archives

Banco do Brasil

Esta categoria contém 251 posts

Chapa 1, apoiada pela Contraf-CUT, vence eleição na Cassi com 31.545 votos

A Chapa 1 Todos pela Cassi, apoiada pela Contraf-CUT e pela grande maioria do movimento sindical bancário, venceu a eleição para a renovação de parte da diretoria executiva e dos conselhos deliberativo e fiscal da Caixa de Assistência dos Funcionários do Banco do Brasil.

Encabeçada por William Mendes, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB e diretor da Contraf-CUT, a Chapa 1 obteve 31.545 votos (37,58%), contra 25.746 (30,67%) da Chapa 3, 14.041 (16,72%) da Chapa 4 e 12.603 (15,01%) da Chapa 2.

“A Chapa 1 Todos pela Cassi agradece a confiança dos associados e anuncia que a partir desse momento não tem mais chapa de oposição. Esperamos realizar agora um trabalho conjunto de todos pela Cassi. Nosso mandato será das entidades do funcionalismo e do conjunto dos associados, da ativa e aposentados”, diz William Mendes.

A eleição começou no dia 9 de abril e terminou nesta terça-feira 22. A posse dos dirigentes eleitos será no dia primeiro de junho.

A Cassi atende 800 mil vidas em seus dois planos de saúde: o Plano de Associados, para os funcionários da ativa e aposentados e seus dependentes, e o Cassi Família, voltado para familiares até o terceiro grau de parentesco. 

A direção da Caixa de Assistência é compartilhada. O BB indica o presidente, o diretor de administração e finanças, quatro dos oito conselheiros deliberativos e três dos seis conselheiros fiscais. Os associados elegem o diretor de Saúde e Rede de Atendimento, o diretor de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes e a metade dos conselhos deliberativo e fiscal. 

Os candidatos eleitos são os seguintes:

Diretor de Saúde e Rede de Atendimento - William Mendes de Oliveira

Conselho Deliberativo - Fabiano Felix do Nascimento e Loreni de Senger (titulares); Elisa de Figueiredo Ferreira e Nilton Cifuentes Romão (Ramon), suplentes.

Conselho Fiscal - Regina Fátima de Souza Cruz (titular) e Daniel Liberato (suplente).

Fonte: Contraf-CUT

Ary Joel poderá sumir a presidência da Caixa Econômica Federal ou Banco do Brasil

Ary Joel Lanzarin vai passar 40 dias com a família que tanto protege. Depois segue para nova missão. A mais provável é assumir a presidência da Caixa Econômica Federal que foi destruída pelos petistas do mal. Tem muita gente descente e competente no PT, é bom ressaltar. Ary Joel é um homem de esquerda. Acredita que o dinheiro pode distribuir riquezas e gerar vida melhor para os mais simples.

Lanzarin tem ainda uma proposta para voltar para sua origem, o Banco do Brasil, onde foi diretor. Para onde for o Brasil lhe será grato.

(Blog do Roberto Moreira)

Banco é condenado ao pagamento de R$ 300 mil por dano moral coletivo

A Justiça julgou procedente ação proposta pelo Ministério Público do Estado de Mato Grosso, por meio da Promotoria de Justiça de Defesa da Cidadania de Várzea Grande, e condenou o Banco do Brasil ao pagamento de R$ 300 mil a título de dano moral coletivo por descumprimento da “Lei da Fila”.

O dinheiro será revertido ao Fundo Estadual de Defesa do Consumidor.    De acordo com a sentença, a instituição bancária deverá promover as adequações necessárias para que os consumidores sejam atendidos no prazo máximo de 15 minutos em dia normais e 30 minutos em véspera e um dia depois de feriado.

Nos bilhetes de senhas deverão constar impresso os horários de retirada e do efetivo atendimento.

Segundo o promotor de Justiça Rodrigo de Araújo Braga Arruda, também foi estabelecido ao banco que providencie em todas as agências localizadas na cidade assentos nos locais de espera pelo atendimentos dos caixas em número compatível com a demanda de clientes. “Pelo menos 10 cadeiras para atendimento prioritário aos idosos, gestantes, acidentados e para pessoas com deficiência e com criança de colo deverão ser oferecidas”, explicou o promotor de Justiça.

As agências deverão, ainda, disponibilizar, durante o expediente bancário, atendentes para orientar os consumidores e garantir nos caixas eletrônicos o respeito ao direito de preferência das pessoas deficientes, idosas, lactantes e acompanhadas de criança de colo. A estrutura física também deverá ser melhorada. Além de banheiros masculino e feminino, deverão ser disponibilizados bebedouros com copo descartável e estacionamento gratuito.    “Os pedidos do Ministério Público foram todos acatados. A Justiça não acolheu os argumentos apresentados pela defesa do Banco do Brasil em relação a suposta inconstitucionalidade da Lei Municipal 2.757/2005 que dispõe sobre o assunto.

A justificativa de que o banco encontraria limitações para adequar o seu quadro de funcionários, bem como efetuar as instalações materiais necessárias nas agências, por integrar a administração indireta, também foi refutada”, explicou o promotor de Justiça.

http://www.24horasnews.com.br

Banco do Brasil treina funcionários para evitar lavagem de dinheiro

O Banco do Brasil treinou mais de 37 mil funcionários em 2013 em pelo menos um evento de capacitação sobre Prevenção e Combate a Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo (PLD/FT). A Instituição disponibiliza cursos, workshops, seminários e certificação de conhecimentos sobre o tema.

“Funcionários aptos a identificar situações suspeitas envolvendo lavagem de dinheiro, além de preservar a Instituição, contribuem diretamente com os esforços do País para a repressão e punição de diversos crimes”, avalia o diretor de Gestão de Segurança do Banco do Brasil, Marcos Ricardo Lot.

Segundo Lot, o BB contribui ativamente com as ações no âmbito do Sistema Nacional de Prevenção e Combate à Lavagem de Dinheiro, por meio da participação nas reuniões de elaboração e implementação da Estratégia Nacional de Combate à Corrupção e à Lavagem de Dinheiro (Enccla) e da formalização de Acordos de Cooperação Técnica com instituições como o Ministério da Justiça, o Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), vinculado ao Ministério da Fazenda, e o Ministério Público do Estado de São Paulo. 

Atualmente, dos 112 mil funcionários do BB, 105 mil possuem treinamentos dessa espécie. Mais de 20,4 mil possuem certificação interna de Prevenção e Combate a Lavagem de Dinheiro e ao Financiamento do Terrorismo e quase 3 mil realizaram esse treinamentos sobre este assunto nos idiomas inglês ou espanhol.

O BB oferece diversos cursos nesses idiomas com o objetivo de atender os cerca de mil funcionários do banco no exterior e àqueles do Brasil que desejam aproveitar os treinamentos para prática desses idiomas.

Além da capacitação para prevenção e combate à lavagem de dinheiro, no ano passado, a Universidade Corporativa do Banco do Brasil (UniBB) ofertou 7,8 milhões de horas em ações de capacitação, tanto na modalidades autoinstrucional, como na presencial, além de programas de ensino superior, idiomas e certificações. O investimento em educação corporativa foi de R$ 91,7 milhões, ou seja, R$ 796 por funcionário, no período.

Fonte:
Banco do Brasil 

Bandidos explodem caixa eletrônico do Banco do Brasil em Itaiçaba

Um grupo formado por 15 homens invadiu a cidade de Itaiçaba e explodiu o caixa eletrônico do Banco do Brasil na madrugada desta terça-feira (25). De acordo com a Polícia, o bando fazia uso de explosivos e deixou a agência na Rua Coronel João Barbosa totalmente danificada. A ação aconteceu por volta das 0h40. 
 
Segundo populares, os homens estavam divididos em motos e em três carros, uma Hillux de cor preta, um Ford K vermelho e um Voyage de cor preta. Conforme o Comando de Policiamento do Interior (CPI), uma parte do grupo foi para a frente do unidade policial que só contava com a presença de 3 policiais e a outra para a agência.
 
Após a explosão, o grupo fugiu com uma quantia não identificada. Os policiais acionaram reforços das cidades vizinhas e continuam em diligências para identificar os suspeitos. 
 
Bando arrombou caixa eletrônico na Reitoria da UFC
 
No último domingo (23), um grupo de cerca de 6 homens rendeu um vigilante e arrombou um caixa eletrônico do banco Santander na Reitoria da Universidade Federal do Ceará (UFC), no bairro Benfica. As câmeras do circuito interno de segurança tiveram as lentes pixadas e tapadas com folhas de papel. A quantia levada não foi revelada pela gerência da agência bancária. 
(Diário do Nordeste)

 

Após irregularidades, Banco do Brasil ameaça tirar patrocínio do vôlei após 23 anos

O Banco do Brasil, patrocinador do vôlei brasileiro há 23 anos, e que tem sua marca fortemente associada à modalidade, emitiu um duro comunicado contra a Confederação Brasileira de Vôlei (CBV) nesta segunda-feira. No texto, exige que a entidade se explique sobre as denúncias que causaram a renúncia do presidente Ary Graça e condiciona a continuidade do patrocínio – de R$ 24 milhões anuais – à imediata adoção de medidas corretivas.

“O Banco do Brasil não irá compactuar com qualquer prática ilegal, ou que seja prejudicial ao esporte, eventualmente cometida pelas entidades com quem mantém contratos de patrocínio. O Banco condiciona a manutenção do apoio ao vôlei ao pronto esclarecimento dos fatos denunciados e à imediata adoção de medidas corretivas”, diz o texto divulgado à imprensa.

De acordo com reportagens da ESPN Brasil, a SMP Logística e Serviços Ltda, empresa pertencente a Marcos Pina, ex-CEO da CBV, receberia R$ 10 milhões a título de “remuneração relativa aos contratos de patrocínios firmados entre a CBV e o Banco do Brasil” no período de cinco anos, de abril de 2012 a abril de 2017.

O pagamento, previsto para acontecer em 60 parcelas, começou no segundo semestre de 2012. O Banco do Brasil, no entanto, esclareceu na ocasião, “que o contrato de patrocínio às seleções de vôlei foi firmado diretamente com a CBV”. Pina colocou o seu cargo à disposição no mesmo dia da publicação da reportagem, atendendo a pedido da presidência da CBV.

Depois, a ESPN Brasil divulgou outra denúncia, segundo a qual o mesmo patrocínio do BB rendia outra comissão de R$ 10 milhões. Esse dinheiro beneficiaria a “S4G Gestão de Negócios”, que pertence a Fábio André Dias Azevedo, que é hoje diretor geral da Federação Internacional de Vôlei (FIVB). Antes de ser levado à entidade maior do vôlei mundial, em cargo imediatamente abaixo do ocupado pelo próprio Graça, Azevedo era superintendente da CBV.

“O Banco do Brasil já solicitou esclarecimentos à CBV imediatamente após a divulgação dos primeiros fatos e aguarda as respostas da entidade para avaliar os desdobramentos relativos ao contrato de patrocínio”, apontou o banco, nesta segunda-feira.

A denúncias causaram a renúncia de Ary Graça, que presidia a CBV desde 1995, mas estava licenciado do cargo desde que se tornou presidente da FIVB, em dezembro de 2012. Sua saída confirmou a efetivação de Walter Pitombo Laranjeiras, o Toroca, que vinha ocupando a posição de “presidente em exercício”.

A renúncia de Ary Graça foi confirmada durante a Assembleia Geral Ordinária da CBV, realizada em João Pessoa (PB), na sexta-feira passada. Segundo a entidade, ele teria anunciado sua saída em carta enviada em dezembro do ano passado. No entanto, a carta só teria sido referendada durante a Assembleia que reuniu 26 dos 27 presidentes das federações estaduais.

“Apesar de não ter responsabilidade legal ou contratual para fiscalizar a aplicação dos recursos do patrocínio, o Banco do Brasil entende que é necessário a CBV adotar novas práticas de gestão que tragam mais transparência para a aplicação dos recursos e, por exemplo, vedem a contratação de empresas que eventualmente tenham como sócios dirigentes da Confederação”, reclama o Banco do Brasil.

No sábado, o ministro da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage, determinou que a Secretaria Federal de Controle Interno inicie a análise e investigação das denúncias contra a CBV.

O ministro do Esporte, Aldo Rebelo, porém, evitou criticar a CBV. “A confederação era tida como paradigma de modelo de administração desde 1992, quando começou sua trajetória de sucesso com a conquista do ouro na Olimpíada de Barcelona. Agora surgem denúncias de irregularidades. Quando isso acontece, é preciso não se precipitar em julgamentos e esperar que tudo seja devidamente esclarecido, principalmente no caso do Banco do Brasil”, disse na sexta-feira.

Via http://www.superesportes.com.br

Assembleia debate adequações ao Estatuto do Sindicato dos Bancários do Ceará

Em cumprimento a uma proposta de campanha eleitoral da atual gestão do Sindicato dos Bancários do Ceará, a entidade realiza no próximo dia 21/3, às 18h30 em primeira convocação e às 19h em segunda convocação, assembleia para apreciação de alterações no seu Estatuto.

A reforma é necessária para que sejam realizadas adequações ao Código Civil e a normas e portarias do Ministério do Trabalho e Emprego. Contempla também atualizações necessárias à continuidade do processo de luta da categoria e de gestão da entidade.

Reformado em 1991, após 23 anos, o Estatuto necessita adequar-se às mudanças na legislação trabalhista do País. O Estatuto atual é omisso a algumas exigências do Código Civil e do Ministério do Trabalho, entre elas as portarias 186 (que estabelece procedimentos para concessão, alteração, cancelamento e gerenciamento do código sindical) e 326 (solicitação de registro sindical).

“Todos os grandes sindicatos, especialmente de bancários (DF, SP, MG, RJ, PE, PI), estão promovendo alterações estatutárias para se adequar às exigências legais do Código Civil, do Ministério do Trabalho e às necessidades de atuação com unidade de classe entre as categorias para enfrentar o patronato. Ou nós nos organizamos por ramo ou o patronato vai nos dividir”, afirma o presidente do Sindicato dos Bancários do Ceará, Carlos Eduardo Bezerra.

Para apresentar essa proposta estatutária, a diretoria do Sindicato dos Bancários procurou utilizar de toda a transparência possível, publicando o edital de convocação da assembleia no Diário Oficial da União e em dois jornais de grande circulação. Além disso, no site do Sindicato (www.bancariosce.org.br), há, além do edital, o texto completo da proposta de mudança. Essa é uma forma de envolver o bancário, para que ele participe e se possa avançar na luta com a ajuda de todos.

De 1991 até os dias atuais, novos municípios foram criados ou desmembrados e a inclusão da representatividade desses locais no Estatuto do Sindicato é de fundamental importância sob pena de deixar desprotegidos, de fato e de direito, os trabalhadores dessas regiões.

Além disso, uma das propostas a serem apreciadas inclui a mudança no nome do Sindicato e também na sua área de atuação, para incluir todo o ramo financeiro. Essa medida englobaria os trabalhadores de financeiras, cooperativas de crédito e casas de câmbio que, a partir dessa mudança, poderiam se filiar ao Sindicato. Essa é uma necessidade estratégica no enfrentamento aos bancos nas suas tentativas de desqualificar a representação e retirar direitos desses trabalhadores.

Como se encontra hoje, o Estatuto não permite a filiação de bancários aposentados que não eram filiados à entidade quando na ativa. Essa alteração, permitindo a filiação de aposentados, traria para o Sindicato esses trabalhadores que, além de poder ser representado juridicamente, poderiam ainda aproveitar as vantagens oferecidas pelos convênios bem como outros benefícios de ser associado.

Ainda nessa discussão de representatividade, a reforma estatutária prevê a criação do Conselho de Delegados Sindicais. Essa medida é extremamente importante porque, de acordo com o precedente normativo nº 86 do TST e o artigo 543 da CLT, legitima a organização por local de trabalho em todos os bancos.

Também na reforma estatutária há uma preocupação com a necessidade de políticas relativas às mulheres, ao combate ao racismo, ao preconceito, à discriminação por etnia ou por orientação sexual diferenciada. Essa atuação seria viável com a criação da Secretaria de Igualdade e da Diversidade, voltada exclusivamente para essa questão.

Politicamente, a proposta de reforma estatutária a ser analisada no próximo dia 21/3 permite fortalecer a democracia, a representatividade e a participação dos bancários, além de modernizar a gestão do Sindicato em todas as suas ações.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Banco do Brasil indenizará cliente que teve conta movimentada por terceiros

A 1ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) manteve sentença de primeira instância que condenou o Banco do Brasil a pagar R$ 6.728,74, por dano material, e R$ 5 mil, por dano moral, além de restituição em dobro de quatro prestações de empréstimo descontadas indevidamente dos vencimentos de uma cliente da instituição financeira.

A autora da ação na Justiça de 1º grau alegou que teve seus documentos furtados em 20 de janeiro de 2011, fato comunicado à polícia no mesmo dia e ao banco no dia 22, segundo ela. A cliente afirmou que em 29 de dezembro do mesmo ano detectou várias transações realizadas em sua conta corrente, inclusive um empréstimo consignado em seus vencimentos, não contratado por ela.

O banco apresentou apelo, argumentando que agiu no cumprimento do dever legal. Informou que as operações foram realizadas por cartão magnético, apontando culpa da autora, que não teria sido diligente com sua senha e cartão. Sustentou, ainda, que poderia ter sido culpa de terceiro, configurando caso fortuito que afastaria sua condenação.

FALHA – O relator, desembargador Jorge Rachid, disse que as provas constantes nos autos cuidam de falha na prestação de serviço bancário, consistente na utilização de dados de cliente de forma fraudulenta, sem autorização deste.

O magistrado verificou que a cliente sofreu diversos saques, compras em débito e contratação de empréstimo vários meses depois, apesar de ter comunicado o fato à polícia e ao banco. Acrescentou que a instituição não apresentou defesa e, portanto, assumiu o ônus da sua revelia.

Rachid entendeu que não prosperam as alegações do banco, de que não estão presentes os pressupostos para a indenização por danos morais. Disse que a instituição financeira responde pelo defeito na prestação do serviço, independentemente da existência de culpa, nos termos do artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

O relator citou precedentes do Superior Tribunal de Justiça (STJ) e ainda considerou o valor determinado como dano moral como estabelecido com razoabilidade. Ressaltou que, comprovadas as transações indevidas, é plenamente devida a indenização pelos danos materiais.

Os desembargadores Kleber Carvalho e Ângela Salazar também votaram pelo improvimento do recurso do Banco do Brasil.

(Âmbito Jurídico)

Banco do Brasil bate Itaú e tem maior lucro da história

São Paulo – O Banco do Brasil anunciou, nesta quinta-feira, o maior lucro da história das instituições financeiras brasileiras, batendo pela primeira vez em três anos o Itaú.

O BB apresentou lucro líquido de 15,8 bilhões de reais em 2013, valor 29% superior ao de 2012. Com esse resultado, superou seu maior rival por 68 milhões de reais.

O recorde foi impulsionado principalmente pela “expansão dos negócios, contenção de despesas, assim como pelo impacto do IPO do BB Seguridade”, afirmou o comunicado. Só com este IPO, realizado no 2º trimestre, o banco ganhou lucros de 9,82 bilhões de reais.

Entre a expansão dos negócios citada está, também, a carteira de crédito ampliada, que cresceu 19,3% em um ano, e a carteira de crédito classificada, que subiu 18,6%.

Seu lucro líquido ajustado, ou seja, que não leva em conta itens extraordinários e, portanto, não considerou o IPO, não foi tão animador. Os 10,35 bilhões de reais foram 10,2% menores que o atingido em 2012.

Se forem comparados apenas o 4º trimestre de 2013 com o mesmo período do ano anterior, a queda ultrapassou os 23%.

Analistas já previam uma queda no trimestre e esperavam lucros para o período de 2,6 bilhões de reais, mas o Banco do Brasil chegou a 3,02 bilhões.

Os recordes batidos tanto pelo Banco do Brasil quanto pelo Itaú e o Bradesco, que também registraram altas nos lucros, ocorreu principalmente pela queda da inadimplência, que foi geral. No BB, a inadimplência em dezembro de 2013 chegou a 1,98%, ante os 2,05% em 2012. É o menor índice do mercado, que teve média de 3%. 

(Exame Online)

Banco do Brasil: Funcionários condenam anotação de ações judiciais nas fichas cadastrais

São Paulo – A direção do Banco do Brasil cometeu mais uma irregularidade contra seus trabalhadores e clientes. Por determinação do setor de auditoria do banco público, foram feitas anotações em todas as fichas cadastrais de funcionários e correntistas que possuem qualquer tipo de ação judicial contra a empresa.

“Essa decisão expõe trabalhadores da ativa e aposentados que têm alguma pendência trabalhista, por exemplo, contra o Banco do Brasil. Essa medida é irregular e já reivindicamos ao banco que retire essas anotações”, afirma o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB, Willian Mendes.

A direção da empresa se comprometeu a atender à exigência. “Os representantes do banco afirmaram que tudo estaria resolvido nesta semana. Por isso é importante que os bancários, que ainda constatarem essa irregularidade em seu cadastro, denunciem para que possamos cobrar o BB”, acrescenta o dirigente sindical.

Plano de funções – Foi estendido por mais seis meses o direito dos bancários que aderiram ao Plano de Funções em realizarem até 20 horas extras por mês. A prorrogação do prazo, que expiraria em janeiro, foi conquistada durante a Campanha 2013.

(CONTRAF-CUT)

Banco do Brasil terá sua primeira agência em Shanghai, na China

Hoje trazemos uma entrevista exclusiva que toca a cooperação no âmbito financeiro entre a China e o Brasil. Nossa colega Rebeca Zhang entrevistou o chefe do escritório de representação do Banco do Brasil em Shanghai, Sérgio Quadros. O BB já obteve a licença das autoridades chinesas e vai fazer um upgrade de seu escritório e abrir sua primeira agência na China este ano.

Na entrevista, Sérgio Quadros, com sua experiência de quase 31 anos no setor bancário e seis de trabalho na representação do BB em Shanghai, fala do desenvolvimento do próprio banco na China e também nos apresenta sua opinião sobre as reformas econômicas do país asiático, a cooperação sino-brasileira neste momento histórico em que se completam quarenta anos de relação bilateral e muito mais.

 

Banco do Brasil divulga locais de prova para 636 mil candidatos

Se você é um dos 636.386 candidatos inscritos no concurso do Banco do Brasil (BB), já pode conferir aqui seu local de prova. Os exames objetivos e discursivos serão aplicados neste domingo (9/2).

Na prova objetiva, serão exigidos conhecimentos em língua portuguesa, atualidades do mercado financeiro, raciocínio lógico-matemático e conhecimentos específicos (cultura organizacional, técnica de vendas, atendimento, domínio produtivo da informática, conhecimentos bancários, cultura organizacional e conhecimentos de informática).

O certame abriu 8.630 vagas de cadastro reserva. A maioria das inscrições é para a microrregião 20, no Distrito Federal, com 52.006 inscritos e 1.000 vagas – concorrência média de 52 por chance -; seguida pela microrregião 35, em Belo Horizonte, com 29.084 participações e 400 vagas – concorrência de 72 inscritos por vaga.

O cargo em disputa é o de escriturário, com salário de R$ 2.043,36 em jornada de trabalho de 30 horas semanais. Do total de chances, 1.450 são para lotação no Distrito Federal – cinco por cento do total de chances a pessoas com deficiência.

Além do Distrito Federal, os aprovados serão lotados nos estados de Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, São Paulo e Tocantins. O regime de contratação será por meio da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT). A divulgação do resultado final do certame está prevista para 29 de abril.

(Diário de Pernambuco)

 

Bandidos roubam R$ 500 mil de agência do Banco do Brasil no RJ

Três criminosos roubaram aproximadamente R$ 500 mil de uma agência do Banco do Brasil situada em Vila Valqueire, zona norte do Rio de Janeiro, na tarde desta terça-feira (4).  Antes de efetuar o crime, eles renderam os seguranças.

De acordo com informações da Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), testemunhas estão sendo ouvidas e as imagens do circuito interno foram solicitadas para ajudar nas investigações.

Procurado, o serviço reservado do 9º BPM (Rocha Miranda) informou que a área onde ocorreu o roubo é considerada calma. No entanto, é patrulhada 24h com ajuda de motos e viaturas.

Pelo fato do Banco do Brasil ser uma instituição federal não está desconsiderada a hipótese de o caso ser encaminhado à Polícia Federal.

(O Dia)

Clientes do BB ficam impossibilitados de realizar saques na Serra da Ibiapaba

Clientes do Banco do Brasil, não puderam realizar saques durante todo o final de semana na região da Ibiapaba, todos os caixas dos municípios de Tianguá, Ubajara e Guaraciaba do Norte, estavam indisponíveis para saque.

É a primeira vez que o fato ocorre, e os clientes agora buscam uma explicação para o que aconteceu.

(Portal Ceará Agora)

Banco do Brasil é processado por enviar até 80 torpedos por dia a funcionários cobrando metas

O Ministério Público do Trabalho do Piauí (MPT-PI) entrou com ação contra o Banco do Brasil pedindo uma indenização de R$ 10 milhões por dano moral. O motivo é o assédio moral que os funcionários da superintendência do Banco no estado têm sofrido com cobranças de metas a serem atingidas. A principal forma de pressão acontece por meio de mensagens SMS em aparelhos celulares corporativos. Caso o banco seja condenado, o valor da multa deverá ser revertido em campanha publicitária de combate ao assédio moral no trabalho e em programas de acompanhamento psicológico aos trabalhadores.

Iniciadas em janeiro de 2013, a partir de dados do Sindicato dos Bancários no Piauí, as investigações constataram que, apesar do plano de metas da empresa ser semestral, a exigência ocorria diversas vezes ao dia, tendo casos em que um determinado funcionário afirmou ter recebido mais de 80 mensagens seguidas. De acordo com o MPT, a pressão desencadeou doenças nos funcionários – alguns estavam tomando remédio controlado para trabalhar e outros chegaram até a antecipar a aposentadoria.

As cobranças também eram enviadas fora do horário de serviço, nos finais de semana e de madrugada. “Não conseguia mais dormir, vivia com uma sensação de frustração. A superintendência do BB cobrava de tal forma que me sentia incapacitado”, afirmou um dos bancários em depoimento. “Eu recebia tantas ligações e SMS no celular corporativo que já o deixava no ‘vibra’, porque o toque me dava tique nervoso”, informou um dos gerentes.

Para a procuradora do Trabalho Maria Elena Moreira Rêgo, responsável pela investigação, o tom de cobrança nas mensagens era agressivo, irônico, ameaçador e extrapola os limites do aceitável. “A pressão que esses trabalhadores sofreram é injustificável e insuportável. Ouvi relatos emocionantes de homens angustiados. Trabalhadores que começaram a ser cobrados e pressionados tão intensa e constantemente que não resistiram e desistiram”, afirmou.

Segundo o MPT, a procuradora relata na ação que os trabalhadores que prestaram depoimento são profissionais que dedicaram a vida ao Banco do Brasil e, ao longo de anos de serviço, apresentaram fichas funcionais impecáveis. “A partir de dezembro de 2011, com a nova gestão da administração regional, começou o período de terror psicológico, que provocou estragos irreversíveis na vida dos gerentes”.

Doenças
Dos funcionários ouvidos, quatro desenvolveram a Síndrome de Burnout (Síndrome do Esgotamento Profissional) em um período de 12 meses. A doença é caracterizada pelo estado de tensão emocional e estresse crônico, relacionados às condições desgastantes do trabalho. As vítimas da enfermidade, todas elas profissionais com histórico de sucesso no banco, tinham sentimento de incompetência, fracasso e desempenho insatisfatório no trabalho. Também foram detectados sintomas como depressão, tremores, comportamentos agressivos e impaciência.

Na ação, que foi ajuizada em 16 de dezembro de 2013 e distribuída para a 4ª Vara do Trabalho de Teresina, a procuradora pede ainda a quebra de sigilo de dados telefônicos de todos os celulares corporativos do Banco do Brasil no Piauí para a empresa Telemar Norte Leste S/A, a fim de verificar a frequência das ligações e envios de SMS. Se a empresa de telefonia não atender ao pedido, pode ser multada em R$ 1 mil por dia de atraso no envio dos relatórios com os registros das chamadas e mensagens.

(Época Negócios)

Banco do Brasil é condenado em R$ 2 milhões por ‘ridicularização pública’

A Justiça do Trabalho da Bahia condenou o Banco do Brasil a pagar R$ 2 milhões em indenização por dano moral coletivo pela prática de assédio moral. A condenação é uma ação civil pública movida pelo Ministério Público do Trabalho no Estado (MPT-BA).

Segundo nota publicada no site do MPT, foi comprovado em inquérito que a Superintendência Regional do Banco do Brasil ofendia os empregados para aumentar o volume de negócios do banco.

As principais ameaças, de acordo com o MPT, eram de perda de cargo comissionado, pressão para prática de atos contrários às normas internas do banco, “ridicularização pública”, “isolamento” e colocação de apelidos “ofensivos”, como dificultador, travador de crédito, entre outros “bem mais graves”.

Getty Images

BB deverá oferecer assistência médica, psicológica e psiquiátrica completa e gratuita aos funcionários

Para o procurador do Trabalho Luís Antônio Barbosa da Silva, autor da ação, o banco se revelou omisso e tolerante ao processo de assédio moral. “Os maus-tratos psicológicos afetaram a saúde e a autoestima dos trabalhadores, causando-lhes um quadro de estresse, depressão e ansiedade”, afirma o procurador.

Obrigações

Além da indenização, o Banco do Brasil fica obrigado a disponibilizar assistência médica, psicológica e psiquiátrica completa e gratuita a todos os empregados e ex-empregados que tenham sofrido assédio moral na empresa.

Para coibir a prática, a instituição também terá de promover campanha interna de conscientização com distribuição de cartilha informativa, realização de palestras sobre o tema a cada seis meses por dez anos, além de criar meios para recebimento e processamento de denúncias sobre a prática.

O BB terá ainda de publicar nota nos jornais de grande circulação pedindo desculpas aos funcionários ofendidos. Em caso de descumprimento, será cobrada multa de R$ 50 mil por item infringido.

Em nota, o Banco do Brasil afirma que “não compactua com qualquer prática de assédio moral, possuindo política interna para apuração de denúncias relacionadas ao assunto”.

Sobre a ação movida pelo MPT, o banco destaca que analisa a decisão e avalia as medidas jurídicas pertinentes.

(Patricia Basílio, IG Economia) 

Bandidos assaltam agência bancária do Banco do Brasil de Novo Oriente

Uma agência bancária de Novo Oriente, distante 397 km de Fortaleza, foi assaltada na tarde desta segunda-feira, 27. Três homens armados com máscaras de palhaço invadiram o Banco do Brasil do município e levaram uma quantia em dinheiro, que não foi divulgada.

De acordo com a Delegacia Municipal de Novo Oriente, a Polícia Civil e a Polícia Militar do município, de Crateús, Independência e Quiterianópolis estão em perseguição aos suspeitos. Segundo testemunhas, três reféns foram levados pelos assaltantes, porém um já foi liberado. A vítima não quis conversar com a reportagem do O POVO. 

Ainda de acordo com as testemunhas, houve troca de tiros durante a ação do trio armado, mas ninguém ficou ferido.

(O Povo Online)

Prefeitura de Fortaleza assina termo para construção de 7.584 casas

FOTO MERAMENTE ILUSTRATIVA

A Prefeitura de Fortaleza assinou um termo de Certificado de Potencial Adicional de Construção com o Banco do Brasil para edificação de 7.584 casas. O investimento é de R$ 57 milhões e vai beneficiar quatro conjuntos habitacionais: Alameda das Palmeiras; Cidade Jardim II; Aldaci Barbosa e Serviluz. As obras devem começar em maio, segundo a prefeitura.

As novas unidades devem reduzir o déficit habitacional da capital cearense. Fortaleza tem o 2º maior déficit habitacional entre as capitais brasileiras citadas no estudo “Estimativas do Déficit Nacional Brasileiro”, divulgado nesta segunda-feira (25). Segundo a pesquisa do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), Fortaleza tem o déficit de 10,5% em relação ao total de domicílios na cidade.

O déficit habitacional se aplica a residências “incapazes de atender dignamente aos moradores, em razão de sua precariedade ou do desgaste trazido pelo uso ao longo do tempo”, como barracões e casas improvisadas de madeira. Com déficit de 10,5%, para cada 10 casas em Fortaleza, uma apresenta situações precárias.

Certificados de Potencial Adicional de Construção estão previstos em lei. O termo estabelece diretrizes gerais da política urbana.

(G1 Ceará)

Banco do Brasil é multado por assédio moral e vai ter que pagar R$ 2 milhões

A 34ª Vara do Trabalho de Salvador condenou o Banco do Brasil (BB) a pagar uma indenização de R$ 2 milhões por danos morais coletivos – além de uma série de medidas de reparação - pela prática de assédio moral contra os funcionários. A sentença, da juíza titular Ana Paola Diniz, é válida para todo o território nacional e estipula multa de R$ 50 mil em caso de descumprimento de cada uma das obrigações.

A condenação saiu em Ação Civil Pública movida pelo Ministério Público do Trabalho na Bahia (MPT-BA) em 2011 a partir de denúncia recebida do Sindicato dos Bancários do Estado. O valor da indenização deverá ser revertido em favor do Núcleo de Apoio e Combate ao Câncer Infantil (Nacci), instituição sem fins lucrativos com sede em Salvador. Contra a decisão ainda cabe recurso.

Em sua decisão, a juíza Ana Paola determinou a realização de campanha interna de conscientização com distribuição de cartilha, palestras periódicas sobre o tema a cada seis meses e pelo período de dez anos, afixação de cartazes e criação de meios para recebimento e processamento de denúncias sobre assédio moral.

Também foi determinado ao BB que publique nota nos jornais de grande circulação pedindo desculpas aos funcionários atingidos com as práticas institucionais de cobrança e humilhação. Como a abrangência da decisão é de caráter nacional, o descumprimento das cláusulas em qualquer unidade da instituição no país pode acarretar em aplicação de multa de R$50 mil por cada item descumprido.

Segundo o MPT-BA, após um inquérito instaurado em 2009 para apurar denúncia do Sindicato dos Bancários ficou comprovado que a Superintendência Regional do BB na Bahia empregava condutas ofensivas à integridade moral dos empregados para aumentar o volume dos negócios do banco. Entre elas, ameaça de perda de cargo comissionado, pressão para prática de atos contrários a normas internas da instituição financeira, ridicularização pública, isolamento e quebra da comunicação do trabalhador com os demais empregados, além da colocação de apelidos depreciativos (dificultador, travador de crédito, dentre outros impublicáveis). A investigação apontou também que o BB não só omitia-se perante esses fatos como legitimava essas práticas.

Para o procurador do MPT-BA que atuou no caso, Luís Antônio Barbosa da Silva, “a prática do assédio moral contou com a ciência e tolerância do banco, que se revelou omisso e tolerante ao processo de desestabilização moral que abalou o ambiente de trabalho.”  Ainda segundo o procurador, “os maus-tratos psicológicos afetaram a saúde e a autoestima dos trabalhadores, ensejando-lhes um quadro de estresse, depressão e ansiedade, o que os obrigou a afastar-se do trabalho para tratamento médico-psicológico.”

Nesse sentido, Barbosa comemora a decisão judicial, destacando que o banco fica obrigado a disponibilizar assistência médica, psicológica e/ou psiquiátrica completa e gratuita a todos os empregados e ex-empregados que tenham sofrido violação em sua integridade física ou moral.

Via http://www.tribunadabahia.com.br

BB, BNB e Caixa aplicam R$ 6 bilhões na economia sergipana em 2013

Essenciais à manutenção das atividades comerciais e da melhoria da qualidade de vida dos cidadãos, as instituições bancárias públicas federais de maior atuação em Sergipe, Banco do Brasil (BB), Banco do Nordeste Brasileiro (BNB) e Caixa Econômica Federal (CEF), aplicaram aproximadamente R$ 6 bilhões no Estado, durante o ano de 2013. Os números, encaminhados pelos bancos, são resultado do atendimento à solicitação realizada pela Secretaria do Desenvolvimento Econômico e da Ciência e Tecnologia (Sedetec), como forma de acompanhar os dados sobre o montante que cada referido banco aplicou na economia sergipana em 2013 e as perspectivas para o ano de 2014.

De acordo com as informações encaminhadas, por parte das superintendências estaduais do BB, BNB e Caixa, destaca-se o volume de recursos aplicados no setor imobiliário, com cerca de R$ 1,6 bilhão, ou seja, 26,6% das aplicações foram destinados a este importante setor da economia estadual. “Ressalte-se que os bancos públicos federais citados atuam de forma diversificada, não apenas com aplicação de crédito, mas também com prestação de serviços bancários, tendo todos eles – no decorrer de 2013 – ampliando o número de agências bancárias no Estado de Sergipe. Isso é uma demonstração da confiança no crescimento e desenvolvimento econômico do nosso Estado”, afirma o secretário as Sedetec, Saumíneo Nascimento.

Dados do Banco Central do Brasil apontam que Sergipe concluiu o ano de 2013 com 211 agências bancárias, quando em 2012 tinham 203. Na região Nordeste, Sergipe possui mais agências bancárias que os estados de Alagoas e Piauí. “A chegada de oito novas agências em Sergipe em 2013 também é mais um sinal da confiança que as instituições bancárias têm no crescimento da economia sergipana”, ressalta Saumíneo.

Quanto à sinalização de maior oferta de crédito por parte destes bancos para o ano de 2014, esta é uma importante estratégia do Governo de Sergipe na atração de novos investimentos para o Estado. “Os referidos bancos são os principais parceiros do Estado na consolidação do nosso desenvolvimento econômico”, informa Saumíneo, acrescentando que cada banco ainda irá publicar o seu balanço anual e a Sedetec não tem autorização para especificar o montante individual de cada um deles, mas sim o volume conjunto, tendo em vista os aspectos legais de divulgação.

A nível nacional, as análises econômicas da Federação Brasileira dos Bancos (Febraban) apontam que as operações de crédito no Brasil deverão crescer 14,5% em 2014. “Com as informações recebidas em Sergipe pelos bancos BB, BNB e Caixa, a nossa expectativa é de um crescimento maior que a média esperada pela Frabraban. Isso é mais uma demonstração de que estes bancos apostam na continuidade do crescimento da economia sergipana em 2014”, completa o secretário.

Banco do Brasil

O Banco do Brasil S.A. (BB), o mais antigo do país, foi criado em 1808, pelo então Príncipe-regente Dom João de Bragança (futuro Rei Dom João VI de Portugal), num conjunto de ações que visavam a criação de indústrias manufatureiras no Brasil. É uma instituição financeira brasileira, estatal, constituída na forma de sociedade de economia mista, com participação da União brasileira em 68,7% das ações.

Em 2013, o banco investiu em Sergipe nos programas de crédito rural, imobiliário, Programa Minha Casa Minha Vida, crédito para pessoa física, capital de giro e investimento para pessoa jurídica, além de Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e Micro Crédito Produtivo Orientado (MPO).

Banco do Nordeste

O Banco do Nordeste do Brasil S. A. (BNB) é o maior banco de desenvolvimento regional da América Latina e diferencia-se das demais instituições financeiras pela missão que tem a cumprir: Atuar na promoção do desenvolvimento sustentável, como Banco Público competitivo e rentável. Sua visão é a de ser o Banco preferido na Região Nordeste, reconhecido pela excelência no atendimento e efetividade na promoção do desenvolvimento sustentável. No ano de 2013 o BNB realizou em Sergipe operações de microcrédito (urbano e rural), crédito rural, crédito industrial e crédito comercial.

Caixa Econômica Federal

Criada em 1861, a Caixa Econômica Federal é uma instituição 100% pública onde os trabalhadores formais do Brasil têm como agente responsável pelo Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), pelo Programa de Integração Social (PIS) e pelo Seguro-Desemprego. A CAIXA também está presente em programas sociais, como o Bolsa Família, e unidades lotéricas. Em 2013, a Caixa Econômica Federal investiu na economia sergipana através de crédito para habitação, empresas do setor público e privado, além de crédito para pessoas físicas. 

por Agência Sergipe

SEEB-CE convoca beneficiários da Ação do Anuênio do BB para reunião no sábado 25/1

O Sindicato dos Bancários do Ceará convoca os beneficiários da ação do anuênio do Banco do Brasil que tenham valores incontroversos a receber (veja aqui se você está na lista) para virem à sede da entidade no próximo sábado, dia 25/1, às 9h. Ao todo, 95 beneficiários devem comparecer à reunião. Na ocasião, a Diretoria e o Departamento Jurídico do Sindicato irão prestar esclarecimentos sobre o processo e sobre o repasse das quantias. Antes das explanações, será oferecido um café da manhã.

A liberação dos valores incontroversos foi solicitada pelo Sindicato e o juiz de primeira instância expediu a ordem de pagamento referente a 11 ações com os cálculos do anuênio, das 84 ajuizadas pela entidade. Neste mês de janeiro, serão repassadas as quantias dos 95 beneficiários listados acima. O encontro de sábado será a segunda reunião para tratar sobre os repasses. A primeira aconteceu em dezembro passado com 17 beneficiários.

Na medida em que o juiz libere a parte incontroversa das demais ações, o Sindicato agendará outras reuniões, fará novas convocações para o restante dos beneficiários e entrará em contato com todos. Para isso, é fundamental que os beneficiários mantenham os dados (telefone, e-mail, etc) atualizados junto à entidade.

O Sindicato destaca que o momento da reunião é muito importante para os bancários tirarem dúvidas. Se você está na lista dos que devem comparecer na manhã de sábado, não deixe de participar.

Histórico – Em 1998, o Banco do Brasil retirou o anuênio de todos os funcionários. Diante disso, o Sindicato entrou com uma ação na Justiça requerendo o retorno do benefício – ação esta ganha em todas as instâncias. A partir da decisão judicial, o banco já fez um adiantamento do anuênio na folha de junho 2009 e a volta do benefício resultou num aumento em torno de 10,5% para o funcionalismo. Quanto aos valores atrasados, compreendidos entre o período de setembro de 1999 a maio de 2009, o banco deverá pagá-los integralmente e fará os cálculos relativos a quanto cada bancário tem direito a receber.

O que a ação postula? O restabelecimento do pagamento do anuênio tal como antes – com observância da correlação de seu valor e a elevação do tempo de serviço, considerando o período-ano como fato gerador de sua majoração. O pagamento das parcelas pretéritas devidas a título de diferença anuênio. O pagamento das repercussões das diferenças do anuênio sobre outras verbas: férias, 13º salário, FGTS, repousou semanal remunerado, licença prêmio, folgas, gratificação de função, adicional noturno, adicional de periculosidade, adicional de transferências, comissões, horas extras e verbas rescisórias. Pagamento da fração das contribuições que deixaram de ser prestadas à PREVI decorrentes do pagamento das diferenças do anuênio e seus reflexos.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

BB é acusado de usar SMS e celular corporativo para pressionar funcionários

O Ministério Público do Trabalho do Piauí (MPT-PI) entrou com ação contra o Banco do Brasil pedindo uma indenização de R$ 10 milhões por dano moral. O motivo é o assédio moral que os funcionários da superintendência do Banco no estado têm sofrido com cobranças de metas a serem atingidas.

A principal forma de pressão acontece por meio de mensagens SMS em aparelhos celulares corporativos. Caso o banco seja condenado, o valor da multa deverá ser revertido em campanha publicitária de combate ao assédio moral no trabalho e em programas de acompanhamento psicológico aos trabalhadores.

Iniciadas em janeiro de 2013, a partir de dados do Sindicato dos Bancários no Piauí, as investigações constataram que, apesar do plano de metas da empresa ser semestral, a exigência ocorria diversas vezes ao dia, tendo casos em que um determinado funcionário afirmou ter recebido mais de 80 mensagens seguidas. De acordo com o MPT, a pressão desencadeou doenças nos funcionários – alguns estavam tomando remédio controlado para trabalhar e outros chegaram até a antecipar a aposentadoria.

Para a procuradora do Trabalho Maria Elena Moreira Rêgo, responsável pela investigação, o tom de cobrança nas mensagens era agressivo, irônico, ameaçador e extrapola os limites do aceitável. “A pressão que esses trabalhadores sofreram é injustificável e insuportável. Ouvi relatos emocionantes de homens angustiados. Trabalhadores que começaram a ser cobrados e pressionados tão intensa e constantemente que não resistiram e desistiram”, afirmou.

Na ação, que foi ajuizada em 16 de dezembro de 2013 e distribuída para a 4ª Vara do Trabalho de Teresina, a procuradora pede ainda a quebra de sigilo de dados telefônicos de todos os celulares corporativos do Banco do Brasil no Piauí para a empresa Telemar Norte Leste S/A, a fim de verificar a frequência das ligações e envios de SMS. Se a empresa de telefonia não atender ao pedido, pode ser multada em R$ 1 mil por dia de atraso no envio dos relatórios com os registros das chamadas e mensagens.

*Com agências de notícias

Via Convergência Digital

Concurso do Banco do Brasil registra 636,4 mil inscritos para 8.630 vagas

De acordo com dados divulgados nesta segunda-feira pela Fundação Cesgranrio, banca organizadora do novo concurso público do Banco do Brasil (BB), 636.386 candidatos se inscreveram no certame que abriu 8.710 vagas de cadastro reserva. A maioria das inscrições é para a microrregião 20, no Distrito Federal, com 52.006 inscritos e 1.000 vagas – concorrência média de 52 por chance -; seguida pela microrregião 35, em Belo Horizonte, com 29.084 participações e 400 vagas – concorrência de 72 inscritos por vaga.

O cargo em disputa é o de escriturário, com salário de R$ 2.043,36 em jornada de trabalho de 30 horas semanais. Do total de chances, 1.450 são para lotação no Distrito Federal – cinco por cento do total de chances a pessoas com deficiência.

O concurso terá prova objetiva e redação, em 9 de fevereiro (os locais de prova só estarão disponíveis para consulta a partir do dia 5 de fevereiro), perícias médicas e procedimentos admissionais. Além do Distrito Federal, os aprovados serão lotados nos estados de Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, São Paulo e Tocantins. O regime de contratação será por meio da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT).

Na prova objetiva, serão exigidos conhecimentos em língua portuguesa, atualidades do mercado financeiro, raciocínio lógico-matemático e conhecimentos específicos (cultura organizacional, técnica de vendas, atendimento, domínio produtivo da informática, conhecimentos bancários, cultura organizacional e conhecimentos de informática). A divulgação do resultado final está prevista para 29 de abril.

(O Estado de Minas)

BB cumpre jornada de seis horas após ação judicial do SEEB-CE

A partir de amanhã, todos os funcionários do Banco do Brasil que exercem a função de Assistente A em Unidades de Negócios dentro da base territorial do Sindicato dos Bancários do Ceará passarão para a jornada de seis horas.  Esta foi decisão judicial referente à ação coletiva de número 0000908-84-2012.5.07.0012, promovida pelo Sindicato, e atinge todos os bancários do BB nesta função.

“A decisão foi tomada em primeira instância e tem o objetivo de resguardar a jornada de trabalho dos bancários que são designados para trabalhar oito horas na referida função, mas que, por reconhecimento judicial, estão enquadrados na jornada de seis horas”, afirma advogada Ana Virgínia Porto, responsável pela ação judicial.

“Na prática, o banco infringia a lei e determinava que a jornada fosse de oito horas para esta função. Mas reconhecendo o perigo de pagar multa e aumentar um passivo trabalhista muito grande, o banco resolveu cumprir essa determinação. Com essa decisão, o Sindicato conseguiu o reconhecimento judicial de que, efetivamente, os bancários lotados nessa função devem trabalhar seis horas e não oito”, afirma o diretor jurídico do Sindicato, Gustavo Tabatinga.

Por ser em primeira instância, a decisão pode ser reexaminada a qualquer momento durante o processo, tanto para ser reafirmada como desconstituída. “A decisão se torna definitiva apenas após o transito em julgado, ou seja, apenas após o exame de todos os recursos possíveis e previstos em lei”, explica Virgínia. “A expectativa, porém, é de que essa decisão seja mantida nas próximas instâncias judiciais, pois todos os elementos que estão no processo se dirigem à sua manutenção”, completa.

Diante da decisão, desdobraram-se diversas dúvidas entre os bancários. O Sindicato reuniu as mais frequentes e, através do Departamento Jurídico, montou um conjunto de perguntas e respostas para tentar esclarecer a categoria. Confira:

Perguntas e Respostas

1 – Quem são os atingidos pela decisão?

São todos os funcionários que estão na ativa exercendo a função de Assistente A em Unidades de Negócios. Já os beneficiários da ação judicial em andamento são todos os funcionários que estavam na referida função trabalhando oito horas nos cinco anos anteriores ao ajuizamento da ação.

2 – Qual a repercussão na remuneração desses trabalhadores atingidos pela liminar? Haverá redução salarial com a redução da jornada?

O entendimento do Sindicato é de que não deve haver redução de salário. Não se pode assegurar que o BB não vá efetivar uma redução da gratificação correspondente à função, mas o entendimento é de que não pode haver redução salarial. Se houver redução, a questão será discutida dentro do processo. No normativo interno do BB, não há previsão de dois valores diferenciados para quem exerce a referida função em seis horas e para quem exerce a mesma função em oito horas – como existe na Caixa Econômica, onde existe a previsão de dois valores diferentes para a função. A interpretação do Sindicato é de que a jornada é de seis horas, o valor é único e não pode haver redução.

3 – No início de 2013, o banco lançou um novo Plano de Funções, onde os funcionários puderam optar pela adesão a uma nova função de seis horas com redução salarial. Esses trabalhadores são atingidos por essa decisão?

Não, pois essa decisão se refere apenas quem é Assistente A em Unidade de Negócios. Vale ressaltar que neste caso o funcionário não é atingido pela decisão, mas é beneficiário do processo final referente ao período que ele exerceu a função desde que dentro dos últimos cinco anos anteriores ao ajuizamento da ação.

4 – Em relação às horas extras, esses trabalhadores na jornada de seis horas ficam em que circunstâncias? Esses trabalhadores podem trabalhar oito horas, fazendo sétima e oitava horas por decisão do banco?

Se a hora extra for eventual, que não precisa ser de duas horas necessariamente, e for paga, não há qualquer problema. É hora extra legítima.

5 – O banco pode continuar exigindo as oito horas pagando as duas horas extras?

Se houver a concordância do bancário, sim, pode.

6 – O cálculo da hora extra sofre alguma mudança?

Como há redução da jornada de trabalho sem redução salarial, o cálculo mudará, sim, pois a “hora-trabalho” ficou mais cara. O cálculo vai diferenciar da hora extra que estava sendo paga até então, quando o banco tinha como base uma hora normal que remunerava oito horas. Antes, o valor da hora da jornada de trabalho era baseado no valor da remuneração dessa função dividido por oito horas. Agora, passa a ser dividido por seis horas, aumentando o valor da hora trabalhada. Vai ser alterado o chamado “divisor”.

7- Essa decisão é definitiva? Como está o processo?

O processo agora vai ser analisado em segunda instância, onde a decisão pode ser mantida ou reformada. Se a segunda instância reformar a decisão, o BB pode voltar a exigir a jornada de oito horas. Existe ainda uma série de espécies recursais que podem ser manejadas e, após o trânsito em julgado e se mantida essa decisão nesses moldes, é que o Sindicato vai passar à liquidação ou ao cálculo das diferenças salariais.

(Colaboraram: Ana Virgínia Porto, Anatole Nogueira e Rafael Sales)

Via Sindicato dos Bancários do Ceará

Confira sete dicas para ser aprovado nos concursos do Banco do Brasil e Ministério do Trabalho

Ser aprovado em um concurso público é o sonho de milhares de brasileiros que dedicam tempo e esforço para manter uma dura rotina de preparação. No início deste ano, o BB (Banco do Brasil) e o MTE (Ministério do Trabalho e Emprego) abriram editais para contratar 9.080 funcionários. A maioria dos postos exige apenas a conclusão do ensino médio.

Dados do cursinho preparatório Federal Concursos mostram que o último edital do BB, organizado pela Fundação Carlos Chagas no ano passado, teve 263.218 candidatos inscritos. O edital deste ano deve atrair um número próximo a este. As provas e inscrições, que neste ano foram organizadas pela Fundação Cesgranrio, terminaram ontem (9). Detalhes podem ser acessados no site do Concursos do Brasil.

A última seleção do MTE com oportunidades para o cargo de agente administrativo aconteceu em 2008. O concurso registrou uma média próxima a 195,59 candidatos por vaga. Este ano a expectativa é de uma concorrência ainda maior, pois o certame deveria ter saído em 2013. Ontem oBanco de Concursos informou que a Cespe, que organiza a prova, adiou o início das inscrições de 13 para 15 de janeiro.

Patrícia Rizzo, coordenadora pedagógica do Federal Concursos, destaca que tanto as vagas do BB quanto as do MTE estão entre as melhores oportunidades oferecidas no início de 2014.

— A exigência de ensino médio facilita o ingresso de um número maior de brasileiros nestes concursos. Além disso, eles têm ótimos vencimentos (o cargo de escriturário terá salário de R$ 2.043), com gratificações semestrais e jornada de trabalho de 30 horas, explicou a especialista.

A especialista frisou que no Banco do Brasil também é oferecido o plano de carreira onde o funcionário poderá dobrar os salários. Já o concurso do MTE será muito disputado devido à remuneração de R$ 2.573 e o adiamento do edital no ano passado.

O advogado e autor de livros sobre carreira, Anis Kfouri, também identifica o aumento do interesse em oportunidades de trabalho no serviço público. Ele destaca, porém, que além de estudar, o candidato precisa pesquisar muito bem as atribuições que vai exercer para que o sonho de ser concursado não se torne um pesadelo.

— Muitas pessoas se enganam buscando cargos com salários mais altos que não tem relação com as atividades que elas gostam de fazer. O salário inicial, mesmo quando fixado acima das expectativas, geralmente se torna menos atraente com o passar do tempo, comentou o especialista.

Os candidatos que vão prestar o concurso do Banco do Brasil podem estudar usando a metodologia e o material oferecido pelo R7 Concursos.

Confira sete dicas para passar nestes dois concursos

Patricia Rizzo, coordenadora do Federal Concursos

1- Conheça a Banca Fundação Cesgranrio, que vai fazer a sua prova.
2- Faça as provas anteriores da mesma banca examinadora, assim você estará se condicionando para fazer a prova no dia marcado e conhecerá a tendência da banca que estará te avaliando;
3- Administre seu tempo e tempo de estudo, tenha um projeto de estudo;
4- Organize-se, defina suas prioridades, discipline o seu tempo, estabeleça metas e cumpra-as, ao executar uma coisa, pense apenas nela, execute com alegria, aproveite o dia.
5- Autodisciplina (domínio próprio) – é a capacidade de a pessoa se submeter a regras, opções e comportamentos escolhidos por ela mesma, mesmo diante de dificuldades, e para ajudar na autodisciplina, conscientize-se de que você é responsável pelo seu futuro.
6- Faça resumos das disciplinas, assim você também estará treinando para a redação e também se mantenha atualizado com jornais e revistas;
7- Os cursinhos preparatórios é um excelente aliado, pois contam com profissionais especializados para concurso público e várias dicas das matérias que cairão na prova, ou seja, o cursinho acaba resumindo várias etapas e faz o candidato ganhar tempo nos estudos.

Anis Kfouri, advogado, professor universitário e autor de livros sobre carreira

1 – As questões são formuladas de acordo com o conhecimento exigido para o cargo. Evite dedicar tempo de estudo para aprender conteúdos que superam o que será cobrado na prova.
2 – Pesquise os exames anteriores e faça simulados. Os candidatos tendem a começar sua preparação fazendo uma revisão do conteúdo que já sabem. Isso é um problema. Estudar matérias de áreas que o candidato tem maior dificuldade pode decidir sua aprovação.
3 –Escolha carreiras que têm uma relação mais próxima com as atividades que gosta de fazer. Concursos de cargos ligados ao gosto pessoal tendem a se tornar mais fáceis para os candidatos.
4 – Simule a prova cronometrando o tempo total do exame no relógio. Administrar o tempo é fundamental para passar em um concurso. Estabeleça metas indicando o número mínimo de questões que precisam ser respondidas a cada meia hora, por exemplo. Assim o candidato pode chegar treinado e evitar a pressa nos dias de prova do concurso.
5 – Comece pelas questões mais fáceis e dê preferência para perguntas maiores. Estudos mostram que quanto mais tempo a pessoa está fazendo um exame maior a sua dificuldade em manter a concentração.
6 – Cuidado com as pegadinhas. Os exames exigem, cada vez mais, que o candidato interprete as perguntas. A boa interpretação dos textos ajuda a encontrar as respostas.
7 – Evite o nervosismo durante a avaliação. Muitos candidatos ficam afoitos e nervosos com o tempo e o número de questões que têm que responder. Em uma prova de 100 perguntas cuja classificação depende do acerto de 70, por exemplo, é melhor deixar de fazer algumas questões e responder as que o candidato sabe com maior segurança.

(Via R7)

Caixas com envelopes de depósito do BB são encontradas em lixeira

Quatro caixas contendo vários envelopes de depósito preenchidos com dados pessoais de clientes do Banco do Brasil foram encontradas nesta quarta-feira (8) em uma lixeira ao lado do prédio de uma agência do BB, localizada na Avenida Ceará, em Rio Branco. Os envelopes foram encontrados por uma cliente, que não quis se identificar.

Caixa foi encontrada na na lixeira ao lado do banco (Foto: Arquivo pessoal )Caixas foram jogadas em lixeira próximo de agência
(Foto: Arquivo pessoal )

“Estava na parada de ônibus com o meu marido, quando ele observou uma caixa que continha documentos do banco e muitos envelopes de depósito. Achei um absurdo poderiam ser meus dados expostos ali, principalmente, nome completo e telefone. Acredito que esses dados poderiam ser usados facilmente por pessoas mal intencionadas para aplicar golpes”, diz ela que é correntista do BB.

Procurada pelo G1, a Superintendência do Banco do Brasil no Acre, afirmou que o caso é pontual e está sendo apurado com rigor.

Segundo o BB, o procedimento correto seguido pelas agências é o de triturar os papéis e não descartá-los sem qualquer cuidado.

(Caio Fulgêncio, G1 Acre)

Banco do Brasil prorroga inscrições para concurso até o dia 9 de janeiro

SÃO PAULO - O Banco do Brasil prorrogou as inscrições para a seleção externa 2013/002. Os candidatos podem se inscrever até 23h59 do próximo dia 9, por meio do site da Fundação Cesgranrio, com taxa de R$ 40. O concurso será realizado para formação de cadastro de reserva, para o cargo de escriturário, nos estados de Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais (exceto para as cidades constantes do Anexo I do edital), Pará, São Paulo, Tocantins e o Distrito Federal.

Para participar, é preciso ter certificado de conclusão ou diploma de curso de nível médio e idade mínima de 18 anos completos até a data da contratação. A jornada de trabalho é de 30 horas semanais, com remuneração de R$ 2.043,36 mensais, vale alimentação de R$ 509,96 e vale refeição de R$ 397,36.

A seleção é composta por provas objetivas, de caráter eliminatório e classificatório, com questões de conhecimento básico, que incluem Língua Portuguesa, Atualidades do mercado financeiro, Matemática e Raciocínio Lógico e conhecimentos específicos, que abrangem Informática, Atendimento, Técnica de vendas, Cultura Organizacional e Conhecimentos Bancários.

A Prova Discursiva -Redação – de caráter eliminatório, será aplicada no mesmo dia e horário das provas objetivas. Na segunda etapa, são realizados exames médicos e procedimentos admissionais, de caráter eliminatório. Candidatos empossados terão possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional, participação nos lucros ou resultados, nos termos da legislação pertinente e acordo sindical vigente e possibilidade de participação em planos assistenciais e previdenciários complementares. As provas estão previstas para serem aplicadas no dia 9 de fevereiro.

Informações: : www.cesgranrio.org.br

(Portal DCI)

BANCO DO BRASIL QUER APOSENTAR DIRETORES COM R$ 52 MIL MENSAIS.

Murilo Rodrigues Alves e Andreza Matais – Via Estadão

A exigência para que o Banco do Brasil estabeleça um teto nas aposentadorias pagas aos executivos do maior banco do País gera uma disputa interna no governo que põe de um lado os ministérios da Fazenda e do Planejamento e, de outro, o da Previdência.

O motivo é que o órgão regulador dos fundos de pensão, a Superintendência de Previdência Complementar (Previc), determinou que os benefícios pagos à alta cúpula do BB não ultrapassem R$ 30 mil mensais.

O banco aceita colocar um teto para as aposentadorias, mas tomando como referência o salário de um diretor da instituição, de R$ 45 mil por mês.

Para a Previc, se o BB quiser pagar aposentadorias maiores para seus executivos, é o banco público – e não sua caixa previdenciária, a Previ – que deve assumir a diferença. Assim, os cerca de 118 mil funcionários, aposentados e pensionistas associados ao plano de benefício definido ficariam livres dessa conta.

O órgão ainda sugere que o BB assuma a diferença dos cerca de 70 benefícios que foram pagos acima do que seria esse teto nos últimos cinco anos. A ideia impactaria o balanço do banco em R$ 1 bilhão.

DIVISÃO

Com o impasse, os ministérios aos quais esses órgãos estão vinculados acabaram por entrar na disputa. De um lado, o Ministério da Previdência apoiou a decisão da Previc. De outro, a Fazenda e o Planejamento ficaram ao lado do BB.

Se aposentassem hoje com esses salários e o teto estivesse em vigor, os rendimentos deles seriam reduzidos em cerca de R$ 20 mil mensais. Há aproximadamente 30 dirigentes que reúnem condições de se aposentar ou podem pedir o benefício nos próximos anos.

O ministro da Previdência, Garibaldi Alves (PMDB), apoia a decisão do presidente da Previc, José Maria Rabelo, que, segundo fontes, não pretende voltar atrás da decisão. A pessoas próximas, Rabelo disse que “não há forças que o faça voltar atrás porque está seguro em relação à autoridade da instituição que comanda”.

Garibaldi tem afirmado que a solução final implicará na adoção, por parte dos diretores do banco, de um “espírito de renúncia”.

Rabelo se aposentou em agosto de 2008, mas continuou no Banco do Brasil como vice-presidente até abril de 2009, acumulando as duas rendas.

PRAZO

A Previc deu a semana passada como prazo para que o teto fosse colocado em prática sob pena de intervir na Previ, maior fundo de pensão da América Latina e o 25º do mundo. O fundo havia pedido a prorrogação do prazo por quatro meses.

A imposição do teto repercutirá diretamente na aposentadoria dos atuais dirigentes do BB, incluindo o presidente de Bendine. Os atuais dirigentes – presidentes, vice-presidentes e diretores – ganham, em média, R$ 52 mil por mês.

Banco do Brasil retifica edital de concurso com 8.710 vagas para cadastro de reserva

O Banco do Brasil (BB) divulgou, nesta terça-feira (17), retificação em seu edital de abertura do concurso que oferta 8.710 vagas para formação de cadastro reserva. A publicação altera o anexo referente à distribuição das vagas por unidade da federação, macrorregião, microregião, municípios abrangidos e cidades de realização das provas. Além disso, também fica modificado a redação do quadro de vagas de cadastro reserva, ampla concorrência e pessoa com deficiência nos estados de São Paulo e Tocantins. A publicação pode ser conferida no Diário Oficial da União, na página 105 da terceira seção.

Todas as chances são para o cargo de escriturário, com salário de R$ 2.043,36 em jornada de trabalho de 30 horas semanais. Do total de chances, 1.450 são para lotação no Distrito Federal.

Organizado pela Fundação Cesgranrio, o concurso terá prova objetiva e redação, em 9 de fevereiro de 2014, perícias médicas e procedimentos admissionais. Além do Distrito Federal, os aprovados serão lotados nos estados de Alagoas, Bahia, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, São Paulo e Tocantins. O regime de contratação será por meio da Consolidação das Leis de Trabalho (CLT).

Interessados podem se inscrever até as 23h59 de 7 de janeiro de 2014, pelo site www.cesgranrio.org.br. A taxa custa R$ 40. Cinco por cento das oportunidades são destinadas a pessoas com deficiência.

Na prova objetiva, a ser aplicada no ano que vem, serão exigidos conhecimentos em língua portuguesa, atualidades do mercado financeiro, raciocínio lógico-matemático e conhecimentos específicos (cultura organizacional, técnica de vendas, atendimento, domínio produtivo da informática, conhecimentos bancários, cultura organizacional e conhecimentos de informática). A divulgação do resultado final está prevista para 29 de abril de 2014.

(Correio Web)

Ceará registra o 139º assalto a banco em 2013

Banco do Brasil de Ocara – foto: João Paulo Maciel

Outro assalto a banco foi registrado em Fortaleza às 7h, em Fortaleza, na avenida Washington Soares. Um grupo de quatro assaltantes armados invadiram a área onde ficam os caixas eletrônicos da agência bancária e ainda assaltaram os clientes que estavam no local. A quantia do roubo não foi informado.

Esta é o 139º de ataque a banco no Ceará, somente em 2013. São 41 casos em Fortaleza e 98 no interior.

 

(Renato Ferreira, Tribuna do Ceará)

Banco do Brasil divulga edital de concurso para escriturário com 8.630 vagas

O Banco do Brasil divulgou o edital 02/2013 com abertura de seleção externa regional para formação de cadastro de reserva no cargo de Escriturário, em nível inicial da Carreira Administrativa, para contratações nas dependências situadas nos estados de Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais (algumas cidades), Pará, São Paulo e Tocantins. O concurso será coordenado pela Cesgranrio e terá etapas de prova objetiva e redação.

Ficam asseguradas as admissões dos candidatos classificados nas Seleções Externas 2012/001, 2012/003 e 2013/001 até o termino de suas vigências (07/05/2014, 15/04/2014 e 26/09/2014, respectivamente) ou o esgotamento da reserva de candidatos aprovados, prevalecendo o que ocorrer primeiro.

O cargo de Escriturário exige nível médio completo e tem remuneração inicial de R$ 2.043,36, além das vantagens de possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional, participação nos lucros ou resultados, vale-transporte, auxílio-creche, ajuda alimentação/refeição, auxílio a filho com deficiência, plano odontológico, assistência médica (planos de saúde) e previdência privada.

O candidato classificado na Seleção Externa terá classificação por Microrregião/Macrorregião/UF de acordo com a sua opção no ato da inscrição, e, 5% das vagas preenchidas serão destinadas às pessoas com deficiência - Veja edital do concurso.

As inscrições terão taxa de R$ 40,00 e deverão ser feitas pela internet, no período de 12 de dezembro de 2013 a 07 de janeiro de 2014, na página da Fundação Cesgranrio. No ato da inscrição candidato deverá optar pela Microrregião/Macrorregião/UF de atuação.

O concurso terá provas objetivas de caráter eliminatório e classificatório, e prova de redação de caráter eliminatório. As provas serão realizadas nas cidades constantes no anexo II do edital, no dia 09 de fevereiro de 2014.

O prazo de validade do concurso esgotar-se-á após um ano a contar da data de publicação do edital de homologação dos resultados finais, podendo ser prorrogado, uma única vez, por igual período, a critério exclusivo do Banco do Brasil.

(Ache Concursos)

Ceará: Autorizado pagamento do primeiro lote da Ação de Anuênio do Banco do Brasil

No próximo dia 12/12 (quinta-feira), o Sindicato dos Bancários do Ceará fará a entrega dos valores liberados na Justiça, para o pagamento do primeiro lote de beneficiários da ação de anuênio dos funcionários do Banco do Brasil. Nessa ação judicial, são 84 execuções, separadas por lotes de 20 bancários cada uma. Outros três lotes estão para ser liberados dentro da ação do anuênio do BB nas próximas semanas.

“A liberação do alvará judicial desse primeiro lote representa uma vitória do Sindicato e esperamos a liberação dos demais lotes, no mais breve espaço de tempo”, disse o diretor do Jurídico do SEEB/CE, Gustavo Tabatinga.

O pagamento desse lote será com o valor incontroverso, ou seja, o valor que não está sendo discutido judicialmente. O Sindicato apresentou um valor e o BB informou um valor menor contestando. Esse valor que o banco confessa que deve, o Sindicato requereu e foi liberado pelo juiz da 1ª Vara do Trabalho de Fortaleza, superior a R$ 200 mil reais para esse primeiro lote de 17 bancários (para três beneficiários a Justiça informa que o direito prescreveu).

Café da manhã – No dia 12/12, o Sindicato fará um café da manhã, a partir das 8 horas, ocasião em que dará esclarecimentos sobre as deduções legais e repassará os cheques aos 17 beneficiários. “A expectativa é que consigamos liberar os valores incontroversos dos outros lotes, num menor tempo possível para beneficiar mais bancários”, acrescentou Gustavo.

Histórico – Em 1998, o Banco do Brasil retirou o anuênio de todos os funcionários. Diante disso, o Sindicato entrou com uma ação na Justiça requerendo o retorno do benefício – a ação foi ganha em todas as instâncias. Quanto aos valores atrasados, compreendidos entre o período de 1998 a maio de 2009, está em fase de execução, sendo distribuídos em lotes, com 20 bancários cada um, compreendendo 84 execuções.

O que postula a ação – O restabelecimento do pagamento do anuênio tal como antes – com observância da correlação de seu valor e a elevação do tempo de serviço, considerando o período-ano como fato gerador de sua majoração. O pagamento das parcelas pretéritas devidas a título de diferença do anuênio. O pagamento das repercussões das diferenças do anuênio sobre outras verbas: férias, 13º salário, FGTS, repouso semanal remunerado, licença prêmio, folgas, gratificação de função, adicional noturno, adicional de periculosidade, adicional de transferências, comissões, horas extras e verbas rescisórias. Pagamento da fração das contribuições que deixaram de ser prestadas à PREVI decorrentes do pagamento das diferenças do anuênio e seus reflexos.

(SEEB-CE)

Banco do Brasil poderá ter novo concurso para Escriturário em 2014

Contrato com a Fundação Cesgranrio foi prorrogado e nova seleção deverá ser para os estados de AL, BA, DF, GO, MS, MG, PA, SP e TO. Salário da função é de R$ 1,9 mil, mais benefícios, em cargo que exige nível médio.

O Banco do Brasil deverá ter novo concurso público em 2014. Em documento ratificado pelo órgão no Diário Oficial da União de 27 de novembro de 2013, foi prorrogado o contrato com a Fundação Cesgranrio para serviços técnicos especializados de recrutamento e seleção externa de pessoal, por mais 12 meses, ainda com possibilidade de uma nova prorrogação por igual período -Veja extrato da contratação.

A diretoria do Banco não garante a abertura de seleções para Escriturário num período próximo, visto que, ainda há concursos vigentes em diversos estados.

O último concurso aberto pelo banco buscava formação de cadastro reserva para Escriturário nos estados do Amazonas (parte do estado), Espírito Santo, Minas Gerais (parte do estado), Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina (parte do estado). O resultado final da seleção foi homologado no dia 26 de setembro de 2013, com prazo de validade de 1 ano e possibilidade de prorrogação por igual período (veja mais deste concurso). Sendo assim, esta seleção poderá nomear aprovados até 26 de setembro de 2015, e estes estados não deverão ter um novo concurso em 2014.

Já nos estados do Acre, Amapá, Ceará, Maranhão, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe, Santa Catarina (parte do estado) e Amazonas (parte do estado), o último concurso realizado vale até 16 de abril de 2014, ainda com possibilidade de prorrogação (que normalmente ocorre), tendo vigência então até abril de 2015, ou seja, estes estados também não deverão ser contemplados em 2014, devendo abrir seleção apenas em 2015.

A última seleção aberta nos estados de Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Pará, São Paulo e Tocantins para Escriturário (2012/1), tem vigência até 7 de maio de 2014, sem possibilidade de prorrogação, pois esgotará o prazo máximo de 2 anos (1+1) especificado no edital de abertura. O concurso para estes estados está mais próximo da abertura, podendo ter um novo edital ainda no primeiro trimestre de 2014 - Confira o edital do último concurso.

Os concursos abertos pelo Banco do Brasil visam formação de cadastro reserva, para nomeações conforme a necessidade do órgão, obedecendo a ordem de classificação, e costumam nomear muitos candidatos. Atualmente o quadro de pessoal do BB possui mais de 112 mil funcionários em todo o país e estimativa é da contratação de mais 3 mil até fim de 2014.

Escriturário

O último concurso para Escriturário ocorreu nos estados de AM, ES, MG, RJ, RS e SC, sendo organizado pela Fundação Carlos Chagas. O salário inicial do cargo de Escriturário era de R$ 1.892,00 durante período de estágio probatório (90 dias), passando para R$ 1.948,00 após este prazo, mais gratificação semestral de 25% paga mensalmente. Além disso, o banco oferece auxílio-alimentação (R$ 472,12), cesta-alimentação (R$ 367,92), auxílio transporte (com desconto de 4% sobre salário base), possibilidade de ascensão e desenvolvimento profissional; participação nos lucros ou resultados e possibilidade de participação em planos assistenciais e previdenciários, por jornada de trabalho de 30 horas semanais. Do total de vagas abertas pelos concursos do BB, 5% são para pessoas com deficiência.

A seleção dos candidatos teve prova objetiva e prova discursiva (redação). A prova objetiva contou com 60 questões sobre português, raciocínio lógico-matemático e atualidades do mercado financeiro; e conhecimentos específicos de Cultura organizacional, Técnicas de vendas, atendimento, domínio produtivo da informática e conhecimentos bancários.

Compete ao Escriturário a comercialização de produtos e serviços do banco, atendimento ao público, atuação no caixa, contatos com clientes, prestação de informações, redação de correspondências, conferência de relatórios e documentos, controles estatísticos, atualização de dados em sistemas e execução de outras tarefas compatíveis com as peculiaridades do Banco.

(Portal Ache Concursos)

Banco do Brasil: Anunciado novo concurso para nível médio em 2014

O Banco do Brasil (BB) vai realizar novo concurso para escriturário. Foi publicada no Diário Oficial da União desta quarta-feira, dia 27 de novembro, a prorrogação do contrato do BB com a Fundação Cesgranrio, para a abertura de nova seleção. A Assessoria de Imprensa do BB confirmou que os preparativos do concurso estão em andamento, mas não adiantou detalhes da seleção. Apesar de o banco ainda não ter informado quais serão os estados contemplados, a expectativa é que sejam os mesmos da seleção de 2012 (edital 2012/001), cuja validade vai somente até 6 de maio do ano que vem (já com prorrogação), que também foi organizado pela Cesgranrio.

Na ocasião, as oportunidades foram para Alagoas, Bahia, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso do Sul, Pará, São Paulo, Tocantins e parte de Minas Gerais. Uma fonte ligada ao BB informou que o objetivo do banco é divulgar o edital de escriturário no início de 2014. Como tradicionalmente o banco publica o edital com cerca de três a seis meses antes da validade da seleção anterior terminar, para não ficar sem cadastro de reserva, o edital realmente deverá ser divulgado no início do ano que vem.

Outro fator a ser destacado é que 2014 é ano eleitoral e, por isso, o concurso precisa ser homologado até a primeira semana de julho, para que os aprovados possam ser chamados durante todo o ano. A lei eleitoral estabelece que a administração pública só pode contratar aprovados se os concursos forem homologados três meses antes do pleito. Caso contrário, as admissões só poderão ocorrer em 2015.

Nenhuma das localidades do edital 2012/001 foi abrangida nos últimos dois concursos do BB, organizados pela Fundação Carlos Chagas (FCC), um que contemplou 15 estados e foi homologado em abril, e outro para seis outros estados, homologado em 26 de setembro. Em ambas as seleções anteriores (editais 2012/003 e 2013/001), os candidatos foram avaliados através de uma prova objetiva, que contou com 60 questões, sendo 30 de Conhecimentos Gerais e 30 de Específicos, e de redação.

A remuneração de escriturário, cargo que exige o nível médio, é de R$2.732,04, sendo R$1.892 de vencimentos iniciais, R$472,12 de auxílio-refeição e R$367,92 de cesta-alimentação, para carga de 30 horas semanais. Os selecionados nos concursos do BB são contratados sob o regime celetista.

Especialistas na área recomendam que os candidatos já iniciem a preparação, tomando como base o programa do concurso dos editais 2012/003 e 2013/001.

Fonte: Folha Dirigida

No Ceará, bancários da Caixa e BB encerram greve; BNB segue parado

Após nova assembleia dos bancários na noite desta segunda-feira (14), os trabalhadores da Caixa Econômica Federal e Banco do Brasil decidiram encerrar a greve. Segundo o sindicato, os bancários das duas empresas retornam às atividades na terça-feira (15).  Na sexta-feira (11), trabalhadores dos bancos privados do Ceará já haviam encerrado a greve. Apenas bancários do Banco do Nordeste do Brasil seguem as paralisações. Os bancários do BNB realizam nova assembleia nesta terça-feira (15).

“A direção do BNB nos apresentou uma proposta rebaixada que chega a ser inferior até mesmo se comparada aos demais bancos federais. A resposta para todos estes desmandos é fortalecer a greve”, diz o diretor do Sindicato dos Bancários e funcionário do BNB, Tomaz de Aquino.

O sindicato aceitou nesta segunda a mesma oferta da Federação Nacional dos Bancos recusada na sexta-feira. Os trabalhadores receberão 8% de reajuste salarial, 8,5% de aumento no piso da categoria, além de receber o valor do salário equivalente aos dias parados em greve.

A greve durou 23 dias na maior parte do país. No Ceará, a greve dos bancários teve forte adesão e 80% das agências de todo o estado chegaram a ficar fechadas.  Os comerciantes alegam prejuízo para o Dia das Crianças por causa greve dos bancários.

Nesta segunda-feira, após o retorno das atividades na maior parte dos bancos, houve grandes filas nas agências privadas. Já quem procurou bancos públicos não conseguiu ser atendido, como o caminhoneiro Acilon Tavares. Ele viajou até Juazeiro do Norte para dar entrada no Fundo de Garantia e chegou à fila às 5h. “Não teve ninguém para tomar providência. A moça chegou agora e disse que talvez, talvez na quarta-feira”, diz.

(G1 Ceará)

Acordo Aditivo Específico aprovado pelos empregados do Banco do Brasil

Os bancários do Banco do Brasil aprovaram, em assembleia realizada em 11 de outubro, proposta feita pela direção do banco para a renovação do acordo aditivo específico dos funcionários.

> Funcionários aceitam proposta e greve acaba no Banco do Brasil
 



 Sindicato dos Bancários de SP

Rafael Matos toma posse no Conselho de Administração do BB

Eleito em junho último por votação direta do funcionalismo e com apoio da Contraf-CUT, Rafael Matos tomou posse no dia 8 de outubro no Conselho de Administração (Caref) do Banco do Brasil, a mais alta instância de decisão do BB. Rafael foi diretor do Sindicato de São Paulo, trabalhou na Gepes e na Previ, como assessor dos dirigentes eleitos.

“A minha atuação no Caref estará em sintonia com o movimento sindical e com os problemas sofridos pelos trabalhadores. Levarei ao conselho os anseios daqueles que estão na outra ponta”, promete Rafael, que terá mandato de dois anos. 

O Conselho de Administração do BB é composto de sete membros: três indicados pelo governo federal, o presidente do banco, dois indicados pelos acionistas minoritários (que hoje são indicados pela Previ) e um eleito pelos funcionários.

Rafael é o primeiro representante eleito dos funcionários do BB após a regulamentação da Lei 12.353 , que garante a representação dos trabalhadores em conselhos de administração de empresas públicas ou de economia mista com mais de 200 funcionários.

Conquista do movimento sindical

“A eleição é uma conquista das centrais sindicais, principalmente da CUT. É um avanço importante porque dará à representação dos trabalhadores o direito de participar da instância máxima do Banco do Brasil, onde são tomadas as decisões estratégicas, desde negócios, crédito, orçamento, investimentos e remuneração dos dirigentes, dentre outras questões”, afirma William Mendes, secretário de Formação da Contraf-CUT e coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

Rafael assume o compromisso de, para se preparar para as reuniões do Conselho de Administração se reunirá regularmente com as entidades dos trabalhadores, com a Contraf-CUT e com o Dieese, para que tenha dados atualizados sobre a situação da categoria e do banco público.

O conselheiro conta que não poderá atuar em questões especificamente trabalhistas, pois há uma resolução que proíbe que representantes dos funcionários votem sobre esses temas. “Vamos tentar barrar essa restrição, em uma união com os demais eleitos em outras estatais. Porém, não vou deixar de opinar e de defender os interesses dos empregados no Caref”, diz.

Rafael afirma que fará a defesa do papel social que o Banco do Brasil deve cumprir no país. “Queremos um banco que cumpra seu papel social, com a redução de tarifas e dos juros e a participação em políticas públicas. Faremos parte da gestão estratégica do banco e essas decisões afetam o cotidiano do funcionalismo”, explica.

Entre os pontos que o conselheiro pretende apresentar ao Conselho Administrativo, estão a criação de um diretoria de sustentabilidade no banco e o aumento da participação das mulheres nos cargos de alta gestão. “Atualmente não existe uma mulher entre os 50 cargos de alta gestão do banco. Vamos lutar contra essa desigualdade”, garante.

Fonte: Contraf-CUT, com Seeb São Paulo

Agência do Banco do Brasil de Lavras da Mangabeira é alvo de explosão por bando

Um bando formado por dez homens fortemente armados explodiu na madrugada de hoje a bateria contendo cinco caixas eletrônicos da agência do Banco do Brasil, em Lavras da Mangabeira, município encravado na Região do Cariri.

Dois policiais militares foram imobilizados com algemas dentro da viatura que teve os pneus estourados. Além do furto aos caixas da agência do BB, integrantes da quadrilha realizaram dois assaltos simultâneos -  uma ótica localizada nas cercanias do banco e um posto de combustível. Na fuga, a polícia já localizou um veículo L-200 incendiado na entrada do município de Granjeiro usado durante a ação. Uma força tarefa da Secretaria de Segurança do Ceará promove uma varredura na área com uso de uma aeronave do Ciopaer com objetivo de prender o bando.

(Blog do Roberto Moreira, Diário do Nordeste)

Bandidos mandam para os ares Banco do Brasil de Meruoca e Bradesco de Apuiarés

Dois bancos do Interior do Ceará foram alvo de assaltantes na madrugada desta sexta-feira, 27. Criminosos atacaram um posto do Bradesco em Apuiarés, a 128, 1 km da capital cearense. Cerca de duas horas depois, a agência do Banco do Brasil de Meruoca, 277, 3 km de Fortaleza, foi alvo de um grupo fortemente armado, que utilizou explosivos para dinamitar os caixas eletrônicos e metralhou o destacamento da Polícia do município. Ninguém foi preso.

Segundo o Comando de Policiamento do Interior (CPI), assaltantes atacaram, a partir de 1 hora desta madrugada, os caixas eletrônicos do Bradesco de Apuiarés. Os homens, que não foram identificados, usaram explosivos e houve confronto com a Polícia, mas ninguém saiu ferido.

Já em Meruoca, cerca de 15 homens armados chegaram a agência do Banco do Brasil em três carros (uma Hilux , um Honda Civic e um Corola) e duas motos, por volta de 3h da manhã. De acordo com a Polícia de Meruoca, parte do grupo entrou no local do roubo com explosivos e outro foi para frente do destacamento da Polícia do município. Os três policiais que estavam no destacamento não conseguiram sair do local, que foi metralhado pelo grupo criminoso.

Os assaltantes tentaram fazer os policiais se renderem e entregarem as armas do destacamento enquanto os outros detonavam o banco. Em meia hora de ação, o grupo bloqueou as entradas da cidade e jogou explosivos parecidos com granadas no destacamento da Polícia. Ninguém ficou ferido e a quantia levada ainda não foi informada. Na fuga, o veículo modelo Honda foi encontrado abandonado e incendiado próximo ao distrito de Anil.

A Polícia acredita se tratar do mesmo grupo de assaltantes, mas até o momento não há informações sobre o paradeiro dos criminosos.

Redação O POVO Online

Ceará: Iniciada CCV da 7ª e 8ª horas do Banco do Brasil

As duas primeiras sessões de conciliação da CCV do Banco do Brasil (Comissão de Conciliação Voluntária) aconteceram nos dias 11 e 12/9, na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará. Estiveram nesses primeiros encontros com a representação da Gestão de Pessoas do BB, 22 funcionários do banco em busca de um acordo como estabelece a CCV, referente às 7ª e 8ª horas. Nas duas sessões, o montante conciliado foi de R$ 276.681,81.

Os pedidos de conciliação devem ser feitos no site do Sindicato e entregues  junto com a documentação necessária, na sede da entidade. Acesse: http://www.bancariosce.org.br/CCV.php.

Na CCV das 7ª e 8ª horas, a finalidade é a quitação das horas extras irregulares dos cargos de natureza técnica, em virtude da implantação do novo Plano de Funções. Os bancários que já migraram para jornada de seis horas do novo plano ou exerceram cargos de assistente e analista nos últimos cinco anos podem requerer acordo pela CCV.

A CCV é uma mesa de conciliação que tem como objetivo resolver pendências trabalhistas através de um acordo extrajudicial entre funcionários da ativa e o banco – sendo o Sindicato o local onde o bancário protocolará a demanda. Dessa forma, tenta-se solucionar os passivos trabalhistas antes de se chegar à instância judicial. Os pedidos de conciliação podem ser feitos junto ao Sindicato e apresentar suas demandas.

A Comissão permite uma resolução extrajudicial evitando a longa espera dos processos judiciais e sua instalação suspende por 180 dias as ações movidas pelo Sindicato contra o Banco do Brasil. A adesão ao Acordo Aditivo que instalou a CCV das 7ª e 8ª horas foi aprovada pelos funcionários do BB em assembleia realizada no último dia 9 de julho.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Bandidos fazem buraco em parede e roubam agência do BB em Coreaú

A agência do Banco do Brasil deCoreaú, no interior do Ceará, foi assaltada na madrugada desta sexta-feira (30). Segundo a polícia, um grupo entrou na agência pelos fundos do banco, após fazer um buraco na parede.

O grupo desligou o alarme, desativou o monitoramento de câmeras e tiveram acesso ao cofre do banco. Além de dinheiro, os assaltantes levaram armas de fogo que pertencia ao banco. A polícia procura o grupo; ninguém foi preso.

(G1 Ceará)

SEEB-CE inicia recebimento dos Pedidos de CCV das 7ª e 8ª horas do Banco do Brasil

Os funcionários do Banco do Brasil interessados em participar da Comissão de Conciliação Voluntária (CCV) referente às 7ª e 8ª horas já podem dar entrada nos pedidos de conciliação junto ao Sindicato dos Bancários do Ceará.

A CCV é uma mesa de conciliação que tem como objetivo resolver pendências trabalhistas através de um acordo extrajudicial entre funcionários da ativa e o banco – sendo o Sindicato o local onde o bancário protocolará a demanda. Dessa forma, tenta-se solucionar os passivos trabalhistas antes de se chegar à instância judicial.

Na CCV das 7ª e 8ª horas, a finalidade é a quitação das horas extras irregulares dos cargos de natureza técnica, em virtude da implantação do novo Plano de Funções. Os bancários que já migraram para jornada de seis horas do novo plano ou exerceram cargos de assistente e analista nos últimos cinco anos poderão requerer acordo pela CCV.

“A Comissão permite uma resolução extrajudicial evitando a longa espera dos processos judiciais. Entretanto, é importante que os bancários saibam que o banco está oferecendo, menos de 20% de uma possível ação judicial para quitação dos diretos das 7ª e 8ª horas”, ressalta Gustavo Tabatinga, diretor de Assuntos Jurídicos do Sindicato. A instalação da CCV suspende por 180 dias as ações movidas pelo Sindicato contra o Banco do Brasil.

A adesão ao Acordo Aditivo que instala a CCV das 7ª e 8ª horas foi aprovada pelos funcionários em assembleia realizada no último dia 9/7.

Acesse o link (http://www.bancariosce.org.br/CCV.php) ou AQUI, preencha o Termo de Demanda e Protocolo, imprima o termo em três vias e junte ao histórico de comissões exercidas (opção Pessoal – 31-08), cópia da carteira de identidade ou documento com foto, e entregue na Sede do Sindicato de segunda a sexta-feira, das 8 às 16 horas ou envie pelo Correio (Rua 24 de Maio, 1289, Centro, Fortaleza/CE – CEP 60.020-001).

O público alvo da CCV é composto por quem, nos últimos cinco anos, exerceu as seguintes funções:

  • 4805 Analista A em UA;
  • 4860 Analista B em UA;
  • 4808 Analista Financeiro em UA;
  • 4830 Analista em Central de Atendimento;
  • 4935 Assistente A em UA;
  • 4960 Assistente B em UA;
  • 4940 Assistente A em UN;
  • 4942 Assistente A em UN;
  • 4965 Assistente B em UN;
  • 4969 Auxiliar Administrativo;
  • 4915 Assessor Júnior UE;
  • 4855 Analista B UT;
  • 4930 Assistente A UT;
  • 4925 Assistente A UE.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

BB é banco mais rentável entre os maiores da América Latina e EUA

O Banco do Brasil, que registrou lucro recorde de R$ 10,03 bilhões no primeiro semestre, teve também a maior rentabilidade do setor na América Latina e nos Estados Unidos, segundo levantamento da consultoria Economatica.

O estudo divulgado nesta segunda-feira (26) mostra que o banco brasileiro teve rentabilidade de 24,82% sobre o lucro até junho, enquanto o norte-americano JP Morgan, considerado o maior do mundo, teve rentabilidade de 12,19%.

Rentabilidade ou retorno é uma conta utilizada para definir quanto uma empresa ganhou em comparação com seu patrimônio líquido num determinado período.

O JP Morgan liderou entre os maiores lucros no acumulado dos últimos 12 meses até junho, com ganhos de US$ 24,4 bilhões, mais do que todos os bancos brasileiros juntos.

Os bancos lideraram os ganhos no país entre as empresas com ações na Bolsa de Valores. Segundo levantamento da consultoria Economatica, as empresas do setor ganharam juntas R$ 17,13 bilhões no 2º trimestre.

Bancos brasileiros

Os três principais bancos do país (Banco do Brasil, Bradesco e Itaú Unibanco) tiveram as maiores rentabilidades do setor na América Latina e nos Estados Unidos, segundo levantamento da consultoria Economatica divulgado nesta segunda-feira (26).

O Bradesco (BBDC4) ficou na segunda colocação, com retorno de 17,59%. O lucro líquido de R$ 5,86 bilhões no 1º semestre foi o maior da história do banco para o período.

Logo atrás, aparece o Itaú Unibanco (ITUB4), com rentabilidade de 16,83%. O lucro do banco foi maior do que toda a economia de 33 países.

A consultoria Economatica calculou a rentabilidade sobre o patrimônio (ROE) entre os maiores bancos de capital aberto da America Latina e Estados Unidos, com ativos totais superiores a US$ 100 bilhões.

(Uol)

Bancários cobram seriedade do Banco do Brasil

São Paulo – A segunda rodada de negociação específica entre os representantes dos funcionários e da direção do Banco do Brasil na sexta 23 seguiu a mesma toada do primeiro encontro: de um lado os dirigentes sindicais reforçando as reivindicações dos trabalhadores e, de outro, os negociadores do banco protelando respostas.

“Entregamos nossas reivindicações com antecedência, em 30 de julho, na expectativa de que pudéssemos resolver várias questões que prejudicam os trabalhadores já nessas primeiras reuniões. No entanto, os representantes do banco não têm a mesma disposição, por isso não temos avançado nos debates”, critica o diretor do Sindicato Cláudio Luis de Souza. “Reivindicamos que o banco mude de postura na reunião do dia 29, pois mantemos nossa disposição de construir propostas por meio do diálogo.”

Na reunião, os dirigentes sindicais reivindicaram que, além das três avaliações negativas consecutivas para que houvesse o descomissionamento, fossem criados outros mecanismos de proteção aos funcionários. A essa questão o banco informou existirem poucos trabalhadores que perdem a função na empresa. “Muitas chefias utilizam a possibilidade de descomissionamento como instrumento de assédio moral. E perder a função tem impacto financeiro enorme na remuneração do trabalhador. Por isso, reforçamos que o banco tem de ampliar, de três para quatro, o número de avaliações negativas para o descomissonamento”, destaca Cláudio Luis.

Cassi e Previ para todos – O banco informou que irá recorrer da multa de R$ 10 milhões e da decisão da Justiça que o condenou – juntamente com a Cassi e a Previ – a dar a opção aos funcionários oriundos dos bancos incorporados Nossa Caixa, BEP e Besc de ingressarem nas caixas de Previdência e de Assistência. Os negociadores da instituição financeira sinalizaram que podem apresentar uma proposta para resolver a questão dos incorporados.

Igualdade de oportunidades – Os dirigentes sindicais reivindicaram que o TAO (Talentos e Oportunidades) seja aprimorado e aplicado em todas as dependências do banco, pois há denúncias de que em muitos setores prevalecem apenas indicações de chefias das pessoas a serem comissionadas. Para essa denúncia os negociadores do banco disseram que o TAO é respeitado.

PSO – Os trabalhadores reivindicaram a ampliação do número de caixas executivos na PSO (Plataforma de Suporte Operacional). De acordo com apuração feita pelo Sindicato, há gerentes em desvio de função para dar conta da demanda das agências, além disso tem aumentado o volume de processos administrativos contra os caixas, os quais, sobrecarregados acabam cometendo erros. A direção do banco sinalizou com a possibilidade de criar uma comissão específica para discutir a PSO.

Reestruturação – Os bancários também reclamaram que as constantes reestruturações prejudicam os funcionários. O banco se comprometeu em comunicar ao movimento sindical antes que haja qualquer reestruturação. O Sindicato cobra que além de ser informado quer também debater as mudanças para evitar impactos negativos aos funcionários.

Cassi – Os dirigentes reivindicaram que o banco arque com os custos de tratamento e medicamentos dos funcionários que se afastam por doença ocupacional. Atualmente é a Cassi que fica com esses custos. Os negociadores afirmaram que irão levar a questão para outras instâncias do banco.

CABB – Os trabalhadores cobraram o fim do monitoramento durante a venda de produtos pelos funcionários da CABB (Central de Atendimento). O banco não se posicionou em relação ao tema.

(Jair Rosa – Sindicato dos Bancários de SP)

Banco do Brasil indenizará clientes por demora no atendimento

O tempo de espera excessivo na fila em duas agências bancárias do município de Imperatriz foi motivo para que a 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Maranhão (TJMA) condenasse o Banco do Brasil a pagar indenização de R$ 5 mil, por danos morais, a dois clientes da instituição financeira. A decisão reformou sentença de primeira instância, que havia julgado como improcedentes os pedidos. 

Relator dos recursos de apelação dos dois consumidores, o desembargador Jaime Araújo disse que a espera excessiva configurou falha na prestação do serviço e fixou o mesmo valor de indenização, em ambos os casos, por considerá-lo suficiente a reparar os danos morais experimentados. 

Araújo ressaltou que os dois clientes apresentaram provas robustas da demora na fila. Num dos processos, o autor anexou a senha de atendimento que recebeu, com horário de 12h39min, e o comprovante de pagamento, marcando 16h21min54seg. O outro apresentou senha, com chegada às 15h58min, e comprovante de depósito, às 19h55min39seg. A alegação é de que a atual legislação municipal fixa o atendimento entre 15 e 30 minutos. 

O banco sustentou que as partes autoras não comprovaram ter esperado o tempo na fila, nem a existência de dano moral. A sentença da Justiça de 1º grau entendeu que, em ambas as situações, houve mero dissabor, comum à vida cotidiana, não configurando efetiva lesão à honra ou à personalidade dos autores. 

O relator na Justiça de 2º grau, por sua vez, entendeu que ficou configurada a lesão, fazendo com que cada um dos autores faça jus à indenização por danos morais, os quais, nestes casos, são presumidos. Os desembargadores Raimundo Barros, revisor em ambos os processos, e Paulo Velten acompanharam o voto do relator.

 

Fonte: Tribunal de Justiça do Maranhão
Autor: Assessoria de Comunicação do TJMA
Categoria: Direito do Consumidor

Banco do Brasil abre inscrições para seu programa de patrocínio até 30 de agosto

á está disponível o edital do Programa de Patrocínios do Banco do Brasil, que define parte da programação de projetos a serem apoiados durante o ano. As inscrições das propostas devem ser feitas exclusivamente pela internet até o dia 30 de agosto de 2013. 

Não será permitida a inscrição de projetos culturais destinados aos Centros Culturais do Banco do Brasil (CCBBs) – Portal Brasil

No edital, disponível no site doBanco, estão as informações gerais sobre o processo de seleção. Podem se inscrever para o Programa pessoas jurídicas, constituídas no País, que estejam em regularidade fiscal. 

Não será permitida a inscrição de projetos culturais destinados aos Centros Culturais do Banco do Brasil(CCBBs) e de projetos sociais que se enquadrem nos programas da Fundação Banco do Brasil. 

Os recursos serão destinados à realização de projetos ambientais, sociais, culturais e negociais que ocorrerão entre 1º de março e 31 de dezembro de 2014. A divulgação dos projetos selecionados está prevista para janeiro do ano que vem. 

A seleção pública de projetos atende à recomendação da Instrução Normativa nº 1 da Secretaria de Comunicação Social da Presidência da República (Secom), de 2009, conferindo igualdade de oportunidade, regionalização, democratização e transparência ao processo. 

Política de Patrocínio 

Por determinação do Tribunal de Contas da União (TCU), o Banco do Brasil analisa a relação custo x benefício de todos patrocínios que realiza, de forma que as contrapartidas obtidas estejam sempre compatíveis com o investimento alocado. 

Patrocínio, nos termos da Instrução Normativa, é o “apoio financeiro concedido a projetos de iniciativas de terceiros, com o objetivo de divulgar atuação, fortalecer conceito, agregar valor à marca, incrementar vendas, gerar reconhecimento ou ampliar relacionamento dopatrocinador com seus públicos de interesse”. 

Fonte:

Secretaria de Políticas de Promoção da Igualdade Racial

Banco do Brasil

Itaú e Banco do Brasil levam multa por enviar cartão de crédito não solicitado

O Banco Itaucard S.A. e o Banco do Brasil S.A. foram multados pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), do Ministério da Justiça, por enviar cartão de crédito sem prévia solicitação dos consumidores. O valor das multas foi de R$ 532 mil para cada banco, segundo publicação no Diário Oficial desta sexta-feira 92).

Apesar de o DPDC ter fimardo em 1998 um Termo de Ajustamento de Conduta para que as empresas fornecedoras de cartões de crédito se abstivessem de enviar cartões de crédito aos consumidores sem prévia solicitação, o Ministério da Justiça informou ter recebido denúncias de consumidores relatando que estavam recebendo cartões de crédito dos bancos sem qualquer pedido prévio.

A Secretaria Nacional de Defesa do Consumidor identificou 106 reclamações, entre os anos de 2004 e 2006, para o Banco Itaúcard, além de três denúncias de consumidores, formuladas nos autos do Processo Administrativo e 156 reclamações entre os anos de 2005 e 2010, para o Branco do Brasil.

Já o Bradesco foi multado em R$ 666 mil por publicidade irregular relacionada a fundos de renda fixa, ofertados sem a adequada informação relativa aos riscos envolvidos. “A informação clara e suficiente aos consumidores sobre os serviços, inclusive relacionada a eventuais riscos envolvidos em investimentos financeiros, deve ser assegurada antes da contratação e não apenas por meio da entrega de prospectos ou documentos informativos após a contratação”, destacou o ministério, em comunicado.

O Bradesco informou que o “assunto está sub judice” e que o banco não irá comentar.

 

Fonte: Com informações do G1

Publicado Por: Fábio Carvalho

Projeto de Inácio Arruda garante reintegração a ex-empregados do BB

Está pronto para ser votado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania do Senado (CCJ) projeto de lei que garante a reintegração no emprego de ex-funcionários concursados do Banco do Brasil que foram demitidos ou coagidos a pedir demissão entre 1995 e 2002. De autoria do senador Inácio Arruda (PCdoB-CE), o projeto tem parecer favorável do relator, o senador Eduardo Amorim (PSC-SE).

PLS 66/2007 garante o retorno ao serviço dos ex-empregados do banco que tenham sido despedidos sem justa causa ou que tenham sido coagidos a pedir demissão, inclusive por transferências arbitrárias. A proposta determina ainda que a reintegração seja no cargo anteriormente ocupado e assegura a contagem do tempo de serviço, a progressão salarial e o pagamento das contribuições previdenciárias em relação ao tempo compreendido entre a dispensa e a vigência da lei.

De acordo com o autor, nos anos 90 houve no país um modelo de gestão político-administrativo voltado a minimizar a intervenção do Estado na economia. Entre as consequências houve as privatizações em massa e o desmonte de bancos. Inácio Arruda afirmou que não foi diferente com o Banco do Brasil. “A dispensa de pessoal era um objetivo a ser alcançado, como forma de redução de despesas e de maquiar a pseudolucratividade”, afirmou o autor em sua justificativa.

Segundo Inácio Arruda, houve transferências arbitrárias e imediatas para compelir os empregados a ingressarem nos planos de demissões voluntárias. Além disso, houve o corte no pagamento de horas extras, resultando em cerca de 50% de perda salarial. “Para se ter ideia, num só departamento do estado do Ceará, foram demitidos mais de cem funcionários em um só dia”, relatou o autor.

O senador informou ainda que, de acordo com dados das entidades sindicais dos trabalhadores, entre os anos de 1995 e 2002, aproximadamente 36 mil empregados do Banco do Brasil foram demitidos de forma arbitrária. Os que não se submeteram às imposições do banco, acrescentou o parlamentar, foram assediados moralmente ao ponto de entregar seu emprego. “Há ainda aqueles que preferiram o suicídio, movidos pelo sentimento de desespero e impotência, diante da truculência e humilhação a que foram submetidos”, alertou o autor.

O relator votou favoravelmente ao projeto, que, segundo ele, repara a injustiça que o Estado brasileiro cometeu contra aqueles trabalhadores. Para Amorim, não há como não se sensibilizar diante da argumentação de Inácio Arruda. “Trata-se de decisões equivocadas de gestores públicos que são insensíveis às questões sociais, pois almejam apenas o bom resultado financeiro da empresa sem qualquer preocupação com o trabalhador”, avaliou Eduardo Amorin.

Se for aprovado na comissão, o projeto deve seguir direto para a Câmara dos Deputados, a menos que haja recurso para votação no Plenário do Senado.

Fonte: Assessoria do senador Inácio Arruda (PCdoB-CE)

BB terá de pagar R$ 600 mil por danos morais a empregado demitido

O Banco do Brasil terá de pagar R$ 600 mil, a título de indenização por danos morais, a um ex-empregado que pediu demissão depois de ser acusado de assédio sexual num processo administrativo disciplinar (PAD) que não comprovou a sua culpa e no qual ele não teve o adequado direito de defesa. A decisão é da 3ª Turma do Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região, que acompanhou voto do desembargador Douglas Alencar.

Segundo o relator, o ex-funcionário não teve pleno direito ao contraditório, nem acesso aos autos da investigação. “Tanto é que teve o reclamante de ajuizar ação cautelar autônoma com a finalidade de que o banco exibisse o inteiro teor do processo”, apontou. Alencar disse ainda que o relatório final do PAD recomendou a demissão do acusado, apesar de nada ter sido provado contra ele. “Não há como admitir que numa apuração levada a efeito em inquérito, sem a plenitude do contraditório, conclua-se ao final pela dispensa do empregado, ainda que sem justa causa”, sustentou.

Para o desembargador Douglas Alencar, a investigação tomou um rumo inusitado, pois, na ausência de provas do assédio que teria sido cometido contra uma estagiária, o trabalhador foi submetido a um julgamento moral. “Sob argumento do virtual impacto negativo à imagem do banco e de uma possível responsabilização da instituição, os empregados que apuraram os fatos e os que julgaram o caso no âmbito administrativo agiram com açodamento”, observou.

De acordo com o relator, na iminência da ruptura contratual imotivada (sanção definida no processo administrativo), inclusive já informada no sistema do banco, o empregado viu-se compelido a procurar outra ocupação. “E, a despeito de ter pedido demissão, ainda consta do sistema do banco a informação acerca da conclusão da dispensa sem justa causa por ‘quebra de confiança’”, assinalou.

Danos morais
O funcionário assumiu outro cargo público, cuja remuneração é inferior ao salário que era pago pelo Banco do Brasil. O desembargador ressaltou que o empregado só pediu demissão porque seria punido com a dispensa sem justa causa, embora nada tenha sido provado no PAD. “Não é difícil concluir, pois, que a forma como o processo administrativo de investigação foi conduzido, sem observância da ampla defesa e do contraditório, na amplitude prevista na Lei Maior (artigo 5º, inciso LV), causou sofrimento ao reclamante, impedindo-o de demonstrar satisfatoriamente sua inocência”, fundamentou.

O relator destacou ainda que o tom incisivo da acusação expôs o trabalhador a constrangimentos. Em dois comunicados dirigidos ao funcionário, ele é tratado como culpado do assédio, mesmo sem haver provas. “Por força dos constrangimentos sofridos no processo administrativo, o reclamante precisou afastar-se para tratamento de saúde, chegando a receber benefício previdenciário decorrente de acidente de trabalho. Entendo presentes, pois, os elementos de prova necessários à caracterização da irregularidade na conduta empresarial e dos danos causados, impositivo o pagamento da indenização correspondente”, disse.

Considerando a condição econômica da empresa e o caráter corretivo e pedagógico da sanção aplicada, como meio de inibir a reincidência da conduta ilegal, e a situação fática delineada nos autos, o desembargador Douglas Alencar fixou o valor de R$ 600 mil para a indenização.

Acompanhando o voto do relator, a 3ª Turma decidiu ainda converter o pedido de demissão em rescisão indireta do contrato de trabalho devido aos vícios do PAD. “O vigor observado nas acusações, nas quais indicada antecipadamente a conduta ilícita que era atribuída, postas inicialmente em prática sem que o trabalhador pudesse promover adequada defesa, demonstram que o reclamante se sentiu coagido. Se o reclamante não pedisse demissão, seria dispensado”, pontuou. Em consequência, o trabalhador receberá as verbas decorrentes do reconhecimento da rescisão indireta do contrato de trabalho. Com informações da Assessoria do TRT-10.

Processo 00385.2012.004.10.00.8

Revista Consultor Jurídico, 1º de agosto de 2013

Banco do Brasil mata o sonho de milhares de brasileiros

Comissão de Aprovados do BB *

Banco do Brasil está matando o sonho dos aprovados no seu último concurso. Nesta quinta e sexta-feira (dias 1º e 2 de agosto), os aprovados no certame 001/2012 do BB farão uma manifestação no Setor Bancário Sul, Quadra 1, Bloco A, em frente ao edifício-sede, pela manhã.

Faltam menos de dez meses para o vencimento do concurso que aprovou 2.558 pessoas no Distrito Federal (DF) e não convocou até agora nem 400 candidatos.

Os participantes fixaram cruzes na porta da sede do BB em luto, pelos sonhos das pessoas que o banco vem matando.

Os fatos…

No dia 25/03/2012, a Fundação Cesgranrio aplicou as provas para o concurso. Foram 73.098 candidatos inscritos. No dia 09/05/2012, a Fundação Cesgranrio publicou o resultado final e homologou o concurso. Foram aprovados nessa ocasião no DF 2.558 candidatos.

As primeiras posses no DF ocorreram em 02/07/2012.

Desde a homologação do concurso até hoje (aproximadamente um ano e dois  meses), o BB deu posse a apenas 216 aprovados em ampla concorrência. Isso significa um percentual de 8,44% dos aprovados no certame. Levando-se em conta que já temos 58,33% do tempo de validade do concurso transcorrido, o número de empossados é baixíssimo.

Comparando-se com o certame anterior, essa constatação fica ainda mais clara. No concurso anterior, no período de dois anos, foram convocados 2.267 candidatos de ampla concorrência e 30 portadores de deficiência.

Ainda durante a vigência do atual concurso, vários problemas aconteceram nas convocações. Em setembro de 2012, o BB suspendeu as convocações justificando contenção de despesas até o final do ano de 2012. Em janeiro,  convocou alguns. Porém, logo depois iniciou uma transição de sistema de recursos humanos que inviabilizou as convocações por mais dois meses.

A argumentação do BB de que chama os candidatos de acordo com o surgimento de vagas não é válida pois, no início de 2012 havia mais de 500 vagas em aberto somente no DF, e o BB insiste em não convocar. A falta de funcionários é notória em todas as agências do BB. As pessoas passam horas nas filas para serem atendidas. Fica clara a postura do BB de não substituir funcionários que deixam a empresa. Com isso, cria-se um péssimo clima organizacional dentro da empresa e a sensação de injustiça aos candidatos que investiram tempo e dinheiro na preparação para o concurso.

A média de posses no concurso 01/2012 está em 15,42 candidatos por mês. Esse número preocupa os concursados, pois se o BB fez um concurso para ter cadastro de 2.558 aprovados, ainda faltam muitos a serem chamados. Mesmo que algum erro de cálculo no número de vagas oferecidas tenha ocorrido, não parece razoável uma diferença tão gritante. A sensação é de que o BB anunciou um número enorme de vagas para atrair muitos candidatos, e com isso conseguir arrecadar mais de R$ 3 milhões somente em taxas de inscrição. Se essa média de convocações e posses se mantiver, teremos ao final da validade do concurso um número insignificante de somente 370 posses durante dois anos, ou seja, apenas 14,46% dos aprovados.

Alguma coisa deve estar errada nessa conta. Ou o BB age de má-fé ao lançar o edital, ou ignora as necessidades de funcionários por simplesmente visar cada vez mais lucros.

* Por solicitação da comissão dos aprovados, que o Congresso em Foco considerou justa e aceitou, omitimos os nomes dos autores do texto para evitar qualquer tipo de retaliação, a qualquer tempo, por parte do Banco do Brasil.

Via http://congressoemfoco.uol.com.br/noticias/outros-destaques/banco-do-brasil-mata-o-sonho-de-brasileiros/

VISITANTES TOTAIS

  • 8,676,065 visitas

VISITANTES ON-LINE

SAUDAÇÕES

Sejam tod@s muito bem vind@s!

O blog diálogos políticos é uma iniciativa da Secretaria de Formação do Sindicato dos Bancários do Ceará. Nosso objetivo é possibilitar o intercâmbio de informações entre as pessoas interessadas nos mais diversos temas da conjuntura brasileira.

MEDIADOR

. Geógrafo e Funcionário da Secretaria de Formação do SEEB/CE. Atua na CCP-Banco do Brasil e CCV-Caixa. Diretor da AESB e Delegado Sindical do SINTEC-CE.

MÚSICA

Direito a Liberdade de Expressão

"Todo o indivíduo tem direito a liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e idéias por qualquer meio de expressão". Art.19 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, promulgada em 10 de dezembro de 1948.
free counters