Os bastidores da queda de Fábio Barbosa no Santander

A ascensão de Marcial Portela coroa os erros em série do banco espanhol no Brasil, que trocou a “sustentabilidade” pelo lucro a qualquer preço

Dias atrás, o executivo Fabio Barbosa, até então presidente do Conselho de Administração do Santander, comentou com um amigo – a quem ajuda a traçar um plano de governo para a cidade de São Paulo – como estava o clima interno no banco Santander. – Não adianta encaminhar nada lá dentro, o ambiente está muito ruim.

Na condição de presidente do Conselho, Barbosa vinha tendo seu espaço minado pelo novo presidente, o espanhol Marcial Portela – e por isso começava a se dedicar a outras atividades, como a elaboração de um projeto político para São Paulo. Insatisfeito com a gestão de Portela, Fabio Barbosa buscou alternativas no mercado e está se recolocando como presidente-executivo do grupo Abril, que edita algumas das maiores revistas do Brasil, como Veja e Exame.

Com sua saída do Santander, o clima no banco é o pior possível.

Desconhecido no Brasil e com pouca habilidade política, Portela desembarcou com uma missão: aumentar os resultados e ampliar a transferência de lucros para a Espanha, que vive uma das maiores crises econômicas de sua história. Lá, por sinal, existe a ameaça de que o banco seja rebaixado pelas agências de classificação de risco – o que pode ocorrer também como o país ibérico. Para piorar, o controlador do banco, Emilio Botín, vem sendo investigado por fraudes fiscais e tributárias.

Marcial Portela, o presidente que substituiu Fábio Barbosa, é cria de Botín. E, curiosamente, chegou ao comando, no momento em que se discute uma multa de R$ 4 bilhões imposta pela Receita Federal ao banco espanhol, em função da contabilização do ágio na compra do Banespa – o Santander chegou a contratar os serviços da consultoria do ex-ministro Antonio Palocci, mas o problema não foi resolvido.

De certa maneira, a estratégia de gerar resultados a qualquer preço, implantada por Portela, rendeu frutos – ainda que de curto prazo. Os resultados gerados no Brasil já representam mais de 25% do ganho global do Santander no mundo. Mas a imagem do banco, sob a sua gestão, piorou muito. No dia 27 de julho deste ano, quando divulgou seu balanço semestral, o espanhol afirmou que os investidores teriam que ter paciência – e que, para quem não tivesse, o melhor seria investir em outra instituição. Só naquele dia, as ações do banco caíram 6%.

Desde que Portela assumiu o comando do banco, o desempenho das ações tem sido medíocre. No início do ano, as ações eram negociadas a quase R$ 22,00. No pregão desta terça-feira (23), fecharam a R$ 13,91. A queda em 12 meses é de 35,49% – duas vezes maior do que a do Ibovespa.

Erros em série

Esse estilo de gestão coroa uma série de erros do Santander no Brasil, que é o banco com o maior índice de reclamações de consumidores no Procon.

Fruto da aquisição de uma série de bancos, como o Noroeste, o Banespa e o Real, o Santander teve a chance de mudar sua imagem com Fábio Barbosa no comando.

Egresso do Real, Barbosa desenvolveu um discurso de responsabilidade social e sustentabilidade. Criou também uma campanha publicitária, com o mote “Vamos fazer juntos?”, e patrocinou iniciativas importantes, como as ações do Afroreggae, uma ONG que previne a violência, no Rio de Janeiro.

O primeiro grande erro do banco espanhol no Brasil foi abandonar a marca “Real”, que era apreciada pelos brasileiros, e substituí-la pela do Santander, que carrega os atributos negativos ligados à herança colonial ibérica.

Depois disso, o processo de integração tecnológica entre as agências do Real e do Santander foi um fiasco, tendo gerado inúmeras críticas de clientes.

Há dois anos, o banco também iludiu investidores no Brasil, ao fazer um IPO – um lançamento de ações – prometendo alocar os recursos no crescimento da operação no Brasil.

Hoje, sabe-se que o IPO foi feito no Brasil para aproveitar uma janela de oportunidade. Como havia muita liquidez financeira no Brasil, ao contrário do que ocorria na Europa, o IPO serviu apenas para captar recursos aqui e transferi-los à Espanha.

Fabio Barbosa estava descontente com a condução do banco. E, ao contrário do que dizem os comunicados formais do banco e da Abril, sua saída não foi fruto de uma escolha pessoal, mas dos erros em série cometidos pelo Santander no Brasil.

Fonte: Agência Estado

About these ads

2 opiniões sobre “Os bastidores da queda de Fábio Barbosa no Santander”

  1. Tive o prazer de conhecer o Sr. Fabio Barbosa pessoalmente..assim também como trabalhar no Banco ABN Amro Real em sua gestão…com certeza o grande mentor do ABN no Brasil foi o Sr. Fabio..assim também quando assumiu o Santander os gerentes gerais do Santander.assim como eu do ABN compravam suas idéias de sustentabilidade e crescimento ordenado com base em respeito aos funcionários..clientes..e fornecedores…realmente com a administração do Santander tudo isso se tornou insustentável…infelizmente.

  2. Eu tive o privilegio de trabalhar 12 anos no Banco Real, em diversas agências, o Dr. Aloísio de Faria era um senhor presidente e administrador….que nunca deixou de pensar em seus funcionários apesar de ser um capitalista.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s