you're reading...
Ceará e Nordeste

Constituição Federal garante direito do trabalhador à greve

Interdito proibitório, dispositivo legal usado pelos bancos para tentar barrar manifestação, não pode se sobrepor à Carta Magna
São Paulo – A Constituição de 1988, que em 5 de outubro completou 20 anos, trouxe uma nova estrutura jurídico-constitucional ao país, ampliando as liberdades civis e assegurando direitos e garantias fundamentais para o cidadão brasileiro. Um dos mais importantes é o artigo 9º, que na sua redação garante o direito de greve para os trabalhadores: “É assegurado o direito de greve, competindo aos trabalhadores decidir sobre a oportunidade de exercê-lo e sobre os interesses que devam por meio dele defender”. A garantia foi consagrada em 1989, com a aprovação pelo Congresso Nacional da Lei 7.783, que ficou conhecida como Lei de Greve.

Apesar disso, os bancos desviam o uso de um dispositivo jurídico chamado interdito proibitório para impedir o trabalhador de exercer o seu direito constitucional de cruzar os braços para lutar pelos seus direitos.

O interdito proibitório está previsto no Código Civil, compilação de leis que, como qualquer outra, está abaixo da Constituição Federal, documento supremo das leis que regem o país. Além disso, seu princípio tem base na sociedade do início do século passado, já que era utilizado por latifundiários para evitar ocupação de terras, e as greves da ocupação, formato que passa longe da mobilização dos bancários.

Para o advogado trabalhista José Eymard Loguercio, que participou de dezenas de processos envolvendo interdito proibitório contra movimentos grevistas, os juízes que atendem à solicitação dos banqueiros muitas vezes justificam a atitude como forma de regularizar as operações comerciais dos bancos. Para o advogado, esse princípio seria incompatível com o próprio direito de greve. “Ora, a greve em si, por natureza, pressupõe a limitação da atividade econômica, até mesmo sob o ponto de vista jurídico. Se não há limitação da atividade econômica da empresa, não é greve, o movimento perde o sentido e sua força motriz”, defende o advogado.

“Há exatos 20 anos da promulgação da Constituição Cidadã, os bancos teimam em fazer uso de um instrumento retrógrado como o interdito proibitório para tentar calar os trabalhadores”, afirma Luiz Cláudio Marcolino, presidente do Sindicato. “Mas não vamos aceitar, recorremos à Justiça para mostrar que não ameaçamos o patrimônio físico dos bancos e que os bancários estão exercendo um direito legítimo de manifestação para arrancar dos banqueiros aumento de salário.” Multas – Os interditos prevêem multas que podem chegar a valores de até R$ 1 milhão, em caso de descumprimento. Alguns proíbem a aproximação do Sindicato num raio de 200 metros dos locais de trabalho e outros prevêem até a apreensão de objetos e pessoas que estejam em frente aos bancos admitindo, para isso, o uso de força policial. “Os interditos proibitórios têm como função impedir a greve e arruinar o Sindicato. Os bancos utilizam-se do Judiciário e das brechas na lei para inviabilizar a greve e mais, inviabilizar as próprias entidades sindicais, sufocadas por multas altíssimas. Com a profusão de interditos proibitórios, um instrumento perverso, eles impedem o trabalhador de usufruir do direito de greve”, diz o advogado Eymard.

É importante entender que a presença de sindicalistas não é uma invasão como os bancos tentam fazer crer. São trabalhadores eleitos pela categoria para representá-los em suas lutas e estão lá para esclarecer os bancários sobre a greve, uma greve deliberada legal e legitimamente em assembléia.

André Rossi e Danilo Pretti Di Giorgi – 08/10/2008

Fonte: Contraf/CUT
About these ads

Discussão

Nenhum comentário ainda.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

VISITANTES TOTAIS

  • 8,649,021 visitas

VISITANTES ON-LINE

SAUDAÇÕES

Sejam tod@s muito bem vind@s!

O blog diálogos políticos é uma iniciativa da Secretaria de Formação do Sindicato dos Bancários do Ceará. Nosso objetivo é possibilitar o intercâmbio de informações entre as pessoas interessadas nos mais diversos temas da conjuntura brasileira.

MEDIADOR

. Geógrafo e Funcionário da Secretaria de Formação do SEEB/CE. Atua na CCP-Banco do Brasil e CCV-Caixa. Diretor da AESB e Delegado Sindical do SINTEC-CE.

MÚSICA

Direito a Liberdade de Expressão

"Todo o indivíduo tem direito a liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e idéias por qualquer meio de expressão". Art.19 da Declaração Universal dos Direitos do Homem, promulgada em 10 de dezembro de 1948.
free counters
%d blogueiros gostam disto: