Arquivo da categoria: Política

Bandeiras de Camilo e Eunício disputam o mesmo espaço nas ruas de Fortaleza

São inúmeras as bandeiras dos candidatos Camilo Santana e Eunício Oliveira nas ruas de Fortaleza, ao ponto de disputarem o mesmo local – FOTO: FABIANE DE PAULA

Os dois candidatos ao Governo do Estado que lideram as pesquisas estão intensificando suas campanhas nas ruas, após montada toda a estrutura para os trabalhos das coordenações. Desde as duas últimas semanas, bandeiras de Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB) já são vistas nos principais cruzamentos da cidade.

Na manhã de ontem, bandeiras amarelas e verdes dos dois candidatos dividiam o mesmo espaço no cruzamento das Avenidas Alberto Nepomuceno com Pessoa Anta, em frente ao prédio da Secretaria da Fazenda.

De acordo com Pedro Henrique, coordenador da equipe de 40 pessoas que segurava as bandeiras da campanha de Camilo Santana naquele cruzamento, são todos militantes e trabalham, por enquanto, oito horas por dia – sendo que, em breve, o turno será apenas de quatro horas com revezamento. O coordenador apontou ainda que os ‘bandeiraços’ estão se concentrando na Capital e, nos próximos dias, deverão ser levados para a Região Metropolitana.

Os coordenadores de ambas as equipes, em momentos diferentes, afirmaram que o encontro de seus trabalhadores no mesmo espaço foi uma coincidência. A reportagem do Diário do Nordeste ainda registrou a realização de ‘bandeiraço’ do candidato petista no cruzamento da Avenida Barão de Studart com a Avenida da Abolição, onde outra equipe da campanha de Camilo dividia o espaço com bandeiras de outros candidatos. No caso, o cruzamento também estava tomado pelas bandeiras da candidata a deputada federal Luizianne Lins (PT) e do candidato a estadual Antônio Carlos (PT).

Segundo a coordenadora daquela equipe com as bandeiras de Camilo, que se identificou apenas como Zulene, as bandeiras dos candidatos proporcionais chegaram após as do candidato ao Governo e não teria sido combinado previamente.

Já nas proximidades do Mercado Central, da Catedral e em praticamente todos os cruzamentos da região do Centro, a predominância era de bandeiras verdes da campanha de Eunício Oliveira. Pelo menos duas pessoas com bandeiras permaneciam nos diversos cruzamentos e dezenas se concentravam na Praça do Ferreira.

De acordo com um dos coordenadores de equipe da campanha de Eunício, Jefferson Rocha, todos os trabalhadores são militantes do partido e trabalham voluntariamente, tendo apenas ajuda de custo para o transporte e para a alimentação deles. Ele afirmou ainda que há duas equipes de até 40 pessoas para cada coordenador, uma para o turno da manhã outra pela tarde, e que os voluntários trabalham até seis horas.

Deferidas

As candidaturas de, praticamente, todos os postulantes a cargo majoritário no Ceará já foram deferidas pela Justiça Eleitoral. O candidato do PSOL ao Governo do Estado, Ailton Lopes, foi o primeiro que teve acatada a sua candidatura, seguido de seus concorrentes Camilo Santana (PT) e Eunício Oliveira (PMDB). Somente Eliane Novais, do PSB, ainda aguarda deferimento.

Nas candidaturas para o Senado Federal, apenas a da candidata Geovana Cartaxo, do PSB, ainda aguarda julgamento. Mauro Filho (PROS), Raquel Dias (PSTU) e Tasso Jereissati (PSDB) tiveram suas candidaturas deferidas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

(Diário do Nordeste)

TCE-CE identifica irregularidades na locação de aeronaves pelo Governo Cid Gomes

A maioria do Pleno do Tribunal de Contas do Estado do Ceará (TCE-CE) decidiu, em sessão realizada terça-feira (29), que a Casa Civil do Governo do Ceará não poderá firmar convênio com a empresa Easy Taxi Aéreo LTDA para locação de aeronaves. O processo nº 05870/2011-3 refere-se à denúncia sobre possíveis irregularidades ocorridas nos contratos nº 011/2007 e 067/2010 – e seus respectivos aditivos – com o objetivo de locar aeronaves para utilização no âmbito das administrações estaduais direta e indireta pelo critério quilômetro voado.

O secretário chefe da Casa Civil, Arialdo de Mello Pinho, foi multado no valor de R$12 mil, em virtude da grave infração à Lei das Licitações (Lei nº 8.666/93), ao promover prorrogações contratuais sem a devida comprovação da vantajosidade para a Administração Pública. Foi fixado um prazo de 30 dias para a comprovação do recolhimento do valor. No caso de não recolhimento, e ocorrendo o trânsito em julgado da matéria, ficam autorizadas a cobrança judicial da dívida, através da Procuradoria-Geral do Estado do Ceará, e a inscrição do nome do responsável no Cadastro de Inadimplência da Fazenda Estadual (Cadine) e na lista de inadimplentes deste Tribunal.

O TCE-CE também determinou ao Secretário Chefe da Casa Civil que, ao motivar a prorrogação de vigência de seus contratos administrativos, demonstre, em cada caso concreto, o caráter contínuo do serviço do contrato a ser prorrogado, bem como comprove a vantajosidade do ato mediante ampla pesquisa de preços no mercado e a apresentação de no mínimo três orçamentos, em obediência ao disposto no inciso II do art. 57 da Lei 8.666/93.

A maioria do colegiado da Corte de Contas, baseado no certificado técnico da 7ª Inspetoria de Controle Externo (7ª ICE) e no parecer do Ministério Público junto ao TCE-CE, entendeu que os esclarecimentos prestados pelo gestor responsável pelo contrato não foram suficientes para apuração da economicidade contratual.

A Casa Civil deverá registrar e divulgar informações mais detalhadas relativas a cada solicitação de uso dos serviços de fretamento de aeronaves, tais como quem o solicitou, em que data, por qual motivo, qual o trajeto a ser percorrido, qual o custo de cada viagem, a quantidade de vezes que o serviço foi requerido, quantos quilômetros foram percorridos em cada voo e outras, a fim de que se promova um controle mais eficaz desses gastos, em atenção aos princípios da transparência, economicidade e eficiência.

De acordo com a decisão da Corte de Contas, somente poderá ser prorrogado o Contrato nº 182/2012, previsto para se encerrar em 21/08/2014, se forem atendidas cabalmente todas as exigências determinadas pelo Tribunal.

* Com informações do TCE/Ceará

Via http://www.cearanews7.com.br/ver-noticia.asp?cod=18927

Fortaleza ganhará sistema de bicicletas compartilhadas em setembro

FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA

A partir do mês de setembro, a Prefeitura de Fortaleza dará início à implantação do sistema de bicicletas compartilhadas. Através dele, qualquer pessoa poderá retirar uma bicicleta em uma estação e devolvê-la em outra, de maneira gratuita, utilizando apenas o Bilhete Único. O projeto é resultado de articulação entre a Secretaria Municipal de Conservação e Serviços Públicos (SCSP) com ciclistas e a sociedade civil organizada.

No momento, a SCSP prepara edital público para a escolha da empresa que implantará o sistema em Fortaleza. O projeto prevê a instalação de 40 a 60 estações na cidade, com aproximadamente 600 bicicletas, usando a integração com o Bilhete Único para garantir a gratuidade do transporte. A primeira hora de uso será gratuita e, a cada hora excedente, será cobrada uma taxa de R$5,00 para manutenção do sistema.

Durante reunião com apoiadores nesta terça (29), o vereador Evaldo Lima (PCdoB), defensor da bicicleta como meio de transporte sustentável na Câmara Municipal, destacou a importância da iniciativa. “O transporte cicloviário, para além de uma atividade de lazer, é modal de transporte e deve ser integrado ao circuito de mobilidade urbana, permitindo alternativas de deslocamento mais saudáveis para as pessoas e menos agressivas para a cidade”, afirmou.

Fonte: Assessoria do Professor Evaldo Lima

 

Fortaleza gera 5.876 toneladas de lixo por dia

Levantamento do Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam) mostra que Fortaleza é o município cearense que mais gera resíduos sólidos: 5.876,69 toneladas/dia. Desde 1997, o lixo da Capital é descartado no Aterro Sanitário Metropolitano Oeste de Caucaia.

“Os materiais recicláveis coletados em ações de educação ambiental e pela coleta seletiva da Prefeitura são encaminhados para Rede de Catadores. São 14 associações de catadores na cidade, com aproximadamente 350 catadores”, informa Águeda Muniz, titular da Secretaria Municipal do Urbanismo e Meio Ambiente (Seuma).

É um começo, em um longo caminho de mão dupla. As responsabilidades de produção e descarte do lixo envolvem o poder público e cada cidadão. “A conscientização ambiental quanto à segregação dos resíduos, objetivando uma eficiente coleta seletiva e a potencialização da logística reversa”, aponta Águeda, os desafios cotidianos.

Interior

Já no Interior, “98%, 99% do Estado não conseguiu avançar na Política (de Resíduos Sólidos)”, diz José Eraldo Oliveira Costa, superintendente da Autarquia Municipal do Meio Ambiente de Juazeiro do Norte. “Os municípios não têm condição de fazer os aterros e de operacionalizar. Essa é a grande questão”, argumenta. 

Na edição de ontem, O POVO mostrou que o prazo para o fechamento dos lixões no Brasil, fixado em lei federal, termina em agosto próximo, mas ainda há mais de 280 lixões somente no Ceará.

Juazeiro, na região do Cariri, é o terceiro maior produtor de lixo do Ceará, revela o levantamento do Conpam. Eraldo Costa afirma que o município está criando uma gerência de resíduos sólidos e tem organizado cooperativas de catadores e “dado algum suporte, ainda que irrisório: um caminhão, treinamento”. Mas que as cidades não podem pagar a conta da infraestrutura e manutenção de um aterro sanitário. “A proposta do governo é que seja um aterro sanitário consorciado. O problema é que não foi discutido como seria esse consórcio”, critica.

Por e-mail, a assessoria de imprensa da Secretaria das Cidades responde que “de acordo com a Política Nacional de Resíduos Sólidos toda responsabilidade é do ente municipal. Contudo, o Governo do Estado tem se dedicado a essa questão no papel de articulador das prefeituras para que se formem consórcios municipais para gestão dos aterros”.

“Os consórcios (reunindo prefeituras) desenvolvidos com o apoio da Secretaria das Cidades, podemos considerar como avanços. Encontra-se em fase de elaboração o Plano Estadual de Resíduos Sólidos”, assinala Maria Dias Cavalcante, do Conpam. Mas falta a prática correta da lei, a gestão eficiente. “Contamos somente com seis municípios com aterros sanitários, entretanto, ainda mandam para o aterro todo tipo de resíduos, inclusive, os que poderiam estar sendo fonte de renda para muitas famílias”, contrapõe. 

Saiba mais

Os dez municípios que mais geram resíduos sólidos no Ceará

1) Fortaleza – 5.876,69 toneladas/dias

2) Caucaia – 1.032,03 toneladas/dia

3) Juazeiro do Norte – 926,59 toneladas/dia

4) Maracanaú – 379,99 toneladas/dia

5) Crato – 238,28 toneladas/dia

6) Quixeré – 206,05 toneladas/dia

7) Iguatu – 183,34 toneladas/dia

8) Maranguape – 158,44 toneladas/dia

9) Quixadá – 145,84 toneladas/dia

10) Pacatuba – 128,21 toneladas/dia

FONTE: Conselho de Políticas e Gestão do Meio Ambiente (Conpam)

(Ana Mary C. Cavalcante, O Povo)

Enquanto 52 açudes estão em estado crítico, políticos cearenses só pensam em eleição

Enquanto as autoridades do Executivo se empenham nas campanhas políticas, a presidente Dilma em busca da reeleição, Cid Gomes e Roberto Cláudio como cabos eleitorais de seu candidato ao governo estadual, os efeitos da seca no Ceará ameaçam até mesmo o abastecimento para consumo da população. Sem água, os impactos na economia também são consideráveis.

Emergência silenciosa
Nos 149 açudes monitorados pela Companhia de Gestão de Recursos Hídricos do Estado, 105 estão com volume abaixo dos 30%. Das 189 cidades cearenses, nada menos do que 176 estão em situação de emergência por causa da seca. Muitos prefeitos temem uma situação de colapso total no final do ano, logo após as eleições. Como não é antes das eleições, as autoridades posam como se tudo estive sob o mais absoluto controle. Qual deles fala em racionamento? Ou pede desculpas pelo atraso obsceno nas obras de transposição do rio São Francisco? Pois é, nenhum. Falam todos de abundância, de distribuição de cisternas e de adutoras feitas às pressas (um risco do ponto de vista orçamentário). Por enquanto os carros-pipa resolvem, mas já está na hora de perguntar: de onde eles irão tirar água daqui a alguns meses?

Gavião cheio, Castanhão secando…
Em Fortaleza, tudo parece em perfeita ordem, com o açude Gavião, em Pacatuba, registrando 93,28% de volume d’água. Fica a impressão de que, por algum motivo mágico, chove apenas nesse lugar, que mesmo abastecendo a 5ª maior capital do Brasil durante a maior seca dos últimos 50 anos, continua cheio, quase no máximo, enquanto o resto seca. A verdade, no entanto, é que o Gavião é abastecido pelo Castanhão, que fica em Alto Santo, e que está, vejam a situação, com apenas 36,17% de sua capacidade. É muita água ainda, pois é o maior açude do Estado, mas seu nível baixa com regularidade preocupante. Isso nenhum técnico da Secretaria de Recursos Hídricos vai admitir, pelo menos até o dia 5 de outubro.

Abaixo de 10%
Abaixo, segue a lista que fiz com os açudes que apresentam capacidade abaixo de 10%, de acordo com o boletim de hoje, dia 29 de julho, divulgado pela Funceme. São 52, pouco mais de um terço das reservas hídricas do Ceará. Muitos deles bem abaixo desse percentual.  Cidades como Tauá e Canindé, entre outras, estão em situação de calamidade, enquanto nossas autoridades pedem o voto de suas populações. Confira:

Região do Acaraú
BONITO (Ipú) – 3.27%
CARÃO (Tamboril) – 7.55%
CARMINA (Catunda) – 2.1%
FARIAS DE SOUSA (Nova Russas) – 1.27%

Região do Alto Jaguaribe
BRÔCO (Tauá) – 1.94%
FAÉ (Quixelô) – 2.55%
FAVELAS (Tauá) – 8.09%
FORQUILHA II (Tauá) – 0%
MAMOEIRO (Antonina do Norte) – 9.26%
PARAMBU (Parambu) – 1.76%
POÇO DA PEDRA (Campos Sales) – 8.09%
TRICI (Tauá) – 0,66%
VÁRZEA DO BOI (Tauá) 0,48%

Região do Baixo Jaguaribe
S. ANT. DE RUSSAS (Russas) – 7.38%

Região do Banabuiú
CEDRO (Quixadá) – 4.96%
FOGAREIRO (Quixeramobim) – 9.08%
PIRABIBU (Quixeramobim) – 4.54%
SÃO JOSÉ I (Boa Viagem) – 5.55%
UMARI (Madalena) – 3.07%

(Wanderley Filho, Tribuna do Ceará)

Onde estão os políticos negros no Brasil?

Marcos Sacramento, DCM

A ausência de negros em cargos políticos e de destaque no Brasil chamou a atenção da filósofa e ativista norte-americana Angela Davis. Nascida no Alabama, Davis foi professora da Universidade da Califórnia e teve ligações com o grupo Panteras Negras, sendo presa por causa disso no início dos anos 70. Uma das principais lideranças femininas na luta pelo direito dos negros nos Estados Unidos, foi homenageada em músicas de John & Yoko (“Angela”) e dos Rolling Stones (“Sweet Black Angel”).

Ela foi um dos destaques do Festival Latinidades 2014: Griôs da Diáspora Negra, em Brasília. Na sua conferência, disse que ficou impressionada com a pouca presença de negros e pardos na política nacional. “Quantos senadores negros há no Brasil? Se olharmos para o Senado não saberíamos que os negros constituem mais de 50% da população brasileira”, questionou.

LEIA TAMBÉM: Angela Davis: Racismo de hoje é muito mais perigoso

“Não posso falar com autoridade no Brasil, mas às vezes não é preciso ser especialista para perceber que alguma coisa está errada em um país cuja maioria é negra e a representação é majoritariamente branca”, disse.

Ela criticou, inclusive, a participação irrisória dos negros nos meios de comunicação. “Sempre assisto TV no Brasil para ver como o país se representa e a TV brasileira nunca permitiu que se pensasse que a população é majoritariamente negra”.

O comentário da intelectual e a matéria do The Guardian que destacou a ausência de negros nos estádios durante os jogos da última Copa ilustram o racismo estruturado na sociedade brasileira.

Em um país onde 50,7% da população é negra ou parda, de acordo com o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), menos de 10% dos parlamentares federais são desses grupos, como mostra um estudo da Transparência Brasil.

Número que contribui para as estatísticas cruéis contra os negros e explicita a necessidade de implantação de cotas para reduzir as discrepâncias raciais. A probabilidade de um negro ou pardo ser vítima de homicídio, por exemplo, é quase oito pontos percentuais a mais do que a da população branca.

Angela Davis, contudo, não acha suficiente que os negros ocupem o poder. É preciso que tomem atitudes para realmente pôr fim ao preconceito. “Não significa somente trazer pessoas negras para a esfera do poder, mas garantir que essas pessoas vão romper com os espaços de poder e não simplesmente se encaixar nesses espaços”.

A crítica faz referência a Barack Obama, mas pode ser aplicada ao presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa. Questionado por jornalistas sobre a possibilidade de implantação de cotas no Judiciário, ele disse: “Não sei e estou de saída. Es ist mir ganz egal (em alemão,’para mim tanto faz’). Não estou nem aí”.

Segundo o Censo do Poder Judiciário divulgado mês passado pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ), 1,4% dos magistrados brasileiros se autodeclaram pretos. Percentual hediondo, pequeno demais para “não estar nem aí”.

“Aeroporto de Aécio é só a ponta do iceberg”

O ministro da Secretaria Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, afirmou nesta segunda-feira, 28, que as declarações do presidenciável tucano Aécio Neves sobre o caso do aeroporto em Cláudio (MG), construído quando Aécio era governador de Minas em terreno de seus familiares, não são suficientes e disse ainda que o tucano ainda terá problemas para explicar “outras coisas”.

“Absolutamente não está explicado [o caso do aeroporto]. E vai ser muito difícil explicar essas e outras coisas que aconteceram em Minas Gerais nos últimos tempos. Pelo que conheço da minha relação com companheiros de Minas Gerais, o governador [Aécio] vai ter dificuldade de explicar muitas coisas. O aeroporto é apenas a ponta do iceberg de um tipo de prática que marcou aquele governo”, disparou Carvalho. “A barreira de proteção ao governo [Aécio Neves] foi tão grande que a população do país não conhece o que se passou em Minas Gerais efetivamente”, disse o ministro ao jornal O Globo.

As declarações duras do secretário da Presidência da República reacendem a discussão em torno da polêmica obra. Justamente no momento em que a cúpula da campanha de Aécio Neves não esconde sua preocupação com a repercussão que o assunto tomou. A constatação reservada no PSDB é que, independente da legalidade da obra, o episódio deixou Aécio na berlinda e abriu um flanco na candidatura tucana, que passou a ser bem explorado pela campanha de Dilma Rousseff.

Ao jornalista Gerson Camarotti, um parlamentar do PSDB chegou a alertar que o próprio Aécio terá que responder, em debate com Dilma, quantas vezes desceu de jatinho no aeroporto de Cláudio. “O problema é que o episódio do aeroporto pode tirar o PSDB do ataque, colocando a candidatura de Aécio na defensiva. Temos que sair dessa armadilha“, afirmou o tucano.

O coordenador jurídico da campanha de Aécio Neves, o deputado federal Carlos Sampaio (PSDB-SP), informou que o partido irá acionar Gilberto Carvalho, por ato de improbidade.

“É nefasto que um ministro, em horário de expediente, use esse esse tempo para fazer campanha eleitoral para a presidente Dilma Rousseff. Gilberto Carvalho tem um iceberg inteiro à mostra e contra si, que é a morte de Celso Daniel (ex-prefeito de Santo André e que era do PT)”, acusou Sampaio.

Seja como for, a campanha eleitoral pegou fogo nesta segunda-feira.

(Brasil247)

Pouca Palestina resta, pouco a pouco, Israel está apagando-a do mapa

Por Eduardo Galeano – de Montevidéu

As vítimas civis chamam-se danos colaterais, segundo o dicionário de outras guerras imperiais

Desde 1948, os palestinos vivem condenados à humilhação perpétua. Não podem sequer respirar sem autorização. Têm perdido a sua pátria e as suas terras. Para justificar-se, o terrorismo de Estado fabrica terroristas: semeia ódio e colhe álibis. Tudo indica que esta carnificina de Gaza, que segundo os seus autores quer acabar com os terroristas, conseguirá multiplicá-los.

Desde 1948, os palestinos vivem condenados à humilhação perpétua. Não podem nem sequer respirar sem autorização. Têm perdido a sua pátria, as suas terras, a sua água, a sua liberdade, tudo. Nem sequer têm direito a eleger os seus governantes. Quando votam em quem não devem votar, são castigados. Gaza está sendo castigada. Converteu-se numa ratoeira sem saída, desde que o Hamas ganhou legitimamente as eleições em 2006. Algo parecido tinha ocorrido em 1932, quando o Partido Comunista triunfou nas eleições de El Salvador.

Banhados em sangue, os habitantes de El Salvador expiaram a sua má conduta e desde então viveram submetidos a ditaduras militares. A democracia é um luxo que nem todos merecem. São filhos da impotência os rockets caseiros que os militantes do Hamas, encurralados em Gaza, disparam com desleixada pontaria sobre as terras que tinham sido palestinas e que a ocupação israelense usurpou. E o desespero, à orla da loucura suicida, é a mãe das ameaças que negam o direito à existência de Israel, gritos sem nenhuma eficácia, enquanto a muito eficaz guerra de extermínio está a negar, desde há muitos anos, o direito à existência da Palestina. Já poucaPalestina resta. Pouco a pouco, Israel está a apagá-la do mapa.

Os colonos invadem, e, depois deles, os soldados vão corrigindo a fronteira. As balas sacralizam o despojo, em legítima defesa. Não há guerra agressiva que não diga ser guerra defensiva. Hitler invadiu a Polônia para evitar que a Polônia invadisse a Alemanha. Bush invadiu o Iraque para evitar que o Iraque invadisse o mundo. Em cada uma das suas guerras defensivas, Israel engoliu outro pedaço da Palestina, e os almoços continuam. O repasto justifica-se pelos títulos de propriedade que a Bíblia outorgou, pelos dois mil anos de perseguição que o povo judeu sofreu, e pelo pânico que geram os palestinos à espreita. Israel é o país que jamais cumpre as recomendações nem as resoluções das Nações Unidas, o que nunca acata as sentenças dos tribunais internacionais, o que escarnece das leis internacionais, e é também o único país que tem legalizado a tortura de prisioneiros.

Quem lhe presenteou o direito de negar todos os direitos? De onde vem a impunidade com que Israel está a executar a matança em Gaza? O governo espanhol não pôde bombardear impunemente o País Basco para acabar com a ETA, nem o governo britânico pôde arrasar Irlanda para liquidar a IRA. Talvez a tragédia do Holocausto implique uma apólice de eterna impunidade? Ou essa luz verde vem da potência ‘manda chuva’ que tem em Israel o mais incondicional dos seus vassalos? O exército israelense, o mais moderno e sofisticado do mundo, sabe quem mata. Não mata por erro. Mata por horror. As vítimas civis chamam-se danos colaterais, segundo o dicionário de outras guerras imperiais.

Em Gaza, de cada dez danos colaterais, três são meninos. E somam milhares os mutilados, vítimas da tecnologia do esquartejamento humano, que a indústria militar está a ensaiar com êxito nesta operação de limpeza étnica. E como sempre, sempre o mesmo: em Gaza, cem a um. Por cada cem palestinos mortos, um israelita. Gente perigosa, adverte o outro bombardeamento, a cargo dos meios massivos de manipulação, que nos convidam a achar que uma vida israelense vale tanto como cem vidas palestinianas. E esses meios também nos convidam a achar que são humanitárias as duzentas bombas atômicas de Israel, e que uma potência nuclear chamada Irã foi a que aniquilou Hiroshima e Nagasaki.

A chamada comunidade internacional, existe? É algo mais que um clube de mercadores, banqueiros e guerreiros? É algo mais que o nome artístico que os Estados Unidos assumem quando fazem teatro? Ante a tragédia de Gaza, a hipocrisia mundial destaca-se uma vez mais. Como sempre, a indiferença, os discursos vazios, as declarações ocas, as declamações altissonantes, as posturas ambíguas, rendem tributo à sagrada impunidade. Ante a tragédia de Gaza, os países árabes lavam as mãos. Como sempre. E como sempre, os países europeus esfregam as mãos.

A velha Europa, tão capaz de beleza e de perversidade, derrama uma ou outra lágrima enquanto secretamente celebra esta jogada de mestre. Porque a caça aos judeus foi sempre um costume europeu, mas desde há meio século essa dívida histórica está a ser cobrada dos palestinos, que também são semitas e que nunca foram, nem são, antissemitas. Eles estão a pagar, em sangue, na pele, uma conta alheia.

Eduardo Galeano, é escritor e jornalista uruguaio.

Os BRICS e o embrião de um “mundo não americano”

Do Voz da Rússia

BRICS – embrião “de um mundo não americano”?

No Brasil, Fortaleza, decorreu a cúpula dos BRICS, durante a qual foi criado o Banco de Desenvolvimento e Arranjo Contingente de Reservas, chamando assim a atenção do mundo para o próprio projeto de desenvolvimento BRICS, bem como para o papel da China e da Rússia nesta organização. Poderá falar-se da criação do embrião “de um mundo não americano”?

Como são encaradas as possibilidades futuras dos BRICS por parte de Pequim e Moscou? Terão os BRICS novos membro, e será que, num futuro próximo, o projeto se tornará oficialmente numa Organização Internacional? Estas questões são estudadas no artigo do vice-diretor do Instituto de Estudos do Extremo Oriente da Academia de Ciências da Rússia, Serguei Luzyanin.

VR: Foi referida a criação do embrião “de um mundo não americano”. Porque é que os BRICS não gostam da América?

Serguei Luzyanin: A cúpula brasileira que agora terminou, ficou para a história enquanto o mais fértil encontro do “quinteto” – Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. A sua fertilidade não ficou apenas patente na criação de instrumentos financeiros – o Banco de Desenvolvimento e Arranjo Contingente de Reservas – mas, sobretudo, no nível de empenho dos líderes dos BRICS – no auge da Guerra Fria 2.0, quando os americanos tentam esmagar qualquer um que age à revelia das “recomendações” de Washington – em criarem o seu embrião “de um mundo não americano”.

No futuro, outros projetos poderão estar ligados ao desenvolvimento dos BRICS (Organização de Cooperação de Xangai, RIC). O importante é que, de fato, existe a concepção “de um mundo não americano” que se desenvolve ativamente e se enche de conteúdo concreto. Os BRICS parece que se estão a tornar no epicentro deste novo fenômeno. Não é preciso ser um político habilidoso para sentir que os povos e as civilizações dos países em vias de desenvolvimento estão cansados de “padrões norte-americanos” impostos. Aliás, padrões para tudo, economia, ideologia, forma de pensar, os “valores” propostos, vida interna e externa, etc.

O mundo inteiro viu nos seus ecrãs de televisão o aperto-de-mão dos cinco líderes dos BRICS, ao qual, passado uns dias, se juntou praticamente toda a América Latina. É discutível se, neste impulso comum, existiu uma maior dose de contas pragmáticas ou de solidariedade emocional, mas, uma coisa é certa, nele não houve qualquer amor por América. E isso ainda é uma forma polida de colocar as coisas.

VR: E quanto à adesão da Argentina, quem, no Sul, irá “apoiar” os EUA?

SL: Para a Índia os BRICS são uma oportunidade de reforço na Ásia Austral e de desenvolvimento econômico fora da alçada da Ocidente. A motivação regional é conjugada com expectativas financeiras e tecnológicas que unem a África do Sul e o Brasil.

No futuro, o “segmento” latino-americano poderá ser reforçado. Muitos peritos esperam que o “quinteto” seja alargado através da adesão da Argentina ao projeto. Ultimamente tem existido um desenvolvimento fulgurante das relações bilaterais da Rússia e da República Popular da China com países da América Latina, em sectores como o tecnológico-militar, comercial, de investimento e energético. Neste quadro, as visitas em Julho de Vladimir Putin e de Xi Jinping marcaram o tendencial círculo de potenciais aliados dos BRICS, nomeadamente Cuba, Venezuela, Nicarágua, Argentina, entre outros. Como é sabido, geograficamente, a America Latina “apoia”, a partir do Sul, os EUA. O reforço dos BRICS, nessa zona sensível para os americanos, é um trunfo adicional para o mundo em vias de desenvolvimento.

VR: Relativamente à “descoberta” muçulmana dos BRICS. Como será a institucionalização?

SL: Também se estuda o alargamento dos BRICS no sentido do Islão, onde também existe descontentamento face ao domínio americano. Espera-se que, após a entrada da Argentina, a fila de adesão aos BRICS seja engrossada pelo maior, em termos de população, país muçulmano do mundo (cerca de 250 milhões), ou seja, a Indonésia. Ela, seja pela sua ideologia, seja pela ambições, nasceu para aderir ao projeto e assim fechar a região do Sudeste Asiático. O novo governo indonésio confirma a sua intenção de desenvolver o relacionamento com os BRICS.

A entrada da Indonésia encerrará a “corrente regional” que englobará as principais regiões do mundo. Além disso, cada um dos países dos BRICS irá representar a “sua” região, tornando-se no seu líder informal. Brasil a América Latina, RAS a África, Rússia a Eurásia, China o Nordeste da Ásia, Indonésia o sudeste asiático.

Os futuros cenários de desenvolvimento do projeto poderão ser diversos. Mas um deles já é atualmente equacionado e de forma bastante concreta. Num futuro próximo, os líderes dos BRICS deverão trabalhar no sentido da institucionalização do projeto, nomeadamente através da criação de um fórum de membros permanentes (atualmente são cinco Estados), e um fórum de observadores e de parceiros de diálogo.

VR: Irão os EUA dialogar?

SL: É possível que, com tempo, os EUA sejam obrigados a dialogar com os BRICS. Porém, não parece ser algo que venha a ter lugar num futuro próximo. Hoje o projeto está em ascensão. Ele combina, organicamente, as vantagens de diversas civilizações, economias e culturas políticas. Aqui não existem imposições nem domínios de um só país.

É claro que existem incongruências, algumas “divergências e visões diferentes quanto à concretização de alguns projetos internacionais. Mas não são diferendos estratégicos. Trata-se de questões objectivas, que surgem, normalmente, nas relações internacionais do mundo político. Os BRICS acabam por ser o reflexo bastante preciso do nosso mundo multifacetado e bastante complexo.

Rodrigo Janot é a favor do enquadramento da homofobia como crime de racismo

Da Agência Brasil

Procurador-geral é a favor da criminalização da homofobia

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, enviou ao Supremo Tribunal Federal (STF) parecer a favor da criminalização da homofobia. Janot sugere ao Supremo que a punição por atos contra homossexuais seja aplicada pela Justiça nos termos da Lei 7.716/1989 (Lei de Racismo), que estabelece o tempo de prisão para crimes resultantes de preconceito de raça, etnia e religião.

Segundo Janot, a homofobia deve ser tratada como crime de racismo até que o Congresso Nacional aprove uma lei específica para disciplinar as punições. “Razões de equivalência constitucional, ancoradas no princípio de igualdade, impõem a criminalização da discriminação e do preconceito contra cidadãos e cidadãs lésbicas, gays, bissexuais, travestis e transexuais, pois a repressão penal da discriminação e do preconceito de raça, cor, etnia, religião ou precedência nacional já é prevista pela legislação criminal brasileira e não há justificativa para tratamento jurídico diverso, sob pena de intolerável hierarquização de opressões”, de acordo com o parecer.

A manifestação do procurador foi enviada ao STF com base em um recurso da Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais contra decisão individual do ministro Ricardo Lewandowski, que arquivou, no ano passado, o mesmo pedido para tratar a homofobia como crime de racismo. Na ocasião, o arquivamento foi solicitado pelo então procurador-geral Roberto Gurgel. Não há data para o processo ser julgado.

Roberto Cláudio demite apoiadores de Eunício da Prefeitura de Fortaleza

O prefeito de Fortaleza, Roberto Cláudio (PROS), que até então não havia envolvido a administração do Executivo da Capital na disputa política pela sucessão de Cid Gomes (PROS) no comando Governo do Estado, resolveu retirar dois apoiadores do candidato Eunício Oliveira (PMDB) do quadro de servidores do município.

O aquecimento da disputa entre os antigos aliados resultou na demissão do secretário da Controladoria e Transparência da Prefeitura, Marlon Cambraia, e de Jade Romero, coordenadora especial de Participação Popular do Município. Os dois integravam a gestão na cota referente ao PMDB na administração de Fortaleza, que também tem o vice-prefeito Gaudêncio Lucena entre os membros da legenda.

A Marlon Cambraia foi dito que, se ele desejasse continuar no cargo, deveria deixar seu partido. Por conta do resultado, sabe-se que a proposta foi recusada.

(Ceará News 7)

Por que derrubar tantas árvores?

Da Coluna Política do jornalista Érico Firmo, no O POVO desta terça-feira:

A derrubada de árvores pelo poder público e sem licença ambiental, revelada pelo repórter Demitri Túlio no O POVO de ontem, é a mais bem acabada síntese da relação que se estabeleceu com o meio ambiente por essas paragens, tanto por parte da iniciativa privada quanto – particularmente alarmante – pelo poder público. Se quem deveria zelar pela preservação age à margem de lei, resta, como diria Chico Buarque, chamar o ladrão. O que houve tem todos os indícios de crime ambiental. Não basta, então, fazer compensação. É necessária punição exemplar.

Nos recorrentes casos de derrubada de árvores por órgãos públicos, sempre as motivações são as mais nobres possíveis. O que causa espanto é como são numerosos os casos em que ocorre a supressão de verde e a quantidade de ocasiões em que os governos não encontram – ou nem procuram – alternativas. A qualidade de vida sai perdendo de novo.

Vale sempre lembrar que, com o alinhamento político entre Prefeitura e Governo do Estado, um dos problemas que se prometeu atacar foram as batidas de cabeça entre órgãos de uma esfera e outra. O exemplo maior eram as obras da Cagece que esburacavam vias recém-asfaltadas. Mas eis que, sob o mesmo grupo político, dá-se algo muito pior. Desmate feito pela mesma Cagece, à revelia da Secretaria do Urbanismo e Meio Ambiente do Município.

Voto em branco e voto nulo: entenda qual é a diferença

Nas eleições de outubro próximo serão escolhidos pelo voto popular o presidente que comandará o país de 2015 a 2018 e também os deputados estaduais, deputados federais, senadores e o governador de cada Estado. No Distrito Federal, as eleições contemplam a escolha dos deputados distritais e do governador.

Diante da proximidade das eleições, uma das dúvidas mais comuns do eleitor é sobre como vai votar.

Apesar de o voto no Brasil ser obrigatório, o eleitor, de acordo com a legislação vigente, é livre para escolher o seu candidato ou não escolher candidato algum. Ou seja: o cidadão é obrigado a comparecer ao local de votação, ou a justificar sua ausência, mas pode optar por votar em branco ou anular o seu voto.

Mas qual é a diferença entre o voto em branco e o voto nulo?

 Voto em branco

De acordo com o Glossário Eleitoral do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), o voto em branco é aquele em que o eleitor não manifesta preferência por nenhum dos candidatos. Antes do aparecimento da urna eletrônica, para votar em branco bastava não assinalar a cédula de votação, deixando-a em branco. Hoje em dia, para votar em branco é necessário que o eleitor pressione a tecla “branco” na urna e, em seguida, a tecla “confirma”.

Voto nulo

O TSE considera como voto nulo aquele em que o eleitor manifesta sua vontade de anular o voto. Para votar nulo, o eleitor precisa digitar um número de candidato inexistente, como por exemplo, “00”, e depois a tecla “confirma”.

Antigamente como o voto branco era considerado válido (isto é, era contabilizado e dado para o candidato vencedor), ele era tido como um voto de conformismo, na qual o eleitor se mostrava satisfeito com o candidato que vencesse as eleições, enquanto que o voto nulo (considerado inválido pela Justiça Eleitoral) era tido como um voto de protesto contra os candidatos ou contra a classe política em geral.

Atualmente, vigora no pleito eleitoral o princípio da maioria absoluta de votos válidos, conforme a Constituição Federal e a Lei das Eleições. Este princípio considera apenas os votos válidos, que são os votos nominais e os de legenda, para os cálculos eleitorais, desconsiderando os votos em branco e os nulos.

Como é possível notar, os votos nulos e brancos acabam constituindo apenas um direito de manifestação de descontentamento do eleitor, não tendo qualquer outra serventia para o pleito eleitoral, do ponto de vista das eleições majoritárias (eleições para presidente, governador e senador), em que o eleito é o candidato que obtiver a maioria simples (o maior número dos votos apurados) ou absoluta dos votos (mais da metade dos votos apurados, excluídos os votos em branco e os nulos).

Já no que diz respeito às eleições proporcionais, utilizadas para os cargos de deputado federal, deputado estadual e vereador, a situação muda e os votos nulos e brancos passam a interferir no resultado das eleições. É que para ser eleito a um desses cargos, o candidato precisa alcançar o quociente eleitoral, que é o índice que determina o número de vagas que cada partido vai ocupar no legislativo, obtido pela divisão do número de votos válidos (votos atribuídos aos candidatos ou à legenda) pelo de vagas a serem preenchidas. Desse modo, quanto maior for a quantidade de votos nulos e brancos, menor será o quociente eleitoral e mais fácil será para o candidato conquistar a vaga.

É por esse motivo que muitas vezes um candidato obtém menos votos que outros e é eleito, puxado pela votação expressiva de outro candidato do partido ou pelos votos da legenda.

Assim, ao decidir votar nulo ou em branco, é importante que o eleitor esteja consciente dessas implicações.

* Com informações da Agência Brasil

Divulgada lista dos “Cabeças” do Congresso: Eunício, Inácio, Pimentel, André e Guimarães

O Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (DIAP) divulgou a lista dos chamados “Cabeças” do Congresso Nacional. A relação inclui os parlamentares que estavam no efetivo exercício do mandato no período de avaliação, correspondente ao período de fevereiro a junho de 2014.

Na definição do DIAP, os parlamentares citados conseguiram se diferenciar dos demais pelo protagonista do processo legislativo, destacando-se na capacidade de conduzir debates, negociações, votações, articulações e formulações, seja pelo saber, senso de oportunidade, eficiência na leitura da realidade, que é dinâmica, e, principalmente, facilidade para conceber ideias, constituir posições, elaborar propostas e projetá-las para o centro do debate, liderando sua repercussão e tomada de decisão. Enfim, é o parlamentar que, isoladamente ou em conjunto com outras forças, é capaz de criar seu papel e o contexto para desempenhá-lo.

Na relação por Estado, os legisladores cearenses que se destacaram no cenário nacional foram:

  • Deputado André Figueiredo (PDT) – Articulador
  • Senador Eunício Oliveira (PMDB) – Articulador
  • Senador Inácio Arruda (PCdoB) – Debatedor
  • Deputado José Guimarães (PT) – Negociador
  • Senador José Pimentel (PT) – Negociador

Na categoria de “Parlamentar em Ascensão”, referente ao deputado ou senador que vem recebendo missões partidárias, políticas ou institucionais e se desincumbindo bem delas, o deputado Danilo Forte (PMDB) é quem aparece em destaque entre os representantes do Ceará.

Veja a íntegra da lista no linkDIAP – Lista dos “Cabeças” do Congresso Nacional e dos Parlamentares em “Ascensão”

(Ceará News 7)

Vereador A Onde É tem registro de candidatura negado pela Justiça Eleitoral

Vereador A Onde É solicitou registro de candidatura para deputado estadual

O Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE) barrou o pedido de registro de candidatura do vereador de Fortaleza, Antonio Farias de Sousa (PTC), conhecido como A Onde É. A decisão foi tomada durante sessão na tarde desta segunda-feira, 28, por falta de quitação eleitoral, segundo a Corte. Na quinta-feira, 24, o vereador Leonelzinho Alencar (PTdoB) também teve registro negado pela ausência de quitação eleitoral.

O motivo do indeferimento foram multas eleitorais atrasadas desde 2012, quando se elegeu vereador. A Onde É foi eleito com cerca de seis mil votos após campanha com cunho humorístico inspirada no trabalho de entregador de pizzas que realizava antes de ser eleito.

Outro vereador a ter pedido de registro negado para as eleições de 2014 foi Leonelzinho Alencar. Segundo a assessoria de imprensa do TRE, o vereador pagou as multas apenas no dia 12 de julho, uma semana depois do fim do prazo legal para a quitação eleitoral – 5 de julho. Por conta do atraso, teve registro contestado e indeferido pela Justiça Eleitoral.

(O Povo)

Candidato do PSDB ao governo de Alagoas desiste e pede desfiliação do partido

Eduardo Tavares: desistência da candidatura e desfiliação do PSDB (Divulgação/PSDB)

O candidato do PSDB ao governo de Alagoas, Eduardo Tavares, anunciou nesta quinta-feira que não vai mais disputar as eleições de outubro. Tavares encaminhou à direção do PSDB e ao governador Teotônio Vilela (PSDB) carta comunicando a decisão. Ele argumentou que não teve apoio do partido para a disputa eleitoral no Estado nem acesso a recursos para a confecção de material para a campanha. Além da desistência da candidatura, também anunciou a desfiliação do PSDB.

Tavares era apoiado pelo atual governador, mas amargava apenas a terceira colocação nas pesquisas de intenção de voto – 4%, segundo o Ibope. O líder nas pesquisas é o deputado Renan Filho (PMDB), filho do presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB), com 35% da preferência. O segundo colocado é o senador Benedito de Lira (PP), com 25%. Antes de Eduardo Tavares, Jeferson Piones (PRTB) também já havia abandonado a disputa.

(Laryssa Borges, Veja Online)

Viçosa do Ceará vai receber projeto de Esgotamento Sanitário

Viçosa do Ceará-CE

A Cagece vai implantar o sistema de esgotamento sanitário de Viçosa.  A obra receberá um investimento de R$ 14 milhões, com recursos do Programa de Aceleramento do Crescimento (PAC-OGU) e Governo do Estado do Ceará. Serão beneficiados cerca de 15 mil habitantes. 

O sistema de esgotamento consistirá em coletar os esgotos das 4 (quatro) bacias distintas através de 24.219 m de rede coletora. Cada bacia será contemplada por 1 (uma) Estação Elevatória de Esgoto (EEE) que receberá o efluente coletado da sua bacia para recalcar para outra bacia próxima ou para encaminhar até a área de tratamento. A Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) irá tratar o esgoto de todas as bacias contempladas nesse sistema. O prazo previsto para finalização é de 540 dias.

Assessoria de Comunicação e Relacionamento da Cagece

Sabrina Lemos – 3101.1826 / 8878.8932

(Governo do Estado do Ceará)

Valdeída de Sá: Ex-secretária de Educação de Tianguá tem direitos políticos suspensos

A ex-gestora do Fundo de Manutenção e Valorização do Magistério do Município de Tianguá (a 336 km de Fortaleza), Valdeída de Sá Vasconcelos, teve os direitos políticos suspensos pelo período três anos por contratar sem licitação, durante o ano de 2004. Também deverá pagar multa de R$ 20 mil e perderá cargo ou função pública, caso ainda exerça.

 

A decisão, proferida nesta quarta-feira (23/07), é do juiz Daniel Carvalho Carneiro, integrante do Grupo de Auxílio do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), para agilizar o julgamento de ações de improbidade e de crimes contra a administração pública (Meta 4 do CNJ).

 

Segundo os autos (nº 6430-43.2010.8.06.0173), o Tribunal de Contas dos Municípios (TCM) julgou desfavoráveis as contas da ex-gestora referente ao exercício de 2004. Entre as irregularidades foram registradas ausências de licitação para contratar diversas despesas com peças automotivas e com obras públicas, totalizando R$ 250.389,34.

 

Por esse motivo, o Ministério Público estadual (MPE/CE), em agosto de 2010, ingressou com ação civil pública requerendo a condenação de Valdeída de Sá Vasconcelos por ato de improbidade administrativa. A ex-gestora não apresentou contestação, sendo decretada a revelia.

 

Ao julgar o caso, o juiz Daniel Carvalho Carneiro considerou a obrigatoriedade das licitações, apesar de várias despesas terem sido realizadas em montantes inferiores aos valores que a Lei nº 8.666/93 (Lei das Licitações) determina como necessário o processo licitatório. “Parcelar o objeto contratado a fim de deixar de realizar a licitação ou mesmo adotar uma modalidade licitatória mais simples do que a cabível representa em manifesta fraude a licitação”, disse.

 

O magistrado afirmou também que “não é admissível que o Administrador, no intuito de flagrante burla à obrigatoriedade de licitação, deixe de realizar o devido processo licitatório, realizando, para tanto, compras do mesmo objeto junto aos fornecedores diversos, onde cada parcela de compra não ultrapasse o limite permitido no art. 24, II, da Lei nº 8.666/93”.

 

O juiz destacou ainda que não ficou configurado dano ao erário, já que a Administração recebeu o material e os serviços foram prestados.

 

(Tribunal de Justiça do Ceará)

TCM encontra irregularidades em 131 licitações de 71 municípios do Ceará

Mais de 60% das licitações realizadas em 71 municípios do Ceará e acompanhadas pelo Tribunal de Contas dos Municípios desde março deste ano apresentavam algum tipo de irregularidade, segundo o tribunal. O Observatório das Licitações do TCM analisou, no próprio local e em tempo real, os 131 processos.

Durante as verificações, as equipes técnicas constataram irregularidades e ocorrências que impediram a conclusão de procedimentos licitatórios, gerando economia de R$ 9,9 milhões para os cofres cearenses. As licitações programadas nas prefeituras e câmaras municipais, no período, envolveriam recursos no valor de R$197 milhões.

De acordo com o TCM, ficou constatado que 61,40% das licitações examinadas apresentavam irregularidades diversas. As principais são: 12,5% com justificativa ausente ou insuficiente, quando não há motivos ou quando ou quando estes não são determinantes para a realização da licitação; e em 11,5% houve restrição de competitividade, quando não promove a competição, ferindo a isonomia e a impessoalidade.

“Esses indicadores”, avalia o presidente do TCM, conselheiro Francisco Aguiar, “são bastante reveladores da necessidade de continuarmos atentos às questões relacionadas às aquisições e contratos de iniciativa dos municípios. É um trabalho, que, inegavelmente, pode influenciar fortemente na produção de resultados expressivos para economia dos recursos públicos nessas localidades”.

O Observatório de Licitações do TCM utiliza ferramentas como o Portal de Licitações do próprio TCM,  informações coletadas a partir dos portais das prefeituras e câmaras,  publicações nos Diários Oficiais dos Municípios, do Estado e da União, bem como divulgações em meios de comunicação, permitindo que os técnicos do TCM monitorem de forma permanente todas as contratações a ocorrerem no âmbito dos 184 municípios.

(G1 Ceará)

Golpe é golpe, mesmo que venha travestido de ‘legitimidade’

 

Ou as muitas lições da história contemporânea.

Aécio Neves é eleito presidente, decide fazer aliança com o Peru, recusa-se a admitir os partidos fisiológicos no governo. Estes, formando maioria no Congresso, decidem que é melhor fazer aliança com a  Argentina do que com o Peru e então se unem, derrubam Aécio e põe Lula ou Sarney no poder. É golpe ou foi mudança legítima de governo?

Se o que aconteceu na Ucrânia foi troca legítima de governo, o presidente que queria aliança com a Rússia foi derrubado por uma maioria parlamentar  favorável a aliança com a União Europeia, por que não vale para o Brasil?

Esse tipo descarado de golpe de , via legislativo, tem sido usado para dar ares de legitimidade e substituir o velho e grosseiro golpe militar. Além da Ucrânia já aconteceu no Paraguai e em Honduras. As elites dos países pobres muitas vezes perdem eleições majoritárias, onde o voto da massa conta, mas dificilmente deixam de eleger a maioria dos parlamentares, nas quais é preciso ter muito dinheiro para fazer campanha.  A moda doravante será o golpe no legislativo.

Quem via notícias da Ucrânia nos dias que antecederam o golpe achava que havia unanimidade na população contra o governo. A mídia não se dava ao trabalho de dizer como o então presidente fora eleito por votação direta e como pensavam os habitantes da Criméia e outras regiões hoje rebeladas.  Também não tem lembrado que o então presidente, antes de ser derrubado, assinou um acordo com a oposição que se manifestava em Kiev, prevendo eleições para dois meses depois. A oposição assinou o acordo e o derrubou no dia seguinte, quando ele desmobilizou suas forças em Kiev, principalmente os militares. E só então viemos a saber que havia províncias inteiras onde a população era totalmente contra os golpistas.

É difícil saber que resultados teríamos nas eleições, incluindo essas províncias. Provavelmente a oposição ganharia, assumiria o governo de forma legítima  e tudo que está acontecendo agora teria sido evitado. O apressado come cru, diz um velho ditado. Os europeus do oeste e norte americanos saíram ganhando, pois avançaram em território que há séculos está sob influência russa. Romperam o que parecia ser um acordo tácito e o equilíbrio de forças. À Rússia tem sobrado o “jus sperneandi”.

Neste ponto, com a tensão crescente, temos mais uma lição da história: o problema não era o regime comunista no leste, mas a disputa pelo poder e zonas de influência. Pouco importa que a Rússia seja agora um país capitalista. Ela continua tendo seus próprios interesses, é militarmente poderosa, e portanto continua sendo rival, um país inimigo a ser cercado e submetido.

A maior prova que tudo vai conforme a política e o poder se repete no fato de Obama continuar a praguejar  contra a morte de mais  duzentas pessoas em uma avião, acusando rebeldes e a Rússia, antes de aparecer uma única evidência. Ao mesmo tempo não abre o bico ante a morte de centenas de palestinos ali perto. Talvez não os considere seres humanos, ou talvez os considere apenas inimigos, mesmo as crianças. Para salvar as aparências, especialmente Juntos ditadores e senhores feudais árabes, oferecerá ajuda humanitária tão logo a direita israelense termine a “limpeza”. Não há nada de novo no front.

Via http://jornalggn.com.br

 

Leonelzinho Alencar tem candidatura barrada pela Justiça por não pagar multas eleitorais

O vereador Leonelzinho Alencar (PTdoB) teve seu registro de candidatura indeferido agora há pouco pelo Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE-CE). Segundo a Corte, o parlamentar possuía uma série de multas da eleição de 2012 não quitadas, decorrentes da pintura indevida de muros. Leonelzinho, que poderá recorrer da decisão, havia pedido registro para concorrer a deputado federal.

Segundo a assessoria de imprensa do TRE, o vereador pagou as multas apenas no dia 12 de julho, uma semana depois do fim do prazo legal para a quitação eleitoral – 5 de julho. Por conta do atraso, teve registro contestado e indeferido pela Justiça Eleitoral.

Procurado pela reportagem, Leonelzinho negou que estivesse com registro indeferido. Disse apenas que as certidões de quitação das multas não “haviam chegado a tempo”, mas que isso seria resolvido com a Corte. Em seguida, encaminhou a questão para sua assessoria jurídica, que, até o presente momento, não retornou chamadas ao seu telefone celular.

Polêmico

Durante a eleição de 2012, Leonelzinho se viu no centro de diversos escândalos que estouraram no período eleitoral. Em um deles, confessou que sua esposa, Adriana Bezerra, recebeu irregularmente do programa Bolsa Família. Depois, em setembro daquele ano, prestou depoimento ao Ministério Público em investigação sobre uso ilícito de verbas públicas em uma ONG ligada ao parlamentar e acúmulo de cargos nas Prefeituras de São Gonçalo do Amarante.

 

O vereador já foi acusado também de participar do roubo de bicicletas banners do PSDB em Messejana em 2011, e de ter ameaçado de morte o ex-vereador Francisco Alves (PRTB) durante discussão sobre paternidade de uma obra da Prefeitura. Alves chegou inclusive a registrar Boletim de Ocorrência contra o vereador.

Na época, Leonelzinho se defendeu e disse que era vítima de perseguição política na Messejana – bairro onde atua politicamente -, tendo sido inclusive ameaçado de morte. Ao ser reeleito entre os vereadores mais votados de 2012, exibiu em sua diplomação faixa e camiseta com os dizeres “os humilhados serão exaltados”.

Redação O POVO Online
com informações do TRE-CE

A explicação de Aécio não decola

Desde domingo, quando o repórter Lucas Ferraz contou que a Viúva construiu uma pista de pouso asfaltada no município de Cláudio (MG), a seis quilômetros da fazenda centenária do ramo materno da família de Aécio Neves, o candidato tucano à Presidência da República ofereceu explicações insuficientes para satisfazer a curiosidade de uma pessoa que pretenda votar nele em nome do seu compromisso com a gestão e a transparência. Situações desse tipo afloram em campanhas eleitorais e a maneira como os candidatos lidam com elas instrui o julgamento que se faz deles.

O campo de aviação de Cláudio fica a 120 quilômetros do aeroporto de Confins e a 36 quilômetros da pista bem equipada de Divinópolis. Lá estão as terras da família Tolentino, na qual nasceu Risoleta, avó de Aécio e mulher de Tancredo Neves. Ela morreu em 2003, deixando no espólio a Fazenda da Mata, recanto onde seu neto às vezes se refugia. A obra custou R$ 13,9 milhões ao governo do estado e foi construída em 2010 quando ele o governava. No ano anterior, segundo o IBGE, a receita orçamentária realizada do município foi de R$ 26,3 milhões.

Aécio respondeu com uma generalidade: “Tudo foi feito com a mais absoluta transparência e correção.” Juntou uma redundância: “O aeroporto foi construído em área pertencente ao estado, não havendo, portanto, investimento público em área privada.” Finalizou com uma precipitação: “Já foi tudo explicado.”

Por enquanto há em Cláudio uma pista de um quilômetro, capaz de receber jatinhos de até 50 lugares, sem equipamento ou homologação da Anac. Falta explicar é a necessidade de a Viúva ter construído essa nova pista naquelas terras. A área foi desapropriada em 2008. Sem isso a obra não poderia ter sido custeada pelo governo do estado. Os Tolentino disputam o valor oferecido pelas terras (R$ 1 milhão). Uma peritagem, ainda que tardia, poderá resolver a questão. O próprio candidato argumenta que “aeroportos locais, que não possuem voos comerciais, ou pistas de pouso fechadas são prática comum em aeroportos públicos, no interior do país, como forma de evitar invasões (…) que possam oferecer riscos à segurança dos usuários”. Tem toda razão e leva ainda o mérito de expor uma questão relacionada com os investimentos públicos em pistas que só recebem aviões privados. Talvez Cláudio precisasse de uma. Do jeito que está, recebe irregularmente uns dois aviões por semana. O ex-governador informa também que não se tratou de construir uma nova pista, mas apenas de modernizar outra, de terra, feita em 1983, quando seu avô era governador e um Tolentino, prefeito da cidade. A Viúva não deve ter ficado com essa conta, pois a terra era privada.

A comodidade de uma pista de pouso paga e mantida pela Boa Senhora é o objeto do desejo de todo fazendeiro. Tome-se, porém, o exemplo de Paul Mellon, um finíssimo bilionário que vivia entre seu haras da Virgínia e o mundo. Comprou um avião e, para seu conforto, construiu um aeroporto dentro de suas terras, em Upperville. Lá, avisa-se: “Uso privado. É necessária autorização para pousar.”

Mellon fez o aeroporto com o dinheiro dele. A pista de Cláudio, como diria Armínio Fraga, foi construída com o “meu, o seu, o nosso”.

Elio Gaspari é jornalista, via O Globo

Eduardo Campos enfrenta, numa mesma semana, duas saias-justas em Pernambuco

Para antigos apoiadores, Campos não pratica uma política nova e tem dificuldade em explicar mudanças -

por Hylda Cavalcanti, da RBA

Brasília – O candidato à presidência da República pelo PSB, Eduardo Campos, enfrenta duas saias-justas ao mesmo tempo em sua terra natal, Pernambuco – onde foi até bem pouco tempo governador. Por um lado, o deputado federal José Augusto Maia, afastado da presidência do Pros no estado, denunciou recentemente que a sua legenda teria recebido uma proposta de propina para se coligar com os socialistas. Por outro, a prima de Campos, a vereadora do Recife Marília Arraes, do PSB, preferiu apoiar a presidenta Dilma Rousseff nestas eleições e chegou a declarar que “em política a gente tem que ter lado”, numa crítica ao parente próximo.

José Augusto Maia chamou a atenção para o fato narrado por ele após pronunciamento feito na última semana na Câmara dos Deputados. O Pros, criado no ano passado, é uma das legendas coligadas à chapa do PT e, inclusive, levará Dilma Rousseff a contar, no guia eleitoral, com 27 segundos a mais do tempo de que dispõe. O partido abrigou os irmãos cearenses Cid e Ciro Gomes e demais dissidentes do PSB que se recusaram a permanecer na legenda socialista depois do rompimento com o governo, mantendo seu apoio ao PT.

Mas, apesar da coligação nacional, em Pernambuco os integrantes do Pros resolveram apoiar Eduardo Campos e o candidato ao governo do estado pelo PSB, Paulo Câmara. O deputado José Maia, da tribuna da Câmara, reclamou que foi destituído da presidência do Pros por não ter, segundo afirmou, aceitado proposta que considerou “indecorosa e vergonhosa” para a articulação desse posicionamento. Como se recusou, ele foi destituído e, pouco tempo depois, o Pros aderiu à chapa de Campos.

 

‘Sem provas’

O parlamentar disse que a proposta que provocou toda a mudança teria sido feita a ele pelo presidente nacional do Pros, Eurípedes Júnior, justamente para que fosse validada a coligação da legenda como PSB pernambucano. José Augusto Maia, que é ex-prefeito do município de Santa Cruz do Capibaribe, também anunciou que não vai mais concorrer à reeleição, diante da divergência existente na legenda que o abriga. Acentuou que não entrará em maiores detalhes porque não tem “como provar a história” e prometeu reclamar judicialmente de sua destituição.

Na manhã desta quarta-feira (23), o jornal Folha de S. Paulo publicou detalhes sobre o episódio denunciado por Maia, baseado em declarações de fontes que disseram ter presenciado a reunião. Conforme o texto, o valor oferecido teria sido de R$ 6 milhões. Até a publicação desta reportagem, o PSB não se manifestou em relação ao caso.

Prima divergente

Já a vereadora Marília Arraes apenas confirmou oficialmente, no último dia 18, o que há muito já se comentava em Recife: o rompimento com o primo. Marília é filha de Marcos Arraes, que por sua vez é filho do ex-governador Miguel Arraes e irmão da mãe de Eduardo Campos, a ministra do Tribunal de Contas da União (TCU) Ana Arraes. Ela foi eleita vereadora do Recife em 2012 com o apoio de Campos e pretendia ser candidata a deputada federal este ano, mas desistiu.

Na entrevista em que fez o anúncio da sua decisão, não poupou farpas. Destacou que fará campanha para Dilma, pedirá votos para o PT em Pernambuco e apoiará o candidato do PTB ao governo do estado, Armando Monteiro Neto, que é adversário do candidato do PSB, Paulo Câmara. Dentre as declarações mais ácidas, a vereadora afirmou que o que pesou na sua decisão foi o fato de acreditar que “em política a gente tem que ter um lado e esta coligação em que está o PSB é muito mais semelhante à extinta União por Pernambuco do que à Unidade Popular, de Miguel Arraes e Pelópidas (numa referência ao avô e ao ex-prefeito do Recife Pelópidas Silveira)”.

Marília Arraes frisou ainda que “se esta é a nova política, então não me identifico com ela”. E destacou que, a seu ver, não considera a candidatura de Campos a melhor para o Brasil e não sabe “como ele vai explicar para a população o motivo pelo qual o projeto que Lula defende não é o melhor para o Brasil”. “As críticas que ele (Campos) faz a Dilma são infundadas. O PSB passou do limite da coerência”, acrescentou.

Antidemocrático

Nos bastidores, dá-se como certo que o motivo do rompimento teria sido a insatisfação da vereadora com o processo de escolha de candidatos à Câmara dos Deputados pelo PSB, o que teria se acalorado ainda mais com a nomeação do filho de Eduardo Campos, João Campos, para a presidência da juventude do partido naquele estado – processo este que foi acusado por Marília de não ter obedecido a um rito democrático. A vereadora não comentou o tema em entrevistas, mas reconheceu considerar que decisões sobre o PSB estariam saindo da cúpula da legenda, nos últimos tempos, sem o crivo dos demais integrantes.

Para o presidente do PSB em Pernambuco, Sileno Guedes, o problema criado por Marília ganhou dimensão maior que a esperada em função do seu sobrenome, mas a posição de determinado integrante de uma legenda em apoiar outros candidatos tem sido observada em vários estados brasileiros – a exemplo do que ocorre no Rio de Janeiro.

Guedes rebateu a vereadora ao afirmar que o problema foi provocado porque Marília Arraes queria ser candidata a deputada federal já com a chapa dos candidatos montada pelo partido e não foi possível mais formalizar sua candidatura. Sileno também acentuou que alguma possível punição à vereadora será discutida depois das eleições e não agora.

Deputado denuncia propina em troca de apoio a candidato de Eduardo Campos

Deputado Federal José Augusto Maia (PROS-PE)

O deputado federal José Augusto Maia (PROS-PE) afirma que recusou uma proposta de “vantagem financeira” do seu partido e do PP em troca de apoio a Paulo Câmara, candidato de Eduardo Campos ao governo de Pernambuco. A informação é do jornal “Folha de S. Paulo”.

A oferta de propina, segundo a publicação, foi feita pelo presidente nacional do PROS, Eurípedes Jr., e pelo líder da bancada do PP na Câmara, Eduardo da Fonte (PE). Os dois negaram a oferta. Maia defendia o apoio à candidatura de Armando Monteiro (PTB) no estado e foi destituído do comando do PROS em Pernambuco. À Folha ele não revelou o valor da propina. No entanto, a outros deputados federais Maia afirma que a oferta foi de R$ 6 milhões – R$ 2,5 milhões seriam reservados a ele.

O deputado classificou a proposta como “indecorosa, vergonhosa, impublicável e não republicana”. Maia só decidiu tornar o caso público duas semanas e também quando “ficou claro que o partido não lhe daria condições para disputa à reeleição”. Tanto a legenda quanto o PP apoiam o candidato de Eduardo Campos.

O primeiro encontro ocorreu, relatou o deputado, no saguão do hotel Atlante Plaza, na praia de Boa Viagem, em Recife, na manhã do dia 12 de junho. Maia foi destituído da presidência do partido no estado após o encontro. Em outra reunião política, quatro dias depois, na sede do PP de Pernambuco, foi o líder do partido, Eduardo da Fonte, quem fez a oferta de propina.

Com o apoio dos dois partidos, a candidatura de Paulo Câmara terá mais tempo no horário eleitoral na TV. À Folha, a campanha de Paulo Câmara disse, em nota, que “refuta veementemente a acusação”.

O QUE EXPLICA A DIFERENÇA ENTRE IBOPE E DATAFOLHA?

247 – Nas últimas eleições municipais, o instituto Datafolha cometeu um dos erros mais grosseiros de sua história. Na véspera da eleição, divulgou uma pesquisa com empate triplo em primeiro lugar – José Serra (PSDB) com 28%, Celso Russomano (PRB) com 27% e Fernando Haddad (PT) com 24% -, quando na verdade apenas dois se classificaram, Serra (30,75%) e Haddad (28,98%), e o terceiro, Celso Russomano, mal deu torcida (21,6%). Agora, nesta eleição presidencial, os resultados do Datafolha começam a despertar dúvidas desde cedo.

Na pesquisa divulgada na última quinta-feira 17, o levantamento do Datafolha mostra a presidente Dilma Rousseff (PT) com 36% das intenções de voto, o candidato do PSDB, Aécio Neves, com 20%, e Eduardo Campos (PSB) com 8%. Os números são bastante similares, considerando o empate técnico, com os do Ibope divulgados na noite desta terça-feira 22. Nessa mostra, Dilma tem 38%, Aécio, 22%, e Campos mantém os 8%.

A grande diferença está na simulação de segundo turno. Enquanto o Datafolha registra empate técnico entre Dilma (com 44% das intenções de voto) e Aécio (com 40%), e uma pequena distância entre Dilma (45%) e Campos (38%), o Ibope aponta vitória distante da petista nas duas hipóteses, quando enfrenta o senador tucano (41% contra 33%) e quando disputa com o ex-governador de Pernambuco (41% contra 29%).

O próprio Planalto reagiu com estranheza ao Datafolha da semana passada, conforme noticiou Eduardo Guimarães, do Blog da Cidadania. Segundo ele, a pesquisa foi recebida “com espanto e até com indignação” pela equipe do governo Dilma, que questionou, por exemplo, a lógica de o candidato do PSDB ficar estacionado no primeiro turno e ganhar 20 pontos percentuais em um eventual segundo turno, enquanto a petista só ganharia oito.

O ministro das Comunicações, Paulo Bernardo, disse nesta quarta-feira 23 ver uma grande diferença entre os dois levantamentos e ressaltou que “pesquisa eleitoral não conclui nada”. “As pesquisas nos deixam um pouco sem ter condição de concluir. Se você olhar o Datafolha e o Ibope deve dar uma diferença de 10 milhões de votos entre um e outro. Tá muito longe. Como não sou pesquisador, eu fico olhando isso. Serve para a gente refletir, mas pesquisa não conclui nada”, afirmou.

 

Pesquisa Ibope: Dilma venceria Aécio e Campos em eventual segundo turno

Encomendada pelo jornal O Estado de S. Paulo e pela Globo, pesquisa Ibope sobre as eleições presidenciais deste ano, divulgada nesta terça-feira (22), mostra um cenário bem diferente daquele apresentado pelos institutos Sensus e Datafolha nos últimos dias. Enquanto neles os candidatos mais bem posicionados – Dilma Rousseff e Aécio Neves – apareciam tecnicamente empatados em uma eventual disputa em segundo turno, na nova pesquisa a previsão apresentada é de que a petista ganhe com mais folga o pleito caso ele seja polarizado.

Segundo o Ibope – que ouviu 2.002 pessoas de 143 municípios, entre os dias 18 e 21 de julho, Dilma tem para um eventual segundo turno 41% das intenções de voto contra 30% de Aécio (no levantamento anterior, eram 42% ante 33%, respectivamente). A petista se sairia ainda melhor caso o adversário fosse Eduardo Campos (PSB): neste caso, teria 41% contra 29% do pernambucano.

As intenções de voto para o primeiro turno, no entanto, não mudaram muito na pesquisa atual. Dilma, Aécio e Campos têm, respectivamente, 38%, 22% e 8% – na pesquisa anterior eram 39%, 21% e 10%, todos dentro da margem de erro. O quarto colocado se a eleição fosse realizada no período do levantamento seria o Pastor Everaldo (PSC), com 3%, enquanto Luciana Genro (PSOL), José Maria (PSTU) e Eduardo Jorge (PV) teriam 1% cada – mesmo montante de todos os outros candidatos nanicos somados. Votos brancos e nulos somam 16% e indecisos, 9%.

Mesmo que lidere inclusive na pesquisa espontânea – é citada por 26% dos eleitores, contra 12% de Aécio e 4% de Campos -, Dilma é também a candidata mais rejeitada pelos consultados, característica escancarada por levantamentos de outros institutos de pesquisa. No total, 36% dos entrevistados afirmaram que não votariam em hipótese alguma na candidata – no mês passado, eram 38%. Já em relação a Aécio a porcentagem está em 16% – era 18% -; a Campos, 8% – era 13% -; e ao Pastor Everaldo, 11% – era 18%.

A avaliação do governo se manteve estável, com a gestão da presidente sendo considerada boa e ótima por 31% dos entrevistados, ruim e péssima por 33% e regular por 34%. Entre os entrevistados, 70% avaliaram que mudariam tudo ou quase tudo no atual governo (eram 65% na pesquisa anterior).

(Último Segundo)

 

Cid Gomes: “Não estou apoiando um partido (PT), estou apoiando um jovem (Camilo Santana)”

Diálogo publicado no Facebook do governador Cid Gomes, no último dia 20 de julho, no qual ele comenta com um internauta (cuja identidade prefiro preservar) sobre a filiação partidária de Camilo Santana, seu candidato à sucessão estadual:
Vez por outra, o governador conversa com internautas no Facebook, iniciativa que o ajuda a criar uma imagem de gestor aberto ao diálogo com a população. A vantagem é que ele só responde o que quiser; a desvantagem é que uma resposta revela que aquele assunto foi selecionado como prioridade.
Cid poderia ter dito que o PT é um partido que possui história, com qualidades e defeitos como todos os demais, mas que conta com grandes quadros, conteúdo programático, e que, além do mais, conhece bem o candidato, que já foi seu secretário, e por aí vai. Mas não disse. Preferiu desconsiderar a questão partidária e apelar ao personalismo, aos atributos individuais do candidato. A mensagem ficou mais ou menos assim, ainda que não tenha sido essa a intenção: “Ele é do PT mas, apesar disso, o que importa é que ele é um jovem esforçado e gente boa. É por isso que eu o apoio”.
O ruim para Camilo Santana é que esse é o tipo de declaração que pode fustigar a militância petista, já que o PT entra na história como mais um partido a serviço de um projeto particular. O comitê do candidato, não custa observar, não será na Av. da Universidade, tradicional reduto do PT no Ceará. Será na Av. Sebastião de Abreu, no espaço que já serviu à candidatura de Roberto Cláudio (então no PSB e hoje no Pros) à Prefeitura de Fortaleza. Olhe lá se o vermelho não sumir da campanha… Fica a estranha situação de haver um candidato do PT cuja candidatura, na verdade, é do Pros.
Por fim, não deixa de ter coerência com a trajetória política do governador e seu grupo, marcada por recorrentes trocas de partido.

INSATISFAÇÃO: Ely Aguiar abandona Cid Gomes e apoiará Eunício Oliveira

Depois do anúncio de Hermínio Resende ter desistido de disputar mais um mandato de deputado estadual para poder ficar livre e apoiar a candidatura de Eunício Oliveira (PMDB), adversário do candidato governista, Camilo Santana (PT), ontem foi a vez de Ely Aguiar anunciar que também estava deixando a base aliada para votar no candidato peemedebista. As razões são diferentes, mas o deputado não as explicitou.
Líderes do PROS, ontem, evitaram comentar ou mesmo reconhecer a existência de aliados que ainda não digeriram a indicação de um nome de outro partido, no caso, Camilo Santana (PT), para disputar o Governo do Estado pela aliança. Enquanto o governador Cid Gomes (PROS) se recusou a fazer qualquer comentário sobre o assunto, o prefeito Roberto Cláudio (PROS) se limitou a afirmar que desconhece “publicamente” qualquer insatisfação na base.
O deputado Hermínio Resende (PROS) foi o primeiro insatisfeito a reagir: “Se pregou que o candidato seria do PROS e seria o que estivesse melhor nas pesquisas entre cinco nomes, que tinham condições de exercer um bom governo. E na última hora se indicou uma pessoa de outro partido, que reitero, admiro como pessoa. Mas isso me dá o direito também de apoiar o candidato de outro partido“, argumentou.
Questionado a respeito, o prefeito Roberto Cláudio afirmou desconhecer qualquer divergência de maneira pública. “O que a gente tem sentido é uma adesão aumentada à candidatura, não só de políticos, de prefeitos, como principalmente de setores organizados da cidade“, enfatiza o prefeito da Capital.
(Diário do Nordeste)

Ibope: Tasso tem 58% e Mauro Filho 14% na disputa pelo Senado

O ex-senador e ex-governador Tasso Jereissati (PMDB) lidera a corrida ao Senado. A pesquisa do Ibope, divulgada, nessa terça-feira, pela TV Verdes Mares, revela que Tasso tem apoio de 58% dos eleitores cearenses, ficando, em segundo lugar, o candidato do PROS, Mauro Benevides, que chega a 14% de votos.

Mauro tem o apoio do Governador Cid Gomes e integra a chapa do candidato ao Governo pela coligação ‘Pra o Ceará Seguir Mudando’, Camilo Santana. Em terceiro lugar, está a candidata do PSTU, Raquel Dias, com 5%, seguida de Geovana Cartaxo (PSB), com 2%. Um total de 11% votaria em branco ou anularia o voto. Outros 10% não souberam responder.

Em 2010, Tasso disputou e perdeu à reeleição ao Senado na disputa contra os atuais senadores Eunício Oliveira (PMDB) e José Pimentel (PT). Tasso mantém a mesma linha política e partidária e entrou na corrida ao Senado estimulado pelo presidenciável Aécio Neves.

 (Ceará Agora)

Ibope: Eunício tem 44%, Camilo 14%, Eliane Novais 6% e Ailton 3% no CEARÁ

O Ibope divulgou, agora há pouco, uma pesquisa encomendada pela Televisão Verdes Mares.

Confira os números da pesquisa estimulada para o governo do Ceará:  

- Eunício Oliveira (PMDB): 44%

- Camilo Santana (PT): 14%

- Eliane Novais (PSB): 6%

- Ailton Lopes (Psol): 3%

- Branco/Nulo: 15%

- Não sabe/Não respondeu: 18%

A pesquisa foi realizada de 18 a 20 de julho de 2014 e ouviu 1204 eleitores. A margem de erros é de 3 pontos para mais ou para menos.

(Blog do Roberto Moreira)

Dois deputados estaduais aliados de CID anunciam apoio à candidatura de EUNÍCIO OLIVEIRA

Hermínio Resende

O deputado estadual Herminio Rezende (PROS), confirmou neste final de semana adesão à candidatura do senador Eunício Oliveira (PMDB). A informação chega como uma bomba na disputa eleitoral, pois é um dos primeiros parlamentares a anunciar livremente que não apoia a candidatura de Camilo Santana (PT), lançada pelo governador Cid Gomes.

Dessa forma, Hermínio automaticamente desiste da concorrer a uma nova eleição, temendo ser enquadrado em infidelidade partidária. Outro que também voltou atrás e anunciou apoio a Eunício é o deputado Varderlei Pedroza (PTB), que também não disputará eleição, mas lançou o filho Bruno Pedrosa (PSC), que seguirá com adesão a candidatura de Eunício.

Atualização 18h52

O ex-prefeito de Russas, Raimundo Cordeiro de Freitas (PSL), anunciou nesta terça-feira (20) que desistiu da candidatura a deputado estadual. Raimundinho  de Russas, como é conhecido, também confirmou que irá apoiar as candidaturas de Eunício Oliveira (PMDB) ao Governo do Estado e Tasso Jereissati (PSDB) ao senado.

(Cear News 7)

Líderes mundiais exigem respostas sobre avião derrubado com 298 a bordo

Por Anton Zverev

HRABOVE Ucrânia (Reuters) – Líderes mundiais exigem uma investigação internacional sobre a derrubada de um avião de passageiros da Malásia, com 298 pessoas a bordo, sobre a Ucrânia oriental, uma tragédia que pode marcar um momento crucial na pior crise entre a Rússia e o Ocidente desde a Guerra Fria.

Enquanto a Ucrânia busca apoio internacional contra a Rússia, duas autoridades dos Estados Unidos disseram que Washington suspeita fortemente que o Boeing 777 da Malaysia Airlines foi derrubado por um míssil disparado por separatistas ucranianos apoiados por Moscou.

Não há sobreviventes do acidente de quinta-feira, o maior ataque até hoje a um avião comercial, que espalhou destroços e corpos por quilômetros de território controlado pelos rebeldes perto da fronteira com a Rússia.

Bandeiras brancas improvisadas marcam os locais onde os corpos caíram em campos de milho, em meio aos escombros. Alguns, despidos pela força do acidente, foram cobertos por folhas de polietileno presas com pedras nas pontas. Sobre um dos corpos foi colocada uma flor.

Uma mulher contou como um cadáver caiu em sua cozinha quebrando o telhado de sua casa. “Houve um barulho alto e tudo começou a sacudir. Então objetos começaram a cair do céu”, disse Irina Tipunova, de 65 anos. “E então eu ouvi um estrondo e ela caiu na cozinha.”

A escala do desastre deve influenciar a pressão internacional para uma resolução da crise na Ucrânia, que matou centenas de pessoas desde que os protestos pró-Ocidente derrubaram o presidente apoiado por Moscou em Kiev em fevereiro e a Rússia anexou a Crimeia, um mês depois.

Vários países ocidentais impuseram sanções à Rússia pela crise na Ucrânia, mas os Estados Unidos adotaram uma posição mais incisiva do que a União Europeia. Analistas afirmam que a resposta da Alemanha e de outras potências da UE para o incidente – possivelmente impondo mais sanções – pode ser crucial para decidir a próxima fase do impasse com Moscou.

Alguns comentaristas compararam a situação ao naufrágio do transatlântico Lusitania, provocado pela Alemanha, em 1915, o que ajudou a empurrar os Estados Unidos para a Primeira Guerra Mundial, mas não se espera que a indignação do Ocidente com a tragédia de quinta-feira leve a uma intervenção militar.

 

A chanceler alemã, Angela Merkel, em uma resposta inicial disse que era muito cedo para decidir sobre novas sanções antes de ser apurado exatamente o que tinha acontecido com o avião.

O Reino Unido afirmou ser necessária uma investigação internacional liderada pela ONU antes que sanções adicionais sejam seriamente consideradas.

Kiev e Moscou se acusaram mutuamente após o desastre, desencadeando uma nova fase em sua guerra de propaganda.

O avião caiu a cerca de 40 da fronteira com a Rússia, perto da capital regional de Donetsk. A região é um reduto de rebeldes que lutam contra as forças do governo ucraniano, os quais já derrubaram aviões militares da Ucrânia.

 

(Reuters Brasil)

Cobrança de preço diferenciado no cartão está para ser votado no Congresso

Previsto para votação hoje no Senado, a PROTESTE Associação de Consumidores enviou carta aos Senadores com o posicionamento contrário à aprovação do Projeto de Decreto Legislativo (PDL) 31/2013. O consumidor poderá ter de pagar uma taxa adicional nos pagamentos com cartão, se o projeto passar. Ele susta os efeitos da Resolução nº 34/1989 do Conselho Nacional de Defesa do Consumidor (CNDC), que proíbe ao comerciante estabelecer diferença de preço de venda  quando o pagamento ocorrer por meio de cartão de crédito.
Compras com essa modalidade de pagamento são como pagar em dinheiroEm junho foi enviado um manifesto assinado por diversas entidades de defesa do consumidor, entre as quais a PROTESTE, para que o Senado não permita a diferenciação de preços no pagamento com cartão. A proposta é considerada abusiva por resultar em manifesta vantagem excessiva ao fornecedor. Ela caracteriza-se como afronta ao artigo 39, inciso V, do Código de Defesa do Consumidor ao transferir ao consumidor os custos do fornecedor que opta por utilizar esses meios de pagamento.

Para as entidades que assinaram o Manifesto (PROTESTE Associação de Consumidores, a Fundação Procon/SP, a Associação Brasileira de Procons, Procon Brasil, o Fórum das Entidades de Defesa do Consumidor, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e a Associação da Defesa da Cidadania e do Consumidor – Adecon); se  a proposta for aprovada, causará grande desequilíbrio nas relações de consumo, impactando, inclusive, na ordem econômica e nos índices de inflação do mercado brasileiro.

O consumidor não deve aceitar preço diferente ao usar o cartão para pagar suas compras. Não pode haver qualquer mudança que permita cobrança diferenciada por conta da forma de pagamento escolhida: dinheiro, cheque ou cartão.

A orientação é trocar de loja se o lojista tentar cobrar preço diferenciado quando for usado este meio de pagamento. Hoje é ilegal a diferenciação de preços de acordo com a forma de pagamento utilizada pelos consumidores.

A cobrança de preços diferentes nas compras com cartão (crédito e débito) e dinheiro é proibida pela Portaria 118/94 do Ministério da Fazenda, que considera a compra com cartão como sendo pagamento à vista. A maioria das decisões judiciais emitidas no País desde 1990 caminham no mesmo sentido. Mas o consumidor tem sido estimulado pelos comerciantes a pagar com cheque ou dinheiro para obter desconto na hora do pagamento.

Ao aderir a um cartão de crédito o consumidor já paga anuidade, ou tem custos com outras tarifas e paga juros quando entra no rotativo. Por isso, não tem porque pagar mais para utilizá-lo.

O custo do lojista para trabalhar com cartão faz parte do risco do negócio e cabe a ele negociar com a credenciadora o aluguel de máquinas e taxa de administração cobrada sobre o valor de cada compra, sem envolver o consumidor.

A cobrança de preço diferente no cartão é abusiva porque o pagamento com cartão de crédito é um pagamento à vista e qualquer benefício oferecido pelos lojistas ao pagamento com dinheiro e cheque deve também ser aplicado às compras com cartão de crédito. Ao trabalhar com cartão, o lojista aceita as condições estabelecidas em que cartão é igual a dinheiro.

A PROTESTE mantém de forma permanente a campanha Cartão Igual a Dinheiro, que referenda a posição da maioria dos brasileiros (51%), segundo aponta pesquisa do Datafolha feita em novembro do ano passado. A maioria é contra a diferenciação de preços pela forma de pagamento usada na hora da compra,  conforme constatou a pesquisa.

Aécio aposta em alinhamento com EUA; Dilma, em visão ‘multilateral’ de mundo

Cíntia Alves

Jornal GGN - Na quarta-feira (16), Dilma Rousseff (PT) recebeu líderes dos Estados que compõem o BRICS para oficializar a criação de um banco paralelo e mandar uma mensagem de insatistação ao FMI. No mesmo dia, Aécio Neves (PSDB), principal adversário eleitoral da presidente, foi ovacionado no Teatro Folha, em São Paulo, ao afirmar que, caso eleito, manterá o Mais Médicos, mas sem “submissão” a Cuba. “Não temos de concordar com o governo cubano. Ele tem de concordar conosco. Olha o tamanho do Brasil!”, disparou o candidato.

Uma breve análise dos programas de governo que ambos os postulantes à Presidência apresentaram ao Tribunal Superior Eleitoral é suficiente para concluir que a política externa brasileira pode continuar seguindo a lógica dos acertos preferenciais com países emergentes ou mudar de rumo e priorizar associações a potencias econômicas lideradas pelos Estados Unidos. Dependerá dos resultados das urnas.

A partir da página 56, o programa de governo de Aécio Neves, segundo colocado nas pesquisas de intenção de voto, versa sobre o assunto reforçando as diretrizes já conhecidas do PSDB. A ideia principal é “reavaliar as prioridades” para o desenvolvimento do Brasil (classificado, aliás, como um país “isolado” nas “negociações comerciais interessantes”).

Na proposta de Aécio, o Itamaraty ganhará mais poder de decisão na formulação da nossa política externa. “Ao mesmo tempo, serão garantidos o contínuo aprimoramento de seus quadros e a modernização da sua gestão”, promete o candidato.

A Ásia, na visão do bloco tucano, terá mais atenção do governo brasileiro, “em função de seu peso crescente”, além, de claro, os Estados Unidos e outros países desenvolvidos, “pelo acesso à inovação e tecnologia”. 

O grupo de Aécio propõe o “reexame das políticas seguidas [durante os últimos anos de administração petista no plano federal] no tocante à integração regional para, com a liderança do Brasil, reestabelecer a primazia da liberalização comercial”.

O texto ainda classifica o Mercosul como um grupo “paralisado e sem estratégia”, e afirma que é preciso “recuperar seus objetivos iniciais e flexibilizar suas regras a fim de poder avançar nas negociações com terceiros países”.

Já o programa de governo da presidente Dilma Rousseff deixa claro que o princípio é de priorizar os vizinhos no fomento do comércio e na integração produtiva. “A prioridade à América do Sul, América Latina e Caribe se traduzirá no empenho em fortalecer o Mercosul, a Unasul e a Comunidade dos Países da América Latina e Caribe, sem discriminação de ordem ideológica”, sustenta.

Na visão da ala petista, “a importância dada aos países do sul do mundo, que tem expressão concreta nos BRICS, não significa desconsiderar os países desenvolvidos. Ao contrário: é de grande relevância o relacionamento com os Estados Unidos, por sua importância econômica, política científica e tecnológica”. O mesmo vale para a União Europeia e o Japão.

Porém, Dilma promete intensificar as relações com a África, com países asiáticos e com a China, além de afastar o fantasma do Estado que se sobrepõe ideologicamente a outras nações. “Nossa presença no mundo será marcada pela defesa da democracia, pelo princípio de não-intervenção e respeito à soberania”, diz o programa.

Por fim, a candidata a reeleição reafirma que a “visão multilateral do mundo nos conduz e conduzirá a lutar pela reforma dos principais organismos internacionais, como a ONU, o Fundo Monetário Internacional, o Banco Mundial, entre outros, cuja governança hoje não reflete a atual correlação de forças global.”

O programa de governo do presidenciável Eduardo Campos (PSB), terceiro colocado na disputa, não apresenta um campo específico política externa.

Tiririca tem mais propostas que Aécio. E agora Florentina ?


Enquanto Aécio Neves Luta contra o vento,  o Deputado Tiririca segue apresentando projetos importantes.

por MarceloMarrakett

Realmente acho que o PSDB não tem propostas reais para governar o país. Em discurso no 5º Prêmio Top Etanol, Aécio afirmou que o setor é vítima da incapacidade do governo federal na condução da política macroeconômica.

“O setor de etanol, construído ao longo de 40 anos pelo esforço, dedicação e pela pesquisa de inúmeros brasileiros, foiabandonado pelo atual governo, que optou ir na contramão do mundo, que busca energia alternativas, não poluentes e renováveis. O setor vive um impasse e precisa de uma resposta”, afirmou Aécio Neves.

Não sei em que país esse senhor vive, porém acho que ele deveria buscar informações antes de proferir caquinhas a céu aberto.

Por solicitação da Presidência da República foi elaborado um documento sobre o setor do Etanol, O governo federal está implementando uma estratégia, concertada com o setor privado, a academia e o setor civil, objetivando estimular, de forma competitiva e sustentável, a economia da bioenergia no Brasil. Quem quiser saber mais sobre o assunto Click no Link http://www.cdes.gov.br/documento/492122/bndes-etanol-como-vetor-de-desenvolvimento-desafios-e-oportunidades-.html e o arquivo será salvo em seu computador.

Já o deputado e palhaço Tiririca (PR-SP) que não sabia o que um deputado fazia… preocupado com seus companheiros circenses, quer que moradores de trailers também possam ser beneficiados pelo Minha Casa, Minha Vida – programa habitacional do governo federal para a população de baixa renda, para financiar residências itinerantes.

O projeto foi aprovado na semana passada pela Comissão de Desenvolvimento Urbano (CDU) e agora segue para análise da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ). Como tem caráter terminativo, o tema, se receber o aval da CCJ, será encaminhado diretamente ao Senado.

Parabéns Tiririca!

Via http://pocos10.com.br

Inácio Arruda disputará mandato de deputado federal

O PCdoB/CE aprovou nesta segunda feira a substituição de João Ananias, que não disputará a reeleição por razões de saúde, por Inácio Arruda, na chapa de candidatos a deputado federal. Em nota, o PCdoB destaca a atuação de Ananias como parlamentar e Secretário de Saúde e lamenta que esteja fora da disputa. Quanto a Inácio, que não disputaria a reeleição ao Senado, o partido ressalta sua trajetória marcante e afirma que aceitou com destemor a tarefa de concorrer ao mandato de deputado federal.
Nota do PCdoB/CE aos cearenses

A Comissão Política Estadual do Partido Comunista do Brasil no Ceará reuniu-se nesta segunda feira, dia 14 de julho, para analisar a carta enviada pelo deputado João Ananias, onde o parlamentar comunica que, em face de limitações impostas por sua condição de saúde, desiste de sua candidatura a deputado federal. Lamentavelmente o brioso parlamentar tem complicações cardíacas que se agravaram nas últimas semanas e, por recomendação médica, o impedem de participar das intensas atividades de uma campanha eleitoral.

A direção partidária e sua militância lamentam profundamente não poder reeleger João Ananias, companheiro com expressiva atuação não apenas como parlamentar, mas também como Secretário Estadual de Saúde, durante o primeiro mandato do governador Cid Gomes. Temos plena consciência de que Ananias continuará sua trajetória política contribuindo com sua luta para o desenvolvimento do Brasil e do Ceará e o bem estar de nosso povo.

Em razão da renúncia do deputado João Ananias à candidatura, a direção partidária achou por bem buscar um outro nome que o substituísse, de modo a assegurar o êxito do projeto eleitoral dos comunistas cearenses que, dentre outros objetivos, prevê a manutenção de dois representantes do PCdoB na bancada cearense na Câmara dos Deputados. Analisando os diversos quadros partidários em condições de participar da disputa, o partido optou pelo nome do companheiro Inácio Arruda, histórico militante partidário, com inúmeras contribuições para a luta do nosso povo, já tendo exercido mandatos parlamentares como vereador, deputado estadual, deputado federal e, atualmente, senador. Inácio Arruda não disputaria a eleição deste ano e já se preparava para participar das campanhas dos diversos candidatos lançados pelo PCdoB, mas aceitou a tarefa com destemor, como é do seu feitio.

O PCdoB cearense conclama seus filiados, militantes, simpatizantes e amigos a se integrarem à campanha de nossos candidatos a deputado federal e a deputado estadual, assim como da Presidenta Dilma e da chapa majoritária no Ceará, com Camilo Santana e Mauro Filho. É necessário conquistarmos uma grande vitória nas próximas eleições, de modo a fortalecer o partido, ampliando e consolidado sua presença no parlamento, e assegurar o avanço das mudanças em curso no Ceará e no Brasil.

Fortaleza, 15 de julho de 2014

Comissão Política Estadual do PCdoB/CE

Banco de Desenvolvimento do Brics é criado em Fortaleza; sede será na China

Foi criado, na tarde desta terça-feira, o Novo Banco de Deselvolvimento (NBD) do Brics, grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Durante a sessão plenária da VI Cúpula, os ministros da Fazenda e das Finanças dos cinco países assinaram a declaração de criação do banco, assim como a do Arranjo Contingente de Reservas (CRA).

A sede do banco será em Xangai, na China. Foi decidido também que o primeiro escritório será na África do Sul e que a presidência ficará a cargo da Índia. Ao Brasil, coube apenas a primeira direção do banco.

O NBD terá capital inicial de US$ 50 bilhões, e o do CRA será de US$ 100 bilhões.

Chefes de Estado

Dilma Rousseff foi a primeira a falar durante a sessão plenária. A presidente cumprimentou Vladimir Putin e demonstrou solidariedade quanto ao acidente ocorrido nesta terça-feira em um metrô de Moscou, na Rússia, o qual teve 19 vítimas fatais.

Em seguida, foi a vez do presidente russo se pronunciar, destacando o tamanho do mercado consumidor do grupo, que tem 42% da população mundial. “Temos interesse em ampliar a cooperação entre os países dos Brics”, afirmou Putin. O presidente ressaltou também a relevância das duas instituições criadas durante a Cúpula. “O banco vai ser uma das agências mais importantes do mundo, e o fundo vai prevenir dificuldades e promover mudanças macroeconomicas”.

O primeiro-ministro indiano, Narendra Modi, destacou a importância do grupo no cenário mundial. “O mundo enfrenta um alto nivel de trubulências econômicas e políticas, os conflitos e a instabilidade estão crescendo. Precisamos lutar pelo crescimento inclusivo. Vemos questões de mudanças climáticas e de paz (…). O Brics pode dar respostas a todas essas questões. Isso porque a ideia essencial do Brics é de um grupo que olha para frente e pode dar sugestoes aos organismos mundiais”.

Em seus discursos, Modi e Putin falaram em maior intercâmbio cultural entre os países. Putin disse que o grupo está trabalhando na Universidade do Brics.

A ideia foi ratificada por Modi: “A Universidade do Brics, com acesso pela internet, promoveria a troca de conhecimentos. Também é uma possibilidade um centro de línguas do Brics”.

O presidente da China, Xi Jinping, falou sobre a escolha da sede em seu país. “Conseguimos definir o estabelecimento do banco (em Xangai) hoje. O banco vai aumentar a voz do Brics no mundo e promover o desenvolvimento. A sede estará aberta a cooperação”. Ele frisou a necessidade de condições iguais entre os membros. “Esse grupo é comprometido a criar um banco justo”.

Já o presidente da África do Sul, Jacob Zuma, mostrou otimismo quanto ao futuro dos países integrantes do Brics. “Começamos essa jornada com embarque conjunto em projetos com impacto visível em nosso desenvolvimento. E tenho certeza que nosso continente vai abrir os braços para esse desenvolvimento”.

Redação O POVO Online

 

Efeito Tiririca: “Celebridades” disputam cadeira de Deputado Federal nas eleições de outubro

Após o sucesso de votos do palhaço Tiririca em 2010, algumas ‘celebridades’ vão concorrer a uma vaga na Câmara Federal este ano. Cantores, ex-BBBs e até o Dr Hollywood estão na briga pela vida boa do Congresso Nacional. Até o esquecido astronauta brasileiro, Marcos Pontes, aquele piloto de caça em quem a FAB investiu milhões para mandar ao espaço e que, ao voltar para casa, pediu aposentadoria, agora, quer mostrar o que ‘aprendeu’ na NASA, usando paletó e gravata em Brasília.

O polêmico e, as vezes, extremista Jorge Kajuru vai disputar uma vaga.O cirurgião plástico Roberto Miguel Rey, mais conhecido como  Dr. Hollywood também é candidato (mas ele não mora na California?).  Concorrendo pelo PDT do RJ, está o ex-pagodeiro do grupo ‘Os Morenos’, Waguinho. Pasmem, tem até ex-BBB no pedaço. Alemão é candidato pelo PV-RJ. O cantor sertanejo José Rico, da dupla com Milionário & José Rico, também quer uma cadeira na Casa de Leis da República.

O homem que diz ter conseguido dar uma casa ao time do coração, deve ter eleição certa. É o polêmico e controverso ex-presidente do Corinthians, Andrés Sanchez. Ele concorre a deputado federal pelo PT de São Paulo.

Com tantas opções boas assim, só Jesus na causa!

Via http://www.topagitosmt.com.br/

PT e o destino dos Ferreira Gomes

Da Coluna Política, no O POVO desta terça-feira (15), pelo jornalista Érico Firmo:

A revista Veja divulgou e diversos veículos de comunicação repercutem desde o fim de semana a possibilidade de Cid Gomes e seu grupo político deixarem o Pros e se filiarem, vejam só, ao PT. O movimento seria uma forma de a presidente Dilma Rousseff, caso reeleita, formar seu próprio grupo e ficar mais independente em relação ao ex-presidente Lula. A narrativa explora a recorrente ideia, nem sempre consistente, de crise na relação entra a presidente e o antecessor. Mas há outro enfoque que merece ser observado, a partir do núcleo cearense.

Em outros momentos, já se cogitou a filiação dos Ferreira Gomes ao PT. Ainda em 2008, Ivo Gomes disse que se sentiria muito bem no partido. Em 2011, a possibilidade foi especulada em uma das várias crises entre a família e o então presidente do PSB, Eduardo Campos. No ano passado, antes de optarem pelo Pros, a opção petista foi de novo cogitada. E nunca deu em nada. Mas há ingredientes novos.

Em menos de um ano, a relação entre o grupo cearense e a direção nacional do Pros já sofreu vários desgastes. Também pudera. Eles já entraram no partido discordando da principal – e praticamente única – bandeira, que é a redução de impostos. E desde o início sinalizaram intenção de mexer no programa, na estrutura. Não podia dar certo e não está dando. Houve divergências graves em relação a votações no Congresso Nacional e também quanto a intenção de dirigentes nacionais de apoiar Eunício Oliveira (PMDB). Então, é bastante provável que, pouco depois das próximas eleições, os Ferreira Gomes realmente mudem de partido.

A escolha do petista Camilo Santana como candidato à sucessão no Estado onde o Pros é mais forte no País foi sinalização de que o grupo não prioriza o fortalecimento da sigla. Ciro Gomes já tinha a clara meta de, em caso de sucesso eleitoral, se voltar para as articulações nacionais e na reformulação da legenda. Mas houve turbulências no meio do caminho. Fica a interrogação sobre quão longe estarão os irmãos dispostos a ir num partido sem expressão, complicado e bem menos promissor do que pareciam PSB e mesmo PPS. No caso de Ciro não ser bem-sucedido na mudança que pretende empreender, a porta da rua será a serventia da casa.

O destino, então, poderá ser o PT? A opção por Camilo pode ser indício de que sim, mas não o único. A própria escolha do candidato foi resultado da circunstância principal: a trajetória política de Cid se tornou indissociável, nos últimos oito anos, do projeto petista federal. Sobretudo ao embarcar numa legenda pouco mais que inexpressiva, quando ai mesmo que ficou dependente do aliado federal.

Porém, a entrada no PT não será sem resistência – que já começou, só diante das primeiras notas publicadas. Haverá oposição em vários grupos, inclusive nos mais ligados ao governador, que fatalmente perderão o controle da sigla. Por outro lado, independentemente das garantias que recebam na filiação, os Ferreira Gomes jamais controlarão o PT sem hegemonia junto à militância, o que nunca foi especialidade do grupo. A possibilidade é menos absurda do que parece, mas também não é nada simples.

A Copa dos Brics. Mudanças na geopolítica global

Saímos de uma Copa do Mundo para uma “copa” política – a Sexta Cúpula Presidencial dos Brics –, à qual se seguirá uma reunião entre os lideres do Brics e da Unasul. Se tudo der certo, do encontro entre líderes do Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul, sediado em Fortaleza no dia seguinte ao da final do Mundial, será anunciada a criação do Banco do Brics e de um fundo de reservas, no valor de US$ 150 bilhões. Será um banco de fomento, nos moldes do  Banco Mundial. O fundo de reservas servirá como embrião de uma espécie de FMI próprio, com a missão de socorrer qualquer membro que tenha dificuldade de obter financiamento em outras instituições multilaterais.

A reunião dos Brics ocorre em um momento extremamente importante. A crise da Ucrânia contribuiu para afastar do Ocidente o presidente russo, Vladimir Putin, e levou-o a estreitar, ainda mais, seus laços com Pequim e os outros membros do grupo. Essa nova fase de aproximação com os chineses foi sacramentada com a assinatura do “tratado do século”, para a venda, ao longo dos próximos 30 anos, de gás russo à China, pela respeitável quantia de US$ 400 bilhões.

Por maior que pareça, não se trata, no entanto, de um mero negócio.   O estabelecimento de um corredor entre o urso russo e o dragão chinês, que se assentará em extensa rede de gasodutos e obras de infra-estrutura, abrirá caminho para a construção de gigantesco polo econômico e demográfico, a Eurásia. Um continente virtualmente novo, no qual se dará a ocupação planejada de milhões de hectares de planícies e montanhas, hoje desocupadas, com um projeto que envolverá também outras nações, como o Cazaquistão e a Mongólia, e, a longo prazo, também a Índia.

A radicalização das relações entre a Rússia e o Ocidente, com a imposição de sanções pelos Estados Unidos, tende a levar Moscou a buscar outros fornecedores para os alimentos que importa, privilegiando o Brasil e a Argentina. Mas as oportunidades para o nosso país vão além disso. Nos últimos anos, temos estreitado a cooperação tecnológica e militar com os Brics.

Já fazemos, há alguns anos, satélites de monitora­mento de recursos terrestres com a China – o último teve 50% de conteúdo nacional. A Embraer fornece aviões radares para a Índia. A Avibras e a Mectron estão desenvolvendo, para as Forças Aéreas brasileira e sul-africana, moderníssimo míssil ar-ar A-Darter em associação com a Denel. Compramos helicópteros MI-35, e baterias anti-aéreas Pantzir dos russos, que nos convidaram a dividir com eles, e os indianos, o projeto e a fabricação do caça bombardeiro de quinta geração T-50.

Como qualquer proposta dirigida para mudar o status quo vigente, o Brics tem sofrido intensa campanha nos meios de comunicação ocidentais, voltada para desacreditar o grupo, reduzindo-o à condição que tinha, no inicio, de mera sigla econômica. A China já é o maior sócio comercial do Brasil. Temos tido, como membro do Brics, e também do Mercosul, superávits em nosso comércio com os chineses e a América do Sul, enquanto com a Europa e os Estados Unidos têm aumentado nossos déficits e piorado nossas relações de troca.

É claro que não podemos abrir mão de nossas relações com o resto do mundo, mas, qualquer que seja o próximo governo, os laços que nos ligam a Moscou, Pequim, Nova Délhi e Pretória deverão permanecer como pilar essencial de nossas relações externas.

Isso vale para a economia, com o atendimento, pelo Brasil, do imenso mercado que surgirá, nos próximos anos, com a incorporação de dezenas de milhões de indivíduos ao consumo, na China e na Índia, condição que dificilmente encontraríamos em outras regiões do mundo. Mas também vale para a política, com o estabelecimento de uma aliança estratégica mundial com países que podem nos ajudar a queimar etapas nas áreas de tecnologia, diplomacia e defesa nos próximos anos. 

(por Mauro Santayana, Revista do Brasil)

Representantes da África do Sul, China e Índia já estão em Fortaleza para Cúpula do Brics

Os presidentes da África do Sul e da China e o primeiro-ministro da Índia já estão em Fortaleza para a reunião da Cúpula do Brics nesta terça-feira (15) no Centro de Eventos do Ceará, em Fortaleza.

De acordo com a Infraero, os três chefes de Estado chegaram no início da tarde, entre 13h30 e 14h. As comitivas saíram na Base Áerea de Fortaleza foram escoltadas até os hotéis pela Polícia Rodoviária Federal. A segurança aproximada dos chefes de estado foi realizada pela Polícia Federal, que também fez com helicóptero o monitoramento aéreo das rotas.

Presidente da China, Xi Juping, chega a Fortaleza para reunião do Brics (Foto: TV Verdes Mares/Reprodução)
Presidente da China, Xi Juping, chega a Fortaleza
para reunião do Brics (Foto: TV Verdes Mares/
Reprodução)

Segundo a Infraero, o presidente da África do Sul, Jacob Zuma foi o primeiro a chegar à Base Aérea. Em seguida, aterrissaram o primeiro-ministro da índia, Narendra Modi, e o presidente da China, Xi Jiping. As comitivas presidenciais seguiram, respectivamente, para os hotéis Luzeiros, Seara e Gran Marquise.

A presidente do Brasil, Dilma Rousseff, e o presidente da Rússia, Vladimir Putin, também devem chegar ainda nesta segunda-feira (14) em Fortaleza. Na manhã de hoje, os dois presidentes tiveram uma reunião prévia em Brasília. Os dois discutiram sobre a criação do banco do Brics e mudanças no Fundo Monetário Internacional (FMI). Após almoço no Palácio Itamaty, o presidente da Rússia deve seguir ainda nesta tarde para a capital cearense.

(G1 Ceará)

No Ceará, preço do voto sai a R$ 22,47

O jornal Folha de São Paulo realizou um levantamento sobre o custo do voto em cada Estado brasileiro. A média nacional chega a R$ 17,44 e no Ceará o valor alcança R$ 22,47. De acordo com o jornal, que divulgou tal estimativa nesse domingo, se todos os candidatos a governador gastarem o teto do declarado à Justiça Eleitoral, o valor atingirá R$ 2,48 bilhões. Isso representa quase o custo médio de quatro estádios da Copa no País.

Confira abaixo os número por região.

Nordeste – R$ 19,87
Norte – R$ 31,18
Centro-Oeste R$ 45,78
Sudeste – R$ 10,86
Sul – R$ 11,67%

Confira as 10 mais caras, analisando o limite de despesas dos candidatos ao governo, em milhões de R$

São Paulo – R$ 324 milhões
Rio de Janeiro – R$ 185,91 milhões
Alagoas – R$ 143,1
Distrito Federal – R$ 143 milhões
Ceará – R$ 140,8 milhões
Minas Gerais – R$ 133,83
Bahia – R$ 123,65
Goiás – R$ 121, 4
Mato Grosso – R$ 110
Parará – R$ 108,02.

Lula vai gravar depoimento pró-Luizianne Lins

Da Coluna Vertical, do O POVO desta segunda-feira:

O ex-presidente Lula vai mesmo aparecer na propaganda eleitoral gratuita do Ceará. Por enquanto, nada de depoimento pró-candidatos da base dilmista ao Governo do Estado. Ele comunicou que gravará um depoimento em favor da ex-prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, candidata a deputada federal.

Luizianne virou o “carro-chefe eleitoral” do PT e o partido espera que a loira supere a marca dos 200 mil votos, pelo menos. Luizianne, por enquanto, evita falar no assunto, mas terá um encontro com o petista possivelmente nesta semana, em São Paulo, para abordar cenários eleitorais.

BOM LEMBRAR: na disputa pela Prefeitura de Fortaleza em 2004, Luizianne disputou e ganhou a peleja sem apoio das grandes lideranças do partido. Lula estava nesse rol.

Pastor Everaldo só pensa naquilo: “Privatização”

O candidato a presidente da República pelo PSC, Pastor Everaldo Pereira, confirmou, nesta segunda-feira, em Fortaleza, durante coletiva no Hotel Amuarama, que seu partido apoiará o candidato a governador pelo PMDB, Eunício Oliveira.

O Pastor Everaldo adiantou que, quando vier novamente em campanha ao Ceará, o peemedebista abrirá seu palanque para o PSC. O PMDB fará o mesmo com o candidato a presidente da República pelo PSDB, Aécio Neves.

A plataforma do Pastor Everaldo prioriza, segundo disse, a privatização da maioria dos serviços oferecidos por muitas estatais. Disse que se for eleito, vai privatizar a Petrobras, pois não vê Estado gerindo postos de gasolina; e a Infraero, que administra aeroportos. Educação e Saúde, de acordo com o Pastor Everaldo, estão fora de sua filosofia de privatização.

O candidato a presidente do PSC cancelou caminhada pelo Centro de Fortaleza para priorizar gravação de programas eleitorais com os candidatos a cargos proporcionais. Ele terá encontro, à tarde, com Eunício Oliveira.

Via http://blog.opovo.com.br/blogdoeliomar/

Coligação de Camilo Santana pede impugnação da candidatura de Eunício Oliveira

A coligação “Para o Ceará Seguir Mudando”, encabeçada pelo candidato ao governo Camilo Santana (PT), deu entrada a cinco ações de impugnação do registro de candidatos majoritários e proporcionais da aliança encabeçada por Eunício Oliveira (PMDB). A alegação é que houve irregularidades nas convenções de partidos coligados a Eunício que definiram candidatos a governador, vice, senador e deputados estaduais e federais.

 

As ações fazem parte das 28 ações de impugnação de registro de candidatura protocoladas no Tribunal Regional Eleitoral (TRE) do Ceará até as 19 horas de sábado, 12. A assessoria de imprensa do candidato Eunício Oliveira nega qualquer irregularidade nas convenções das candidaturas ligadas ao peemedebista.

 

Candidatos a deputado

O TRE também recebeu impugnação do registro de candidatura do deputado estadual Sérgio Aguiar (Pros), que tenta a reeleição, e do candidato a deputado estadual Giovanni Sampaio (PMDB), ex-secretário da Prefeitura de Juazeiro do Norte.

 

A ação contra Sérgio foi proposta pelo candidato a deputado estadual Marcos Coelho (PSDB), atual suplente de vereador de Camocim. Coelho baseia a impugnação na rejeição, pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM), das contas de 2002 e 2004 da gestão de Sérgio como prefeito daquele município.

 

Em 2010, a Câmara de Camocim manteve os pareceres prévios do TCM pela rejeição das contas. No ano passado, porém, os vereadores, em votação secreta, rejeitaram os pareceres. A atual prefeita é Mônica Aguiar (Pros), mulher de Sérgio.

 

Ocorre que esta sessão da Câmara foi anulada em 3 de julho pelo juiz Rogério Henrique do Nascimento, da Comarca de Camocim. Atendendo a ação popular movida por Marcos Coelho, o juiz entendeu que os vereadores deveriam ter julgado as contas com voto aberto. Com isso, afirma Coelho, volta-se à situação anterior, em que a Câmara mantém os pareceres do TCM.

 

Aguiar disse estar tranquilo. “Vou apresentar resposta através de minha assessoria jurídica. É muito mais um fato político, porque ele (Coelho) pretende disputar comigo na região. Não teve voto sequer para se eleger vereador e agora está tentando tumultuar”.

 

No caso de Giovanni Sampaio, a impugnação foi proposta pelo Ministério Público Eleitoral, com base na desaprovação, pelo TCM, das contas da gestão do candidato como secretário de governo e articulação política de Juazeiro do Norte, entre janeiro e março de 2010.

 

NÚMERO

 

28

é o número de ações de impugnações protocoladas no TRE

 

Entenda

 

As ações de impugnação são propostas pelo Ministério Público Eleitoral, por partidos, candidatos e coligações quando há elementos que possam tonar inelegíveis os postulantes, conforme os critérios da Lei da Ficha Limpa. Por exemplo: contas desaprovadas, compra de votos etc.

 

Até as 19h de sábado, 12, TRE recebeu do MPE impugnações a 28 registros de candidatura, relativas aos 768 pedidos protocolados até o último dia 5 de outubro. Destas impugnações, 22 foram propostas pelo MPE, uma por candidato adversário e cinco pela coligação de Camilo Santana.

 

O MPE ainda pode encaminhar novos pedidos de impugnação da lista de 45 candidatos que deram entrada no TRE com pedido de registro individual de candidatura após o dia 5.

 

SERVIÇO

 

Tribunal Regional Eleitoral do Ceará (TRE)

Onde: Rua Jaime Benévolo, 21 – Centro, Fortaleza, CE 

Outras informações: Site: http://www.tre-ce.jus.br/

Telefone: (85) 3211-2600

(Bruno Pontes, O Povo)

MPE impugna candidaturas de Carlomano, Eugênio Rabelo, Dedé Teixeira e Carlos Macêdo

Carlomano Marques

O Ministério Público Eleitoral impugnou nesta sexta-feira, 11, outras quatro candidaturas a cargos proporcionais no Ceará. Agora há pouco, a lista recebeu atualização com os nomes dos deputados estaduais Carlomano Marques (PMDB) e Dedé Teixeira (PT), do ex-deputado federal Eugênio Rabelo (PP) e do ex-prefeito de Aurora, Carlos Macedo (PSB). Ao todo, chega a oito o número de candidaturas impugnadas no Estado.

Caso as impugnações sejam aprovadas pelo Tribunal Regional Eleitoral (TRE-CE), todos os oito candidatos não poderão disputar eleição neste ano. Até o próximo sábado, 12, o MPE analisa os 808 pedidos de registro para as eleições deste ano. A ideia é verificar se há elementos que possam levar candidatos à inelegibilidade – como enquadramento na lei da Ficha Limpa.

Nesta quinta-feira, foram adicionados à lista os deputados estaduais Sineval Roque (Pros), Mirian Sobreira (Pros) e Ana Paula Cruz (PHS) e o ex-prefeito de Juazeiro do Norte, Manoel Santana (PT). Das oito, a única que não partiu do MPE foi de Santana. A iniciativa partiu de Gilvan Pereira, candidato a deputado federal pelo PTN.

O TRE-CE terá até 12 de agosto para julgar todas as impugnações. Se condenados, candidatos podem recorrer ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Em 2010, número de candidaturas questionadas chegou a 40.
Veja a lista de candidaturas denunciadas pelo Ministério Público Eleitoral 

ANTONIO ROQUE DE ARAUJO (candidato a deputado estadual)
Coligação: PRB/PT/PTB/PSL/PHS/PV/PSD/SD/PROS.

ANA PAULA GOMES DA CRUZ NAPOLEÃO (candidato a deputado estadual)
Coligação: PRB/PT/PTB/PSL/PHS/PV/PSD/SD/PROS.

MIRIAN DE ALMEIDA RODRIGUES SOBREIRA (candidato a deputado estadual)
Coligação: PRB/PT/PTB/PSL/PHS/PV/PSD/SD/PROS.

EUGENIO RABELO (candidato a deputado federal)
Coligação: PRB /PP /PDT /PT /PTB /PSL /PHS /PSD /PC DO B /SD /PROS.

CARLOMANO GOMES MARQUES (candidato a deputado estadual)
Coligação: PMDB/PR/DEM/PRP/PHS/PSDB.

FRANCISCO JOSÉ TEIXEIRA (candidato a deputado estadual)
Coligação: PRB/PT/PTB/PSL/PHS/PV/PSD/SD/PROS.

FRANCISCO CARLOS MACEDO TAVARES (candidato a deputado federal)
Coligação: Socialista Brasileiro-PSB

MANOEL RAIMUNDO DE SANTANA NETO (candidato a deputado estadual)
Coligação: PRB/PT/PTB/PSL/PHS/PV/PSD/SD/PROS.
IMPUGNANTE : Gilvan Luiz Pereira (candidato a deputado federal

JOÃO DILMAR DA SILVA (candidato a deputado estadual)
Coligação: PRB/PT/PTB/PSL/PHS/PV/PSD/SD/PROS
NOTICIANTES: Francisco Hyadson Vieira Lourenço, Francisco Weslon da Silva de Souza e Manoel Maximino Ribeiro

* Com informações do TRE/CE

Dilma lança conta no WhatsApp para diálogo com os eleitores

A nova aposta da presidente Dilma Rousseff para se aproximar dos seus eleitores é utilizar uma das ferramentas mais utilizadas pela maioria dos brasileiros: o WhatsApp. Sim, a presidente apelou para a tecnologia e está lançando uma nova campanha, onde o mensageiro mais utilizado no mundo inteiro é a principal ferramenta. Para suprir a ausência de atos nas ruas, a presidenta se torna a primeira a aderir este modelo de campanha.

Para enviar mensagens à nossa presidente, o usuário deve utilizar o número (61) 9688-6503, e também poderá interagir com outros representantes da campanha. O número foi criado pelo site Muda Mais, que também faz parte da campanha de Dilma, segundo a assessoria da candidata.

“A equipe Muda Mais desenvolveu uma estratégia de atendimento via WhatsApp, um novo canal de relacionamento que iremos explorar com objetivo de colocar nas suas mãos, literalmente, a resposta para o que você precisa. E quer saber? O retorno dessa atividade tem sido amplamente satisfatório e com ela estreitamos laços com a militância de todo Brasil, além de estar servindo às comunidades digitais com esse novo recurso interativo”

O aplicativo começou a ser testado no dia 3 de julho e entrou em funcionamento, de fato, na última segunda-feira (7). Nesta data, um bom número de conteúdo já começara a ser distribuído na rede para os usuários que estavam conectados com o número divulgado.

A candidata tem utilizado com muita frequência as redes sociais para se aproximar dos seus eleitores e, assim, ganhar um número maior de votos. De fato, a escolha de apelar apenas para candidaturas na TV e nas ruas, pelo visto, não está sendo o grande foco – pelo menos não agora -, e o público da internet vem sendo cada vez mais “bombardeado” com esse tipo de propaganda.

(Tudo Celular)

DILMA terá mais tempo de TV que AÉCIO e CAMPOS juntos

Jornal GGN – O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) divulgou nesta quinta (10) a estimativa de tempo que os 11 candidatos ao Palácio do Planalto terão no horário eleitoral no rádio e na televisão. A presidente Dilma Rousseff (PT), que tentará a reeleição, lidera o ranking com 11 minutos e 48 segundos. Aécio Neves, candidato do PSDB, vem em seguida, com 4 minutos e 31 segundos. O terceiro colocado nas pesquisas de intenção de voto, Eduardo Campos (PSB), terá 1 minuto e 49 segundos.

O restante do tempo de TV será dividido entre o PSC do Pastor Everaldo, que terá 1 minutos e 8 segundos; PV, de Eduardo Jorgen (1 minuto e 1 segundo); PSOL, da candidata Luciana Genro (51 segundos) e o PSDC de Eymael (47 segundos). Levy Fidelix (PRTB), Zé Maria (PSTU), Mauro Iasi (PCB) e Rui Costa Pimenta (PCO) terão 45 segundos cada. Os tempos serão informados a todas as coligações em audiência pública na quarta-feira (16). A propaganda eleitoral começa no dia 19 de agosto.

A divisão do tempo de propaganda por bloco de 20 minutos foi feita com base no número de partidos e coligações que registraram candidaturas ao cargo do Executivo Nacional e a suas representações na Câmara dos Deputados.

O TSE definirá a primeira ordem de exibição dos programas em sorteio no dia 5 de agosto. Nos programas seguintes, a ordem seguirá o critério de rodízio. Caso a disputa vá para segundo turno, o bloco de 20 minutos será dividido de forma igualitária entre as coligações.

Com Agência Brasil

Brasília e Fortaleza sediam sexta cúpula dos Brics

São Paulo – Os líderes de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul realizam nesta terça-feira, em Fortaleza, e um dia depois, em Brasília, a sexta cúpula do fórum Brics, que reúne grandes economias emergentes que contam com 42% da população do planeta e 21% do PIB mundial.

Os presidentes de Brasil, Dilma Rousseff; Rússia, Vladimir Putin; China, Xi Jinping; e África do Sul, Jacob Zuma, assim como o primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, abordarão aspectos como a inclusão social e odesenvolvimento sustentável e finalizarão os detalhes para a criação de um banco de fomento próprio.

Este último aspecto será o foco do encontro que os ministros de Finanças e presidentes dos Bancos Centrais dos cinco principais países emergentes realizarão no dia 14 de julho.

A criação do banco dos Brics, que nascerá com um capital inicial de US$ 50 bilhões, valor para o qual cada país contribuirá com um quinto, pode ser formalizada em Fortaleza através da assinatura dos tratados constitutivos.

Além da criação do banco de desenvolvimento conjunto, os Brics debaterão a criação de um Acordo de Reservas de Contingência (CRA, na sigla em inglês), uma espécie de fundo de estabilização econômica que pode repassar recursos a países em crise, com dificuldades em seu balanço de pagamentos ou que sofrem ataques especulativos.

O fundo de reservas será dotado de US$ 100 bilhões, segundo as conversas preliminares da cúpula que os Brics realizaram no ano passado em Durban (África do Sul).

Também no dia 14 de julho vai acontecer uma reunião da qual participarão os ministros de Comércio dos Brics, assim como um Fórum de Negócios, e um dia depois os líderes de Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul realizarão a portas fechadas a primeira sessão plenária da cúpula.

Sob o lema ‘Crescimento Inclusivo: soluções sustentáveis’, os representantes dos cinco países buscarão reforçar o compromisso com a inclusão social e o desenvolvimento sustentável dos países sem abandonar a caminho do crescimento.

Segundo o subsecretário político do Itamaraty, José Alfredo Graça Lima, um dos objetivos da cúpula também é o de ressaltar o papel que as cinco maiores potências do mundo desempenharam para se alcançar os Objetivos de Desenvolvimento do Milênio (ODM) fixados pela ONU.

A expectativa dos organizadores é que cerca de 3.000 pessoas participem da reunião de líderes dos Brics em Fortaleza, entre eles cerca de 1.500 jornalistas, 800 empresários e membros das delegações dos cinco países.

Após o encontro na capital do Ceará, os chefes de Estado e de Governo das cinco potências vão para Brasília, onde terão sua primeira reunião com os presidentes dos países da União de Nações Sul-Americanas (Unasul).

Um dos objetivos deste encontro, promovido pelos Brics, é apresentar à América do Sul as possibilidades do banco de desenvolvimento, que atuará como uma espécie de alternativa ao Banco Mundial, dominado pelas grandes potências.

A Cúpula entre os Brics e Unasul será, além disso, a antessala de uma primeira reunião entre os líderes de China e Brasil e os do chamado quarteto da Comunidade de Estados Latino-Americanos e do Caribe (Celac), integrado por Costa Rica, Cuba, Equador e Antígua e Barbuda.

O Brasil foi, até o momento, o único país do bloco a abrigar duas cúpulas – a primeira em Brasília, em 2010 – desde que em 2009 começaram as primeiras reuniões formais dos Brics, inicialmente constituídos pelo país, Rússia, Índia e China, e ao qual a África do Sul se integrou em 2011.

EFE

Luizianne Lins e Capitão Wagner: Candidatos “puxadores de voto” reforçam coligações no CEARÁ

A presença dos “puxadores de votos” em coligações eleitorais é determinante para garantir a representatividade dos partidos nas Casas Legislativas. No Ceará, nomes como o da ex-prefeita de Fortaleza Luizianne Lins (PT), do vereador Capitão Wagner (PR) e do deputado federal Domingos Neto (Pros) – filho do vice-governador do Estado, Domingos Filho – além de garantirem a própria eleição, podem ser capazes de sustentar a de outros candidatos com menos representatividade.

Isso é possível porque, diferentemente da eleição majoritária – em que o candidato a presidente, governador ou senador vence com 50% mais um dos votos válidos – a eleição proporcional requer procedimento distinto de contagem de votos. Para 2014, fizeram pedido de registro de candidatura, na Justiça Eleitoral, 553 nomes para deputado estadual e 196 para federal. Em 2010, foram 603 para estadual e 154 para federal.

A quantidade de votos que uma legenda ou um candidato específico pode atrair para a coligação é um dos fatores decisivos para fechar as alianças. No caso do PT, Luizianne Lins é cotada como candidata a deputada federal responsável por puxar votos para o partido, segundo o presidente da sigla, De Assis Diniz. Além dela, o PT conta com o atual deputado José Guimarães que, em 2010, foi o segundo mais votado para a Câmara dos Deputados, atrás apenas de Domingos Neto, com 246.591 votos, que disputará a reeleição.

Partidos cearenses apostam numa média de 100 mil votos para eleger um deputado estadual, e de 200 mil para os concorrentes a cargo federal neste ano.

Estaduais

No âmbito estadual, a aposta para “puxador de votos” no PR, coligado com PMDB, PSDB, DEM e PRP, é o vereador Capitão Wagner Sousa, de acordo com o presidente do partido Lúcio Alcântara – o qual chegou a ser cotado como candidato. Em 2012, Wagner foi o vereador mais votado de Fortaleza, com 43.655 votos, e ajudou o PR a eleger outros dois vereadores: Adelmo Martins e Márcio Cruz, ambos atualmente no Pros.  

O PSol, que em 2010 obteve votações expressivas, mas não alcançou o número mínimo de votos para emplacar um parlamentar, acredita que com uma estrutura maior de candidatos para os diversos cargos poderá angariar votos suficientes para eleger até dois candidatos para deputado estadual, segundo o vereador João Alfredo. O parlamentar disputará eleição junto com o advogado Renato Roseno que em 2010, quando concorreu a deputado federal, obteve mais de 100 mil votos, mas não se elegeu por conta do coeficiente eleitoral. 

Saiba mais

Como funcionam as eleições proporcionais:

Nas eleições proporcionais o eleitor deve estar atento aos cálculos do quociente eleitoral e do quociente partidário que determinam o número de vagas que o partido vai ocupar no Legislativo. 

O quociente eleitoral é obtido a partir da divisão total de votos válidos, dados para o candidato ou legenda, pelo número de vagas a serem preenchidas. Não são contabilizados os votos brancos e nulos. Por exemplo, um determinado Estado que tenha 800 mil votos válidos com 40 vagas em disputa, tomando por base a divisão dos votos válidos pelo número de vagas, terá um quociente eleitoral de 20 mil votos.

Os partidos que atingem o quociente eleitoral calculam, então, o quociente partidário para saber com quantas vagas cada um ficará. O quociente partidário é definido pelo resultado do número de votos válidos obtidos, pelo partido isolado ou pela coligação, dividido pelo quociente eleitoral. Neste caso, se uma determinada coligação obtivesse 100 mil votos, garantiria cinco vagas, que seriam distribuídas para os cinco candidatos da coligação mais bem votados.

Segundo o TSE, o quociente eleitoral para eleger o primeiro deputado federal, em 2010, foi de 193.566 votos e, para estadual, 94.667. À medida que os partidos disputam as sobras, o quociente diminui.

Um dos casos mais emblemáticos foi a eleição do palhaço Tiririca para deputado federal em 2010, com 1,35 milhão de votos em São Paulo.

(Jéssica Welma, O Povo)