Ministro da Justiça recebe vigilantes e defende adicional de 30% de risco de vida

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, recebeu em audiência na tarde de terça-feira, dia 12, uma delegação de diretores da Confederação Nacional dos Trabalhadores Vigilantes (CNTV), em Brasília. Ele disse que vai trabalhar, junto à base governista no Congresso Nacional, para que os projetos de lei que fixam o adicional de 30% de risco de vida para os vigilantes seja votado o mais breve possível.

De acordo com o secretário de assuntos parlamentares da CNTV e agora deputado distrital Chico Vigilante, que participou da audiência, Cardozo reconheceu que os salários dos vigilantes brasileiros “são muito baixos”.

Chico informou ainda que o ministro delegou ao secretário executivo do Ministério, o ex-ministro Luiz Paulo Barreto, a tarefa de negociar com a categoria uma proposta para o Estatuto dos Vigilantes. Cardozo afirmou também que, quando o projeto final for encaminhado ao Congresso, deverá ser analisado em regime de urgência, para acelerar a tramitação.

O presidente da CNTV, José Boaventura Santos, destacou que no encontro os vigilantes aproveitaram para discutir questões essenciais para a categoria, como o combate à atividade clandestina, a preparação dos profissionais para a Copa do Mundo de 2014 e a adoção de medidas capazes de evitar os crimes conhecidos como “saidinha de banco”, que impliquem a participação dos bancos na adoção e implementação de medidas efetivas de segurança.

Fonte: Contraf-CUT com CNTV

Caixa abre inscrições para bolsa de incentivo à pós-graduação 2011

A Caixa Econômica Federal abriu inscrições para o incentivo à pós-graduação 2011 na modalidade lato sensu. Os empregados interessados em receber o incentivo devem realizar manifestação de interesse através da página da Universidade Caixa até o dia 20 de abril. A oferta de cursos para aperfeiçoamento profissional é uma conquista da campanha nacional dos trabalhadores da empresa de 2010.

O acordo firmado com a Caixa previu a ampliação do número de bolsas de graduação de 4,6 mil para 5 mil. As bolsas de idiomas deverão ser ampliadas de 2,6 mil para três mil, priorizando as unidades localizadas em fronteira e nas cidades-sede da Copa 2014.

O processo de seleção é baseado em alguns critérios, como tempo de Caixa, se o empregado possui ou não curso de pós-graduação realizado por iniciativa própria, função gratificada exercida, relevância do curso para a vice-presidência ou superintendência a qual o candidato está vinculado e também a importância do tema do projeto para a unidade de vinculação do empregado.

Antes de realizar a inscrição, o candidato deve ter um pré-projeto de sua monografia, que será apreciado por sua vice-presidência de vinculação de acordo com sua relevância e interesse.

A Caixa financia até 70% do valor do curso, sendo que o restante deve ser custeado pelo empregado. Mais informações constam do RH 186, que regulamenta o assunto.

Exigências

O empregado deve ter um ano de efetivo exercício na Caixa, não estar cursando outra pós-graduação com incentivo da Caixa e a instituição de ensino superior deve ser credenciada pelo MEC para cursos de graduação.

Cronograma
Análise de requisitos e impedimentos acontecerá de 25 a 27 de abril, envio dos projetos pré-classificados às Vice-Presidências – 28 de abril, divulgação dos projetos selecionados – 6 de maio e apresentação da documentação pelos selecionados- 7 de maio.

Fonte: Contraf-CUT com Fenae

Apesar do lucro recorde em 2010, Itaú Unibanco demite trabalhadores

A Contraf-CUT denuncia que funcionários do Itaú Unibanco que trabalham como caixas e gerentes operacionais estão sendo demitidos em diversas regiões do país. A eliminação dos empregos ocorre mesmo com o compromisso assumido pelo banco após a aquisição do Unibanco de que não haveria demissões no processo de fusão.

“Como se não bastasse a quebra da palavra empenhada, a dispensa de trabalhadores acontece depois que a instituição atingiu em 2010 o lucro recorde de R$ 13,3 bilhões, o maior da história dos bancos brasileiros”, afirma o funcionário do Itaú e presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.

Negociação nesta quinta

O assunto será levado para a negociação com o banco que ocorre nesta quinta-feira, dia 14, às 10h, em São Paulo, entre a Contraf-CUT, federações e sindicatos, quando será retomada a discussão sobre o reajuste unilateral de até 24,61% no convênio médico ocorrido em março.

Reunião da COE Itaú Unibanco

Para preparar a negociação, a Contraf-CUT reúne nesta quarta-feira, dia 13, a Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Itaú Unibanco, na sede do Sindicato dos Bancários de São Paulo.

Os debates também envolvem questões ligadas aos bancários egressos do Unibanco, em especial questões de previdência complementar e o papel dos institutos de benefícios do banco, como o IJMS e o IAPP.

Mobilização contra demissões

Após a negociação com o banco, a Contraf-CUT reúne novamente os integrantes da COE Itaú Unibanco para avaliar o resultado do diálogo e discutir um plano de mobilização para denunciar as demissões aos clientes e à sociedade e exigir garantia de emprego e respeito aos trabalhadores.

“A diretoria do Itaú Unibanco deixou claro que não ocorreriam demissões, mas o fato é que até mesmo bancários premiados no programa Agir perderam seus empregos, o que evidencia o desrespeito do banco com seus trabalhadores”, ressalta Carlos Cordeiro.

Fonte: Contraf-CUT

Caixa empossa 33 novos empregados para Ceará, Maranhão, Piauí, Pará e Amapá

A Caixa Econômica Federal empossou na última sexta-feira, dia 8/4, um total de 33 novos empregados, sendo 14 para o Ceará, cinco para o Maranhão, dois para o Piauí, além de bancários para o Amapá e Pará.

A diretoria do Sindicato, representada pelo presidente Carlos Eduardo Bezerra e os diretores Bosco Mota, Marcos Saraiva, Ricardo Dantas e José Eduardo, esteve presente e saudou os novos empregados, falando da importância da sindicalização e das conquistas dos bancários nos últimos anos.

(SEEB/CE)

Bancários do Ceará aprovam, por unanimidade, a implantação da CCP/Banco do Brasil

Os participantes da assembleia realizada no dia 7/4, na sede do Sindicato dos Bancários do Ceará, aprovaram, por unanimidade, a adesão do SEEB/CE ao acordo que estabelece as Comissões de Conciliação Prévia (CCP).

Após quase dois anos de negociações, a Contraf-CUT assinou dia 23/3, em Brasília, o acordo para instalação das Comissões. Os sindicatos que deliberarem pela aprovação do acordo devem enviar procuração específica para a Confederação, referendando a aceitação.

“Como nós já temos experiência na instalação das Comissões de Conciliação Prévia (CCPs), inclusive dispondo de um sistema interno, acredito que tão logo o acordo seja referendado pela Contraf, iremos iniciar nossos trabalhos no Ceará. Esse deve ser um processo rápido, mas informaremos a todos através de nossos meios de comunicação”, esclarece Carlos Eduardo Bezerra, presidente do Sindicato e funcionário do BB.

O ACORDO – O principal avanço conquistado nas negociações diz respeito à forma de cálculo das indenizações requeridas pelo trabalhador. No modelo antigo, o banco definia um paradigma e deixava de especificar o montante destinado a cada item quitado. A partir de agora, o banco fará os cálculos caso a caso e definirá valores específicos para cada item solicitado pelo trabalhador.

Do ponto de vista formal, o acordo assinado pouco difere do anterior. O grande avanço está na forma como o banco passará a conduzir as solicitações de cada ex-trabalhador.

Os representantes da Contraf-CUT propuseram ao banco a avaliação das conciliações efetivadas, com o objetivo de mitigar os atentados contra o direito dos trabalhadores que venham a acontecer durante a vigência do contrato. O banco considerou a proposta positiva e o tema será discutido posteriormente para definir a melhor forma de implantação.

(SEEB/CE)

Banco do Brasil empossa 52 novos empregados no Ceará

O Sindicato dos Bancários do Ceará esteve presente em mais uma cerimônia de posse do Banco do Brasil quando foram empossados 52 novos bancários, sendo apenas um para o Piauí e os demais para o Ceará (capital e interior).

O presidente do Sindicato, Carlos Eduardo Bezerra, lembrou que a contratação de dez mil novos bancários para o BB foi uma importante conquista da Campanha Salarial de 2009. Ele enfatizou ainda as principais conquistas das últimas campanhas e falou da importância da sindicalização. Participaram também da posse os diretores do SEEB/CE, Bosco Mota, José Eduardo, Gustavo Tabatinga e Plauto Macedo.

(SEEB/CE)

SEEB/CE realiza ato na CEF contra empregado fantasma

O Sindicato dos Bancários do Ceará realizou manifestação na última sexta-feira, dia 8/4, na Praça do Ferreira e no Edifício-sede da Caixa Econômica Federal para, com reuniões junto à sociedade e empregados da Caixa, voltar a exigir por parte da direção do banco, esclarecimentos a respeito da denúncia apresentada dia 12/1 à Comissão de Ética, que envolvia o ex-superintendente da entidade Allan Pires Aguiar, que por informação dos empregados da própria empresa, se encontrava ausente desde 2007, mas percebendo salários e direitos de empregados como se estivesse exercendo normalmente a sua função.

No mais autêntico estilo do humor cearense, durante a manifestação, foi feita uma lavagem da calçada da agência Praça do Ferreira e da rampa de acesso ao Edifício-sede, com a presença de baianas, de um pai de santo, de um padre exorcista e de um fantasma, que tinham a missão de traduzir para a sociedade o que de fato acontece internamente na Caixa.

Na ocasião, o presidente do Sindicato dos Bancários, Carlos Eduardo Bezerra, cobrou providências urgentes por parte da direção da Caixa Econômica. “Vivemos um momento diferente na sociedade brasileira e precisamos exorcizar qualquer empregado fantasma da entidade para que a Caixa seja vista com o devido respeito que merece pela sociedade brasileira”, disse.

O ex-superintendente Allan Pires, o empregado da Caixa mais bem pago no Ceará, participou da gestão Lúcio Alcântara e ao final de 2006 teve seu ponto batido todos os dias, fazendo os cursos obrigatórios da empresa. Como? Ninguém sabe. “Ele estava lotado na Superintendência e nós sempre dissemos que o conjunto daquela superintendência, Fortaleza Sul, tinha pleno conhecimento disso. Então, não só denunciamos o Allan Pires Aguiar, mas toda a superintendência que permitiu que ocorresse tal fato. Isso desonra os empregados da Caixa”, afirmou o presidente da APCEF, Áureo Júnior.

A direção do Sindicato apurou que, após a cobrança da entidade à direção da Caixa, houve o retorno do bancário, que está destacado, na Agência da avenida Oliveira Paiva, isento de bater o ponto.

(Portal Bancários Ceará)

Pão de Côco, prato tradicional da Semana Santa no Ceará

No Ceará, o costume da Semana Santa também leva às mesas um item indispensável. E não é de chocolate.

É um hábito cearense que se reflete num dos principais símbolos da Páscoa. O pão, com massa misturada ao côco ralado, está nas mesas e na troca de presentes.

“Faz sempre uma cestinha e coloca o vinho, o pão de côco, o chocolate”, conta a culinarista Nilca Correa Cabral.

“Enquanto tão falando na Semana Santa já tô procurando o pão de côco”, diz o aposentado Francisco Cabral.

Na Semana Santa o pão de côco se torna o principal produto das padarias do Ceará. Em uma delas, 200 quilos são feitos num único dia: quase o dobro da quantidade de pão francês.

Quem é de fora acaba conhecendo o produto.

“Acho que, sendo do Ceará, deve ser espetacular. Vou experimentar o pão de côco”, comenta e engenheiro Eduardo Coelho Rocha.

“As pessoas oferecem para seus funcionários, oferecem para pessoas carentes, então é até como uma forma de substituir o ovo de páscoa”, lembra o dono de padaria Eduardo Aragão.

Com tanta procura uma fábrica que, no resto do ano, produz 300 pães de côco por semana, agora, faz até cinco mil por dia. Para dar conta é preciso diminuir a produção de salgadinhos e de outros tipos de pães.

“Remanejam o pessoal, tirando de uma produção, botando para outra; que é para acompanhar a demanda do pão de côco”, explica o gerente de produção Antônio Almeida.

Na família Mourão comer o pão de côco é quase um ritual. Esta vai ser a segunda páscoa de Sophia, a caçula da família, que já está aprendendo a dividir o pão e a tradição.

“Ele nos remete à Santa Ceia e o brasileiro, em espacial o cearense, muito inteligente, pegou um fruto típico do Ceará, um fruto típico do Nordeste, que é o côco, e adequou à nossa realidade”, conta a estudante Adriana Grion.

(Jornal Nacional)

Da religião aos ovos de chocolate, a história da Páscoa até os dias de hoje

Que coelhos e ovos são elementos simbólicos importantes, todo mundo já sabe, mas a Páscoa representa muito mais do que isso. Essencialmente religiosa, a festa celebra a ressurreição de Jesus Cristo e, por isso, é, junto com o Natal, o dia santo mais importante para os cristãos. Provavelmente agora você lembrou também das missas, procissões e encenações da Paixão e Morte de Cristo, rituais religiosos que marcam a Semana Santa.

Mas embora estes sejam rituais do Cristianismo, muitos dos costumes que ainda hoje fazem parte das celebrações da Páscoa têm origem no Pessach, a Páscoa Judaica, e também em festivais pagãos realizados na Europa. Mas como a ressurreição de Cristo, que representa a reunificação do espírito e do corpo do filho de Deus, tem relação com essas outras celebrações? Para entender é preciso conhecer melhor a história destes povos e suas festas e crenças.

O Pessach, uma das mais importantes festas do calendário judaico, é uma celebração que se estende por oito dias e comemora a libertação dos judeus que trabalhavam como escravos no Egito, fato que ocorreu durante o reinado do faraó Ramsés II. Para os judeus, a Páscoa significa passagem. Semelhança no nome, no sentido – como para os cristãos é a celebração de uma nova vida, não deixa de ser uma passagem – e também nos fatos e nas datas.

Judeu, Jesus Cristo respeitava os costumes de sua religião e a Última Ceia partilhada com seus discípulos acredita-se ter sido um Seder de Pessach – refeição ritual parte da festividade judaica. Mesmo o Evangelho de João, que propõe uma cronologia distinta, associa a Última Ceia ao Pessach. Segundo ele, teria acontecido um pouco antes desta festividade.

Diz São Paulo: “Purificai-vos do velho fermento, para que sejais massa nova, porque sois pães ázimos, porquanto Cristo, nossa Páscoa, foi imolado.” (1Co. 5:7). Jesus Cristo é tido como o Cordeiro de Deus que foi imolado para salvação e libertação de todos os pecados e, por isso, Deus teria designado sua morte exatamente no dia da Páscoa Judaica para criar o paralelo entre a aliança antiga, no sangue do cordeiro imolado, e a nova aliança, no sangue do próprio Jesus imolado.

Uma data móvel

Voltando ao calendário, talvez você não saiba o porquê, mas certamente já se perguntou qual a razão para a data da Páscoa mudar de ano para ano. Embora seja a celebração de um fato específico – a ressurreição de Cristo – até o ano 325 não havia uma data específica para as comemorações da Semana Santa. A definição foi uma iniciativa do Imperador Constantino I, que sugeriu que o Papa Gregório XIII aproveitasse um encontro de líderes religiosos em Nicéia (atual Turquia) para fixar uma data oficial de comemoração.

Durante o Concílio de Nicéia houve a primeira tentativa, mas só no século XVI – com a adoção do calendário gregoriano – as dificuldades de se precisar a data da Páscoa foram amenizadas. Ficou definido que a Páscoa seria celebrada no primeiro domingo após a primeira lua cheia que ocorre depois do equinócio da primavera no Hemisfério Norte (outono no Hemisfério Sul), entre 22 de março e 25 de abril. E é justamente esta definição que leva às festas pagãs na Europa, a outra influência nos rituais de Páscoa.

Na antiguidade, para os povos que lá viviam, o fim do inverno e o começo da primavera era motivo de comemoração. Como não havia estrutura para enfrentar o inverno rigoroso, a estação era marcada pela escassez de alimentos e por inúmeras mortes, enquanto a primavera representava o renascer da vida. Por tudo isso, cultuava-se Eostre, deusa da primavera. Em homenagem a ela eram realizadas festa na primeira lua cheia da estação. Acredita-se, inclusive, que, com a evolução da língua, Eoster tornou-se easter e ostern, palavras escolhidas, em inglês e alemão, respectivamente, para dar nome à Páscoa.

O início da vida

Se o dia muda a cada ano, será que o sentido da Páscoa tem mudado ao longo dos anos? Os corredores de supermercado abarrotados de ovos costumam levantar a questão: será que a celebração religiosa da data foi relegada a um segundo plano? Não exatamente. Os símbolos de Páscoa que abrem este texto (ovos de chocolate e coelhos) representam, mais do que o consumismo moderno desenfreado, a própria origem da data.

A tradição de oferecer ovos veio da China. Séculos atrás os orientais se preocupavam em envolver ovos naturais em cascas de cebola, cozinhando-os com beterraba. Dessa forma, ao serem retirados da água quente eles apresentavam desenhos nas cascas. O costume de presentear ovos chegou ao Egito e à Pérsia e as pessoas passaram a tingir os ovos para presentear amigos nas festas da primavera. O presente simbolizava o início da vida.

Um ritual importante ocorria no equinócio da primavera na Europa, onde os participantes pintavam e decoravam ovos (símbolo da fertilidade) e os escondiam e enterravam em tocas nos campos. Após a conversão dos pagãos germânicos, estes resquícios culturais da festividade de primavera em honra de Eostre foram assimilados às celebrações cristãs.

Ainda hoje, em vários países europeus, existe a crença de que comer ovos no domingo de Páscoa traz saúde e sorte durante todo o resto do ano. Já o hábito de trocar ovos de chocolate é mais recente. Surgiu na no século XVIII, quando confeiteiros franceses tiveram a ideia de fazer os ovos com chocolate – iguaria que aparecera apenas dois séculos antes na Europa, vinda da então recém-descoberta América.

Fertilidade

A origem da imagem do coelho na Páscoa está ligada à fertilidade, já que é um animal que costuma ter grande prole. No antigo Egito, o coelho simbolizava o nascimento e a nova vida. Alguns povos da Antiguidade o consideravam o símbolo da lua. É possível que ele se tenha tornado símbolo pascal devido ao fato de a lua determinar a data da Páscoa. A tradição do coelho da Páscoa foi trazida à América por imigrantes alemães em meados de 1700. Diz a lenda que uma mulher pobre, que não tinha como presentear seus filhos no domingo de Páscoa, cozinhou, pintou e colocou ovos de galinha dentro de um ninho escondido no quintal. Quando as crianças encontraram os ovos, um coelho apareceu por perto e fugiu.

Existem ainda alguns símbolos que marcam a comemoração da Páscoa e que têm significados essencialmente religiosos, como a Colomba Pascal. O pão em formato de uma pomba, criado por um confeiteiro do Norte na Itália, representa a vinda do Espírito Santo sobre os povos cristãos e é um símbolo de paz. E, afinal, independente das iguarias servidas, das brincadeiras feitas ou dos rituais religiosos seguidos, a paz está intrinsecamente presente nos votos de feliz Páscoa. A propósito, feliz Páscoa para você!

DATAS MÓVEIS QUE DEPENDEM DA PÁSCOA:

Terça-Feira de Carnaval – 47 dias antes da Páscoa

Quaresma – inicia na Quarta-feira de Cinzas e termina no Domingo de Ramos (uma semana antes da Páscoa)

Domingo de Ramos – uma semana antes da Páscoa

Ascensão do Senhor – o sexto domingo após a Páscoa

Pentecostes – sétimo domingo após a Páscoa

Santíssima Trindade – domingo após o Pentecostes

Corpus Christi – a quinta-feira imediatamente após o domingo da Santíssima Trindade

 

(Portal Conexão Professor)

Semana Santa: Significados, religiosidade e tradição

Durante a Semana Santa acontece a celebração do maior acontecimento da história dos cristãos – a História da Salvação, quando é revivido o grande drama da Paixão, morte e Ressurreição de Jesus. Essa celebração se inicia no Domingo de Ramos e tem seu ápice no Domingo de Páscoa.
Domingo de Ramos
……O Domingo de Ramos abre a Semana Santa, lembrando as Palmas que festejaram a entrada de Jesus em Jerusalém, no povoado de Betfagé, próximo ao Monte das Oliveiras e é recebido e aclamado como Rei, com o Messias. Muitas pessoas gritavam: “Bendito o que vem, como Rei, em nome do Senhor. Paz na terra e glória a Deus nas alturas”. (Evangelho de São Mateus – Mt, capítulo 21, versículos 1-11; Evangelho de São Marcos – Mc, capítulo 11, versículos 1-11, Evangelho de São Lucas – Lc, capítulo 19, versículos 28-40 e Evangelho de São João – Jo, capítulo 12, versículos 12-19)
Quinta-feira Santa
……Na quinta-feira, recordam-se dois importantes acontecimentos. O primeiro, quando o Senhor Jesus dá uma das maiores demonstrações de humildade e da sua vocação de servir ao mundo, se ajoelhando e lavando os pés dos seus discípulos. Depois, o acontecimento cuja repetição se transformou no sacramento da eucaristia, quando naquela noite, durante a última ceia com seus apóstolos, Cristo, sabendo o sofrimento que o esperava, se entrega aos seus discípulos, em corpo e sangue, simbolizados por um pedaço de pão e em um cálice vinho, como uma forma de despedida. É também nessa noite, que Jesus profetiza a traição de Judas e a negação de Pedro sem, no entanto, dizer quem serão os autores desses dois atos. (Mc 14. 22-26, Mt 26. 26-30, Lc 22. 15-20)
Sexta-feira Santa
……Na Sexta-feira Santa revivemos o sofrimento e a morte de Cristo no Calvário.
……Agora, traído por Judas que O entrega aos soldados romanos por 30 moedas de prata, sob a acusação de subversão e de perturbação da ordem, Jesus é abandonado, por seus discípulos e três vezes negado por Pedro.
……Então se seguem uma série de humilhações e maus tratos até o Seu julgamento por Pilatos e depois por Herodes, que acaba por condena-Lo à morte, atendendo ao clamor do povo que exige que soltem Barrabás, um ladrão, e crucifiquem Jesus.
……Conforme relata a Bíblia, mais ou menos ao meio dia da sexta-feira, o sol pára de brilhar, a escuridão cobre a terra até às três horas da tarde. Então, Jesus grita – “Pai, me tuas mãos entrego o meu espírito”. Dizendo isso Jesus morreu. (Mc 15. 33-41, Mt 26. 44-75 e 27. 1-66, Lc 22 e 23, Jô 18 e 19)
……O corpo de Jesus foi pedido à Pilatos por José, da cidade de Arimatéia, um senhor influente na região. José de Arimatéia enrolou Jesus em um lençol de linho e O sepultou num túmulo cavado em uma rocha, jamais usado por ninguém. Maria Madalena e Maria mãe de Jesus assistiram a tudo isso.
……Na sexta-feira não há missa em nenhum lugar do mundo. O altar da Igreja fica iluminado sem mantel, sem cruz, sem velas nem adornos.
Sábado de Aleluia
……O Sábado de Aleluia é um dia de reflexão, pois para os judeus, já naquela época, era um dia de descanso e todos ficaram em casa refletindo sobre o acontecido.
……Popularmente, no Sábado de Aleluia costuma-se fazer a Malhação de Judas. Esse costume foi trazido pelos portugueses e espanhóis para toda a América Latina,e ainda é comum no Brasil. Bonecos de palha ou de pano são pendurados em postes de iluminação pública e galhos de árvores na noite da Sexta-Feira Santa, e depois são rasgados e queimados ao meio dia do Sábado de Aleluia.
……Em Judas são personalizadas as forças do mal que são destruídas e queimadas junto com o boneco. É costume antigo fazer-se o julgamento de Judas, sua condenação e execução. Antes do suplício, alguém lê o “testamento” de Judas, em versos, colocado especialmente no bolso do boneco. O testamento é uma sátira das pessoas e coisas locais.
……Judas era chamado de Iscariotes por ser de Carioth, uma cidade ao Sul de Judá. Na verdade ele já tinha perdido a fé no Mestre, um ano antes de Sua Paixão, mas por comodidade e para desfrutar do que ofereciam aos apóstolos continuava a acompanhá-lo. Obcecado pelo dinheiro, antes de se afastar de Cristo, resolveu entender-se com os sinedritas – membros do Sinédrio, conselho supremo dos judeus. Mesmo tendo ouvido Jesus predizer sua tradição durante a última ceia, Judas não deixou de entregar Jesus aos inimigos e receber 30 dinheiros. Depois, arrependido, quis devolver o dinheiro, mas, foi enxotado pelos sacerdotes, e acabou enforcou-se numa corda.
Domingo de Páscoa
……Foi no domingo, logo cedo, que Maria Madalena, Joana e Maria, mãe de Tiago, foram visitar o túmulo, levando óleos e perfumes para ungir o corpo de Cristo, quando encontraram a pedra que fechava a entrada retirada. Então, receberam o aviso da Ressurreição de Cristo, que, como estava escrito, passou da morte para a vida. A partir desse momento a Páscoa passou a ter um novo significado e a simbolizar uma nova oportunidade para todos nós. (Lc 24. 1-12. Mc 16. 1-8, Mt 28. 1-10 e Jô. 20 1-10)
(Portal Mulher de Classe)

Páscoa: Origem, significado, simbolos e tradições

jesus e crianças

ORIGEM E SIGNIFICADO DA PÁSCOA

……A origem da celebração da Páscoa está na história judaica relatada na Bíblia, no livro chamado “Êxodo”. Êxodo significa saída, e é exatamente a saída dos judeus do Egito que esse livro relata.

Quando Ramsés II, rei do Egito, subiu ao trono, apavorou-se com o crescimento do povo de Israel, achando que esse crescimento colocava em risco o seu poder. Essa preocupação, deu início a uma série de ordens e obras levaram os judeus a um período de grande sofrimento.

……Conta a Bíblia que Deus, vendo o que se passava com seu povo, escolheu Moisés para tirá-los dessa situação, dando a ele os poderes necessários para o cumprimento da missão. Na semana em que o povo de Israel iniciou sua jornada para sair do Egito, Deus ordenou que só comessem só pão sem fermento e no último dia, quando finalmente estariam fora do Egito seria comemorada a primeira Páscoa, sendo esse procedimento celebrado de geração em geração.

……Essa celebração recebeu o nome de Pessach, que em judaico significapassagem, nesse caso da escravidão à liberdade. Daí surgiu a palavra Páscoa.

……Jesus Cristo deu novo significado à Páscoa. Ele trouxe a “boa-nova”, esperança de uma vida melhor, trouxe a receita para que o povo se libertasse dos sofrimentos e das maldades praticadas naquela época.

……A morte de Jesus Cristo representa o fim dos tormentos. A sua ressurreição simboliza o início de uma vida nova, iluminada e regrada pelos preceitos de Deus.

……O domingo de Páscoa marca a passagem da morte para a vida, das trevas para a luz.

……Hoje, o domingo de Páscoa representa uma oportunidade de fazermos uma retrospectiva em nossas vidas, e estabelecermos um ponto de recomeço, de sermos melhores, de sairmos do “Egito”.

A DATA DA PÁSCOA

pascoa-simbolos-img1

……A Páscoa é comemorada no domingo seguinte à primeira lua cheia da primavera, ou seja, depois de 21 de março. Por isso, a celebração ocorre sempre entre 22 de março e 24 de abril. A partir dessa data, é que fica estabelecido o período de 46 dias, conhecido como Quaresma, que vai da Quarta-Feira de Cinzas até o Domingo de Páscoa.

……A celebração da Páscoa dura cerca de 50 dias. Tem início no Domingo da Ressurreição e se estende até o fim de Pentecostes, quando se relembra a descida do Espírito Santo sobre os Apóstolos, sob a forma de línguas de fogo.

SÍMBOLOS PASCAIS

Ovos
……Os ovos guardam em si a imagem de uma nova vida, por isso foram adotados como símbolo de renovação. Costumavam ser oferecidos em muitas civilizações como presentes. No Antigo Egito e na Pérsia, por exemplo, eram pintados em tons primaveris. Na China, antes mesmo do nascimento de Cristo já se presenteava com ovos de pata pintados em cores vivas. Na Europa católica do século XVIII, ovos coloridos passaram a ser benzidos pelos cristãos e oferecidos aos fiéis.

……Na Polônia e na Ucrânia, essa tradição foi levada muito a sério. Edward I registra em 1290 a despesa de compra de milhares de ovos para serem distribuídos às pessoas de sua corte. No século XVII, o Papa Paulo V abençoou um simples ovo a ser usado na Inglaterra, Escócia e Irlanda. Na Alemanha, é antigo o costume de dar ovos de Páscoa às crianças, junto com outros presentes.

……Em partes da Europa, as tribos tinham uma forma abreviada de chamar Eostre, a deusa da Primavera, e que começou a ser usada para descrever a direção do nascente – Leste. Daí a palavra Easter. ……As primeiras cestas de Páscoa se assemelhavam aos ninhos de pássaros. Antes, as pessoas colocavam os ovos nos ninhos em honra da deusa Eostre.

……Com o passar do tempo, passaram a ser confeitados e é aí que entra o chocolate.

Chocolate

……O chocolate, que por muito tempo foi servido como bebida, viu sua indústria se desenvolver bastante na Inglaterra do século XIX. ……Foi nessa época que apareceu o ovo de chocolate. A partir daí, rapidamente se espalhou pelos mercados europeus e depois pelo mundo.

Coelho

……O coelho de Páscoa é uma atualização do antigo símbolo pascoalino, a lebre (parente do coelho), considerada sagrada para a deusa Eostre. No século XVIII, colonizadores alemães levaram para os Estados Unidos a idéia dos coelhos de Páscoa.

……Uma duquesa alemã, ao dizer que os brilhantes ovos de Páscoa tinham sido deixados pelos coelhos para as crianças, deu origem ao costume de fazer com que as crianças os encontrasse no dia de Páscoa.

Pomba

……A Pomba ou “Colomba” pascal, pão doce e enfeitado com a forma de ave, também é um símbolo cristão. A forma de pomba era usada nos antigos sacrários, onde se guardava a Eucaristia. Atualmente, passou também a ser usada no pão doce que costuma ser compartilhado, na Europa, especialmente na Itália, no café da manhã de Páscoa e da “Pasquetta” ou Pascoela, como é chamada no Brasil a segunda-feira após a Páscoa.

TRADIÇÕES

……No Canadá as crianças acreditam que o coelho da Páscoa lhes trará ovos coloridos, normalmente confeitados. Todos compram roupas novas, preparam refeições especiais e participam de celebrações religiosas.

……Na Alemanha e da Áustria os ovos verdes eram usados na Quinta-feira Santa. Os eslavos usavam decorações douradas e prateadas em seus ovos. Os armênios costumam decorar os ovos vazios com imagens de Cristo, da Virgem Maria e outras imagens religiosas.

BRUXAS

……Na Suécia, os rituais são parecidos com os nossos, inclusive o Domingo de Ramos, marcando a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, recebido com ramos de palmeiras. Porém, há também uma superstição sobre as bruxas. Dizem que elas ficam mais poderosas nessa semana e voam em suas vassouras para se juntar ao demônio num lugar chamado “Blakulla”, voltando no Sábado de Aleluia. Por isso, na manhã de Páscoa, as pessoas evitam acender suas lareiras, porque as bruxas de Páscoa podem ter deixado algum feitiço sobre as chaminés. Quando o fazem, para se assegurarem de que os feitiços serão desfeitos, queimam nove tipos diferentes de árvores antigas.

……Também são comuns cruzes e outros símbolos sacros nas portas, tiros para o céu e outras práticas anti-bruxas.

(Portal Mulher de Classe)

Francês inventa banheiro portátil para ser usado em desastres naturais

Depois de terem inventado o bidê e popularizado os banheiros públicos, os franceses criam agora os banheiros portáteis ecológicos.

O protótipo é uma das criações apresentadas no 39º Salão Internacional das Invenções de Genebra, na Suíça.

Veja algumas invenções

Leves e fáceis de serem instalados, os banheiros biodegradáveis nasceram da mente do inventor francês Laurent Helewa, pouco depois da passagem do furacão Katrina, em 2005, pela Louisiana e por Nova Orleans.

Helewa, médico de formação, lamenta que os banheiros sejam “um tema um pouco tabu”, mesmo sendo “necessários para desastres naturais”, explicou à AFP.

Como na Louisiana, ou, mais recentemente, após os terremotos devastadores no Japão (2011) e no Haiti (2010), um dos principais problemas é “o acesso aos banheiros”. Sem eles, “as pessoas fazem [suas necessidades] em qualquer lugar e isso gera epidemias de cólera”, acrescentou o francês.

URINA CONGELADA

Para responder a esses riscos, o inventor desenvolveu uma cabine biodegradável que pesa apenas dois quilos. Em um minuto, o artefato se transforma em um assento dotado de um saco plástico.

No fundo do assento há um sistema simples para absorver e congelar líquidos como a urina, limitando os riscos de contaminação.

Uma versão mais robusta também existe com um assento que resiste a um peso de 200 quilos durante 20 horas.

Esse último modelo foi testado por quatro Exércitos, assegura Mayer, que espera que sua invenção contribua para a melhoria das condições sanitárias de milhares de pessoas vulneráveis no mundo.

Os banheiros patenteados também são destinados aos amantes de expedições, explicou o inventor.

Expostos em Genebra pela primeira vez, os banheiros estão entre as mais de mil inovações no evento considerado o maior do mundo, por número de expositores (765), de países representados (45) e de visitantes (60 mil esperados em cinco dias).

Entre as invenções apresentadas neste ano, está um sistema de troca do solado de sapatos que permite as mulheres parafusar e desparafusar os saltos sem muito esforço, podendo escolher a altura apropriada para cada momento.

Quatro inventores da Espanha apresentarão um bracelete que vibra para que os doentes não se esqueçam de tomar seus medicamentos.

Dois inventores suíços desenvolveram um carrinho de supermercado com a parte da frente que se abre, permitindo retirar as compras com mais facilidade.

(Folha Online)

Saiba quais são os ‘tons-tendência’ de cabelo para o inverno

Se no verão o que faz a cabeça da mulherada são as mechas californianas, os “beijos de sol” e os loiros em geral, no inverno, a tendência é sempre dar uma escurecida nos cabelos, buscando tons mais uniformes.

Brasileira está brincando mais com cores e cortes de cabelos

A próxima temporada não foge à regra. “Sempre optamos por cores mais fechadas no frio, como o loiro avelã, o chocolate e o mel”, diz o cabeleireiro Paulo Cesar Schettini, do salão MG Hair, em São Paulo. A exceção, na paleta de tendências invernais, é o loiro acinzentado, que pode ser claríssimo ou levemente dourado.

Mas nada de cabelo monocromático. “A ideia nunca é ter um cabelo compacto, com uma só cor por igual. As técnicas de luzes continuam, mas no inverno elas são muito mais sutis, com um resultado mais natural”, afirma Schettini.

O cabeleireiro Claus Borges, do salão 1838, em São Paulo, concorda: “As mechas são fininhas, feitas com pinceladas diagonais, para dar um reflexo apenas”. As cores vão do loiro claro aos castanhos, passando pelo ruivo brilhante, pelo chocolate e pelo loiro avelã. Todas iluminadas com mechas finas com, no máximo, três tons de diferença.

ASSIMETRIA E LUZ

Carlos Cecconello/Folhapress
Assimetria e luz
Assimetria e luz

O loiro avelã ganhou uma leve iluminação dourada, que só fica evidente sob o sol. O corte, um chanel curto com a nunca bem alta e a franja irregular, é versátil: pode ficar todo para trás, estilo joãozinho, com a franja para a frente e as laterais atrás da orelha ou todo para a frente, evidenciando a assimetria. “Dá pra começar o dia de um jeito e terminar de outro”, sugere Paulo César Schettini (MG Hair).

UNIFORMIDADE LOIRA

Carlos Cecconello/Folhapress
Uniformidade loira
Uniformidade loira

No cabelo naturalmente loiro, foram feitos reflexos de dois tons: “milk” e dourado suave. As mechas são bem fininhas, distribuídas uniformemente no comprimento. “As pontas têm a mesma cor do comprimento, o que dá naturalidade à técnica”, diz Schettini. O corte no ombro é uma das tendências mais fortes do inverno. A base é quadrada, e o desafio começa abaixo do queixo. A franja é longa, dando a impressão de um fio reto, mas também funcionaria bem uma franja curta ou em diagonal.

CABEÇA DE DIVA

Carlos Cecconello/Folhapress
Cabeça de diva
Cabeça de diva

O castanho claro recebeu mechas em dois tons de mel, além de um dourado sutil nas pontas. O corte em camadas, mais longo, é na medida para a brasileira. “Mas o comprimento ideal não passa da linha do peito.” As pontas são levemente desfiadas e a franja, longa, é cortada na diagonal. O penteado de diva foi feito com babyliss formando ondas, e é dos mais vistos nas passarelas das semanas de moda.

CACHOS DE COBRE

Carlos Cecconello/Folhapress
Cachos de cobre
Cachos de cobre

O ruivo é presença garantida no clima frio. Isso porque a pele bronzeada não fica bem com tons avermelhados. “Neste look, o ruivo ganhou pontas levemente douradas, para ficar bem natural”, diz Schettini. O corte é reto, com um desfiado muito sutil nas pontas, para não armar ainda mais o cabelo naturalmente volumoso. Quem não segurar o vermelhão pode investir em marrom avermelhado ou loiro acobreado.

(Folha Online)

Demóstenes Neves: Pastor adventista é autor de texto achado na casa do atirador Wellington Menezes

Um pastor adventista que mora na Bahia é autor de pelo menos um dos textos religiosos encontrados na casa de Wellington Menezes de Oliveira, 23, o atirador que invadiu a escola municipal Tasso da Silveira, na zona oeste do Rio, e matou 12 crianças na última quinta-feira (7). Uma missa e um ato ecumênico foram realizados nesta quarta-feira, no Rio, em homenagem às vítimas.

Havia pelo menos três textos de caráter religioso na casa de Wellington –leia todos eles aqui. Os temas dos textos do pastor eram inferno, alma e espírito, e morte e ressurreição. Nenhum deles induz a ataques homicidas nem faz apologia à violência.

Além desses impressos, a polícia também recolheu textos escritos de próprio punho pelo atirador, nos quais ele tece considerações sobre religião e conceitos de bem e mal.

Um trecho diz: “[...] faço todos os dias minha oração do meio-dia que é a de reconhecimento a Deus e as outras cinco que são de dedicação a Deus e umas 4 horas do dia passo lendo o Alcorão [...] e algumas vezes medito no 11/09″.

Em outro trecho, o atirador registra: “meu tempo livre entrego a Deus ao invés de entregar aos prazeres passageiros do mundo… e sei que Deus olhará para meu sacrifício e minhas ações neste mundo com muito favor e satisfação e sei que serei muito bem recompensado.”

Procurado pela Folha, o pastor Demóstenes Neves da Silva, 53, confirmou a autoria do texto sobre o inferno e afirmou ser “muito provável” que os demais também sejam dele. Silva contou que até 2003 respondia perguntas de internautas sobre religião em um site adventista.

“Escrevi tanta coisa naquela época que não lembro de tudo, mas são temas correlatos e creio que todos sejam meus.”

O site ainda existe, mas o pastor não participa mais dele. Atualmente não é possível acessar nenhum de seus textos –segundo o pastor, por questão técnica. Mas outros sites copiaram e mantêm os textos no ar.

O pastor não faz pregações regulares porque se dedica exclusivamente à atividade docente nas Faculdades Adventistas da Bahia, na cidade baiana de Cachoeira (105 km de Salvador).

“Uma atitude dessa [o ataque do atirador] só pode ter sido cometida por alguém com um desvio muito sério”, avalia Silva.

SIGILO

Ontem, a Justiça autorizou a quebra do sigilo eletrônico de Wellington. Após autorização judicial dada na segunda (11), a polícia já tinha iniciado a análise dos e-mails recebidos e enviados pelo atirador, além de suas conversas por meio do MSN (serviço de mensagens instantâneas da Microsoft).

A decisão de ontem atinge os registros do atirador no Google. Segundo a juíza Alessandra de Araújo Bilac de Moreira Pinto, da 42ª Vara Criminal do Rio, a única forma de prosseguir com as investigações é vasculhar os vestígios virtuais armazenados pela empresa, “para conseguir mais informações sobre Wellington, e quaisquer outras pessoas que tenham participado do fato e os motivos que o levaram a cometê-lo.”

O pedido de quebra de sigilo foi feito após a polícia encontrar indícios de que o atirador participava de uma organização religiosa. Em manuscritos encontrados em sua casa, em Sepetiba (zona oeste), o atirador sugere que participa de um grupo com outras pessoas.

A polícia também trabalha com a hipótese de que as anotações sejam apenas fruto da imaginação de Wellington.

Ontem, o “Jornal Nacional”, da TV Globo, divulgou vídeos feitos pelo atirador em que ele fala sobre o planejamento do crime.

“A luta pelo qual muitos irmãos no passado morreram e eu morrerei não é exclusivamente pelo o que é conhecido como bullying. A nossa luta é contra pessoas cruéis, covardes, que se aproveitam da bondade, da inocência, da fraqueza de pessoas incapazes de se defenderem”, disse.

Wellington também afirmou que visitou a escola dois dias antes do massacre e disse que tirou a barba para não chamar atenção.

(Folha Online)

Dona Ivone Lara, dama do samba, completa 90 anos

Grande dama do samba no Brasil, Dona Ivone Lara completa hoje 90 anos com um certo desalento em relação à profissão.

Depois de enfrentar desafios como a perda dos pais ainda criança, a luta contra o preconceito ao ser a primeira mulher a compor um samba-enredo e se firmar como nome expressivo na música brasileira, ela se queixa de um desrespeito do mercado fonográfico.

Dona Ivone diz que seus discos não são mais promovidos pelas gravadoras e têm distribuição restrita.

No último trimestre, diz ter recebido R$ 74 reais em direitos autorais pelas músicas executadas no exterior, enquanto está sempre sendo convidada para shows na França, Japão e Alemanha.

Com cerca de 15 canções inéditas, feitas nos últimos anos com seu principal parceiro, Delcio Carvalho, 72, ela não se anima em gravá-las. “Não apareceu nenhuma boa proposta”, diz.

O lamento parte de uma compositora reconhecida nacional e internacionalmente. Suas músicas já foram gravadas por Gilberto Gil, Maria Bethânia e Caetano Veloso.

Composições como “Acreditar” (“A vida foi em frente e você simplesmente não viu que ficou pra trás…”) e “Alguém me Avisou” (“Eu vim de lá, eu vim de lá pequenininho…”) são presença obrigatória nas rodas de samba.

Para Paulinho da Viola, o que a diferencia é um estilo próprio. “Em termos melódicos, a música é maravilhosa, algo que qualquer grande compositor gostaria de fazer. É uma honra tê-la no cenário musical brasileiro.”

Dona Ivone geralmente cria as melodias e seus parceiros fazem as letras. Hermínio Bello de Carvalho diz que certa vez lhe entregou alguns versos e em uma hora já estava pronta a música “Mas Quem Disse que Eu te Esqueço”, inclusive com ajustes na letra que ele fez.

“Ela é compositora, instrumentista, e uma tremenda passista. Tudo isto a qualifica para ser a primeira-dama do samba”, diz o músico.

Hoje, mesmo com dificuldade de locomoção após ter fraturado o fêmur e se recuperando de uma depressão depois da morte do filho, em 2008, ainda faz shows.

Em parte, esta atividade tem a ver com questões financeiras, já que apenas a aposentadoria como funcionária pública e os direitos autorais não lhe garantem sustento pleno.

Mas também tem a ver com sua incrível vitalidade. “Não me sinto cansada, pelo contrário, se eu não fizer nada é que fico chateada com isto, fico até triste.”

(Folha Online)

Cruzeiro é multado em R$ 50 mil em caso de homofobia no vôlei

O Sada/Cruzeiro recebeu uma multa de R$ 50 mil pelo caso de homofobia de sua torcida no primeiro jogo das semifinais da Superliga masculina contra o Vôlei Futuro há duas semanas.

O time foi julgado nesta quarta-feira pela Comissão Disciplinar do Superior Tribunal de Justiça Desportiva do Vôlei (STJD) em razão das reclamações do central Michael e sua equipe.

Os mineiros foram denunciados por “praticar ato discriminatório, desdenhoso ou ultrajante, relacionado a preconceito em razão de origem sexual”, previsto no artigo 243-G do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD).

A multa podia chegar a R$ 100 mil. A decisão unânime, segundo o site Justiça Desportiva.

Na sexta-feira, 1º de abril, Michael foi vítima de uma manifestação generalizada de homofobia vinda das arquibancadas do ginásio do Riacho, em Contagem (MG), casa do time rival, o Cruzeiro. O time da casa venceu o jogo por 3 sets a 2.

“Foi a primeira vez que vi um ginásio inteiro gritando ‘bicha’ em alto e em bom som”, afirmou o atleta.

No julgamento, o advogado Henrique Saliba, que defendia o Cruzeiro, afirmou que não houve ato discriminatório por parte da torcida pois esta não conhecia a orientação sexual do atleta.

“O Michael não é um atleta conhecido nacionalmente, e por isso não era de domínio público a sua opção sexual. Isso só ocorreu depois do julgamento, quando o Michael deu uma entrevista assumindo ser homossexual”, disse o advogado ao pedir a absolvição do clube.

Já a advogada Miriam Simões, que representou o Vôlei Futuro, segundo o site Justiça Desportiva, ficou inconformada com a decisão de denunciar o Cruzeiro apenas em artigo que prevê uma multa.

O desejo do clube paulista –que venceu a segunda partida em Araçatuba– era mudar o local do jogo decisivo, nesta sexta-feira, às 20h30, novamente em Contagem.

Todos os 2.000 ingressos colocados à venda foram vendidos em apenas 35 minutos.

“Foi uma decepção esta decisão. É inadmissível que só se multe o clube em uma questão tão grave, porque a discriminação foi absurda. Venceu o preconceito”.

(Folha Online)

Contribuinte já pode saber se caiu na malha fina neste ano

Os oito milhões de contribuintes que entregaram a declaração do Imposto de Renda deste ano até hoje já podem checar se caíram na malha fina da Receita Federal. De acordo com a coordenadora-geral de Atendimento e Educação FiscaL, Maria Helena Cotta Cardoso, a Receita está processando as declarações em prazo de dois a três dias.

Veja página especial do IR 2011

A medida vai agilizar o pagamento da restituição e beneficiar o contribuinte que tiver imposto a pagar, já que ele poderá corrigir as informações que declarou erroneamente antes da cota única ou primeira cota do imposto, que vence no dia 29 de abril.

Se a correção não for feita antes do prazo, o contribuinte terá de pagar o valor devido com multa de até 20%.

“Isso vai ser bastante útil para o contribuinte porque vai evitar que ele pague uma multa”, afirmou Maria Helena.

Desde o ano passado, o contribuinte já podia verificar se havia caído na malha fina ainda durante o período de entrega da declaração. Para verificar se a declaração já foi processada o interessado deve acessar o Portal e-cac, na página da Receita na internet (www.receita.fazenda.gov.br).

No portal, deverá gerar um código de acesso informando o número do CPF, data de nascimento e número das duas últimas declarações –ambos constam na declaração deste ano. Quem nunca declarou o IR deve informar o título de eleitor. O acesso também pode ser feito com certificação digital, um cartão com chip que identifica o contribuinte eletronicamente.

A Folha também esclarece as dúvidas dos leitores sobre como fazer a declaração do Imposto de Renda. O serviço será publicado até 29 de abril, quando termina o prazo de entrega.

As respostas, dadas pela DeclareCerto IOB, serão publicadas em Mercado, de terça-feira a sábado. Os e-mails com dúvidas devem ser enviados para mercado.folha@uol.com.br.

As perguntas devem trazer os nomes dos leitores (nas respostas serão publicadas as iniciais). A Folha publicará as respostas às perguntas que possam esclarecer as dúvidas do maior número possível de leitores.

(Folha Online)

Motéis e hotéis poderão ter que oferecer de graça preservativos a clientes

Os casais frequentadores de motéis poderão ter a sua disposição, gratuitamente, preservativos masculinos e femininos além de panfletos educativos sobre doenças sexualmente transmissíveis. O primeiro passo para a gratuidade foi a aprovação nesta quarta-feira, 13, em caráter terminativo, pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do projeto de lei de autoria da senadora Maria do Carmo Alves (DEM-SE). Agora, a matéria segue para a apreciação dos deputados e, se aprovada, irá à sanção presidencial.

Pelo projeto, a exigência será estendida também aos chamados estabelecimentos drive-in, ou seja, pequenas garagens que garantem aos casais privacidade nas relações sexuais dentro de veículos. Uma vez em vigor, os motéis e serviços drive-in serão obrigados a oferecer, no mínimo, um preservativo por casal, tornando livre a escolha do modelo masculino ou feminino. Atualmente, a maioria dos motéis oferece apenas uma camisinha masculina à sua clientela. A obrigatoriedade também valerá para hotéis, pousadas, pensões e outros órgãos similares, por conta de emenda apresentada pelo senador Lindberg Farias (PT-RJ)

Com o projeto aprovado pelo Congresso e sancionado pela presidente Dilma Rousseff, os donos desses estabelecimentos terão 180 dias para efetivar as exigências impostas pela lei. No seu parecer, o relator Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) ressaltou que a medida é mais uma contribuição para o combate às doenças sexualmente transmissíveis.

Ele lembrou que o exame dos últimos relatórios disponibilizados pelo Ministério da Saúde mostram uma tendência de agravamento da aids no País, apesar de o ritmo de contaminação ter diminuído nos últimos anos. Em 2009, por exemplo, o número dos casos registrados atingiu o recorde histórico de 38.538 casos. Nos últimos quatro anos, acrescentou o relator, houve um aumento de mais de 5 mil casos de aids no país.

Aceitação

O senador petebista ressaltou que a distribuição gratuitas preservativos por motéis já é realidade em alguns estados, onde a medida teve “boa aceitação” por clientes e proprietários. Em alguns casos, afirmou ele, o órgão estadual responsável pela distribuição fornece as camisinhas diretamente aos estabelecimentos que repassam a seus clientes.

Por outro lado, o projeto faculta aos estabelecimentos a aquisição e distribuição por conta própria. “Ainda assim, o impacto (financeiro) é desprezível, pois o custo unitário do produto para um estabelecimento que compra no atacado é ínfimo, cerca de R$ 0,20”, disse Mozarildo Cavalcanti.

Em qualquer das hipóteses, o relator acrescentou que o motel e o estabelecimento drive-in estarão livres para comercializar modelos diferenciados de preservativo.

(Agência Brasil)

Fortaleza, a cidade dos encantos

Jânio nunca foi a outro lugar. Para ele, Fortaleza é o melhor lugar do mundo. Júnior veio do Maranhão quando era criança. Depois que a mãe morreu, três anos atrás, as ruas de Fortaleza – especialmente a avenida Beira Mar – tornaram-se sua casa. Mesmo assim, se diz sempre feliz. Principalmente por viver perto do mar. Leila enche-se de orgulho de ter nascido aqui e daqui não sai de jeito nenhum. Alexandre gosta de Fortaleza, mas se irrita com muitas coisas que deveriam mudar na cidade. Já Beto, diferente de todos eles, ama uma Fortaleza destruída pela modernidade e que só existe no passado.

E você, se considera feliz morando em Fortaleza? A pesquisa Iepro/O POVO fez essa pergunta a 600 pessoas na Capital e a maioria, 88,7%, respondeu que sim. Os principais motivos? A praia (67,9%), o clima (48,1%) e o povo (35,8%). Mesmo com uma resposta quase unânime, Fortaleza abriga muitas cidades diferentes nesses 315 quilômetros quadrados. A Capital de Jânio é bem diferente da que Alexandre mora. Assim como a Fortaleza de Lucas nunca foi experimentada por nenhum dos outros dois. Antônio Jânio tem 25 anos. Morador do Mondubim, trabalha no aeroporto como agente de rampa.

Todos os dias, carrega e descarrega as malas de quem sai e chega a Fortaleza. Nunca andou de avião. Nunca conheceu outra cidade além da que nasceu. Mas isso não é problema para Jânio. “Fortaleza é maravilhosa. Adoro tudo aqui, principalmente o forró”.

Alexandre Marques, 18, é estudante e músico. A Fortaleza em que vive é uma cidade irritante por problemas que nunca são resolvidos. Tanto que decidiu criar um perfil no Twitter chamado fortaldadepre (Fortaleza da depressão) só para compartilhar tudo aquilo que o tira do sério. De forma cômica, claro. Como um bom cearense.

Um ano mais velho que Alexandre, Lucas de Araújo perdeu os pais aos 13 anos. Foi quando ganhou o mundo. Viciou-se em crack e começou a beber. Vivia nas ruas até que o projeto Reciclando Vidas conseguiu fazer com que ele abandonasse a droga. Hoje, é catador de lixo e mora na comunidade Rosalina. Nascido em Fortaleza, diz que não tem do que reclamar.

“Sou desenhista e marceneiro profissional. Tenho até certificado. Mas foi essa a oportunidade que me surgiu”. Lucas já chegou a virar cinco noites trabalhando. Sai do Joaquim Távora, segue pelo Bairro de Fátima, Aldeota, Praia de Iracema… “A gente vai onde der. É igual a cigano”.
A Fortaleza que abriga todos eles é uma cidade partida, dividida em duas. “No Leste, em geral, estão os abastados. No Oeste, os mais pobres. Isso é uma divisão genérica, mas encontramos favelas em todas as áreas de Fortaleza e pontos onde as várias cidades dentro de Fortaleza se cruzam”, afirma o sociólogo Rosendo Amorim, professor da Universidade de Fortaleza (Unifor).

E assim, a mesma praia que Lucas vai quando consegue um tempo livre é a que a técnica em contabilidade Leila Nobre, 33, usa para praticar atividade física. Moradora do Meireles, ela gosta tanto da cidade que até criou um blog (fortalezanobre.blogspot.com) para divulgar tudo que Fortaleza tem de bom.

“O fortalezense é muito alegre, espontâneo e, mesmo passando por dificuldades, nunca se deixa abater. Anda sempre fazendo piada, muitas vezes, rindo da própria adversidade. A simpatia do fortalezense é nosso cartão de visita”. Júnior, 38, também conhecido como Seu Jorge, aprendeu bem esse jeito de quem vive aqui.

A semelhança com o cantor é disfarçada pelo mau-trato que a rua lhe causou. Mas o flanelinha não perde o bom humor. Veio do Maranhão quando tinha 8 anos. Depois que a mãe morreu, foi morar nas ruas. Seu reduto é a avenida Beira Mar, também freqüentada por Lucas e Leila.
O dinheiro que Seu Jorge ganha vigiando os carros só dá mesmo para comer e dar algum agrado ao vigia que ‘pastora’ sua dormida próximo a um supermercado na avenida Abolição. Para ele, Fortaleza é tranquila, boa de se viver. “O pior da cidade é ver as crianças fazendo assalto, se drogrando”. Seu Jorge se diz feliz ‘porque Deus gosta de ver a gente assim, alegre’. “Posso estar com fome, sem casa, mas não adianta ficar triste. Só piora tudo”. Quando fica doente, são os ‘barões’ da Beira Mar que o ajudam. “Eles me dão camisa, remédio. E assim eu vou vivendo”.

(Yanna Guimarães – O Povo Online)

Paulo Sérgio Ferreira: Homem escala mastro de 110 m para queimar Bandeira do Brasil

O Corpo de Bombeiros do Distrito Federal resgatou na tarde de hoje um homem que subiu 80 metros do mastro da bandeira nacional na Praça dos Três Poderes. A tentativa de resgate demorou três horas e mobilizou cinco viaturas dos Bombeiros, além de homens da Polícia do Senado, da Polícia Militar e da Polícia Civil.

Identificando-se como Paulo Sérgio Ferreira, paulistano de 38 anos, o homem chegou a afirmar à imprensa, por meio de telefone celular, que estava lutando contra a descriminação de negros no País e fez acusações, sem dar detalhes ao líder do governo no Senado, Romero Jucá, a quem chamou de “amaldiçoado”. Preso, o homem pode responder por crime de dano qualificado contra o patrimônio da União, por ter queimado a borda da bandeira. A pena é de três meses a seis anos.

(Diário do Nordeste)

Caixa inaugura centros culturais em Fortaleza e Recife até o final de 2012

A Caixa Econômica Federal planeja inaugurar dois novos centros culturais na Região Nordeste do país até o final deste ano. A instituição também já deu início às obras de um terceiro, em Porto Alegre (RS), que deve estar pronto até o final de 2012. No total, o banco irá investir cerca de R$ 40 milhões na reforma, adequação e no aparelhamento dos espaços. O investimento é direto, sem qualquer estímulo da Lei Rouanet.

As futuras unidades culturais de Fortaleza (CE), Recife (PE) e da capital gaúcha vão se somar às cinco que já funcionam em Brasília (DF), Curitiba (PR), Salvador (BA), São Paulo (SP) e no Rio de Janeiro (RJ). Juntos, os cinco espaços atraíram um público de cerca de 1,3 milhão de pessoas em 2010. A unidade mais visitada foi a da capital paulista que recebeu 622 mil visitantes ao longo do ano passado.

Segundo o gerente de Marketing Cultural da Caixa, Gustavo Pacheco, a expansão das instalações faz parte da política cultural do banco, aprovada no final de 2004. “Em princípio nós achávamos que os espaços existentes à época davam conta das necessidades e do volume de dinheiro que podíamos investir. Depois, verificamos que nessas outras três capitais existiam boas oportunidades de revitalizarmos prédios, colaborando com a mudança do perfil das regiões onde eles estão. E por que então não transformarmos esses prédios em espaços culturais da própria instituição?”, explicou Pacheco.

Os centros são a face mais visível da política cultural do banco que investe para oferecer à população a possibilidade de assistir a filmes, peças teatrais, shows, exposições e oficinas com entrada gratuita ou a preços populares. Os centros culturais servem para tentar democratizar o acesso do público à produção artística brasileira e também para estimular os artistas e criadores oferecendo espaços para exibição de trabalhos.

De acordo com Pacheco, a Caixa não planeja construir outros centros culturais além dos três novos. “O orçamento é finito e temos que fazer a conta: quanto mais espaços físicos tivermos, maiores serão nossos gastos com manutenção. O que vai tirar parte dos recursos que investiríamos nos eventos e nas ações culturais que realizamos em cidades de todo o país onde não temos um centro cultural”, declarou o gerente, citando iniciativas da Caixa como os editais de fomento, o patrocínio à Orquestra Criança Cidadã Meninos do Coque, de Recife e a exposição itinerante Galeria Caixa Brasil, que, em novembro de 2010, levou mais de 600 obras de arte às 27 capitais.

A Caixa Cultural Fortaleza funcionará no prédio da antiga Alfândega, um edifício construído no final do século 19 e tombado como patrimônio histórico, próximo à Praia de Iracema e ao Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. A área de 3.508 metros quadrados irá abrigar um teatro, galerias de arte, salas para cursos e oficinas, um café e uma livraria.

Já os 2.650 metros quadrados do prédio da antiga sede da Bolsa de Valores de Pernambuco e Paraíba que vai sediar a Caixa Cultural Recife contarão com um cine-teatro, galerias de arte, museu, salas de ensaios e oficinas e multimídia, um sítio arqueológico, livraria e área de convivência. Também tombado como patrimônio histórico, o edifício da antiga Bolsa de Valores está passando por uma ampla reforma, mas a instituição promete preservar as características históricas da construção.

A unidade cultural de Porto Alegre irá funcionar no Edifício Imperial, em frente à Praça da Alfândega, no centro da capital gaúcha. No prédio, um exemplar da arquitetura art déco no Brasil, funcionaram os cinemas Imperial e Guarani. Um acordo com a prefeitura de Porto Alegre, proprietária do imóvel, prevê que a Caixa recupere a parte interna do edifício em troca de utilizar parte dele por 30 anos. A unidade será dotada de cine-teatro com 650 lugares, galerias de arte, museu, sala multimídia, café e livraria.

Fonte: Agência Brasil

Banco do Brasil deve abrir em um ano a primeira agência na China

O Banco do Brasil anunciou nesta terça-feira a abertura de sua primeira agência na China, a ser instalada em Xangai e que deverá estar operacional dentro de um ano, informa reportagem de Clóvis Rossi, publicada na edição da Folha desta quarta-feira.

O objetivo é canalizar para investimentos no Brasil o “ouro de Pequim”, como alguns empresários se referem ao caudaloso volume de recursos disponíveis na China. Hoje, esses recursos passam por bancos estrangeiros radicados nos dois países, casos do Santander e principalmente do HSBC.

(Folha Online)

Jair Viana: Prefeito diz que é analfabeto em vídeo e pode perder mandato

O prefeito de Dom Cavati (MG), cidade de 5.210 habitantes a 270 km de Belo Horizonte, pode perder o mandato por causa de um vídeo, postado no YouTube, em que afirma ser analfabeto. Um processo pedindo a cassação do mandato de Jair Viana (DEM) tramita na Justiça Eleitoral desde julho de 2009.

No vídeo, Viana faz um curto discurso durante festa de aniversário da cidade mineira em 2009. O prefeito tropeça no português em vários momentos do vídeo. “Sou analfabeto, mas sei trabalhar’.

Como a legislação eleitoral não permite que pessoas que não saibam ler e escrever concorram a cargos públicos, o segundo colocado na eleição para prefeito, Pedro Sobrinho (PT), entrou com ação de impugnação de mandato eletivo no TRE-MG (Tribunal Regional Eleitoral).

A eleição de 2008 terminou empatada entre os dois candidatos, que receberam 1.919 votos cada. Sobrinho, que tentava a reeleição, perdeu pelo critério da idade, usado quando os candidatos recebem o mesmo número de votos. Ele tinha 45 anos no dia da eleição, enquanto o vencedor estava com 75.

O pedido de impugnação ainda não foi julgado. O processo também corre no TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Em Minas, um julgamento chegou a começar no último dia 29 de março, mas a relatora do processo, juíza Luciana Nepomuceno, pediu vistas, ou seja, mais tempo para apreciar a ação. Uma nova data para o julgamento ainda não foi marcada.

A Folha entrou em contato com a prefeitura de Dom Cavati, mas um funcionário informou que o prefeito não foi encontrado para comentar o caso.

(Folha Online)


Banco chinês ICBC pede autorização ao BC para atuar no Brasil

O banco chinês ICBC (Industrial and Comercial Bank of China), um dos maiores da China, entrou com pedido formal para começar a atuar no mercado brasileiro.

De acordo com o comunicado do pedido no Banco Central, o braço de atuação do banco chinês será chamado IBCB do Brasil Banco Múltiplo S.A. e terá sede em São Paulo.

A instituição terá um capital inicial de US$ 100 milhões e vai operar carteiras comerciais e de investimento, além de atuar no mercado de câmbio. O anúncio do pedido vem a público em meio à visita da presidente Dilma Roussef à China para estreitar relações comerciais com o país.

A cooperação na área financeira foi um dos temas tratados na visita entre Dilma e o presidente chinês, Hu Jintao, segundo comunicado conjunto reproduzido na agência oficial Xinhua News Agency. “Os governos do Brasil e da China saúdam a criação de filiais de instituições dos dois países”, afirma a nota.

(Folha Online)

Brasil sobe 2 posições e passa a Argentina no ranking da Fifa

Com a vitória sobre a Escócia por 2 a 0, em amistoso realizado no final de março, a seleção brasileira subiu duas posições no ranking da Fifa. A equipe pulou da quinta para a terceira colocação, com 1.425 pontos.

A seleção brasileira ultrapassou a Alemanha, agora quarta colocada (1.386 pontos), e a rival Argentina, que caiu uma posição e está em quinto lugar, com 1.276.

Campeã da Copa do Mundo-2010, a Espanha continua na liderança, com 1.857 pontos. Na segunda colocação está a Holanda, vice-campeão do último Mundial, com 1.702 pontos.

A Itália ganhou duas posições e voltou ao top-10 –ocupa o nono lugar.

Classificação

1. Espanha – 1.857 pontos
2. Holanda – 1.702
3. Brasil – 1.425
4. Alemanha – 1.386
5. Argentina – 1.276
6. Inglaterra – 1.163
7. Uruguai – 1.094
8. Portugal – 1.052
9. Itália – 1.019
10. Croácia – 991

(Folha Online)

Luis André Ferreira: Vereador é detido por chefiar milícia que atuava em favelas do Rio

A Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco) deflagrou hoje (13) a Operação Blecaute para combater milícias no Rio de Janeiro. No início da manhã, o vereador Luiz André Ferreira da Silva (PR), conhecido como Deco, foi detido em casa. Os agentes estão neste momento nas ruas para cumprir 13 mandados de prisão e 25 de busca e apreensão, em diversos pontos da cidade

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o vereador Deco, ex-policiais militares e guardas municipais são acusados de pertencerem a um grupo de milicianos que atua em 13 comunidades cariocas, nos bairros da Praça Seca, Campinho, Tanque, na zona oeste e Quintino Bocaiúva, na zona norte.

O político, que seria o chefe do grupo, já foi indiciado em 2003 e 2008 por dois homicídios. Além disso, o parlamentar é acusado de planejar a morte da atual chefe de Polícia Civil, Martha Rocha, então titular da 28ª DP, no Campinho, e do deputado estadual Marcelo Freixo (P-SOL), que presidiu a CPI das Milícias.

Segundo as investigações, o grupo também é acusado de crimes como formação de quadrilha armada, homicídio, ocultação de cadáver, tortura, estupro, furto de sinal de televisão e internet, controle no fornecimento de gás, transporte irregular, exploração de máquinas caça-níqueis.

A operação, que conta com cerca de 80 homens, está sendo feita com o apoio da Secretaria Estadual de Segurança, do Ministério Público Estadual e da Corregedoria-Geral Unificada.

Da Agência Brasil

Wellington Menezes (o atirador de Realengo) praticou suicídio, indica laudo do IML

A Polícia Civil do Rio de Janeiro informou nesta terça-feira (12) que o laudo cadavérico do IML (Instituto Médico Legal) concluiu que Wellington Menezes de Oliveira cometeu suicídio.

Ele foi o autor do  massacre ocorrido na Escola Municipal Tasso da Silveira, em Realengo, na zona oeste da capital, na última quinta-feira (7). Doze crianças morreram.

Após Wellington ter atirado nas crianças, PMs entraram na escola e balearam Wellington. Depois de ser atingido na barriga, ele teria disparado contra a própria cabeça, segundo versão apresentada pelos policiais.

Segundo o laudo, uma das características que indicam que houve suicídio foi o tiro encostado na têmpora direita (parte próxima da testa). Os disparos provocaram lesões no crânio, cérebro, fígado e rim direito.

Apesar da indicação de suicídio, o exame balístico que comprovaria que o tiro que acertou a cabeça de Wellington saiu da arma que ele mesmo usava ainda não foi concluído.

Os laudos cadavéricos das crianças não serão divulgados, por determinação da chefe de Polícia Civil, Martha Rocha.

(Portal Último Segundo)

Daniela Mercury comanda a festa no aniversário de Fortaleza

Daniela Mercury é axé, pop, eletrônico, romântico. Baiana de Salvador, ela se alimenta da cultura brasileira e a transforma em Canibália: um disco conceitual, que logo vai virar um DVD, e um show que começa nas raízes africanas da música e vem até a contemporaneidade passando, inclusive, pelo rock.

O espetáculo, apresentado em Copacabana no último réveillon, é inédito por aqui, e Daniela vem mostrar essa mistura de ritmos e essa homenagem ao Brasil hoje, no dia do aniversário de Fortaleza. Em entrevista por telefone, a cantora conta mais sobre o show e o retorno ao Ceará.

O POVO – Quais as expectativas para voltar ao Ceará?

Daniela Mercury – Estou com uma expectativa maravilhosa. O réveillon que eu fiz foi um dos shows mais espetaculares e emocionantes que fiz na minha vida. A relação que eu tenho com Fortaleza é de muitos anos. Vocês conhecem minhas canções, a gente tem essa identidade como nordestino. É sempre muita emoção. E é isso que dá sabor ao show, que dá luz e sentido a tudo.

OP – Você traz a estrutura do show apresentado no réveillon de Copacabana, que virou DVD?

Daniela – Estou levando cinco bailarinos comigo, um novo cenário de Gringo (Cárdia, artista plástico). É o show que eu fiz no DVD de Copacabana. O Canibália é muito emocionante, é bonito de se ver. Eu já tinha feito isto no Feijão com Arroz, trabalhado com telas de Di Cavalcante. Agora, neste show, tenho Carybé, a tela Mulata Grande, e um mural de azulejos de Portinari, na parte latina.

OP – Até que ponto você se envolve na produção?

Daniela – Faço a direção do show. Todo o conceito, figurinos dos bailarinos, é tudo meu. Eu discuto tudo. Eu que trouxe a ideia do Canibália, que é um manifesto de homenagem a todos os gêneros musicais e todos os criadores e criaturas da arte. Sou “canibalista”, quero entender de tudo. Adoro filosofia, comportamento, todas as artes. Trago a minha vida, alma, como mulher, mãe, bailarina, desde pequena no palco, fiz teatro de rua também. Trago tudo para o palco no intuito de emocionar. É engraçado porque, quando eu surgi com O Canto da Cidade, era moda falar do Brasil, por causa do impeachment de Collor. Era bom valorizar o que era brasileiro. Está com 25 anos de democracia no País, e a meninada parece que se acomodou. A gente está precisando de muitas coisas pra acreditar.

 

OP – Por que fazer um disco conceitual agora?

Daniela - A gente tem que cultivar uma massa crítica. O artista tem que trazer a história da música brasileira para as pessoas. Sinto uma dispersão muito grande, um vazio crítico muito grande, no sentido também de acompanhamento das inovações, das intervenções de todas as artes no Brasil. Existe pouca compreensão do que se faz efetivamente. Depois de anos, as pessoas chegam à conclusão de que a arte brasileira é mestiça, mas ela sempre foi. Por isso não cabem os bairrismos. Sertanejo agora pega do rock, já pegou do forró, da música italiana. Boleros brasileiros eram mexicanos. Essa coisa de pureza e genuíno não existe. Ao mesmo tempo, é necessário identificar isso e entender como cada um constrói suas fusões e o que isso agrega para música brasileira e para as artes. Minha ideia é de aproximar. Canibália é um manifesto de união.

OP – Você sempre foi assim, mutante?

Daniela - Eu sou, e minha geração é. Bebe de todas as fontes, mas nem todo mundo é tão aberto, tão inquieto. É preciso ter coragem para fazer um trabalho conceitual. Eu sou uma artista que fiquei conhecida no Brasil já com essa divisão. Vinda da MPB, fazendo música alegre, forte, que movimenta multidões, por causa da experiência do trio elétrico na Bahia, mas querendo sempre inovar. Tenho isso dentro de mim, trago o manifesto antropofágico. Swing da Cor já trazia isso, uma leitura tropicalista.

OP – Tudo isso é Canibália?

Daniela - A ideia é contemplar todos os ritmos brasileiros desde o início. No final do show, eu trago o samba-reggae. É capaz também de eu botar um forró, para prestigiar Fortaleza neste aniversário. E é a terra de Belchior, então vou cantar Como Nossos Pais, para homenageá-lo também.

OP – O que você quer dizer para o Brasil com esse disco e esse show?

Daniela – Para ele olhar pra si mesmo, se gostar mais e entender o que a gente pode melhorar no nosso convívio. O sonho era dizer: “Não se sinta mal por ser latino-americano, tenha orgulho de ser o que é”. Todo mundo é diferente no mundo, a gente é um povo maravilhoso, tem que vencer as próprias mazelas e tem que se identificar nessa sociedade que não traz o sonho de igualdade que a gente trazia no início. Então vamos seguir no caminho.

OP – Como o show se divide?

Daniela – Começa com candomblé, porque é a raiz de todos os ritmos, da música negra no mundo. Trago a essência dos tambores, dos atabaques e começo o show dançando com um solo. Aí o show vai esquentando, esquentando, esquentando (risos). Cada momento tem músicas dançantes, mas com ritmos diferentes. Começa com candomblé. Depois faço Samba da Minha Terra, Samba da Bênção, depois Preta, que gravei com seu Jorge e faço com Sorriso Negro, que dona Ivone Lara cantava. Depois venho com O Mais Belo dos Belos, Ilê Pérola Negra. E uma homenagem à Bahia, O Que é Que a Baiana Tem, com Carmen Miranda. Acabei de fazer no DVD ela cantando comigo.

OP – A terceira parte do show é uma homenagem à música latina. Que sucessos estão no repertório?

Daniela – Busco um Brasil latino-americano, samba com reggae. Canto Sol do Sul, Música de Rua, Minas com Bahia, Rapunzel, Iluminado, música do Vander Lee que acabei de gravar.

OP – Você compôs uma música em parceria com Margareth Menezes, Oyá Por Nós. A religião também entra no show?

Daniela – Ela fala do sincretismo, entre Iansã e Ave Maria. É um candomblé com eletrônico. Depois faço Swing da Cor. Então o show tem candomblé, samba, samba-afro, MPB, coisas latinas e rock. Nesse meio, também faço Tempo Perdido(da Legião Urbana).

OP – Neste aniversário de 285 anos, o que você deseja a Fortaleza?

Daniela - Que o aniversário de Fortaleza reúna tudo que o nosso dia a dia separa. Reúna a cidade, e que eu possa divertir as pessoas, emocionar e trazer o que Fortaleza me deu nessa vida. Acho Fortaleza uma das cidades mais lindas do mundo, o Estado todo é espetacular. Que a gente tome conta da natureza e que tomem conta da gente. É isso que eu tenho sonhado, em ser essa luz para as pessoas. Mas com humildade, e sem trazer verdades absolutas. Eu sou uma apaixonada. A gente precisa viver de sonho. Sou nascida do sonho, vivo pelo sonho. Nada é mais importante que isso. Um sonho maior de Brasil, de planeta, de amor. Feliz aniversário, Fortaleza!

 

SERVIÇO
Canibália – Show de Daniela Mercury no aniversário de Fortaleza. Hoje, no Aterrinho da Praia de Iracema, às 22 horas, com abertura às 20 horas, com show coletivo de intérpretes da música cearense. Grátis.
Outras info.: 3105 1386.

(Alinne Rodrigues – O Povo Online)

Fortaleza completa 285 anos e especialistas sugerem “cidade ideal”

Fortaleza comemora nesta quarta-feira (13) 285 anos. Desde que a vila de Fortaleza foi instalada a 13 de abril de 1726, com a pompa e solenidade presidida pelo capitão-mor Manuel Francês, a cidade cresceu para longe da região central e hoje ocupa uma área de 315 quilômetros quadrados.

Segundo o censo de 2010 realizado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a capital cearense possui 2.447.409 habitantes, quinta em população do País. A densidade demográfica é de 7.819 habitantes por km². E, assim como outras capitais do Brasil, Fortaleza cresceu desordenada.

Os problemas são históricos, mas as soluções, ou pelo menos as formas eficazes de enfrentamento, estão ao alcance das iniciativas pública e privada. É o que defendem os especialistas ouvidos pelo iG. Reunimos oito estudiosos que pensam a cidade para que eles apontassem problemas e soluções para Fortaleza, uma das cidades mais bonitas do País.

Barracas da Praia do Futuro

“Nas últimas três décadas, a paisagem natural da orla marítima da Praia do Futuro foi transformada com a construção de barracas que funcionam como equipamentos de lazer e entretenimento. Esta ocupação está consolidada e, em sã consciência, é difícil acreditar na viabilidade de uma proposta de demolição das barracas com o objetivo da Praia do Futuro ficar parecida ao que era. A ideia de uma Praia do Futuro sem barracas não resiste à realidade socioeconômica e cultural de Fortaleza. O ideal seria adotar medidas como a imediata demolição das barracas abandonadas, seguida da urbanização das áreas em que estavam construídas por meio da implantação de equipamentos públicos que melhorem a segurança e o conforto dos usuários.” Joaquim Cartaxo – arquiteto e urbanista, mestre em Planejamento Urbano e Regional.

Requalificação da Praia de Iracema

A implantação da proposta de requalificação da Praia de Iracema se transformou em mais uma obra interminável da atual gestão municipal de Fortaleza. O projeto não indica nenhuma proposição de integração entre o novo desenho e a situação existente na Ponte Metálica, que está a precisar, urgentemente, de um roteiro de ordenamento, definição e usos e ocupação. A proposta destina todo o leito da avenida Almirante Tamandaré para estacionamento de veículos, no que deveria ser um imenso boulevard interligando equipamentos culturais. Outra “ausência assustadora” é a não existência de arborização urbana prevista em toda a orla em requalificação desde a Praia do Ideal até a Praia de Iracema e o Poço da Draga. José Sales Costa Filho – professor do curso de Arquitetura e Urbanismo da UFC (Universidade Federal do Ceará).

Segurança pública

“A insegurança é reforçada pelo ciclo vicioso da violência que gera medo e desfaz os laços sociais. Com isso os fortalezenses se cercam de proteções individuais como muros altos, segurança privada e abandonam o convívio social, o que gera mais sensação de insegurança. Um caminho seria incentivar, por meio de campanhas educativas, a preservação e ocupação de praças, logradouros e áreas públicas de lazer. Isso melhoraria diretamente a sensação de segurança.” César Barreira – sociólogo e coordenador do Laboratório de Estudos da Violência. (LEV) da UFC.

Seria um grande presente à cidade e seus usuários a implantação de uma arborização adequada e eficiente, tratada e mantida dignamente ao longo do tempo, fornecendo ar fresco a todos e animando a paisagem com cores, formas, texturas e aromas”

Favelização

“Com 25 mil habitantes, Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDHm) de 0,386 e 90% da população beneficiada pelo Bolsa Família, o bairro Serviluz é um exemplo de assentamentos precários, que não são problema exclusivo da periferia. Investimento em vias de acesso, espaços públicos de lazer e oferta de serviços básicos, acompanhados da construção de novas unidades habitacionais podem amenizar a situação de desconforto da população local. Para isso, é preciso ter vontade política para enfrentar a questão como prioridade.” Amando Costa – arquiteto e urbanista, professor da Universidade de Fortaleza.

Transporte Público

“A população fortalezense sofre com o trânsito caótico. A frota da capital ultrapassa 700 mil veículos, de acordo com o Departamento Estadual de Trânsito (Detran). Alargar vias e construir novos corredores de trânsito são medidas paliativas. Para melhorar a mobilidade urbana e inverter a tendência de preferência pelo transporte particular é preciso priorizar o transporte público. Quando a população passa a ver uma oferta interessante de serviços, conforto e segurança, começa a deixar o seu carro em casa.” Carla Camila Girão Albuquerque – arquiteta e urbanista, mestre em Desenvolvimento Urbano e professora do curso de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de Fortaleza.

Ilhas de calor

“A cidade de Fortaleza, conhecida como Terra do Sol, vem perdendo paulatinamente seu verde e se tornando um local insólito, com calçadas e canteiros desnudos, praças e parques com arborização descuidada e, em alguns casos, até inexistente. É sensível a todos os seus cidadãos, bem como aos visitantes, a crescente sensação de calor e aridez em seus espaços livres. Seria um grande presente à cidade e seus usuários a implantação de uma arborização adequada e eficiente, tratada e mantida dignamente ao longo do tempo, fornecendo ar fresco a todos e animando a paisagem com cores, formas, texturas e aromas, abrigando e fornecendo alimento à fauna, contribuindo com o solo e a drenagem. Só então teríamos uma Fortaleza de clima ameno.” Fernanda Rocha – arquiteta e urbanista, especialista em Paisagismo e em Arquitetura Paisagística e professora da Universidade de Fortaleza.

Áreas de preservação

“O uso inadequado das áreas de preservação permanentes (APP) constituídas principalmente pelas margens de rios, lagoas e mangues têm sido ocupadas por construções diversas, dentre as quais moradias precárias, causando permanentes situação de risco como enchentes e proliferação de doenças. Recuperar essas áreas ambientalmente mais sensíveis e proporcionar moradias em áreas adequadas constitui-se em um dos grandes desafios da sociedade fortalezense e de seus dirigentes. O governo federal disponibiliza recursos por meio do Fundo Nacional de Habitação de Interesse Social e outras fontes. Somente ações municipais de planejamento urbano permanentes e apoiadas em projetos de arquitetura e urbanismo ambientalmente sustentáveis poderão recuperar essas áreas e moradias precárias.” Odilo Almeida Filho – Presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil do Ceará (IAB-CE)

Esvaziamento do centro

“Com a mudança de escala da cidade é normal que ela crie “novos centros”. Mas essa ‘policentralidade’ precisa criar uma série de medidas para controlar o esvaziamento do velho centro. Cada dispersor é mais um golpe no centro. Daí acontece a queda dos valores imobiliários, que promove grandiosas oportunidades para o comércio popular. Esses comerciantes podem ser peças importantes no processo de reabilitação urbana, mas eles têm temores que mudanças alterem os resultados do comércio. Por isso, é preciso um projeto vigoroso que promova a passagem gradativa para uma nova situação. Essa situação demanda a inserção de catalisadores de novos desenvolvimentos econômicos que, por sua vez, precisam de conveniências tais como morar perto para trabalhar, lanchonetes, colégios. Não rigorosamente no núcleo central, mas a sua periferia em um raio pedestre podia ser redesenhada para instalar oportunidades organizadas de vida. Seria o planejamento de um anel comunitário em torno do centro.” Fausto Nilo – arquiteto e urbanista, vice-presidente do Instituto dos Arquitetos do Brasil no Ceará (IAB-CE).

(Portal Ultimo Segundo)