O vice do Serra, segundo a vereadora do PSDB

Republico aqui, para que as pessoas se informem sobre o perfil do deputado Índio da Costa, novo – por enquanto – vice do Serra, o que diz dele a ex-líder do PSDB na Câmara quando ele era vereador.

“O vereador índio da costa encarna à perfeição esse modelo de discurso democrático, prática autoritária. Em seu atual mandato, ele, ocupado com o exercício de secretaria municipal, poucas vezes foi trabalhar na Câmara para a qual foi eleito e quando foi, na presidência da Comissão de Finanças, Orçamento e Fiscalização Financeira, nunca se interessou em conhecer o Orçamento, limitando-se a seguir a orientação ditada pelo prefeito.

Pior, mostrou, no cargo, profundo desprezo pelo debate democrático, pela participação popular. Que, aliás, não é favor, mas obrigação imposta tanto pela Lei Orgânica do Município quanto pela Lei de Responsabilidade Fiscal. A Comissão de Orçamento, sob o comando de índio da costa, não só deixou de tomar a iniciativa de convocar a sociedade para discutir o que lhe diz respeito, como ainda impediu os representantes de organizações sociais que compareceram, de fazer perguntas aos secretários chamados para as audiências públicas. “

(…)

A cada questionamento, orquestrada por Índio, a bancada governista reagia com irritação e procurava tumultuar, enquanto os secretários inquiridos faziam-se de ofendidos, como se não tivessem de prestar contas de seus atos aos representantes dos cidadãos.

As manobras causaram indignação. Vinte e quatro vereadores assinaram ofício ao presidente, vereador Ivan Moreira, protestando contra a forma como Índio conduziu os trabalhos e como impediu a livre manifestação dos vereadores e da população. Os signatários foram Lucinha, Teresa Bergher, Sebastião Ferraz, Luiz Guaraná, Stepan Nercessian, Chiquinho Brazão, Argemiro Pimentel, Jorge Mauro, Rubens Andrade, Pastora Márcia Pereira, Jorge Felipe, Nereide Pedregal,dr. Carlos Eduardo, Cristiane Brasil, Theo Silva, Aspásia Camargo, Dionísio Lins, Carlos Bolsonaro, Eliomar Coelho, Rogério Bittar, Patrícia Amorim, Márcio Pacheco, Renato Moura e Edson Santos.

Em paralelo, encaminharam à Mesa Diretora moção de repúdio contra Índio, pela forma autoriária e ineficiente com que conduziu as audiências públicas de avaliação do PLOA 2007. Assinaram a moção, Andrea Gouvêa Vieira e seus colegas Brizola Neto, Dionísio Lins, Rogério Bittar, Argemiro Pimentel, Sebastião Ferraz, Lucinha e dr. Carlos Eduardo.

Vejam o que ela diz em outro texto:

A vereadora Andrea Gouvêa Vieira, membro do CAE, foi relatora da CPI da Câmara Municipal que apurou as suspeitas sobre as irregularidades na licitação e no fornecimento da merenda. No seu parecer, o CAE utilizou informações desta Comissão Parlamentar de Inquérito. O relatório da CPI foi entregue no início do mês ao Ministério Público Federal e à Delegacia Fazendária, que investigam o caso. O documento relatado por Andrea Gouvêa Vieira pede a responsabilização civil e criminal do ex-secretário municipal de Administração Índio da Costa e da secretária municipal de Educação, Sonia Mograbi.

- Dinheiro público é sagrado e deve ser destinado exclusivamente ao bem-estar do cidadão. A omissão e as irregularidades nesse caso são ainda mais graves porque prejudicaram a alimentação dos alunos das escolas municipais – disse a vereadora.

www.tijolaco.com

PSTU lança candidato a Governo do Ceará

Partido Socialista dos Trabalhadores Unificado (PSTU) realiza convenção nesta quarta-feira (30) e lança candidatos ao Governo do Estado e aos Legislativos Estadual e Federal. O evento começa às 18 horas e acontece no Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil que fica na rua Agapito dos Santos, 480, Centro.

O PSTU optou por lançar chapa pura. Francisco das Chagas Gonzaga, diretor do Sindicato da Construção Civil, será o candidato a governador do Estado. Já o candidato a vice será a diretora do Sindiute (Sindicato Único dos Trabalhadores em Educação do Ceará) Nivânia Amâncio.

Para Senado o partido indica os nomes da professora Raquel Dias e do professor Reginaldo Ferreira, presidente do Sindicato dos Servidores de Limoeiro do Norte.

O candidato a deputado federal é Nestor Bezerra que é diretor do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil. Até a manhã desta quarta-feira, só estavam definidos três candidatos a deputado estadual.

Segundo Fábio José, da diretoria estadual do PSTU, até a convenção mais nomes poderão sugir para disputar a Assembleia Legislativa.

(Jangadeiro Online)

PSC e PTC oficializam apoio a Dilma Rousseff

O Partido Social Cristão (PSC) anunciou nesta quarta-feira (30) apoio à candidatura de Dilma Rousseff (PT) à Presidência da República. Segundo o vice-presidente do partido, pastor Everaldo Pereira, a prioridade do partido é eleger deputados federais. Segundo ele, a coligação com o PT vai ajudar o PSC a eleger mais deputados. O PSC tem 30 candidatos a uma vaga na Câmara.

A convenção do PSC ocorreu no dia 14, mas a decisão foi oficializada somente nesta quarta. Participaram do anúncio os presidentes do PMDB, Michel Temer, e do PT, José Eduardo Dutra. Com a adesão do PSC, Dilma Rousseff ganha mais 20 segundos no horário eleitoral gratuito. O PSC possui uma bancada de 16 deputados federais e um senador. O partido havia decidido apoiar a candidatura de José Serra (PSDB), mas mudou de opinião nos últimos dias.

Nesta terça (29), o pastor Everaldo foi recebido pelo ministro de Relações Institucionais, Alexandre Padilha, e pelo líder do governo na Câmara, Cândido Vaccarezza (PT-SP). Durante o encontro foi combinado o apoio do PSC à candidatura de Dilma.

O PT trabalha para conseguir o apoio dos chamados “partidos nanicos”. Com menos candidatos disputando a presidência, o PT avalia que aumentam as chances de Dilma Rousseff vencer a eleição ainda no primeiro turno.

Apoio
O Partido Trabalhista Cristão (PTC) realizou convenção nesta quarta-feira em Brasília e também decidiu apoiar Dilma Rousseff. O partido decidiu abrir mão da candidatura própria durante a convenção para coligar-se com o PT. “Não teremos candidatura própria. Aprovamos a coligação com o PT e vamos apoiar Dilma Rousseff. Foi uma decisão por unanimidade”, afirmou Divino Omar do Nascimento, presidente do PTC no Distrito Federal.

O PTC é o partido com a menor bancada na Câmara, com apenas dois deputados federais. O partido não tem representantes no Senado.

(Jangadeiro Online)

TSE DECIDE QUE NEM CID NEM LÚCIO PODEM USAR DILMA NA PROPAGANDA DA TEVÊ

O Tribunal Superior Eleitoral(TSE) surpreendeu os partidos políticos do Brasil ao definir que partidos aliados nos estados com candidatos diferentes à presidência ficam impedidos de usar voz e imagem dos candidatos em sua propaganda eleitoral. Essa resolução do TSE adotada na noite desta terça,29, obrigará reajustes em dezenas de coligações partidárias por todo o País. 

A consequência dessa nova definição da Justiça Eleitoral é que no Ceará nem o governador Cid Gomes nem o candidato do PR, Lúcio Alcântara, poderão utilizar a imagem da candidata do PT, Dilma Roussef em sua propaganda eleitoral da televisão. Também fica vedada a voz de Dilma nos programas de rádio. A proibição também vale para a internet, cartazes e adesivos.

A proibição do uso da candidata Dilma por Lúcio Alcântara decorre dele estar aliado ao PPS na disputa ao Governo do Ceará. O PR de Lúcio está com Dilma, mas o PPS vota em Serra. Assim, Lúcio fica impedido de colocar a imagem e a voz de Dilma Roussef. Essa decisão atrapalha a estratégia eleitoral dele de se vincular como segundo palanque de Dilma no Estado.

A mesma regra vale para o governador Cid Gomes. Na sua coligação, o PHS tem candidato a presidente. O PTdoB deve lançar candidato a presidente da República como também o PSL. Ou seja, na coligação do Governador existem pelo menos três candidatos ao Planalto, incluindo a candidatura de Dilma Roussef. A nova regra do TSE veda a propaganda de Cid o uso da voz e da imagem da candidata Dilma Roussef.

A solução para o governador Cid Gomes e para o candidato Lúcio Alcântara é reexaminar as coligações partidárias. Cid terá que se livrar do PTdoB, PHS e PSL se quiser utilizar a imagem de Dilma Roussef na sua propaganda. Já Lúcio não poderá manter a aliança com o PPS que apóia a candidatura de José Serra.

(Portal Ceará Agora)

Feira da Agricultura Familiar animará as férias em Fortaleza

O Parque de Exposições Governador César Cals, em Fortaleza, receberá a partir desta quinta-feira (1) os agricultores familiares de todas as regiões do Estado para a III Feira Cearense da Agricultura Familiar do Ceará (Feceaf). O evento, que seguirá até o próximo domingo (4), será aberto oficialmente às 17 horas pelo secretário do Desenvolvimento Agrário do Estado, Antônio Amorim. 

Todo ano, durante as férias de julho, os moradores de Fortaleza têm a oportunidade de matar a saudade do interior e mostrar para as crianças, que nasceram na Capital, a vida pacata das cidades pequenas e da zona rural. 

Casa de Farinha e Engenho, Casa do Ferreiro, pesque e pague, fazendinha, feira de frutas e hortaliças orgânicas, artesanato, comidas típicas, parque de diversões, passeios de charrete, exposições de animais, abatedouro de aves, Casa do Mel e do Queijo serão algumas das atrações da Feceaf. O Parque de Exposições se transformará numa grande arena, onde a culinária, os aromas, o verde, os animais e as diversas manifestações artísticas farão com que os participantes sintam o gostinho da vida no campo sem sair da cidade. 

Promovida pela Secretaria do Desenvolvimento Agrário(SDA) e pela Federação dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura do Estado do Ceará (Fetraece), a Feira contará com cerca de 1000 participantes (todos pequenos produtores), que se dividirão entre 350 estandes. O evento trará ainda capacitações para 500 agricultores inscritos. 

O secretário de Desenvolvimento Agrário do Estado, Antônio Rodrigues Amorim, destaca que a Feira também funciona como uma de troca de experiência entre produtores, incentivando novas práticas de manejo e o melhoramento genético nas suas propriedades. Segundo ele, a Feceaf tem se caracterizado pelo fortalecimento e valorização da produção em regime familiar, potencializado a economia neste seguimento e primando pelo desenvolvimento do homem do campo. “Também têm o compromisso de manter vivas as manifestações culturais dos moradores da zona rural cearense, através de apresentações de grupos e artistas populares que expressam suas artes durante o evento”, conclui.

SERVIÇO:

A entrada na III Feceaf é gratuita.

De quinta a sábado, a Feira funciona das 10 às 22 horas.

No domingo o encerramento acontece às 20 horas.

 (Governo do Estado do Ceará)

Fortaleza e Ceará fazem “Clássico-Rei” no Castelão pelo Campeonato do Nordeste

Nesta quarta-feira, à partir das 21h15, Fortaleza e Ceará entram em campo pela sétima rodada do Campeonato do Nordeste para fazerem o chamado “Clássico-Rei”, no Castelão. Com campanhas irregulares até aqui, o time tricolor aparece apenas na 11ª colocação na tabela, com sete pontos ganhos, enquanto o arquirrival, com seis, vem logo abaixo, no 12º lugar.

Em preparação para o início da Série C do Campeonato Brasileiro, no clássico o Fortaleza terá as presenças de Paulo Isidoro, André Turatto, Leomar e Tatu reforçando o time titular. Já o Ceará, que atualmente disputa a Série A, deve manter a base dos últimos jogos, tendo apenas o desfalque de Washington. A equipe alvinegra, aliás, é a grande surpresa da competição nacional, na qual ocupa a vice-liderança.

Vale lembrar também que o time agora tem no comando o técnico Estevam Soares, que assumiu após a saída de PC Gusmão.

Embora o duelo seja um dos mais tradicionais do Nordeste, o clássico entre Fortaleza e Ceará espera atrair mais torcedores do que os outros já realizados pela competição regional. Enquanto ABC e América-RN jogaram para 7.500 torcedores, Bahia e Vitória entraram em campo e foram assistidos por apenas 3.859.

(Portal Uol Esporte)

DEM e PSDB definem Indio da Costa como vice de Serra

 BRASILIA – O PSDB e o DEM bateram o martelo nesta quarta-feira (30) e confirmaram o nome do deputado federal Indio da Costa, do DEM do Rio de Janeiro, como vice na chapa do tucano José Serra. Segundo a cúpula dos partidos, os critérios para a escolha do parlamentar levaram em conta o fato de ele ser jovem, ter uma boa presença no Congresso Nacional, ter sido o relator do projeto Ficha Limpa e, principalmente, por ser do Rio de Janeiro, terceiro maior colégio eleitoral do País.

O DEM e o PSDB passaram por uma crise ao longo desta semana, que envolveu desde troca de ofensas até boicote do nome do senador Alvaro Dias (PSDB-PR). Para tentar reverter a situação, as cúpulas dos dois partidos se reuniram u em São Paulo mais de uma vez para tentar apaziguar os ânimos do DEM, que se sentiu alijado da decisão sobre quem seria o vice do Serra.

“Isso foi uma vitória da política porque Indio da Costa tem a cara da renovação que estamos fazendo”, afirmou o deputado federal ACM Neto (DEM-BA). A necessidade de fortalecer o palanque no Rio pesou. No Rio de Janeiro, o PSDB é vice de Fernando Gabeira, do PV, e não ocupa nenhuma das vagas ao Senado. “A decisão amplia os nossos ânimos”, completou o deputado.

Segundo ACM Neto, o nome de Indio da Costa surgiu nas últmas horas e o presidenciável José Serra participou da decisão. Ainda para ACM Neto, o fator que mais pesou na escolha foi a importância de ter o DEM na chapa.

O presidente nacional do DEM, Rodrigo Maia, disse que não foram impostos nomes pelo DEM e a proposta de Indio foi construída na madrugada de terça para quarta-feira (30).

Rodrigo Maia saiu da casa de Serra, às 14h40, junto com o prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab. “Nós nos reunimos depois de algumas horas de diálogo, desde ontem (terça-feira),com (o governador) José Serra e (o governador)Aécio Neves, para discurtir a questão da vice. Fechamos agora o nome do deputado do Rio de Janeiro Indio da Costa, que é um deputado jovem, teve uma atuação no Rio de Janeiro muito importante e trabalhou de forma correta no Ficha Limpa. Tenho certeza que vai agregar muito nas eleições deste ano”, afirmou Maia.

Segundo Maia, a cúpula que se reuniu de madrugada colocou como prioridade o método e depois a discussão de nomes de todos os partidos da coligação. “O nome foi se construindo ao longo das últimas horas, primeiro de madrugada, (…) e daqui pra frente vamos preparar nossa campanha”.

Questionado sobre se as feridas ainda estão abertas, ele disse que democratas e tucanos estão zerados. “Essas questões estão todas superadas. Foi importante. Todos tiveram maturidade. A questão do Paraná se desfez não por uma vontade do PSDB, mas por uma questão local, decisão do Osmar”.

Conforme Maia, todos os líderes partidários foram consultados acerca do nome de Indio da Costa que já exerceu três mandatos de vereador e um de deputado federal, além de ter sido secretário de Educação da Prefeitura do Rio. “Quando eu e o prefeito Gilberto Kassab viemos conversar com o governador Aécio Neves e José Serra, deixamos claro que não íamos impor nomes do nosso partido. Gostaríamos de indicar a chapa, era o caminho natural”, disse o presidente do DEM.

Recusa a Alvaro Dias

A cúpula do DEM agiu para convencer o senador Osmar Dias (PDT-PR) a se lançar candidato ao governo do Paraná pea coligação PT-PMDB e, consequentemente, implodir a pretensão de seu irmão, Alvaro Dias, de concorrer nas eleições de outubro como vice do tucano José Serra.

Escanteado pelo PSDB, o DEM garantiu com a manobra que Osmar monte um palanque para a petista Dilma Rousseff no Estado e acabou por tornar injustificável a presença de Alvaro Dias como vice na composição serrista.

(Portal Terra)

Efeito pesquisa

O PSC estava fechado no apoio a José Serra (PSDB).

Chegou a querer indicar o ex-governador piauiense, Mão Santa, para vice na chapa presidencial.

Depois da subida de Dilma Rousseff (PT) nas pesquisas, porém, o partido se debandou para as fileiras governistas.

O argumento oficial foi a recusa da indicação do Mão Santa para vice.

Pura lorota, porque jamais tal indicação foi levada a sério, tampouco tratada como condição. Nem o próprio senador piauiense acreditava em tal hipótese.

Com a virada, Dilma, que já terá cerca de 35% a mais de tempo de rádio e TV, ganhará mais algo em torno de 20 segundos, subtraídos do principal adversário.

(O Povo Online – Blog Político)

Diap prevê aumento da bancada do PT no Senado de 11 para 16 parlamentares

O PT é o partido com maiores chances de aumentar sua bancada no Senado depois das eleições de outubro. Com 11 senadores atualmente, dos quais oito terminam o mandato em fevereiro de 2011, a legenda do presidente Lula e da candidata à Presidência da República Dilma Rousseff tem boas possibilidades de passar a contar com 16 senadores na próxima legislatura. A previsão faz parte de uma análise feita pelo diretor do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap), Antônio Augusto de Queiroz.

Para o diretor do Diap, o PT tem chances altas de eleição de senadores em 12 estados (veja a lista dos candidatos em cada estado) e ainda de emplacar novamente o suplente amazonense João Pedro. Ele já ocupou a vaga, no lugar do senador Alfredo Nascimento, que agora, embora tenha mandato até 2015, tem chances de se eleger governador do estado. Como as últimas pesquisas mostram o ex-ministro dos Transportes na frente da disputa, com até 36% das intenções de voto, as chances do PT herdar a vaga sem muito esforço também aumentam. Assim, o partido tem boas possibilidades de ganhar um total de 13 cadeiras no Senado.

Para Antônio Augusto, a lista dos novos senadores inclui a ex-ministra do Turismo Marta Suplicy, por São Paulo, e o ex-prefeito de Belo Horizonte, Fernando Pimentel, por Minas Gerais. O diretor do Diap também conta com a reeleição dos senadores Paulo Paim (RS), Delcídio Amaral (MS) e Augusto Botelho (RR). E acredita que levam vantagem nas disputas por duas vagas nos seus respectivos estados os ex-governadores Jorge Viana, no Acre, e Wellington Dias, no Piauí.

A lista é completada por cinco apostas do partido cujas chances eleitorais também são bem avaliadas pelo Diap: os deputados federais Carlos Abicalil (MT), que venceu a disputa interna com a senadora Serys Slhessarenko pela candidatura; Vignatti, em Santa Catarina; e Walter Pinheiro, na Bahia; o ex-ministro da Saúde Humberto Costa, em Pernambuco; e Gleisi Hoffman, ex-diretora de Itaipu e mulher do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, no Paraná.

PCdoB e PSB

A avaliação feita a pedido do Congresso em Foco também revela chances de crescimento em outros dois partidos que compõem a base do governo Lula e apoiam o PT nas eleições.

PCdoB e PSB, segundo o levantamento, também podem ter bancadas maiores em 2011. Além de manter a vaga do já senador Inácio Arruda (CE), o PCdoB poderá eleger outros três senadores. As novas vagas viriam do Amazonas, com a deputada Vanessa Grazziotin, e do Acre, com Edvaldo Magalhães, que hoje tem apenas 4,8% nas pesquisas, mas pode crescer, segundo o Diap. “Os irmãos Viana podem fazer com que o nome de Edvaldo suba mais na pesquisa, dando chance para ele conquistar a segunda vaga”, prevê o diretor do Diap.

Ele acredita que o PSB, na pior das hipóteses, manterá uma das suas duas atuais vagas no Senado. Renato Casagrande (PSB) está fora dessa disputa, pois concorrerá a governador do Espírito Santo. Antônio Carlos Valadares, porém, deve obter a reeleição em Sergipe. Mas Antônio Augusto de Queiroz estima que o partido poderá ter até quatro representantes em 2011. “Poderá ter a reeleição do senador por Sergipe e mais três novos senadores”, afirma o diretor do Diap.
 
As maiores chances, diz ele, estão no Maranhão, com o ex-governador José Reinaldo; na Bahia, com a atual deputada federal Lídice da Mata; e no Amapá com o senador cassado João Capiberibe. O caso de Capiberibe é o mais complicado porque ele ainda terá de passar pelo crivo da Lei da Ficha Limpa. Em tese, os novos critérios de inelegibilidade impedem sua candidatura (
veja a relação de quem está ameaçado pela Lei da Ficha Limpa).
 
Mas a previsão também inclui a possibilidade de conquista de uma das vagas no Rio Grande do Norte com a ex-governadora Wilma Faria, apesar da disputa apertada com os senadores Garibaldi Alves (PMDB) e Agripino Maia (DEM). O Diap aposta ainda na eleição do deputado federal Rodrigo Rolemberg no Distrito Federal.

“Com o governo do estado nas mãos, as chances da Wilma deve aumentar com o início da campanha na televisão. E o Rolemberg deve fazer uma boa campanha pela segunda vaga, já que a primeira é dada como certa para a reeleição do senador Cristovam Buarque, do PDT”, pondera o diretor do Diap. “Acredito que o deputado tem mais chances que a ex-governadora Maria de Lourdes Abadia, do PSDB”.

Oposição e PMDB

DEM e PSDB, os dois principais partidos de oposição devem perder senadores na composição da próxima legislatura, prevê o levantamento do Diap.
 
O PSDB tem 13 senadores, sendo que nove terminam o mandato em 2011. “O partido não tem a menor chance de fazer nove senadores com seus 13 candidatos. Só tem eleição garantida com Tasso Jereissati no Ceará, Aécio Neves em Minas e Cássio Cunha Lima, na Paraíba, caso não seja impugnado pelo ficha limpa”, acredita o diretor do Diap.
 
Já o DEM tem atualmente 14 senadores, sendo que oito terminam o mandato em 2011. “No cenário mais otimista, a bancada encolhe de 14 para 10 senadores”, prevê Antônio Augusto de Queiroz.

E o PMDB, atualmente com 17 integrantes do Senado, não tende a crescer. O levantamento aponta que o partido deve ficar com algo entre 14 e 16 cadeiras. “São 14 senadores que terminam o mandato em 2011. O partido não tem esse número de candidatos fortes nos estados”, avalia. O diretor do Diap aposta, de qualquer maneira, que os atuais comandantes da bancada peemedebista tendem a reeleger-se.

Renan Calheiros e Romero Jucá não têm, respectivamente, competidores fortes em Alagoas e em Roraima. Já Valdir Raupp pode ser o segundo mais votado em Rondônia em disputa acirrada com a senador Fátima Cleide (PT). O presidente da Casa, senador José Sarney (AP), não participará da disputa porque tem mais quatro anos de mandato.

(www.congressoemfoco.uol.com.br)

Senado Federal: Veja as chances de cada um dos partidos em cada estado

Por Lúcio Lambranho 

Veja abaixo as chances de cada um dos partidos em cada estado: 

PT
O partido tem 11 senadores, sendo que oito terminam o mandato em 2011. Veja os candidatos do partido com mais chances, segundo o Diap:
 

  

José Pimentel, candidato ao Senado pelo PT/ CE

 

Acre – chance alta com o ex-governador Jorge Viana.
Amazonas – chance alta de emplacar novamente o suplente João Pedro, que já ocupou a vaga, no lugar do senador Alfredo Nascimento, que pode se eleger governador do estado.
Bahia – chance alta com o deputado federal Walter Pinheiro.
Ceará – chance média com o deputado e ex-ministro da Previdência José Pimentel.
Goiás – chance baixa com o deputado federal Pedro Wilson.
Mato Grosso – chance alta com o deputado federal Carlos Abicalil.
Mato Grosso do Sul – chance alta com a reeleição do senador Delcídio Amaral.
Minas Gerais – chance alta com o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel.
Paraná – chance alta com Gleisi Hoffman, ex-diretora de Itaipu e esposa do ministro do Planejamento, Paulo Bernardo.
Pernambuco – chance alta com o ex-ministro da Saúde Humberto Costa.
Piauí – chance alta com o ex-governador Wellington Dias.
Rio Grande do Sul – chance alta com Paulo Paim.
Santa Catarina – chance alta com o atual deputado federal Vignatti.
São Paulo – chance alta com a ex-ministra do Turismo Marta Suplicy.
Rio de Janeiro – chance média com Lindenberg Farias.
Rondônia – chance média com senadora Fátima Cleide, que pode tirar a vaga do senador Valdir Raupp (PMDB). A outra vaga já seria do ex-governador Ivo Cassol.
Roraima – chance alta com a reeleição do senador Augusto Botelho ou com a outra candidata do partido, a deputada federal Angela Portela.

PCdoB
Tem um único representante hoje, o senador Inácio Arruda (CE). Poderá ter até três senadores. Veja os candidatos do partido com mais chances, segundo o Diap:

Amazonas - chance alta com a deputada Vanessa Graziotin.
Acre - chance média com Edvaldo Magalhães que tem 4,8%, mas pode crescer, segundo o Diap.

PSB
O partido tem dois senadores. Poderá ter quatro representantes.
Veja os candidatos do partido com mais chances, segundo o Diap:
 

Amapá – chance alta, caso não impedido de se candidatar pela Lei da Ficha Limpa, do ex-senador João Capiberibe.
Bahia – chance média com a deputada Lídice da Mata.
Distrito Federal – chance alta com o deputado Rodrigo Rollemberg, que deverá pegar a segunda vaga, já que a primeira deverá garantir a reeleição do senador Cristovam Buarque.
Maranhão – chance alta com o ex-governado José Reinaldo.
Rio Grande do Norte – chance média com a ex-governador Wilma Faria.
 

DEM
O partido tem atualmente 14 senadores, sendo que oito terminam o mandato em 2011. Veja os candidatos do partido com mais chances, segundo o Diap: 

Goiás – chance alta de reeleição do senador Demóstenes Torres.
Paraíba – chance baixa, devido às denúncias envolvendo sua atuação no Senado, para a reeleição do senador Efraim Morais.
Pernambuco – chance média de reeleição do senador Marco Maciel
Piauí – chance média de reeleição do senador Heráclito Fortes.
Rio de Janeiro – chance alta com o ex-prefeito do Rio de Janeiro, César Maia.
Rio Grande do Norte – chance alta de reeleição do senador Agripino Maia.
 

PSDB
O partido tem 13 senadores, sendo que nove terminam o mandato em 2011. Veja os candidatos do partido com  mais chances, segundo o Diap: 

Amazonas – chance média para a reeleição do senador Arthur Virgílio, que terá dificuldades de vitória contra a fortíssima chapa formada pelo ex-governador Eduardo Braga (PMDB) e pela deputada federal Vanessa Grazziotin (PCdoB).
Ceará – chance alta de reeleição do senador Tasso Jereissati.
Distrito Federal – chance baixa com a ex-governadora Maria de Lourdes Abadia.
Espírito Santo – chance baixa com a deputada Rita Camata.
Maranhão – chance baixa com o deputado Roberto Rocha que ainda disputa vaga na chapa com o ex-ministro do STJ Edson Vidigal.
Mato Grosso-  chance alta com o ex-senador Antero Paes de Barros.
Minas Gerais – chance alta com o ex-governador Aécio Neves.
Pará – Chance média com a reeleição do senador Flexa Ribeiro.
Paraíba – Chance alta com o ex-governador Cássio Cunha Lima, caso ele não seja barrado pela Lei da Ficha Limpa.
São Paulo – chance baixa com Aluízio Nunes Ferreira.
Sergipe – chance média com o ex-governador Albano Franco.

 

 O PMDB, atualmente com 17 integrantes do Senado, não tende a crescer. O levantamento mostra entre 14 e 16 cadeiras para o partido. Veja os candidatos do partido com  mais chances, segundo o Diap:
 
Acre – chance média para o senador Geraldo Mesquita Júnior.
Alagoas – chance alta para a reeleição do Renan Calheiros.
Amazonas – chance alta para o ex-governador Eduardo Braga.
Goiás – chance média com a deputada Íris de Araújo.
Maranhão – chance alta para a reeleição do senador Edison Lobão.
Mato Grosso do Sul – chance baixa de reeleição do senador Valter Pereira que está em última lugar na pesquisa e chance média com o deputado Waldemir Moka (PMDB) terceiro lugar nas pesquisas.
Pará – chance alta com o deputado e ex-presidente do Senado, Jader Barbalho, se ele passar pelo crivo do ficha limpa.
Paraná – chance alta com o ex-governador Roberto Requião. 
Rio Grande do Norte – chance alta para a reeleição do senador Garibaldi Alves.
Rio Grande do Sul – chance alta com o ex-deputado Germano Rigoto.
Rondônia – chance média para a reeleição do senador Valdir Raupp.
Roraima – chance alta para a reeleição do senador Romero Jucá.
Santa Catarina – chance alta com o ex-governador Luiz Henrique.
Sergipe – chance média com o deputado Jackson Barreto.
Tocantins – chance alta com o ex-governador Marcelo Miranda, que, cassado pelo TSE, terá que passar pelo crivo do ficha limpa.

 www.congressoemfoco.uol.com.br

 

Diretoria do Senado: O que aconteceu com os cargos que seriam extintos? Saiba agora.

Por Edson Sardinha, Lúcio Lambranho e Fábio Góis

O Senado anunciou no ano passado a exoneração de 50 servidores que exerciam funções de direção, mas só exonerou 17 até agora. Veja abaixo o que aconteceu com as diretorias:
 
26 diretores foram mantidos nos mesmos cargos e nos mesmos órgãos:
 
Diretor da Secretaria de Coordenação Técnica e Relações Institucionais
 
Diretor de Consultoria do Prodasen
 
Diretor da Subsecretaria de Administração Financeira
 
Diretor da Subsecretaria de Anais
 
Diretora da Subsecretaria de Registro a Reuniões de Comissões
 
Diretor da Subsecretaria de Elaboração de Autógrafos e Redação Oficial
 
Diretor da Subsecretaria de Proteção a Autoridades
 
Diretor da Subsecretaria de Publicações Oficiais
 
Diretor da Subsecretaria de Tecnologia da Informação
 
Coordenador da Rádio Agência. Cargo equivalente ao de diretor
 
Coordenador de Apoio Aeroportuário (apelidado de coordenador de “check-in”). Cargo equivalente ao de diretor
 
Coordenador de Administração de Residências (apelidado de coordenador de garagem). Cargo equivalente ao de diretor
 
Diretor da Subsecretaria de Atendimentos aos Gabinetes de Senadores
 
Diretor da Subsecretaria de Atendimento de Informações Administrativas Especiais
 
Diretora da Subsecretaria de Documentação e Arquivo
 
Diretor da Subsecretaria de Gestão de Documentos
 
Diretor da Subsecretaria de Instalações Especiais
 
Diretor da Subsecretaria de Arquivo Permanente
 
Diretor da Subsecretaria de Administração Patrimonial
 
Coordenador de Processos Judiciais, cargo equivalente ao de diretor
 
Diretor da Subsecretaria de Pesquisa e Recuperação de Informações Institucionais
 
Diretor da Subsecretaria de Pessoal Inativo
 
Diretora da Subsecretaria de Conversão Digital dos Acervos Audiovisuais, da Secretaria Técnica de Eletrônica
 
Diretor da Subsecretaria de Operações, da Secretaria Técnica de Eletrônica
 
Diretor da Coordenação Jurídica
 
Consultor jurídico da Secretaria Especial de Editoração e Publicações, cargo equivalente ao de diretor
 
7 diretores não perderam cargo de direção. Mudaram apenas de diretoria:
 
Diretor da Subsecretaria de Administração Orçamentária agora é secretário de Coordenação e Execução da subsecretaria, cargo equivalente ao de diretor
 
Diretora da Subsecretaria de Planejamento e Execução de Convênios, que foi extinta, agora é diretora da Coordenadoria Financeira da Secretaria de Coordenação e Execução
 
Diretor da Advocacia do Senado agora é coordenador de Processos Administrativos, cargo equivalente ao de diretor
 
Coordenador de Pesquisas e Apoio Técnico agora é assessor jurídico da Coordenadoria de Processos Administrativos, cargo equivalente ao de diretor
 
Diretor da Subsecretaria de Apoio Técnico agora é diretor da Secretaria de Serviços Gerais
 
Diretor da Secretaria Técnica de Eletrônica agora é diretor da Subsecretaria Técnica de Manutenção. Secretaria continua com novo diretor
 
Diretor da Subsecretaria de Redação da Ordem do Dia agora é secretário-geral da Mesa adjunto, cargo equivalente ao de diretor. Subsecretaria continua, mas com novo diretor
 
17 não exercem mais função de diretor:
 
Diretor da Subsecretaria de Convergência Tecnológica agora é analista legislativo na diretoria-geral adjunta. Mantiveram a subsecretaria, mas mudaram o diretor
 
Diretor da Subsecretaria de Polícia Ostensiva agora está lotado como policial legislativo federal. Mudaram o diretor da subsecretaria 
 
Diretor da Subsecretaria de Pesquisas e Desenvolvimento de Estudos e Projetos agora é analista legislativo da Secretaria de Coordenação Legislativa do Senado Federal. Mantiveram a subsecretaria, mas mudaram o diretor
 
Diretora-geral adjunta agora é subchefe de gabinete do senador Marco Maciel (DEM-PE). Diretoria tem hoje outros dois diretores gerais adjuntos
 
Diretor da Subsecretaria de Planejamento e Fomento é consultor legislativo do Núcleo de Discursos. A subsecretaria continua, mas com novo diretor
 
Diretora da Secretaria de Estágios agora é assistente editorial gráfico. Secretaria continua, mas com outro diretor
 
Coordenadora da extinta Coordenação de Análise de Notícias agora está lotada como jornalista do Serviço de Relacionamento Público
Diretor adjunto do extinto Instituto Legislativo Brasileiro agora é analista legislativo do Gabinete da Diretoria-Executiva do ILB
 
Diretor da Subsecretaria de Apoio Técnico e Relações Institucionais agora é analista legislativo do Serviço de Faturamento. Secretaria continua, mas sem diretor
 
Diretor da Subsecretaria de Obras agora é analista legislativo na Secretaria de Engenharia. Subsecretaria ainda existe, mas tem um chefe de serviço, e não mais diretor
 
Diretor do Gabinete da Subsecretaria de Infra-Estrutura Tecnológica agora é analista de informática legislativa do Serviço de Administração de Servidores de Redes
 
Diretor do Gabinete de Coordenação e Execução agora é chefe do Serviço de Finanças, cargo que, segundo o Senado, não é de direção 

Diretor na Presidência do Senado agora é consultor legislativo da Comissão de Constituição e Justiça 
 
Coordenador de Atividade Policial está licenciado. Segundo o Senado, apesar de o nome dele constar da lista dos diretores que seriam exonerados, o servidor não exercia função de chefia ou direção
 
Secretária de Coordenação e Execução, equivalente a cargo de direção, agora está lotada na Secretaria de Engenharia como assistente técnico
 
Diretor adjunto do Gabinete da Secretaria de Assistência Médica e Social está agora lotado no Serviço Médico. O cargo de diretor-adjunto está vago
 
Coordenadora de Comunicação Institucional era a única comissionada, e não consta mais da relação dos servidores do Senado

www.congressoemfoco.uol.com.br

Divulgada lista de aprovados em concurso da Caixa

O CESPE/UnB divulgou nesta terça (29) o resultado das provas objetivas e a lista de aprovados no concurso da Caixa Econômica Federal para o cargo inicial de Técnico Bancário Novo, nível médio, em carreira Administrativa. Os aprovados integram a lista de cadastro de reserva e devem ser convocados de acordo com a necessidade da CEF.

A relação completa dos aprovados você confere aqui.

Obs: por conta da grande extensão do arquivo, a página pode demorar alguns minutos para abrir.

(Jangadeiro Online)

TSE suspende inserções nacionais do PSDB pró-Serra

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) suspendeu o conteúdo das inserções do PSDB que iriam ao ar nesta terça-feira (29) em cadeia nacional de TV. O pedido foi feito pelo PT sob a alegação de que o PSDB, além da prática de propaganda antecipada em favor de José Serra, desobedeceu a duas decisões do TSE que determinavam a substituição do conteúdo das inserções veiculadas nos últimos dias 16 e 23 de junho. Os tucanos foram autorizados, entretanto, a veicular outras peças.

O corregedor-geral eleitoral, Aldir Passarinho Junior, proibiu que o PSDB repetisse hoje a propaganda exibida no último dia 26, entendendo que a peça “desatendeu as orientações contidas no mencionado texto legal, conforme expressamente consignado em decisões proferidas anteriormente, buscando realizar exclusiva promoção de José Serra”, afirmou.

Apesar da suspensão, o corregedor liberou o partido para substituir a propaganda por outra que não viole a lei eleitoral.

O PT alegou que em outras duas representações o próprio Passarinho havia determinado a suspensão das inserções levadas ao ar pelo PSDB. Com esse argumento, o partido queria impedir a exibição de uma nova propaganda, mesmo com conteúdo diferente dos proibidos, usando como argumento a recorrente desobediência às determinações anteriores.

(Jangadeiro Online)

Entendas as regras das eleições de deputados e senadores

Por Rogério Schmitt*

O nosso glorioso Congresso Nacional é composto por 81 senadores e por 513 deputados federais. Nas eleições de outubro, serão renovados os mandatos de 2/3 dos membros do Senado Federal e da totalidade dos integrantes da Câmara dos Deputados.

Essa será a sétima eleição parlamentar geral desde o final do regime militar. Apesar disso, muitos eleitores ainda não entendem direito as diferenças entre os critérios utilizados para a eleição dos senadores e dos deputados federais. Esta coluna foi escrita para tentar esclarecer essas dúvidas.

O nosso Poder Legislativo é bicameral. A Câmara Alta (Senado) representa os 27 estados da federação – e os senadores são selecionados em eleições majoritárias. Por sua vez, a Câmara Baixa (Câmara) representa os 190 milhões de brasileiros – e os deputados são eleitos por intermédio de um sistema proporcional.

Antes de falar das diferenças, vale mencionar uma característica em comum dos dois tipos de eleição. No Brasil, tanto senadores como deputados são eleitos pelos colégios eleitorais estaduais. Em outras palavras, os estados da federação funcionam como circunscrições eleitorais nos dois casos. Nos EUA e em outros países, ao contrário, apenas os senadores são eleitos estadualmente. Os deputados representam subdivisões territoriais dos estados (também chamadas de distritos).

Os critérios para a eleição de senadores são bem mais intuitivos para o eleitor comum. Cada partido poderá lançar até 2 candidatos ao Senado por estado (todos elegerão uma dupla de novos senadores em 2010). Cada eleitor poderá votar em até 2 candidatos (mas esses votos não podem ser cumulativos). Os senadores eleitos em cada estado serão os dois candidatos individualmente mais votados. A regra majoritária é simples assim.

Por outro lado, o sistema que utilizamos para eleger os deputados federais é proporcional. A lógica desse sistema não é individual, e sim partidária. A votação individual de cada candidato é menos decisiva que a votação de seus partidos. Grosso modo, uma legenda que obtenha x% dos votos válidos elegerá x% dos deputados dentro daquele estado.

Cada partido pode lançar tantos candidatos quanto o número de cadeiras na Câmara que estiverem sendo disputadas (70 no caso de São Paulo, 53 em Minas Gerais, 46 no Rio de Janeiro, e assim por diante). A votação mínima necessária para a eleição de um deputado é chamada de quociente eleitoral. Suponha um estado imaginário com 500 mil votos válidos (A) e que eleja 10 deputados (B). O quociente eleitoral naquela circunscrição será, portanto, de 50 mil votos (A dividido por B).

O número de deputados eleitos por cada partido será determinado com base no número de vezes em que ele atingir o quociente eleitoral. No exemplo acima, uma sigla cujos candidatos obtenham 100 mil votos elegerá 2 deputados federais. Para ser preciso, os dois mais votados individualmente da sua lista de candidatos.

É justamente por conta desse procedimento complicado que, ao menos teoricamente, candidatos que tiveram menos votos podem ser eleitos derrotando candidatos que tiveram mais votos. Basta que os primeiros pertençam a partidos com um desempenho agregado superior aos partidos dos segundos. A regra é clara!

Quando entendemos o modo pelo qual um sistema eleitoral funciona, fica mais fácil evitar o desperdício do nosso voto. Como a eleição dos senadores é majoritária, os eleitores têm incentivos para praticar o chamado voto útil (escolhendo candidatos individualmente competitivos). E, como a eleição dos deputados é proporcional, os incentivos são para que escolhamos os melhores candidatos dos partidos mais competitivos – permitindo uma escolha mais “sincera” do que no caso anterior.

Os dois sistemas usados para eleger os congressistas brasileiros têm virtudes e imperfeições. Mas eles parecem se complementar um ao outro de forma razoavelmente funcional. É pouco provável que sejam drasticamente alterados nas eleições futuras.

  *Consultor político, coordenador de Estudos e Pesquisas do Centro deLiderança Pública (CLP) e Doutor em Ciência Política pelo Instituto Universitário de Pesquisas do Rio de Janeiro (Iuperj). Foi professor da Universidade de São Paulo (USP), da PUC-SP e da Escola de Sociologia e Política de São Paulo. Publicou o livro “Partidos políticos do Brasil: 1945-2000″ (Jorge Zahar Editor, 2000) e co-organizou a coletânea Partidos e coligações eleitorais no Brasil (Unesp/Fundação Konrad Adenauer, 2005).

www.congressoemfoco.uol.com.br

Exclusivo: Senado Federal mantém 214 cargos de diretoria

Por Edson Sardinha, Lúcio Lambranho e Fábio Góis
 
Um ano e três meses depois de chocar o país ao admitir ter mais de 180 diretores, o Senado mantém atualmente 214 servidores que ocupam cargos de direção, e ainda resiste a enxugar o quadro.
Dos 50 diretores cuja exoneração foi anunciada em março de 2009, apenas 17 perderam as funções de comando. Quinze meses depois, 33 deles continuam em posição de chefia, sem redução no salário. Desses, 26 seguem exatamente nos mesmos postos, e sete trocaram apenas de diretoria. Apenas uma servidora, a única comissionada da lista, não consta mais do quadro de servidores da Casa. 

O que aconteceu com os 50 diretores que seriam exonerados

Todos os cargos de diretoria do Senado
 
Entre os órgãos que seriam atingidos, somente quatro foram de fato extintos: as subsecretarias de Planejamento e Execução de Convênios e de Apoio Técnico; e as coordenações de Análise de Notícias e de Pesquisas e Apoio Técnico. Também foi extinta a função de diretor adjunto do Instituto Legislativo Brasileiro (ILB).
 
Os cortes, anunciou o Senado na época, atingiriam diretorias de “menor conteúdo de competência” e resultariam numa economia mensal de R$ 400 mil aos cofres públicos. Se todos esses cargos tivessem sido eliminados, conforme foi anunciado, a Casa teria economizado cerca de R$ 6 milhões de lá pra cá, apenas no período compreendido em pouco mais de um ano.
 
Check-in e garagem

O Senado deixou de extinguir, por exemplo, as funções de coordenador de “check-in” (Coordenação de Apoio Aeroportuário) e de “garagem” (Coordenação de Administração de Residências). A descoberta de uma coordenadoria que ajuda os senadores no aeroporto e de outra que funciona numa garagem de um prédio funcional pegou de surpresa até os senadores e virou um dos símbolos da falta de controle sobre as diretorias. A reportagem entrou em contato com as diretorias e confirmou que na de “check-in”, por exemplo, o nome à frente das atividades é o mesmo.
 
Os coordenadores de “check-in”e “garagem” estão entre os 19 coordenadores que, na hierarquia do Senado, exercem funções equivalentes às dos 126 servidores que respondem por diretorias, como diretor geral ou adjunto, de secretaria ou subsecretaria. Na mesma situação, estão outros 69 servidores, como consultores gerais, coordenadores adjuntos, assessores jurídicos, secretários de comissão, chefe de cerimonial, entre outros, também equiparados a diretor por suas respectivas remunerações.
 
A relação dos 214 servidores que ocupam postos de direção ou equivalentes é composta por funcionários que recebem as mais elevadas funções comissionadas (FC 8, FC 9 e FC 10). Isso significa que, além do salário, esses servidores recebem entre R$ 4.128,02 e R$ 4.953,63 a mais apenas para exercer a função. O Senado ressalta que nem todos são diretores “formais”, porque não têm autonomia e nem subordinados ou orçamento próprio à sua disposição. A reportagem tentou contato com o diretor-geral do Senado, Haroldo Tajra, mas não obteve retorno.

“Enxugamento”
 
A lista dos cargos que seriam extintos e dos diretores e coordenadores que seriam exonerados foi divulgada, na ocasião, pelo próprio Senado. O anúncio das exonerações e das extinções das funções foi feito pelo primeiro-secretário, senador Heráclito Fortes (DEM-PI), em março do ano passado. Segundo ele, os cortes eram “o primeiro elenco de medidas” para enxugar a megaestrutura do Senado. “Tínhamos que começar, e não podíamos adiar por muito tempo. Então, esse é o primeiro, e vamos continuar procurando não cometer injustiças, principalmente com os servidores desta Casa”, explicou Heráclito na época.
 
Procurado ontem (29) pela reportagem para explicar por que a Casa não fez as alterações anunciadas, o primeiro-secretário disse que não pretende falar sobre o assunto até que o senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) apresente seu parecer à proposta de reforma administrativa da Casa. O relator não deu retorno ao contato feito pelo site com seu gabinete no Ceará.

A 2ª vice-presidente do Senado, Serys Slhessarenko (PT-MT), falou à reportagem sobre o assunto. “Ave Maria!”, exclamou a senadora, ao saber da não extinção dos cargos de diretoria. Mas a petista não quis acreditar que a estrutura da Casa ainda não tenha sido devidamente reduzida, como foi anunciado pela Primeira Secretaria em março. “Eu acredito que tudo isso foi extinto. Eu não conferi isso, faz muito tempo que a gente trabalhou nessa reformulação”, admitiu.

Única integrante da Mesa Diretora a se opor ao plano de carreira de quase meio bilhão aprovado na última quarta-feira (23), Serys disse que precisa ter mais detalhes sobre as diretorias para se manifestar com mais propriedade sobre a questão. Mas cobrou os resultados anunciados pela Primeira Secretaria. “Se eles anunciam 50 diretorias de corte, esses cortes têm de aparecer.”

Mas o senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA) disse à reportagem que algumas diretorias devem mesmo ser mantidas. “Às vezes, a gente sai do Senado faltando cinco minutos para pegar um avião. É importante que exista um encarregado para emitir um bilhete, fazer um check-in”, declarou o tucano, lamentando que a Mesa Diretora ainda não tenha resolvido a contento a questão do excesso de diretorias. “A Mesa é um colegiado responsável por isso. Eu lamento.”

Flexa contestou a ênfase que a imprensa dá às funções de direção no Senado. “O problema é a nomenclatura. Falam em diretor de check-in… Isso não existe”, ponderou o senador paraense.

Os senadores evitam falar sobre o enxugamento da estrutura administrativa do Senado antes que fique pronto o relatório de Tasso Jereissati. “Estou esperando chegar ao plenário para que possamos discutir”, resumiu Lúcia Vânia (PSDB-GO).

O prazo para a realização de convenções partidárias, que acaba nesta quarta-feira (30), e os festejos de São João provocaram um esvaziamento do Congresso no mês de junho – a ponto de Serys, na ausência do presidente do Senado (e do Congresso), José Sarney (PMDB-AP), e do vice, Marconi Perillo (PSDB-GO), ter encerrado ontem (terça, 30) uma sessão do Congresso por falta de quórum. Apenas quatro senadores compareceram à sessão que analisaria liberação de créditos extraordinários.

Em análise
 
Por meio da Secretaria de Comunicação Social do Senado, a Secretaria de Recursos Humanos admitiu que os 50 cargos não foram extintos e que as mudanças serão feitas por meio do Projeto de Resolução 96/2009, relatado por Tasso. A proposta, baseada em estudo encomendado pela Casa à Fundação Getúlio Vargas, aguarda análise de uma subcomissão na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.
 
“Os cargos e funções decorrem diretamente da estrutura administrativa e, portanto, a resolução que resultará do citado projeto constitui o instrumento normativo adequado para versar sobre a extinção de cargos e funções (art. 52, XIII, da Constituição). Tão logo aprovada a nova estrutura, serão baixados os atos administrativos conseqüentes”, informou o Senado.
 
Leia também:

Entenda a dança das cadeiras das diretorias

www.congressoemfoco.uol.com.br

PV lança Marcelo Silva para governador do Ceará e garante palanque a Marina

O Partido Verde (PV) homologa hoje (30) os ambientalistas Marcelo Silva e Aristides Braga como candidatos a governador e a vice, respectivamente, para a disputa eleitoral no Ceará. A convenção do PV será às 15 horas, no plenário da Assembleia Legislativa com a presença de Guilherme Leal, candidato a vice da candidatura de Marina Silva (PV). Durante a convenção, o partido homologará ainda a candidatura do professor Paulo Eduardo Lima ao Senado.

Marcelo Silva repete a chapa que disputou a prefeitura de Fortaleza em 2004, quando perdeu para a prefeita Luizianne Lins (PT). Segundo Silva, a candidatura servirá para dar palanque no Ceará a Marina Silva. Marcelo Silva já foi prefeito de Maranguape, cidade da Região Metropolitana de Fortaleza e secretário regional executivo de Luizianne Lins, no primeiro mandato (2005-2008).

A convenção do PV escolherá ainda os candidatos a deputado estadual e a deputado federal. O PV partirá nas eleições proporcionais coligado com o PSDC.

(Ultimo Segundo)

Vox Populi: Dilma lidera, mas ainda é menos conhecida que Serra

A pesquisa divulgada nesta terça-feira pelo instituto Vox Populi confirmou a candidata do PT ao Palácio do Planalto, Dilma Rousseff, à frente do tucano José Serra, com 40% das intenções de voto contra 35% do rival. Apesar do avanço, a petista continua menos conhecida do eleitorado na comparação com seu principal adversário.

Do total de entrevistados, 65% disseram conhecer bem Dilma ou possuir alguma informação sobre a ex-ministra, número inferior aos 78% que fizeram essas mesmas referências sobre o candidato tucano. Outros 30% afirmaram que conhecem Dilma apenas pelo nome, número que ficou em 20% no caso de Serra. Na amostra, 5% disseram desconhecer a candidata petista, enquanto 2% deram a mesma resposta em referência ao ex-governador tucano.

Em terceiro lugar na disputa presidencial, a senadora Marina Silva (PV-AC) é a menos conhecida dos eleitores, entre os principais candidatos. No total, 38% disseram conhecê-la bem e 39% disseram conhecê-la apenas pelo nome. Além disso, 23% afirmam desconhecer a senadora.

Para o diretor do Vox Populi, João Francisco Meira, os dados indicam que Dilma tem potencial para ampliar sua votação na fatia do eleitorado que ainda não a identifica como candidata do presidente Luiz Inácio Lula da Silva – 19% dos entrevistados não souberam apontá-la como o nome escolhido pelo presidente para disputar sua sucessão.

Regiões

Dilma é menos conhecida que Serra em todas as regiões do País. No Nordeste, onde a campanha petista se esforça para transferir para a ex-ministra os votos de Lula, 55% dos eleitores dizem conhecer bem Dilma, enquanto 68% souberam identificar o tucano por esse mesmo critério. No Norte do País, a ex-ministra é conhecida por 67% do eleitorado, contra 79% de Serra. Na região Centro-Oeste, os valores alcançam 79% no caso da petista e 83% para o tucano.

No Sudeste do País, 67% dizem conhecer bem Dilma, número que alcança 85% quando o nome apresentado é o de Serra. Já no Sul do País, a fatia dos eleitores que dizem conhecer bem a ex-ministra chega a 65%, enquanto Serra vai a 78%.

(Ultimo Segundo)

Lúcio Alcântara formaliza candidatura a governo do Ceará com apoio a Dilma

Lúcio Alcântara homologou hoje sua candidatura pela terceira vez ao governo do Ceará pelo PR e disse que será o verdadeiro palanque da presidenciável Dilma Rousseff no Estado. Governador tucano de 2003 a 2006, ele perdeu a disputa quando tentou a reeleição em 2006 concorrendo ainda pelo PSDB.

Alcântara disse apostar que o governador Cid Gomes (PSB), que tenta a reeleição, não fará campanha para a candidata do PT, ainda ressentido com a rejeição do PSB à candidatura presidencial do irmão Ciro Gomes (PSB).

“O PR é aliado de primeira hora do presidente Lula e estamos no Ceará apoiando a eleição de Dilma Rousseff”, afirmou durante a convenção realizada no Ginásio Poliesportivo da Parangaba, na periferia de Fortaleza.

Os companheiros de chapa Cláudio Vale, candidato a vice-governador, e Alexandre Pereira, que concorre ao Senado, são do PPS, que apoia a candidatura do tucano José Serra à presidência. “Não vejo problema, uma vez que o PR é quem encabeça a chapa e somos nós que vamos fazer campanha verdadeiramente para Dilma”, destacou.

(Ultimo Segundo)

Quem e Aonde?

Chefe

O deputado federal Aníbal Gomes (PMBD) disse que só votaria no deputado Eunício Oliveira para o senado se recebesse a ordem do deputado Domingos Filho. Será que a ordem foi dada?

Patrimônio Eleitoral

- A candidata a deputada Patricia Saboya será votada em dois colégios do deputado Domingos Filho: Tauá e Parambu.

- O professor Pinheiro vai herdar milhares (mais de 20 mil) votos de Domingos Filho, em Iguatu.

- Ainda não se sabe para quem vai os votos que o deputado Fernando Hugo reservava para o presidente da Assembleia, na dobradinha com Domingos Neto, em Fortaleza. São 30 mil votos.

- Sai pesquisa ainda esta semana. Será a primeira aferição depois da tumultuadas convenções.

- Cid Gomes e Eunício Oliveira foram juntos ao lançamento da candidatura a deputado federal, do ex-prefeito de Parambu, Genessias Noronha Domingos Filho estava lá.

(Blog do Roberto Moreira – Tv Diário)

O barraco está armado: Álvaro Dias (PSDB) X Rodrigo Maia (DEM)

Rodrigo Maia, presidente do DEM, chama Álvaro Dias de mentiroso. Na cara dele.

Do Panorama, no Globo:

Outras notas sobre o mesmo assunto, ainda no Panorama:

Uns e outros – O DEM vibrou com a afirmação de seu presidente, o deputado Rodrigo Maia (RJ): “A eleição, nós já perdemos. Não podemos perder o caráter”. Mas o PSDB não gostou e o candidato tucano à Presidência, José Serra, ficou ensandecido.

A novela do vice continua hoje – O encontro entre o candidato José Serra e o DEM, ontem à noite, sobre o vice da chapa, não foi conclusivo. O DEM falou de seu desconforto e reafirmou o desejo de fazer o vice. Serra explicou por que a escolha recaiu sobre o senador Álvaro Dias (PSDB-PR) e reconheceu que não encaminhou o assunto da melhor maneira. Hoje, o DEM debate o que deverá fazer. Mas a convenção do partido será burocrática e sem festa. Pode até ser transferida para a sede do partido.

Por que Rodrigo Maia fez uma declaração tão contundente? Simples. Porque o DEM sentiu-se profundamente desrespeitado pela maneira com que Serra conduziu o processo de escolha do vice. E também porque não foi a primeira vez. O tucano já tentara desmontar, no último minuto, um compromisso assumido com seus aliados no Rio, atingindo PPS, PV e DEM. Na ocasião, as lideranças do DEM no Rio  haviam se manifestado de forma bastante dura, tão dura que o PSDB teve que recuar. Foi um vexame. É incrível que o PSDB tenha repetido a dose, novamente puxando o tapete de seus aliados.

De qualquer forma, não há nada resolvido. PSDB e DEM continuam intransigentes em suas posições. Há consenso generalizado que, independente da solução, a trapalhada de Serra constituiu seu maior tiro no pé nestas eleições.

Sem contar que há o risco de Osmar Dias, irmão de Álvaro Dias, ignorar o PSDB e montar o palanque para Dilma Rousseff. A indecisão de Osmar, que já beirava o patológico e o oportunismo barato, atingiu agora um patamar caricatural que, ele mesmo admite, está lhe prejudicando politica e eleitoralmete.

Por Miguel do Rósário, em www.oleododiabo.blogspot.com

Miriam Leitão não chora pelo Nordeste

 

Esse gráfico é muito impressionante. Ele mostra o déficit nominal em relação ao PIB das principais economias, e o Brasil está no topo da pirâmide, ou seja, é um dos países menos endividados do mundo. Nem sempre foi assim. Fui dar uma espiada na coluna da urubóloga e, sem surpresa, vi que ela nem toca no assunto que constituiu o tema central da reunião do G20, que é a meta de reduzir os déficits fiscais até 2014.

Claro que ela não abordou o tema. Isso a forçaria a elogiar o Brasil! Ela não se constrangeu, todavia, e, mencionando o G20, deu um jeito de falar mal de Lula.

Miriam Leitão perdeu qualquer escrúpulo de coerência. Seu antilulismo é tão doentio, que há momentos em que seu texto se torna verdadeiramente incompreensível. Observem como ela abre a coluna de hoje:

A primeira linha do comunicado do G-20 é animadora. Diz que é o primeiro encontro de cúpula do grupo na sua nova capacidade de ser o mais importante fórum de cooperação econômica global. É um atestado de superação do G-8. O presidente Lula não estava lá. O Brasil perdeu peso político na conversa dos grandes e deu mais um sinal de como é errática sua política externa.

Ela começa o parágrafo elogiando o G-20, uma criação geopolítica da qual o atual governo participou ativamente, emite um muxoxo infantil sobre a ausência de Lula e conclui, numa piparote lógico de fazer Descartes dançar o rebolation em seu túmulo, que “o Brasil perdeu peso político na conversa dos grandes”. Perdeu porquê? Porque Lula faltou à reunião para monitorar a tragédia no Nordeste?

No finalzinho do texto, ela manda essa:

Há momentos em que a diplomacia brasileira faz esforços fortes no que não é tão decisivo, e outros momentos em que não aparece. O motivo apresentado foi que o presidente precisava coordenar as ações de ajuda ao Nordeste. A tragédia das chuvas foi grave, mas é o governo todo que precisa estar envolvido e o presidente poderia ter se ausentado, sem que isso significasse evidentemente interromper a ajuda às vítimas.

Não seria o contrário? Se o Brasil fez o seu dever de casa no G20, não pode ser muito bem representado, como o foi, por seu ministro da Fazenda, Guido Mantega? O que é mais importante, participar de burocráticos convescotes internacionais, onde Lula seria criticado de qualquer jeito (por viajar demais, etc) ou prestar apoio governamental e psicológico (com sua presença física) às vítimas de uma tragédia que vitimou a região mais pobre do país?

O raciocínio de Miriam é insensível e preconceituoso. Em virtude de sua economia frágil, a tragédia do Nordeste pode ter desdobramentos terríveis para milhões de pessoas. Prefeituras e governos estaduais tem estrutura precária e insuficiente para dar solução aos problemas urgentes que se multiplicam dia a dia. A burocracia emperra as verbas alocadas para levar auxílio às vítimas. Enfim, há uma série de fatores que pedem o monitoramento atento de um chefe de Estado preocupado com a população. Quando aconteceram as enchentes em São Paulo, José Serra, então governador, desapareceu do mapa, com medo de que sua imagem fosse associada a uma tragédia. O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, igualmente escafedeu-se. Milhões de pessoas sofreram os efeitos da chuva sem que ao menos seu governante trouxesse palavras de conforto nem os informasse sobre as providência que estavam sendo tomadas. Durante semanas a fio, comunidades inteiras permaneceram submersas na lama pútrida, abandonadas pelas autoridades responsáveis. E nenhum colunista de jornal teve culhões para fazer a pergunta: “onde está José Serra?”

E agora, que Lula adota uma postura oposta e vai ao Nordeste e pisa na lama, e leva seus principais ministros para verem de perto o que aconteceu, Miriam Leitão diz que o presidente errou, que o certo era ele deixar sua equipe resolvendo o pepino, entrar no AeroLula e participar de coquetéis em Toronto, Canadá? Ora, é evidente que a presença de Lula, uma figura reverenciada como um mito no Nordeste, ajuda muito, em todos os sentidos. Ajuda a agilizar a liberação de verbas, cujo fluxo é atrasado por incompetência e insensibilidade burocrática; ajuda a trazer esperança e tranquilidade às vítimas, aliviadas por saber que Lula está monitorando pessoalmente a situação; melhora, enfim, a autoestima de todo país, que vê o Estado, na figura do funcionário público mais graduado da República, agindo efetivamente para reduzir os danos causados pela tragédia. O G20, afinal, é muito bom, mas não é comida.

www.oleododiabo.blogspot.com

José Luis Salinas deixa a vice-presidência de TI do BB

SÃO PAULO – Geraldo Afonso Dezena da Silva substitui José Luis Salinas no cargo de vice-presidente de TI do Branco do Brasil.  

Dezena era até então diretor de tecnologia e operações da Aliança do Brasil. No Banco do Brasil desde 1977, já foi diretor de varejo e distribuição e superintendente nos estados da Bahia e da Paraíba. Bacharel em Direito, Dezena tem especialização em administração financeira pela FGV-SP.

Salinas, que deixou o cargo na sexta-feira (25/6), continua no Banco do Brasil, mas sua nova posição ainda não foi oficialmente definida. Administrador de empresas, Salinas trabalha no BB desde 1982. Assumiu a TI do banco em 2007 e conduziu a integração de sistemas do BB com os da Nossa Caixa, entre outros projetos.

(Info Abril)

Dilma Rousseff apoia à união civil de homossexuais

“A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, disse hoje que é favorável à união civil de pessoas do mesmo sexo e que é contra alterações na atual legislação que regula o aborto. “Sou a favor da união civil. Acho que a questão do casamento é religiosa. Eu, como indivíduo, jamais me posicionaria sobre o que uma religião deve ou não fazer. Temos que respeitar”, afirmou, durante sua participação no programa “Roda Viva”, transmitido pela internet e que será exibido às 22h desta segunda-feira pela TV Cultura. “Direitos civis básicos, direito à herança e a receber a aposentadoria do parceiro, são direitos civis e devem ser reconhecidos de forma civil.”

Em relação ao aborto, a ex-ministra-chefe da Casa Civil defendeu que mulheres que se enquadram nos casos previstos em lei – estupro e risco de morte para a mãe – devem ter o direito de ser atendidas pelo serviço público. “Sempre digo uma coisa: não acredito que tenha uma mulher que seja a favor do aborto. Não acho que as mulheres fazem aborto porque são favoráveis ao aborto. É uma coisa esquisitíssima, absurda supor que uma mulher seja a favor do aborto”, disse.

“Temos uma legislação no Brasil sobre essa questão e sou a favor de mantê-la. O que acho é que mulheres enquadradas naquela situação têm direito de fazer na rede pública, e se tem de tornar isso acessível. Senão fica a seguinte situação: mulheres ricas têm acesso a clínicas, mulheres pobres usam a agulha de tricô.”

Dilma deixou a TV Cultura assim que encerrou sua participação no programa “Roda Viva”. Segundo sua assessoria de imprensa, ela tinha outros compromissos a cumprir em São Paulo. Um jantar com a jornalista Joyce Pascowitch não foi confirmado por sua equipe.”

(Agência Estado)

Vox Populi confirma números do Ibope: Dilma tem 40% e Serra 35%

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff (PT), se mantém à frente de José Serra (PSDB) na pesquisa Vox Populi divulgada nesta terça-feira.

Os números do levantamento são os mesmos da pesquisa Ibope divulgada na semana passada: Dilma tem 40% das intenções de voto contra 35% de Serra. A diferença se dá com Marina Silva (PV), que no Ibope tinha 9% e agora aparece com 8%.

A margem de erro é de 1,8 pontos para mais ou para menos. É a primeira vez que Dilma lidera a corrida presidencial no Vox Populi.

Segundo o blog do jornalista Fernando Rodrigues, na pesquisa espontânea, quando não são apresentados os nomes dos candidatos, Dilma fica com 26% e Serra com 20%.

Crescimento

O Vox Populi confirma o crescimento da petista enquanto Serra se mantém praticamente no mesmo patamar do início do ano.

Em maio, no cenário em que apenas Dilma, Serra e Marina foram apresentados como candidatos, Dilma teve 37% das intenções de voto empatado, dentro da margem de erro (de 2,2 pontos), com o tucano, que tinha 34%.

O instituto entrevistou 3 mil eleitores, de 24 a 26 de junho.

www.redebomdia.com.br

Lula afirma que ajudará América Latina, Caribe e África quando deixar Presidência

Em artigo publicado hoje no jornal britânico “Financial Times”, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirma que, após deixar a Presidência da República, pretende desenvolver ações que ajudem países da América Latina, do Caribe e a África.

“Quanto a mim, quando deixar a Presidência, quero continuar contribuindo para melhorar a qualidade de vida das pessoas. Em nível internacional, pretendo concentrar minha atenção em iniciativas que beneficiem países da América Latina e do Caribe e o continente africano”, contou Lula.

No artigo, intitulado “O destino de uma nação”, Lula classificou o Brasil como “uma ilha de prosperidade” e disse que o país deve contribuir para livrar o mundo da fome, da pobreza e da injustiça social.

“O Brasil tem muita experiência que pode ser dividida. Não podemos ser uma ilha de prosperidade cercada por um mar de pobreza e injustiça social”, disse ele. “Quero continuar os esforços que meu governo fez para criar um mundo multilateral e multipolar que seja livre da fome e da pobreza”.

Apesar de classificar o país como “próspero”, o presidente reconheceu que há, ainda, muita pobreza do Brasil.

“Os sucessos que o meu governo alcançou não podem obscurecer os enormes desafios que estão à frente. Ainda temos uma quantidade significativa de pobreza em nosso país”.

Ao comentar a forma de lidar com a questão da pobreza, o presidente abordou também outros problemas, como sistema educacional e o combate às drogas.

“A criação de oportunidades para os jovens, em particular, deve permanecer como um objetivo importante, já que é central para o futuro que estamos contribuindo para o Brasil. Para fazer isso, devemos tratar de questões como a forma de melhorar o nosso sistema educacional, encontrar maneiras de lidar com as drogas e a violência e oferecer aos jovens escolhas reais em termos de trabalho, lazer e cultura”.

(Folha Online)

Sede da Fifa na África é roubada e ladrões levam réplicas da taça da Copa

Após uma série de roubos sofridos por pessoas envolvidas com a Copa do Mundo da África do Sul, até a Fifa, a instituição máxima do futebol, também foi furtada. Em entrevista coletiva concedida nesta terça-feira, o comissário geral da polícia sul-africana, Bheki Zele, afirmou que sete réplicas da taça de campeão mundial e várias camisas foram levadas das instalações da entidade em Johannesburgo.

“Sabemos que houve um roubo ali e estamos investigando o caso”, disse o comissário.

Segundo ele, a principal hipótese é de que pessoas que conhecem bem os escritórios da entidade tenham furtado o material. Zele disse ainda que desde o início da Copa, em 11 de junho, foram detidas 306 pessoas, 207 delas sul-africanas, por roubos.

O comissário denomina o grupo de infratores como “Nações Unidas do crime”, se referindo a prisão de mais 11 etíopes, nove argelinos, oito britânicos, seis moçambicanos, cinco argentinos, quatro eslovacos e outros três acusados, de Zimbábue, Estados Unidos e Paquistão.

Segundo Zele, 90% das detenções foram por roubos. Ele advertiu que muitos casos aconteceram devido à negligência das vítimas, que perderam em sua maioria computadores portáteis e telefones celulares.

A polícia deteve também 33 pessoas, 14 delas sul-africanas e 19 de outros países, por venda ilegal de ingressos para jogos do Mundial.

(Folha Online)

Chuvas: isolados de Alagoas chegaram a comer barro para sobreviver

Soldados do Corpo de Bombeiros de São Paulo, enviados para auxiliar na busca de vítimas das cheias em Alagoas, resgataram na manhã de ontem cerca de 150 sem-terra, a maioria crianças, isoladas há mais de uma semana em um vilarejo na cidade de Branquinha, um dos 15 municípios do estado em situação de calamidade. A suspeita dos bombeiros é que mais pessoas estejam ilhadas na área rural dos municípios banhados pelos rios Mundaú e Paraíba, região mais afetada pelas enchentes. As buscas serão intensificadas hoje. As informações são do jornal O Globo.

“Eles comiam barro para sobreviver. Era um lugar muito, muito pobre, as casas eram de barro e com teto de palha. Acho que só a pobreza e o costume de enfrentar tanta dificuldade explicam a resistência deles”, contou o gerente médico do Samu, Maxwell Padilha, que atendeu o grupo, depois do resgate.

Apenas uma mulher precisou de atendimento médico, com hipertensão. O grupo pôde ser resgatado somente por helicóptero, que pousou perto do vilarejo com mantimentos. O aparelho quase afundou na lama ao aterrissar.

População tenta reconstruir casas
Com a demora dos governos em estabelecer as regras para a reconstrução de casas aos atingidos pelas enchentes em Alagoas, a população começa a agir por conta própria. E, mais uma vez, reconstroi as residências nos locais onde ocorreu a tragédia. Além disso, muitos voltam para as moradias parcialmente destruídas e condenadas pela Defesa Civil. Como a chuva continua na região, há mais risco de novos problemas.

“A casa do meu vizinho caiu, e uma parede da minha ficou trincada. Estou preocupado, mas não tenho para onde ir – afirma Romival Soares de Souza, aposentado de 76 anos, morador de Paulo Jacinto, a cerca de 100 quilômetros de Maceió”.

Na cidade, alguns moradores estão, inclusive, refazendo as ligações de energia elétrica que as autoridades ainda não fizeram, pelo risco de choques, curtos-circuitos e incêndios.

(Jangadeiro Online)

Shows gratuitos abrem férias do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura

Com o show Vidas Volantes, o grupo Breculê abre a programação de férias do Centro Dragão do Mar de Arte e Cultura. A apresentação acontece no dia 1º de julho, no Anfiteatro. em show gratuito Além do Breculê, a abertura das férias conta ainda com shows da banda Água Ardente Blues e da Unidos da Cachorra.

A banda Água Ardente Blues será a segunda a se apresentar no show de abertura das Férias. A noite fecha ao som da bateria da Unidos da Cachorra. O encontro da diversidade musical dá o pontapé inicial da intensa programação de férias que o Dragão do Mar irá oferecer para os fortalezenses e os turistas que por aqui chegarem.

Em julho, o Dragão do Mar recebe ainda Tribo de Jah, Nonato Luiz, Grupo Sucata Sonora, Fórum Harmônicas Brasil, ForCaos, entre outros eventos musicais, além de uma ampla programação de teatro, dança e múltiplas linguagens.    

Serviço:
Local: Anfiteatro do Dragão do Mar
Dia: quinta-feira (01)
Hora: 20h

Mais informações pelo telefone 3488.8600

Fonte: www.secult.ce.gov.br

(Jangadeiro Online)

Dilma terá 40% de tempo de propaganda na TV contra 29,5% de Serra

“A candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, terá 40% do total do tempo de TV destinado à propaganda eleitoral dos postulantes ao Palácio do Planalto, que começa em 17 de agosto. A fatia é 35% superior à que terá o tucano José Serra e representa fato inédito na história do PT -em nenhuma das cinco eleições presidenciais desde a redemocratização o partido ocupou o maior espaço na TV.

O predomínio se dá porque o PT e os partidos coligados a ele -com destaque para o PMDB- elegeram um maior número de deputados federais, principal critério estabelecido na lei para a definição do tempo de TV.

A situação da petista pode melhorar caso o DEM rompa com Serra e não confirme a aliança com os tucanos na convenção de amanhã, hipótese menos provável. Se isso acontecer, Serra perde um terço do seu espaço previsto, que seria redistribuído a todos os candidatos. Dona da aliança mais robusta, Dilma herdaria 64% desse “espólio” e, assim, ficaria com o dobro do tempo de TV.

Mantida a aliança PSDB-DEM, entretanto, a petista terá praticamente 10 minutos de cada bloco de 25 minutos -serão exibidos duas vezes ao dia, às terças, quintas e sábados, de 17 de agosto a até três dias antes das eleições. Serra terá 7min23s (29,5% do total) e Marina Silva (PV) apenas 1min10s (5%). Além dos blocos, a propaganda se dará também por meio de peças diárias de até um minuto, nos intervalos, as inserções partidárias.

A distribuição segue a lógica dos blocos. Dilma terá em torno de cinco inserções de 30 segundos por dia. Serra terá 3,5 peças; Marina, uma a cada dois dias. Os dados foram calculados com base na Lei Eleitoral, nas coligações e nas candidaturas já anunciadas. “O espaço será importante para fazermos a disputa de projetos”, disse Rui Falcão, da campanha de Dilma.

“É claro que o bom seria um tempo maior de TV, mas isso não quer dizer que não teremos tempo para falar do nosso trabalho”, afirma a senadora Marisa Serrano (MS), vice-presidente do PSDB. Marina diz que usará linguagem publicitária. “As outras candidaturas não vão fugir muito do [roteiro] candidato, povo fala, clipe e jingle. No nosso caso, vamos ter que usar outros recursos”, afirma o publicitário Paulo de Tarso.

(Folha Online)

Luiz Dias, Presidente do Grupo Cidade será suplente de José Pimentel

O empresário Miguel Dias de Sousa, filiado ao PRB, será suplente de senador. Foi o que ele confirmou, durante entrevista veiculada no Jornal da Cidade (Canal 8), da TV Cidade, emissora de sua propriedade.

A tendência é ser segundo suplente do ex-ministro da Previdência Social, José Pimentel. Ontem à noite, em Parambu, o governador Cid Gomes participou de festa junina do município e conversou com Pimentel sobre o assunto. Nas próximas horas virá a confirmação.

(O Povo Online)

Presos bandidos que assaltaram Banco do Brasil de Orós e Icó

Uma denúncia de ameaça feita por telefone à delegacia resultou na prisão de um dos assaltantes mais procurados no interior do Estado, na noite do último domingo, na localidade de Pedrinhas, em Icó. Segundo a Polícia, José Roberto da Silva Duarte, o Zé Roberto, 33, foi indiciado pelos assaltos às agências do Banco do Brasil de Orós (maio de 2010 e junho de 2009) e Icó (fevereiro de 2009), além de crimes de pistolagem e lesão corporal.

 De acordo com o delegado Pedro Viana, que responde pelo município de Lavras da Mangabeira, mas estava como plantonista em Icó, o assaltante foi flagrado com dois revólveres 38, munições e uma identidade falsa de Alagoas. De acordo ainda com o delegado, a Polícia realizou um cerco na região assim que as características do acusado de ameaça apresentaram semelhança com as de Zé Roberto.

“Sabíamos que ele estava escondido na região, mas não conseguíamos prendê-lo. Assim que soubemos das características, rapidamente fizemos o cerco com a ajuda da Polícia Militar”, contou o delegado Pedro Viana. “Ainda seguimos uma moto, mas era o irmão de Zé Roberto quem a conduzia. Ele tentou avisar o irmão sobre a nossa presença”, ressaltou o titular de Lavras da Mangabeira.

Por medida de segurança, Zé Roberto foi transferido na madrugada de ontem para Fortaleza, pois havia risco de resgate. Ele já conseguiu por duas vezes fugir da Cadeia Pública de Icó.


 

R$ 1,2 milhão

Dos três assaltos em que Zé Roberto foi indiciado, segundo a Polícia, o do município de Icó foi o mais ousado, em fevereiro de 2009. “Todos foram muito violentos, com tiros efetuados na rua e agressões a clientes. Mas em um deles os bandidos se superaram. Eles planejaram muito bem a ação e entraram na agência com roupas da Polícia Federal. Levaram R$ 1,2 milhão e causaram pânico na cidade”, lembrou o delegado.

Os assaltantes também conseguiram arrancar as câmeras do sistema de segurança do banco. Dois meses antes, um grupo tentou assaltar a mesma agência, com uso de dinamite. A Polícia ainda não conseguiu confirmar se a quadrilha seria a mesma.

“Já nesse último assalto em Orós (3 de maio), conseguimos a conformação que o Zé Roberto foi o homem quem ateou fogo no carro (Fiesta) usado para a fuga do bando, que possuía sete integrantes”, destacou o delegado, que acredita poder agora chegar aos outros assaltantes. Nos três assaltos, as quadrilhas fugiram em direção à Paraíba, passando por Jaguaribe.

(O Povo Online)

Bancos: Confira o horário de expediente bancário durante a Copa 2010

A FEBRABAN – Federação Brasileira de Bancos, com base na circular 3.495/2010 do Banco Central do Brasil, comunica o expediente bancário nos dias de jogos da seleção brasileira na Copa do Mundo 2010 (com base no horário de Brasília).

I – Para os jogos realizados às 11h00
Capitais dos Estados, suas regiões metropolitanas e outras cidades cujo horário de funcionamento das agências normalmente acompanha o das capitais: das 8h00 às 10h30 e das 14h00 às 16h00.

• Interior: das 8h00 às 10h30 e das 13h30 às 15h30.

II – Para os jogos realizados às 15h30
• Capitais dos Estados, suas regiões metropolitanas e outras cidades cujo horário de funcionamento das agências normalmente acompanha o das capitais : das 8h00 às 14h00.

• Interior: a) Para localidades com 5 horas de atendimento: das 9h às 14h;
b) Para localidades com 6 horas de atendimento: das 8h às 14h.

Os bancos deverão afixar avisos em suas dependências sobre o horário de atendimento nos dias de jogos com antecedência mínima de 48 horas.

Diretoria de Comunicação da FEBRABAN
11-3244-9831 // 9942 // 9838

(Febraban)

Microcrédito impulsiona mudanças no Nordeste do país

RECIFE (Reuters) – O carrinho amarelo parece só mais um pedaço de sucata em meio à bagunça dos barracos, mas todos os dias ele enche Maria Jacinta da Silva de orgulho.

Comprada com um empréstimo de 300 reais, dos quais sobrou o suficiente para comprar algumas garrafas de cerveja e cachaça para revender aos vizinhos, essa caixa sobre rodas gerou a renda que estabilizou a caótica vida dessa mãe de família de 53 anos, moradora de uma favela na periferia do Recife.

Um ano depois, o adorado carrinho foi aposentado para dar lugar a um quiosque permanente, onde Maria Jacinta vende churrasco e bebidas, e que foi bancado por outro empréstimo do programa de microcrédito do estatal Banco do Nordeste.

“Minha casa era uma bagunça; meus filhos eram uma bagunça”, disse ela. “Agora sou uma pessoa feliz. Posso dormir à noite sabendo o que vou fazer no dia seguinte.”

O carrinho é parte da revolução financeira que deu a centenas de milhares de famílias pobres acesso a crédito pela primeira vez, e que foi determinante para transformar o Nordeste, tradicionalmente associado à pobreza, na região que mais cresce no Brasil.

O programa surgiu há 12 anos, com uma ideia simples, mas radical no Brasil, onde a enorme economia informal sempre esteve privada do acesso ao crédito.

O banco avalia as possíveis necessidades financeiras do cliente e concede empréstimos de 100 a 15 mil reais, com juros baixos. Num país famoso por sua burocracia, os clientes só precisam mostrar RG, CPF, endereço e uma prova da sua atividade econômica, além de participar de um pequeno grupo de codevedores.

O negócio pode ser um mercadinho, um pequeno salão de beleza, ou simplesmente um carrinho para vender bebidas aos vizinhos. Apesar do status humilde dos seus clientes, o programa tem uma taxa de inadimplência de apenas 1 por cento.

Depois de se estabelecer entre comunidades carentes, o programa “Crediamigo” agora cresce cerca de 40 por cento ao ano no Nordeste.

O programa já tem uma carteira de 560 mil clientes, e espera chegar a 1 milhão até o fim de 2011, com um total de 1 bilhão de reais em empréstimos. Contrariando o fluxo habitual do capital no Brasil, o Banco do Nordeste está ampliando seu programa para o próspero Sudeste -recentemente, ele abriu uma agência na favela carioca da Rocinha.

O microcrédito cresce tanto “porque conseguimos alcançar a parcela mais necessitada da população, que historicamente não tinha acesso ao crédito”, disse o diretor de microfinanças do governo de Pernambuco, Manuel Gusmão. “É um programa que é totalmente autossustentável, sem uso dos recursos governamentais.”

Essas taxas de crescimento estão atraindo também instituições privadas, como o Santander, que registrou em 2009 uma alta de 28 por cento na sua carteira de microcrédito, chegando a 220 milhões de reais.

DEVEDORES CONFIÁVEIS

O Nordeste foi o maior beneficiário do programa Bolsa Família, do governo federal, que está vinculado a contrapartidas como escolarização dos filhos, e é responsável por tirar milhões de pessoas da pobreza, mas que críticos dizem perpetuar a dependência econômica das famílias pobres.

O programa alcança a mesma classe econômica -cerca de 51 por cento dos seus clientes também recebem o Bolsa Família-, mas dá ênfase inteiramente na autossuficiência.

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva neste mês elogiou especificamente os programas de microcrédito do Banco do Nordeste. Além do Crediamigo, há um outro que já concedeu 1,2 bilhão de reais a quase 900 mil famílias rurais.

“Às vezes você empresta 1 bilhão de reais a um empresário e ele só gera 200 ou 300 empregos. Isso mostra que emprestar mais dinheiro a empresas menores é ótimo para o país”, disse Lula.

Um estudo da Fundação Getúlio Vargas do Rio mostrou que 55 por cento dos clientes do Crediamigo entre as classes mais baixas conseguiram ascender a outra classe.

Numa rua movimentada da zona sul do Recife, onde cavalos e carroças ainda disputam espaço com carros, Maria Nancy de Santana, de 49 anos, construiu nos últimos 12 anos a mercearia Bela Vista, com ajuda do Crediamigo. Em maio, o estabelecimento recebeu uma demão de tinta e um novo toldo, graças a um novo empréstimo que ela pagará em 36 meses.

“Minha loja antiga era pequena, e eu não teria como ter crescido sem os empréstimos”, disse ela, acrescentando que ninguém no seu grupo deixou de pagar. Dois terços dos clientes do Crediamigo são mulheres, que costumam ser mais cuidadosas com as finanças familiares.

Apesar de seus clientes serem modestos e eventualmente parecem estar em situação precária, o programa é lucrativo, graças à inadimplência baixa, o que Gusmão atribui em parte à pressão social e à ajuda mútua dentro dos grupos para manter as prestações em dia.

Para Maria Jacinta, a dona do quiosque de bebidas, uma fé quase religiosa no programa de microcrédito do banco sugere que dificilmente ela entrará para o pequeno grupo dos caloteiros.

“Minha vida mudou e vai continuar mudando. O banco não foi só amigo de alguém, foi meu, foi a minha luz.”

(Reuters Brasil)

Lúcio Alcântara confirma candidatura a governador do Ceará

“Eu vou ser a vuvuzela dessa eleição” foi assim que Lúcio Alcântara (PR) se definiu ao anunciar que é candidato ao governo  na manhã de hoje. A frase simboliza que ele quer ”fazer barulho” e vem provocar um “debate de ideias” para a sucessão estadual. “Não vou ficar olhando para o retrovisor, vou olhar para frente”, afirmou.

Um dos principais defensores de que não deveria haver um W.O no Estado, Lúcio afirmou que “pode até se humilhar uma pessoa, mas não se anula uma idéia”.

Em sua fala o ex-governador criticou  o que considera loteamento de cargos e perseguição política do atual governo no interior do Ceará.

Durante coletiva o PR anunciou também o empresário Cláudio Vale (genro de Beto Studart) como vice de Lúcio e para o senado apoiará Alexandre Pereira do PPS. A segunda vaga está em aberto.

De acordo com Alexandre Pereira essa aliança formada será dividida no palanque nacional. Lúcio apoiará a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff e Alexandre apoiará o presidenciável do PSDB, José Serra.

O prefeito de Maracanaú Roberto Pessoa será o responsável pela coordenação da campanha. Ele ainda afirmou que pretende nas próximas 48 horas conversar com o PTC e PRB para tentar formar uma coligação.

Amanhã acontecerá a convenção do partido que homologará seu nome, a partir das 16 horas, no ginásio poliesportivo de Parangaba.

(Jangadeiro Online)

TRE do Rio mantém Anthony Garotinho inelegível por três anos

RIO DE JANEIRO (Reuters) – Um dia após o lançamento de Anthony Garotinho (PR) ao governo do Estado, o Tribunal Regional Eleitoral do Rio (TRE-RJ) negou nesta segunda-feira recurso contra a decisão que o tornou inelegível por três anos, a partir de 2008.

A decisão por unanimidade manteve também a cassação da prefeita de Campos, a ex-governadora e mulher de Garotinho, Rosinha Matheus. Ambos são acusados de abuso de poder econômico nas eleições municipais de 2008.

Garotinho teria usado veículos de comunicação de Campos (RJ) para fazer campanha antecipada irregular para Rosinha.

A nova derrota já era aguardada pelo casal, que espera por um recurso no TSE (Tribunal Superior Eleitoral), onde ingressou com medida cautelar.

“Não tenho nenhuma esperança no TRE-RJ e vamos ganhar em Brasília”, disse Garotinho durante o lançamento de sua candidatura.

“Foi um julgamento político para atender interesses eleitorais. As impressões digitais do (governador) Sérgio Cabral são flagrantes”, disse Garotinho em seu portal ao acusar a justiça eleitoral do Rio de defender os interesses políticos do atual governador, candidato à reeleição pelo PMDB.

Nesta segunda-feira, pelo menos 50 correligionários de Garotinho fizeram uma vigília na porta do TRE-RJ e, depois da decisão, fecharam um rua e seguiram em passeata até a Assembléia Legislativa do Estado.

(Reportagem de Rodrigo Viga Gaier – Reuters Brasil)

Andrea Bocelli será estrela em concerto de encerramento da Copa

A Itália decepcionou e foi embora da Copa do Mundo ainda na primeira fase. De alguma forma, porém, o país continuará sendo representado na África do Sul, visto que o tenor Andrea Bocelli se apresentará em um concerto de encerramento do Mundial, marcado para 9 de julho.

Bocelli, que aos 51 anos já vendeu mais de 70 milhões de discos na carreira, nunca cantou na África do Sul e o fará pela primeira vez em Johannesburgo, em um concerto a ser realizado na casa de shows Coca-Cola Dome. Além do italiano, cantores locais como Nianell e o soprano Pretty Yende também participarão do espetáculo.

A Fifa já tem uma certa tradição em contratar cantores de música clássica para se apresentarem durante as Copas do Mundo. Os espanhóis Plácido Domingo, José Carreras e o italiano Luciano Pavarotti, conhecidos como os “três tenores”, já chegaram a realizar performances para o público nos Mundiais de 1990, 1994, 1998 e 2002.

(Portal Terra)

Cursinho Pré- Vestibular da Uece abre seleção de professores

O cursinho pré-vestibular UniVest, da Universidade Estadual do Ceará (Uece) inscreve, até o próximo dia 9, para seleção de professores de Matemática, Física, Química, Biologia, História, Geografia e línguas portuguesa e estrangeiras (inglês e espanhol). 

Os interessados devem apresentar Currículum, Histórico Escolar expedido pelo Departamento de Ensino e Graduação (DEG) da Uece e declaração de matrícula fornecida também pelo DEG.

DETALHE – A Pró-Reitoria de Políticas Estudantis (PRAE) informa que os candidatos devem estar cursando a partir do terceiro semestre e não ter reprovação em 2009.2. 

SERVIÇO

* Secretaria do UniVest, Campus do Itaperi – (85) 3101.9658

(Blog do Eliomar de Lima)

Cena política deixa Serra sem lugar de novo, diz pesquisador

O homem errado na situação errada. É assim que o professor Marcus Figueiredo, do Instituto Universitário de Pesquisa e Pós-graduação do Rio de Janeiro (Iupperj), ligado à Universidade Estadual do Rio de Janeiro (UERJ), analisa o desafio enfrentado pelo candidato do PSDB, José Serra, na corrida pela presidência da República. “O jogo político colocou-o fora de lugar duas vezes. Esse é o principal problema dos tucanos”, analisou Figueiredo.

De acordo com ele, em 2002, a população queria uma mudança, tanto que o tucano embalou sua campanha com o jingle “A mudança é azul”. Mas como foi ministro da Saúde do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso estava ligado demais a um governo com pouco apoio da população – em pesquisa do Datafolha, em outubro de 2002, apenas 26% dos entrevistados consideravam o governo de FHC “ótimo ou bom” e 32% o consideravam “ruim ou péssimo”.

Hoje, o momento é outro, aponta Figueiredo, e os brasileiros dão sinais de que querem continuidade. Em consulta feita pelo Ibope neste mês, além da candidata do PT, Dilma Rousseff, aparecer na frente com quase seis pontos percentuais de vantagem (Dilma teria 38,2% das intenções contra 32,3% de Serra), Lula tem índice recorde de popularidade – cerca de 75% das pessoas consultadas consideram o governo “bom ou ótimo” e apenas 3% avaliam como “ruim ou péssimo”.

Com base aos números, Figueiredo lança a questão: “O que Serra vai fazer? Vai dar continuidade ao governo Lula? Porque se ele falar em mudança, ele vai quebrar a cara. Agora, o que se pensa é ‘como é que ele vai dar continuidade se ele é da oposição?'”

Para tornar a situação ainda mais difícil, Marcus Figueiredo avalia a possível entrada do senador Alvaro Dias (PSDB-PR) como vice na chapa de Serra como “um desastre” que, eleitoralmente, não acrescenta nada. “Ele não vai ficar nem melhor nem pior no Paraná por causa do vice”, afirma o pesquisador. “Ele já teve boa votação no Sul em 2002, e o Alckmin teve excelente votação no corredor agrícola que vai desde São Paulo até Rondônia, mas isso não é suficiente para encarar o resto do País. Vai ficar uma chapa São Paulo-Sul contra o resto do Brasil”.

Os eleitores perdidos em 2002
Mais forte nas regiões Sul e Sudeste, o maior desafio de Serra é recuperar um eleitor que já foi fiel ao PSDB, mas, a partir de 2002, foi sendo gradualmente conquistado pelo presidente Lula e garantiu a reeleição do presidente em 2006: o eleitorado de baixíssima renda, que ganha até dois salários mínimos. A mudança de posição dessa camada é o que o cientista político André Singer, autor do artigo “Razões sociais e ideológicas do Lulismo” de novembro do ano passado, considera um “realinhamento do eleitorado” a partir de 2006.

A hipótese do pesquisador para explicar o fenômeno é que Lula conquistou esse eleitor durante o primeiro mandato, mesclando políticas sociais direcionadas, entre as quais o programa Bolsa Família, e a manutenção da política econômica. “Essa é a minha hipótese e estou apostando que essa mudança veio para ficar”, afirmou o pesquisador.

Singer aponta para uma pesquisa Ibope de outubro de 2006 – pouco antes da reeleição, portanto – na qual as intenções de voto no presidente Lula eram maioria no universo de eleitores que tem renda mensal inferior a dois salários mínimos e entre os que ganham de dois a cinco salários, enquanto o candidato tucano, Geraldo Alckmin, tinha preferência entre os brasileiros que recebem mais de cinco mínimos. A desvantagem para o PSDB é que a população mais pobre reúne cerca de 49% dos eleitores brasileiros.

Sustentada especialmente pela camada da população que sobrevive com uma remuneração inferior a dois salários, a vitória de Lula foi inédita. Desde a primeira tentativa de conquistar o Palácio do Planalto em 1989, essa foi a primeira vez que o petista conseguiu a maioria dos votos nesse universo. “O Lula começou a ter esse eleitor já em 2002, porque é difícil atingir a maioria sem ter certa penetração nessa camada; ela é muito grande. O que acontece é que, em 2006, essas pessoas se tornam a base da vitória”, explicou Singer.

Talvez ainda seja cedo para afirmar que o fenômeno do “voto de classe” de 2006 irá se repetir em 2010, mas tanto Marcus Figueiredo como André Singer veem dificuldades para os tucanos recuperarem a maioria entre as classes menos favorecidas da população, e apontam como motivos a crise cambial e a desvalorização do real em 1999.

Para Singer, o PSDB não foi capaz de transformar a adesão do eleitorado da reeleição do FHC em lealdade política e, agora, Serra tenta se aproximar dessas pessoas ao criticar a política de segurança do atual governo. “Com a questão da segurança, ele faz uma tentativa de falar com os eleitores de baixa renda das metrópoles, mas não resolve o caso do interior do nordeste”, afirma o estudioso. “Pode ser que em Salvador ou Recife tenha algum eco. Mas acho que emprego, renda e abertura de novas oportunidades vão falar mais alto”.

Marcus Figueiredo acredita que a desvalorização do real, logo após a reeleição de Fernando Henrique Cardoso, decepcionou os eleitores. “O FHC tinha acabado de sair de uma campanha prometendo estabilidade, aí veio a crise e pegou o Banco Central e deu aquela confusão”, relembra ele. “A aprovação do governo que antes era de 40% foi para 20% e nunca mais se recuperou. O Serra terminou o segundo turno da eleição de 2002 com 38%, e acho que esse é o tamanho do eleitorado conservador, é o que ele tinha e mantém”, diz o pesquisador.

Falta discutir o projeto
Outro problema apontado por Figueiredo na campanha tucana à presidência é a posição agressiva. Para o professor, Serra, no lançamento da candidatura, acabou engrossando um discurso neoudenista, semelhante ao da antiga UDN na oposição ao varguismo. “Eles estão fazendo uma campanha ‘moralesca’ porque ficam dizendo que o PT é o diabo e eles são santos”. Figueiredo concluiu dizendo que o PSDB ainda precisa expor qual é o seu projeto para o País. “Não tem político santo e não se trata de uma questão de deixar para lá (questões como as denúncias de corrupção), mas é que até agora não sabemos qual é o projeto dos tucanos para o Brasil”, aponta. “O projeto Lula a gente sabe, porque está acontecendo”.

O pesquisador do Iupperj, no entanto, lamenta a situação de Serra. “Ele é um extraordinário político da história do Brasil, isso é uma pena. Mas ele fica refém da hegemonia conservadora do PSDB. Ainda mais, sendo obrigado a fazer aliança com o DEM.” Para Figueiredo, o partido teria mais chance com Aécio Neves na disputa da presidência. “Se o Aécio fosse candidato, a conversa seria totalmente diferente porque você teria uma extraordinária novidade. Quando você entra com um personagem novo, não responsável por aquele passado, não tem como relacionar e dizer que vai fazer aquilo que o FHC fez.”

(Portal Terra)

Serra e a surra da jabulani!

Se a eleição fosse a Copa do Mundo, o placar desta semana mostraria que José Serra tomou um banho de jabulani − pelas costas e pelo meio das pernas − e viu seu time emplumado despencar do poleiro, goleado fragorosamente pela equipe da adversária Dilma Rousseff.

O placar impiedoso do último Ibope – Dilma 40, Serra 35 – é a primeira virada do PT no jogo bruto da sucessão. Menos pelas virtudes do time petista, mais pelos erros clamorosos do esquadrão tucano.

O problema maior de Serra, que ainda não tem equipe escalada e nem esquema de jogo, não é a adversária que já se fardou para a partida. O problemão de Serra nem vai entrar em campo, mas pode decidir o jogo ainda no primeiro tempo: a encrenca é Lula, o dono da bola, do time, do discurso e da candidata do PT, que surfa na aprovação pessoal de 85% da torcida brasileira.

O candidato do PSDB ainda tem que agüentar a estridente vuvuzela de uma economia em expansão que incha o pulmão do torcedor e forra o bolso do eleitor.

Em março, pouco mais da metade do respeitável público (58%) sabia que Dilma integrava o time de Lula, e ela então perdia para Serra por 38 a 33. Em junho, 73% da galera já sabiam que dona Dilma era a craque escalada por Lula – e a candidata do PT virou o jogo, apesar de Serra aparecer mais na TV.

Assim mesmo, quanto mais aparecia na telinha, mais crescia a rejeição de Serra (30%), superando a marca de antipatia de Dilma (23%).

A planilha do Ibope mostra que, a 100 dias da eleição de outubro, mais da metade dos eleitores (55%) ainda não conhecem, nem ouviram falar ou poucos sabem que Dilma é candidata de Lula. Sinal de que, nos 45 dias finais de campanha no rádio e na TV, a situação de Serra pode se agravar dramaticamente.

O tucano continua impondo seu jogo no sul do país, perde de goleada no Nordeste e começa a ceder o empate na zona do agrião – o Sudeste, onde estão as torcidas mais numerosas e que costumam decidir o campeonato.

Em todas as regiões do país, a aprovação popular do inventor de Dilma varia de 80% (sul) a 90% (nordeste), batendo em 84% no triângulo estratégico de Rio-São Paulo-Minas, onde se concentram 58 milhões dos 134 milhões de eleitores.

Serra, até agora preferido pelos eleitores mais ricos e de melhor instrução no Sul Maravilha, deve enfrentar dificuldades maiores no seu reduto: Lula tem 88% de aprovação no eleitorado que ganha até dois salários mínimos e já fatura 75% de popularidade entre os que ganham mais de 10 salários, justamente o ninho tucano.

A crônica indecisão tucana agravou o drama de Serra. Até escolher o senador Álvaro Dias como seu vice, no fim de semana, Serra hesitou entre oito nomes.

Fritou o favorito Aécio Neves, agora um jogador alijado cujo desinteresse explica o crescimento de Dilma nas montanhas decisivas de Minas Gerais. Cortejou o senador mineiro Francisco Dornelles, que acaba de levar seu PP para a neutralidade medida do “apoio informal” à candidata de Lula, gesto um pouco mais atrevido do que a “imparcialidade ativa” inventada pelo PMDB gaúcho para flutuar corajosamente entre Dilma e Serra.

Depois, o tucano negaceou entre Arruda, o governador preso por corrupção em Brasília, os deputados baianos José Carlos Aleluia e Benito Gama e uma inexpressiva vereadora tucana do Rio de Janeiro. Patrícia Amorim seria uma jogada de craque, sonhavam os tucanos, porque é a atual presidente do Flamengo, o clube de maior torcida do país.

Para dar certo, o gol de placa do palmeirense Serra teria que ser combinado também com os torcedores de Vasco, Fluminense, Corinthians, São Paulo, Atlético, Bahia, Barueri, Naviraense…

Álvaro Dias ganha a vice menos por suas virtudes como político e mais por ser irmão do também senador Osmar Dias, que ameaçava montar um palanque no Paraná para Dilma.

A manobra fraternal de Serra resgatou o apoio do mano desgarrado, mas isso nada tem a ver com firmeza ideológica. O lance perna-de-pau de Serra aconteceu na quarta-feira (23), quando ele fechou o apoio de nove partidos varzeanos de Brasília reunidos em torno do notório Joaquim Roriz.

Serra jogou no ralo qualquer preocupação ética ao receber o apoio do homem que resume, como poucos, o clima pantanoso da política brasileira. Roriz renunciou ao mandato de senador, em 2007, para não ser cassado por quebra do decoro em negócios escusos com o banco estatal do DF e é apontado pelo Ministério Público como a matriz do mensalão do DEM que levou Arruda e seus comparsas à cadeia.

No desespero dos números adversos, Serra tem olhos apenas para os 42% da pesquisa que dá a liderança em Brasília a Roriz, sem antever o desgaste que esta aliança moralmente rasteira sinaliza pelo país, onde o PSDB já teve que engolir o apoio de gente como Quércia e Maluf.

Neste charco eleitoreiro, Serra nivelou-se pelo oportunismo sem peias ao time de Dilma, que escalou craques de fichas encardidas e reconhecidas como Sarney, Renan, Garotinho, Collor, Jucá, Jáder e Zé Dirceu e seus 40 mensaleiros.

A flacidez moral de Serra, neste jogo de alianças a qualquer preço e a qualquer custo, mostra uma ambição que vai além de seu lema de campanha, o “Brasil que pode mais”. Agora com Roriz no bolso, Serra prova que pode ainda mais.

Serra pode tudo, Serra pode qualquer coisa. 

Luiz Cláudio Cunha é jornalista

(O Globo Online – Blog do Noblat)

Cid e aliados respondem a Tasso Jereissati

No movimentado dia político de ontem, o objetivo do governador Cid Gomes (PSB) e de seus principais aliados pareceu ser responder a cada crítica que vem sendo feitas por seu mais novo – e ferrenho – opositor: o senador Tasso Jereissati (PSDB). Com o compromisso de não citar nenhuma vez o nome do tucano, Cid, ao longo de seus discursos, foi jogando indiretas que tinham Tasso como alvo certo. 

Para reforçar a estratégia, teve ajuda de seu irmão mais velho, o deputado federal Ciro Gomes (PSDB), além do também deputado federal Eunício Oliveira (PMDB), que disputa vaga no Senado.

Logo cedo, durante a convenção do PDT, Cid Gomes se utilizou de uma metáfora para explicar por qual motivo fez questão de manter em torno de si um amplo arco de alianças, o que vem sendo interpretado por Tasso como uma tentativa de impedir o eleitorado de ter opções nas eleições deste ano.

“Porque aqui nesse grupo não tem mangueira. Mangueira é uma árvore que dá uma boa fruta, que é uma manga, mas não deixa crescer nada debaixo dela. Nada se cria embaixo de uma mangueira. Ela solta uma resina que mata tudo debaixo dela”, disse o governador, no momento em que apresentava seus dois candidatos ao Senado: o ex-ministro José Pimentel (PT) e o deputado Eunício Oliveira.

Segundo Cid, eles se juntarão ao senador Inácio Arruda (PCdoB), que tem mais quatro anos de mandato, para ajudar a dar tranquilidade ao possível governo de Dilma Rousseff (PT), caso ela seja eleita presidente.

A metáfora da mangueira já foi usada para se referir ao modo de Tasso fazer política, inclusive pelo presidente do PDT cearense, André Figueiredo.

O governador explicou ainda a diferença de perfil de sua aliança: “A característica maior desse grupo aqui é de dar oportunidade. Estimular novas lideranças e múltipla participação. Manter cada cearense representado”.

Na convenção pluripartidária que homologou a candidatura de Cid à reeleição, mais argumentos para rebater Tasso. Liderando a tropa de choque, Eunício defendeu enfaticamente a área da saúde, principal alvo dos tucanos, e afirmou que será feita comparação de números com o os governos anteriores. E, ao defender a ampla aliança cidista, destacou a necessidade de se compartilhar a administração do Estado. “Não se faz política, como alguns pensam, sem dividir o poder”.

O governador também deu uma cutucada naquela que foi a grande marca das gestões de Tasso no Governo. “O maior desafio não é infraestrutura, é o investimento nas pessoas”, afirmou, destacando que, ainda assim, tem investido, sim, em obras físicas.


A vez do irmão

Mais discreto, Ciro Gomes também não deixou Tasso Jereissati sem respostas. Ressaltando que só não participa da aliança pró-Cid “quem não quiser”, Ciro afirmou que a melhoria na qualidade de vida do povo cearense deve ser “imperativo moral” que deve guiar aqueles que optaram pela política, deixando de lado as vaidades, e quaisquer outros tipos de ambição. 

“O Ceará agora tem um desafio: preparar o nosso povo para que a economia que vai dar um salto não reproduza os outros ciclos de crescimento, em que a economia cresceu e se concentrou na mão de meia dúzia de barões”, disse.

(O Povo Online)

Orgulho e Alegria: XI Edição da Parada Gay de Fortaleza reune 850 mil pessoas

Fantasiada de fada na XI Parada pela Diversidade Sexual, que ocorreu ontem na avenida Beira-Mar, ela disse que já tinha realizado desejos, mas não ia dizer quais. “Nem pra quem!”, se negou Lara Delaqua, 23. Não tem problema: isso não impediu que ela fizesse sucesso na avenida com o vestido que passou três dias para fazer, feito “por essas mãozinhas que você tá vendo”. Muitos flashs dos transeuntes, um quase nada de suor ameaçava a maquiagem, e a travesti não parava de sorrir. “Essa festa é linda, venho sempre”.

Pena que nesta edição pouca gente tenha decidido pela fantasia – era um anjinho aqui, um diabinho ali, uma enfermeira do lado e outro fantasiado acolá que ninguém sabe muito bem qual propósito. O público em geral desfilava, suado com o calor da tarde, ou se acotovelava com o vendedor de bebidas, a turma que dançava ao lado do trio. Vez em quando aparecia alguém querendo se proteger da confusão, se espremendo contra os muros. Era em vão. 

“Esse é nosso dia, a gente pode liberar tudo”, se alegrava Edy Moreira, 27. Por isso um copo para refrescar o calor, por isso a disposição para enfrentar a multidão – segundo a Polícia Militar, a estimativa de público foi de aproximadamente 850 mil pessoas, 50 mil a mais que no ano passado. Ele se deu ao luxo, inclusive, de deixar os amigos, que preferiram um lugar mais confortável, para ficar no meio da avenida. Só quem acompanhou foi a amiga Gisele Santos, 29. “Aqui a gente também luta contra a discriminação”. 

“A Parada tem um componente festivo, mas a gente acredita que a maioria venha pela luta a favor dos direitos, para a luta contra a homofobia”, acredita Francisco Pedrosa, presidente do Grupo de Resistência Asa Branca, o Grab, organizador do evento desde a sua primeira edição. Com o tema “Vote contra a homofobia, defenda a cidadania”, a organização quer chamar atenção para o projeto de lei que criminaliza a homofobia, a exemplo do que acontece com a discriminação racial: tornando este um crime inafiançável. 

Logo atrás, o trio da Associação de Travestis do Ceará (Atrac) mandava um alô para a caravana do Acarape, que levava 100 pessoas para a parada. E para o pessoal da Caucaia, Pirambu, Messejana… “Fortaleza está mais consciente”, comemora o ator Silvero Pereira, convidado para fazer uma performance naquele trio. “Essa Parada tá escândalo”, festeja Tina Azevedo, presidente da Atrac. “Parece que só aumenta o público”. E se rejuvenesce, se renova: comum foi ver garotos e garotas expressando sua sexualidade, livremente, ainda que num tempo e espaço reservados.

(O Povo Online)

Ivo diz que Governo Cid não pertence à era Jereissati

O deputado estadual licenciado Ivo Gomes (PSB) afirmou ontem que o governo Cid Gomes não pertence ao ciclo político iniciado pelo ex-governador – e hoje senador – Tasso Jereissati (PSDB), como afirmou o próprio tucano em tom de crítica. “O nosso Governo não pertence ao ciclo do Tasso Jereissati. Esse Governo é a inauguração de um novo ciclo no Estado do Ceará”, posicionou-se Ivo.

A declaração do ex-chefe de gabinete do governador – e irmão – Cid Gomes vem exatamente um dia depois de Tasso ter defendido, durante entrevista coletiva, o fim do controle político do Ceará pelas famílias Jereissati e Ferreira Gomes, iniciado em 1986, quando o cacique-mor do PSDB no Estado foi eleito pela primeira vez governador do Estado.

Tasso chegou inclusive a dizer que este ciclo está “cansado” e que uma “outra geração” precisa tomar as rédeas do Estado. Ao falar em outra geração, o senador se referia ao deputado estadual Marcos Cals (PSDB), que foi lançado candidato ao Palácio Iracema para tentar evitar a reeleição de Cid Gomes, aliado de Tasso até o início do mês.

O PSDB decidiu romper com o Governo devido à demora para o início das negociações eleitorais. Temendo ser preterido na composição do palanque pró-Cid, Tasso deu fim a uma parceira de 24 anos com os Ferreira Gomes alegando estar “decepcionado” com a postura dos, agora, ex-aliados.

Gestão plural - Econômico e cauteloso nas palavras, Ivo também rebateu as insinuações de que a gestão Cid seria absolutista, ao reunir em torno de si um grande número de partidos.

“Esse Estado não é mais governado por um partido só, mas por vários, e é totalmente diferente do liderado por Tasso”, sublinhou. Em seguida, fez questão de alertar: “Não inclua o nosso governo nesse ciclo (Jereissati)”.

(O Povo Online)

Tasso anuncia Pedro Fiúza como candidato a vice do PSDB e PPS lança Alexandre Pereira ao Senado

O senador Tasso Jereissati (PSDB) anunciou pelo Twitter, na noite de ontem, que Pedro Fiúza, ex-coordenador-geral da Associação dos Jovens Empresários (AJE) do Ceará, será o candidato a vice na chapa de Marcos Cals na disputa pelo Governo do Estado.

Filho do empresário Lauro Fiúza, Pedro é uma opção pela chapa pura – é filiado ao PSDB. Ele é formado em Administração de Empresas e atuou nos ramos da construção civil e incorporação imobiliária. Ao justificar a escolha, Tasso disse: “Nosso projeto é para renovar de verdade” e qualificou Pedro de “uma jovem e forte liderança do Ceará”.

Ainda na oposição ao governador Cid Gomes (PSB), outra chapa confirmada: o PR e o PPS fecharam aliança ontem para lançar o ex-governador Lúcio Alcântara (PR) candidato ao Palácio Iracema. A chapa PPS-PR terá ainda uma única candidatura ao Senado, do presidente estadual do PPS, Alexandre Pereira.

O acordo entre PPS e PR, com apenas uma candidatura ao Senado, foi confirmado na noite de ontem por Alexandre, que prometeu apoiar, para a segunda vaga de senador, o pré-candidato do PSDB, Tasso Jereissati (PSDB).

Na segunda-feira, Lúcio e Alexandre devem convocar a imprensa para uma entrevista coletiva – segundo informa o dirigente do PPS. Será o anúncio oficial da chapa.

“Nós já estávamos articulando essa chapa há um certo tempo. Só precisávamos dialogar mais em função do cenário nacional, que poderia dificultar um pouco esse processo”, contou Alexandre, ao O POVO, em referencia ao fato de, no plano federal, o PR estar na base de apoio da candidata Dilma Rousseff (PT), enquanto o PPS pertence à base de sustentação do candidato José Serra (PSDB).

Lúcio já afirmou que apoiará Dilma, enquanto Alexandre é um dos maiores entusiastas de Serra no Ceará. Nos últimos dias, chegou a circular informação sobre possível veto nacional a uma aliança do PPS que poderia fortalecer dois palanques para Dilma no Ceará, empurrando o partido para junto do PSDB. Mas acabou prevalecendo a tese de que o melhor caminho para forçar um segundo turno no Estado era lançar dois candidatos contra Cid.

(O Povo Online)

Vestibular da UECE acontece neste domingo, dia 27

A Universidade Estadual do Ceará (Uece) realiza neste domingo (27), das 9 às 13 horas,  a primeira fase do Vestibular de 2010.2. A prova, de múltipla escolha, vai medir os conhecimentos gerais dos candidatos, com questões de Língua Portuguesa, Língua Estrangeira, Geografia, História, Matemática, Física, Química e Biologia. Ao todo estão inscritos 10.402 candidatos para 1.730 vagas, sendo 9.410 na Capital e 992 no Interior do Estado.

A concorrência para o segundo vestibular de 2010 da Uece, tem como média geral 6,01 candidatos para cada vaga. No ranking dos cursos mais procurados, o campeão é Nutrição/Bacharelado, com 604 inscritos, para 30 vagas ofertadas, o que dá uma média de 20,13 candidatos por vaga. O curso de Enfermagem/Bacharelado, com 40 vagas, vem em segundo lugar com 18,55 candidatos para cada vaga. O curso de Medicina Veterinária vem em terceiro lugar, com 474 inscritos e 15,80 para cada vaga. Administração é o quarto mais concorrido com 586 inscritos, ou seja, 14,65 por vaga. Serviço Social está em quinto lugar com 13,73 candidatos por vaga.

Cartões de identificação
Segundo o presidente da Comissão Executiva do Vestibular (CEV), Professor Marcondes Cavalcante França, os Cartões de Identificação dos candidatos já estão disponíveis no site da UECE (www.uece.br). Recomenda-se aos candidatos, que cheguem ao seu local de prova, com uma hora de antecedência.

Locais das provas
O vestibular será realizado nos seguintes locais: Campus do Itaperi, Centro de Humanidades (CH) da UECE, Escola Governador Adauto Bezerra, Colégio Farias Brito (Central), Colégio Ari de Sá Cavalcante Duque de Caxias (Pré-Vestibular) e Colégio Ari de Sá Cavalcante Duque de Caxias (Anexo). Os endereços dos locais de prova encontram-se no Cartão de Identificação do candidato.

A segunda fase acontecerá nos dias 18 e 19 de julho, com a realização de quatro provas: uma de redação e três específicas.

(Portal Jangadeiro)

Negociações com o BB avançam na implantação do Sesmt, comitê de ética e CCP

A negociação entre a Contraf-CUT e os representantes do Banco do Brasil avançou na última terça-feira (23), em Brasília. A empresa apresentou o modelo de funcionamento e a nova estrutura para os Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho (Sesmt) e para a Comissão de Conciliação Prévia (CCP). Alguns prazos e definições referentes à implantação dos comitês de ética também foram mostrados.

“Os importantes avanços verificados nas propostas do banco para essas três questões são resultantes de uma longa luta da categoria. O comitê de ética é fruto de um processo de combate ao assédio e a um modelo de administração que têm sobrecarregado o bancário e causado doenças físicas e psíquicas”, avalia Eduardo Araújo, coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do BB.

“A implantação do Sesmt é o principal avanço porque cria serviços, sem terceirizações, importantes para garantir condições de trabalho relativas à saúde e ao ambiente. Os benefícios serão sentidos no dia a dia após a contratação de todos os profissionais previstos no modelo. Por fim, com novo formato, a CCP deixa de ter um caráter indenizatório e de obrigatoriedade, corrigindo distorções entre o que o bancário pedia e tinha direito e o que a empresa fornecia”, explica.

Logo no início da reunião, o banco se comprometeu a resolver a questão da adesão a Cassi para os funcionários incorporados do Besc, Nossa Caixa e BEP. Ao final da reunião, o banco afirmou que vai analisar os casos específicos apresentados pela Contraf-CUT referentes à licença-saúde, à mudança no processo de venda de folgas, à ampliação do prazo para apresentação do certificado de CPA 20 em São Paulo e ao aumento do número de funcionários nas Plataformas de Suporte Operacional (PSOs).

“O movimento sindical foi contra o modelo USO/PSO, em especial o modelo de plataformas operacionais, concebido sob o aspecto de redução de custos. Agora reivindicamos mais funcionários para as PSOs que se encontram em situação precária de trabalho, com adoecimento de pessoal pelo excesso de trabalho”, ressalta Eduardo Araújo.

A Contraf-CUT questionou a reestruturação da Dicoi/Gecoi, que propõe a centralização de alguns serviços e o descomissionamento de diversos colegas em 1º de julho em vários estados. Para amenizar os problemas verificados, o movimento sindical propôs o adiamento desse projeto para dezembro, com ampliação de pagamento de “esmolão” para doze meses, além do custeio de curso e inscrição em certificação em CPA 10 e 20 pelo banco.

Ficou definido que a Contraf-CUT entregará até o início de julho a pauta aprovada no 21º Congresso dos Funcionários do BB, porém os itens que compõem a minuta de acordo aditivo só será apresentada após aprovação das resoluções da Conferência Nacional da categoria que será realizada de 23 a 25 de julho.

Veja o detalhamento dos temas discutidos durante a última negociação:

Sesmt


O banco prevê que os Sesmts comecem a funcionar em agosto com os profissionais aproveitados do quadro atual do banco. O novo formato de Sesmt terá 142 profissionais em todo o país divididos em três tipos:

- Sesmt A: vai jurisdicionar a sua região e coordenar os Sesmt B e Sesmt Plataforma. O Sesmt terá oito núcleos (São Paulo capital, Ribeirão Preto (SP), Belo Horizonte, Rio de Janeiro, Pernambuco, Distrito Federal, Paraná e Pará).

- Sesmt B: localizado nos estados onde tiverem Gepes.

- Sesmt Plataforma: nos estados que não tiverem Gepes, vinculada ao Sesmt B.

Os funcionários de carreira do banco que tiverem a formação técnica exigida para compor o Sesmt e que desejarem migrar dentro do banco tem até o dia 31 de dezembro. Os bancários incorporados de outros bancos também podem participar da seleção. Depois dessa data só poderão ingressar no Sesmt por meio de concurso externo.

O novo modelo terá Sesmts em todos os estados, mais o Distrito Federal, com pelo menos dois profissionais em cada local. A descrição profissional e geográfica para o processo de seleção já foi finalizada pelo banco.

O salário dos funcionários aproveitados para o Sesmt será enquadrado de acordo com a formação, tempo de banco e cargo ocupado. Os valores serão divulgados posteriormente. A previsão de encarreiramento é que a cada dois anos o funcionário tenha a chance de subir de nível por meio de provas ou certificação interna.

O concurso externo para os profissionais completarem o quadro do Sesmt será em 2010, com posse prevista para 2011.

Comissão de Conciliação Prévia (CCP)

O banco apresentou uma proposta para a volta da CCP que atende as reivindicações do movimento sindical. A comissão passa a ter caráter voluntário e contempla, entre os principais pontos, a análise caso a caso, a quitação exclusiva das verbas pleiteadas, prazo de conciliação de 30 dias e fim do caráter de incentivo à demissão, entre outros pontos.

A Contraf-CUT pediu ajustes na proposta de CCP como o estabelecimento de tempo de prorrogação quando necessário. A proposta final de CCP deve ser apresentada em 30 dias.

Comitês de ética

O banco criou oficialmente a Divisão da Gestão da Ética no último dia 14 de junho, lotada em Brasília. A composição dos comitês de ética aprovada pelo Conselho Diretor tem o seguinte modelo: Comitê Superior para a Ética (nacional) com cinco membros e mais 27 comitês regionais com cinco membros, incluído o representante eleito pelos funcionários.

O representante do banco acredita que as eleições dos representantes (um titular e um suplente) para cada comitê regional será realizada ainda em julho, via Sisbb, concedendo ainda um espaço para apresentação curricular dos concorrentes. O banco afirmou que após as eleições ocorrerá um treinamento e, em agosto, os comitês devem estar funcionando.

O mandato dos eleitos será de dois anos. Por isso o movimento sindical reivindicou a inamovibilidade e a estabilidade para os eleitos dos comitês regionais, semelhantes às dos dirigentes sindicais, além da possibilidade de uma reeleição.

A Contraf-CUT cobrou algumas pendências como: convite para participação nas reuniões dos comitês estaduais, implantação de dois comitês regionais para São Paulo, abono de dois dias para o membro eleito participar da reunião, convite a um auditor sindical nas reuniões do comitê superior, possibilidade de requisição e acompanhamento de processos em andamento na ouvidoria pelos comitês estaduais, aumento da estrutura da ouvidoria, entre outros pontos.

Fonte: Contraf-CUT, com Seeb DF

Boatos sobre eventual venda do BMB preocupam bancários

Segundo reportagem do jornal O Tempo, de Belo Horizonte, não há nada confirmado, mas quando se fala em BMG, Bonsucesso e Mercantil do Brasil sempre há algum boato sobre uma possível venda. Desta vez, os rumores são de que o Santander estaria interessado em comprar o Mercantil. Este nega qualquer negociação. O suposto interessado diz que não comenta especulações.

O funcionário do Santander e secretário de imprensa da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr, diz que não tem informações sobre o assunto, porém a compra não seria surpresa e, desde já, preocupa os bancários por causa do impacto no emprego.

“O sistema financeiro brasileiro está passando por um processo de concentração, que ainda não acabou, e os grandes bancos estão buscando adquirir os menores. Diante das fusões, o Mercantil do Brasil acaba se encolhendo e fica com mais dificuldades de competir com bancos maiores”, avalia Wiederkehr.

“A nossa preocupação é com o emprego dos bancários, pois o Mercantil possui 179 agências e pontos de atendimento e conta com 700 mil clientes, principalmente em Minas Gerais”, destaca.

Hoje, o Santander – que é dono do Real desde 2007 – tem 10 milhões de correntistas e 3.587 pontos de venda, entre agências e postos de atendimento. O volume é 20 vezes maior do que o do Mercantil.

Lucrativo

Embora as instituições não confirmem nenhuma negociação, o balanço do banco mineiro mostra que o espanhol tem bons motivos para querer comprá-lo. No primeiro trimestre deste ano, a carteira de crédito cresceu 8%, puxada por produtos de crédito pessoal e crédito consignado.

No ranking do Banco Central, ele é o décimo em carteira de crédito. E a rentabilidade sobre o patrimônio líquido médio atingiu 15,3% ante 4,3% em 2009. O banco obteve lucro de R$ 113,5 milhões.

O presidente do Sindicato dos Bancários de Belo Horizonte, Clotário Cardoso, afirma que não sabe se existe fundo de verdade nos boatos do interesse do Santander no Mercantil, mas lamentaria se houvesse algum fundo de verdade nos rumores. “Ficamos apreensivos com esses boatos e espero que não haja nenhum fundo de verdade, pois a venda do Mercantil acarretaria perdas em postos de trabalho”, destaca.

Bancos cortaram 8.828 postos em 2009

Em 2007, o Santander anunciou a fusão com o Real. No ano seguinte, o Itaú se uniu ao Unibanco e, juntos, transformaram-se na maior instituição financeira do hemisfério Sul.

Em 2009, os dois gigantes demitiram 8.828 funcionários. Embora tenha sido o que mais lucrou, o Itaú Unibanco também foi o que mais demitiu, fechando 7.176 postos de trabalho. O Santander cortou 1.652 empregos. Juntas, as duas instituições mandaram 8.828 pessoas embora, segundo a Contraf-CUT.

Para Cardoso, as estatísticas revelam o mal que as fusões trazem para o país. “Temos que lutar por uma regulamentação do sistema financeiro, para evitar que poucas grandes instituições monopolizem o mercado e prejudiquem clientes com altas tarifas e trabalhadores com demissões”, salienta.

Banco do Brasil

Além das fusões dos bancos privados, o Banco do Brasil tem adquirido instituições para retomar a liderança no mercado.

O BB comprou o último banco estadual de São Paulo, Nossa Caixa, que estava em processo de desmonte no governo Serra. Antes, o Banespa havia sido privatizado, em 2000, no governo Covas/Alckmin. Ambos sob administração do PSDB.

Fonte: Contraf-CUT com O Tempo, de BH

Contraf-CUT divulga manifesto para Dia Nacional de Luta dos bancários da Caixa

A Contraf-CUT divulgou um manifesto para ser distribuído no Dia Nacional de Luta dos empregados da Caixa, que acontece na próxima terça-feira, 29 de junho. Os bancários estarão mobilizados em todo o país pela isonomia de direitos entre novos e antigos empregados e contra o modelo de reestruturação adotado pelo banco

> Clique aqui para ler o manifesto, que se encontra disponível na seção Publicações do site.

“A isonomia de direitos é uma reivindicação antiga dos empregados da Caixa e que também interessa a inúmeros outros trabalhadores do setor público. As manifestações também se voltam ao Congresso Nacional, pela aprovação do projeto de lei 6259, de 2005″, afirma Plínio Pavão, secretário de saúde da Contraf-CUT e empregado do banco.

“Cobramos o respeito e valorização a todos os empregados e que seja suspensa o processo de reestruturação, pois exigimos que o assunto seja tratado por meio do diálogo com a representação dos empregados”, conclui Plínio.

( Contraf-CUT)

TSE suspende propaganda do PSDB

O ministro do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) Aldir Passinho Junior suspendeu nesta sexta-feira (25) as inserções do PSDB previstas para serem exibidas amanhã (26) e na próxima terça-feira (29). Na avaliação do ministro, o partido usou a propaganda partidária, que foi transmitida inicialmente na última terça (22), para promover a imagem do candidato tucano à presidência da República, José Serra.

Passarinho Junior, que também exerce o cargo de corregedor eleitoral, atendeu pedido do PT. O partido argumentou que a inserção caracterizou propaganda eleitoral antecipada, já que a inserção foi exibida antes de 5 de julho, quando a legislação permite o início das campanhas. Além disso, os petistas afirmaram que o programa teve desvio de finalidade, pois não se limitou à divulgação exclusiva do programa e da proposta da legenda, usando os 30 segundos para promover Serra.

Para o ministro, a inserção do PSDB desrespeitou a Lei das Eleições ao se afastar das finalidades da legislação. Passarinho Junior argumentou que a peça foi usada “integralmente para realizar exclusiva promoção do candidato ao cargo de presidente da República pelo PSDB, com a exibição de fotos e imagens que assinalam sua trajetória pessoal e política”.

O PT pediu ainda que o tempo partidário do PSDB seja cassado e que multa seja aplicada. No entanto, o corregedor eleitoral não determinou outros tipos de sanções, além da suspensão da inserção. A ação ainda pode ser julgada pelo plenário do TSE. Passarinho Jr, porém, deu a opção ao PSDB de trocar a inserção partidária.

(Agência Estado)

José Pimentel: O Senador do Lula, Dilma, Cid e Luzianne

O PT abriu mão da indicação do vice na chapa da tentativa de reeleição do governador do Ceará, Cid Gomes (PSB) e ganhou o apoio do governador para entrada do deputado federal José Pimentel (PT) na disputa para o Senado. A definição saiu nesta sexta-feira, quando o vice-presidente estadual do PT, deputado federal José Guimarães, recebeu uma ligação do deputado estadual Ivo Gomes (PSB), irmão de Cid. Com isso caberá ao governador indicar o vice que poderá ser do PDT ou do PCdoB.

A presidente estadual do PT, a prefeita de Fortaleza, Luizianne Lins, comemorou a definição e anunciou que a candidata do partido à Presidência da República, Dilma Rousseff, virá a Fortaleza no próximo domingo (27) para a convenção que vai homologar a candidatura de Cid ao governo e de Pimentel e Eunício Oliveira (PMDB) ao Senado.

“Nossa prioridade agora é José Pimentel para o Senado, mas mantemos a mesma linha de não aliança com o PSDB, apoio à reeleição de Cid, Eunício Oliveira como candidato ao Senado e a afirmação da candidatura prioritária de José Pimentel ao Senado”, disse hoje Luizianne Lins.

Ela esclarece que o PT não vai indicar nomes da vice, exceto se Cid quiser. “Se o governador achar que o vice deve ser do PT, o PT indicará o nome, mas não é mais nossa prioridade.” Hoje o vice de Cid é o petista Francisco Pinheiro.

José Pimentel também festejou a definição e afirmou que o palanque de Dilma agora está montado no Ceará com PT, PSB, PMDB e outros 12 partidos aliados, como PDT e PC do B. Pimentel foi comedido quando perguntado se iria derrotar o senador Tasso Jereissati (PSDB) na disputa. “Vamos esperar os resultados das urnas em três de outubro.”

(Ultimo Segundo)

Coligação pró-Cid Gomes reunirá 16 partidos políticos

Definido o nome da coligação do governador Cid Gomes (PSB) e Eunício Oliveira (PMDB) e José Pimentel (PT), que serão os candidatos ao Senado: “Um Ceará melhor para todos”.

A definição ocorreu nesta tarde de sexta-feira, 25, após reunião dos dirigentes do PT, PSB e PMDB. A coligação vai reunir um total de 16 partidos.

O nome da coligação será oficializado no próximo domingo, 27, quando de convenção no ginásio do Colégio Evolutivo, em Fortaleza.

(O Povo Online)