Todos os posts de dialogospoliticos

Passagem do Metrô de Fortaleza custará R$ 2,85 a partir de outubro

A passagem do Metrô de Fortaleza será de R$ 2,85 a partir de outubro deste ano, segundo o Metrofor. O metrô deixará de funcionar em fase teste (com passagens gratuitas) e começa a operar na fase comercial em outubro, mas ainda sem o dia definido.

O valor, segundo o Metrofor, foi estabelecido em R$ 2,85 por ser o mesmo valor do ônibus intermunicipal entre Maracanaú e Fortaleza, trecho do Metrô de Fortaleza. A partir de fase comercial, o número de trens circulando passará de seis para 25.

O tempo máximo de intervalo entre os trens será de 30 minutos. O Metrofor deverá divulgar nos próximos dias o intervalo exato.

(G1 Ceará)

Campeões de votos têm atuação apagada no Congresso

Campeões nas urnas na última eleição, os 30 deputados federais que tiveram mais votos em seus Estados em 2010 chegam em sua maioria ao fim do mandato com uma atuação pífia. Levantamento da área técnica da Câmara mostra que a maior parte desses parlamentares teve uma participação apática em tomadas de decisão e no debate dos principais temas do Congresso, no plenário e comissões.

A lista inclui o deputado mais votado de cada Estado, acrescida por três parlamentares que figuraram no ranking dos dez principais em número de votos no País, conforme dados do Tribunal de Superior Eleitoral (TSE). Apenas cinco dos 30 concentraram 59% dos discursos e apartes em tribuna. O quinteto foi responsável por 34,5% das matérias relatadas pelo grupo e por 25,7% dos projetos, emendas e requerimentos elaborados por eles.

Um dos critérios utilizado para a análise do desempenho dos deputados levou em conta o número de matérias relatadas pelos parlamentares. O papel do relator é orientar o voto dos colegas sobre temas que podem virar lei no País. Além disso, a relatoria pode ser usada para barganhar apoio a projetos individuais.

À frente do bloco PP-PROS, a terceira maior bancada da Câmara, o líder Eduardo da Fonte (PP-PE), o segundo mais votado em seu Estado, relatou apenas três projetos. O deputado argumenta, por meio de sua assessoria, que em 2011 e 2012 foi segundo vice-presidente da Câmara, o que o impedia de relatar projetos. Já em 2013, Fonte alega que foi presidente da Comissão de Minas e Energia e, por “tradição”, não é recomendável relatar. Em 2014, ele diz que assumiu a liderança partidária e, em razão disso, “acha melhor dividir” as relatorias entre seus correligionários.

Mais votado – Escolhido por 1,35 milhão de eleitores – Francisco Everardo Oliveira Silva (PR-SP), o palhaço Tiririca, relatou oito projetos – entre eles, um que renomeava viaduto em Guaratinguetá (SP) e outro denominando Caçapava (SP) como “Capital Nacional do Antigomobilismo”, ou seja, a cidade da restauração e manutenção de veículos antigos. Entretanto, em quatro anos, Tiririca nunca defendeu uma ideia ou projeto em discurso na tribuna.

Atual líder nas pesquisas para o Senado no Distrito Federal, José Antônio Reguffe (PDT) empata em relatorias com Tiririca, que supera outros oito parlamentares – como os ex-líderes de bancada ACM Neto (DEM-BA) e Ana Arraes (PSB-PE). Ambos deixaram os mandatos mais cedo para assumir os cargos de prefeito de Salvador e de ministra do Tribunal de Contas da União (TCU), respectivamente. No topo da lista está o deputado Esperidião Amin (PP-SC), com 79 projetos relatados.

Os 30 deputados analisados pelo Estado fizeram 3.787 manifestações na tribuna, entre discursos e apartes, e apresentaram 6.560 proposições – como projetos individuais e coletivos, emendas e requerimentos. Eles foram relatores de 457 projetos, medidas provisórias, entre outros.

O deputado Vinícius Gurgel (PR), o mais votado do Amapá em 2010, é o último da lista em número de proposições – apenas 32. Em penúltimo está Tiririca – com 42 proposições, sendo 30 projetos próprios relacionados ao circo. Nenhum aprovado.
Para a comparação, no lado oposto, com mais matérias apresentadas durante o mandato entre os 30 parlamentares da lista, a deputada Fátima Bezerra (PT-RN) aparece com um total de 757 proposições.

(Portal Bem Paraná)

Saiba onde votar em trânsito no Ceará

Nestas eleições, o eleitor cearense que se cadastrou para o voto em trânsito poderá votar em 15 sessões eleitorais, 13 em Fortaleza e duas em Caucaia. A modalidade permite o voto somente para a Presidência da República para aqueles que estarão fora do próprio domicílio eleitoral. O prazo de cadastramento já terminou, e aqueles que o fizeram terão o direito de votar sem precisar transferir o título eleitoral.

É a primeira vez que o voto em trânsito estará disponível fora das capitais dos estados. Por decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), no pleito deste ano, ficaram habilitadas também cidades com mais de 200 mil habitantes. Ao todo, 84.418 eleitores foram cadastrados para votar em trânsito no 1º turno das eleições presidenciais, no dia 5 de outubro. O TSE recebeu outros 79.513 registros em caso de um eventual 2º turno do pleito.

Confira onde votar em Fortaleza e Caucaia:

Fortaleza:

Escola de Saúde Pública – NEPE. Av. Antônio Justa, 3261. Meireles

Colégio Ari de Sá. Av. Washington Soares, 3737. Edson Queiróz

Fórum Eleitoral de Fortaleza – Prédio Anexo. Av. Almirante Barroso, 641. Praia de Iracema

Colégio Master Bezerra de Menezes. Av. Bezerra de Menezes, 1802. São Gerardo

Faculdade Integrada da Grande Fortaleza. Av. Porto Velho, 401. João XXIII

Terminal Rodoviário de Antônio Bezerra. Rua Hipólito Pamplona, 45. Antônio Bezerra

Assembleia Legislativa. Av. Desembargador Moreira. Dionísio Torres.

Terminal Rodoviário Engenheiro João Tomé. Av. Borges de Melo. 1630. Fátima

EMEIF Aldemir Martins. Av. Francisco Sá, 7460. Barra do Ceará

Aeroporto Internacional Pinto Martins. Av. senador Carlos Jereissati. Dias Macedo

EEFM Dr Ubirajara Índio do Ceará – Uv 7. Rua 751 s/n 3° etapa. Conjunto Ceará

CEJA Professor Moreira Campos. Rua Júlio Braga, 101b. Parangaba

Colégio Teles. Av Juscelino Kubitscheck, 3653. Passaré

Caucaia:

Escola Helena de Aguiar Dias. Av. dos Coqueiros s/n. Cumbuco

E.E José Maria Pontes da Rocha. Rua 08 s/n. Tabapúa

(Blog Política, Diário do Nordeste)

Neca Setubal, herdeira do Itaú e aliada de Marina Silva tem fortuna de R$ 1 bilhão, diz Bloomberg

Marina Silva e a banqueira Neca Setúbal. Foto: Ayrton Vignoli/Estadão Conteúdo

Maria Alice Setubal, mais conhecida como Neca, é herdeira do banco Itaú e conselheira na campanha de Marina Silva à Presidência da República.

De acordo com dados da agência de notícias financeiras Bloomberg, ela teria uma fortuna de R$ 1 bilhão (US$ 428 milhões).

O valor é estimado com base em sua participação acionária na empresa Itausa (que controla o Itaú Unibanco Banco Múltiplo, Itautec, Duratex, Elekeiroz além de outros empreendimentos), e em dividendos.

A Bloomberg afirma que Neca não comentou quanto dinheiro possui, mas disse que doou uma parte considerável ao longo dos anos para os três filhos, para os sobrinhos e para as 16 instituições que apoia.

A agência afirma ainda que a participação da família Setubal no Itausa vale mais de R$ 7,7 bilhões (US$ 3,3 bilhões), de acordo com o índice de bilionários da Bloomberg.

Doações

Neca disse que doou R$ 1 milhão no ano passado para o Instituto Marina Silva, uma organização sem fins lucrativos. Além disso, ela doou R$ 200 mil para a campanha presidencial deste ano do PSB, e R$ 1,4 milhão para os candidatos a governadores, deputados federais e senadores do partido.

Em 2012, ela havia doado R$ 633.500 para a candidatura de Marina Silva e de dois candidatos do Partido Verde (pelo qual Marina se candidatou na época) ao Congresso. Os dados, segundo a Bloomberg, são do Tribunal Eleitoral brasileiro.

O Itaú contribuiu com R$ 2 milhões para cada um dos três principais candidatos à Presidência neste ano, de acordo com uma fonte.

Via R7

Hermes França x Chiquerim fazem luta principal do Triangle Fight Night; veja o card oficial do evento

Dois lutadores tem passagens pelo UFC. Foto: Divulgação e Bruno Balacó/O POVO

Vem aí, um choque de duas lendas do MMA cearense. Hermes França e Willamy Chiquerim ficarão frente a frente num combate de submission, que será a atração principal do Triangle Fight Night, evento de luta agarrada programado para o dia 5 dezembro, na casa de espetáculos Musique, em Fortaleza.

O duelo reúne dois luadores com currículos invejáveis e passagens pelo UFC. Apesar de ter apenas 27 anos, Chiquerim tem um carreira vitoriosa e já faturou duas vezes o cinturão mundial do Shooto. Faixa-preta de jiu-jitsu da academia Nova União, ele também ostenta na bagagem o vice-campeonato europeu de luta agarrada em sua categoria.

Hermes, veterano de 40 anos, é um grappler nato, fez carreira no UFC, onde chegou a disputar o cinturão dos pesos-leves e já foi campeão mundial de jiu-jitsu sem pano, além de detentor do cinturão do N.A.G.A, nos Estados Unidos.

O card do Triangle Fight Night, que contempla duelos de jiu-jitsu e submission, terá no total 9 lutas e foi revelado em primeira mão ao blog Clube da Luta do jornal O POVO.

O co-evento principal da noite reunirá duas grandes feras do jiu-jitsu cearense: Fredson Alves (que representa a equipe Ribeiro) e Marcos Túlio, líder da Brazilian Top Team Ceará. Outro duelo confirmado na arte-suave envolve Danilo Mota, atleta que compete em várias artes marciais pela academia Team Nogueira Fortaleza, contra Álvaro Fontes, faixa-preta da equipe SAS.

VÍDEO: ORGANIZADORES CONTAM OS DETALHES DE COMO SERÁ O TRIANGLE FN

O Triangle Fight Night também separou um duelo dois dos principais nomes da nova geração jiu-jitsu local: Marcelinho Marques x Marlus Salgado, primeiro cearense campeão mundial em Abu Dhabi.

Outras estrelas do evento são Maurílio Touro, Dênis Chokito, Tiago Goiabeira, Michael William e Fernando Moura, líder da equipe V8.

Confira o card oficial do Triangle Fight Night:

Hermes França x Willamy Chiquerim (submission)
Fredson Alves x Marcos Túlio (jiu-jitsu)
Danilo Mota x Álvaro Fontes (jiu-jitsu)
Maurílio Touro x Osmar Fonte (submission)
Tiago Goiabeira x Dênis Chokito (jiu-jitsu)
Michael William x Hamilton Caminha (submission)
Tiago Frota x Tiago Macaco (jiu-jitsu)
Falabella Netto x Fernando Moura (submission)
Marlus Salgado x Marcelinho Marques (jiu-jitsu)

(Clube da Luta, O Povo Online)

Licitação do Banco do Brasil para contratar escritórios é suspensa de novo

Por Marcos de Vasconcellos

A licitação pela qual o Banco do Brasil pretende contratar escritórios de advocacia terceirizados está novamente suspensa. Decisãoliminar desta quinta-feira (18/9) do desembargador Fermino Magnani Filho, da 5ª Câmara de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo, determina que a concorrência seja interrompida até que se julgue a ação que pede a republicação do edital. A nova decisão confirma o que quem acompanha a disputa já havia previsto: uma guerra de liminares.

Classificada como a maior licitação para serviços jurídicos já feita no Brasil, a concorrência já havia sido suspensa no dia 29 de agosto, após o banco ser acusado de dar pontuação extra a escritórios que não tinham cumprido o que era exigido no edital para ganhar tal bônus. No entanto, dias depois, a liminar foi derrubada, pois o Banco do Brasil já havia divulgado nova classificação dos escritórios, com a pontuação revista.

Agora, o concurso foi novamente paralisado depois de os escritórios Natividade e Gonçalves Sociedade de Advogados e Pereira Gionédis Advocacia, autores da ação, apontarem um equívoco na decisão que permitiu o andamento do certame. Segundo eles, o erro na pontuação decorreu de uma mudança nos termos do edital. Com isso, o banco estaria obrigado a republicar o edital, reabrindo o prazo para inscrição de interessados na concorrência.

Os advogados citam a Lei 8.666/1993 (Lei de Licitações), que, em seu artigo 21, parágrafo 4º, prevê: “Qualquer modificação no edital exige divulgação pela mesma forma que se deu o texto original, reabrindo-se o prazo inicialmente estabelecido, exceto quando, inquestionavelmente, a alteração não afetar a formulação das propostas”.

“O fumus boni iuris está presente na aparente violação a dispositivo expresso da Lei de Licitações. Já o periculum in mora repousa na possibilidade do término do procedimento licitatório, com a consequente homologação e adjudicação do objeto a novo licitante”, afirma o desembargador Fermino Magnani Filho.

Reportagem da revista eletrônica Consultor Jurídico mostrou que o Banco do Brasil pretende mais do que dobrar seus gastos com advogados terceirizados a partir do ano que vem. De 2015 a 2019, serão destinados 193 milhões por ano para essa rubrica, contra R$ 71 milhões pagos até agosto deste ano e R$ 84 milhões em 2013. Não à toa, o volume atraiu 161 bancas, que se engalfinham na disputa por essa licitação.

A concorrência servirá para que o Banco do Brasil contrate escritórios para cuidar, de imediato, de mais de 230 mil processos nas áreas trabalhista, penal, administrativa, tributária e de recuperação de crédito. Essa é a demanda imediata, mas o número tende a aumentar, pois o banco tem mais de 1 milhão de processos na Justiça, sendo que os advogados internos cuidam apenas dos estratégicos, deixando os de massa e de menor complexidade para terceirizados. Pessoas ligadas à instituição afirmam que, devido às proporções que qualquer problema nessa licitação pode tomar, as denúncias têm preocupado funcionários e advogados da companhia.

A concorrência já virou até mesmo assunto de Polícia e do Tribunal de Contas da União. Mais de 30 recursos administrativos, seis representações no TCU e até uma representação criminal envolvem o caso, além do processo no TJ-SP, que teve nova liminar nesta quinta-feira.

O escritório Nelson Wilians e Advogados Associados é pivô de grande parte dos recursos contra a disputa. Na primeira divulgação de pontuação, o Nelson Wilians foi o primeiro colocado em 30 das 54 categorias e regiões licitadas. Já nos resultados divulgado pelo banco no mesmo dia em que foi concedida a primeira liminar que suspendia o certame, o escritório ficou em uma colocação pior do que tinha em 23 categorias e regiões licitadas (itens). Em dez desses casos, a banca era a primeira colocada.

A banca é acusada de simular a contratação de advogados para que estes constassem na lista de profissionais no momento da concorrência e aumentassem sua pontuação. A Polícia Civil de São Paulo, no entanto,concluiu que o escritório não forjou a contratação de advogados para alcançar maior pontuação na licitação. O delegado Jacques Alberto Ejzenbaum entendeu que os fatos apresentados na denúncia não condizem com a verdade e  determinou que fosse instaurado um novo inquérito policial (1268/2014), desta vez para apurar se os autores da denúncia contra o escritório cometeram o crime de denunciação caluniosa, previsto no artigo 339 do Código Penal.

Clique aqui para ler a liminar concedida nesta quinta-feira (18/9).

Estágio Banco do Brasil 2015; inscrições abertas.

Estágio Banco do Brasil 2015 – A instituição deverá empregar em torno de 110 mil funcionários e conta com mais de 5 mil agências bancárias espalhadas pelo Brasil a fora. A instituição está com as inscrições abertas para processos de seleção para jovens aprendizes 2015 através de seu programa de aprendizagem e também para oportunidades de estágio.
Requisitos para Estágio Banco do Brasil 2015  – ter uma idade equivalente entre 18 a 24 anos de idade. Como benefícios, os profissionais deverão contar com um salário mínimo mensal, vale transporte, vale alimentação, 13º salário, férias em mesmo período de recesso escolar, e tambémseguro saúde.
Para efetuar a inscrição Estágio Banco do Brasil 2015 é muito simples, basta apenas acessar a página do BB no endereço www.bb.com.br e em seguida acessar a área de carreiras para participar do processo de seleção.
O processo de seleção é realizado da seguinte forma, os profissionais são avaliados através de testes individuais, entrevistas coletivas e entrevistas individuais com os gerentes da instituição bancária. No caso de jovem aprendiz não é exigida uma experiência profissional anterior.

Dilma cresce em Minas, Paraná, Paraíba e Santa Catarina

Pesquisas recentes do Ibope mostram Dilma crescendo substanciosamente em todas as regiões do país. Marina, por sua vez, perde votos rapidamente.

Impressiona, por exemplo, a sua disparada na Paraíba, concomitantemente a uma queda brusca de Marina Silva (gráfico acima).

Clique nos gráficos para acessar o relatório completo das pesquisas. Neste post, trago gráficos da Paraíba, Santa Catarina e Paraná. Os dados de Minas estão no post anterior.

ScreenHunter_4923 Sep. 21 01.05

ScreenHunter_4920 Sep. 21 00.43

Via Tijolaço

Juiz dá ganho de causa à Noblat contra Joaquim Barbosa

Por ocasião do processo movido por Joaquim Barbosa contra Noblat, nós, do Tijolaço, defendemos o jornalista e a liberdade de expressão.   No Cafezinho, eu reproduzi o texto do Fernando Brito, acrescentando o título enfático: Em defesa de Noblat.

Não vimos nenhuma manifestação da grande imprensa em defesa de Noblat. Pode ter ocorrido, mas não vimos.

Não vimos nenhum “coleguinha” dizer um ai em público. Pode ter ocorrido, mas não vimos.

Todos queriam preservar a figura de Joaquim Barbosa.

Joaquim Barbosa, então um presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), não era apenas uma figura pública. Era “a” figura pública.

Os jornais lhe davam destaque diário. Todo o dia Ancelmo Gois informava a seus leitores que JB tinha sido aplaudido numa lojinha em Ipanema, festejado no metrô de… Ipanema, aclamado num restaurante em… Ipanema, e por aí vai.

Temos preferido nem mencionar mais o nome de Joaquim Barbosa, porque nosso interesse por JB era exclusivamente em função do cargo que ocupava. Fora do cargo, sua vida e suas opiniões políticas não nos interessam.

Mas temos de registrar essa derrota de JB na justiça, porque ela cria uma jurisprudência favorável aos blogueiros, cuja fragilidade econômica os faz alvo de processos de figuras públicas e poderosas do setor público e privado.

Ali Kamel, por exemplo, acaba de vencer um processo em que pede R$ 30 mil a um ex-blogueiro de São Paulo, o Marco Aurélio Mello.

Esperamos que o Judiciário seja tão corajoso na defesa de blogs como tem sido, na defesa de liberdade de expressão de órgãos da imprensa tradicional, como a Istoé, a Época, a Veja e agora, o Globo.  Em caso contrário,  se favorecer apenas os grandes e condenar os pequenos, a Justiça se transformará num instrumento de concentração da mídia.

Segue matéria publicada hoje no Globo, com informações sobre a decisão do juiz e os argumentos de defesa de Noblat.

*

Juiz rejeita denúncia do MPF contra colunista do GLOBO
Ex-ministro Joaquim Barbosa havia pedido condenação de Ricardo Noblat
POR O GLOBO
20/09/2014 23:01 / ATUALIZADO 21/09/2014 2:02
PUBLICIDADE

RIO — O juiz federal Elder Fernandes Luciano rejeitou, no último dia 11, denúncia do Ministério Público Federal (MPF) contra o jornalista e colunista Ricardo Noblat, do GLOBO. O MPF, que recebeu representação criminal de Joaquim Barbosa, então ministro e presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), pleiteava a condenação pelos crimes de injúria, difamação e racismo. A representação e a denúncia foram propostas por conta da coluna “Joaquim Barbosa: Fora do Eixo”, publicada em 19 de agosto de 2013, no impresso e na internet. A decisão é de 1ª instância, mas o MPF não vai recorrer.

— O juiz enfrenta ponto a ponto as imputações e afasta cada uma delas, de forma meticulosa e prudente, demonstrando que o artigo manifesta opiniões a respeito do comportamento que não se qualificam como criminosas — diz o jurista Gustavo Binenbojm: — Houve crítica ácida, controvertida, mas o fato de ser ácida e controversa não a torna por si só criminosa. (Com essa decisão), o juiz garante à imprensa o direito de criticar os detentores do poder.

O MPF justificou a denúncia contra Noblat argumentando que ao “fazer crítica ao ministro do STF, no exercício de sua função, extrapolou os limites da liberdade de expressão e de manifestação de pensamento, passando à ofensa deliberada do ofendido”. Afirmou ainda que “a crítica foi altamente ofensiva e injuriosa”. E sustentou “que o modo de agir do denunciado não apenas constituiu injúria racial (…). O texto publicado também estaria envolto à prática de racismo”.

A defesa de Noblat, feita pelo advogado Paulo Freitas Ribeiro, no entanto, alegou, “em síntese, que o texto, definitivamente, não era ofensivo à honra de quem quer que fosse e tampouco indutivo da prática de racismo”. A defesa sustentou ainda “que se tratava de crítica jornalística, notadamente elaborada a partir de fato ocorrido em sessão do julgamento do processo conhecido como ‘mensalão’”. E explicou que, “na ocasião da sessão do julgamento do dia 15 de agosto de 2013, o ministro Joaquim Barbosa havia acusado o ministro Ricardo Lewandowski de ‘fazer chicana no julgamento’. (…). O acusado teria feito crítica sobre a maneira que o ministro Joaquim Barbosa age quando contrariado, bem como reflexão do assunto”. Defendeu que “era absolutamente público e notório que o então presidente Lula queria mesmo nomear um jurista ‘negro’ para o STF, de modo a deixar a composição da Corte mais plural e representativa da sociedade”.

A partir desses dados, o juiz Luciano destacou que “o texto realmente é ríspido. É compreensível que qualquer pessoa que se sujeitasse a ser objeto de artigo também não gostaria da opinião jornalística da forma como foi exposta. Natural também que o ser humano se deleite com o elogio e seja avesso a críticas. Entretanto, entre se aborrecer com comentários que não exaltam qualidades, e a existência da prática de delito, há de se ponderal vários fatores circunscritos à ciência penal”.

‘LIBERDADE DE IMPRENSA É UM DOS PILARES DA DEMOCRACIA’

Para fundamentar sua decisão, o juiz Elder Fernandes Luciano esmiuçou os artigos 139, 140 e 141 do código penal brasileiro e o artigo 20 da Lei nº 7.716/1989. E disse que “questionar os poderes de uma autoridade pública não deve ser considerada uma afronta. (…) a crítica à autoridade pública, a qual tem por missão a consecução de bens comuns, isto é, destinada a todos os administradores (e jurisdicionados), tornou-se algo não somente possível, mas necessário. O exercício do cargo no Pode Judiciário não foge a essa regra”.

Ainda em sua fundamentação, o juiz destacou que “há simbiose entre acesso à informação e à possibilidade de crítica”. Essa possibilidade, escreveu, “é uma das facetas da liberdade de expressão, prevista no artigo 5º, IX, da Constituição Federal”.

Na decisão, o juiz Luciano escreveu ainda que o “sr. Joaquim Barbosa despertou paixões com a mesma velocidade com que despertou ódio. Não há problema quanto a isso. Exercia cargo de relevante importância para a República Federativa do Brasil, e decidia, diuturnamente, questões importantes para o país. Não é surpresa que, como juiz, desagradasse alguns e agradasse outros pelas suas decisões. Mas também não há problema de as pessoas, dentre elas as jornalistas, entenderem se a sua compostura na Suprema Corte era adequada ou não. (…) Se casos como este forem reputados como crime, perde a sociedade a oportunidade de formular senso autocrítico. Toda a evolução a respeito da liberdade de pensamento no Estado Democrático de Direito sofrerá grande retrocesso”.

— O embate de ideias constrói uma sociedade democrática, mas o Direito Penal não deve ser usado como instrumento de cerceamento à liberdade de imprensa e ao direito à informação. Não é possível usar o Direito Penal para criminalizar opinião e como garantia de imunidade pelos detentores do poder, intimidando jornalistas. O Supremo já disse que a liberdade de imprensa é um dos pilares da democracia — diz o jurista Gustavo Binenbojm.

Via Tijolaço

Pesquisas ainda vão segurar Marina? Aécio será o Lázaro da direita?

Hoje a amanhã serão dias de grande ansiedade na campanha.

Os boatos vão se espalhar a toda a velocidade.

Porque a mídia está completamente atarantada com a rapidez da dissolução da candidatura Marina Silva.
O Datafolha publicado hoje sobre o Ceará dá mostra desse processo.

Em pouco mais de duas semanas, Marina cai de 24 para 18%, o que é perder um a cada quatro eleitores.

Exatos ou não os números, Aécio  vai aparecer bem perto da ex-senadora nas pesquisas Vox Populi, hoje, e Ibope, amanhã.

A direita percebeu que Marina está se desfazendo e teme que isso se dê de forma tão forte que não possa ser controlada.

A rejeição à candidata fundamentalista, na pesquisa do Datafolha entre os cearenses, dá um incrível salto de 20 para 31%.

É muito, demais para que seja um fenômeno exclusivamente local.

Já começaram, até, a surgir “teorias da conspiração”, curiosíssimas.

Lauro Jardim, na Veja, ao registrar que pesquisas do PSDB e PT indicam uma aproximação de Marina, descendo forte, e Aécio, subindo poderiam ser “uma operação combinada entre o PT e a Vox para alavancar Aécio”.

Só, ao que parece, se tiver sido combinada também com o Datafolha, o Ibope, o Sensus, o Datatempo e todos os outros que estiverem captando o obvio: a onda Marina está em pleno refluxo.

É difícil “calibrar” estes processos metóricos, tanto para cima quanto para baixo.

Mas é possível sentir que a situação é séria e apavora o núcleo marinista.

A candidata sabe que está nas mãos da mídia.

Sua sorte, a sorte que ainda tem, é de que Aécio é um candidato muito ruim.

Do qual, aliás, o jornalista Luiz Fernando Vianna faz, na Folha de hoje, um impiedoso mas veraz retrato, ao recordar a frande do folclórico técnico de futebol de praia Neném Prancha e uma de suas antológicas frases, a que diz que jogador de futebol tem de ir na bola “como quem vai num prato de comida”:

“Dilma e Marina merecem várias críticas, mas têm a seu favor a gana de viver e vencer de quem já sentiu o cheiro da morte. A primeira sobreviveu às torturas e à prisão na ditadura militar; a segunda, tal qual Lula, superou a pobreza extrema. Estão na campanha com fome.

O bem nascido Fernando Henrique também era guloso porque via o topo do poder como o único lugar à sua altura. Aécio já entrou na vida pública como neto de presidente (não empossado, mas eleito). Parece satisfeito com o muito que tem. Prato de comida, para ele, é o dos restaurantes de luxo que frequenta no Rio”.

A grande maravilha do processo social é a de que, quanto mais a mídia e os donos da “vontade popular” o tentam manipular, mais ele prova que tem uma força imensa, que desmancha, com o tempo,  todas as prestidigitações dos  feiticeiros da política.

Via Tijolaço

A memória dos filhos dos desaparecidos da ditadura argentina em literatura

Da OperaMundi

Por Bruno Arpaia e Alberto Prunetti 

Geração de escritoras e escritores narra anos de violência e repressão através de seus pontos de vista

Era o dia dois de setembro de 2003 quando Néstor Kirchner, então há pouco eleito presidente da Argentina, promulgou a norma que anulava as leis do Punto Final e da Obediencia Debida, que garantiam impunidade aos militares golpistas e torturadores. Em março do ano seguinte, inaugurando o Museu da Memória que ele idealizou no edifício que abrigava a Esma, a Escola de Mecânica da Armada, onde milhares de pessoas argentinas foram torturadas e mortas, Kirchner declarou: “Como Presidente da Nação Argentina, venho pedir perdão por parte do Estado nacional pela vergonha de ter silenciado sobre tantas atrocidades durante vinte anos de democracia. Falemos claramente: não é rancor nem ódio a nos guiar e a me guiar, apenas a justiça e a luta contra a impunidade. Os responsáveis por esses eventos tenebrosos e macabros, por tantos campos de concentração como a Esma, têm só um nome: são assassinos repudiados pelo povo argentino.”

A partir daquele momento, sem mais ser obrigada a lutar para “existir”, uma geração de escritoras e escritores que tinha visto pessoas de suas famílias morrerem sob os golpes da repressão ou desaparecer no oceano Atlântico pôde começar a narrar os anos da violência e da ditadura através de seus pontos de vista. Militantes sobreviventes já tinham produzido ótimos livros, entre os quais obras-primas como “Recuerdo de la morte” (“Lembrança da morte”, em tradução livre), de Miguel Bonasso. Agora o testemunho da narrativa passava às pessoas que tinham vivido aqueles eventos não como protagonistas adultos, mas como crianças, como espectadores e vítimas, frequentemente inconscientes, da aniquilação de suas próprias famílias.

Aquela geração se pôs a acertar as contas com a memória através da literatura. A memória, pessoal e/ou coletiva, é um dos instrumentos principais de pessoas que narram em suas abordagens da realidade. Parece simples: minhas recordações são (deveriam ser) minha “verdadeira realidade”. No entanto, não é nada simples. Os mais recentes estudos sobre o funcionamento do cérebro humano confirmam esse fato, mas para romancistas a falibilidade da memória não é uma descoberta nova. Muitas já tinham descoberto há tempos que a memória não é um armário ou uma geladeira de que se retiram as recordações à medida que se precisa delas. A memória é complexa: não somente acumula, registra, estoca, arquiva… Ela elimina, reduz, corta, infla, estica, adiciona, agiganta, mistura, confunde. A memória fabula, narra. A memória inventa.

E isso é verdade também para a história pessoal recente. Assim confirmaram em outubro de 2013, em Buenos Aires, escritoras e escritores reunidos em um seminário organizado pelo Departamento Lectura Mundi da Universidade Nacional de San Martin, intitulado “Narrativas do real: histórias e memórias”. Laura Alcoba, Félix Bruzzone, Julián López, Mariana Eva Pérez, Raquel Robles, Ernesto Semán e Ángela Urondo contaram como, a partir de 2003, se sentiram livres para encarar as histórias de suas famílias sem mais constrangimentos e como, cada um a seu modo, a partir de suas próprias lembranças ou dos fiapos de memórias, elaboraram histórias que, mesmo quando parecem relatos pessoais ou autobiografia pura, conservam as características da ficção.

“Pequeños combatientes”, de Raquel Robles, por exemplo, é a história, contada em primeira pessoa, com uma voz fresca e adolescente, de uma garota de doze anos e seu irmão de oito, crescidos na clandestinidade e que vivem com os avós. Os irmãos estão convencidos de que os pais estão ainda a combater aquela “guerra” na qual também eles se sentem envolvidos: são, de fato, “pequenos combatentes”, que pouco a pouco se dão conta do desaparecimento dos próprios pais. O romance parece a simples narrativa da história real de Raquel Robles, que é engajada na luta de organizações pelos direitos humanos e é filha de desaparecidos da ditadura. A autora, no entanto, explicou que partiu de um grumo confuso e indistinto de lembranças da infância que depois desenvolveu de acordo com as regras da ficção, buscando a “voz” do romance na filha, que tem a mesma idade da protagonista.

Emblemático também o caso de Ángela Urondo. Em junho de 1976, Ángela tinha apenas onze meses quando o automóvel em que viajava com os pais, ambos militantes montoneros, foi parado e cravejado de balas por militares nos arredores de Mendoza. O pai, o escritor Paco Urondo, morreu no local. Alicia Raboy, a mãe, jornalista, correu com o bebê nos braços tentando se salvar, mas não conseguiu. Acabou na Esma e depois desaparecida. Ángela foi sequestrada pelos militares, entregue em um orfanato e depois à avó materna, que prometeu criá-la em comum acordo com a família Urondo. Porém, sem avisar à outra avó, decidiu dá-la em adoção à sobrinha, que a partir de então cortou os laços entre os Urondo e a menina. A pequena Ángela sabia que seus pais biológicos estavam mortos, mas acreditava que tinham falecido em um acidente de carro. A família adotiva não lhe disse nem ao menos que tinha um irmão e uma irmã, essa última também desaparecida. Ángela descobriu de fato quem é somente quando, aos dezenove anos, o irmão veio “resgatá-la”. Começou então a lutar para recuperar sua própria identidade, seu sobrenome, e iniciou uma causa de “desadoção” (seu próprio neologismo). “Era uma causa civil contra meus pais adotivos, com a qual solicitava à justiça a anulação da adoção. Geralmente, adoções são irreversíveis. Fiz algo fora da norma, mas era um direito meu.” Esse direito lhe foi reconhecido cerca de dois anos depois, quando ela finalmente pôde se chamar Ángela Urondo Raboy. No meio tempo, começou a escrever para contar sobre seu doloroso percurso de reconstrução da própria história pessoal, para tornar público um drama que não era só privado. “¿Quién te creés que sos?” (“Quem você pensa que eu sou?”) é o livro que resultou de todo o processo. Um livro não linear, construído como um quebra-cabeças, em que adquirem sentido até os sonhos recorrentes da autora adulta que, como ela vem a descobrir somente mais tarde, resgatam as cenas terríveis que ela viveu quando bebê.

Também dramático é o caso narrado por Victoria Donda em “Mi nombre es Victoria” (“Meu nome é Victoria”). A obra é menos literária, com um recorte memorialístico e autobiográfico. É a história da reapropriação do nome e da identidade de uma dos tantos hijos de desaparecidos. O elemento interessante é que ela permanece suspensa em uma terra de ninguém, entre duas famílias: não há o final feliz do retorno à família originária, com o acolhimento regado a lágrimas. Pelo contrário: na família de sangue ela encontra também o responsável pela denúncia e pelo desaparecimento dos próprios pais. A família, longe de ser um recanto de paz, é um lugar de conflitos políticos irreconciliáveis. E dramática também é a permanência na família de adoção: o tio da família de sangue era um repressor amigo do pai de adoção. Uma descoberta inquietante: “trata-se de uma pessoa que eu chamava de ‘tio’, que me foi apresentada como meu padrinho de batismo (…). Meu pseudo padrinho, Héctor Febrés, responsável pelo “setor quadro” da Esma, o setor das mulheres grávidas. O homem que me tirou dos braços de minha mãe. Meu sequestrador”, narra Victoria no livro.

O amor de Victoria pelos pais montoneros se desfaz frente à figura do tio Adolfo, irmão e traidor do pai de sangue, conhecido como “Geronimo” pelas pessoas que torturava. Victoria passa então a descrever o relacionamento conflituoso e angustiante dos avós paternos com o filho torturador, o senso de culpa… A família se quebra, como se quebra a sociedade argentina, mas de maneira talvez mais dramática. No fim, Victoria consegue recuperar um contato distante com os avós postiços e mantém um relacionamento com os pais adotivos, que respeitaram a escolha de sua militância política à esquerda, maturada antes de conhecer sua verdadeira história e identidade (quando ainda não era Victoria, mas Analía). Ela não sente necessidade de excluí-los da rede familiar, e sua relação com a irmã adotiva é melhor do que com a irmã de sangue, também criada em uma família conservadora, mas que não tem interesse em iluminar seu próprio passado.

Para Victoria, por fim, família é acima de tudo o grupo de militantes que permaneceu ao seu lado: os jovens dos Hijos, as Avós da Praça de Maio, e as figuras mais maduras no movimento, a quem atribui um papel paterno – aqueles que sente mais próximos ao percurso de luta dos pais desaparecidos. A militância é um modo para “aumentar a amplitude do termo ‘família’”, como escreve Victoria, além dos vínculos de sangue e de adoção.

E ao fim, uma surpresa: quase todas e todos esses escritores e escritoras reivindicam o “direito ao esquecimento”. Escrevem, talvez, para poder esquecer. Atenção: passar uma borracha sobre o que aconteceu está bem distante de suas intenções. Pelo contrário: só se pode esquecer algo que conhecemos e tornamos profundamente nosso. Agora as “últimas vítimas diretas da ditadura”, como algumas dessas pessoas se definem, não precisam mais dar seu testemunho. Agora, talvez, para essas pessoas seja finalmente hora de viver.

Uso de drones é discutido no Conselho de Direitos Humanos da ONU

Jornal GGN – A Alta-Comissária Adjunta para os Direitos Humanos, Flavia Pansieri, advertiu hoje que o respeito ao direito à vida impõe condições estritas ao uso dos drones. Além disso, alertou que apesar da suposta precisão invocada por aqueles que utilizam esta tecnologia, ela tem um efeito negativo na vida das comunidades afetadas.

Ao inaugurar um painel interativo do Conselho de Direitos Humanos sobre o uso de aeronaves pilotadas por controle remoto em operações militares e contra o terrorismo, Pansieri falou sobre as implicações legais de uma tecnologia que apareceu há 15 anos e que hoje alcançou grande desenvolvimento.

“Há um número crescente de países interessados em adquiri-la e preocupa que existam atores não-estatais que possam ter acesso… Os Estados têm o dever sob o direito internacional de proteger a seus indivíduos de atos terroristas, ao mesmo tempo estas medidas devem ser consistentes com as leis de direitos humanos”, disse ela.

Especialistas independentes da ONU, acadêmicos, juristas, representantes da sociedade civil estiveram entre os palestrantes, e apontaram o crescente número destas naves não tripuladas de maneira ilegal e em execuções extrajudiciais.

Bem Emmerson, relator da ONu para a proteção e promoção das garantias básicas na luta contra o terrorismo, disse que a execução seletiva de um indivíduo raramente é justificável ou legal.

Já o jurista neozelandês, Alex Conte, afirmou que alguns Estados utilizam o paradigma de guerra de maneira pouco apropriada para contextualizar o uso de drones em operações anti-terroristas.

Eunício Oliveira ganha direito de resposta no Facebook oficial de Ciro Gomes

A Justiça Eleitoral do Ceará concedeu direito de resposta ao senador Eunício Oliveira (PMDB), candidato a governador do estado, na página oficial do ex-ministro e ex-governador Ciro Gomes (Pros). Eunício pediu retratação por ataques contra ele feitas por Ciro em postagens na rede social. Nos ataques, Ciro Gomes insinua que Eunício estaria “comprando” o resultado da eleição com “dinheiro sujo”. Ele ainda se refere a Eunício como “riquinho” e “pinóquio”. A Justiça considerou que houve “calúnia” contra o candidato do PMDB.

Atualmente, segundo o Datafolha, Eunício detém 41% do eleitorado, enquanto o candidato apoiado por Ciro, o petista Camilo Santana, tem 31% e está em fase de crescimento lento nas pesquisas. Sobre os ataques de Ciro, o juiz eleitoral Carlos Henrique García de Oliveira, em sentença no último dia 19, considerou que houve “conduta caluniosa” de Ciro Gomes, ao reputar a Eunício uma suposta conduta criminosa e enriquecimento ilícito, sem a apresentação de provas. O juiz afastou a possibilidade de que o conteúdo divulgado por Ciro na rede social tenha sido uma mera opinião.

Ciro é o atual secretário de Saúde do Ceará e está engajado na campanha do sucessor escolhido por seu irmão, Cid Gomes (Pros), atual governador do estado e recentemente citado pela revista IstoÉ como um dos citados no escândalo da Petrobrás. Na sentença judicial, o juiz determina que o direito de resposta de Eunício deve ser publicado no perfil de Ciro Gomes no Facebook, com as mesmas dimensões dos ataques proferidos, dentro do prazo de 48 horas após a notificação. Em caso de descumprimento, Ciro pode responder por crime desobediência à Justiça e pagar multa em valor correspondente a 10 mil UFIR (unidade fiscal de referência, usada para cálculo de multas no âmbito judiciário).

(Tribuna do Ceará)

Bancos propõem aumento de 7% no salário e 7,5% para piso

São Paulo – A federação dos bancos (Fenaban) propôs 7% de reajuste para os salários – o índice representa aumento real de 0,61% diante da inflação de 6,35% (INPC). Para o piso, 7,5%, com aumento real de 1,08%.

O Comando Nacional dos Bancários já informou, em mesa, que considera a proposta insuficiente, mas que levará às assembleias para decisão da categoria.

“Além de acharmos que os bancos têm condição de atender nossas reivindicações econômicas, com aumento real maior, valorização do piso e vales, nossa campanha também é para combater os motivos que levam ao adoecimento dos bancários, as metas abusivas, a pressão e cobrança para o cumprimento das mesmas, além da sobrecarga por falta de funcionários. Isso tem de acabar, a categoria não aguenta mais e a proposta da Fenaban não apresenta nada para mudar esse quadro”, afirma a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, uma das coordenadoras do Comando. “Queremos solução também para a discriminação que as mulheres sofrem nos bancos, ganhando em média 24% menos que os homens, apesar de terem mais escolaridade.”

> Dados mostram: bancos podem valorizar categoria

PLR – A proposta da Fenaban prevê que a regra da PLR será mantida, corrigindo os valores em 7%: 90% do salário mais R$ 1.812,58, além da parcela adicional de 2,2% do lucro líquido distribuído linearmente com teto de R$ 3.625,16. Os bancários querem três salários mais R$ 6.247. O lucro dos maiores (BB, Caixa, Bradesco, Itaú e Santander), que aumentou 16,5% somente no primeiro semestre deste ano, é mais uma prova de que os bancos podem melhorar o que apresentaram.

VA, VR e creche – Os 7% também seriam aplicados aos vales refeição (que passaria de R$ 23,18 ao dia para R$ 24,80), alimentação (de R$ 397,36 para R$ 425,20 ao mês) e auxílio-creche (de R$ 330,71 para 353,86). “Isso é muito pouco, queremos aumento maior. A alimentação fora de casa subiu mais de 10% no último ano e antes do fim do mês os bancários já têm de desembolsar dinheiro para pagar suas refeições. Não dá pra aceitar”, destaca Juvandia.

Tem de mudar essa história – O Comando reforçou junto aos bancos que quer respostas para questões consideradas fundamentais para a categoria. “Queremos o fim das demissões imotivadas e mais contratações, o fim das metas abusivas, que mudam todos os dias e geram assédio moral, a criação de mecanismos que promovam igualdade de oportunidades nos bancos e acabem com a discriminação contra as mulheres, além da adoção de medidas que ampliem a segurança para trabalhadores e clientes nas agências”, reforça Juvandia.

Na rodada do dia 17 os bancos apontaram alguns avanços, no entanto para essas outras reivindicações ainda não houve proposta (clique aqui).

“Os bancários não aguentam mais pressão, adoecem de forma epidêmica, vivem dificuldades de ascensão profissional e temem a insegurança nos locais de trabalho. Se quiserem mesmo encerrar a Campanha 2014 sem conflito, como disseram, tudo isso precisa mudar. Se não apresentarem uma nova proposta que atenda nossas reivindicações, estarão empurrando os trabalhadores à greve por mais um ano seguido”, completa a presidenta do Sindicato.

Públicos – Os bancários estão cobrando que os bancos públicos marquem novas rodadas de negociação, antes do dia 25, para apresentar suas propostas específicas, de forma que possam ser analisadas pelas assembleias em todo o Brasil.

Calendário – O Comando indica a realização de assembleias até o dia 25, com indicativo de greve a partir de 30 de setembro.

As datas respeitam a lei, de forma que uma possível paralisação não seja considerada abusiva. Assim, após as assembleias do dia 25, são necessárias 72 horas entre o aviso à população e à Fenaban (que deve ser feito no dia 26, em jornal de grande circulação) e o início da paralisação prevista para o dia 30. No dia 29, outra assembleia deve ser realizada, seja para apreciar nova proposta que venha a surgir ou para organizar o movimento grevista. “Temos obrigação de respeitar todos os prazos da lei de greve para preservar os direitos dos bancários, para que não possam ser ameaçados com demissões como ocorreu com os metroviários, por exemplo”, explica Juvandia.

No dia 2 de outubro, os trabalhadores promovem atos em todo o Brasil contra a independência do Banco Central, que vem sendo aventada pelo programa político de candidatos à Presidência da República. “A independência do BC só interessa aos bancos, é ruim para os bancários e para toda a sociedade”, finaliza a dirigente sindical.

Cláudia Motta -Sindicato dos Bancários de SP

Bancos mantêm os maiores bilionários do Brasil

São Paulo – É de revoltar ou não é? Enquanto promovem milhares de demissões para fazer “pequenos ajustes” e criam um exército de adoecidos que se afastam das agências ou departamentos por não ter condições físicas e/ou psicológicas para trabalhar, os donos dos bancos figuram listas internacionais entre os maiores ricaços do país.

De cada cinco bilionários no Brasil, um juntou fortuna no setor de bancos e investimento, informa a lista da Forbes Brasil, de 2014, uma publicação norte-americana. Os donos do Safra, do Bradesco, do Unibanco, do Itaú e do BMG aparecem em meio a nomes bastante conhecidos, como os Marinho, da Globo, os Ermirio de Moraes, da Votorantim, e os proprietários da construtora Odebrecht. Segundo a publicação, as 15 famílias mais ricas do Brasil possuem, juntas, US$ 122 bilhões, o que equivale a 5% do Produto Interno Bruto, o PIB brasileiro.

“É claro que os trabalhadores têm de ir às ruas e exigir que essa riqueza, concentrada nas mãos de poucos, seja mais bem distribuída”, afirma a presidenta do Sindicato, Juvandia Moreira, uma das coordenadoras do Comando Nacional dos Bancários que debate com a federação dos bancos (Fenaban) as reivindicações da categoria para a Campanha Nacional Unificada 2014.

“Os bancos vêm para a mesa sempre falar em custos, mas fica evidente, por esse tipo de informação e outras tantas mostrando o crescimento do setor mesmo em tempos de crise internacional, que os bancários têm direito a cobrar aumento real para os salários, valorização do piso, maior participação nos lucros e resultados do setor, VA e VR mais altos, 14º salário, parcelamento do adiantamento das férias”, ressalta Juvandia, lembrando que os trabalhadores querem, ainda, melhores condições de trabalho.

> Dados mostram: bancos podem valorizar categoria

“Os bancários trabalham para o setor que mais lucra no Brasil, mas estão sobrecarregados, pressionados com serviço demais para poucos funcionários, tudo porque os bancos querem lucrar mais. Então, além dos avanços cobrados nas questões de emprego, saúde e condições de trabalho, também reivindicamos ganhos que ajudem a diminuir essa relação tão desigual entre os banqueiros e seus executivos, e os bancários que são os verdadeiros responsáveis pelo crescimento do setor.”

(Sindicato dos Bancários de SP)

Assembleia dos Bancários do Ceará, 24/09 (quarta), às 19h, delibera sobre greve

Na quarta-feira, dia 24/9, às 19 horas, haverá assembleia na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará para apreciar a proposta da Fenaban e deliberar sobre greve por tempo indeterminado, a partir do dia 30/9, se até lá os bancos não apresentarem uma nova proposta que contemple as expectativas da categoria. O Comando Nacional dos Bancários indignado rejeitou a proposta dos banqueiros na mesa de negociação e aprovou um calendário de luta.

Nacionalmente, o Comando deliberou por assembleias no dia 25/9, porém, o SEEB/CE vai realizar assembléia no dia 24/9, por ter anteriormente marcado uma palestra com o teólogo, escritor e professor universitário Leonardo Boff para essa mesma data, na sede do Sindicato, onde todos bancários estão convidados a participar.

“A proposta dos bancos é desrespeito aos bancários, desrespeito a categoria, especialmente vindo do setor da economia que mais lucra neste País, um segmento que continua batendo recordes de lucro e de rentabilidade. Vamos fazer uma forte greve da categoria para os bancos melhorarem a proposta”, acrescenta Carlos Eduardo Bezerra, presidente do SEEB/CE.

Por isso o Comando Nacional, reunido ao final do encontro com a Fenaban, aprovou o seguinte calendário de luta:

24 de setembro - Assembleia na sede do Sindicato (Rua 24 de Maio, 1289 – Centro, Fortaleza) às 19 horas, para deliberar sobre greve por tempo indeterminado a partir do dia 30/9.

29 de setembro  - Assembleia organizativa da greve.

30 de setembro - Deflagração da greve nacional dos bancários por tempo indeterminado.

A proposta econômica dos bancos

Reajuste de 7% (0,61% de aumento real).

Piso portaria após 90 dias – 1.235,14 (7,5% ou 1,08% de aumento real).

Piso escritório após 90 dias – R$ 1.771,73 (1,08% acima da inflação).

Piso caixa/tesouraria após 90 dias – R$ 2.393,33 (salário mais gratificação mais outras verbas de caixa), significando 1,08% de aumento real).

PLR regra básica – 90% do salário mais R$ 1.812,58, limitado a R$ 9.723,61. Se o total ficar abaixo de 5% do lucro líquido, salta para 2,2 salários, com teto de R$ 21.391,93.

PLR parcela adicional – 2,2% do lucro líquido dividido linearmente para todos, limitado a R$ 3.625,16.

> Antecipação da PLR

Primeira parcela depositada até dez dias após assinatura da Convenção Coletiva e a segunda até 2 de março de 2015.

Regra básica – 54% do salário mais fixo de R$ 1.087,55, limitado a R$ 5.834,16 e ao teto de 12,8% do lucro líquido – o que ocorrer primeiro.

Parcela adicional – 2,2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2014, limitado a R$ 1.812,58

> Auxílio-refeição – R$ 24,14.

Auxílio-cesta alimentação e 13ª cesta – R$ 425,20.

Auxílio-creche/babá (filhos até 71 meses) – R$ 353,86.

Auxílio-creche/babá (filhos até 83 meses) – R$ 302,71.

Gratificação de compensador de cheques – R$ 137,52.

Requalificação profissional – R$ 1.210,04.

Auxílio-funeral – R$ 811,92.

Indenização por morte ou incapacidade decorrente de assalto – R$ 121.072,92.

Ajuda deslocamento noturno – R$ 84,75.

E veja aqui as propostas dos bancos sobre as reivindicações não econômicas, também insuficientes na avaliação do Comando Nacional.

(SEEB-CE)

Bancários do Ceará paralisam atividades por uma hora em agências de Fortaleza

Com bom humor, nesta segunda-feira, 22/9, duas agências de Fortaleza tiveram o atendimento retardado das  10 às 11h,  dando prosseguimento às mobilizações feitas pelo Sindicato dos Bancários do Ceará dentro da Campanha 2014. A mobilização feita com peça de teatro, humoristas e banda de música deu um recado de que a categoria está pronta para lutar por mais conquistas e garantir direitos numa greve forte, a partir do dia 30/9.

As agências paralisadas por uma hora foram do Banco do Brasil e Bradesco, na rua Barão do Rio Branco, no Centro de Fortaleza. O Sindicato fez reunião com os bancários, deu esclarecimentos e pediu apoio à clientela, sendo aplaudido por ambos. Mais uma vez a mobilização sensibilizou a categoria e a população.

Os bancários avisaram que estão prontos para construir a greve, caso os banqueiros teimem em não valorizar e apresentar proposta decente à categoria. A peça de teatro usada como instrumento de mobilização, mostrou a realidade do bancário ao enfrentar um “cabo de forças”, com os banqueiros. Numa alegoria, em forma de cordel e usando nomes publicitários dos bancos, como “conterrâneo”, personalitê” e “presença” a peça mostra a exploração dos trabalhadores com péssimas condições de trabalho, e à população com cobrança de juros altos e muitas filas, que são temas das mesas de negociação.

Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato e funcionário do Banco do Brasil, alertou que “em todo o País as agencias vão entrar em greve pela intransigência dos banqueiros e para defender os direitos dos bancários. Sabemos que o Governo e os banqueiros pagam pra ver se nós trabalhadores temos mobilização para nos defender. Isso é lamentável. É um desafio, que os trabalhadores mais uma vez vão provar que tem força para se defender e que tem condições de tensionar os bancos e o governo para avançar. Vamos à greve!”

“Estamos sendo empurrados para uma greve mais uma vez, para garantir nossos direitos. A nossa luta não é só por salários, mas por saúde, condições de trabalho e por mais contratações. Um bancário tem trabalhado por dez e estamos adoecidos. Os banqueiros lucram muito e não dão condições de trabalho, exigem metas abusivas e nos obrigam a vender produtos que o cliente não quer. Nossa luta é contra essa situação, porque banqueiro não vê o lado da categoria, nem da sua clientela”, disse Rita Ferreira, diretora da Secretaria de Formação do Sindicato e funcionária do Bradesco.

“A imoralidade que já começou. Os banqueiros deram uma proposta imoral ao oferecer 7% de reajuste. Não dá pra aceitar. Na nossa assembléia do dia 24, os bancários devem comparecer e se unir ao Sindicato. Esse é o momento de união, pois sem união, o patrão não vai dar aumento real para uma categoria dividida. Devemos estar unidos. Essa é a hora de união com o Sindicato porque a correlação de forças é importante. Se nós trabalhadores não nos unirmos, o patrão bota de goela a baixa o que ele quiser”,  anunciou Pedro Moreira, diretor do Sindicato e funcionário do Banco do Nordeste.

“Sindicato encontrou nessa forma lúdica um meio para dialogar com a categoria e com a clientela, porque é importante para a clientela entenda realidade do bancário. Precisamos esclarecer que a categoria bancária deliberou por uma série de pautas  que tratam de assédio moral, jornada de trabalho, contratação. Os banqueiros e o governo federal apresentaram uma proposta de 7%, distante da nossa proposta. A categoria tem a decisão de aceitar ou rejeitar na assembléia do dia 24. A greve  está apontada para o dia 30. Os banqueiros e o governo pagam para ver se temos capacidade de organização. Nós estamos do mesmo lado na luta e a prova disso é a nossa conquista de reajuste acima da inflação nos últimos 10 anos”,  declarou Clécio Morse, diretor Administrativo do Sindicato e funcionário do Santander.

(SEEB-CE)

Queremos mais que 7% dos bancos. Comando Nacional aponta greve para dia 30. #MobilizaçãoJá!

A exemplo das propostas de caráter social apresentadas na quarta-feira 27, o Comando Nacional dos Bancários também considera insuficientes as propostas de caráter econômico apresentadas pela Fenaban nesta sexta-feira 19, na sétima rodada de negociações da Campanha 2014, que incluem reajuste de 7% no salário (0,61% de aumento real), na PLR e nos auxílios refeição, alimentação e creche, além de 7,5% no piso (1,08% acima da inflação). E aprovou um calendário de mobilização para pressionar os bancos a apresentarem novas propostas que atendam as expectativas da categoria, apontando para a deflagração de greve por tempo indeterminado a partir de 30 de setembro, com assembleias deliberativas nos dias 25 e 29.

“É uma novidade em relação aos anos anteriores os bancos apresentarem uma primeira proposta já com aumento real e valorização do piso. Isso é importante para nós porque é um reconhecimento da necessidade de os bancários terem aumento acima da inflação e os pisos ainda mais valorizados, mas os índices de reajuste são muito insuficientes diante do lucro do sistema financeiro. Queremos mais. Além disso, a Fenaban não apresentou propostas para proteger o emprego, combater o assédio moral e melhorar a segurança, que hoje são fundamentais para os bancários”, avalia Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional.

“Pela longa tradição de luta, os bancários sabem que todas as conquistas da categoria são resultado da sua capacidade de construir a unidade nacional, de se mobilizar e de pressionar os banqueiros. Agora é hora de estreitar a unidade e intensificar a mobilização em todo o país para que possamos fazer uma campanha melhor ainda que no ano passado e alcançar novas conquistas”, acrescenta Cordeiro.

A proposta econômica dos bancos
Reajuste de 7% (0,61% de aumento real).
Piso portaria após 90 dias – 1.235,14 (7,5% ou 1,08% de aumento real).
Piso escritório após 90 dias – R$ 1.771,73 (1,08% acima da inflação).
Piso caixa/tesouraria após 90 dias – R$ 2.393,33 (salário mais gratificação mais outras verbas de caixa), significando 1,08% de aumento real).
PLR regra básica – 90% do salário mais R$ 1.812,58, limitado a R$ 9.723,61. Se o total ficar abaixo de 5% do lucro líquido, salta para 2,2 salários, com teto de R$ 21.391,93.
PLR parcela adicional – 2,2% do lucro líquido dividido linearmente para todos, limitado a R$ 3.625,16.

Antecipação da PLR
Primeira parcela depositada até dez dias após assinatura da Convenção Coletiva e a segunda até 2 de março de 2015.
Regra básica – 54% do salário mais fixo de R$ 1.087,55, limitado a R$ 5.834,16 e ao teto de 12,8% do lucro líquido – o que ocorrer primeiro.
Parcela adicional – 2,2% do lucro líquido do primeiro semestre de 2014, limitado a R$ 1.812,58

Auxílio-refeição – R$ 24,14.
Auxílio-cesta alimentação e 13ª cesta – R$ 425,20.
Auxílio-creche/babá (filhos até 71 meses) – R$ 353,86.
Auxílio-creche/babá (filhos até 83 meses) – R$ 302,71.
Gratificação de compensador de cheques – R$ 137,52.
Requalificação profissional – R$ 1.210,04.
Auxílio-funeral – R$ 811,92.
Indenização por morte ou incapacidade decorrente de assalto – R$ 121.072,92.
Ajuda deslocamento noturno – R$ 84,75.

(Contraf)

Bancários fazem assembleias no dia 25/09, para deliberar pela greve

Após a apresentação de proposta insuficiente da Fenaban, o Comando Nacional definiu os encaminhamentos da Campanha Salarial para a próxima semana. No dia 25 de setembro, quinta-feira, os sindicatos promovem assembleias gerais da categoria para deliberar pela greve por tempo indeterminado a partir do dia 30 de setembro. Novas assembleias ocorrem no dia 29 de setembro, para organização do início do movimento paredista.

Após cinco rodadas de negociações com o Comando Nacional sem resultados relevantes para os bancários, a Fenaban apresentou proposta global na manhã desta sexta-feira (19), composta pelo reajuste de 7% sobre as verbas de natureza salarial e de 7,5% no piso. Clique aqui para ver a proposta na íntegra! 

O diretor da Fetrafi-RS e representante no Comando Nacional, Juberlei Bacelo, salienta que o descaso dos bancos leva a categoria a ampliar a mobilização em todas as bases sindicais, preparando os bancários para mais uma greve nacional. “Além de não trazer qualquer avanço nas negociações, a Fenaban repete a mesma tática de campanhas anteriores com a apresentação de uma proposta rebaixada, que gera grande indignação na categoria. Convocamos os bancários para a luta por melhores condições de trabalho e um reajuste digno”, salienta o sindicalista.
Juberlei enfatiza a importância da pressão sobre a Fenaban. “O embate com os bancos exige força e organização da categoria. Graças a nossa consciência coletiva e unidade foi possível manter a Convenção Coletiva de Trabalho, avançando na conquista de direitos. Os bancários tem uma trajetória de luta que forjou parte da história dos trabalhadores no Brasil. A cada ano reafirmamos esta tradição através da realização de grandes greves com resultados efetivos”, destaca o dirigente da Fetrafi-RS.

Bancos públicos também enrolam nas negociações específicas
Seguindo o exemplo da Fenaban, as direções da Caixa, Banco do Brasil e Banrisul também causaram indignação nas negociações das pautas específicas de cada segmento. Após diversas mesas, não houve avanços ou apresentação de propostas da parte dos bancos, sendo que os negociadores das instituições evidenciam – pela postura displicente nos debates – que apenas querem ganhar tempo.

Principais reivindicações dos bancários:

- Reajuste salarial de 12,5%.
– PLR: três salários mais parcela adicional de R$ 6.247.
– 14º salário.
– Vales alimentação, refeição, cesta-alimentação, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 724,00 ao mês para cada (salário mínimo nacional).
– Gratificação de caixa: R$ 1.042,74.
– Gratificação de função: 70% do salário do cargo efetivo.
– Vale-cultura: R$ 112,50 para todos.

Fonte: Comunicação/Fetrafi-RS

 

Bancários podem entrar em greve: Fenaban ofereceu 7% de reajuste

Depois de exatos 30 dias de negociações, a Fenaban (Federação Nacional dos Bancos) oferece reajuste salarial de 7%, aumento real de apenas 0,65%, enquanto os bancários reivindicam 12,5% (aumento real de 5,4% mais inflação projetada em 6,35%). Para as demais verbas, o índice é o mesmo.

O piso salarial também está longe de atender a reivindicação. Os bancos oferecem só 7,5%. A categoria quer R$ 2.979,25, valor do mínimo definido pelo Dieese. Em suma, a proposta, apresentada nesta sexta-feira (19/09), não passa nem perto do que consta na pauta e do que os bancos podem pagar.

Em relação à PLR (Participação nos Lucros e Resultados), a regra segue os mesmos moldes do acordo coletivo de 2013. Quer dizer, 90% do salário reajustado em setembro de 2014, acrescido do valor fixo de R$ 1.812,58, limitado a R$ 9.723,61.

A parcela adicional é de 2,2% do lucro líquido apurado no exercício de 2014, dividido pelo número total de empregados elegíveis de acordo com as regras da convenção, em partes iguais, até o limite individual de R$ 3.625,16. Tem mais, o benefício não pode ser superior a 15% do lucro líquido. A antecipação segue o mesmo modelo de 2013.

Cláusulas sociais de suma importância, como o fim das demissões, ampliação do quadro de funcionários para desafogar as agências, fim das metas e do assédio moral, segurança e igualdade de oportunidades foram deixados de lado novamente.

Desta forma, fica claro que a proposta precisa melhor, e muito, principalmente diante dos lucros expressivos, no primeiro semestre as principais organizações financeiras colocaram nos cofres R$ 28,5 bilhões.

Via http://www.blogdovalente.com.br

Drag queen Deena Love conquista famosos na estreia do ‘The Voice Brasil’

A performance de Pedro Novas como Deena Love não agradou apenas aos técnicos do “The Voice Brasil“. A plateia da atração aplaudiu de pé e muitos famosos se manifestaram no Twitter. A drag queen encantou com seu talento ao interpretar “Calling You”, da trilha sonora do filme “Bagdad Café”.

“Com 5 anos de idade eu já cantava. A musicalidade sempre foi muito latente na minha família. Quando eu fui morar com a minha avó, ela me apresentou algumas fotos da Carmen Miranda. Quando eu olhei aquilo fiquei impressionado, eu me apaixonei imediatamente. E comecei a colecionar os discos da Carmen… Em 2008, surgiu a oportunidade de me vestir como drag queen e adotei esse personagem”, contou Pedro antes de se apresentar no palco.

Cantor, percussionista e compositor, o artista estudou canto aos 17 anos e três anos depois começou a cantar em cruzeiros pelo mundo. De volta ao Brasil desde o ano passado, ele canta na noite paulistana na companhia do pai.

“Amo vocês quatro. Admiro muito o trabalho de todos vocês. Meu trabalho é de longa data. Cresci ouvindo Carmen Miranda, as cantoras do rádio, o Dzi Croquettes… E como sempre tentei dar voz àquelas cantoras que o tempo esqueceu, eu só podia escolher o artista que já fez isso. Lulu, você é uma inspiração como artista”, justificou Pedro ao escolher entrar para o time do cantor. “Você honra o gênero humano. Você me honra. Bem-vinda ao The Voice Brasil”, devolveu Lulu.

Carlinhos Brown, Daniel, Lulu Santos, Claudia Leitte e muitos outros famosos “viraram a cadeira” para Deena Love. Confira o que as celebridades falaram na rede social:

Deborah Secco: “Deena Love: você é incrível!!! #TheVoice”.

Leandra Leal: “Amei Deena Love”.

Sophia Abrahão: “Que momento lindo, gente. Estou emocionada”.

Gloria Perez: “Amei Deena!!!!”.

Astrid Fontenelle – “Genial!!!! #TheVoiceBrasil já tem minha torcida pra #DeenaLove. Quem não se emocionou ou arrepiou com #DeenaLove não é humano. Desculpa, mas amei!”.

Preta Gil: “Deena Love lacrou #thevoicebrasil2014″.

Giovanna Ewbank – “Caracaaaaaaaa!!!! O que é isso, meu Deus!!?? Que voz é essa do Deena Love ?!!!”.

Ingrid Guimarães: “Vou te dizer uma coisa: chorei de verdade com a força dessa drag. Que voz, que atitude, que lindo…#thevoicebrasil”.

Paula Brown: “Adorei. Beijo pras travestis! #soufã”.

Sam Alves: “Cara!!! Minha boca caiu!!!!!!! #TheVoiceBrasil”.Fernanda Paes Leme: “Uauuuuuu! E começa o #TheVoiceBrasil!!!!”.

Glenda kozlowski: “Canta muitoooo!!! #thevoicebr”.

Fernando Torquato: “E eu já querendo produzir a Deena”.

Via http://www.purepeople.com.br

Acidente com ônibus da banda Tihuana deixa um morto

Um acidente envolvendo o ônibus da banda de rock Tihuana deixou uma pessoa morta na madrugada desta sexta-feira (19) na Rodovia Fernão Dias, em Camanducaia (MG). Segundo a Polícia Rodoviária, o motorista de um Palio entrou na contramão da pista e se chocou de frente com o ônibus. O motorista do carro morreu na hora. Ninguém no ônibus da banda ficou ferido.

Segundo o inspetor Marco Antônio Territo, da Polícia Rodoviária Federal, o motorista do Palio estava transitando na contramão sem motivo aparente. O policial disse que nenhuma hipótese é descartada. Uma delas é que o motorista tenha saído da cidade de Camanducaia e pegado o sentido errado da rodovia. O acidente aconteceu a dois quilômetros do trevo. O exame toxicológico vai apontar se o motorista estava sob efeito de álcool ou drogas.

Por causa do acidente, a pista da Fernão Dias no sentido a Belo Horizonte ficou interditada entre 4h e 7h da manhã. O ônibus da Banda Tihuana foi removido para um posto próximo ao local. A banda seguiria para João Monlevade (MG) onde está marcada uma apresentação nesta sexta-feira.

Ainda conforme a polícia, o homem que morreu no acidente estava sem documentos. O corpo foi removido para o IML de Pouso Alegre. Procurada pelo G1, a assessoria de imprensa do grupo informou que todos os integrantes da banda estavam no ônibus,  mas que todos passam bem. Ainda conforme a assessoria de imprensa, toda a agenda do grupo será mantida. Por volta de 11h, os músicos embarcaram em outro ônibus com destino a João Monlevade.

A Banda Tihuana é conhecida por ter interpretado a música tema do filme “Tropa de Elite” e outros sucessos como “Que vês” e “Eu vi gnomos’.

Confira abaixo, na íntegra, a nota oficial divulgada pela assessoria de imprensa da banda.


NOTA OFICIAL À IMPRENSA

Vimos por meio dessa informar que o ônibus que levava a banda Tihuana para cumprir a agenda de shows do fim de semana – João Monlevade/MG (19/09) e Conselheiro Lafaiete / MG (20/09) –  sofreu um acidente nesta madrugada na Rodovia Fernão Dias, por volta das 04h da madrugada.

Toda equipe e banda estão bem e não sofreram ferimento algum.

Eles seguiam viagem  e um carro imprudentemente entrou na contramão e pegou o ônibus de frente. A equipe e a banda lamentam muito pelo ocorrigo e pelo falecimento do motorista do veículo que ocasionou o acidente. A agenda de shows do fim de semana seguirá normalmente, até por uma questão de respeito aos fãs da região.

(Portal Meio Norte)

Morre Daniel Paz, atleta cearense faixa-preta de Jiu-Jitsu

Texto – Junior Samurai

O Jiu-Jitsu cearense está triste, faleceu nessa quinta-feira, o faixa-preta Daniel Paz. O lutador que conquistou vários títulos na arte suave competitiva, chegou a graduação maior pelas mãos de Guilherme Cupim, e treinava atualmente na GC-Pepey.

Daniel, de 30 anos, sofreu um infarto fulminante em sua residência.

“Estou aqui sem acreditar mas esta indo as maos de Deus um faixa preta feito por mim um amigo que sempre tive, quantas vezes gritei para ele em competições, em treinos que brincamos juntos tivemos muitos tempos de treino de amizade, Hoje, grito e digo mesmo triste, descanse em paz meu aluno, mei amigo e meu faixa-preta. Osssss Daniel. E força a família”, comentou o faixa-preta Guilherme Cupim através do seu Facebook.

O sepultamento acontece nesta tarde às 16h no cemitério Jardim Metropolitano.

O MEIAGUARDA se solidariza com toda a família, amigos e companheiros de treinos de um dos craques do Jiu-Jitsu cearense.

Via http://www.meiaguarda.com.br

Wesley Safadão está proibido de aparecer ao lado de Eunício Oliveira em ações de campanha

O cantor de forró Wesley Safadão está proibido judicialmente de aparecer ao lado do candidato a governador do Ceará Eunício Oliveira(PMDB). A decisão do juiz coordenador da Propaganda, Carlos Henrique Oliveira, deferiu liminar, publicada na quinta-feira, 18, requerida pela coligação dos partidos PRB, PT, PTB, PSL, PHS, PV, SD e Pros.

Wesley Safadão, nos últimos dias, estava participando de carreatas, comícios e outras ações do comitê de campanha de Eunício Oliveira e de outros candidatos da coligação “Ceará de Todos”. No entanto, o cantor é filiado ao partido Solidariedade (SD) que faz parte da coligação “Para o Ceará Seguir Mudando”, do candidato ao governo Camilo Santana (PT).

Caso a determinação seja descumprida, Wesley Safadão pode pagar multa de R$ 50 mil e ser enquadrado em crime de desobediência, conforme Código Eleitoral.

“O candidato a Governador Eunício Oliveira, filiado ao PMDB e candidato pela Coligação “Majoritária Ceará de Todos” aparece acompanhado, em diversas mídias diferentes, como facebook e youtube, pelo músico Wesley Oliveira da Silva, filiado ao partido Solidariedade – SD, que lançou como candidato ao governo o nome de Camilo Santana”, destaca a decisão em caráter liminar..

“ Pela documentação trazida aos autos, fica evidente a utilização de imagem de filiado a partido diverso do candidato beneficiado pela propaganda, à revelia da proibição estabelecida pelo art. 54 da Lei nº 9.504/97”, afirma o juiz.

Fortaleza

Na disputa pela Prefeitura de Fortaleza, em 2012, Wesley Safadão fez campanha para o candidato a vereador Wellington Sabóia (PSC), que ficou conhecido como o “vereador do safadão”. O cantor participou também da festa em comemoração da vitória do prefeito Roberto Cláudio (Pros), apoiador de Camilo Santana.

Redação O POVO Online

“Imagine”, de John Lennon, será o hino do Dia Internacional da Paz

Jornal GGN – A canção “Imagine”, de John Lennon, será ouvida por todo o mundo no Dia Internacional da Paz 2014. Os direitos foram cedidos à ONU somente para este dia 21 de setembro pela ativista, artista e viúva do famoso ex-Beatle, Yoko Ono.

Yoko Ono fez declarações ao Departamento de Informação Pública da ONU. “A ONU é uma instituição muito forte, que acredita na liberdade de expressão, nã justiça para as pessoas e que oferece esperanças de que um dia exista paz mundial”, declarou a viúva de Lennon.

A artista recordou que se encontrava em seu país, Japão, no dia em que foi lançada a bomba atômica sobre Hiroshima e que este fato a chocou.

Explicou que Lennon compôs “Imagine” para dizer ao mundo o que é preciso fazer para alcançar a paz.

Lançada em 11 de outubro de 1971, a canção tem sido eleita por várias publicações especializadas entre as mais populares e com mais versões de todos os tempos.

Yoko lamentou que, ainda hoje, tantas pessoas no mundo sofram por conflitos e violência.

O Dia Internacional da Paz foi estabelecido em 1981 pela Assembleia Geral da ONU para que coincidisse com a sessão de abertura, que é celebrada anualmente na terceira terça-feira de setembro. Foi comemorado pela primeira vez em setembro de 1982.

Dos 10 adversários de Dilma Rousseff, seis já foram filiados ou ajudaram a fundar o PT

Esta eleição presidencial, talvez, tenha o maior “DNA petista” da história. Pegando carona no jargão do ex-presidente Lula, presidente de honra do PT, “nunca na história deste país” houve tantos candidatos que passaram pelo mesmo partido e disputam o mesmo cargo: a Presidência da República. Dos dez adversários da presidente Dilma Rousseff (PT), que disputa à reeleição, pelo menos seis já estiveram no mesmo partido que ela. Aliás, muitos destes ajudaram, inclusive, a fundar o PT.

Estão na lista: Eduardo Jorge (PV), Luciana Genro (PSOL), Marina Silva (PSB), Mauro Iasi (PCB), Rui Costa Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU). A atuação destes candidatos, que hoje militam em outros partidos, foI em segmentos distintos. A saída do PT, também. Alguns chegaram a ser expulsos do partido. Outros tiveram uma mudança mais “diplomática” e sem traumas.

Na oposição a presidente Dilma Rousseff, apenas Aécio Neves (PSDB), Eymael (PSDC), Levy Fidelix (PRTB) e o Pastor Everaldo (PSC) não militaram na legenda de esquerda. Pelo menos não foi encontrado registros até o momento de alguma ligação. É bom salientar, ainda, que a própria Dilma, antes de ser militante do PT, foi filiada ao PDT.

Eduardo Jorge (PV) está na esquerda desde o regime militar (1964-1985). Militou no movimento estudantil, na cidade de João Pessoa, se formou em medicina e ajudou a fundar o PT em São Paulo, do qual foi deputado estadual e federal em algumas legislaturas. Divergência com o partido o fez sair e filiar-se ao PV, em 2003.

Em 1984, antes de se filiar ao PT, Marina Silva (PSB) ajudou a fundar a Central Única dos Trabalhadores CUT (CUT), no Acre. Pelo partido, Marina disputou seu primeiro cargo público em 1986, ao concorrer a uma vaga na Câmara dos Deputados. Ficou entre os cinco mais votados, mas o partido não atingiu o quociente eleitoral mínimo exigido. Deixou o PT após 24 anos, em 2009, se filiando, logo em seguida, ao PV.

O candidato Zé Maria (PSTU) foi uma das lideranças das greves do ABC paulista, no ano de 1978. O político propôs, ironicamente, a criação do próprio PT. Foi um dos fundadores do PT e da CUT. Em 1980, foi preso com Lula e mais 10 sindicalistas, e enquadrado na Lei de Segurança Nacional. Foi expulso partido por entrar na campanha do Fora Collor.

Já o historiador Mauro Iasi (PCB) ajudou a fundar o PT na década de 1980 e participou da campanha de Luiz Inácio Lula da Silva, em 1989, quando foi derrotado por Fernando Collor de Melo nas urnas. Deixou o PT em 2004 e migrou para o PCB.

Antes de se filiar ao PCO, o jornalista Rui Costa Pimenta, a partir do final de 1979, participa do processo de fundação do Partido dos Trabalhadores, tendo contribuído para construir o PT em São Paulo e no ABC. Em 1985, é eleito diretor da Central Única dos Trabalhadores (CUT), na região da Grande São Paulo.

A hoje candidata do PSOL, Luciana Genro entrou na política em 1985, ainda aos 14 anos. Teve contato com o PT durante o movimento estudantil. Seu pai o ex-prefeito de Porto Alegre e ex-ministro de Lula, ainda é filiado ao partido. Em 2002, foi eleita deputada federal pelo PT. A candidata, no entanto, tinha opiniões divergentes do partido, como a indicação de Henrique Meirelles à Presidência do Banco Central e a indicação de José Sarney à Presidência do Senado. Logo em seguida, deixou o partido e foi para o PSOL.

(Diário de Pernambuco)

Dilma Rousseff lidera em todas as regiões do país, aponta Datafolha

Jornal GGN - A nova pesquisa do Datafolha mostra que Dilma Rousseff retomou o fôlego e dispara com sete pontos percentuais de intenção de votos à frente de Marina Silva (PSB), com 37% e 30%, respectivamente. De acordo com o levantamento feito nesta quarta e quinta-feira (18), Dilma não só lidera no primeiro turno, como é a candidata com mais intenção de votos em todas as cinco regiões do país.

O inédito também está no fato de que é a primeira vez que Dilma abre vantagem sobre Marina, desde que a candidata entrou na disputa, após a morte de Eduardo Campos. Na última semana, Dilma contava com 36% das intenções e Marina com 33%.

Aécio Neves (PSDB) está com 17% das intenções, aumentando dois pontos em relação à pesquisa anterior.

Segundo turno

Na pesquisa que avaliou um segundo turno entre Marina e Dilma, a vantagem de Marina sobre a presidente também apresentou uma diminuição. Se antes essa diferença era de 4 pontos percentuais – com 43% para a candidata do PT e 47% para a do PSB –, agora essa dianteira caiu para 2 pontos de diferença: Marina Silva está com 46% e Dilma Rousseff com 44%.

A comemoração para a campanha petista vale tanto para o primeiro turno, quanto para o empate técnico com maior folga do segundo.

Quando comparado um segundo turno entre Dilma e Aécio Neves, a candidata continua disparando com 10 pontos percentuais de diferença.

Regiões

Em regiões do país, o maior crescimento de Dilma Rousseff se deu na centro-oeste (32% das intenções de voto, com 2 pontos a mais que na pesquisa anterior) e pela região nordeste (49%), seguidas pela região norte (49%), e manteve a mesma intenção nas regiões sul (35%) e sudeste (28%).

Rejeição

Mais um resultado revelador foi o aumento da rejeição dos eleitores em Marina, que ultrapassa, pela primeira, vez, a taxa dos que dizem que não votariam em Aécio de jeito nenhum. Marina está com 22% e Aécio com 21%.

Há um mês, a rejeição em Marina computava 11%, e na última semana chegou a 18%, até atingir ainda mais 4 pontos percentuais. Já as rejeições de Aécio e de Dilma se mantêm estáveis.

Eleitor desvenda Marina Silva: rejeição dobra e vai a 22%

Não foram os ataques do PT que fizeram estrago na imagem beatificada pela mídia de Marina Silva.

A lembrança de que ela passou mais de 20 anos no PT e só saiu à cata de um partido quando decidiu ser candidata a presidente foi o principal motivo para que a rejeição da ex-petista subisse de 11% para 22% em trinta dias.

Se o eleitor não tivesse entendido perfeitamente o que Aécio tem dito a respeito do petismo de Marina a rejeição dele é que teria aumentado. Ficou nos mesmos 21%.

Os brasileiros estão vendo que não há nada de “nova política” na candidata. Quanto mais próximas as eleições, maior a atenção e conscientização do eleitor. E a tendência é que os votos voltem ao seu devido lugar, sem dó e nem piedade, que é o que Marina Silva tenta despertar com histórias de fome e doença, contadas com a voz embargada, em deplorável manifestação do mais tosco populismo.

Via http://coturnonoturno.blogspot.com.br

Artistas entram na campanha de presidenciáveis

EU VOTO DILMA: Alcione, Ângela Vieira, Beth Carvalho, Beth Mendes, Chico Buarque, Chico César, Chico Diaz, Hugo Carvana, José de Abreu, Leci Brandão, MAtheus Naschtergale, Nelson Sargento, Osmar Prado, Paulo Betti, Sérgio Mamberti, Tuca Moraes e Zezé Motta

Da guerra pela audiência e fama para a disputa eleitoral. A 16 dias das eleições, os holofotes da campanha presidencial estão voltados para uma legião de atores, apresentadores, cantores, escritores e cineastas. Cada um a seu modo, Aécio Neves (PSDB), Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PSB) tentam transformar a fama de seus apoiadores em votos no próximo dia 5. Para isso, contam com a participação de estrelas em propaganda na TV, eventos públicos, sites e blogs oficiais.
A última a se valer da força dos famosos foi a candidata do PSB, Marina Silva. Na quarta-feira à noite, a campanha promoveu o encontro “Mais cultura com Marina”, com representantes do setor, como Marcos Palmeira, Marco Nanini e Victor Fasano. O cantor Gilberto Gil, ministro da Cultura durante o governo Luiz Inácio Lula da Silva (PT), estava no encontro e cantou uma música que fez para a campanha de Marina e que será usada na propaganda eleitoral. “Marina, vou eu, votar na Marina, Marina / Marina, vou eu, sonhar que a Marina vai chegar / Vai chegar para tomar conta da gente, e a gente vai cantar / Com a bênção de Jesus Nazaré e o axé de um Oxalá / Com a fé de todo povo, a razão de todo ateu”, diz trecho da música.

Na segunda-feira, foi a vez da presidente Dilma, que tenta a reeleição, receber apoio de artistas e intelectuais, que se reuniram no Rio em um ato para declarar o voto à petista. O grupo ainda divulgou um manifesto em que afirma: “Abandonar esse caminho para retomar fórmulas econômicas que protegem os privilegiados de sempre seria um enorme retrocesso”. No evento, Dilma ganhou da sambista Beth Carvalho uma paródia de um sucesso musical: “Deixa a Dilma me levar, Dilma leva eu”. No site da petista na internet, no link “Olha só quem está com Dilma”, é possível ver fotos e depoimentos de artistas que aderiram à campanha, tais como os atores Chico Diaz e Sílvia Buarque. Há ainda um link com várias fotos da candidata com artistas.
Quem também usa do mesmo artifício é o tucano Aécio Neves. Com o nome “Veja quem está com Aécio”, famosos se revezam em um vídeo para tentar convencer o internauta a votar no senador e ex-governador de Minas Gerais, entre eles, o cantor Fagner. No final de agosto, Aécio Neves ainda recebeu manifestações de apoio de artistas e ex-atletas durante o jogo “Futebol entre amigos”. Alguns deles, como o casal de atores Rosamaria Murtinho e Mauro Mendonça, foram assistir à partida, que terminou com a vitória do time do tucano. Dois meses antes, um jantar em homenagem a Aécio reuniu 40 famosos na casa dos apresentadores Luciano Huck e Angélica.

Propostas

Em relação às propostas para o setor, o tucano Aécio Neves propõe aprimorar a Lei Rouanet para impedir “desvios de finalidade”, revisar o Vale Cultura, incrementar e simplificar o Fundo Setorial do Audiovisual para que os recursos cheguem aos produtores de cinema de forma mais rápida e mais simples e criar um programa de circulação de espetáculos de teatro, dança, música e circo pelo país, aprimorar a Lei de Direitos Autorais e institucionalizar o Plano Nacional do Livro e Leitura.

Em meio aos artistas, a presidente Dilma se comprometeu a usar a cultura para promover a educação e fortalecer a economia. “A cultura faz parte da nossa projeção de nação. Vamos colocá-la dentro da nossa estratégia de crescimento econômico”, destacou a candidata, que ressaltou a importância da arte que vem das periferias. A petista disse ainda que poderão ser destinados recursos do pré-sal para projetos que unam cultura e educação. Ela lembrou que há hoje dois programas que incentivam o setor no governo: o Brasil de Todas as Telas – lançado este ano para estimular a produção de conteúdos nacional de audiovisual – e subsídios a projetos nacionais pelo BNDES. Caso seja reeleita, ela prometeu adotar medidas para a acelerar a implantação do Vale Cultura.

Já Marina Silva propõe um método colaborativo na indicação de soluções para o setor. “Investir em meio ambiente e cultura não é custeio, é investimento. Nosso plano de governo foi feito de forma colaborativa por cerca de 6 mil pessoas, em cinco seminários regionais e vários seminários temáticos”, alega Marina. No programa de governo há promessas como aumentar o orçamento do Ministério da Cultura, aprovar novas leis de compensação por danos ao patrimônio cultural e assegurar a “total liberdade de expressão e criação artística, sem censura ou critérios de valor”.

(O Estado de Minas)

Datafolha confirma: Dilma tem 37% e abre vantagem sobre Marina, que tem 30%

O Datafolha divulgou nesta sexta-feira (19) os números da corrida presidencial. Segundo o instituto, a candidata à releição Dilma Rousseff (PT) lidera com 37% das intenções de voto, seguida de Marina Silva (PSB) que agora aparece com 30%. Esta é a primeira vez que Dilma aparece com uma vantagem expressiva de sete pontos percentuais sobre Marina.

O candidato Aécio Neves (PSDB)  chegou a 17%. No ínicio de setembro, a vantagem de Marina sobre o candidato chegou a 20 pontos. Agora é de apenas 13 pontos. A margem de erro da pesquisa é de dois pontos percentuais para mais ou para menos.

Os números dos três principais candidatos tiveram pequenas oscilações em relação ao último Datafolha, publicado em 10 de setembro. Na ocasião, Dilma marcava 36%, Marina, 33%, e Aécio, 15%.

Os demais candidatos registraram:

- Pastor Everaldo (PSC): 1%
– Luciana Genro (PSOL): 1%
– Eduardo Jorge (PV): 1%
– Zé Maria (PSTU): 0%*
– Rui Costa Pimenta (PCO): 0%*
– Eymael (PSDC): 0%*
– Levy Fidelix (PRTB): 0%*
– Mauro Iasi (PCB): 0%*

* Cada um dos cinco indicados com 0% não atingiu, individualmente, 1% das intenções de voto. Somados, eles têm 1%.

Votos brancos e nulos somaram 6%. Eleitores que não sabiam ou não responderam somaram 7%.

Segundo turno

Na simulação para o segundo turno, Dilma aparece com 44% das intenções de voto, atrás de Marina, com 46%. Em agosto, a pesquisa apontou uma vantagem de dez pontos para a candidata do PSB, que chegava a 50%, enquanto Dilma registrava 40% das intenções de voto dos entrevistados.

Na simulação de segundo turno entre Dilma e Aécio, a petista vence por 49% a 39% (49% a 38% na semana anterior). Pela terceira vez, o instituto também fez uma simulação entre Marina e Aécio. O resultado foi 49% a 35% para a candidata do PSB (ante os 54% a 30% do último levantamento).

Pesquisa por regiões

A pesquisa mostra ainda que Dilma passou a liderar nas cinco regiões do país.

No Centro Oeste, a atual Presidente aparece numericamente à frente de Marina, enquanto no Sudeste tem menos de cinco pontos de diferença, registrando o empate técnico. Já no Nordeste, no norte e no sul, lidera de forma isolada.

A pesquisa aponta também que Marina recuou em vários segmentos. Ela caiu quatro pontos no Sudeste, sendo 4 entre mulheres, 4 entre católicos, 5 junto aos moradores de cidades que tem entre 200 mil e 500 mil habitantes, e 6 pontos entre eleitores de 25 a 34 anos.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o número BR-00665/2014 e encomendada pela Rede Globo e pelo jornal Folha de S. Paulo.

Pesquisa: Dilma ganha quatro pontos, chega a 33% e ultrapassa Marina no Rio

Os ataques da campanha da presidente Dilma Rousseff (PT) à ex-senadora Marina Silva (PSB) surtiram efeito entre os eleitores do Rio de Janeiro. Uma pesquisa à Presidência feita pelo instituto Gerp, e finalizada hoje (16), mostra que as duas candidatas ao Planalto trocaram de posições no estado. Em relação ao levantamento de 2 de setembro, Dilma ganhou quatro pontos porcentuais no Rio de Janeiro e ultrapassou Marina, que perdeu dois pontos no mesmo período. Agora é Dilma quem lidera a disputa à Presidência, com 33% das intenções de votos do eleitorado fluminense. Marina, que caiu para a segunda colocação, tem 30% da preferência local. Como a margem de erro é de 2,7 pontos porcentuais, Dilma e Marina continuam tecnicamente empatadas no estado, mas com tendências opostas. Enquanto a curva de Dilma é para cima, a de Marina é para baixo. Na semana passada, os programas de televisão de Dilma disseram repetidamente que Marina, se eleita, não investirá na exploração do pré-sal. O assunto é considerado chave para os eleitores do Rio de Janeiro, estado produtor de petróleo. O levantamento do instituto Gerp ainda mostrou que o senador Aécio Neves (PSDB) manteve os seus 11%. Entre sexta e ontem (15), foram ouvidos 1,3 mil eleitores em 45 cidades do Rio de Janeiro. A pesquisa foi registrada no Superior Tribunal Eleitoral.

(Marcelo Sperandio, via http://epoca.globo.com/colunas-e-blogs/felipe-patury/)

A importância do planejamento urbano para o desenvolvimento

Jornal GGN – O Secretário-geral da ONU reafirmou a importância de um bom planejamento de ambientes urbanos para promover o desenvolvimento. Ban Ki-moon participou da primeira sessão de trabalho do Comitê encarregado de preparar a próxima conferência das Nações Unidas sobre habitação e desenvolvimento urbano, denominada Habitat III, prevista para 2016.

O titular da ONU ressaltou que a metade da população vive em centros urbanos e que em meados deste século projeta-se que mais de dois terços da humanidade residirá em cidades. Quase a metade deste crescimento estará concentrado nos países em desenvolvimento.

“A urbanização afeta a todos nós”, disse Ban, acrescentando que as áreas urbanas estão no centro de muitos desafios, oportunidades e promessas.

“Este processo de preparação para o Habitat III é um excelente fórum para unir a comunidade global, através de uma troca de diálogos sobre os progressos realizados desde o Habitat II, em 1996, e de Istambul +5 ocorrido em 2001, e sobre os desafios e oportunidades que termos pela frente”, declarou Ban.

Disse ainda que as Nações Unidas devem continuar promovendo o desenvolvimento urbano equitativo nos assentamentos urbanos, vilas, cidades e países.

Com informações da ONU

A educação é vital para o desenvolvimento

Jornal GGN – A educação será crucial para o êxito dos objetivos de desenvolvimento sustentável, que substituirão os do Milênio, quando se cumprir o prazo em 2015, afirmou a UNESCO nesta quinta-feira.

A UNESCO anunciou que a próxima semana será divulgada uma publicação que aborda esta questão no contexto da 69ª sessão de alto nível da Assembleia Geral.

O documento propõe 16 objetivos relacionados à educação e, entre outros aspectos, dá ênfase que ajuda a sair do círculo vicioso da pobreza e a evitar que passe de geração em geração.

Também destaca que permite aos que têm emprego formal receber melhores salários. Cada ano de escolaridade equivale a um aumento de 10% na receita.

Outro objetivo se refere ao benefício da educação para prevenir as mortes maternas. Ressalta, ainda, que se todas as mulheres completassem sua formação na escola primária, 189 mil delas não morreriam por problemas associados à gravidez e ao parto.

Com informações da ONU

Facebook, a outra cara da campanha eleitoral

do Observatório da Imprensa

Facebook, a outra cara da campanha eleitoral

Por Carlos Castilho

A campanha política via Facebook está mostrando uma curiosa e interessantíssima diferença no comportamento dos eleitores. Nas redes virtuais, os posicionamentos pessoais são muito mais diversificados – o que torna o debate pré-eleitoral mais variado e atrativo, embora a baixaria se faça presente com alguma intensidade.

Enquanto os jornais, revistas e até a televisão apresentam uma campanha eleitoral altamente regulamentada e inevitavelmente aborrecida, os internautas têm mais espaço para divergir e polemizar. Nota-se também uma clara separação etária na forma como o debate eleitoral é percebido. A geração mais velha segue a política pela mídia convencional, que prioriza a cobertura da baixaria na internet, fazendo com que o seu público ignore o que está sendo discutido nas redes sociais.

Os mais jovens, por seu lado, rejeitam o horário eleitoral gratuito e passam ao largo das manchetes de jornais ou revistas. Sua participação nas discussões virtuais está marcada pela frustração e pela insistência no desejo de serem ouvidos. Trata-se de um comportamento muito parecido com o que predominou nas manifestações de junho do ano passado, que se transformaram numa espécie de paradigma de interpretação da conduta política da geração com menos 30 anos.

Estima-se que cerca de 40 milhões de jovens brasileiros tenham acesso regular às redes sociais por computador e por telefone celular. É um contingente respeitável tomando em conta o seu poder de circular opiniões e percepções, embora pelo menos metade deles não esteja capacitada a votar. É este público que a imprensa convencional está deixando de lado e consequentemente pagando o preço da associação a um tipo de campanha eleitoral pouco atrativa para os mais jovens.

Quem está apostando, e alto, no público virtual é a empresa Facebook, que lançou em 2012 um aplicativo chamado Custom Managed Audiences (Gestão personalizada em audiências) que permite desenvolver mensagens com alto grau de personalização. O aplicativo cruza o conteúdo dos bancos de dados de partidos ou movimentos políticos com o as informações contidas nos perfis dos usuários do Facebook.

A ferramenta foi testada inicialmente para fins comerciais, especialmente no marketing, mas desde o ano passado começou a ser usada, com resultados surpreendentes, em campanhas eleitorais nos Estados Unidos. Além de permitir que os candidatos digam a cada eleitor o que ele gostaria de ouvir, o software permite uma economia de até 50% nos gastos de uma campanha eleitoral, conforme dados da Comissão Federal Eleitoral dos Estados Unidos.

Esta personalização das mensagens eleitorais é outra grande diferença entre o debate político nas redes sociais e a campanha na mídia convencional, que precisa ser pouco diferenciada para atrair a atenção de públicos massivos. Quando você acompanha a política dentro do seu grupo de amigos no Facebook, as divergências de opinião podem ser agudas, mas há um clima quase familiar, enquanto na mídia convencional predomina o distanciamento e a indiferença.

A campanha eleitoral via internet tem duas características bem marcantes: o comportamento minimamente civilizado nas páginas pessoais em redes sociais; e a presença marcante da baixaria, especialmente em comentários postados em sites de comentaristas políticos da imprensa ou de candidatos. A imprensa convencional demoniza os comentários grosseiros e tenta transformá-los numa marca registrada da internet, ignorando o fato de que os trogloditas políticos sempre existiram. A única diferença é que agora eles podem se expressar de forma fácil e barata. Para neutralizá-los não podemos recorrer à equivocada tese de que eliminando o mensageiro, acabamos com as mensagens que nos desagradam.

O debate público sobre as campanhas eleitorais pela internet ainda é muito reduzido no Brasil e fortemente condicionado pela mentalidade reguladora. É inútil usar normas antigas para controlar um novo contexto social e político. A personalização do debate eleitoral nas redes sociais quebra radicalmente o modelo vigente de propaganda e marketing político adotado pela maioria esmagadora dos políticos e partidos no país.

Há várias outras diferenças na campanha feita em ambiente virtual/personalizado e no analógico/massivo, mas uma delas é fundamental: a principal preocupação das pessoas no Facebook é compartilhar opiniões, dados e percepções com pessoas conhecidas, enquanto na mídia convencional o compartilhamento é estruturalmente impossível. Enquanto no terreno virtual as pessoas falam e podem ser ouvidas, no espaço físico a estrutura dos meios de comunicação impede a interatividade.

Para entender a decadência da Globo

Não vou arriscar análises sobre imagem de apresentador A ou B. Como telespectador eventual do Jornal Nacional (nenhum desprezo, apenas o fato que meu eletroeletrônico diário é o computador) sempre admirei a imagem e a postura firme e sóbria de Fátima Bernardes e a discreta informalidade de  Patrícia Poeta, especialmente na campanha da Copa. Quando não avança além das chinelas, o próprio William Bonner, é um senhor apresentador.

Houve desgaste recente devido à perda de rumo do Jornal Nacional, de trocar o estilo sóbrio por uma informalidade forçada e, principalmente, pela agressividade vulgar do âncora opinativo, expondo ao ridículo as imagens mais valiosas do jornalismo.

Mas esses fatos estão dentro de um contexto mais amplo, que não tem poupado nenhum setor, mais o jornalismo, também a teledramaturgia: a entropia que tomou conta da Globo, visível nas futricas da rádio corredor.

A Globo está enferma, atacada pela doença do burocratismo, com grupos de influência que se organizam aqui e ali, impõem nomes, ocupam espaços e derrubam competidores.

No tempo de Roberto Marinho havia a chamada voz do dono, uma hierarquia clara, com  comando, mas se reportando o tempo todo para o patrão: José Bonifácio de Oliveira Sobrinho, Armando Nogueira, Evandro Carlos de Andrade, debaixo deles um estado maior de primeira, como Daniel Filho, Roberto Talmata, Alice Maria.

Roberto Marinho não se atinha apenas às informações internas, mas também às externas. Lembro-me de uma entrevista que fiz a respeito do Diário de Notícias com o poderoso Evandro Carlos de Andrade – um dos últimos comandantes de fato da Globo – e seu receio de sofrer eventuais intrigas de Jorge Serpa, conselheiro externo de Roberto Marinho.

Com a morte de Roberto Marinho, os herdeiros terceirizaram  a gestão jornalística e artística da Globo. Sem uma estrutura de comando clara, a corporação passou a ser tomada por várias disputas internas, nas quais o fator audiência passou a ser utilizada não como bússola para ajustes, mas como arma de destruição interna.

Conclusão: criou -se tal ambiente de insegurança que praticamente matou a criatividade da empresa.

Nos tempos de Boni, o lançamento da programação anual da Globo era uma celebração. Os últimos programas de impacto da Globo foram lançados inacreditavelmente por sua sucessora, uma senhora auditora com parca experiência em TV.

Depois dela, nada mais. Envelhecem os programas, os apresentadores, os repórteres. Não há um lançamento novo, uma ousadia nova.

O melhor do jornalismo televisivo da Globo foi a Globonews, última obra do talento discreto de Alice Maria.

Na teledramaturgia, o quadro não é diferente. Cadê os musicais maravilhosos, que marcaram a vida de gerações? Cadê a criatividade da programação infantil? Cadê as novelas inovadoras?

Dia desses assisti a alguns capítulos de novela e, agora acostumado com as séries norte-americanas, me espantei com o estilo de interpretação. Lembrava em muito o padrão mexicano de alguns anos atrás, com caretas, caras indignadas, olhares desafiadores, boca dura e sobrancelhas levantadas, de Sarita Montiel.

Julguei que fosse específico daquela novela. Assisti outras: o mesmo padrão.

É evidente que, com o avanço da TV a cabo e da Internet, a TV aberta experimentaria um esvaziamento. Mas, no caso da TV Globo, está sendo acelerado pela perda da seiva vital: a ousadia que aparentemente morreu quando o burocratismo se impôs sobre a criação.

(Luis Nassif)

Ceará possui 15,8% de analfabetos, diz Pnad

O Estado do Ceará possui 15,8% da sua população de quinze anos ou mais que ainda não sabe ler e escrever, na Capital e Interior, o que corresponde a 1,1 milhão de pessoas. Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio (Pnad), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgada nesta quinta-feira, 18.

Na Região Metropolitana de Fortaleza, essa taxa é de 8,7%, correspondente a 299 mil analfabetos. Em todo o Estado, o gênero masculino é o que possui a maior taxa, 53,7%. A outra fatia, 46,3%, pertence às mulheres.

O índice é próximo à média do Nordeste, que ficou com 16,6%. Na região, houve uma queda de 0,8% em relação a 2012. Mas apesar da queda de analfabetos na região, os nove Estados ainda são responsáveis pela taxa mais elevada do País, pois concentra mais da metade (53,6%) do número total de analfabetos.

No Brasil, em 2013, a taxa de analfabetismo da população de 15 anos ou mais foi estimada em 8,3%, aproximadamente 13 milhões de pessoas, o que mostra uma redução em 0,4% em relação a 2012 (8,7%). A mulher possui o maior percentual de analfabetismo no País. Na região Sudeste o índice é de 56,2%, no Sul (55,6%) e Centro-Oeste (50,5%).

A taxa de escolarização das pessoas entre 4 e 5 anos de idade alcançou 81,2%, 3,1 pontos percentuais acima de 2012 (78,1%). A maior taxa de escolarização ocorreu entre crianças de 6 a 14 anos (98,4%), faixa de idade que corresponde ao ensino fundamental.

Redação O POVO Online

SP tem mais bilionários que Paris, Los Angeles e Genebra, diz consultoria

Maria Carolina Abe
Do UOL, em São Paulo

São 2.325 bilionários no mundo em 2014, dos quais 36 vivem em São Paulo. Essa concentração na capital paulista é maior que a vista em Paris, na França (33); Los Angeles, nos EUA (25); e Genebra, na Suíça (23).

No mundo, 20 cidades concentram um terço (34%) dos ricaços. A líder é Nova York, nos EUA, com 103 bilionários, seguida por Moscou, na Rússia, com 85, e Hong Kong, com 82.

Os dados são do “Censo de bilionários”, publicado nesta semana pelo banco suíço UBS e pela consultoria especializada em alta renda Wealth-X.

Os 36 bilionários em São Paulo possuem, juntos, US$ 91 bilhões (cerca de R$ 215 bilhões). Só um deles passou a barreira dos US$ 5 bilhões.

Veja algumas curiosidades sobre os super ricos da capital paulista apontadas pelo relatório:

  • a idade média é de 65 anos;
  • 25% são mulheres;
  • 83% deles nasceram no Brasil;
  • 61% construíram pelo menos parte de sua fortuna;
  • 61% têm diploma universitário;
  • 53% estão envolvidos com empresas públicas, principalmente;
  • 64% são casados;
  • 28% são do ramo de finanças, bancos e investimentos.
As 20 cidades do mundo com mais bilionários
  • 1
    Nova York (EUA)

    103 bilionários

  • 2
    Moscou (Rússia)

    85 bilionários

  • 3
    Hong Kong (região administrativa da China)

    82 bilionários

  • 4
    Londres (Reino Unido)

    72 bilionários

  • 5
    Pequim (China)

    37 bilionários

  • 6
    São Paulo

    36 bilionários

  • 7
    Istambul (Turquia)

    35 bilionários

  • 8
    Dubai (Emirados Árabes Unidos)

    34 bilionários

  • 9
    Paris (França)

    33 bilionários

  • 10
    Cingapura (Cingapura)

    32 bilionários

  • 11
    Mumbai (Índia)

    28 bilionários

  • 12
    Tóquio (Japão)

    26 bilionários

  • 13
    Los Angeles (EUA)

    25 bilionários

  • 14
    Shenzhen (China)

    25 bilionários

  • 15
    Genebra (Suíça)

    23 bilionários

  • 16
    Cidade do México (México)

    21 bilionários

  • 17
    Xangai (China)

    21 bilionários

  • 18
    Taipé (Taiwan)

    21 bilionários

  • 19
    Madri (Espanha)

    21 bilionários

  • 20
    Riad (Arábia Saudita)

    20 bilionários

Fonte: “Censo de bilionários”, do banco suíço UBS e da consultoria Wealth-X

Fifa determina que relógios dados pela CBF devem ser devolvidos e doados

Relógio doado pela CBF terá que ser devolvido e doado

O Comitê de Ética da Fifa determinou que os 65 relógios distribuídos pela CBF à dirigentes da entidade máxima do futebol deve ser devolvidos até o dia 24 de outubro. O dinheiro gasto na compra dos ‘presentes’ irregulares – cerca de R$ 1,3 milhão, pelas contas da própria CBF – não voltará aos cofres brasileiros e terá que ser revertido em doações para instituições de caridade.

As investigações sobre o caso começaram ainda em junho e foram divulgadas no último final de semana. A CBF distribuiu relógios comemorativos na Copa do Mundo no Brasil de seus próprios patrocinadores (como parte das comemorações do centenário da entidade) para várias pessoas, incluindo os membros do comitê executivo da Fifa.

Segundo a decisão da Fifa, todas as partes estavam erradas no caso. Em primeiro lugar, a CBF não poderia ter oferecido os presentes. Depois, nenhum dirigente poderia ter aceitado um “presente que tenham mais do que um valor simbólico”.

Segundo a CBF, cada relógio da marca Parmigiani teria custado 8.750 dólares (cerca de R$ 20.500,00). Pela Fifa, o relógio tem um valor de mercado de R$ 62.500.

Via http://espn.uol.com.br

Número de trabalhadores registrados aumenta 3,6% em 2013

Rio de Janeiro – Em 2013, o número de empregados com carteira de trabalho assinada no setor privado cresceu 3,6% em relação a 2012.

Eram 36,8 milhões de trabalhadores, 1,3 milhão a mais na comparação com o ano anterior.

No levantamento feito pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) 76,1% dos empregados do setor privado tinham carteira de trabalho assinada.

Em 2013, dos 60,1 milhões de empregados (com exceção dos trabalhadores domésticos), 80,6% estavam no setor privado.

No setor público (19,4%), a maioria eram militares e funcionários públicos estatutários (61%).

O aumento do emprego com carteira de trabalho assinada no setor privado ocorreu em todas as regiões, sendo os maiores acréscimos registrados nas Regiões Nordeste (6,8%) e Sul (5,3%).

A comparação entre 2008 e 2013 mostrou que as Regiões Nordeste e Centro-Oeste apresentaram os maiores percentuais de expansão de trabalhadores com carteira de trabalho assinada no setor privado, 30,1% e 34,5%, respectivamente.

Nas Regiões Sudeste e Sul, a proporção de empregados com carteira de trabalho assinada ultrapassou 80%.

O IBGE relevou ainda que de 2012 para 2013, a proporção de trabalhadores com o ensino fundamental incompleto caiu de 27,9% para 25,7% e a de trabalhadores com nível médio incompleto diminuiu de 6,7% para 6,5%.

Em outro sentido, aumentou a proporção dos sem instrução (6,6% para 7%), com fundamental completo (10,3 para 10,5%), com ensino médio completo (30,0% para 30,4%), com superior incompleto (5,2% para 5,4%) e com superior completo (13,1% para 14,2%).

(Flávia Villela, Agência Brasil)

Voo direto entre Fortaleza e Bogotá começa a operar sábado, dia 20/09

O primeiro voo direto entre Fortaleza e Bogotá vai entrar em operação no sábado (20). O novo destino será feito pela companhia aérea Avianca sempre aos sábados, saindo da capital cearense e da capital colombiana. O voo direto foi autorizado pela Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) em março deste ano.

O trecho Fortaleza – Bogotá sairá do Aeroporto Pinto Martins às 16h40 e chegará ao Aeroporto Internacional El Dorado às 20h16. A saída de Bogotá será às 23h30 com chegada às 6h15 a Fortaleza. Os voos serão operados por aeronaves modelo Airbus A319, com capacidade para 132 passageiros em classe econômica.

A duração média do voo será de 5h40. Nesta quarta-feira (17), o valor de um trecho do voo custa R$ 653,82 no site da companhia aérea, sem as taxas de embarque.

Rotas internacionais
Além do voo direto para Bogotá, Fortaleza opera trechos diretos para Buenos Aires, Miami e Frankfurt. O voo Fortaleza-Buenos Aires é operado desde o dia 10 de maio pela Gol Linhas Aéreas. Para Miami, a TAM começou a operar no dia 31 de maio. Já para Frankfurt, o voo, operado pela empresa Condor Flugdienst, foi inaugurado no dia 20 de junho.

Um dos fatores que têm atraído rotas internacionais foi a redução da alíquota de ICMS incidente sobre o combustível de aviação de 30% para 12% para operação de voo internacional regular e direto com chegadas e partidas em um aeroporto cearense.

(G1 Ceará)

Miss Brasil 2014 será realizado em Fortaleza, dia 27/09

A edição 2014 do Miss Brasil está prevista para acontecer em Fortaleza no dia 27 de setembro. As candidatas estão hospedadas desde esta terça-feira (16) no Hotel Marina Park, na capital cearense.
Entre as novidades deste ano está a abertura do evento para o público em geral. Os ingressos estão sendo vendidos a R$ 50 (inteira) e R$ 25 (meia) através do site Tkt1.
De acordo com o portal Band, o público ainda terá a chance de escolher a 15ª semifinalista por meio de votação via sms. Para participar, basta enviar o nome do estado da miss escolhida para o número 72260.
O concurso será transmitido pelo canal Band, a partir das 22h15. A vencendora deve disputar o Miss Mundo em dezembro deste ano, segundo informou Donald Trump.

Via

O dia em que Luciana Genro ‘fulminou’ Aécio Neves; assista ao vídeo

O terceiro debate com os presidenciáveis promovido ontem (16) à noite pela CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), na TV Aparecida, retransmitido ao vivo pelo Blog do Esmael, mais pareceu uma missa. No entanto, talvez tenha ocorrido o melhor momento da campanha eleitoral até agora. A candidata do PSol, Luciana Genro, fulminou o tucano Aécio Neves, do PSDB.

“Linha auxiliar do PT uma ova! O PT aprendeu com o senhor”, respondeu Luciana a uma provocação do candidato do PSDB. Ela disse que a origem do mensalão é no PSDB.

“O senhor [se referindo a Aécio] fala como se no governo do PSDB nunca tivesse havido corrupção, quando na realidade nós sabemos que o PSDB foi o precursor do mensalão, com o seu correlegionário e conterrâneo Eduardo Azeredo”, afirmou Luciana.

“O senhor foi o protagonista do escândalo do aeroporto, onde o senhor utilizou dinheiro público para construir um aeroporto nas fazendas, próximas das fazendas da sua família”, continuou a candidata do PSol.

Via http://www.esmaelmorais.com.br/2014/09/debate-com-os-presidenciaveis-ao-vivo/

Brasil é referência mundial no combate à fome, diz ONU

Jornal GGN – A Organização da ONU para Alimentação e Agricultura (FAO) divulgou nesta terça-feira, que mais de 805 milhões de pessoas passam fome no mundo. No Brasil, anuncia a Organização, esta situação é bem diferente. Segundo a FAO o Brasil caminha na contramão desta estatística graças aos seus programas, ações e estratégias, o que o alçou ao posto de referência mundial no combate à fome.

“O Brasil é um grande exemplo nesse aspecto porque estabeleceu essa causa como uma prioridade nacional”, disse Eve Crowley, representante adjunta da FAO para a América Latina e Caribe. “Ele provou que um país grande pode reduzir a insegurança alimentar e ainda influenciar toda uma região e o mundo”, completou ela.

Tanto a América Latina como o Caribe tiveram o melhor desempenho no combate à insegurança alimentar dos últimos anos. Atualmente, concentra-se nesta região 6,1% das pessoas com insegurança alimentar, bem abaixo dos 15,3% registrados em 1992.

O Brasil mereceu destaque especial no estudo realizado pela FAO. O país se tornou modelo para promoção de experiências exitosas, como transferência de renda, compras diretas para aquisição de alimentos e capacitação técnica de pequenos agricultores. Com estas medidas, o Brasil conseguiu diminuir em 50% o número de pessoas que passam fome.

“Insegurança alimentar” é quando existe restrição ao acesso aos alimentos e pessoas nesta situação consomem alimentos de forma difusa, sem saber quando será a próxima refeição, explicou o diretor do Centro de Excelência para a Fome do PMA, Daniel Balaban.

No cenário brasileiro, o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar (PAA) foi uma iniciativa que contribuiu diretamente para a redução da insegurança alimentar do brasileiro, destacou Balaban. Ele apontou que, com o programa, os agricultores tiveram a garantia da venda de seus produtos para o governo e instituições como escolas e hospitais.

“No Brasil, os pequenos produtores sofriam de insegurança alimentar. Eles largavam suas terras rumo aos grandes centros urbanos em busca de emprego. O grande mérito do programa foi incentivar todo esse grupo a permanecer no campo, estimulando a produção e oferecendo demanda para ele. Cerca de 70% do nosso consumo interno é abastecido pela agricultura familiar”, disse Balaban.

O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil

O relatório O Estado da Segurança Alimentar e Nutricional no Brasil – Um Retrato Multidimensional – é um dos sete casos de países específicos estudados pela FAO, lançado paralelamente ao relatório anual da Organização, O Estado da Insegurança Alimentar no Mundo 2014.

O documento sobre o caso brasileiro aborda as estratégias de governança adotadas pelo país com o objetivo de garantir o acesso de todos à alimentação, além de uma análise sobre a produção e disponibilidade de alimentos e outros aspectos como saúde.

Para ilustrar o sucesso das medidas brasileiras, a FAO reuniu diversos indicadores da segurança alimentar, entre eles, o Indicador de Prevalência de Subalimentação, medida empregada pela FAO há 50 anos para dimensionar e acompanhar a fome em nível internacional. Hoje, o país tem 3,4 milhões de brasileiros que passam por insegurança alimentar, o que representa 1,7% da população brasileira. A porcentagem de 5% é o limite estatístico determinado que representa se um país superou o problema da fome.

“O relatório mostra a situação da insegurança alimentar e as tentativas de eliminar a fome da Terra. Ele ressalta os nossos avanços, mas mostra que ainda há muito para fazer. Mesmo com a disponibilidade de alimentos e tecnologia, temos mais de 800 milhões de pessoas com risco de insegurança alimentar. Temos que reconhecer que a fome é a maior inimiga em todos os territórios do mundo e manter o compromisso de combater esse problema”, afirmou  o coordenador residente do sistema das Nações Unidas no Brasil, Jorge Chediek.

A insegurança alimentar é um tema complexo, que não se resolve apenas com o aumento da produção ou da distribuição de alimentos, mas com uma multiplicidade de ações e programas que o Brasil vem desenvolvendo muito bem, avaliou Chediek.

“O Brasil precisa continuar nesse caminho, de chegar aos que estão fora do ‘sistema’, e aprimorar a coordenação de programas sociais. Por conta desse compromisso, o país teve um resultado admirável. O IDH, que inclui elementos de saúde e renda, melhorou mais de 50% nos ultimos 20 anos”, destacou ele.

Discurso da fome e a desigualdade social

O relatório também parabeniza o governo brasileiro por importantes passos institucionais e implementação de marcos legais que possibilitaram os avanços no combate à fome no Brasil.

Entre os destaques, a incorporação à Constituição Federal, em 2010, do direito humano à alimentação adequada e, em 2011, da institucionalização do Plano Nacional de Segurança Alimentar, com destaque ao lançamento da Estratégia Fome Zero, e a implementação, de forma articulada, de políticas de proteção social – como o Bolsa Família e o Programa Nacional de Alimentação Escolar – e de fomento à produção agrícola – como o Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar e o Programa de Aquisição de Alimentos da Agricultura Familiar – PAA.

Segundo o estudo, os gastos federais (em 2013) com programas e ações de segurança alimentar e nutricional no Brasil totalizaram cerca de 78 bilhões de reais. Os investimentos em programas sociais aumentaram mais de 128% entre os anos de 2000 e 2012, enquanto a parcela desses programas no Produto Interno Bruto aumentou 31%.

Em 2013, os programas relacionados à proteção social chegaram a aproximadamente um terço dos gastos federais em programas e ações de segurança alimentar e nutricional, enquanto os programas relacionados com a produção e distribuição de alimentos, inclusive os destinados à promoção da agricultura familiar, foram responsáveis por um sexto do total de dispêndios.

O resultado desses investimentos trouxe números positivos para erradicar a extrema pobreza e a fome no país, compromisso assumido através do primeiro Objetivo de Desenvolvimento do Milênio (ODM1) e na Cúpula Mundial sobre Alimentação (CMA). Apenas com o Bolsa Família, cerca de 22 milhões de brasileiros foram retirados da extrema pobreza desde 2011.

A consultora da FAO, Anne Kepler, que apresentou o relatório sobre o caso brasileiro, acredita que o avanço do país está também no seu discurso sobre a fome, atrelado à desigualdade social.

“Nos Estados Unidos, também há insegurança alimentar, também há fome, mas o tratamento é muito diferente do que vemos hoje no Brasil. A fome não está relacionada ao fato de a pessoa não se interessar por trabalho, como muitos dizem. Aqui, estamos provando que esse déficit na alimentação está ligado a uma diferença de classes, a uma desigualdade social que vem diminuindo”, disse Kepler, nascida nos Estados Unidos, mas residente do Brasil há 20 anos.

Crowley ressaltou que o mundo está vivendo um período histórico, onde o progresso no combate à fome é evidente. “Se firmarmos um compromisso, poderemos erradicar a fome dentro da nossa geração”.

Para a elaboração deste documento, a FAO contou com a colaboração do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, o Ministério do Desenvolvimento Agrário, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, além de pesquisadores e acadêmicos.

Com informações da ONU

Sete dos 11 candidatos à Presidência não têm plano de ciência e tecnologia

Da Agência Brasil

Apenas quatro dos 11 candidatos à Presidência da República apresentaram propostas de estímulo à área de pesquisa e inovação nos programas de governo entregues à Justiça Eleitoral. Os presidenciáveis reconhecem a importância do setor para a competitividade produtiva do país e, as promessas, o priorizam a revitalização do sistema existente em órgãos como o Ministério de Ciência, Tecnologia e Inovação e a revisão de regulamentações sobre o setor.

Confira as propostas dos candidatos à Presidência para ciência e tecnologia:

Aécio Neves (PSDB) promete apoio para que universidades públicas e instituições de pesquisa invistam mais na infraestrutura de pesquisa e defende o ensino da tecnologia associado à resolução de problemas sociais e a uma atitude empreendedora. O tucano quer estruturar um Sistema Nacional de Ciência, Tecnologia & Inovação e revitalizar o Conselho Nacional de Ciência e Tecnologia, como órgão colegiado, com representação nacional. Segundo ele, é preciso articular políticas de educação e ciência, tecnologia e inovação e criar um programa nacional para formação de pesquisadores. Para Aécio, a pesquisa brasileira precisa alcançar padrões internacionais para impulsionar a economia, diversificando as atividades e agregando valor. Ele garante que vai estabelecer um programa para internacionalização da ciência brasileira, envolvendo intercâmbio de pesquisadores e atração de cientistas internacionais, e criar uma estratégia para incentivar a pesquisa e a inovação nas empresas públicas e privadas. Outras promessas do candidato são apoiar incubadoras de empresas em articulação com as universidades, estimular a pesquisas de extensão voltadas para a agricultura familiar e apoiar a Embrapa na pesquisa em agroecologia.

Dilma Rousseff (PT) defende a inovação como uma das ferramentas para aumentar a competitividade produtiva do país. A candidata à reeleição promete implantar plataformas do conhecimento como uma das estratégias para acelerar a geração de inovação a partir da interação entre cientistas, instituições de pesquisa e empresas. Segundo ela, isso permitirá acelerar a produção de conhecimento e sua transformação em produtos e processos inovadores “fundamental para o crescimento de competitividade de nossa economia”. Dilma também se compromete a adotar políticas industrial, científica, tecnológica e agrícola para reduzir os custos de investimento e produção, a partir dos estímulos a inovação que reduzam custos logísticos e melhorem o ambiente de negócios do país.

Eduardo Jorge (PV) não tem propostas específicas sobre o tema.

Eymael (PSDC) defende um plano nacional de apoio à pesquisa “tanto em seu aspecto de investigação pura, como no campo da pesquisa aplicada.”

Levy Fidelix (PRTB) não apresenta propostas.

Luciana Genro (PSOL) não apresenta propostas sobre o tema.

Marina Silva (PSB) garante que vai ampliar os investimentos públicos e estimular os investimentos de empresas em pesquisa e desenvolvimento. Segundo ela, o investimento total deve representar cerca de 2% do Produto Interno Bruto (PIB), se aproximando do padrão dos países líderes mundiais. A ex-senadora também afirma que vai aumentar o orçamento do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e fazer com que o Fundo Setorial do Petróleo volte a ser alocado no Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) e não seja contingenciado. Marina quer recuperar programas do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação e de agências de apoio à pesquisa básica, aperfeiçoar o Programa Ciência sem Fronteiras e criar um programa de atração de talentos com foco nos pesquisadores mais jovens. O rol de promessas da candidata também inclui o estímulo para que estados e municípios invistam em inovaçao e para a criação de parques científicos e tecnológicos que atraiam investimentos privados nacionais e internacionais. Outra medida apresentada é a revisão da Lei de Inovação para dar segurança jurídica e solucionar contradições legais existentes no texto.

Mauro Iasi (PCB), Pastor Everaldo (PSC), Rui Pimenta (PCO) e Zé Maria (PSTU) não apresentaram propostas.

Teólogo Leonardo Boff participa de debate no Sindicato dos Bancários do Ceará, dia 25/9

Um dos mais brilhantes e respeitados intelectuais do Brasil, o teólogo, escritor e professor universitário Leonardo Boff, participa no próximo dia 25/9 (quinta-feira), a partir das 19h, na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará (Rua 24 de Maio, 1289 – Centro), do primeiro grande evento do Instituto de Formação dos Bancários – “Diálogo Político e Social com Leonardo Boff”.

Leonardo Boff é um dos principais expoentes da Teologia da Libertação. Ficou conhecido pela sua história de defesa intransigente das causas sociais. Nesse encontro com os bancários, Boff fará uma rica análise de conjuntura social e política do atual momento vivenciado no Brasil, assim como suas perspectivas para os anos seguintes, com o objetivo de debater o País que queremos.

Quem é Leonardo Boff

Nasceu em Concórdia (SC), em 1938. É doutor honoris causa em Política pela Universidade de Turim (Itália) e em Teologia pela Universidade de Lund (Suécia). É autor de mais de 60 livros nas áreas de Teologia, Ecologia, Espiritualidade, Filosofia, Antropologia e Mística. A maioria de sua obra está traduzida nos principais idiomas modernos.

(Sindicato dos Bancários do Ceará)

Brasil tem 22 universidades entre as melhores do mundo

A Universidade de São Paulo ficou na 132ª posição no QS World University Ranking 2014, divulgado na segunda-feira (15). O resultado representa queda de cinco posições em relação ao ano passado, quando a instituição havia ficado na 127ª posição. Ao todo, 22 universidades brasileiras estão entre as 800 melhores do mundo: 14 são federais, cinco estaduais e três particulares.

Entre as 10 melhores do ranking, seis são americanas e quatro britânicas. O Instituto Tecnológico de Massachussets (MIT), que fica nos Estados Unidos, ocupa a primeira posição, seguido da Universidade de Cambridge e da Imperial College, ambas situadas na Inglaterra.

Quando comparada apenas a instituições da América Latina, a USP ocupa a segunda posição do ranking, com 98,2 pontos, atrás apenas da Universidade Católica do Chile. Outras cinco universidades brasileiras figuram entre as 10 mais bem posicionadas entre as latino-americanas: a Universidade Estadual de Campinas (3ª), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (4ª), a Universidade Estadual Paulista – Unesp (9ª), e a Universidade Federal de Minas Gerais (10ª).

No ranking das 200 melhores instituições localizadas nos países do bloco Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), apenas duas brasileiras estão entre as dez primeiras: a Universidade Federal de São Paulo (7º), e a Universidade Estadual de Campinas (9º). A primeira entre os Brics é a Universidade de Tsinghua, na China.

QS World University Ranking tem reconhecimento mundial e é realizado anualmente desde 2004. A metodologia de pesquisa considera a reputação da universidade na visão dos estudantes e dos empregados; a estrutura da instituição, incluindo a média de estudantes por professor; as citações em trabalhos de pesquisa e a presença de alunos e colaboradores internacionais.

Confira a lista das instituições brasileiras no ranking QS 2014:

Universidade de São Paulo (USP) – 132 lugar
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – 206 lugar
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – 271 lugar
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – 421-430*
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – 451-460
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – 471-480
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) – 501-550
Pontificia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) – 551-600
Universidade de Brasília (UnB) – 551-600
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) – 551-600
Universidade Federal da Bahia (Ufba) – 601 – 650
Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) – 651-700
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – 651-700
Universidade Federal do Paraná (UFPR) – 651-700
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) – 701-800
Universidade Estadual de Londrina (UEL) – 701-800
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – 701-800
Universidade Federal de Viçosa (UFV) – 701-800
Universidade Federal do Ceará (UFC) – 701-800
Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) – 701-800
Universidade Federal Fluminense (UFF) – 701-800

*a partir da posição 400, o ranking situa a universidade em um intervalo

Fonte: Empresa Brasil de Comunicação 

POVO QUER CONSTITUINTE, MAS A MÍDIA SILENCIA

Depois de uma intensa semana mobilização dos movimentos sindical e social, 1.744.872 pessoas votaram pela internet no Plebiscito Constituinte em todo o país. Destas, 96,9% (1.691.006) foram a favor da Constituinte do Sistema Político e 3,1% (53.866) contra.

O resultado final da votação das urnas fixas que estiveram espalhadas pelo Brasil será divulgado pelas 450 organizações que compõem o Plebiscito no dia 21 de setembro, em coletiva de imprensa.

O advogado José Eymar Loguercio afirma que o plebiscito recolocou para a sociedade a necessidade de reformar o sistema político. “Significa repolitizar os locais de trabalho, ou seja, os trabalhadores entenderem que são sujeitos dessa história e que não é apenas votar para o seu candidato nas eleições, mas questionar o modelo de representação”.

Pesquisadora do Cesit/Unicamp, Magda Barros Biavaschi, afirma que votou “sim” no Plebiscito. “A reforma política é fundamental, pois há muito tempo tramita no parlamento e a gente não consegue aprovar”.

Para Loguercio, o plebiscito tem relação direta com umas das principais questões que está sendo também discutida neste momento: a terceirização. “É importante pensar no parlamento porque ele é o espaço de regulação de trabalho, é o local de proteção dos trabalhadores. Porque a legislação trabalhista é o limite que se estabelece para as empresas, para o capital que busca somente o lucro”.

Entre os dias 1º e 7 de setembro de setembro, cerca de 40 mil urnas fixas e volantes estiveram disponíveis em todo o Brasil. A contagem dos votos coletados começou a ser feita nos estados também na segunda-feira (8) e ocorre até o dia 14. A previsão é que o resultado final da campanha seja divulgado no dia 21 deste mês.

“Conseguimos ampla repercussão, apesar do “muro de silêncio”, propositalmente montado pela grande mídia, o que só reforça a nossa posição pela democratização dos meios de comunicação no Brasil.”, afirmou, em nota, a Secretaria Operativa Nacional. “Acreditamos, sem a menor sombra de dúvida, que todo este processo de mobilização se coloca entre um dos maiores e mais importantes realizados em unidade entre o movimento popular, sindical e da juventude. Estamos confiantes que a força social e política demonstrada no Plebiscito Popular será preservada e ampliada no próximo período e nos garantirá a vitória!”, informou o coletivo organizador do plebiscito.

Com informações da CUT

Randolfe Rodrigues deixa o PSOL e vai pro PCdoB

Nas falas de Polis


A ida do senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) para a Rede Sustentabilidade, já era dada como certa, por alguns sites e blogs, desde o início deste mês.


Na verdade, o descontentamento do único senador do PSOL com parte significativa de seu partido e o descontentamento de parte significativa do partido, com seu único senador, já era uma “novela” antiga. 


No entanto, foi em meados de Junho deste ano que a relação entre o partido e seu parlamentar tornou-se insustentável. Tanto que Randolfe escreveu 
“A Carta ao Povo Brasileiro”, onde expôs o lado sectário e conservador de uma ala em ascensão em seu partido.


Depois disso, o prenuncio de sua saída foi 
comentado pelo atual presidente do PSOL, como um prejuízo nas vésperas das eleições. Ou seja, o Partido já se despedia mesmo dele, mas o queria só mais um pouquinho para ter holofote e trincheira na CPI da Petrobrás.
Randolfe então resolveu acabar com a brincadeira e anunciou a entrada no PCdoB, partido aliado do PT e na base da presidenta Dilma.


O PSOL deverá reclamar e quem sabe até pedir o mandato do senador, mas não há mais volta, me informa uma fonte que presenciou a reunião entre o senador e o Comitê Central do partido em Brasília, no fim da noite desta segunda-feira, 15.


Especulava-se que o senador teria dito a interlocutores que atenderia ao convite da presidenciável Marina Silva(PSB), para trabalhar na formalização da nova sigla ao lado da ex-senadora Heloísa Helena, também do PSOL. 


Cada vez mais isolado no partido desde que anunciou sua desistência em concorrer à Presidência da República, em junho desde ano, Randolfe ainda não formalizou a decisão, mas levará consigo seu suplente no senado, evitando assim qualquer possibilidade do PSOL enquadrá-lo e requerer o mandato.


O presidente do PSOL, Luiz Araújo, que já havia lamentado a saída de Randolfe, também faz parte da mesma “tendência” deste e pode ter sido complacente com a decisão, ao contrário do que as aparências podem nos levar a concluir.


A suspeita é reforçada com o crescimento interno do grupo ligado à Luciana Genro, candidata a presidente pelo PSOL e que reúne os setores mais radicais do partido, os quais mantém a linha conservadora de não ampliar a política de alianças eleitorais, o que acaba inviabilizando eleitoralmente várias candidaturas promissoras, como aconteceu com Randolfe Rodrigues e Edmilson Rodrigues em Belém do Pará, nas eleições municipais de 2012. 


Mas isso é assunto para outra postagem, captou?

Via http://analisedeconjuntura.blogspot.com.br/2014/09/randolfe-rodrigues-deixa-o-psol-e-vai.html

Ministério lança carteira de trabalho digital no Ceará

A nova versão da Carteira de Trabalho Digital, projeto que terá a cidade de Fortaleza será pioneira no estado do Ceará, será lançada pelo ministro do Trabalho e Emprego (MTE), Manoel Dias, nesta quarta-feira (17), às 11h30 na sede da Superintendência Regional do Trabalho do estado. Na oportunidade o ministro vai fazer a entrega do primeiro documento a um trabalhador cearense.

A nova CTPS digitalizada apresenta um novo sistema de emissão, com a validação nacional de dados feita de forma on-line, com entrega do documento no mesmo dia da solicitação pelo trabalhador.

Além disso, oferece mais segurança ao trabalhador que no momento da emissão terá seus dados cruzados com outros bancos governamentais, proporcionando a entrega de um documento com todas as informações do cidadão atualizadas, que irão compor posteriormente um banco de dados único, facilitando o pagamento de benefícios trabalhistas e previdenciários

Nova Carteira

A nova Carteira de Trabalho é válida em todo o território nacional e, além das informações da carteira profissional antiga, vem com uma tarja magnética e numeração única para todas as vias, com uma aparência semelhante à de um passaporte.

As mudanças buscam reduzir o número de fraudes, por favorecer a segurança nos processos operacionais. Outra vantagem do modelo é informar se o empregador vem recolhendo corretamente o Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) e as contribuições previdenciárias.

Todas as informações, após serem digitalizadas, são armazenadas em um banco de dados e a entrega do documento ocorre no prazo máximo de 15 dias úteis. Os interessados devem ter a partir de 15 anos e comparecer à unidade móvel da Fundec portando CPF, carteira de identidade, título de eleitor, comprovante de residência e carteira profissional antiga.

Adesão em outros estados

Esse documento já está sendo inserido no estado do Rio de Janeiro. O serviço chegou ao município de Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, e até dezembro uma unidade móvel percorrerá os bairros da cidade emitindo as novas carteiras.

O trabalho está sendo feito pela Secretaria Municipal de Trabalho, Emprego e Renda em parceria com a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico e Políticas Sociais (Fundec), da prefeitura local.

O horário de atendimento da unidade será sempre das 9h às 17h. Para saber o local por onde as unidades vão passar nos próximos meses, o interessado deve ligar para (21) 3661-9689.

Fontes: Ministério do Trabalho e Emprego – Agência Brasil

UFC é eleita uma das 800 melhores universidades do mundo

A Universidade Federal do Ceará (UFC) ficou na 701ª posição no QS World University Ranking 2014, divulgado nesta segunda-feira, 15. Na pesquisa realizada em 2013, a UFC também ficou na mesma posição. Ao todo, 22 universidades brasileiras estão entre as 800 melhores do mundo: 14 são federais, cinco estaduais e três particulares.

Seis universidades americanas e quatro britânicas estão entre as 10 bem mais colocadas. O Instituto Tecnológico de Massachussets (MIT), nos Estados Unidos, ocupa a primeira posição. Logo em seguida, vem a Universidade de Cambridge e a Imperial College, ambas na Inglaterra.

A Universidade de São Paulo (USP) foi eleita a melhor do Brasil, na 132ª posição. Outras cinco universidades brasileiras figuram entre as dez mais bem posicionadas entre as latino-americanas: a Universidade Estadual de Campinas (terceira), a Universidade Federal do Rio de Janeiro (quarta), a Universidade Estadual Paulista – Unesp (nona), e a Universidade Federal de Minas Gerais (décima).

No ranking das 200 melhores instituições localizadas nos países do bloco Brics (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul), apenas duas brasileiras estão entre as dez primeiras: a Universidade Federal de São Paulo (7º), e a Universidade Estadual de Campinas (9º). A primeira no Brics é a Universidade de Tsinghua, na China.

O QS World University Ranking tem reconhecimento mundial e é realizado anualmente desde 2004. A metodologia de pesquisa considera a reputação da universidade na visão dos estudantes e dos empregados; a estrutura da instituição, incluindo a média de estudantes por professor; as citações em trabalhos de pesquisa e a presença de alunos e colaboradores internacionais.

Confira a lista das instituições brasileiras no ranking QS 2014:

Universidade de São Paulo (USP) – 132 lugar
Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) – 206 lugar
Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) – 271 lugar
Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) e Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) – 421-430*
Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) – 451-460
Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) – 471-480
Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) – 501-550
Pontificia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) – 551-600
Universidade de Brasília (UnB) – 551-600
Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) – 551-600
Universidade Federal da Bahia (Ufba) – 601 – 650
Pontificia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUC-RS) – 651-700
Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) – 651-700
Universidade Federal do Paraná (UFPR) – 651-700
Universidade do Estado do Rio de Janeiro (Uerj) – 701-800
Universidade Estadual de Londrina (UEL) – 701-800
Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) – 701-800
Universidade Federal de Viçosa (UFV) – 701-800
Universidade Federal do Ceará (UFC) – 701-800
Universidade Federal do Pernambuco (UFPE) – 701-800
Universidade Federal Fluminense (UFF) – 701-800

Redação O POVO Online