incompreensível. Neste momento, minha família e eu nos unimos em oração à  família de Eduardo, seus amigos e a milhões de brasileiros que, com certeza, partilham a mesma perplexidade e pesar.”

Eduardo Jorge (PV), candidato a presidente
“A campanha presidencial do PV está suspesa para os próximos dias. Esta perda é muito triste para o país. Eduardo Campos era uma liderança muito jovem e muito importante para o Brasil. Toda minha solidariedade à família”

Luciana Genro (PSOL), candidata a presidente, no Twitter
“Confirmação da morte de Eduardo Campos é uma tragédia terrível! Minha solidariedade a familia e amigos. Esta eleição se transformou em luto!”

Paulo Skaf (PMDB), candidato ao governo do estado de São Paulo
“O Brasil perdeu hoje um grande estadista, um homem público da maior qualidade, que exerceu a política com competência, honestidade e dedicação. Eu perdi um amigo, com quem tive a honra de conviver. Eduardo Campos foi um dos incentivadores de meu ingresso na política. Há cinco anos, iniciei minha trajetória política em seu partido, o PSB. Quero me solidarizar com sua família e seus amigos. Quero me solidarizar também com o povo de Pernambuco pela perda de seu grande líder.”

Michel Temer (PT), vice-presidente da República
“Não há palavras para descrever a tragédia que hoje se abateu sobre a política brasileira. Eduardo Campos era um político de princípios e valores herdados de sua família e levados com dignidade e honra por toda sua trajetória no Parlamento e no Executivo. Assim como todo o país, estou chocado com esse acidente e com as perdas para amigos e familiares. Que Deus dê conforto a seus filhos, a sua mãe, familiares e a tantos admiradores que deixou órfãos neste triste dia”

Cesar Maia (DEM-RJ), candidato ao Senado, no Twitter
“Triste e inacreditável. Candidato Eduardo Campos estava em avião que caiu em Santos”

Tarso Genro (PT), governador do Rio Grande do Sul
“De qualquer forma, seja qual for o resultado, é uma tragédia humana e um grave problema para o processo político brasileiro. Todo mundo sabe que o Eduardo Campos é uma pessoa com muita representatividade e uma postura republicana muito respeitável. Então tem duas dimensões, seja qual for o resultado, é uma tragédia humana e uma tragédia política. Minha agenda está cancelada e retorno a Porto Alegre”

Antônio Carlos Magalhães Neto (DEM), prefeito de Salvador
“A política, o Brasil e o Nordeste perderam um dos seus representantes mais qualificados. Como deputado, governador e ministro, Eduardo Campos sempre trabalhou pelo desenvolvimento do Brasil. O Brasil está de luto. No pouco tempo de sua campanha à presidência, Campos apresentou propostas consistentes, demonstrando que ainda tinha muito a contribuir para o futuro do país. Ele estava sempre bem-humorado, era um grande contador de histórias. Deixo aqui o meu sentimento à família de Eduardo Campos, em especial à população de Pernambuco e do Nordeste.”

Marta Suplicy (PT-SP), ministra da Cultura
“O Brasil perde um grande político: jovem, dinâmico e competente. Eduardo Campos deixa uma lacuna nesta nova geração e o povo brasileiro sentirá falta de sua contribuição para um país melhor. Meu grande abraço a Renata e a toda família Campos”

Gleisi Hoffmann ‏(PT), senadora e candidata ao governo do Paraná, no Twitter
“Com pesar, recebi há pouco a notícia do falecimento de Eduardo Campos. Sempre muito triste ver alguém tão jovem (49) partir de maneira tão trágica. Neste momento diferenças políticas ficam em segundo plano. Me solidarizo e mando minhas orações para família e amigos.”

Jean Wyllys (PSOL), deputado federal, no Twitter
“Chocado com o acidente que vitimou Eduardo Campos. Um acidente em que morreram também outras pessoas! Meus pêsames às famílias!”

Ricardo Ferraço (PMDB-ES), senador, no Twitter
“Em estado de choque com o falecimento de Eduardo Campos.É uma tragédia q deixa o Brasil todo triste com a perda de um grande homem público”

Aloysio Nunes (PSDB-SP), senador, no Twitter
“Profundamente chocado com a morte do Eduardo Campos”

Alexandre Padilha (PT), candidato a governador em SP
“Infelizmente, acabei de ser avisado. Foi uma tragédia. O ex-governador Eduardo Campos foi meu colega de governo durante o governo do presidente Lula. Conheci muito a família, a esposa, os filhos. Decidi suspender qualquer outra agenda para que a gente possa ter mais informacões e dar conforto à familia e aos amigos”

Marco Feliciano (PSC), deputado federal, no Twitter
“Lamentável a tragédia ocorrida nesta manhã/SP, a queda da aeronave q conduzia o presidenciável Eduardo Campos. Que Deus conforte a família.”

José Agripino (DEM-RN), senador, no Twitter
“No aeroporto de Natal, ao lado de Aécio, estamos surpresos com a noticia da morte de Eduardo Campos. Agenda no RN e PB cancelada.”

Dalva Figueiredo (PT), deputada federal, no Twitter
“Lamentável a morte de Eduardo Campos na queda do avião do candidato a presidência pelo PSB. Quero transmitir meus sentimentos a toda família e amigos pela perda trágica na manhã desta quarta-feira de Eduardo campos.”

João Capiberibe (PSB-AP), senador
“Estamos ainda sob o impacto da tragédia, é muito difícil especialmente para mim que tenho com ele uma relação política há muitos anos, e uma relação pessoal com a família. É uma tragédia ver o líder do nosso partido, uma liderança fantástica, com uma trajetória brilhante, desaparecer em meio de uma campanha que tinha tudo para ser disputada. É dramático. Se me perguntarem o que estamos pensando para a campanha, estamos buscando conversar com outros companheiros de campanha e vamos aguardar as informações oficiais.”

Ana Rita (PT-ES), senadora, no Twitter
“Triste c/ a morte do presidenciável Eduardo Campos e assessores. Minha solidariedade aos familiares, amigos e integrantes do PSB/Rede”

Paulo Paim (PT-RS), senador, no Twitter
“Profundamente triste e chocado com a morte do grande líder e candidato a presidente da República pelo PSB Eduardo Campos #LUTO”

Marcelo Freixo (PSOL), candidato a deputado estadual no RJ, no Facebook
“A vida é tão rara”! Terrível a noticia da queda do avião com Eduardo Campos e comitiva. Toda solidariedade aos familiares e amigos”

Paulo Souto (DEM), candidato ao governo da Bahia, no Twitter‏
“Eduardo Campos deixa saudades por tudo que realizou e o muito que ainda realizaria. Ele nunca poupou o talento político que trazia no DNA”

Romero Jucá (PMDB-RR), senador, no Twitter
“Lamento a morte de Eduardo Campos. Uma grande perda para o Brasil. Minha solidariedade para a família”

Ana Amélia Lemos (PP), candidata a governadora do RS, no Twitter
“A morte de Eduardo Campos é uma tragédia para todos nós. A política brasileira perde um grande homem!”

Mario Covas Neto (PSDB), vereador, no Twitter
“Independente das convicções partidárias, lamento profundamente a morte de @eduardocampos40. Minha solidariedade a toda sua família.”

Izalci, deputado federal (PSDB-DF)
“O povo brasileiro assistiu à entrevista dele ontem [no Jornal Nacional], animado com a eleição. Isso pegou todo mundo de surpresa. Não só por ele, mas por todas as pessoas que foram vítimas do acidente. É lamentável. Era uma liderança nata, alguém que tinha muito para contribuir para o país.”

Cássio Cunha Lima (PSDB), candidato a governador da PB, no Twitter
“O Brasil perde um extraordinário homem público. Perco um amigo. Impactado com a tragédia”

Paulo Salim Maluf (PP), deputado federal, no Twitter
“Meu amigo, neto de meu amigo e um jovem de valor que deixa um vazio enorme. Eduardo Campos que você nos dê força para encarar esta tragédia.”

Thiaguinho, cantor, no Twitter
“Muito triste e chocado com a notícia da morte do meu amigo Eduardo! Putz! Um grande amigo que a vida me deu… Vai com Deus, meu irmão!”

Robinho, jogador de futebol, no Twitter
“Muito triste o acidente que aconteceu aqui em Santos hoje. Sete pessoas, entre elas o candidato à presidência Eduardo Campos, faleceram. Ficam aqui o meu pesar pelas vítimas e a minha oração pelos familiares”

Marcelo Rubens Paiva, escritor, no Twitter
“Nossa! Tragédia triste. Pra família Arraes, pros amigos e pra política brasileira”

Banda Capypso, no Facebook
“Estamos chocados, pois perdemos um grande amigo, uma pessoa que sempre deu a maior força pra banda Calypso em Pernambuco. Um exemplo de ser humano e um grande político, que tinha propostas e grande potencial para a presidência do nosso país. Que Deus abençoe e conforte o coração de todos os familiares, estamos em oração por vocês!”

José de Abreu, ator, no Twitter
“Tragédia nacional”

Astrid Fontenelle, jornalista e apresentadora, no Twitter
“Não seria meu candidato, mas a vitalidade política dele era interessante. Minha solidariedade a família. Tantos filhos… RIP Eduardo Campos”

Xico Sá, escritor, no Twitter
“Pelo amor de Deus, querer saber o q muda na eleição em um momento triste como este! É hora d lamentar a tragédia e fazer silêncio respeitoso”

Rafael Cortez, apresentador e humorista, no Twitter
“Muito triste a morte do Eduardo Campos. Ainda mais nessas circunstâncias. Força aos que o amavam e ficam. Nosso respeito nessa hora”

Valesca Popozuda, cantora, no Twitter
“Coitado do Eduardo Campos. Que Deus conforte família e amigos dele nesse momento. Que Deus conforte a família de todas as vítimas envolvidas”

Tico Santa cruz, cantor, no Twitter
“A morte anda pregando peças… @eduardocampos40 estava no avião que caiu em Santos. Lamentável. Meus pêsames a família e aos próximos”

Christine Fernandes, atriz, no Twitter
“Uma perda: jovem, bom articulador e pai de 5 filhos. Dá tristeza, sendo ou não seu candidato de escolha RIP #EduardoCampos #Eleições2014”

Marcelo Tas, apresentador, no Instagram
“Meus sentimentos à familia e amigos de Eduardo Campos #Luto #JovemDemais #PE”

(G1 São Paulo)

Eduardo Campos morreu no mesmo dia do avô Miguel Arraes

Em 1987, Eduardo Campos (esq.) deixa a casa do deputado Ulysses Guimarães em São Paulo ao lado de seu avô, o então governador do Pernambuco, Miguel Arraes (centro) (Foto: Newton Aguiar/Estadão Conteúdo/Arquivo)

O candidato a presidente do PSB, o ex-governador de Pernambuco Eduardo Campos, morreu na manhã desta quarta-feira (13) após a queda do jato particular em que viajava em um bairro residencial em Santos, no litoral paulista. Campos tinha 49 anos e morreu no mesmo dia que seu avô, Miguel Arraes, que também foi governador de Pernambuco. Arraes morreu de infecção generalizada em 13 de agosto de 2005.

Miguel Arraes de Alencar, de 88 anos, nasceu em Araripe, no Ceará. Filho de pequenos agricultores, estudou direito no Rio de Janeiro, mas concluiu o curso no Recife. Começou a carreira política em 1947, como secretário da Fazenda de Pernambuco. Três anos depois, foi eleito deputado estadual pelo Partido Social Democrático.

Assumiu novamente a secretaria da Fazenda em 1959 e, no mesmo ano, venceu as eleições para a prefeitura do Recife. Miguel Arraes chegou ao governo de Pernambuco em 1962, com o apoio do partido comunista brasileiro. Ele foi responsável, por exemplo, pelo acordo do campo, uma negociação entre os cortadores de cana de açúcar e os usineiros, que criou um salário acima do mínimo para os trabalhadores rurais.

Em 1964, Arraes foi cassado e preso pelos militares e se exilou na Argélia. Só voltou ao Brasil em 1979 com a lei da anistia. Em 1982, foi eleito deputado federal. Quatro anos depois, governador de Pernambuco, pela segunda vez. Em 1990, deixou o PMDB e criou o Partido Socialista Brasileiro. De 1994 a 1998 governou o estado de Pernambuco, pela terceira vez.

(G1)

83 candidatos são indeferidos no Ceará

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) concluiu ontem o julgamento dos registros de candidatos apresentados dentro do prazo. Foram 83 indeferidos (rejeitados), 11 deles com base na lei da Ficha Limpa. A relação inclui os deputados estaduais Mirian Sobreira e Sineval Roque (ambos do Pros) e os ex-prefeitos Acélio Freitas (PRTB), de Acarape, e Fan Cunha (PTC), de Pacajus. Todos os 83 que tiveram registros negados poderão recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral. 

Em nota à imprensa, Miriam Sobreira, acusada de ter recebido doação acima do limite legal na campanha de 2010, se disse perseguida e ressaltou que foi inocentada na 1ª instância.

Outros nove candidatos cujos registros haviam sido impugnados (contestados) pelo Ministério Público Eleitoral (MPE) foram liberados.

Entre eles estão os deputados estaduais Carlomano Marques (PMDB) e Dedé Teixeira (PT), o ex-deputado federal Eugenio Rabelo (PP), o ex-candidato a prefeito de Fortaleza Elmano de Feitas (PT), e os ex-prefeitos João Dilmar (SD), de Limoeiro do Norte, e George Valentim (PCdoB), de Maranguape. O MPE informou que recorrerá contra as decisões que os favoreceram.

 

Multimídia

 

Confira a lista completa dos 83 indeferidos:

http://bit.ly/oppo138

Candidatos barrados pelo TRE-CE

Em negrito, alguns dos nomes de maior destaque político

- Candidatos a deputado estadual
1. A Onde É (PTC)* – vereador de Fortaleza
Motivo: falta de quitação eleitoral

2. Acélio Freitas (PRTB) – ex-prefeito de Acarape
Motivo: desaprovação de contas pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM)

3. Adelmo Aquino (SD)* – ex-prefeito de Alto Santo
Motivo: condenado pelo TRE-CE por abuso de poder

4. Agenor Ribeiro (PSDC)*
Motivo: desaprovação de contas pelo TCM

5. Aline Souza (PTC)
Motivo: menos de 21 anos na data da posse

6. Coronel Amarílio Melo (PEN)
Motivo: falta de quitação eleitoral

7. Ana Cleide (PDT)
Motivo: falta de documentação

8. Augusta Brito (PCdoB)* – ex-prefeita de Graça
Motivo: desaprovação de contas pelo TCM

9. Bá (PTC)* – vereadora de Fortaleza
Motivo: falta de documentação

10. Carine Nogueira (PTC)
Motivo: falta de documentação

11. Ciêr Marques (PRTB)*
Motivo: falta de documentação

12. Cláudio Júnior (PRTB)
Motivo: não comprovada filiação partidária

13. Djanira Mendes (PT)
Motivo: ausência de foto da candidata

14. Domingos Sávio (PMN)
Motivo: falta de documentação

15. Ednardo Rodrigues (PR)*
Motivo: falta de quitação eleitoral

16. Elano Ibiapina (PEN)
Motivo: falta de documentação

17. Eliezer Brauna (PTN)*
Motivo: falta de quitação eleitoral

18. Fan Cunha (PTC)* – ex-prefeito de Pacajus
Motivo: desaprovação de contas pelo TCM

19. Fátima Santos (PTC)
Motivo: falta de quitação eleitoral

20. Ferreira Neto (PSC)
Motivo: sem filiação partidária

21. Francisco da Padaria (PTC)
Motivo: falta de documentação

22. Gabriela Mesquita (PTC)
Motivo: falta de documentação

23. Gadelha Guerra (PTN)*
Motivo: sem filiação partidária

24. Geraldo Marinho (PSC)*
Motivo: sem filiação partidária

25. Gercina do Hospital (PPS)*
Motivo: desincompatibilização fora do prazo da função de servidora pública municipal

26. Getúlio Cavalcante (PEN)
Motivo: não prestação de contas de campanha

27. Irmão Martins (PRP)
Motivo: não prestação de contas de campanha

28. Isabel Fontenele (PEN)
Motivo: não comprovada desincompatibilização da função de servidora pública estadual

29. Jacques Albuquerque (PMDB)* – ex-prefeito de Massapê
Motivo: falta de quitação eleitoral

30. João Andrade (PHS)
Motivo: o nome não constou na ata da convenção

31. João Paulo Oliveira (PSC)
Motivo: sem filiação partidária regularizada

32. Jonh Monteiro (PTdoB) – vereador de Fortaleza
Motivo: falta de quitação eleitoral

33. Júlia Mendes (PRB)
Motivo: falta de quitação eleitoral

34. Lana Pires (PEN)
Motivo: falta de documentação

35. Léo Araújo (PPL)
Motivo: não foi intimado sobre o nome e não se manifestou

36. Liege Costa (PSC)
Motivo: falta de quitação eleitoral

37. Lucia Morais (PSL)
Motivo: falta de quitação eleitoral

38. Marcelo Vasconcellos (PDT)
Motivo: falta de quitação eleitoral

39. Marcos Aurélio (PSC) – vereador de Fortaleza
Motivo: falta de quitação eleitoral

40. Maria Estrela que Brilha (PTdoB)*
Motivo: não comprovada desincompatibilização do cargo de servidora pública municipal

41. Maria Salete (PP)
Motivo: falta de quitação eleitoral

42. Mazé Moura (PSDB)
Motivo: falta de documentação

43. Mirian Sobreira (Pros) – deputada estadual
Motivo: doação acima do limite de campanha

44. Nayara Silva (PRTB)
Motivo: falta de documentação

45. Oman Carneiro (PP)* – ex-deputado estadual
Motivo: falta de quitação eleitoral

46. Oriel Mota Filho (PTdoB)*
Motivo: falta de documentação

47. Pastor Barbosa Pontes (PSC)*
Motivo: sem filiação partidária

48. Professor Gilberto Freitas (PTN)*
Motivo: não prestação de contas de campanha

49. Professor Isaías (PEN)
Motivo: não comprovada desincompatibilização

50. Professor Magela (PP)
Motivo: falta de quitação eleitoral

51. Raimundinho Cordeiro (PSL)* – ex-prefeito de Russas
Motivo: desaprovação de contas pelo TCM

52. Renata Beatriz (PPL)
Motivo: falta de documentação

53. Rochinha (PTB)* – ex-prefeito de Horizonte
Motivo: desaprovação de contas pelo TCM

54. Roney Miranda (PTC)
Motivo: falta de documentação

55. Shirley Cavalcanti (PEN)
Motivo: falta de documentação

56. Sineval Roque (Pros)* – deputado estadual
Motivo: doação acima do limite em campanha

57. Sinval Jr. (PPS)
Motivo: falta de quitação eleitoral

58. Tia Hilda (PMN)
Motivo: falta de documentação

59. Tico Rocha (PDT)
Motivo: não comprovada desincompatibilização

60. Toinha Nunes de Sousa (PTC)
Motivo: falta de documentação

61. Valdez Souza da Silva (PV)
Motivo: não prestação de contas de campanha

62. Vera Mariano (PSC)
Motivo: não prestação de contas em 2012

63. Viana Soares (PTN)*
Motivo: desaprovação de contas de campanha

64. Wander Alencar (PTdoB)*
Motivo: falta de documentação

65. Wela Bastos (PTC)*
Motivo: não prestação de contas de campanha

66. Wilson Melo (PR)*
Motivo: sem filiação partidária

67. Zé Macedo (PTN)* – ex-presidente da Câmara Municipal de Grangeiro
Motivo:
desaprovação de contas de gestão

68. Zely Ramos (Psol)
Motivo: sem filiação partidária

- Candidatos a deputado federal
69. Ana Mirtes (PMDB)
Motivo: ausêndia de foto da candidata

70. Carlos Madeira (PSB)
Motivo: não comprovada filiação partidária

71. Edleide Silva (PRTB)
Motivo: falta de quitação eleitoral

72. Herlano Saboia (PSC)
Motivo: falta de quitação eleitoral

73. Idilva Barbosa (PTB)
Motivo: desincompatibilização fora do prazo

74. Josélia Chagas (PMDB)
Motivo: falta de documentação

75. Junior Rego (PDT)*
Motivo: o nome não constou na ata da convenção

76. Leonelzinho Alencar (PTdoB)* – vereador de Fortaleza
Motivo:
falta de quitação eleitoral

77. Luiz Jairo (PSDB)
Motivo: não prestação de contas de campanha

78. Maria Erbene (PTC)
Motivo: falta de documentação

79. Professor Elinaldo (Psol)*
Motivo: não prestação de contas de campanha

80. Professor Euclides Junior (PSB)
Motivo: não comprovada filiação partidária

81. Radialista Valmir Santos (PSD)
Motivo: o nome não constou na ata da convenção

82. Raimundo Angelim (PSB)
Motivo: desaprovação de contas pelo TCM

83. Solismar Lopes (PEN)
Motivo: falta de quitação eleitoral

Quais dos indeferidos foram barrados com base na lei da Ficha Limpa

- Candidatos a deputado estadual

Acélio Freitas (PRTB) – ex-prefeito de Acarape
Adelmo Aquino (SD)* – ex-prefeito de Alto Santo
Agenor Ribeiro (PSDC)*
Augusta Brito (PCdoB)* – ex-prefeita de Graça
Fan Cunha (PTC)* – ex-prefeito de Pacajus
Mirian Sobreira (Pros) – deputada estadual
Raimundinho Cordeiro (PSL)* – ex-prefeito de Russas
Rochinha (PTB)* – ex-prefeito de Horizonte
Sineval Roque (Pros)* – deputado estadual
Zé Macedo (PTN)* – ex-presidente da Câmara Municipal de Grangeiro

- Candidato a deputado federal

Raimundo Angelim (PSB)

* Candidato recorreu do indeferimento

Com informações do TRE-CE e do Ministério Público Eleitoral

34 pessoas são acusadas por fraudes em licitações no Ceará

O Ministério Público Federal no Ceará (MPF/CE) denunciou 34 pessoas envolvidas em esquema de licitações fraudulentas que provocou rombo de R$ 12 milhões aos cofres públicos. Os réus denunciados pelo MPF responderão pelos crimes de lavagem de dinheiro, desvio de verbas federais e formação de quadrilha. Detalhes do esquema que resultaram na ação penal do MPF foram revelados em documentos apreendidos na chamada Operação Gárgula, deflagrada pela Polícia Federal.

De acordo com o procurador da República Lino Edmar de Menezes, autor da ação criminal, investigações apontaram que o esquema era comandado por empresas que se revezavam em procedimentos licitatórios das Prefeituras de Aracati, Beberibe, Cariús, Fortim, Itaitinga, Pacujá e Quixeré, apresentando documentos que compunham um “kit licitação”.

As apurações mostraram que os concorrentes, as empresas Goiana, Diego, Cubo, Cateto, J&A, Etap e Cousinos, disputavam os pregões, sempre superfaturados, não possuíam estrutura para executar os serviços licitados. Os sócios das empresas eram ‘laranjas’, e a execução de algumas das obras ficava por conta de pequenos empreiteiros, mestres de obras e pedreiros moradores dos próprios municípios.

Levantamento feito pela Controladoria Geral da União (CGU) e perícias da Polícia Federal identificaram que, somados os prejuízos provocados pelas licitações superfaturadas, o rombo, por enquanto, chegou a R$ 12 milhões ​ oriundos de verbas repassadas pelo Governo Federal​.

Além da condenação dos réus por ​ formação de​quadrilha, lavagem de dinheiro e desvio de verbas, o MPF requer a dissolução compulsória das empresas envolvidas no esquema, além do pagamento de indenização aos cofres da União correspondente ao valor desviado, de R$ 12 milhões.

De acordo com o procurador Lino Menezes, outros inquéritos ainda serão instaurados para apurar a atuação de servidores de prefeituras onde ocorreram os desvios, podendo ocorrer posteriores denúncias pelos crimes de fraude às licitações, desvio de verbas e lavagem de dinheiro em relação a outros réus que serão identificados durante a investigação policial.

* Com informações do MPF/CE

O Sindicalismo e a lembraça da Era Tasso Jereissati

Com o título “Amnésia Política e Cultural”, eis artigo do sindicalista José Rodrigues. Ele aborda a Era Tasso Jereissati e fala que os servidores estaduais não se esqueceram de perdas registradas durante suas três gestões. Confira:

A Política é mesmo dinâmica, segundo afirmou um velho conhecido do povo cearense que nem mesmo mais ocupa qualquer cargo político e/ou público: Gonzaga Mota.

Nos Governos de Tasso Jereissati, o “Galeguim dos zói azul”, como era chamado por seus simpatizantes, foram extintos vários e vários direitos e vantagens salariais dos servidores públicos estaduais, através de uma lei que se chamou de “Pacotasso”. Até hoje, estão prejudicados não somente os antigos servidores públicos como também todos aqueles e aquelas que ingressaram no serviço público posteriormente.

Mas como a memória é curta e a amnésia cultural e política tomam conta de muitos, logo, logo todos vão constatar que a Política é a “Arte da Mentira”. Todos quantos ainda continuam nela acreditando, pagam um preço muito caro. Prossegue o cenário dos teimosos, que votam sem qualquer consciência daquilo que estão realizando.

Aliás, no Brasil, como o voto é obrigatório para todos, ainda há cidadãos e cidadãs que votam sem qualquer avaliação de futuro e, assim, acabam se iludindo com falsas promessas e encantos meticulosos, que nada lhes proporcionam nada de concreto ao final de cada período e mandato eleitoral.

* José Francisco Rodrigues

Coordenador Adjunto do FUASPEC
Assessor Sindical da ASENMESC.

TAP opera rota Fortaleza-Lisboa com aviões fretados de empresa ucraniana

A cearense Helena Cláudia Santos teve uma surpresa na hora de voltar para casa depois de uma viagem pela Europa para estudar. Com passagem comprada para um voo da companhia aérea portuguesa TAP, no embarque do aeroporto de Lisboa, Helena viu que voltaria aFortaleza em uma aeronave de outra empresa. Desde o início do mês de julho, as aeronaves do tipo A330 da TAP, que fazem a rota diária Fortaleza-Lisboa, são substituídas por aviões fretados da empresa ucraniana Windrose. A TAP afirmou que a situação será solucionada em 10 dias.

Aviões usados pela TAP têm símbolo da Windrose (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)

“A gente tomou um susto enorme quando encontra uma aeronave que não tem absolutamente nada a ver com a que você foi. Uma aeronave apertada, muita gente, sem nenhum tipo de entretenimento. Nem o banco pra reclinar um pouco, para descansar e é uma viagem longa. Foi muito complicado, me machucou de verdade, fisicamente”, afirma a professora Helena.

Segundo a TAP, a companhia  assumiu novas rotas e os aviões comprados para atender a demanda não ficaram prontos a tempo e, por isso, precisou fretar aeronaves. A TAP admite que as aeronaves fretadas são inferiores em relação aos serviços porque não são configuradas pela empresa. Atualmente, a rota Fortaleza-Lisboa é a única do país que opera com as aeronaves ucranianas.

A advogada  Idália Matos Leubner, que mora na Alemanha e viaja todos os anos para o Ceará em aeronaves da TAP, sentiu a diferença entre as aeronaves e reclama do custo alto da passagem para viajar em um avião de uma empresa low-cost, que faz voos com baixos custos. “Paguei caro por um conforto e, quando eu chego ao aeroporto, é um voo totalmente sem serviço. Um avião sem acessórios. Eu me senti enganada”, afirma. A advogada pagou 1.280 euros e afirma que não foi informada com antecedência sobre a troca de aeronaves.

Atrasos
A TAP informou que vai regularizar a situação até 15 de agosto, quando está prevista a entrega das seis novas aeronaves. Até lá, os passageiros com viagem marcada que não quiserem voar nos aviões fretados podem alterar a data da viagem sem custo ou pedir o reembolso integral da passagem.

Para os passageiros que viajaram e pagaram para a classe executiva, a companhia afirmou que realiza o reembolso da diferença dos serviços de uma aeronave para outra. A TAP disse ainda que envia com antecedência e-mails para os passageiros e agências de viagem, informando sobre as trocas de aviões.

Desconforto
O  secretário de Turismo do Ceará, Bismarck Maia, afirma que já entrou em contato com a companhia aérea portuguesa e vai acompanhar o caso até que seja resolvido. “Nós fomos muito firmes com a companhia, mostramos que o Ceará é parceiro. Particularmente, a palavra da Secretaria de Turismo para eles é que está muito chateada com este desconforto que está sendo gerado para os passageiros”, afirma Maia. Ainda de acordo com o secretário, a TAP também oficializou com a Setur que o problema será solucionado no mês de agosto.

(G1 Ceará)

Para conquistar o Nordeste, Samsung anuncia Wesley Safadão como “embaixador”

A Samsung anunciou nesta segunda-feira (4) o cantor de forró Wesley Safadão como embaixador da linha de mini systems Giga Sound para a região Nordeste do Brasil. A escolha do cantor, segundo a marca, se deu pela grande repercussão que ele tem obtido na região.

Com o slogan “Giga Sound – sua festa com potência máxima”, a marca fará uma série de ações regionais, já iniciadas com o patrocínio do São João Caruaru 2014. Serão realizadas ativações em diversos canais, como rádio, mídias sociais, pontos de venda e um hotsite com uma promoção.

“O Nordeste passa a ser foco central da campanha de marketing da área de mini systems da Samsung, dada a importância desse mercado e seu público-alvo, conhecido por ser festivo e caloroso, ideal para agregar valor ao conceito da linha de potência máxima”, diz comunicado da Samsung.

“Além disso, as características locais foram agregadas aos produtos, que passam a ter ainda mais a cara da região, como uma equalização especial de ritmos como forró, samba, axé e tecnobrega”, complementa.

(Portal Administradores)

CBF anuncia os 20 participantes da Copa do Nordeste de 2015

A CBF divulgou nesta terça-feira os nomes dos 20 clubes que disputarão a edição de 2015 da Copa do Nordeste. Com quatro participantes a mais do que no ano anterior, a competição tem como novidade a inclusão de duas equipes do Maranhão e duas equipes do Piauí.

Piauí e River, do território piauiense, e Moto Club e Sampaio Corrêa, do Maranhão, entrarão para a história como os primeiros representantes de seus respectivos estados em uma Copa do Nordeste.

A divulgação oficial frustrou os planos do Santa CruZ. Após terminar o Campeonato Pernambucano em quarto lugar, o clube entrou com uma representação na CBF pedindo vaga na competição, amparando-se no argumento de que o Sport já estaria classificado automaticamente por ser o atual campeão. Mesmo ameaçando não disputarem mais edições da Copa do Nordeste, os Corais tiveram sua solicitação negada.

Abaixo, a lista dos 20 participantes:

1 América Futebol Clube RN

2 Associação Atlética Coruripe AL

3 Associação Desportiva Confiança SE

4 Associação Desportiva Socorrense SE

5 Botafogo Futebol Clube PB

6 Campinense Clube PB

7 Ceará Sporting Club CE

8 Clube de Regatas Brasil – CRB AL

9 Clube Náutico Capibaribe PE

10 Esporte Clube Bahia BA

11 Esporte Clube Vitória BA

12 Fortaleza Esporte Clube CE

13 Globo Esporte Clube RN

14 Moto Club de São Luís MA

15 Piauí Esporte Clube PI

16 River Atlético Clube PI

17 Salgueiro Atlético Clube PE

18 Sampaio Corrêa Futebol Clube MA

19 Serrano Sport Club BA

20 Sport Club do Recife PE*

*atual campeão

(Esportes O Povo)

Surto de Ebola: entenda quais são os sintomas da doença

O pior surto do Ebola na história – que ocorre agora na África Ocidental – já custou mais de 700 vidas, de acordo com a última contagem da Organização Mundial de Saúde. As mortes ocorreram em Serra Leoa, Libéria, Guiné e Nigéria.

“Esse surto está se espalhando mais rápido que nossos esforços para controlá-lo”, disse Margaret Chan, chefe da Organização Mundial de Saúde, segundo a Reuters.

A cepa Zaire do vírus, envolvida no surto atual, teve no passado um índice de mortalidade de até 90%. Entretanto, o índice de mortalidade do surto atual é mais baixo, porque “90% é quando você não recebe nenhum tipo de cuidado médico”, diz Nahid Bhadelia, epidemiologista associada do Boston Medical Center e diretora de Controle de Infecções dos Laboratórios de Doenças Infecciosas Nacionais Emergentes da Universidade de Boston.

“Agora, com apoio médico, a mortalidade no campo é de 60%”, disse ela ao HuffPost.

Mas como, exatamente, o vírus provoca sintomas tão extremos – o Ebola é notório por causar, em alguns casos, sangramentos nos olhos e ouvidos – e leva à morte? Bhadelia explica por que o corpo tem tanta dificuldade em combater o vírus mortífero:

COMO O EBOLA ENTRA NO CORPO?

O Ebola não se transmite pelo ar – é preciso ter contato com o vírus para haver risco de infecção, diz Bhadelia.

Ele é transmissível por exposição a algum animal infectado (como um morcego ou um primata), por exposição aos fluidos corporais de um humano infectado e sintomático e por exposição a itens contaminados com o vírus.

As pessoas que “cuidam de alguém em casa… quando limpam vômito ou diarreia têm contato [com o vírus], pois os fluidos estão contaminados”, diz ela. “O vírus penetra seu corpo pelo nariz, pela boca e assim por diante.”

O Ebola sobrevive fora do hospedeiro por um período de tempo significativo – até um par de dias – em temperatura ambiente.

“É por isso que o controle de infecções é uma parte tão importante”, disse Bhadelia. “Se você tem equipamentos de esterlização, acesso a desinfetantes…. e você consegue manter os ambientes limpos e os pacientes isolados, o surto jamais vai se espalhar.”

É por isso que lugares com bons controles de infecção e infraestrutura médica não correm nenhum risco de surto desse patógeno, acrescentou ela.

O QUE ACONTECE NO CORPO DEPOIS DA INFECÇÃO PELO VÍRUS?

Depois de entrar no corpo, o vírus do Ebola entra nas células e se reproduz. “Depois ele explode as células e produz essa proteína que causa devastação”, explicou Bhadelia. A proteína é chamada glicoproteína ebolavirus, e ela se liga às células na parte interna dos vasos sanguíneos.

Isso aumenta a permeabilidade dos vasos – o que leva ao vazamento do sangue. “O vírus provoca um desarranjo na capacidade do corpo de coagular e engrossar o sangue”, disse ela.

Mesmo pessoas que não apresentem sintomas de hemorragia terão esse vazamento de sangue dos vasos – o que pode levar ao choque e, eventualmente, à morte.

O vírus do Ebola também é mestre em evadir as defesas naturais do corpo: ele bloqueia os sinais enviados para as células chamadas neutrófilas, as células brancas que têm a responsabilidade de soar o alarme para o sistema imunológico entrar em ação e atacar.

Na verdade, o Ebola infecta as células imunológicas e as usa para viajar para outras partes do corpo – incluindo o fígado, os rins, o baço e o cérebro.

Cada vez que uma das células infectadas pelo Ebola explode e seu conteúdo se espalha, o dano e a presença das partículas do vírus ativam moléculas chamadas citoquinas.

Num organismo saudável, as citoquinas são responsáveis por provocar uma resposta inflamatória, para que o corpo saiba que está sendo atacado.

Mas, no caso de um paciente de Ebola, “a liberação [das citoquinas] é avassaladora, o que causa sintomas parecidos com os da gripe”, que são os primeiros sinais do Ebola, disse Bhadelia.

QUAIS SÃO OS SINTOMAS?

O Ebola costuma começar com sintomas parecidos com os da gripe. Apesar de ser conhecido pela hemorragia extrema – sangramento dos olhos etc. –, nem todos os pacientes apresentarão esses sintomas.

“Na verdade, só 20% das pessoas terão [esses sintomas extremos]”, diz Bhadelia. “Algumas pessoas podem sucumbir à doença antes que ela chegue a esse ponto, algumas podem ter pequenos sangramentos, algumas podem ter sangramentos nas gengivas, ou feridas na pele.”

Os sintomas parecidos com os da gripe costumam aparecer nas primeiras fases da doença, antes de a pessoa ficar mais doente e começar a sentir os sintomas mais graves, como vômito, diarreia e baixa pressão arterial.

O sangramento extremo ocorre mais para o final da doença. As pessoas que morrem de infecção do Ebola costumam ter falência múltipla de órgãos e choque.

“O choque é do sangramento – você está sangrando em diversas partes do corpo, e o sangue vaza das veias”, explica Bhadelia. “Mesmo que [você não tenha] os sinais externos da hemorragia, você ainda está vazando sangue.”

COMO É QUE ALGUMAS PESSOAS SOBREVIVERAM À INFECÇÃO MORTAL?

Tem a ver basicamente com dois fatores. O primeiro é a saúde da pessoa, em geral – o sistema imunológico e sua capacidade de se recuperar de uma infecção viral.

O segundo é o tipo de exposição. A recuperação é mais provável se a exposição não foi severa – ou seja, talvez a pessoa tenha sido exposta a alguém que estivesse na fase inicial da doença, e a quantidade do vírus nos fluidos corporais ainda não fosse muito grande, disse Bhadelia.

Além disso, o que se sabe é que o Ebola exige um marcador conhecido na superfície das células humanas para poder penetrá-las.

Os pesquisadores descobriram em ambiente de laboratório que as células de algumas pessoas não têm esse marcador, ou eles sofreram algum tipo de mutação, o que impede a entrada do vírus nas células.

Mas as pesquisas com o Ebola ainda estão em sua infância, e o conhecimento a respeito do comportamento do vírus ainda está em evolução, disse Bhadelia.

Ainda assim, esse tipo de descoberta aponta o caminho para potenciais tratamentos. Agora, disse ela, existem pesquisas para desenvolver tratamentos que funcionem de vários jeitos diferentes.

Um deles é impedir a replicação do vírus dentro da célula. “Basicamente é uma interrupção completa, e o vírus não consegue copiar seu material genético indefinidamente para se reproduzir”, disse Bhadelia.

Outro jeito é ajudar o sistema imunológico a criar uma resposta efetiva ao Ebola usando versões atenuadas do vírus. Dessa maneira, “o corpo pode criar uma resposta efetiva para quando o vírus real aparecer”.

Uma terceira alternativa é criar anticorpos específicos contra o vírus, dando “um impulso externo ao sistema imunológico”, disse ela.

Via http://www.brasilpost.com.br

Ebola: Entenda o que é e como esse vírus mortal se espalha

As proporções do surto de ebola na África Ocidental têm chamado a atenção das autoridades e órgãos de saúde em todo o mundo. Segundo as últimas informações da Organização Mundial de Saúde (OMS), o vírus já vitimou quase 900 pessoas em Serra Leoa, Guiné, Líbéria e Nigéria. Com as constantes notícias sobre o avanço da doença, muitas pessoas têm ficado com dúvidas e preocupadas sobre o assunto.

Portal EBC reuniu as principais perguntas sobre ebola para ajudar você a entender melhor o vírus. Confira:

1. O que é o ebola?

2. Onde a doença surgiu pela primeira vez?

3. Quais os principais sintomas do ebola?

4. Como o ebola é diagnosticado?

5. Quais as formas de transmissão do ebola? Pode-se contrair a doença a partir do contato com animais?

6. O ebola tem cura?

7. Se estiver em um avião e houver alguém com ebola, eu posso contrair a doença?

8. O que fazer em caso de suspeita de ebola?

9.  Existe risco do ebola chegar ao Brasil?

10.  Quando é decretado o fim de um surto de ebola?

1. O que é o ebola?

É uma doença altamente contagiosa causada por vírus do gênero Ebolavirus, que provoca uma febre hemorrágica. O ebola chega a matar de 60 a 90 por cento das pessoas infectadas.

2. Onde a doença surgiu pela primeira vez?

Não há dados concretos sobre onde a doença surgiu, mas ela foi identificada pela primeira vez em 1976, quando foram observados surtos simultâneos em Nzara, no Sudão, e em Yambuku, na República Democrática do Congo, em uma região situada próximo do Rio Ebola.

Os cientistas identificaram cinco diferentes espécies de vírus: Bundibugyo ebolavirus (BDBV), Zaire ebolavirus (EBOV), Sudan ebolavirus (SUDV), Reston ebolavirus (RESTV) e Taï Forest ebolavirus (TAFV). Segundo dados da OMS, somente os três primeiros tipos de vírus têm sido associados à ocorrência de surtos de ebola na África. Apesar da espécie Reston Ebolavirus, encontrada na China e nas Filipinas, poder infectar humanos, nenhum caso da doença por este tipo de vírus foi registrada até o momento. Já a espécie Tai Forest está associada a casos da doença em animais, como chipanzés e gorilas.

3. Quais os principais sintomas do ebola?

Os principais sintomas da doença são: febre repentina, fraqueza, dor muscular, dores de cabeça e inflamação na garganta, seguidos de vômitos, diarreia, coceiras, deficiência nas funções hepáticas e renais. Alguns pacientes também podem apresentar erupções cutâneas, olhos avermelhados, soluços, dores no peito e dificuldade para respirar e engolir, além de sangramentos internos e externos.

As hemorragias são causadas por uma reação entre o vírus e as plaquetas presentes no sangue humano. Esta reação produz uma substância capaz de danificar as plaquetas e criar buracos nas paredes dos vasos capilares, que transportam o sangue. Como os níveis de glóbulos brancos e plaquetas são afetados pela doença, o organismo não consegue realizar o processo de coagulação do sangue e interromper os sangramentos.

Veja também no Portal EBC:

Ebola: conheça a doença e seus sintomas

Ministro da Saúde diz que brasileiros não devem temer vírus ebola

Ministério da Saúde descarta suspeita de ebola em Goiânia

Ebola já matou 887 pessoas em quatro países da África este ano

Nigéria registra segundo caso de ebola no país

4. Como o ebola é diagnosticado?

Os sintomas da infecção pelo Ebola costumam aparecer entre dois a 21 dias após a exposição ao vírus. Porém, como a maioria dos sinais se assemelham ao de viroses e outras doenças mais comuns, como a malária, seu diagnóstico na rede de atendimento básico de saúde é dificultado.

Ao suspeitar de ebola, o médico deve solicitar exames laboratoriais para comprovar a doença. O ebola só é confirmado após a realização de cinco diferentes testes, que incluem a análise de amostras de urina e saliva.

5. Quais as formas de transmissão do ebola? Pode-se contrair a doença a partir do contato com animais?

O Ebola pode ser contraído mediante o contato direto ou indireto com sangue, secreções e outros fluídos corporais contaminados tanto de humanos como de animais.

De acordo com a organização humanitária internacional Médicos Sem Fronteiras, em algumas áreas da África, a doença foi registrada por meio do contato com chimpanzés, gorilas, morcegos frutívoros, macacos, antílopes selvagens e porcos-espinhos contaminados encontrados mortos ou doentes na floresta tropical.

Também foram relatados casos de pessoas que contraíram a doença em enterros após terem tido contato direto com o falecido vitimado pelo Ebola.

A OMS alerta para o fato de que os homens podem transmitir o vírus por meio do seu sêmen por até sete semanas após terem se recuperado da doença.

6. O ebola tem cura?

Infelizmente ainda não há um medicamento específico ou vacina para cura ou prevenção contra o Ebola.

O tratamento padrão para a doença está focado em aliviar os sintomas do paciente, ou seja, em combater as hemorragias, a febre e demais manifestações provocadas pelo vírus.

Recentemente, virologistas americanos do Instituto Nacional de Alergias e Doenças Infecciosas (NIAID) anunciaram que estão trabalhando em uma vacina contra a doença. Os testes, segundo eles, foram bem-sucedidos com animais. Mas a vacina ainda não foi testada com seres humanos e o processo pode levar meses até terem um resultado conclusivo que possa conduzir à aprovação dos órgãos de saúde do país para sua produção e comercialização.

7. Se estiver em um avião e houver alguém com ebola, eu posso contrair a doença?

Se você estiver no mesmo voo que alguém doente, já que a doença não se propaga pelo ar, como a gripe, só terá risco de pegar a doença se tiver algum contato com o sangue ou com algum fluido ou secreção corporal do doente.

8. O que fazer em caso de suspeita de ebola?

Diante de qualquer suspeita de ocorrência de ebola, deve-se recorrer a qualquer hospital ou posto de atendimento de saúde. Assim que confirmada a doença, o paciente deve ser isolado e as autoridades de saúde pública do município notificadas.

9.  Existe risco do ebola chegar ao Brasil?

De acordo com o Ministério da Saúde, os brasileiros não devem temer o ebola. Isso porque a propagação da doença nos países do oeste da África teria sido facilitada pela precariedade dos serviços de saúde e das condições de vida de grande parte da população, além de alguns hábitos ligados à cultura dos países, como o que envolve o sepultamento das pessoas, inclusive os vitimados pela doença, dificultam a contenção do surto.

Além disso, o risco de transmissão global do vírus é muito baixo, segundo a Organização Mundial de Saúde. Todavia, o ministério está tomando as providências de proteção cabíveis, inclusive reforçando a vigilância nas áreas de fronteira, portos e aeroportos, para que, caso chegue ao país qualquer pessoa com suspeita de contágio pelo vírus ebola ela possa receber os cuidados adequados em área isolada, evitando, assim, o risco de propagação da doença.

10.  Quando é decretado o fim de um surto de ebola?

O fim de um surto de ebola apenas é declarado oficialmente após o término de 42 dias sem nenhum novo caso confirmado, segundo as orientações da OMS.

Confira na tabela abaixo  o número de casos registrados de ebola, segundo o último relatório da Organização Mundial de Saúde:

País Total de casos Casos confirmados Casos prováveis Casos suspeitos Mortes
Guiné 485 340 133 12  358
Libéria 468 129 234 105 255
Nigéria* 04 02 1 1 2
Serra Leoa  646  540 46 60  273

 

* Dados conforme o relatório sobre a situação do surto de ebola da Organização Mundial de Saúde da última sexta-feira, dia 1º de agosto. Nesta segunda-feira (04), o governo da Nigéria anunciou o segundo caso confirmado da doença. A vítima, um médico, faleceu após ter participado do tratamento de um paciente liberiano que havia chegado doente ao país e acabou morrendo pouco depois na ala de quarentena do hospital.

** Com informações do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde 

 

(Portal EBC)

Uma aspirina por dia pode prevenir câncer, diz estudo

O coordenador do novo estudo diz tomar um comprimido diário há 4 anos

Tomar uma aspirina diariamente ao longo de uma década poderia reduzir as possibilidades do individuo contrair câncer de estômago e intestino ou de morrer por causa dessas doenças, de acordo com um estudo divulgado pela revista médica “Annals Of Oncology”.

A pesquisa, desenvolvida por especialistas da Universidade Queen Mary, de Londres, assinala que se todas as pessoas acima dos 50 anos no Reino Unido tomassem esse remédio ao longo de dez anos, 122 mil mortes pelos tipos de câncer citados poderiam ser evitadas ao longo de duas décadas.

No entanto, os cientistas alertam que o uso diário da aspirina também poderia causar efeitos secundários, como úlceras, e, por isso, recomendam sempre a consulta médica.

Para chegar a essas conclusões, os cientistas analisaram cerca de 200 estudos que averiguavam os benefícios e prejuízos de consumir aspirina – um tema de contínuo debate médico. Esses analistas descobriram que o remédio reduz entre 30% e 40% o número de casos e de mortes por câncer de intestino, estômago e esôfago.

Por outro lado, os cientistas não alcançaram evidências tão sólidas que pudessem corroborar a tese de que a aspirina também diminui mortes por câncer de mama, próstata e pulmão.

Em suas investigações, os pesquisadores descobriram que as pessoas deviam tomar a aspirina durante pelo menos um período de cinco anos para alcançarem resultados.

O responsável pelo estudo, Jack Cuzick, orientou todas as pessoas acima de 50 anos a considerar a possibilidade de tomar uma pequena dose (de 75 miligramas) de aspirina diária durante uma década. “Apesar de haver alguns efeitos secundários graves que não podem ser ignorados, tomar aspirina diariamente parece ser o mais importante que podemos fazer para reduzir o risco de câncer além de deixar de fumar e reduzir a obesidade“, assinalou Cuzick, que disse tomar aspirina há quatro anos.

Em declarações à emissora “BBC”, Julie Sharp, da organização Cancer Research UK, opinou que, apesar da aspirina ser promissória na prevenção de certos tipos de câncer, “é vital equilibrá-la com as complicações que a mesma pode causar”.

Via http://revistagalileu.globo.com

Ceará é o maior mercado de carros de luxo do Nordeste

Maior mercado consumidor de carros de luxo do Nordeste, com mais de 30% de participação nas vendas de automóveis premium na Região, o Ceará bate recordes em emplacamentos de carros importados de grandes marcas consolidadas no mercado mundial, como Honda, Mercedes-Benz e BMW. O Volume cresceu tanto que o Estado conseguiu quadruplicar a média de vendas por mês na capital cearense entre 2013 e 2014.

Conforme o João França Júnior, superintendente da Welle Motors – única concessionária BMW no mercado cearense -, as vendas de carros da marca BMW no Estado, nos seis primeiros meses de 2014, chegaram a média de 40 carros/mês contra a faixa de 10 carros vendidos mensalmente no mesmo período do ano passado.

“Com isso a BMW, que só não era líder de mercado em Fortaleza, a partir de março, passou a liderar também o mercado cearense. E no último mês de junho o Ceará chegou a ser o primeiro no ranking de automóveis BMW vendidos no Nordeste”, comemora o superintendente.

Segundo ele, parte do crescimento está relacionado à mudança de gestão da BMW em Fortaleza pela Welle Motors, que também comercializa as marcas Mini (carro compacto) e Motorrad (moto). Porém, a expressividade da expansão, diz o executivo, se deve a uma conjunção de fatores.

Menor preço e investimento

A redução dos preços dos importados aliada ao investimento dos bancos das montadoras no subsídio taxa zero e o parcelamento em até quatro vezes sem juros, somados a facilidade de crédito no mercado, ao crescente nível de exigência do consumidor e a maior adequação dos modelos importados às estradas brasileiras são os motivos apontados por João Junior.

“Enquanto os preços dos carros populares nacionais subiram, o valor dos importados baixou mais de 20%. Modelos que custavam na faixa de R$ 170 mil, hoje são vendidos por R$ 130 mil”, exemplifica o superintendente, segundo quem o financiamento dos veículos premium também ficou mais barato.

“Isso ocorre porque a inadimplência desse tipo de cliente é quase zero, até porque as montadora fazem uma filtragem muito grande antes de liberar o parcelamento”, explica.

De acordo com João Junior, como revendedor BMW exclusivo no Ceará, a Welle Motors está investindo em estratégias de vendas mais agressivas no Estado. “Há quase 20 dias estamos com um estande de vendas dentro do Shopping Sobral. Essa é uma iniciativa que pretendemos repetir para alavancar cada vez mais as vendas da marca no mercado cearense”, afirma.

Alta de 30% na Honda

Revendedor de carros Honda, o empresário Oduénavi Ribeiro, da Concessionária Novaluz, garante que as vendas da marca cresceram 30% entre janeiro e junho de 2014 em relação ao mesmo período do ano passado.

“Em 2013 vendemos em média 1.200 carros no primeiro semestre, enquanto esse ano já comercializamos 1.560 veículos. Saímos de uma média mensal de 200 automóveis vendidos para os atuais 260 carros/mês”, revela o revendedor.

Novos modelos e ascensão

Além do lançamento de novos modelos Honda, Ribeiro atribui o incremento das vendas também a ascensão das classes sociais no Brasil, ao aumento da oferta e ao “sacrifício financeiro das concessionárias para reduzirem suas margens de lucro”.

Entre os campeões de vendas na Concessionária Novaluz, o empresário aponta o Honda Civic, com 39% das vendas, e o Honda Fit, com 30%. “O Honda Civic é imbatível na liderança. Quanto ao Fit, é um dos lançamentos da Honda mais desejados, que fez muito sucesso”, conta Ribeiro. Para o segundo semestre, ele também está otimista. “Acredito que vá ter uma melhora porque houve uma demanda reprimida nas vendas de junho e julho em função da Copa (do Mundo)”, argumenta.

Fortaleza tem tradição

Para o presidente da Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores no Ceará (Fenabrave-CE), Fernando Ponte, Fortaleza sempre teve tradição no consumo de carros de luxo e o consumo disparou a partir do Mercosul. “Fortaleza sempre foi um polo de consumo para esse tipo de carro. Hoje, a maioria dos automóveis são equipados com Air bag duplo, (freios) ABS, ar condicionado e direção hidráulica – itens antes considerados de luxo. E com acordos operacionais como o Mercosul, a entrada de importados de luxo foi ainda mais facilitada”, reforça.

Marca tem investimento concentrado em Fortaleza

Apesar de Fortaleza ser o maior mercado da Região para a Mercedes-Benz, representando 35% das vendas da marca no Nordeste, e do crescimento de 30% nas vendas de automóveis no primeiro semestre desse ano face ao mesmo período de 2013, o Ceará está fora dos planos de expansão da empresa em 2014.

De acordo com o gerente sênior de Vendas e Marketing de automóveis da Mercedes-Benz, Dirlei Dias, uma concessionária do padrão da marca, exige um plano de negócios para ser financeiramente saudável. “Investir em novas concessionárias da nossa marca só é saudável quando se tem um volume significativo de vendas. Para ter rentabilidade é preciso vender de 120 a 150 carros/ano. E no momento não tem outra região no Ceará, fora de Fortaleza, que compense a abertura de novas concessionárias Mercedes-Benz”, afirma.

Segundo o gerente, “a cada três meses a Mercedes faz o mapeamento de todo o país, para identificar potencial de mercado. “E, a princípio, não há justificativa para abertura de novas lojas na Capital ou no interior do estado. Continuaremos avaliando”, afirma. Conforme balanço realizado pela Mercedes-Benz para os primeiros seis meses deste ano foram comercializados na Capital cearense 142 veículos da marca, ante 108 unidades vendidas nos seis primeiros meses do ano passado.

Durante todo o ano de 2013 o mercado local somou 281 emplacamentos de automóveis Mercedes-Benz, correspondendo a quase 36% dos total de emplacamentos da marca no Nordeste (784) e em torno de 3% do total de automóveis Mercedes emplacados no Brasil no ano passado (9.421). A expansão da Mercedes no mercado local supera o crescimento nacional para o período, de 15% – resultado da venda de 4.986 carros da Mercedes-Benz entre janeiro e junho de 2014, contra os 4.363 veículos da marca comercializados em igual período do ano anterior. No Nordeste as vendas da marca cresceram 63%, passando para 456 unidades vendidas no primeiro semestre desse ano.

Fortaleza no topo

Presente em cinco capitais nordestinas, a Mercedes-Benz registrou, no referido período, incremento superior, em termos percentuais, em Teresina (357%), Natal (300%) e Recife (64%). Entretanto, em todos esses mercados o consumo não passou da casa de dois dígitos, ficando abaixo de Fortaleza, quando os números absolutos das vendas são observados.

Na capital do Piauí o total de carros da marca comercializados de janeiro a junho passou de 14, em 2013, para 64, em 2014. Em Natal, no Rio Grande do Norte, o número de unidades passou de 7 para 28 no mesmo período. Na capital pernambucana foram vendidos 97 carros no primeiro semestre desse ano, contra 59 no mesmo acumulado de 2013.

Por sua vez Salvador, na Bahia, ficou atras da performance cearense nos dois quesitos: em termos percentuais e em números absolutos. As vendas da marca na capital baiana passaram de 68 para 88 unidades entre os primeiros semestres de 2013 e 2014, com alta de 29%.

Mais unidades, mais vendas

Para a Mercedes-Benz, o principal motivo do incremento acentuado nas vendas é a expansão de sua rede de concessionárias no Nordeste, com a inauguração da concessionária de Natal (RN) em maio de 2014.

No segundo semestre deste ano, uma das seis concessionárias que a Mercedes planeja inaugurar ainda este ano no Brasil também será no Nordeste, precisamente em São Luís do Maranhão. As outras novas unidades planejadas pela marca de veículos serão instaladas em Niterói, Rio de Janeiro e três no estado de São Paulo, aumentando para 47 o número de concessionárias em funcionamento no país para a comercialização de automóveis premium. (AC)

(Ângela Cavalcante – Diário do Nordeste)

Itaitinga: a cidade onde um sexto da população é formada por presidiários

FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA

* Por Wolney Batista

Itaitinga conserva o clima de cidade pequena, mesmo localizada tão próxima de Fortaleza. A rotina pacata e a aparência interiorana começou a ser transformada no final da década de 1970, com a construção dos primeiros prédios penitenciários, às margens da BR- 116. Hoje, 46 anos depois, o complexo de segurança é formado por seis unidades, com 6.446 internos, de acordo com a Secretaria da Justiça e Cidadania do Estado do Ceará (Sejus).

O número se torna ainda mais expressivo se comparado a população total do município, que é de 37.705, segundo o levantamento de 2013 do anuário estatístico do Ceará, divulgado pelo Instituto de Pesquisa Estratégica Econômica do Ceará (Ipece). Os presos correspondem a um sexto de todos os moradores do local.

A aposentada Lucy Ramos mora no Riachão, mesmo bairro onde estão localizados os presídios. A distância entre a casa que vive com o marido e o muro do complexo é menor que 1 quilômetro. “Medo faz, mas a gente não pode tirar a casa para ir para outro lugar”, responde ela com um sorriso tímido.

Moradora da localidade desde o nascimento, ela viu sua família povoar as casas vizinhas. Os filhos deixaram a residência dos pais e construiram seus lares próximo. Mesmo destino tiveram seus irmãos nas décadas anteriores. “Se alguém quiser invadir aqui, dou só um grito que todo mundo chega”, brinca com a convivência de fugas dos presídios.

Dona Lucy cita o tempo passado, sem o grande complexo, com saudosismo. “Antes era bom demais. A gente dormia de janela aberta e sem grade”. Ela já se acostumou a dividir o bairro com os prédios da segurança pública. O medo não inquieta mais. O incômodo que sobrou está ligado à má fama que Itaitinga ganhou, segundo ela. “Nossa cidade devia ter um ponto de referência melhor. Sempre falo que moro depois do presídio”, confessa, enquanto deixa transparecer o carinho pela cidade.

BR-116 é a rota

A algumas ruas da casa de Dona Lucy, o homem que preferiu se identificar apenas como Adésio construiu uma pequena mercearia ao lado de sua residência, onde mora só. “Quando alguém bate aqui, já venho olhar meio desconfiado”, confessa. O medo, segundo ele, não tem ligação com o presídio, mas com os assaltantes locais. “Morar perto de banco, de loja, é perigoso do mesmo jeito”, argumenta.

Adésio chegou à cidade dois anos antes do complexo penitenciário, e explica com propriedade o destino dos internos após as fugas. “Quando eles fogem, não ficam por aqui, não. Eles sabem que se ficarem por perto vão ser presos logo. Eles vão logo para a BR para tomar um carro, ou moto”. O movimento de viaturas da Polícia no entorno é o motivo que afasta os fugitivos, completa ele.

A rota de fuga parece já ser conhecida da vizinhança. Um grupo de homens que jogava conversa fora em frente um templo religioso narra histórias parecidas. Eles informam nunca ter ouvido relato de invasão de casas no bairro. “Aqui é sossegado”, define o morador. Alem disso, em Itaitinga há apenas uma delegacia, sem nenhum preso atualmente, conforme a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social do Estado do Ceará (SSPDS).

Escolha por Itaitinga

A primeira das construções na cidade ocorreu em 1968. Foram inaugurados, na mesma data – 12 de setembro -, o Hospital Geral e o Instituto Psiquiátrico. Isso desencadeou a construção das outras unidades, segundo a Sejus. O complexo é formado pelo Instituto Presídio Professor Olavo Oliveira II (IPPOO II), com capacidade para 492 internos; Unidade Prisional Agente Luciano Andrade Lima (antiga CPPL I), que comporta 900; CPPLs II e III, que suportam 952 pessoas cada; e a maior delas, a CPPL IV, com instalações para 936.

(Tribuna do Ceará)

Curso gratuito de campanha eleitoral é ofertado pelo Ministério Público do Ceará

Interessados em entender o funcionamento do processo eleitoral podem se inscrever no curso gratuito de campanha eleitoral ofertado pelo Ministério Público Estadual, através da Escola Superior do Ministério Público (ESMP). Segundo o diretor da instituição, Benedito Augusto, o curso apresenta aspectos teóricos e práticos sobre abuso de poder, condutas vedadas a agentes públicos, crimes eleitorais e garantias do eleitor e do candidato. São temas que contemplam os principais aspectos legaisde uma campanha eleitoral.

A carga horária total é de 16h/aula, que serão ministradas pelo promotor de Justiça Igor Pereira Pinheiro – um dos promotores eleitorais. As aulas acontecem nos dias 4 e 11 de agosto, de 8h a meio dia; e de 14h às 18h, no auditório da sede do Ministério Público Estadual, no bairro José Bonifácio. Segundo o Ministério Público, o curso é gratuito e direcionado a membros e servidores do MP, magistrados, defensores públicos, servidores da área de segurança pública, advogados, estudantes e demais interessados.

As inscrições já estão abertas e podem ser feitas no site da ESMP.

(Com informações do MPE-CE)

Atenção! Golpe do Plano Collor é aplicado no Ceará

Se fazendo passar por advogados, estelionatários ligam para as casas das pessoas, geralmente aposentados, na tentativa de que paguem para receber resíduos do Plano Collor – plano econômico que confiscou a poupança. Trata-se do mais novo golpe que estão aplicando no Ceará. O POVO recebeu informações de vítimas que relataram suas histórias mas preferem não se identificar.

No caso de dona Maria (nome fictício), por exemplo, um advogado ligou dizendo que ela tinha um dinheiro a receber do Plano Collor. O sujeito disse que era do Tribunal de Justiça, deu o número do processo e o nome dos dois advogados responsáveis pela “liberação do dinheiro”.

Desconfiada ela anotou tudo e passou para a filha que consultou um advogado e descobriu que o processo não existia. Ele alertou que era golpe e que várias pessoas daqui do Ceará já tinham caído, inclusive uma cliente dele, professora, que pagou adiantado as “custas”.

O titular da Delegacia de Defraudações e Falsificações, Jaime de Paula Pessoa, diz que esse tipo de golpe, geralmente contra pessoas mais idosas, é muito comum e se repete, periodicamente, também com os golpistas dizendo que a pessoa tem dinheiro de precatórios, pecúlios (dinheiro que uma pessoa deixa por escrito em vida para um ou mais beneficiários) e seguros para receber. Eles também atuam enviando correspondência.

“Só este ano indiciamos mais de 45 pessoas por terem recebidos ligações provenientes de outros estados que caíram nesse tipo golpe”, diz o delegado, comentando que soube de vítimas que chegaram a depositar, parceladamente, R$ 30 mil.

O especialista em segurança pública e privada, advogado Jorge Lordello, diz que tudo começa com o roubo de dados em instituições públicas. “Temos no Brasil uma fragilidade no controle de dados, inclusive bancários”, comenta

Ele destaca que antigamente os golpes eram conhecidos como “conto do vigário”. “Com o advento da internet, do e-mail, do celular eles se transformaram no que eu chamo de contos do vigário digital ou telemarketing do crime”, completa.

Segundo ele esses golpes ocorrem em todo o País com diferentes nomes e formas. Para receber eles contam uma notícia vantajosa ou bem triste, diz o especialista. “Para ludibriar as pessoas eles se utilizam de duas ferramentas emocionais: a ganância e o medo”, reforça.

O especialista afirma que “as promessas de dinheiro fácil” ocorrem em todo o Brasil e tem muita gente cai. “Muitas das vítimas não denuncia por vergonha”. 

SERVIÇO 

Informações sobre golpes e dicas de segurança

Onde: www.tudosobreseguranca.com.br

(Artumira Dutra, O Povo)

Ação do BEC: SEEB-CE dá prazo final aos beneficiários para entrega dos documentos até 29/08

O Sindicato dos Bancários do Ceará está implementando, por todo esse mês de agosto, as ações de execução dos cálculos relativos à Ação de cumprimentos dos Acordos Coletivos de 96/97 e 97/98, jurisdição de Fortaleza, não pagos aos ex-funcionários do BEC. O Sindicato já recolheu documentos de 840 beneficiários dessa ação. Todavia, há cerca 90 pessoas contactadas que ainda não trouxeram toda a documentação e nem assinaram autorização dos cálculos. Há ainda cerca de 160 pessoas que ainda não foram localizadas.

O Sindicato comunica que, em virtude da proximidade do prazo final de apresentação de cálculos à Justiça do Trabalho – ou seja, 6/11/14, a diretoria, conjuntamente com o Departamento Jurídico da entidade, determinou o prazo final para recolhimento de documentos e autorizações até o final de agosto deste ano. Isso se deve ao fato da necessidade de cumprimento do prazo final estabelecido pelo juiz da vara responsável.

Esclarecemos que, aqueles que não comparecerem ao Sindicato até o final de agosto, trazendo os documentos solicitados e assinando o Termo de Responsabilidade que autoriza os cálculos, terão seus cálculos feitos com base nas rescisões existentes no próprio Sindicato ou feitos por estimativa.
Lembramos que na lista de substituídos constam 1.202 bancários do ex-BEC. No entanto, cerca de 110 pessoas já haviam recebido os valores via acordo ou ação judicial executada nas varas do interior do Estado. Esses bancários e ex-bancários não terão seus cálculos realizados e apresentados para não haver duplicidade questionável judicialmente.

O Sindicato havia ajuizado ações em Fortaleza (fase de processamento de cálculos), Baturité, Limoeiro do Norte (cálculos apresentados no início do ano), Quixadá, Crateús, Sobral, Iguatu, Crato e Juazeiro, cada uma com tramitações diferentes. A de Fortaleza foi ajuizada em 1998 e, após longa batalha judicial, a Justiça do Trabalho condenou o Bradesco (sucessor do BEC). Foi dado ao SEEB/CE o prazo de um ano, a contar de 6/11/13, para a coleta de documentos e apresentação dos cálculos.

Robério Ximenes, diretor do Sindicato e ex-funcionário do BEC, alerta para o prazo final de recebimento dos documentos e pede aos ex-colegas do BEC , ajuda para localizar os 160 beneficiários que sequer sabem da existência dessa Ação de Cumprimento. Ele lembra ainda que, em caso de falecimento, os familiares terão direito ao recebimento dos valores, portanto, também devem se comunicar com o Sindicato para tratar do assunto.

Quem tem direito

No final do ano 2000, o BEC fez uma proposta de acordo, resultando numa assembleia que aprovou proposta englobando os dissídios de 1998/1999 e 1999/2000, além do Plano de Cargos e Salários. A grande maioria dos beneficiários aderiu ao acordo. Desta forma, somente tem direito a esta ação aqueles que não fizeram adesão ao acordo.

Como proceder 

Para dar início aos cálculos, os beneficiários precisam trazer ou enviar ao Sindicato documentos como contracheques de 1996 até o período em que trabalhou no banco; Carteira de Trabalho; termo de rescisão contratual; recibos de férias, 13º e quaisquer outros documentos que comprovem ganhos mensais. É extremamente necessário também que o beneficiário assine o termo de responsabilidade e demais documentos de cunho jurídico para que seus cálculos sejam iniciados.
Para saber mais informações sobre a ação ou tirar dúvidas, o ex-becista pode enviar e-mail para difsalariaisbec@bancariosce.org.br ou telefonar para (85) 3252 4266 e falar com Mayara ou Sula.

Convocação

“Amigos do BEC, tenho um lista com 160 nomes ainda não localizados na qual há pessoas que trabalharam em São Paulo, Rio de Janeiro, Menezes Pimentel, Castelo Branco, Parsifal Barroso, VirgÍlio Távora, Maranguape, Iguatu, em Departamentos diversos (entre eles: CERAG, DECRI), e em diversas outras agências da Capital, inclusive Bancários Aprendizes. Aqueles colegas do BEC que ainda estão na ativa no Bradesco, aposentados ou mesmo os que saíram e trabalharam nessas unidades, podem ajudar orientando que esses ex-becistas nos procurem ou dando dica de como achá-los. Favor contatar-me no fone (85) 9155.4358 se tiver qualquer informação”, disse Robério Ximenes, diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará e ex-becista.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Governo antecipa metade do 13º de aposentados e pensionistas do INSS

A antecipação de 50% do abono salarial de 2014 a aposentados e pensionistas foi oficializada nesta terça-feira, 5, por meio do Decreto nº 8.292, publicado no Diário Oficial da União.

O pagamento da primeira parcela do 13º salário será realizado junto aos benefícios da folha de agosto, que vão ser depositados entre os dias 25 de agosto e 5 de setembro.

Nesta primeira parcela, não haverá desconto de Imposto de Renda (IR). O imposto será cobrado no pagamento da segunda metade do abono, que vai ser depositada entre o final de novembro e o começo de dezembro.

Essa é a nona vez que a Previdência paga antecipadamente uma parcela dessa gratificação, a primeira foi em 2006. O abono salarial a aposentados e pensionistas foi instituído pela Lei nº 8.213, de 24 de julho de 1991.

Valor da antecipação

O valor a ser antecipado será calculado com base no total de meses que o beneficiário recebeu seu benefício previdenciário, a partir de janeiro deste ano.

Desse modo, se o beneficiário começou a receber sua aposentadoria em janeiro deste ano, o cálculo será feito sobre os 12 meses do ano e o valor a ser depositado será correspondente a 50% desse total.

Se o beneficiário começou a receber em fevereiro, o cálculo será feito sobre 11 meses, e assim por diante.

 Auxílio-doença

Os segurados que estão em auxílio-doença também recebem uma parcela menor que os 50%, devido ao caráter temporário do benefício. Nesse caso, o INSS calcula a antecipação proporcional ao período.

Em dezembro, caso ainda esteja afastado, o segurado irá receber o restante. Se tiver alta antes, o valor será calculado até o mês em que o benefício vigorar e acrescido ao último pagamento do benefício.

 Não recebem

Por lei, não têm direito ao 13º salário os seguintes benefícios: amparo previdenciário do trabalhador rural, renda mensal vitalícia, amparo assistencial ao idoso e ao deficiente, auxílio-suplementar por acidente de trabalho, pensão mensal vitalícia, abono de permanência em serviço, vantagem do servidor aposentado pela autarquia empregadora e salário-família.

Portal Brasil

Facebook diz que campanha de Alckmin gastou US$ 7 mil para ganhar novos seguidores

POR RODRIGO RODRIGUES, Terra Magazine

Alvo de processo pela campanha do candidato Paulo Skaf (PMDB) em virtude do uso por Geraldo Alckmin (PSDB) de links patrocinados, o Facebook informou à Justiça Eleitoral no final de semana que recebeu US$ 7.604,88 (cerca de R$17 mil) do tesoureiro estadual do PSDB para turbinar e promover o perfil do atual governador.

O valor foi pago com o cartão de crédito de Felipe Sigollo, figura de grande destaque nas campanhas do PSDB em São Paulo e que hoje ocupa o cargo de tesoureiro do diretório estadual.

A “compra” de seguidores ou a propaganda paga nas redes sociais é vetada pela lei eleitoral e deve ter complicações para o governador Geraldo Alckmin.

Embora o Tribunal Superior Eleitoral não tenha uma resolução específica sobre patrocínio em redes sociais, a prática é enquadrada como propaganda eleitoral antecipada e pode estar sujeita a multa de R$ 5 mil a R$ 30 mil.

A revelação do nome do tesoureiro tucano foi uma determinação da Justiça Eleitoral de São Paulo. Na última sexta-feira (01), o juiz auxiliar Marcelo Coutinho Gordo determinou uma multa diária de R$100 mil caso o Facebook não revelasse quem pagou ou não pelos links patrocinados para a página de Geraldo Alckmin nesta rede social.

No sábado (02), vencido o prazo para o cumprimento da sentença, o site de Mark Zuckerberg entregou o nome e o comprovante de pagamento feito pelo tesoureiro tucano.

Os advogados de Paulo Skaf, que moveram a ação contra Alckmin, agora pedem à Justiça que Geraldo Alckmin perca os seguidores que foram supostamente estimulados a curtir a página do governador, além de aplicação de multa aos tucanos.

Nos cálculo dos advogados de Skaf, Alckmin passou de 100 mil seguidores para 320 mil em seis meses, graças ao uso dos tais links patrocinados.

No último domingo (03), o governador Geraldo Alckmin se manifestou sobre o caso e disse que não houve irregularidades. O governador disse que não tinha conhecimento sobre o caso.

“Se [Sigollo] o fez, não foi em período eleitoral. Se tivesse tido conhecimento, não teria autorizado, porque acho totalmente desnecessário isso”, disse o governador em visita a São José dos Campos, interior de São Paulo.

Além de tesoureiro do PSDB, Sigollo é diretor da Companhia Paulista de Obras e Serviços (CPOS) e secretário-executivo do Conselho de Patrimônio Imobiliário do Estado, segundo apuração do jornal Valor Econômico.

Chineses foram os mais barrados no Ceará em 2014

Os chineses foram os estrangeiros mais barrados no Ceará até junho deste ano, tentando entrar no Brasil, segundo dados do Ministério da Justiça e do Departamento de Polícia Federal (DPF). Foram 67 impedimentos desta nacionalidade e todos desembarcaram no Porto do Pecém, em São Gonçalo do Amarante, trazem materiais para as obras da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP). Os impedimentos ocorreram porque a China não tem acordo com o Brasil para a entrada de marinheiros chineses, que devem permanecer a bordo do navio.

Os dados, conseguidos por meio da Lei Geral de Acesso à Informação (nº 12.527/11), mostram que viajantes de Mianmar foram os segundos mais impedidos de entrar no País (26), pelo Porto do Mucuripe, e os de Guiné-Bissau os terceiros (21), pelo Aeroporto Internacional Pinto Martins.

Com 96 registros, o Porto do Pecém lidera o local onde mais se barra outras nacionalidades. Seguido pelo Aeroporto, com 45, e pelo Porto do Mucuripe, com 33.

Dentre os principais motivos para que os estrangeiros sejam impedidos de entrar, os mais comuns são: falta de visto, falta de condições financeiras para se manterem no País e prazo de permanência ultrapassado, dentro daquele ano civil, conforme informou Alexsandra Reis, chefe da Unidade de Imigração da Polícia Federal no Ceará.

Em relação aos impedimentos nos portos, há tripulações de embarcações estrangeiras que são barradas porque o país de origem deles não é signatário da Convenção 108 da Organização Internacional do Trabalho (OIT). Ou seja, não possuem permissão para desembarcar no Brasil. Neste caso, Alexsandra esclarece que o navio recebe passe de entrada no porto para descarregar a mercadoria, porém os tripulantes são impedidos de desembarcar.

Francisco Antônio Cardoso, chefe do Núcleo Especial de Polícia Marítima do Estado do Ceará (Nepom-CE), explica que o chinês exige visto de brasileiro e vice-versa. “Os chineses têm permissão para permanecerem apenas no navio – que chega a ficar atracado até por um mês – porque o equipamento é considerado solo chinês. “Se tentarem entrar no Brasil, a multa é de R$ 875 para a empresa do navio”.

Os nacionais de Mianmar também são impedidos de entrar no Brasil por não fazerem parte da Convenção 108 da OIT. “A maioria dos navios cargueiros que desembarcam no Porto do Mucuripe trazem ucranianos e filipinos, mas eles fazem parte do acordo”, disse Washington Carvalho, agente federal do Nepom-CE.

Por via marítima, somente de 2010 a junho de 2014 foram 1.222 impedimentos, o que representa 77,3%, conforme os dados da Polícia Federal ao longo destes anos.

Aeroporto

Já pelo Aeroporto Pinto Martins, também de 2010 a junho deste ano, 358 estrangeiros foram barrados de entrar no Brasil. E nos meses de janeiro a junho de 2014, o órgão contabilizou 176 irregularidades. Sendo 127, apenas no mês de junho.

Alexsandra explica que os guineenses foram os mais barrados no aeroporto este ano, porque, em sua maioria, não conseguiram comprovar o real motivo por estarem entrando no País.

A Polícia Federal esclarece que quando um estrangeiro tem a entrada impedida no Brasil, o órgão lavra um documento no qual é mencionada a razão do ocorrido, sendo esta medida prevista no Estatuto do Estrangeiro em seus artigos 7º e 26º. “A empresa transportadora responde pelas despesas decorrentes de sua repatriação”, informou o órgão.

SERVIÇO

 

Confira o que versa a lei nº6.815/80 (Estatuto do Estrangeiro):

http://bit.ly/Uodnvi

(O Povo)

 

Cracolândias têm códigos de conduta, líderes e hierarquia

CHRISTINA NASCIMENTO, O Dia

Rio – Há um Rio onde meninas de pele dourada não desfilam à beira-mar, aonde turista não vai e onde nem mesmo a melhor das imaginações é capaz de transformar em letra de samba. São 11h20, na Nova Holanda, Complexo da Maré, favela ocupada pelo Exército. A rua está cheia de gente, principalmente crianças. Numa tenda improvisada, dois casais sentados ao chão riem, visivelmente entorpecidos. Seguem um ritual que lembra o fumo do narguilé, mas lá, na roda, estão pedrinhas, que de tão miúdas parecem inofensivas. São quatro, cinco, fumadas em sequência, num copo de água vazio. A média é de 16 por dia. Ali, na miséria, dia e noite não se separam.

A fissura pelo crack, tema de série que O DIA começa hoje, é o que dita o compasso do tempo. “Ainda não dormi. Estou virado. Por ela, pela droga”, conta X., 37 anos, ao ser abordado por uma equipe de acolhimento da prefeitura.

Sem casa e sem família, só a fumaça da droga

Foto:  Maíra Coelho / Agência O Dia

Os olhos se destacam no rosto sujo. As mãos, cheias de anéis, estão imundas e envelhecidas, assim como o rosto, que aparenta ser de um homem de 50 anos. No peito, carrega um cordão com chupetas. O acessório é um signo de paternidade. Quem tem filhos tem o objeto num bolso do short esfarrapado, num alfinete pendurado na camisa encardida, independentemente dos laços rompidos.

“Está vendo? São quatro, um para cada filho. É para lembrar deles, que ficaram com as mães”, conta X., que contraria o senso comum e mostra lucidez e consciência sobre sua própria realidade.

Ele é ‘casado’, “não sabe há quanto tempo”, com Y., 24 anos, fisionomia de 40, dona de sorriso quase sem dentes e de uma chupeta. Os dois moram na cracolândia da Rua Flávia Farnese, a dois quarteirões da Avenida Brasil. Seguem o padrão de comportamento do acampamento de tendas, barracos de papelão, plástico, muita pobreza e lixo.

Lá, praticamente, não há ‘solteiros’. Os relacionamentos são efêmeros, mas fiéis enquanto duram. E isso pode ser dois dias ou dois anos. “O tempo da rua é outro. Eles se conhecem hoje e se ‘casam’. Para esse homem, a questão da genética é muito inferior. Ele assume (naquele universo) a mulher e o filho, mas elas geralmente recusam essa paternidade.

A bagunça deles é, sim, organizada”, explica a psicóloga Diana Ribeiro, uma das coordenadoras do Projeto Proximidade, da Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social. Com seu grupo, ela vai até quatro vezes por dia à cracolândia oferecer assistência. “Tentamos convencê-los a tirar a identidade, ir a um dos nossos centros, tomar um banho, fazer um lanche. Não é tratamento de cura. É oferecer serviços, cidadania, para motivá-los a ter uma outra vida”.

Mergulhar no universo do usuário de crack que vive nas ruas é derrubar alguns mitos. Se de longe são apenas um formigueiro de maltrapilhos, sem rumo, inaladores sem justificativa do vapor da cocaína, na grande angular nota-se uma lógica de convivência de comunidade.

Há regras, hierarquia e código de conduta. A droga é partilhada, assim como a comida e o sentimento de segurança. Em comum, têm, além do vício, histórico de problemas familiares, baixa escolaridade e a recusa em aceitar tratamentos de saúde. “A gente aqui tem meta 5 (reais), entendeu? Meta 5. Se não conseguir, pega R$ 2,50 de um e junta com o de outro. Nóis (sic) divide tudo”, conta Z., 24 anos.

O valor da “meta” compra a menor pedra de crack e é conseguido, na maioria das vezes, na ‘correria’ — garimpo no lixo de objetos para venda e pequenos bicos — e nos furtos. A compra não pode ser em moeda, porque o tráfico só aceita notas. As maiores pedras custam R$ 10 e R$ 20. E, no Jacarezinho, onde a cracolândia na linha do trem chega a ter 185 pessoas numa única manhã, há comerciantes que fazem a troca do dinheiro, com ágio de até 20%.

No copo de água, o saciar de um prazer

O copo de água é o cachimbo da vez. E, na cracolândia da Nova Holanda, ele é oferecido por R$ 1 em mesinhas de compensado de madeira ou plástico que são colocadas na frente das cabanas usadas como moradia, alimentando o comércio de um produto só e que mostra que a cadeia do vício vai além da boca de fumo do tráfico.

São os próprios usuários que vendem para eles mesmos o utensílio para fumar. O processo para o uso é sistemático e tem uma certa morbidez. Fazem-se dois furos na tampa do copo e tira-se a água. Num dos buracos, a pessoa joga a pedra e, no outro, aspira o vapor. A combustão é feita com a brasa de cigarro de tabaco.

Os copos plásticos de água têm um valor especial para moradores da cracolândia. São usados como cachimbos, nos quais pedras são queimadas

Foto:  Maíra Coelho / Agência O Dia

Os estalos da queima explicam o nome da droga, crack, e contrastam com o silêncio do viciado, hipnotizado enquanto prepara a pedra para saciar o desejo. Os efeitos chegam como uma pancada e, em segundos, ao sistema nervoso.

A ‘onda’ é igualmente instantânea. Quase nunca ultrapassa um minuto. É essa curta duração uma das explicações para a aglomeração de grupos que consomem a pedra. Eles precisam aplacar a fissura a todo momento. Por isso, estabelecem-se próximo ao local onde a droga é vendida. É a territorialidade desenhada pelo consumo.

“É diferente da cocaína e da maconha, que têm efeitos duradouros. A forma de consumo do crack faz com eles fiquem na rua. Essa pessoa que consome a pedra não sai de casa pela manhã, trabalha, faz o uso e volta a se recolher. Ela fica, ali, na rua”, explica o secretário nacional de Políticas sobre Drogas, Vitore André Zílio Maximiano.

Mundo de valores próprios

Talvez seja apenas a sensação de estar limpo diante de tanta sujeira. Em vez do banho, quase raro, enfeites. Muitos. Anéis, cordões, pulseiras, relógios até quase toda a extremidade do antebraço. Adornos que, para alguns, são inegociáveis até mesmo na fissura.

“Arruma 20 (reais), amor!”, grita D., 31 anos, no burburinho das tendas, para o ‘marido’. “É para o crack”, confessa ela, que ostenta um bracelete. Não importa se os cabelos estão desgrenhados, se a pele está comprometida por dermatoses, se as unhas parecem seladas por barro. A cracolândia é uma imensidão onde o belo tem codificação própria. E, nos padrões de lá, o pacote para atração resvala principalmente no companheirismo. Nessa lógica, ter a arcada dentária completa ou não é tão invisível como ter uma casa em Paris. Se é ali que se vive, o real tem que ser palpável.

No Jacarezinho, o crack cria padrões entre os usuários. Até um trecho da linha do trem é o subúrbio, onde os mais miseráveis se encostam na parede enquanto consomem. Do outro ponto em diante, é a ‘Zona Sul’, onde barraquinhas vendem as pedras. Lá, há preciosidades que se perderam por causa da droga. C., 36 anos, é um caso. Toca violino, violoncelo, violão e cavaquinho. Já se apresentou na Europa. Hoje, trafica e consome, mas diz que vai mudar de vida.

Cracolândias espalhadas pelo Rio

Foto:  Arte: O Dia

Flamengo lidera pesquisa de preferência no Brasil

Mauro Cezar Pereira, blogueiro do ESPN.com.br

O blog Teoria dos Jogos — clique aqui  e acesse — levantou a bola. Pesquisa feita peloDatafolha — confira aqui  — no começo de junho apontou o Flamengo com 18% da preferência entre os torcedores brasileiros e o Corinthians com 14%. Estudo de 2012, ano das maiores conquistas da história corintiana, indicava empate mesmo, não apenas “técnico”, como é rotulado o resultado mais recente. Cada um teria 16%. Importante: a margem de erro é de dois pontos percentuais, para cima ou para baixo.

A Folha de S. Paulo, que encomenda tais pesquisas ao instituto, em 2012 deu tratamento editorial (abaixo) com ênfase no empate. Existiriam tantos corintianos quanto rubro-negros no território brasileiro. Curioso, pois, como destacamos neste blog na época — clique aqui e leia —, o mesmo Datafolha em 2009 apontava uma diferença de seis pontos pró-Flamengo: 19% a 13%. E então não havia margem de erro que os aproximasse.

REPRODUÇÃO

A matéria publicada pela Folha de S. Paulo em 15 de dezembro de 2012: crescimento corintiano
A matéria publicada pela Folha de S. Paulo em 15 de dezembro de 2012: “crescimento corintiano”

A pesquisa de 2012 também assustou ao apontar empate entre as torcidas de Fluminense e Portuguesa de Desportos, cada uma com 1% da preferência. Mais adiante você verá que isso também “mudou”. É difícil entender tamanha disparidade entre as duas maiores torcidas do país, afinal, pelos índices de 2009 seriam mais de 8 milhões de flamenguistas em relação aos corintianos. Como uma diferença bem maior que o dobro da população do Uruguai desapareceria em cerca de mil dias?

Flamenguistas se manifestaram nas redes sociais diante da “pesquisa secreta” que a versão impressa da Folha não destacou. Hoje, 1º de agosto, quase dois meses depois de serem ouvidas as pessoas entrevistadas, o site do Datafolha publicou algo a respeito — leia aqui . Em seguida a versão eletrônica do jornal fez o mesmo às 16h46 — clique aqui para ler. Os dois times, juntos, teriam um terço da torcida, foi o enfoque. O argumento é o de sempre, empate técnico devido à margem de erro.

REPRODUÇÃO

Página da pesquisa Datafolha com resumo de todos os estudos do Instituto de 2006 a 2014
Página da pesquisa Datafolha com resumo de todos os estudos do Instituto de 2006 a 2014

“Tecnicamente não há diferença significativa. As pesquisas têm a mesma metodologia, o mesmo questionário e a distribuição representativa do total da população brasileira. E em dezembro de 2012 os 16% para cada um refletiam a conquista da Libertadores pelo Corinthians e a então disputa do Mundial de Clubes”, disse ao blog Alessandro Janoni, diretor de opinião do Datafolha.

Ele acrescenta que a pesquisa de junho era só parte de um estudo sobre a Copa. “Geralmente analisamos tal dado para tentar entender esse cruzamento. Por exemplo, para saber se o Mano Menezes tinha aprovação é relevante entender quais os times dos torcedores que aprovavam, ou não, o trabalho do treinador”, explica Janoni. Fato é que todas essas pesquisas foram feitas com outras prioridades. A questão “qual seu time?” veio no meio de outras tantas, não era o foco central.

__________________________________________________________
As maiores torcidas segundo o Datafolha - junho/2014
Fora baianos, clubes do Nordeste não aparecem, como o Coritiba

Flamengo 18
Corinthians 14
São Paulo 8
Palmeiras 6
Vasco 5
Grêmio 4
Cruzeiro 3
Santos 3
Internacional 3
Atlético-MG 2
Fluminense 2
Botafogo 2
Bahia 1
Vitória 1
Atlético-PR 1
__________________________________________________________

Por isso, mesmo sabendo da seriedade dos institutos, não acredito totalmente, 100%, em nenhuma delas. Só teremos uma noção sobre qual o real tamanho de cada torcida se o IBGE acrescentar ao próximo Censo duas perguntas: “Você acompanha futebol, torce, de verdade, por um time?” Se a resposta for convicta e positiva, viria a segunda: “Qual o seu clube de coração?” E mesmo assim teremos distorções, claro.

Além do momento de cada clube influenciar resultados, as regiões pesquisadas mexem com o “placar final”. Digamos que o Datafolha faça a distribuição correta do ponto de vista técnico. A realidade mudará se, por exemplo, um número maior de pessoas for entrevistada em São Paulo e norte do Paraná, regiões dominadas por torcidas paulistas; ou Rio de Janeiro e parte do Sul de Minas, onde “mandam” os clubes cariocas.

O que é questionável nisso tudo? A opção editorial do jornal, com a pesquisa desfavorável para o Corinthians em relação à anterior não destacada por tanto tempo. Afinal, em 15 de dezembro de 2012 o título da matéria na página D2 do caderno de Esportes da Folha foi: “Tendência de crescimento de corintianos é mantida”. Mas se no estudo realizado em 2010 eram 14% e em 2012 os alvinegros passaram a 16% houve crescimento? Ou empate técnico pela variação de apenas dois pontos?

Afinal, o que é crescimento? Se a margem de erro for considerada, é preciso um clube abrir pelo menos cinco pontos percentuais sobre o que vem atrás para caracterizar a vantagem. Como o Flamengo em relação ao Corinthians pelo estudo do Datafolharealizado em 2009. Com os patrocínios dos clubes valendo muito, todo e qualquer resultado pesa. E a forma como são apresentados tem fundamental importância.

Reproduzo aqui trecho do post do blog Teoria dos Jogos cujo link está no primeiro parágrafo. Leia e reflita: “São Paulo e Palmeiras registraram em 2014 um ponto percentual a menos do que em 2012 (caindo, respectivamente, de 9% e 7% para 8% e 6%). Já o Fluminense marcou 2%, vendo a Portuguesa zerar“. Pela margem de erro, não podemos afirmar que existem mais são-paulinos do que palmeirenses, tampouco mais alviverdes do que vascaínos, cruzmaltinos do que gremistas, etc.

Se o resultado em junho fosse 18% alvinegros paulistas e 14% rubro-negros cariocas, o resultado já teria sido destacado na Folha de S. Paulo? Como? As duas torcidas com um terço da popularidade geral ou uma superando a outra? Faço a pergunta como assinante, leitor diário do jornal. Pois a diferença é grande entre o que lemos em 2012 e não achamos nas páginas em 2014. Provavelmente só saberemos na próxima pesquisa.

Projeto na Câmara debate o conceito de família

Do Brasil de Fato

Enquete sobre Estatuto da Família bate recorde de votos e amplia debate na sociedade

Pergunta no site da Câmara mostra que maioria concorda com conceito do texto que considera família como “união entre homem e mulher”; na prática, PL pode restringir direitos de casais homossexuais

Desde o dia 11 de fevereiro, o site da Câmara dos Deputados levou ao ar uma enquete que traz à tona uma reflexão sobre a sociedade brasileira: o conceito de família. A pergunta “Você concorda com a definição de família como núcleo formado a partir da união entre homem e mulher, prevista no projeto que cria o Estatuto da Família?”, tem sido a mais acessada na história do site e, até ontem (30), foi respondida por mais de um milhão e meio de pessoas. Mais da metade dos internautas responderam “sim”, enquanto pouco mais de 43% responderam “não”.

A questão levantada é baseada no texto do PL nº 6583 de 2013, o chamado Estatuto da Família, de autoria do deputado Anderson Ferreira (PR-PE), que define o conceito de família como um “núcleo social formado a partir de uma união entre homem e mulher”. O deputado, que também foi relator do projeto de lei da “cura gay” na Comissão de Direitos Humanos e que deu parecer favorável ao mesmo, argumenta que “a família vem ‘sofrendo’ com as rápidas mudanças ocorridas em sociedade”.

Em debate realizado junto ao relator do PL, deputado Ronaldo Fonseca (Pros-DF), na TV Brasil, em maio, o deputado federal Jean Wyllys (PSOL-RJ) rebateu o texto questionando a exclusão das famílias homoafetivas do Estatuto. “Não é por vontade do deputado Ronaldo Fonseca e nem pela bancada de fundamentalistas religiosos da Câmara dos Deputados que os casais homoafetivos (…) vão desaparecer. Eles existem e precisam ser protegidas pelo Estado. Não é por uma visão de mundo estreita e preconceituosa que concebe a família só como aquela do comercial de margarina que as famílias reais, e na sua diversidade, vão desaparecer”, rebateu.

Em 2011 o Supremo Tribunal Federal (STF) reconheceu, por unanimidade, a união estável homoafetiva. Mas, caso aprovado, o Estatuto da Família pode restringir os direitos jurídicos dos casais homoafetivos como, por exemplo, proibi-los de adotar crianças.

Atualmente, o projeto está sendo apreciado por uma Comissão Especial da Câmara que tem até o final do ano para discutir e aprovar um parecer sobre o mesmo.

A enquete pode ser acessada no site da Câmara.

Cientistas alertam para risco de desertificação da região sudeste

Do Envolverde

Sudeste, rumo à desertificação

O sudeste do Brasil, parte da região central e do sul caminham para se tornar desérticas. A seca registrada este ano na porção centro-sul, principalmente em São Paulo, está ligada a permanente e acelerada degradação da floresta amazônica. O transporte de umidade para as partes mais ao sul do continente está sendo comprometida, pois além de sua diminuição é trazido partículas geradas nos processos de queimadas que impedem a formação de chuvas.

Os cientistas do (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) e do Instituto de Pesquisas da Amazônia (Inpa) há mais de uma década fizeram esse alerta, que a cada ano está pior e mais grave. E coloca em confronto o modelo econômico agropecuário, baseado em commodities, com a área mais industrializada, produtiva e rica do país. E também a mais urbanizada e detentora de 45% da população brasileira e abrigada em apenas 10,5% do território nacional.

O cientista e doutor em meteorologia do Inpe, Gilvam Sampaio de Oliveira, a situação é preocupante e bem mais grave do imaginado em relação a eventos extremos. A comunidade científica está surpresa com a dinâmica das alterações do clima. O número de desastres naturais vem crescendo. Entre 1940 e 2009 houve uma curva ascendente de inundações e o número de dias frios, principalmente em São Paulo, está em franca decadência.

“As questões que já estamos passando, como essa seca, eram projetadas para daqui há 15 ou 20 anos. A área de altas temperaturas está aumentando em toda América do Sul. Em São Paulo e São José dos Campos, por exemplo, há um aumento de chuvas com mais de 100 milímetros concentradas e períodos maiores sem precipitação alguma. E quanto mais seca a região, aumenta o efeito estufa e diminui a possibilidade de chuvas”, alertou o cientista.

O sistema principal formador do ciclo natural que abastece a pluviometria do sudeste começa com a massa de ar quente repleta de umidade, formada na bacia do Amazonas, seguindo até os Andes. Com a barreira natural, ela retorna para a porção sul continental, o que decreta o regime de chuvas.

A revista científica Nature publicou em 2012 um estudo inglês da Universidade de Leeds. O artigo apresentou o resultado de um estudo no qual os mais de 600 mil quilômetros quadrados de floresta amazônica perdidos desde a década de 1970, e com o avanço do desmatamento seguido de queimadas cerca de 40% de todo complexo natural, estará extinto até 2050. Isso comprometerá o regime de chuvas, que seriam reduzidas em mais de 20% nos períodos de seca.

Faixa dos desertos

O sudeste brasileiro está na faixa dos desertos existente no hemisfério sul do planeta. Ela atravessa enormes áreas continentais, como os desertos australianos de Great Sendy, Gibson e Great Victoria, na plataforma africana surgem as áreas desertificadas da Namíbia e do Kalahari e na América do Sul, o do Atacama. Sem qualquer coincidência, ambos desertos africanos, inclusive em expansão, estão alinhados frontalmente, dentro das margens latitudinais, com as regiões dos Estados do Sudeste e do Sul do país.

Essa porção territorial só se viu livre da desertificação com o êxito da Amazônia e a formação da Mata Atlântica. Ambas foram determinantes para se criar um regime de chuvas que mantiveram essas partes do Brasil e da América do Sul com solos férteis e índices pluviométricos mais que satisfatórios à manutenção da vida.

O geólogo do Inpe  e assessor da Agência Espacial Brasileira (AEB), Paulo Roberto Martini,  tem sua teoria para esse fenômeno. Na qual a desertificação destas regiões ocorrerá se o transporte de ar úmido for bloqueado ou escasseado, por ação natural ou antrópica. Exatamente o que vem acontecendo. As investigações geomorfológicas já mostraram que entre os anos 1000 e 1300 houveram secas generalizadas e populações inteiras desaparecerem nas Américas. E isto pode ocorrer novamente, agora potencializado pela devastação causada pelo homem.

“Esse solo da região Sul e Sudeste tem potencial enorme para se tornar deserto, basta não chover regularmente. A distribuição da umidade evitou que essa região da América do Sul fosse transformada num imenso deserto”, explicou Martini.

Segundo o pesquisador, no fim do período glacial, por volta de 12 mil anos, a cobertura do Brasil teria sido predominantemente de savana, como na África, pobre em diversidade e formada por gramíneas e poucas espécies arbóreas. O que ainda é encontrado no interior de São Paulo, Minas Gerais, Espírito Santo e no Mato Grosso. Entretanto, a umidade oceânica associada à amazônica possibilitou a constituição da Mata Atlântica e seu ingresso continente adentro.

A penetração da flora em áreas de campo realimentou o ciclo das chuvas, nível de umidade das áreas ocupadas e a fertilização do solo. Em milhares de anos formou-se um vasto complexo florestal, atualmente reduzido a menos de 5% de seu tamanho original na época do descobrimento.

“Há uma cultura de degradação e falar em restauração das matas no Brasil é ficção. Só se produz água quando se faz floresta, a sociedade tem que reagir a isso”, observou o dirigente da entidade SOS Mata Atlântica, Mário Mantovani.

As pesquisas mostram que o povoamento vegetal no que é hoje o território brasileiro teria começado pela costa do Oceano Atlântico, seguindo para o interior ao longo das várzeas dos rios, onde se encontram os solos mais ricos em nutrientes. Foram milhares de anos neste ritmo, o que induziu diversos especialistas a defenderem a tese de que a Mata Atlântica esteve intimamente ligada a Floresta Amazônica, pois ambas detém diversas semelhanças em seus ciclos sazonais e em espécimes de fauna e flora.

Mas com a derrubada desta proteção vegetal e o encurtamento do ciclo de chuvas oriundas do mega sistema amazônico, as mudanças climáticas ganharam impulso e têm causado alterações no desenvolvimento de diferentes culturas agrícolas, entre elas milho, trigo e café com impactos imensos na produção brasileira e norte-americana. A avaliação partiu dos integrantes do Workshop on Impacts of Global Climate Change on Agriculture and Livestock , realizado em maio na Universidade de São Paulo (USP), em Ribeirão Preto (SP).

* Júlio Ottoboni é jornalista diplomado e pós-graduado em jornalismo científico.

Jornalista cria site para desmentir boatos divulgados na internet

Do Portal Imprensa, por Christh Lopes

A internet oferece uma infinidade de oportunidades aos usuários. Por meio dela, podemos expressar ideias, formar opiniões e dialogar com as pessoas. No entanto, este mesmo espaço tem sido utilizado para divulgar informações falsas. Independentemente dos motivos que levam ao seu compartilhamento na rede, a ideia do jornalista Edgard Matsuki é desmentir tais notícias.

Em junho de 2013, ele desenvolveu o Boatos.org. A página mostra que diversas histórias curtidas pelos internautas não passam de meras criações. Ao fazer a cobertura de tecnologia para grandes veículos de comunicação, Matsuki “via a necessidadede existir um espaço que explicasse o volume das informações na internet e que seria um tema de interesse”, conta.

“Podemos verificar alguns casos de notícias que enganaram jornalistas que não conseguiram checar corretamente uma informação”, completa. Entre eles, está a declaração do jogador da seleção argelina Slimani de que o time iria doar o prêmio conquistado na Copa para palestinos de Gaza. O site foi o primeiro a desmentir a informação, divulgada em diversos veículos.

Tudo funciona como uma bola de neve. No episódio do argelino, os portais brasileiros tinham como referência jornais estrangeiros, que filtraram a notícia de sites de futebol, que se basearam em um tuiteiro influente que, finalmente, descobriu a informação por meio de um perfil falso do atleta no Twitter. “Se a fonte da notícia fosse checada, não teríamos o problema”, diz Matsuki.

Página ajuda a conferir notícias falsas nas redes sociais

Na avaliação do jornalista, a ânsia pela informação rápida tem dominado as redações pelo dever de obter o furo de reportagem sobre o fato “A primeira consequência é mais volume de informação, mais cópia e menos apuração. A segunda são os boatos e as barrigas”, revela.

Apuração reforçada

Para investigar as notícias que circulam na internet, Matsuki reuniu estudantes e recém-formados em jornalismo pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) que já haviam trabalhado com ele em outros projetos. No momento, a equipe conta com oito profissionais dispostos a revelar o contexto por trás do que é divulgado nas redes sociais.

Apesar de reconhecer o potencial dos membros da iniciativa, ele revela que há recomendações para que sejam verificados os dados de cada informação a ser analisada. “Vale identificar sites que divulgam notícias falsas ou duvidosas. Acho que o caso do Diário Pernambucano, que algumas vezes é confundido com o Diário de Pernambuco, é emblemático”.

“Não foram poucas as notícias desta fonte divulgadas como verdade. Por fim, vale seguir sites como o Boatos.org. Até porque, o desmentido está virando pauta no jornalismo”, diz. A principal ferramenta para o trabalho de apuração pode ser mais simples do que se possa imaginar.

O jornalista acredita que o Google pode ser um ótimo aliado do repórter no processo de apuração de uma informação para uma reportagem, pois nele podemos encontrar “fotos ou datas de indexação das matérias. É possível fazer uma engenharia reversa de uma história”.

Novos projetos em pauta

Atualmente, o portal se dedica exclusivamente ao conceito inicial, mas em ano de eleições, a página deve ganhar visibilidade, devido ao número de informações falsas levantadas no período. “Estamos sempre de olho. Nós vamos desmentindo na medida em que elas aparecerem”, revela.

“Há apenas o cuidado de demonstrar que o site não tem nenhum objetivo político”. Pelo trabalho desenvolvido durante um ano de iniciativa, o reconhecimento chegou, mas de forma não muito agradável. “Já fomos convidados para sermos parceiros de sites com objetivos partidários, mas não aceitamos”, conta Edgard Matsuki.

Novas ferramentas para o Boatos.org estão em pauta, como parcerias na mídia e vídeos produzidos pelo portal. No entanto, o conteúdo das conversas não foram revelados. “Por enquanto, estamos apenas na fase de negociações. Mas não há previsão para as implementações”, conclui.

Recomendações

Apesar de tratar de diversos assuntos, o jornalista diz que tem preferências sobre alguns temas, como supostos crimes, política e religião. Em destaque, ele aponta as seguintes matérias.

A escolha de Suzane Von Richthofen para presidir uma comissão na Câmara;

A história de que o filho do ex-presidente Lula seria dono da Friboi;

A aprovação, por parte da Câmara, da bolsa prostituição.

Entre os casos repercutidos pela mídia, vale conferir:

Vídeo mostra lobo na Vila Olímpica de Sochi;

Selton Mello vai participar da série Game of Thrones;

Snowden pede asilo no Brasil em troca de informações.

* Com supervisão de Vanessa Gonçalves

Tesoureiro do PSDB pagou para promover Alckmin no Facebook

O Facebook informou ao Tribunal Regional Eleitoral de São Paulo (TRE-SP) que recebeu US$ 7.604,88 para promover a página do candidato à reeleição pelo governo do Estado Geraldo Alckmin (PSDB). O pagamento, afirma o Facebook à Justiça, foi feito com o cartão de crédito do tesoureiro estadual da sigla, Felipe Sigollo.

Uma ação movida pela coordenação jurídica da campanha de Paulo Skaf (PMDB) pediu as informações e tem como base o uso ilícito da mídia social. Segundo a sustentação da representação, Alckmin teria “turbinado” o número de curtidores de sua página no Facebook por meio de patrocínio. Com este comportamento, ele teria burlado a legislação eleitoral.

Segundo os advogados da coligação de Skaf, o aumento de curtidores foi “brutal” e “muito acima do que é esperado para quem não usa links patrocinados”.

Em dezembro do ano passado, Alckmin tinha 100 mil seguidores e, em seis meses, atingiu 320 mil. Para chegar aos 100 mil, a página demorou quatro anos.

O TRE havia pedido as informações no dia 23 de julho, mas, como o Facebook não respondeu, na sexta-feira o tribunal determinou um prazo de 24 horas, sob multa de R$ 100 mil, para que a empresa se pronunciasse.

O Terra tentou entrar em contato com o PSDB para que o partido se pronunciasse sobre o caso, mas as ligações não foram atendidas.

(Portal Terra)

Alunos da Unifor marcam protesto contra cobrança no estacionamento da universidade

foto: reprodução facebook

Alunos e o Diretório Central dos Estudantes da Universidade de Fortaleza (Unifor), através das redes sociais, organizaram um protesto para o fim da cobrança no estacionamento da universidade. Marcado para a manhã desta segunda-feira, 4, evento possui mais de 5 mil presenças confirmadas. Segurança do centro diz que valor é irrisório e que atende pleito antigo dos alunos para controle da entrada e saída dos veículos.

Segundo o DCE Unifor, os membros da gestão De Cara Nova se sentem revoltados com tal atitude da Universidade e tomaram a frente do ato. “Por meses falamos com afinco as informações dadas em diversas reuniões e encontros com a diretoria da instituição e nos entregam essa notícia sem ao menos nos avisarem”, explica, na descrição do evento no Facebook.

“O DCE não vai tolerar mais que a universidade tome decisões sem consultar seus alunos, não vamos tolerar mais que queiram nos extorquir, não é só pelo estacionamento, é pelas taxas altas da biblioteca, é pela dificuldade do Restaurante Universitário, é para que os R$ 2 de hoje não se tornam R$ 3 no ano que vem “, completa o diretório. Valor é cobrado por cada acesso à universidade, com tolerância de 20 minutos.

Procurada, a segurança da Unifor disse que a implantação das cancelas, para controle da entrada e saída dos veículos, atende pleito antigo dos alunos. “Para obtermos um controle do acesso ao estacionamento do Campus e melhorar a qualidade do atendimento dos alunos, foi necessário aumento do efetivo”, informou Roberto Caracas, gerente de segurança da universidade.

“Todos sabemos da insegurança que a cidade está sujeita. O valor [R$ 2] é relativamente irrisório frente a todos os serviços oferecidos, com implantação de cancelas e aumento da segurança no local”, avalia Caracas.

Redação O POVO Online

Zé Menezes: Morre compositor cearense radicado no Rio de Janeiro

O compositor e instrumentista cearense José Menezes de França, o Zé Menezes,morreu na noite desta quinta-feira, 31, aos 93 anos, no hospital São José, no Rio de Janeiro. Natural de Jardim, na região do Cariri, o compositor estava internado e a causa da morte ainda não foi divulgada.

Zé Menezes dedicou mais de 80 anos à música e começou a tocar um instrumento de sopro aos seis anos, mas logo passou para o cavaquinho. Após a fama se espalhar, ele foi escolhido na cidade para tocar uma composição própria, chamada “Meus oito anos”, para o Padre Cícero. “Eu nem sabia da grandiosidade do que era estar tocando pro Padre Cícero”, revelou, em entrevista ao blog Discografia, do O POVO.

Aos 11 ele passou a integrar a Banda Municipal de Juazeiro e aos 22 deixou o Ceará para seguir carreira no Rio de Janeiro, a convite do radialistas César Ladeira. Depois, foi contratado pela Rádio Nacional. A primeira composição gravada foi “Nova Ilusão”, uma parceria com Luiz Bittecourt e gravada pela banda “Os Cariocas”. Veja o vídeo da música:

Tom Jobim também foi um dos músicos que gravaram composições do cearense. Em 2000, ele lançou o projeto ”Zé Menezes Autoral’’, com três CDs e um CD-Rom com fotos, vídeos, partituras e biografia. Também foi diretor musical na Rede Globo e é autor da abertura de Os Trapalhões, além das vinhetas do Chico City e Viva o Gordo.

Sobre o seu aniversário, em 2011, ele chegou a dizer que a única homenagem que queria era saúde. “A única homenagem que eu quero é que Deus conserve minha saúde, meus dedos com a agilidade que eles sempre tiveram, com o cérebro funcionando e cercado de amigos”, explicou em entrevista ao jornalista Marcos Sampaio, do núcleo de Cultura do O POVO.

Redação O POVO Online

Coletivo Coca-Cola disponibiliza 524 vagas em cursos de Varejo, Logística e Empreendedorismo

Tribuna do Ceará

O Coletivo, plataforma de valor compartilhado da Coca-Cola, está com inscrições abertas até esta sexta-feira (1º) para mais um ciclo de formação na área de Varejo e de Logística e Produção. Para participar da capacitação, jovens de 15 a 30 anos que estejam cursando ou tenham concluído o Ensino Médio devem fazer a pré-inscrição através do site Coletivo Coca-Cola e, posteriormente, efetivar a matrícula em uma das unidades do Coletivo onde acontecerá a formação. 

As 07 unidades do Coletivo no Ceará estão oferecendo, ao todo, 524 vagas. A capacitação começa no dia 4 de agosto e terá duração de oito semanas.

As aulas, teóricas e práticas, acontecem duas vezes por semana (segundas e quartas-feiras, terças e quintas-feiras, terças e quartas-feiras, quintas e sextas-feiras, dependendo da disponibilidade da ONG) por duas horas, nos Coletivos do Pirambu, Maraponga, Jardim das Oliveiras, Planalto Ayrton Senna, Jangurussu, Bom Jardim e Maracanaú. Há turmas disponíveis nos turnos da manhã e tarde.

 

Por um futuro melhor

A formação é uma ótima oportunidade para jovens destas comunidades receberem capacitação para o exercício da profissão e construção de um futuro melhor. “Ao participar dos cursos, os jovens fortalecem sua autoestima e desenvolvem competências técnicas e comportamentais. Eles vivenciam uma intervenção pública na comunidade, exercitam a proatividade e a capacidade de resolver os desafios propostos. A empregabilidade dos participantes e o aumento de autoestima são os principais resultados alcançados”, afirma Deraldina Ramos, Gerente de Sustentabilidade e Responsabilidade Social da Solar BR Coca-Cola.

Além de capacitar, o projeto também encaminha os jovens para processos de seleção em grandes empresas parceiras do projeto, além das fábricas do Sistema Coca-Cola Brasil. Mais informações nosite ou pelos telefones informados no quadro a seguir.

Unidades, dias e horários onde os cursos do Coletivo Coca-Cola estão sendo oferecidos:

coletivo

Fortaleza: Ônibus se choca contra viga de túnel no Iguatemi e deixa 20 feridos

Portal G1

Um ônibus fretado por uma família para um funeral colidiu com uma viga de concreto horizontal em um túnel, no Bairro Guararapes, em Fortaleza, na manhã desta sexta-feira (1º). Cerca de 15 pessoas ficaram feridas. Segundo a Polícia Rodoviária Estadual do Ceará (PRE-CE), o túnel de 3,30 metros de altura da acesso apenas ao shopping Iguatemi, mas o motorista se confundiu.

De acordo com testemunhas, o acidente ocorreu por volta de 10h. Um veículo da funerária entrou no túnel seguido pelo ônibus fretado que colidiu com a viga já na entrada da estrutura. A viga é horizontal e de concreto, destruindo a parte da frente do veículo.

O trânsito pelo local foi bloqueado logo após o acidente para retirada dos feridos, alguns foram atendidos ainda no local, mas uma idosa teve foi encaminhada para o Hospital Instituto Dr. José Frota com suspeita de traumatismos. Equipes de socorristas do shopping foram cedidas para auxiliar o atendimento.

Motorista contratado se confundiu e entrou em túnel que dá acesso a shopping. (Foto: Reprodução/TV Verdes Mares)
Cerca de 15 pessoas foram feridas. Família havia fretado ônibus para acompanhar funeral. (Foto: Reprodução/TV Verdes Mares)
 
FOTO INICIAL: Sérgio Medeiros via ferramenta VCrepórter

Pesquisa aponta que ansiedade e depressão atingem 54% dos bancários de Criciúma

Por Tharcila Werlich, via  http://www.difusora910.com.br

Uma pesquisa encomendada pelo Sindicato dos Bancários de Criciúma e Região mostra que 54% dos trabalhadores sofrem de ansiedade e depressão. Um total de 37% sofrem com problemas na região do ombro e 35% tem problemas de coluna. A pesquisa “Os fatores laborais de risco de adoecimento mental e LER/DORT dos bancários e bancárias” é apresentada à categoria no Seminário de Saúde dos Bancários de Criciúma e Região no dia dois de agosto, em um evento no Hotel Colle em Criciúma.

As entrevistas foram realizadas em junho de 2013 nas 64 agências bancárias distribuídas em dez municípios de base do Sindicato. O perfil dos bancários é formado pela maioria jovem (25 a 34 anos), predominante masculino (56,67%) e alta escolaridade superior completo (49%). A média de tempo na profissão é de seis a dez anos com 28%. Um total de 61,67% reclamam da falta de pessoal, 87,33% dos horários não respeitados, 28,33% do assédio moral, 48,33% da sobrecarga de trabalho e 56,67% das metas abusivas.

A pesquisa foi analisada pelo Instituto de Pesquisa Catarinense e o médico Robson Luiz dos Santos,especialista em ortopedia e traumatologia, professor da Universidade do Extremo Sul Catarinense e membro da Associação Criciumense de Apoio à Saúde Mental. Na avaliação do secretário de Saúde do Sindicato Magno Branco Pacheco, os dados científicos vão ser analisados no Seminário pela categoria e na mesa de negociação da Campanha Salarial deste ano. “Iremos buscar ações para a melhoria da qualidade de vida e saúde dos trabalhadores”, pondera. Segundo dados do INSS  no Brasil somente nos três meses de 2013, 4.387 bancários já haviam se afastado por adoecimento, sendo 25,8% por transtornos mentais e 25,4% por LER/DORT.

Colaboração: Assessoria de Imprensa/Maristela Benedet

Assaltos envolvendo bancos matam 32 pessoas no primeiro semestre de 2014

 

Pessoas continuam sendo assassinadas em assaltos envolvendo bancos. Pesquisa nacional apurou que no primeiro semestre de 2014 ocorreram 32 mortes, uma média de 5,33 vítimas fatais por mês, o que representa aumento de 6,7% em relação ao mesmo período de 2013, quando foram registradas 30 mortes. Desde os primeiros seis meses de 2011, o crescimento foi de 39,1%. Em todo o ano passado ocorreram 65 mortes.

O levantamento foi realizado pela Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT) e Confederação Nacional dos Vigilantes (CNTV), com base em notícias da imprensa e com apoio técnico do Dieese.

O lançamento da pesquisa ocorreu na manhã desta quinta-feira (31), na sede da Contraf-CUT, em São Paulo.

Clique aqui para ver tabelas e gráficos da pesquisa.

São Paulo é o estado que lidera novamente a pesquisa com 12 mortes, o que representa 38,7% dos casos. Rio de Janeiro (4), Pernambuco (3), Minas Gerais (2), Paraná (2), Goiás (2) e Paraíba (2) são os estados que vêm em seguida.

O crime da “saidinha de banco” aumentou ainda mais a liderança entre os tipos de ocorrências, tendo provocado 20 mortes, o que representa 62,5% dos casos. O assalto a correspondentes bancários segue em segundo lugar, agora ao lado dos ataques a caixas eletrônicos, ambos com 4 mortes, o que significa 12,5% das vítimas fatais. Depois, vem mortes em assaltos a agências (3) e transporte de valores (1).

Assim como cresceram as mortes em “saidinha de banco”, aumentaram também os clientes como as maiores vítimas. Do total, 22 pessoas eram clientes, o que significa 68,8% dos assassinatos. Em seguida vêm policiais (2), vigilante (1) e outras pessoas (7), muitas vítimas de balas perdidas em tiroteios.

A pesquisa também revela a faixa etária das vítimas, quase sempre identificada nas notícias da imprensa. Pela primeira vez, as pessoas com mais de 60 anos foram as principais vítimas, com 10 mortes, o que representa 31,3% dos casos. Em segundo lugar vem a faixa entre 31 a 40 anos com 9 mortes (28,1%), seguida pela faixa até 30 anos, com 6 mortes (18,8%).

Já o gênero das vítimas continua sendo liderado pelos homens (29), o que representa 90,6% dos casos. Também foram assassinadas três mulheres (9,4%).

Escassez de investimentos dos bancos

Para a Contraf-CUT e a CNTV, essas mortes revelam a escassez de investimentos dos bancos para melhorar a segurança dos estabelecimentos e garantir um atendimento seguro para os clientes e a população.

Segundo dados do Dieese, os seis maiores bancos (Itaú, BB, Bradesco, Caixa, Santander e HSBC) apresentaram lucros de R$ 56,7 bilhões em 2013. Já as despesas com segurança e vigilância somaram R$ 3,4 bilhões, o que significa 6%, em média, na comparação com os lucros.

Como se não bastasse, os bancos vivem descumprindo a lei federal nº 7.102/83, que tem mais de 30 anos e se encontra defasada diante do crescimento da violência e da criminalidade. No primeiro semestre deste ano, a Polícia Federal aplicou multas contra 15 bancos, no total de R$ 5,585 milhões, durante as reuniões da Comissão Consultiva para Assuntos de Segurança Privada (CCASP), em Brasília

Bancários e vigilantes cobram segurança

“Mais do que muito preocupantes, esses mortes comprovam o descaso e a indiferença dos bancos para a prevenção de assaltos e sequestros”, afirma o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro. “Eles continuam enxergando a segurança como custo e não como investimento na proteção da vida de trabalhadores e clientes”, aponta.

Para ele, “os bancos preferem gastar bilhões de reais em marketing e meios eletrônicos de pagamento a investir em equipamentos de prevenção e outros procedimentos para trazer segurança e proteção à vida das pessoas”, completa. “A segurança é encarada pelos bancos como custo que pode ser reduzido para turbinar ainda mais os seus lucros”.

“Esses números também revelam a fragilidade da segurança pública, pois faltam mais policiais e viaturas nas ruas e ações de inteligência para evitar ações criminosas”, salienta Cordeiro.

O presidente da CNTV, José Boaventura Santos, também se mostra assustado com o crescimento das mortes em assaltos envolvendo bancos. “Esses novos assassinatos mostram a falta de medidas dos bancos para proteger a vida de trabalhadores e clientes, bem como reforçam a necessidade de atualizar a lei federal nº 7.102/83 e retomar o projeto do estatuto da segurança privada, que se encontra em construção no Ministério da Justiça”, destaca

“Os bancos não podem continuar indiferentes diante das mortes e precisam implantar equipamentos e medidas eficazes para eliminar riscos e oferecer segurança para trabalhadores e clientes, a fim de proteger a vida das pessoas”, acrescenta.

Para ele, “além das mortes, essa violência deixa inúmeros feridos e traumatizados, acabando com os sonhos e o futuro de muitos brasileiros”, alerta Boaventura.

Perigo da “saidinha de banco”

O crescimento das mortes em “saidinha de banco” não surpreende a Contraf-CUT e a CNTV. “Esse crime começa dentro dos bancos e, para preveni-lo, é preciso impedir a ação dos olheiros na hora do saque de clientes. Uma das medidas é a instalação de biombos entre a fila de espera e os caixas, e de divisórias individualizadas entre os caixas, inclusive os eletrônicos”, defende Cordeiro.

“A instalação de biombos já virou lei em vários municípios, como João Pessoa, Belo Horizonte, Recife, Curitiba, Fortaleza e Belém, entre outros, reduzindo drasticamente os casos de saidinha de banco”, salienta Boaventura.

“O biombo é uma das medidas testadas e aprovadas no projeto-piloto de segurança bancária, que está terminando este mês em Recife, Olinda e Jaboatão dos Guararapes. Queremos que seja estendido para todo o país, a fim de ajudar a combater a ‘saidinha de banco’ e evitar novas mortes”, aponta Cordeiro.

Outra medida defendida por bancários e vigilantes é a isenção de tarifas de transferência de recursos (DOC, TED), como forma de reduzir a circulação de dinheiro na praça. “Muitos clientes sacam valores elevados só para não pagar as altas tarifas dos bancos e viram alvos de assaltantes cada vez mais violentos”, defende o secretário de imprensa da Contraf-CUT e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, Ademir Wiederkehr.

“Proibir o uso do celular nos bancos é uma medida ingênua, inócua e ineficaz, pois não impede a visualização dos saques”, alerta.

Insegurança nos correspondentes bancários

A disparada das mortes em assaltos a correspondentes bancários (lotéricas, banco postal, lojas e outros estabelecimentos) e em ataques a caixas eletrônicos também não surpreende a Contraf-CUT e a CNTV.

“Os bancos estão elitizando os serviços e empurrando cada vez os clientes de baixa renda para os correspondentes, onde a segurança é mínima, quando existe, precarizando o atendimento, aumentando o risco e expondo perigosamente a vida das pessoas”, ressalta Boaventura.

O presidente da CNTV enfatiza que muitos caixas eletrônicos estão instalados em locais inseguros. “Muitas pessoas acabam perdendo a vida quando procuram esses equipamentos para sacar dinheiro ou são vítimas em tiroteios após explosões e arrombamentos”, salienta.

“Queremos igualdade de atendimento para toda a população, com agências e postos de serviços, onde têm bancários e vigilantes, possibilitando um atendimento com qualidade e segurança para clientes e usuários, prevenindo assaltos e protegendo o sigilo bancário e, acima de tudo, a vida das pessoas”, defende Cordeiro.

A vida acima do lucro

Vigilantes e bancários apontam outras soluções de segurança que já salvaram muitas vidas em todo país. “É fundamental a colocação de portas de segurança com detectores de metais antes do autoatendimento, câmeras internas e externas com boa resolução de imagens e monitoramento em tempo real, escudos com assento para vigilantes e vidros blindados nas fachadas, dentre outras medidas”, reforça Boaventura.

“Os bancos e as autoridades de segurança pública têm que tomar providências para evitar novas tragédias, que acabam com o futuro de inúmeras famílias em todo país”, alerta Cordeiro. “O atendimento bancário é atividade de risco. Os bancos têm que assumir a sua responsabilidade para proteger a vida das pessoas”, enfatiza Carlos Cordeiro. “A vida tem que ser colocada acima do lucro”, conclui.

Fonte: Contraf-CUT

Casa Amarela, da UFC, abre 105 vagas para cursos de Fotografia e Cinema e Vídeo

Casa Amarela Eusélio Oliveira, da UFC, abre inscrições, a partir da próxima segunda-feira (4), para os cursos de extensão em Fotografia e Cinema e Vídeo. As inscrições seguem até 29 de agosto (ou até o preenchimento das vagas).

Os interessados devem se dirigir à secretaria da Casa Amarela (Av. da Universidade, 2591, Campus do Benfica – Fortaleza). A taxa única de matrícula é de R$ 300 para o Curso de Fotografia e de R$ 350 para o Curso de Cinema e Vídeo. Os valores são depositados na conta da Fundação Cearense de Pesquisa e Cultura (o número da conta é informado pela secretaria, no momento da inscrição).

A seguir, o comprovante de pagamento deve ser entregue na secretaria, anexado à ficha de inscrição para a confirmação da matrícula. O candidato deve apresentar originais do RG e do CPF e uma foto 3×4.

Para este semestre são ofertadas 105 vagas, sendo 70 para o Curso de Fotografia (35 para a turma da tarde e 35 para a turma da noite) e 35 para o Curso de Cinema e Vídeo (noite). O programa de Cinema e Vídeo tem carga horária de 90 horas, durando três meses, enquanto o de Fotografia tem carga horária de 60 horas e duração de dois meses. As aulas têm início no dia 1º de setembro. Confira detalhes dos cursos abaixo:

Cinema e Vídeo
Aulas: segundas e quintas-feiras, das 19h às 21h
Duração do curso: três meses, totalizando 90 horas-aula
Início das aulas: 1º/09
Taxa única: R$ 350

 

Fotografia
Turma 1: terças, quartas e quintas-feiras, das 14h às 16h
Turma 2: segundas, quartas e quintas-feiras, das 19h às 21h
Duração: dois meses, totalizando 60 horas-aula
Início das aulas: 1º/09 (turma 2) e 2/09 (turma 1)
Taxa única: R$ 300

Com informações da UFC

UFC seleciona tutores para bolsas de R$ 765

O Instituto Universidade Virtual (UFC Virtual) inscreve, até domingo (3), para seleção pública de pessoal e formação de cadastro de reserva ao Programa Um Computador por Aluno (PROUCA). São ofertadas 10 vagas, para atuação no Projeto em Fortaleza.

Os interessados devem preencher o formulário on-line. O tutor-formador do PROUCA atuará no apoio e acompanhamento de professores cursistas da rede pública de ensino, que buscam desenvolver o Programa entre os seus alunos, e no planejamento de atividades pedagógicas envolvendo o uso de laptops educacionais em sala de aula.

Para se candidatar é necessário ter formação mínima em nível superior, experiência comprovada de um ano no magistério, disponibilidade de no mínimo 12 horas semanais e não participar, como bolsista, de outro programa do Governo Federal. Os tutores e formadores receberão bolsa mensal no valor de R$ 765 do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE).Mais informações podem ser obtidas no edital do PROUCA 2014. 

Com informações da UFC

Bandeiras de Camilo e Eunício disputam o mesmo espaço nas ruas de Fortaleza

São inúmeras as bandeiras dos candidatos Camilo Santana e Eunício Oliveira nas ruas de Fortaleza, ao ponto de disputarem o mesmo local – FOTO: FABIANE DE PAULA

Os dois candidatos ao Governo do Estado que lideram as pesquisas estão intensificando suas campanhas nas ruas, após montada toda a estrutura para os trabalhos das coordenações. Desde as duas últimas semanas, bandeiras de Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB) já são vistas nos principais cruzamentos da cidade.

Na manhã de ontem, bandeiras amarelas e verdes dos dois candidatos dividiam o mesmo espaço no cruzamento das Avenidas Alberto Nepomuceno com Pessoa Anta, em frente ao prédio da Secretaria da Fazenda.

De acordo com Pedro Henrique, coordenador da equipe de 40 pessoas que segurava as bandeiras da campanha de Camilo Santana naquele cruzamento, são todos militantes e trabalham, por enquanto, oito horas por dia – sendo que, em breve, o turno será apenas de quatro horas com revezamento. O coordenador apontou ainda que os ‘bandeiraços’ estão se concentrando na Capital e, nos próximos dias, deverão ser levados para a Região Metropolitana.

Os coordenadores de ambas as equipes, em momentos diferentes, afirmaram que o encontro de seus trabalhadores no mesmo espaço foi uma coincidência. A reportagem do Diário do Nordeste ainda registrou a realização de ‘bandeiraço’ do candidato petista no cruzamento da Avenida Barão de Studart com a Avenida da Abolição, onde outra equipe da campanha de Camilo dividia o espaço com bandeiras de outros candidatos. No caso, o cruzamento também estava tomado pelas bandeiras da candidata a deputada federal Luizianne Lins (PT) e do candidato a estadual Antônio Carlos (PT).

Segundo a coordenadora daquela equipe com as bandeiras de Camilo, que se identificou apenas como Zulene, as bandeiras dos candidatos proporcionais chegaram após as do candidato ao Governo e não teria sido combinado previamente.

Já nas proximidades do Mercado Central, da Catedral e em praticamente todos os cruzamentos da região do Centro, a predominância era de bandeiras verdes da campanha de Eunício Oliveira. Pelo menos duas pessoas com bandeiras permaneciam nos diversos cruzamentos e dezenas se concentravam na Praça do Ferreira.

De acordo com um dos coordenadores de equipe da campanha de Eunício, Jefferson Rocha, todos os trabalhadores são militantes do partido e trabalham voluntariamente, tendo apenas ajuda de custo para o transporte e para a alimentação deles. Ele afirmou ainda que há duas equipes de até 40 pessoas para cada coordenador, uma para o turno da manhã outra pela tarde, e que os voluntários trabalham até seis horas.

Deferidas

As candidaturas de, praticamente, todos os postulantes a cargo majoritário no Ceará já foram deferidas pela Justiça Eleitoral. O candidato do PSOL ao Governo do Estado, Ailton Lopes, foi o primeiro que teve acatada a sua candidatura, seguido de seus concorrentes Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB). Somente Eliane Novais, do PSB, ainda aguarda deferimento.

Nas candidaturas para o Senado Federal, apenas a da candidata Geovana Cartaxo, do PSB, ainda aguarda julgamento. Mauro Filho (PROS), Raquel Dias (PSTU) e Tasso Jereissati (PSDB) tiveram suas candidaturas deferidas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

(Diário do Nordeste)

Prefeitura de Sobral é condenada a pagar mais de R$ 4 milhões por irregularidades

SOBRAL-CE

A Prefeitura do município de Sobral, a 250 km de Fortaleza, e gestores da Cooperativa de Trabalho do Ceará (Cootrace) e Cooperativa dos Prestadores de Serviços Terceirizados do Estado do Ceará Ltda. (Coopreserv), responsáveis pela terceirização de mão-de-obra, foram condenados pelo Ministério Público do Trabalho no Ceará (MPT/CE), a pagar uma indenização de mais de R$ 4 milhões por irregularidades em contratações. O valor será revertido em prol do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT).

Além do valor a ser pago, a Justiça determinou que a prefeitura se abstenha de contratar servidores por meio de cooperativas, sob pena de multa de R$ 10 mil por contratação irregular. A sentença, proferida pela juíza do trabalho Rossana Talia Modesto Gomes Sampaio também dissolveu as cooperativas fraudulentas.

“Resta evidente, portanto, que os demandados, em sua totalidade, causaram manifesto prejuízo não apenas ao Erário, mas também a uma coletividade de trabalhadores”, comentou a juíza na sentença.

Para a Justiça do Trabalho, foi constatada a presença de cooperados fantasmas e o não pagamento de direitos trabalhistas. De 2006 a 2013, o municipio de Sobral vinha sendo condenado a pagar os referidos encargos trabalhistas.

Segundo investigações do MPT e do Ministério Público do Estado do Ceará (MPE-CE), as cooperativas Cootrace e Coopreserv foram contratadas pela Prefeitura de Sobral desde 2006 para fornecimento de mão-de-obra. De lá pra cá, já foram repassados mais de R$ 40 milhões de reais às duas entidades.

As denúncias desencadearam uma ação denominada de Operação Carcará, desencadeada no dia 28 de agosto de 2013, em Sobral, que teve o objetivo de cumprir 16 mandados (7 de prisão temporária e 9 de busca e apreensão) referentes a pessoas acusadas de fraude em licitações, formação de quadrilha, lavagem de dinheiro, corrupção e falsidade ideológica.

O POVO Online tentou entrar em contato com a Prefeitura de Sobral para dar a sua versão, mas até o fechamento desta matéria não havia conseguido.

 

Redação O POVO Online

Bancos privados fazem oposição a Dilma por perda de espaço para BB e Caixa

Por Diego Sartorato, da RBA

Não são apenas os partidos e candidatos que formulam projetos a serem debatidos durante as campanhas eleitorais: organizações da sociedade civil e entidades privadas também avaliam quais mudanças na condução do poder público são necessárias para garantir o atendimento de interesses singulares ou coletivos.

Algumas dessas plataformas “setoriais” são tornadas públicas, mas nem todas, especialmente quando se referem a interesses empresariais, seja pelo sigilo do planejamento nos negócios, seja porque há objetivos patronais inconfessáveis à opinião pública, a regra é que os interesses econômicos de setores poderosos sejam discutidos privativamente.

Para as eleições presidenciais deste ano, porém, empresas do mercado financeiro, central no capitalismo e no jogo político brasileiro, romperam o silêncio habitual e têm tomado posição agressivamente contrária à reeleição da presidenta Dilma Rousseff (PT).

Nas últimas semanas, o banco espanhol Santander divulgou análise em que previa cenário econômico negativo caso Dilma se reeleja, mesma prática adotada por diversas consultorias que atendem a investidores do mercado financeiro.

Por meio de estudo encomendado ao Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper) e divulgado pela Folha de S.Paulo, o setor chegou até a conferir valor concreto a cada ponto percentual perdido por Dilma nas pesquisas eleitorais: seriam US$ 801 milhões a mais investidos em ações de estatais a cada vez que a vitória da oposição se mostrasse mais provável do que no levantamento anterior.

Um dos motivos para a campanha agressiva do setor financeiro, como visto apenas às vésperas da primeira eleição de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), em 2002, está em estudo divulgado pelo Dieese sobre o desempenho dos bancos em 2013.

De acordo com o levantamento, Banco do Brasil e Caixa Econômica Federal, ambos públicos, conquistaram 48,1% do mercado de crédito no país no ano passado e seguem ampliando as carteiras de crédito em ritmo duas vezes superior aos bancos privados nacionais (que detêm 38% das carteiras) e três vezes superior ao crescimento das empresas estrangeiras (com 13,9% dos contratos de crédito). Não conta, para o levantamento do Dieese, o BNDES que, em 2013, investiu R$ 514,5 bilhões em consumo e infraestrutura.

As instituições públicas foram as principais responsáveis pelo crescimento, entre 2002 e 2013, da relação entre volume de crédito e Produto Interno Bruto (PIB). Há 12 anos, o crédito disponível no país somava 23,8% do PIB; hoje, são 55,8%. Entre 2008 e 2013, mudou também o perfil do microcrédito: se há seis anos os pequenos empréstimos tinham 73% do volume destinados ao consumo, em 2013 apenas 10% foram voltados a essa modalidade. Os outros 90% foram empenhados em micro e pequenas empresas (MPEs), setor que mais cria emprego e renda no Brasil – em 2013, de acordo com o Sebrae, 85% dos empregos com carteira assinada foram abertos nele.

O momento e a motivação dos bancos públicos e privados são bastante distintos: enquanto os primeiros seguem a diretriz do governo federal de ampliar o acesso e baratear o crédito com o objetivo de fortalecer o poder de consumo das famílias e evitar os piores efeitos da crise econômica mundial, os bancos privados seguem a direção oposta. Demitem trabalhadores (foram 10 mil dispensas em 2013) e ampliam taxas e juros para garantir a rentabilidade.

O Itaú, por exemplo, que teve o maior lucro da história do sistema financeiro brasileiro no ano passado (R$ 15,6 bilhões), aumentou em 12,8% seus ganhos, principalmente por meio de cobranças de serviços e taxas. Já o Banco do Brasil, por meio da ampliação de sua atuação no mercado, foi relativamente mais bem-sucedido e aumentou o lucro líquido em 29,1% em relação a 2012.

Desde 2008, quando os mercados de capitais se desequilibraram nas potências econômicas, o Brasil aplica políticas anticíclicas de incentivo ao setor produtivo e ao consumo, com manutenção de um baixo índice de desemprego e intensificação da transferência de renda, solução oposta à adotada pela zona do Euro e no campo de influência dos Estados Unidos. Nesses países, houve corte de investimentos públicos e distribuição de pacotes de amparo ao sistema financeiro. O FED, banco central norte-americano, por exemplo, injeta US$ 75 bilhões mensais no mercado financeiro atualmente.

Os bancos brasileiros, que atuam nas mesmas linhas gerais de suas contrapartes internacionais, parecem estar à espera do mesmo tratamento: tanto Aécio Neves quanto Eduardo Campos, candidatos a presidente por PSDB e PSB, sinalizaram ao setor financeiro que estão dispostos a tomar medidas “impopulares” para a economia, eufemismo para reformas no sentido de reverter a política focada na geração de empregos e maior aproximação com o modelo econômico norte-americano.

Já os governos petistas, a partir de 2003, embora tenham garantido lucros astronômicos ao setor (que foi de um lucro global de R$ 4,8 bilhões em 2000 para R$ 46,6 bilhões em 2010), tomaram decisões importantes para que os bancos públicos fossem capazes de induzir e equilibrar o mercado financeiro, e, para tanto, até impediram privatizações. Em 2008, o então governador de São Paulo, José Serra (PSDB), colocou à venda o último banco público do governo estadual, a Nossa Caixa. Luiz Inácio Lula da Silva, então em seu segundo mandato como presidente, acertou a compra da empresa pelo Banco do Brasil por R$ 5,3 bilhões. Em 2009, o Banco do Brasil pagou mais R$ 4,3 bilhões por 50% do Banco Votorantim, em nova ação agressiva de tomada de mercado.

O estudo do Dieese aponta, como um dos indicadores do sucesso da aposta no crédito, o fato de que 2013 registrou os patamares de inadimplência mais baixos já observados, com média de 3% de compromissos financeiros descumpridos por clientes de bancos privados e na casa de 1% entre clientes de bancos públicos. O cenário é próximo do descrito pela presidenta Dilma em pronunciamento para o 1º de maio de 2012, quando enviou recado bastante direto para o sistema financeiro.

A diferença mais expressiva é que, à época, o Brasil operava com a menor taxa Selic, índice definido pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central e que serve de base para os juros ao consumidor, da série histórica, a 8%. O barateamento da captação de dinheiro por parte dos bancos, no entanto, não foi acompanhada de redução dos custos da tomada de crédito nas instituições privadas, que mantêm, no Brasil, um dos índices de spread bancário mais altos do mundo. O spread é a diferença entre os juros que o banco paga quando toma emprestado (as cadernetas de poupança, por exemplo, rendem 6,8% ao ano) e quanto paga quando empresta dinheiro (o cheque especial tem juros em torno de 200% ao ano).

Após campanha intensa na mídia tradicional em torno das taxas de inflação, o Banco Central cedeu e a taxa Selic está em 11%, sem previsão de que vá retomar a tendência de queda.

Não se trata apenas de uma questão de fatia de mercado. Como os juros de cerca de dois terços dos títulos emitidos pelo governo federal para arrecadar dinheiro estão atrelados à variação da Selic, o aumento do índice eleva a dívida pública. De acordo com o economista Amir Khair, especuladores financeiros teriam até US$ 220 bilhões investidos em títulos brasileiros, com lucro médio de US$ 10 bilhões graças aos juros. No ano passado, o superávit primário do governo, quantia reservada ao pagamento dos juros da dívida pública, foi de R$ 75 bilhões. A dívida pública, que representava 60,4% do PIB em 2002, hoje está em torno de 33% da riqueza nacional, de acordo com a Receita Federal.

Leia outros textos de Força da Grana

TCE-CE identifica irregularidades na locação de aeronaves pelo Governo Cid Gomes

A maioria do Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Ceará (TCE-CE) decidiu, em sessão realizada terça-feira (29), que a Casa Civil do Governo do Ceará não poderá firmar convênio com a empresa Easy Taxi Aéreo LTDA para locação de aeronaves. O processo nº 05870/2011-3 refere-se à denúncia sobre possíveis irregularidades ocorridas nos contratos nº 011/2007 e 067/2010 – e seus respectivos aditivos – com o objetivo de locar aeronaves para utilização no âmbito das administrações estaduais direta e indireta pelo critério quilômetro voado.

O secretário chefe da Casa Civil, Arialdo de Mello Pinho, foi multado no valor de R$12 mil, em virtude da grave infração à Lei das Licitações (Lei nº 8.666/93), ao promover prorrogações contratuais sem a devida comprovação da vantajosidade para a Administração Pública. Foi fixado um prazo de 30 dias para a comprovação do recolhimento do valor. No caso de não recolhimento, e ocorrendo o trânsito em julgado da matéria, ficam autorizadas a cobrança judicial da dívida, através da Procuradoria-Geral do Estado do Ceará, e a inscrição do nome do responsável no Cadastro de Inadimplência da Fazenda Estadual (Cadine) e na lista de inadimplentes deste Tribunal.

O TCE-CE também determinou ao Secretário Chefe da Casa Civil que, ao motivar a prorrogação de vigência de seus contratos administrativos, demonstre, em cada caso concreto, o caráter contínuo do serviço do contrato a ser prorrogado, bem como comprove a vantajosidade do ato mediante ampla pesquisa de preços no mercado e a apresentação de no mínimo três orçamentos, em obediência ao disposto no inciso II do art. 57 da Lei 8.666/93.

A maioria do colegiado da Corte de Contas, baseado no certificado técnico da 7ª Inspetoria de Controle Externo (7ª ICE) e no parecer do Ministério Público junto ao TCE-CE, entendeu que os esclarecimentos prestados pelo gestor responsável pelo contrato não foram suficientes para apuração da economicidade contratual.

A Casa Civil deverá registrar e divulgar informações mais detalhadas relativas a cada solicitação de uso dos serviços de fretamento de aeronaves, tais como quem o solicitou, em que data, por qual motivo, qual o trajeto a ser percorrido, qual o custo de cada viagem, a quantidade de vezes que o serviço foi requerido, quantos quilômetros foram percorridos em cada voo e outras, a fim de que se promova um controle mais eficaz desses gastos, em atenção aos princípios da transparência, economicidade e eficiência.

De acordo com a decisão da Corte de Contas, somente poderá ser prorrogado o Contrato nº 182/2012, previsto para se encerrar em 21/08/2014, se forem atendidas cabalmente todas as exigências determinadas pelo Tribunal.

* Com informações do TCE/Ceará

Via http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=18927

Fausto Fanti, do Hermes & Renato, é encontrado morto em SP

Fausto Fanti, do grupo de humor “Hermes e Renato”, foi encontrado morto nesta quarta-feira, 30, em São Paulo, às 16h56. A 23ª Delegacia de Perdizes, que registrou o caso, confirmou aoEGO a morte do humorista, que interpretava Renato.

Segundo a polícia, ele foi encontrado no chão do banheiro de seu apartamento em Perdizes, Zona Oeste de São Paulo por seu amigo de infância e também integrante do “Hermes e Renato”, Adriano Silva. Fausto estava com um cinto no pescoço e a polícia trabalha com a hipótese de suicídio.

Fausto tinha 36 anos e uma filha, Nina, de 8 anos, de seu casamento com Karla Peixoto Sento Sé.

Fausto ficou famoso por interpretar o personagem Renato no humorístico “Hermes e Renato”, que estreou na MTV Brasil em 1999. Além dele, faziam parte do grupo Adriano Silva, Felipe Torres, Bruno Sutter e Marcos Alves. O sucesso do grupo fez com que eles criassem outros produtos para a emissora, como novelas humorísticas, dublagens de filmes e sátiras musicais, como a banda fictícia de heavy metal Massacration, que até hoje excursiona por todo o Brasil.

Em 2010, o grupo foi trabalhar no programa “Legendários”, de Marcos Mion, e como os direitos do nome “Hermes e Renato” pertenciam à MTV, a o grupo passou a se chamar Banana Mecânica.

Em 2013, eles abandonaram o novo nome e retornaram à MTV Brasil, com exceção de Felipe Torres, que permaneceu no programa da Record. Em 2014, o grupo estreou no FX Brasil.

(G1)

Fortaleza ganhará sistema de bicicletas compartilhadas em setembro

FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA

A partir do mês de setembro, a Prefeitura de Fortaleza dará início à implantação do sistema de bicicletas compartilhadas. Através dele, qualquer pessoa poderá retirar uma bicicleta em uma estação e devolvê-la em outra, de maneira gratuita, utilizando apenas o Bilhete Único. O projeto é resultado de articulação entre a Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP) com ciclistas e a sociedade civil organizada.

No momento, a SCSP prepara edital público para a escolha da empresa que implantará o sistema em Fortaleza. O projeto prevê a instalação de 40 a 60 estações na cidade, com aproximadamente 600 bicicletas, usando a integração com o Bilhete Único para garantir a gratuidade do transporte. A primeira hora de uso será gratuita e, a cada hora excedente, será cobrada uma taxa de R$5,00 para manutenção do sistema.

Durante reunião com apoiadores nesta terça (29), o vereador Evaldo Lima (PCdoB), defensor da bicicleta como meio de transporte sustentável na Câmara Municipal, destacou a importância da iniciativa. “O transporte cicloviário, para além de uma atividade de lazer, é modal de transporte e deve ser integrado ao circuito de mobilidade urbana, permitindo alternativas de deslocamento mais saudáveis para as pessoas e menos agressivas para a cidade”, afirmou.

Fonte: Assessoria do Professor Evaldo Lima

 

Fortaleza gera 5.876 toneladas de lixo por dia

Levantamento do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam) mostra que Fortaleza é o município cearense que mais gera resíduos sólidos: 5.876,69 toneladas/dia. Desde 1997, o lixo da Capital é descartado no Aterro Sanitário Metropolitano Oeste de Caucaia.

“Os materiais recicláveis coletados em ações de educação ambiental e pela coleta seletiva da Prefeitura são encaminhados para Rede de Catadores. São 14 associações de catadores na cidade, com aproximadamente 350 catadores”, informa Águeda Muniz, titular da Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

É um começo, em um longo caminho de mão dupla. As responsabilidades de produção e descarte do lixo envolvem o poder público e cada cidadão. “A conscientização ambiental quanto à segregação dos resíduos, objetivando uma eficiente coleta seletiva e a potencialização da logística reversa”, aponta Águeda, os desafios cotidianos.

Interior

Já no Interior, “98%, 99% do Estado não conseguiu avançar na Política (de Resíduos Sólidos)”, diz José Eraldo Oliveira Costa, superintendente da Autarquia Municipal do Meio Ambiente de Juazeiro do Norte. “Os municípios não têm condição de fazer os aterros e de operacionalizar. Essa é a grande questão”, argumenta. 

Na edição de ontem, O POVO mostrou que o prazo para o fechamento dos lixões no Brasil, fixado em lei federal, termina em agosto próximo, mas ainda há mais de 280 lixões somente no Ceará.

Juazeiro, na região do Cariri, é o terceiro maior produtor de lixo do Ceará, revela o levantamento do Conpam. Eraldo Costa afirma que o município está criando uma gerência de resíduos sólidos e tem organizado cooperativas de catadores e “dado algum suporte, ainda que irrisório: um caminhão, treinamento”. Mas que as cidades não podem pagar a conta da infraestrutura e manutenção de um aterro sanitário. “A proposta do governo é que seja um aterro sanitário consorciado. O problema é que não foi discutido como seria esse consórcio”, critica.

Por e-mail, a assessoria de imprensa da Secretaria das Cidades responde que “de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos toda responsabilidade é do ente municipal. Contudo, o Governo do Estado tem se dedicado a essa questão no papel de articulador das prefeituras para que se formem consórcios municipais para gestão dos aterros”.

“Os consórcios (reunindo prefeituras) desenvolvidos com o apoio da Secretaria das Cidades, podemos considerar como avanços. Encontra-se em fase de elaboração o Plano Estadual de Resíduos Sólidos”, assinala Maria Dias Cavalcante, do Conpam. Mas falta a prática correta da lei, a gestão eficiente. “Contamos somente com seis municípios com aterros sanitários, entretanto, ainda mandam para o aterro todo tipo de resíduos, inclusive, os que poderiam estar sendo fonte de renda para muitas famílias”, contrapõe. 

Saiba mais

Os dez municípios que mais geram resíduos sólidos no Ceará

1) Fortaleza – 5.876,69 toneladas/dias

2) Caucaia – 1.032,03 toneladas/dia

3) Juazeiro do Norte – 926,59 toneladas/dia

4) Maracanaú – 379,99 toneladas/dia

5) Crato – 238,28 toneladas/dia

6) Quixeré – 206,05 toneladas/dia

7) Iguatu – 183,34 toneladas/dia

8) Maranguape – 158,44 toneladas/dia

9) Quixadá – 145,84 toneladas/dia

10) Pacatuba – 128,21 toneladas/dia

FONTE: Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam)

(Ana Mary C. Cavalcante, O Povo)

Enquanto 52 açudes estão em estado crítico, políticos cearenses só pensam em eleição

Enquanto as autoridades do Executivo se empenham nas campanhas políticas, a presidente Dilma em busca da reeleição, Cid Gomes e Roberto Cláudio como cabos eleitorais de seu candidato ao governo estadual, os efeitos da seca no Ceará ameaçam até mesmo o abastecimento para consumo da população. Sem água, os impactos na economia também são consideráveis.

Emergência silenciosa
Nos 149 açudes monitorados pela Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Estado, 105 estão com volume abaixo dos 30%. Das 189 cidades cearenses, nada menos do que 176 estão em situação de emergência por causa da seca. Muitos prefeitos temem uma situação de colapso total no final do ano, logo após as eleições. Como não é antes das eleições, as autoridades posam como se tudo estive sob o mais absoluto controle. Qual deles fala em racionamento? Ou pede desculpas pelo atraso obsceno nas obras de transposição do rio São Francisco? Pois é, nenhum. Falam todos de abundância, de distribuição de cisternas e de adutoras feitas às pressas (um risco do ponto de vista orçamentário). Por enquanto os carros-pipa resolvem, mas já está na hora de perguntar: de onde eles irão tirar água daqui a alguns meses?

Gavião cheio, Castanhão secando…
Em Fortaleza, tudo parece em perfeita ordem, com o açude Gavião, em Pacatuba, registrando 93,28% de volume d’água. Fica a impressão de que, por algum motivo mágico, chove apenas nesse lugar, que mesmo abastecendo a 5ª maior capital do Brasil durante a maior seca dos últimos 50 anos, continua cheio, quase no máximo, enquanto o resto seca. A verdade, no entanto, é que o Gavião é abastecido pelo Castanhão, que fica em Alto Santo, e que está, vejam a situação, com apenas 36,17% de sua capacidade. É muita água ainda, pois é o maior açude do Estado, mas seu nível baixa com regularidade preocupante. Isso nenhum técnico da Secretaria de Recursos Hídricos vai admitir, pelo menos até o dia 5 de outubro.

Abaixo de 10%
Abaixo, segue a lista que fiz com os açudes que apresentam capacidade abaixo de 10%, de acordo com o boletim de hoje, dia 29 de julho, divulgado pela Funceme. São 52, pouco mais de um terço das reservas hídricas do Ceará. Muitos deles bem abaixo desse percentual.  Cidades como Tauá e Canindé, entre outras, estão em situação de calamidade, enquanto nossas autoridades pedem o voto de suas populações. Confira:

Região do Acaraú
BONITO (Ipú) – 3.27%
CARÃO (Tamboril) – 7.55%
CARMINA (Catunda) – 2.1%
FARIAS DE SOUSA (Nova Russas) – 1.27%

Região do Alto Jaguaribe
BRÔCO (Tauá) – 1.94%
FAÉ (Quixelô) – 2.55%
FAVELAS (Tauá) – 8.09%
FORQUILHA II (Tauá) – 0%
MAMOEIRO (Antonina do Norte) – 9.26%
PARAMBU (Parambu) – 1.76%
POÇO DA PEDRA (Campos Sales) – 8.09%
TRICI (Tauá) – 0,66%
VÁRZEA DO BOI (Tauá) 0,48%

Região do Baixo Jaguaribe
S. ANT. DE RUSSAS (Russas) – 7.38%

Região do Banabuiú
CEDRO (Quixadá) – 4.96%
FOGAREIRO (Quixeramobim) – 9.08%
PIRABIBU (Quixeramobim) – 4.54%
SÃO JOSÉ I (Boa Viagem) – 5.55%
UMARI (Madalena) – 3.07%

(Wanderley Filho, Tribuna do Ceará)

Onde estão os políticos negros no Brasil?

Marcos Sacramento, DCM

A ausência de negros em cargos políticos e de destaque no Brasil chamou a atenção da filósofa e ativista norte-americana Angela Davis. Nascida no Alabama, Davis foi professora da Universidade da Califórnia e teve ligações com o grupo Panteras Negras, sendo presa por causa disso no início dos anos 70. Uma das principais lideranças femininas na luta pelo direito dos negros nos Estados Unidos, foi homenageada em músicas de John & Yoko (“Angela”) e dos Rolling Stones (“Sweet Black Angel”).

Ela foi um dos destaques do Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra, em Brasília. Na sua conferência, disse que ficou impressionada com a pouca presença de negros e pardos na política nacional. “Quantos senadores negros há no Brasil? Se olharmos para o Senado não saberíamos que os negros constituem mais de 50% da população brasileira”, questionou.

LEIA TAMBÉM: Angela Davis: Racismo de hoje é muito mais perigoso

“Não posso falar com autoridade no Brasil, mas às vezes não é preciso ser especialista para perceber que alguma coisa está errada em um país cuja maioria é negra e a representação é majoritariamente branca”, disse.

Ela criticou, inclusive, a participação irrisória dos negros nos meios de comunicação. “Sempre assisto TV no Brasil para ver como o país se representa e a TV brasileira nunca permitiu que se pensasse que a população é majoritariamente negra”.

O comentário da intelectual e a matéria do The Guardian que destacou a ausência de negros nos estádios durante os jogos da última Copa ilustram o racismo estruturado na sociedade brasileira.

Em um país onde 50,7% da população é negra ou parda, de acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), menos de 10% dos parlamentares federais são desses grupos, como mostra um estudo da Transparência Brasil.

Número que contribui para as estatísticas cruéis contra os negros e explicita a necessidade de implantação de cotas para reduzir as discrepâncias raciais. A probabilidade de um negro ou pardo ser vítima de homicídio, por exemplo, é quase oito pontos percentuais a mais do que a da população branca.

Angela Davis, contudo, não acha suficiente que os negros ocupem o poder. É preciso que tomem atitudes para realmente pôr fim ao preconceito. “Não significa somente trazer pessoas negras para a esfera do poder, mas garantir que essas pessoas vão romper com os espaços de poder e não simplesmente se encaixar nesses espaços”.

A crítica faz referência a Barack Obama, mas pode ser aplicada ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Questionado por jornalistas sobre a possibilidade de implantação de cotas no Judiciário, ele disse: “Não sei e estou de saída. Es ist mir ganz egal (em alemão,’para mim tanto faz’). Não estou nem aí”.

Segundo o Censo do Poder Judiciário divulgado mês passado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 1,4% dos magistrados brasileiros se autodeclaram pretos. Percentual hediondo, pequeno demais para “não estar nem aí”.

“Aeroporto de Aécio é só a ponta do iceberg”

O ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou nesta segunda-feira, 28, que as declarações do presidenciável tucano Aécio Neves sobre o caso do aeroporto em Cláudio (MG), construído quando Aécio era governador de Minas em terreno de seus familiares, não são suficientes e disse ainda que o tucano ainda terá problemas para explicar “outras coisas”.

“Absolutamente não está explicado [o caso do aeroporto]. E vai ser muito difícil explicar essas e outras coisas que aconteceram em Minas Gerais nos últimos tempos. Pelo que conheço da minha relação com companheiros de Minas Gerais, o governador [Aécio] vai ter dificuldade de explicar muitas coisas. O aeroporto é apenas a ponta do iceberg de um tipo de prática que marcou aquele governo”, disparou Carvalho. “A barreira de proteção ao governo [Aécio Neves] foi tão grande que a população do país não conhece o que se passou em Minas Gerais efetivamente”, disse o ministro ao jornal O Globo.

As declarações duras do secretário da Presidência da República reacendem a discussão em torno da polêmica obra. Justamente no momento em que a cúpula da campanha de Aécio Neves não esconde sua preocupação com a repercussão que o assunto tomou. A constatação reservada no PSDB é que, independente da legalidade da obra, o episódio deixou Aécio na berlinda e abriu um flanco na candidatura tucana, que passou a ser bem explorado pela campanha de Dilma Rousseff.

Ao jornalista Gerson Camarotti, um parlamentar do PSDB chegou a alertar que o próprio Aécio terá que responder, em debate com Dilma, quantas vezes desceu de jatinho no aeroporto de Cláudio. “O problema é que o episódio do aeroporto pode tirar o PSDB do ataque, colocando a candidatura de Aécio na defensiva. Temos que sair dessa armadilha“, afirmou o tucano.

O coordenador jurídico da campanha de Aécio Neves, o deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), informou que o partido irá acionar Gilberto Carvalho, por ato de improbidade.

“É nefasto que um ministro, em horário de expediente, use esse esse tempo para fazer campanha eleitoral para a presidente Dilma Rousseff. Gilberto Carvalho tem um iceberg inteiro à mostra e contra si, que é a morte de Celso Daniel (ex-prefeito de Santo André e que era do PT)”, acusou Sampaio.

Seja como for, a campanha eleitoral pegou fogo nesta segunda-feira.

(Brasil247)

A revolução silenciosa da agricultura familiar

Da Carta Maior

Najar Tubino
Porto Alegre (RS) – Esta é uma história que tenta retratar algumas mudanças ocorridas na zona rural brasileira nos últimos anos e que, certamente, não estão nas estatísticas. Uma das fontes consultadas é o trabalho divulgado em dezembro de 2013 pela Secretaria de Assuntos Estratégicos do governo Federal, realizado pelo IPEA, IBGE e analisado pelos pesquisadores do Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Rural, da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O trabalho é sobre Agroindústria Rural no Brasil. O IBGE registra, com base no censo de 2006, que 16,7% dos estabelecimentos rurais do país praticaram algum tipo de transformação da matéria-prima produzida. A agricultura familiar no país envolve 4,3 milhões de estabelecimentos rurais, com mais de 12 milhões de pessoas trabalhando, representa 38% do Valor Bruto de Produção – R$54,5 bilhões -, embora ocupe menos de 25% da área agriculturável.

A agroindústria familiar, portanto, é um passo a mais na organização da agricultura familiar, com investimentos em manufaturas, em produtos elaborados, alimentícios, que vão desde as farinhas, como de mandioca e de milho, pães, biscoitos, doces e geleias, além de mel, mas também embutidos, queijos, aguardente e vinho. O trabalho selecionou, com as devidas estatísticas por estado e por região, 32 produtos produzidos. Desses nove são os mais importantes. No caso da região nordeste e norte, é preciso acrescentar a rapadura e a tapioca.

Somente agroindústrias que produzem farinha de mandioca no país são mais de 266 mil, sendo que a maioria no Nordeste, quase150 mil. O Brasil produzia 30 milhões de toneladas de mandioca na década de 1970. Agora produz 21 milhões e faltam sementes. A farinha de mandioca, que faz parte do cálculo da inflação, subiu mais de 100% nos últimos anos.

PRONAF está em todo o país

A citação da região Nordeste é mais do que óbvia. É lá que está a maioria das propriedades familiares, mais de 50% segundo a estatística, e também é lá que os agricultores e agricultoras mais acessam o PRONAF, o programa de financiamento da agricultura familiar, que este ano vai investir mais de 24 bilhões de reais no segmento. Aliás, o PRONAF é um programa que está presente em todos os 5.460 municípios do país. A Revolução Silenciosa na área rural na verdade é consequência da organização dos agricultores e agricultoras, de trabalhadores rurais que assumiram a reforma agrária na prática, transformando suas áreas em campos de produção de alimentos para o país, não para exportação. Além disso, uma parte dele, produzidos sem agroquímicos, principalmente, sem veneno.

É claro, que isto não se tornaria uma realidade se não fossem as políticas públicas conquistadas de baixo para cima, como é o caso do PRONAF, dos Programas de Aquisição de Alimentos, do Programa Nacional da Merenda Escolar, e agora, mais recente, o Plano Nacional de Produção Orgânica e Agroecológica (PLANAPO), que também está viabilizando linhas de financiamento para a agricultura familiar, com juro de 1% ao ano.

Comida é uma questão de saúde

A questão da produção de alimentos e da agroindústria familiar, que também envolve a produção de alimentos, não é uma simples questão econômica. A começar pela falta de dados e informações atualizadas, fato reconhecido no próprio trabalho citado. Estamos falando de mudanças sociais, culturais e de saúde. Já é notório o fato do Brasil ser o quinto país do mundo em obesidade, de mais de 50% da população estar acima do peso, sendo 17% na condição de obesos. A dieta veiculada nos meios de comunicação está levando o Planeta para um ciclo vicioso que só beneficia a indústria química, a mesma que produz agrotóxico e remédios.

Isso não é uma coincidência.

A receita inventada pelos estadunidenses de consumo de sanduíches gordurosos e xaropes gaseificados levou a uma completa desorganização das dietas dos povos. “Amar tudo isso” ou “abrir a felicidade” se transformou numa armadilha que alavancou as estatísticas de obesidade, por consequência, de diabetes, doenças coronárias e hipertensão. O que foi vendido como a modernização da agricultura, com índices imbatíveis de produtividade, milagres na produção de commodities, hoje em dia, não passa de uma falácia de péssima categoria. Junto com a modernização da agricultura, ao mesmo tempo cresceram as redes de supermercados, hipermercados e shoppings centers.

A agricultura familiar ficou relegada ao patinho feio das produções de Hollywood. Era ineficaz, sem qualidade e a única saída era debandar para os grandes centros urbanos, onde as oportunidades na indústria e na construção civil surgiam como milagrosas. Hoje se sabe bem o inferno que viraram as metrópoles. A população está doente, sofre diariamente para se mover, come mal e ainda sofre com a violência em diversos estágios. Para os apóstolos do neoliberalismo, o mundo seria de concreto, a comida totalmente industrializada, inclusive com pílulas astronáuticas, e o campo uma modelo de indústria de ponta, com suas potentes colheitadeiras e seus tratores com GPS e pulverizadores eletrônicos, que dosificam milimetricamente o veneno necessário para a planta transgênica produzir.

Onde está a estatística?

Lascaram-se. O povo do campo, que realmente vive e produz onde mora se organizou. Não só produz como industrializa. Além disso, vende diretamente em feiras de todo tipo. Na capital paulista funcionam 850 feiras livres, mais de 16 mil barracas, uma história que iniciou no século XVII. Claro que este tipo de feira convencional é formada por comerciantes, outra por produtores, e mais recentemente, uma parte de agroecologistas. São 140 feiras no país de caráter agroecológico, segundo pesquisa feita em 2012 pelo IDEC, o Instituto de Defesa do Consumidor, juntamente com outras organizações que trabalham com agroecologia. Entretanto, o movimento das feiras, quer ecológicas, ou feiras de produtores, que trazem seus produtos uma ou duas vezes por semana para vender na cidade, é disseminado pelo país. Em Fortaleza são 76 feiras livres. Em Recife são 17. Porto Alegre tem a feira mais antiga em agroecologia, no Bairro Bonfim, desde 1989. Passam mais de cinco mil pessoas no sábado pela feira. O Rio de Janeiro tem 25 feiras agroecológicas. Somente cinco capitais não tem feira ecológica – Cuiabá e Boa Vista, estão entre elas.

Na Paraíba, no Polo da Borborema, com 15 municípios, funcionam oito feiras agroecológicas. Em março desse ano, os agricultores e agricultoras realizaram a 5ª Marcha das Mulheres pela Vida e pela Agroecologia. Participaram 3.500 mulheres no município de Massaranduba. Feira livre, feira agroecológica, estamos falando de relações econômicas, de compra e venda, de produtos consumidos pela população de todas as faixas, mas principalmente, da que tem menor poder aquisitivo. Isso não está na estatística. Os preços das verduras, frutas e cereais nas feiras são mais baratos do que no supermercado, além da vantagem de negociar o preço com o feirante ou produtor. Sem contar a hora da “xepa”, no final da feira, quando os preços caem. Em 2002, os supermercados faturavam 7% do total comercializado com hortifrutigranjeiros.

A Monsanto em Petrolina

As feiras se tornaram o canal de comercialização, mas também o canal de comunicação e de divulgação de um novo tipo de agricultura que existe no campo. Também resgatou a importância dos costumes locais, da comida da vovó, das verduras e legumes sem agrotóxicos, em casos mais específicos. Principalmente, derrubaram a supremacia das grandes corporações do varejo, das corporações de commodities e, agora, da transgenia. A Monsanto trabalha na produção de sementes de hortaliças. Em Petrolina comprou duas fazendas – uma com 186 ha e outra com 64 ha – e montou seu complexo tecnológico de pesquisa dentro do perímetro irrigado, que terá a mesma função que o Havaí tem em relação aos Estados Unidos, para a produção de sementes. Trabalham com milho, depois sorgo, algodão, cana e milho doce. Nos próximos cinco anos será o centro responsável pelos lançamentos da multinacional. O semiárido, com água, favorece a produção, com até quatro safras, dependendo da cultura. Isso acelera o trabalho que seria muito maior, e mais caro, no Sul ou no Sudeste. A Monsanto inaugurou este centro em março de 2013, embora estivesse na área desde 2009. É o 19º centro de pesquisa no Brasil – ela tem 36 unidades no país.

Capacidade de resistência

“- Em que pese uma trajetória genérica de apropriação e concentração das atividades de processamento alimentar por grandes conglomerados industriais a agroindústria rural continua revelando uma notória capacidade de resiliência.

Assim, diferente do que se preconizava no auge da modernização da agricultura, a atividade está longe de ser um resquício, pelo contrário, trata-se de uma expressão absolutamente contemporânea de emergência de novas trajetórias de desenvolvimento no mundo rural”, registra o trabalho Agroindústria Rural no Brasil.

Outra citação: “a agricultura familiar responde pela maior parcela de valores agregados a produção associados à transformação dos alimentos. É responsável por 78,40% da agregação de valor, enquanto a agricultura não familiar abarca uma percentagem de 21,60%”. O Nordeste aparece em primeiro lugar com 43% dos valores agregados aos alimentos, seguido pelo Sudeste com 24%, o Norte com 21%, O Sul com 8% e o Centro-Oeste com 4%. Os pesquisadores ressaltaram que os dados não computaram as vendas para os programas PAA e PNAE, sem contar o crescimento das feiras de vendas diretas em todo o país.

Se a Monsanto se instalou no semiárido, região onde a ASA desenvolve o trabalho mais eficiente que existe neste país de organização de agricultores e agricultoras familiares, com a implantação de tecnologias de convivência com as agruras da seca, os próprios sertanejos tratam de dar o troco. No dia 18 de julho começa no município de Pedro II, no Piauí, o I Festival das Sementes da Fartura, como eles denominam as sementes crioulas. Na Paraíba são as sementes da paixão, onde já funcionam 225 bancos de sementes. A ASA tem registro de mais de mil práticas de uso e troca das sementes crioulas, envolvendo quase 20 mil famílias. No Piauí participarão 800 agricultores e agricultoras. Também não tem feira agroecológica ou livre nesse Brasil afora que eles não troquem semente. Enquanto as corporações despejam bilhões de dólares em marketing, para vender um mundo de facilidades inúteis e prejudicais à saúde da população e ao ambiente do Planeta, os sertanejos e outros brasileiros espalham o seu conhecimento e suas práticas no silêncio.

Os BRICS e o embrião de um “mundo não americano”

Do Voz da Rússia

BRICS – embrião “de um mundo não americano”?

No Brasil, Fortaleza, decorreu a cúpula dos BRICS, durante a qual foi criado o Banco de Desenvolvimento e Arranjo Contingente de Reservas, chamando assim a atenção do mundo para o próprio projeto de desenvolvimento BRICS, bem como para o papel da China e da Rússia nesta organização. Poderá falar-se da criação do embrião “de um mundo não americano”?

Como são encaradas as possibilidades futuras dos BRICS por parte de Pequim e Moscou? Terão os BRICS novos membro, e será que, num futuro próximo, o projeto se tornará oficialmente numa Organização Internacional? Estas questões são estudadas no artigo do vice-diretor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Academia de Ciências da Rússia, Serguei Luzyanin.

VR: Foi referida a criação do embrião “de um mundo não americano”. Porque é que os BRICS não gostam da América?

Serguei Luzyanin: A cúpula brasileira que agora terminou, ficou para a história enquanto o mais fértil encontro do “quinteto” – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A sua fertilidade não ficou apenas patente na criação de instrumentos financeiros – o Banco de Desenvolvimento e Arranjo Contingente de Reservas – mas, sobretudo, no nível de empenho dos líderes dos BRICS – no auge da Guerra Fria 2.0, quando os americanos tentam esmagar qualquer um que age à revelia das “recomendações” de Washington – em criarem o seu embrião “de um mundo não americano”.

No futuro, outros projetos poderão estar ligados ao desenvolvimento dos BRICS (Organização de Cooperação de Xangai, RIC). O importante é que, de fato, existe a concepção “de um mundo não americano” que se desenvolve ativamente e se enche de conteúdo concreto. Os BRICS parece que se estão a tornar no epicentro deste novo fenômeno. Não é preciso ser um político habilidoso para sentir que os povos e as civilizações dos países em vias de desenvolvimento estão cansados de “padrões norte-americanos” impostos. Aliás, padrões para tudo, economia, ideologia, forma de pensar, os “valores” propostos, vida interna e externa, etc.

O mundo inteiro viu nos seus ecrãs de televisão o aperto-de-mão dos cinco líderes dos BRICS, ao qual, passado uns dias, se juntou praticamente toda a América Latina. É discutível se, neste impulso comum, existiu uma maior dose de contas pragmáticas ou de solidariedade emocional, mas, uma coisa é certa, nele não houve qualquer amor por América. E isso ainda é uma forma polida de colocar as coisas.

VR: E quanto à adesão da Argentina, quem, no Sul, irá “apoiar” os EUA?

SL: Para a Índia os BRICS são uma oportunidade de reforço na Ásia Austral e de desenvolvimento econômico fora da alçada da Ocidente. A motivação regional é conjugada com expectativas financeiras e tecnológicas que unem a África do Sul e o Brasil.

No futuro, o “segmento” latino-americano poderá ser reforçado. Muitos peritos esperam que o “quinteto” seja alargado através da adesão da Argentina ao projeto. Ultimamente tem existido um desenvolvimento fulgurante das relações bilaterais da Rússia e da República Popular da China com países da América Latina, em sectores como o tecnológico-militar, comercial, de investimento e energético. Neste quadro, as visitas em Julho de Vladimir Putin e de Xi Jinping marcaram o tendencial círculo de potenciais aliados dos BRICS, nomeadamente Cuba, Venezuela, Nicarágua, Argentina, entre outros. Como é sabido, geograficamente, a America Latina “apoia”, a partir do Sul, os EUA. O reforço dos BRICS, nessa zona sensível para os americanos, é um trunfo adicional para o mundo em vias de desenvolvimento.

VR: Relativamente à “descoberta” muçulmana dos BRICS. Como será a institucionalização?

SL: Também se estuda o alargamento dos BRICS no sentido do Islão, onde também existe descontentamento face ao domínio americano. Espera-se que, após a entrada da Argentina, a fila de adesão aos BRICS seja engrossada pelo maior, em termos de população, país muçulmano do mundo (cerca de 250 milhões), ou seja, a Indonésia. Ela, seja pela sua ideologia, seja pela ambições, nasceu para aderir ao projeto e assim fechar a região do Sudeste Asiático. O novo governo indonésio confirma a sua intenção de desenvolver o relacionamento com os BRICS.

A entrada da Indonésia encerrará a “corrente regional” que englobará as principais regiões do mundo. Além disso, cada um dos países dos BRICS irá representar a “sua” região, tornando-se no seu líder informal. Brasil a América Latina, RAS a África, Rússia a Eurásia, China o Nordeste da Ásia, Indonésia o sudeste asiático.

Os futuros cenários de desenvolvimento do projeto poderão ser diversos. Mas um deles já é atualmente equacionado e de forma bastante concreta. Num futuro próximo, os líderes dos BRICS deverão trabalhar no sentido da institucionalização do projeto, nomeadamente através da criação de um fórum de membros permanentes (atualmente são cinco Estados), e um fórum de observadores e de parceiros de diálogo.

VR: Irão os EUA dialogar?

SL: É possível que, com tempo, os EUA sejam obrigados a dialogar com os BRICS. Porém, não parece ser algo que venha a ter lugar num futuro próximo. Hoje o projeto está em ascensão. Ele combina, organicamente, as vantagens de diversas civilizações, economias e culturas políticas. Aqui não existem imposições nem domínios de um só país.

É claro que existem incongruências, algumas “divergências e visões diferentes quanto à concretização de alguns projetos internacionais. Mas não são diferendos estratégicos. Trata-se de questões objectivas, que surgem, normalmente, nas relações internacionais do mundo político. Os BRICS acabam por ser o reflexo bastante preciso do nosso mundo multifacetado e bastante complexo.