Fundada em 1983, CUT comemora hoje 25 anos

PARABÉNS, CUT, PELO LEGADO EM CONSTRUÇÃO

Por: Artur Henrique, Presidente Nacional da CUT

Uma consulta simples no Google traz de pronto mais de 400 mil resultados para Central Única dos Trabalhadores. São reportagens, artigos e textos acadêmicos sobre a Central. Há muito mais que isso em arquivos impressos, em fotos e imagens em movimento, dispersos por aí.

Afora o desafio de continuar consolidando nossos arquivos e dar-lhes maior coesão, esses fragmentos são amostras da importância da CUT na história recente do Brasil. Compreendê-la em toda sua extensão é um processo ainda em aberto, porém há algumas influências cutistas evidentes.

Desempenhamos um papel decisivo na mudança do país, e não apenas nos aspectos mais visíveis, como eleições livres, liberdade de expressão e direitos individuais e coletivos. Trabalhamos sempre desde as bases, convictos de que democracia com justiça social não é jogo do grande poder, mas fruto da consciência popular que se transforma em organização, em movimento e em exercício do poder entendido como projeto coletivo voltado aos interesses da maioria, ou seja, da classe trabalhadora, e ao respeito às diferenças – a participação das mulheres em nossa história é um dos casos exemplares.

Nesse contato com as bases, formulamos projetos de formação por onde já passaram milhões de brasileiros e ainda passam, adquirindo conhecimento e conteúdos que nos inserem na condução da vida nacional como protagonistas. Já estamos organizados em diversos locais de trabalho, onde trabalhadores e trabalhadoras discutem os rumos das instituições e deles participam. Por todo o Brasil, decidimos através dos conselhos, junto com governos e sociedade civil, sobre políticas públicas.

Somos a principal referência quando se pensa na presença dos trabalhadores nas questões nacionais. Ocupamos um espectro, tanto simbólico quanto concreto, que vai das grandes mobilizações e combates até o trabalho de transformação desempenhado junto a cada trabalhador, a despeito das dificuldades de acesso aos grandes canais privados de comunicação.

Não faltaram momentos em que fomos temporariamente derrotados, e deles colhemos o saldo da bravura e da certeza que é preciso continuar. Das circunstâncias em que conseguimos ser ouvidos e registrar avanços, embora nossos opositores tentem ocultar a luta que gerou as conquistas, fruímos boa parte da energia que precisamos para manter acesa a crença na luta pela igualdade e pela fraternidade.

Parabéns CUT, pelos 25 anos de história e pelo legado em construção.

Fonte: http://www.cut.org.br/

Postado por Erismar Carvalho, às 14h13.

Campanha Salarial 2008

CALENDÁRIO DE NEGOCIAÇÕES

Pelo calendário acertado em reunião nesta quarta-feira (27/08), entre a Fenaban e o Comando Nacional dos Bancários, as negociações da Campanha Salarial 2008 terão o seguinte cronograma:

2 de setembro: conclusão das questões pendentes e ativação das comissões temáticas que discutirão saúde e condições de trabalho, igualdade de oportunidades e segurança bancária.

9 de setembro: Emprego, questões sociais e cláusulas renováveis da Convenção Coletiva dos Bancários.

16 e 23 de setembro: Remuneração total.

PRIMEIRO BLOCO – DIA 2/9

Saúde e condições de trabalho
- Combate ao assédio sexual (Artigo 73 da pauta de reivindicações).
- Combate ao assédio moral/violência organizacional (Artigo 74).
- Eliminação de riscos (Artigo 79).
- Manutenção dos salários e da complementação do auxílio-doença previdenciário e acidentário (Artigo 80).
- Acidente de trabalho, incluído o comunicado de retorno após a licença (Artigos 81 e 82).
- Garantias ao aposentado por invalidez (Artigo 84).
- Programa de reabilitação (Artigo 85).
- Proteção à bancária gestante (Artigo 86).
- Intervalos para atividades repetitivas que impactam os membros inferiores e superiores e a coluna vertebral (Artigo 87).
- Exames médios (Artigo 88).
- Política global de combate à Aids (Artigo 89).
- Outras políticas de saúde (Artigo 90).
- Assistência médica, hospitalar e odontológica (Artigo 91).
- Custeio de tratamento convencional, alternativo e medicamentoso (Artigo 92).
- Orientação administrativa sobre procedimentos previdenciários (Artigo 93).
- Cipas ((Artigo 94).

Igualdade de oportunidades
- Promoção da igualdade de oportunidade para todos, homens e mulheres (Artigo 69 da pauta de reivindicações).
- Isonomia de tratamento para homoafetivos (Artigo 67).
- Ascensão profissional (Artigo 70).
- Contratação de trabalhadores com deficiência (Artigo 71).

Segurança bancária
- Implementar a Comissão de Segurança Bancária (Artigo 75 da pauta de reivindicações).
- Melhorar a segurança nas agências e postos de atendimento (Artigo 76).
- Medidas reparatórias em decorrência de assaltos e seqüestros (Artigo 77).
- Indenização por morte ou incapacidade decorrente de assalto (Artigo 78).

SEGUNDO BLOCO – DIA 9/9

Emprego e cláusulas sociais
- Garantia no emprego (Artigo 46 da pauta de reivindicações).
- Garantias contra a dispensa imotivada (Artigo 47).
- Combate à terceirização (Artigo 48).
- Estabilidades provisórias de emprego (Artigo 49).
- Estágio profissional (Artigo 50).
- Criação de Comissão sobre mudanças tecnológicas (Artigo 52).
- Correspondente bancário (Artigo 54).
- Opção pelo FGTS, com efeito retroativo (Artigo 55).
- Jornada de trabalho (Artigo 56).

Cláusulas renováveis
Esse bloco trata da renovação das cláusulas que já existem na Convenção Coletiva dos Bancários:

- Salário do substituto (Cláusula 5ª).
- Opção por indenização do adicional por tempo de serviço (Cláusula 7ª).
- Adicional noturno (Cláusula 9ª).
- Gratificação de compensador de cheques (Cláusula 13ª).
- Auxílio-filhos excepcionais ou deficientes físicos (Cláusula 18ª).
- Vale-transporte (Cláusula 21ª).
- Abono de falta ao estudante (Cláusula 22ª).
- Estabilidades provisórias de emprego (Cláusula 24ª).
- Opção pelo FGTS com efeito retroativo (Cláusula 25ª).
- Seguro de vida em grupo (Cláusula 27ª).
- Multa por irregularidade na compensação (Cláusula 29).
- Frequência livre de dirigentes sindicais (Cláusula 32ª).
- Quadro de avisos (Cláusula 33ª).
- Sindicalização (Cláusula 34ª).
- Férias proporcionais (Cláusula 42ª).
- Carta de dispensa (Cláusula 43ª).

TERCEIRO BLOCO – DIAS 16 E 23/9

Remuneração total
Esse bloco sobre questões econômicas está subdividido nos seguintes temas:

Salários
- Reajuste salarial, com aumento real de 5% (Artigo 2º da pauta de reivindicações).
- Décimo quarto salário (Artigo 3º).
- Proteção salarial (Artigo 4º).
- Valorização dos pisos salariais, de forma a equipará-lo ao salário mínimo do Dieese, hoje de R$ 2.074, até 2010 (Artigo 5º).
- Regulamentação da remuneração variável (Artigo 8º).

Participação nos Lucros e Resultados (Artigo 12)
Os objetivos são elevar o valor da PLR e simplificar os critérios de distribuição: três salários mais R$ 3.500 para todos, sem limitador e sem teto.

Adicional por tempo de serviço (Artigo 13).

Gratificações de caixa (Artigo 17) e semestral (Artigo 19)

Auxílios
- Auxílio refeição de R$ 17,50, de forma a compensar a inflação dos alimentos dos últimos 12 meses (Artigo 20).
- Auxílio cesta alimentação equivalente ao salário mínimo (R$ 415,00)(Artigo 21).
- 13ª cesta alimentação (Artigo 23).
- 13ª cesta refeição (Artigo 24).
- Auxílio creche/auxílio babá (Artigo 25) – Deve ter o mesmo valor do salário-mínimo (R$ 415), com ampliação da idade para 8 anos e 11 meses e comprovação anual dos gastos.
- Auxílio – filhos em período escolar (Artigo 26).
- Auxílio – filhos com deficiência (Artigo 27).
- Auxílio educacional (Artigo 28).
- Reembolso escolar (Artigo 29).
- Auxílio funeral (Artigo 30).

Fonte:  http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=14279

Postado por Erismar Carvalho, às 13h30.

Pré-sal cearense

A Petrobras descobriu que vale a pena investir na costa cearense e vai destinar R$ 147 milhões para a exploração de petróleo em águas profundas nos próximos anos. Mas isso pode ser apenas o começo.

Que a costa do Ceará guarda mais riquezas do que as explorações apontam, a Petrobras já sabe. Por isso, decidiu investir, de 2009 a 2012, R$ 147 milhões na perfuração de cinco poços em águas profundas – a cerca de 1.900 metros de profundidade. O que a Petrobras ainda não sabe, mas já está realizando estudos para descobrir, é a existência de uma camada pré-sal por aqui, a exemplo da que foi encontrada no Sul e no Sudeste. A certeza ainda não existe, mas a possibilidade de haver uma reserva de grande porte e a perspectiva de perfuração por parte da empresa são, de fato, reais.

“Pode ter pré-sal no Ceará e no Rio Grande do Norte, que foram os últimos pontos de separação entre o continente sul-americano e o africano. E não só há possibilidade de existência de pré-sal aí (no Ceará), como a Petrobras tem a perspectiva de perfurar. Eu só não sei quando porque não sei qual a prioridade (da empresa)”, afirma o diretor de Comunicação da Associação dos Engenheiros da Petrobras (Aepet), Fernando Siqueira.

A reserva de pré-sal encontrada entre o litoral dos estados de Santa Catarina e Espírito Santo abriga uma enorme quantidade de óleo de boa qualidade, fruto da separação dos continentes sul-americano e africano, como explica Siqueira. “Quando os continentes estavam se separando, os rios traziam detritos orgânicos que eram depositados na abertura gerada pelo rompimento”. Esses detritos eram misturados com terra e fermentados por microorganismos, formando assim o petróleo. “No caso do Nordeste, também houve depósito de detritos orgânicos de rios como o São Francisco e pode ter havido a formação do pré-sal”, esclarece.

A camada de pré-sal, como o próprio nome explica, significa que o petróleo está localizado abaixo da camada de sal, que protegeu o óleo do aumento de temperatura e da pressão da água, impedindo a vazão de petróleo para a superfície. Essa espécie de proteção, no entanto, se transformou num entrave para a exploração, já que o óleo pode ser encontrado a nada menos que seis mil metros de profundidade do nível do mar.

“De acordo com os geólogos, a separação dos continentes se deu do sul para o norte e como no Ceará também houve um afastamento do continente africano, pode ter havido um mecanismo parecido. Nas reservas pré-sal do sul, estima-se que há 90 bilhões de barris, mas já há quem fale em 300 bilhões que já seria agregando o petróleo do Nordeste”, afirma o diretor da Aepet. Se isso se confirmar, definitivamente, o País não só se tornará um dos maiores produtores de petróleo do mundo como terá que investir em tecnologia para explorar de maneira economicamente viável essas riquezas.

EMAIS

- A camada pré-sal fica abaixo de cerca de dois quilômetros de água, dois quilômetros de rochas e sedimentos e outros dois quilômetros de sal.

- Especialistas estimam que a reserva descoberta entre a costa de Santa Catarina e do Espírito Santo tem de 40 bilhões a 90 bilhões de barris.

- Estima-se que seja necessário algo em torno de US$ 600 bilhões para viabilizar a exploração da camada pré-sal já descoberta no País.

NÚMEROS

R$ 147 milhões é quanto a Petrobras vai investir na costa cearense para explorar petróleo em águas profundas

300 bilhões de barris de petróleo pode ser o potencial da camada pré-sal em todo o Brasil

Fonte: http://www.opovo.com.br/opovo/economia/815351.html

Postado por Erismar Carvalho, às 11h14.

Dia do Bancário

 

 

DATA TEVE ORIGEM EM 1951, APÓS GREVE HISTÓRICA

 

São Paulo – Bancários de todo o país comemoram nesta quinta-feira, 28 de agosto, o Dia do Bancário. Há muito que celebrar na história de uma categoria que participou dos mais importantes momentos da política brasileira nos últimos 85 anos e ajudou a construir a democracia no país. Mas, além da festa, é também um dia para reflexão sobre o atual momento dos bancários, que, se garantiram nestes anos conquistas históricas, também enfrentam hoje grandes e novos desafios, como a institucionalização do assédio moral e um crescimento salarial e de participação nos lucros incompatível com o lucro e a rentabilidade dos bancos, que na ultima década vêm batendo recordes sobre recordes.

 

História – Com o fim da ditadura de Getúlio Vargas, em 1945, em meados do século passado, os movimentos sociais começavam a retornar à cena política, com os bancários na linha de frente – a campanha de 1946 já ocupou as ruas do centro de São Paulo. Mas foi em 1951 que o 28 de agosto virou Dia do Bancário, quando teve início uma greve que durou 69 dias e conquistou 31% de aumento salarial, contra 15% oferecido com base num cálculo duvidoso da inflação.

  

Os bancários de São Paulo e Belo Horizonte, ao contrário de trabalhadores de outros locais, não abriam mão da reivindicação inicial: 40% de aumento, salário mínimo profissional e adicional por tempo de serviço. Durante o movimento, em meio a forte repressão do Dops, pressão do governo estadual, Ministério do Trabalho e até da Igreja, além da omissão da imprensa, os mineiros também acabaram aceitando acordo de 20%. Isolado, São Paulo prosseguiu com o movimento, que só terminou em novembro.

  

Os banqueiros, que ameaçavam excluir o salário profissional e o adicional por tempo de serviço, ficaram surpresos com a capacidade de organização e a mobilização da categoria. Após o término da greve, não perderam a chance de jogar pesado: muitos grevistas foram demitidos e outros transferidos para cidades do interior do Estado.

 

Dieese – Com isso, apesar da dificuldade de rearticulação dos trabalhadores nos anos seguintes, a greve de 51 resultou não só num aumento salarial maior para São Paulo, como levou suas lideranças a outros municípios, propiciando a formação de vários sindicatos bancários pelo estado. Mais ainda, ousou questionar a lei de greve do governo Dutra e colocou em xeque os índices oficiais de custo de vida, que tiveram de ser refeitos – durante o processo, estes índices pularam “milagrosamente” de 15,4% para 30,7%. O questionamento do cálculo do custo de vida culminaria, em 1955, na criação do Dieese – o hoje histórico e respeitado Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos.

 

  

Fonte: http://www.spbancarios.com.br/noticia.asp?c=8681

  

Postado por Erismar Carvalho, às 10h38.

 

CAMPANHA SALARIAL 2008

NEGOCIAÇÕES COMEÇAM COM DEFINIÇÃO DE BLOCOS TEMÁTICOS E ACERTO DE CALENDÁRIO

Na primeira rodada de negociações da campanha salarial de 2008, iniciada nesta quarta-feira 27/08, o Comando Nacional dos Bancários e a Fenaban acertaram o calendário de discussões, que terá mais quatro rodadas: nos dias 2, 9, 16 e 23 de setembro. Também houve acordo em relação ao processo de negociações, que será desenvolvido por blocos temáticos, como no ano passado.

Após o acordo quanto ao calendário, foram retomadas nesta quarta-feira de manhã as negociações sobre as questões pendentes da campanha do ano passado, entre elas o combate ao assédio moral nos locais de trabalho e o pagamento da 13ª cesta-alimentação para todos os bancários, inclusive para os afastados.

 

Fim do assédio moral

“Apresentamos novamente aos bancos o grave problema do assédio moral que a categoria toda enfrenta hoje e a necessidade de estabelecermos uma política permanente de combate a essas práticas nocivas, que vise não apenas a punição de indivíduos, mas que tenha como foco a mudança da cultura das empresas”, informa Vagner Freitas, presidente da Contraf/CUT e coordenador do Comando Nacional dos Bancários. “E essa política de combate permanente ao assédio moral deve estar contemplada na Convenção Coletiva dos Bancários.”

Os representantes dos bancários também defenderam a necessidade de ser implementado um manual de conduta com orientações explícitas para se evitar a prática do assédio moral. Ficou acertado que na próxima rodada de negociação, dia 2 de setembro, o Comando Nacional e os representantes dos bancos construirão um texto conjunto sobre o tema para ser incluído na Convenção.

O Comando Nacional também reafirmou aos bancos o seu entendimento de que o pagamento da décima-terceira cesta-alimentação vale para todos os bancários, inclusive aos afastados. E defendeu que esse entendimento deve estar explicitado na Convenção Coletiva que será assinada este ano.

“Consideramos que houve avanços nessa primeira rodada de negociações com a Fenaban, uma vez que conseguimos estabelecer uma dinâmica que permitirá discutir em profundidade as reivindicações dos bancários”, avalia Vagner Freitas.

Leia  a matéria completa: http://www.contrafcut.org.br/noticias.asp?CodNoticia=14279

Postado por Erismar Carvalho, às 10h07.

Brasil deve crescer mais que América Latina em 2008

O Brasil deve ultrapassar a média da América Latina e crescer 4,8% em 2008, segundo o “Estudo Econômico da América Latina e Caribe 2007-2008″, divulgado nesta quarta-feira pela Cepal (Comissão Econômica para a América Latina e o Caribe). O relatório prevê crescimento médio de 4,7% para a América Latina. Quando considerados apenas os países da América do Sul, a projeção é de crescimento médio de 5,6% em 2008.

Nos últimos quatro anos, o Brasil vinha apresentando crescimento inferior ao da média da América Latina. Segundo o diretor do escritório da Cepal no Brasil, Renato Baumann, as perspectivas de desempenho “podem ser consideradas razoáveis” mesmo para 2009, quando o Brasil e a América Latina deverão crescer 4%, conforme o estudo.

Fonte: http://desabafopais.blogspot.com./

Postado por Erismar Carvalho, às 09h55.

Proposta de orçamento prevê salário mínimo de R$ 464,72

A proposta de Orçamento Geral da União enviada nesta quarta-feira (27) ao Congresso prevê que o salário mínimo passará dos atuais R$ 415 para R$ 464,72 em 2009. O valor é maior que os R$ 453,67 divulgados pela manhã pelo ministro do Planejamento, Paulo Bernardo, ao entregar o projeto no Congresso.

Fonte: http://desabafopais.blogspot.com./

Postado por Erismar Carvalho, às 09h53.